Página inicial / Notícias / Quadro para indexação de filmes

Quadro para indexação de filmes

Texto por Marina Macambyra

Indexação de filmes é uma atividade complexa, que exige a atenção de indexadores em múltiplos aspectos. Temos que analisar as imagens que se movem, o som, os conteúdos explícitos e os que se escondem fora do quadro, elementos da linguagem audiovisual que nem sempre compreendemos bem. Tudo isso passa pelo filtro da nossa sensibilidade, ideologia, história pessoal, formação, cultura etc, filtro que não podemos deixar totalmente de lado, mas para o qual podemos nos manter alertas e conscientes. Essa não é uma tarefa que se possa fazer intuitivamente, como se entender o cinema ou audiovisual fosse uma capacidade natural, muito menos com pressa, como se nosso trabalho fosse apenas cumprir metas de processamento. Para indexar filmes são necessários critérios muito claros e método de trabalho.

A experiência de muitos anos indexando e observando o trabalho de outros profissionais e estagiários me fez identificar os equívocos mais comuns nessa prática:

  • excesso de economia de termos, geralmente resultante do medo de chegar a conclusões erradas

  • no lado oposto do primeiro, delírios de interpretação subjetiva produzindo indexação muito pessoal

  • esquecimento de termos óbvios

Para minimizar esses problemas e melhorar a consistência na indexação, criei um quadro para indexação de filmes, inspirado na grade proposta pela Johanna Smit para indexação de imagens fixas (SMIT, 1996; MANINI, 2002). Aproveitei da proposta da Johanna a ideia de usar uma grade como guia para o processo de análise e os conceitos de específico e genérico que ela trouxe da SHATFORD (1986). Depois de alguns testes práticos,  a última versão do quadro ficou assim: 

Neste link vocês podem encontrar o mesmo quadro da imagem acima, em duas versões: vazio, caso vocês queiram aproveitar em suas atividades, e preenchido com exemplos.

Explicando o quadro

As categorias Local da ação, Época da ação, Personagens, e Assuntos tópicos, divididos em Eventos, Ações, Áreas do conhecimento, Conceitos diversos e Sentimentos e emoções são as que usamos para indexar filmes. Foram definidas a partir da nossa experiência no atendimento aos usuários de filmes mas são necessariamente adequadas em outros contextos, em acervos com outros perfis e usuários com outras necessidades. O que é válido para qualquer situação é a ideia de sistematizar e registrar critérios de indexação e métodos de trabalho, para orientar o olhar do indexador.

Nem todas as categorias admitem  a divisão entre termos genéricos e específicos. Para o local da ação, por exemplo, podemos ter praias, no geral, e uma praia específica. O mesmo não se aplica para a época da ação, áreas do conhecimento e outras categorias que não trazem essa subdivisão no quadro. Observemos, além disso, que um filme ambientado na Praia do Forte também pode satisfazer  perfeitamente o usuário que busque imagens de praias em geral. Portanto, o indexador de imagens, tanto fixas quanto em movimento, normalmente usa termos genéricos e específicos para indexar a mesma imagem ou sequência de imagens em filmes. Essa questão fica mais clara observando os exemplos no quadro preenchido.

Filmes podem ser analisados no todo ou em partes sequências, cenas e até planos específicos, dependendo da política de indexação adotada. Assim, ao analisarmos um filme que narre a história de um médico que busca vingar a morte do filho com quem teve uma relação conflituosa, podemos indexá-lo com os termos vingança e relações pai e filho, que corresponderiam ao assunto geral da obra. E se o filme contiver várias sequências ambientadas no hospital mostrando a rotina de trabalho do personagem, podemos também usar os termos hospitais médicos. O quadro pode ser usado indistintamente para o assunto do filme como um todo e de trechos específicos. 

Recomendo muito cuidado ao indexar filmes usando termos que descrevam sentimentos e emoções, porque é a categoria na qual a subjetividade do indexador interfere com mais força. O erro mais comum é confundir o assunto do filme com o efeito causado em nossa própria sensibilidade. É preciso não esquecer que a ideia é identificar sobre que é o documento que estamos indexando – assunto é isso. Um filme que nos traz alegria não é, necessariamente, um filme sobre a alegria. Como essa distinção nem sempre é fácil de realizar, o mais prudente, quando se trata de emoções, é nos atermos ao que é efetivamente dito e mostrado de forma explícita no documento.

O que falta

Há duas categorias que tenho muita vontade de incluir no quadro, mas que ainda requerem mais estudos e amadurecimento:  linguagem cinematográfica e temas clássicos do cinema.

O primeiro é o mais complicado, já que exigiria, em princípio, conhecimentos técnicos sobre montagem, fotografia, narrativa etc. que poucos indexadores bibliotecários teriam. Além disso, a indexação nesse nível só seria interessante para um público bastante especializado.

Quanto ao que estou chamando de “temas clássicos do cinema” por não encontrar um nome melhor, acredito ser uma categoria mais fácil de tratar e de utilidade para um público bastante amplo e heterogêneo. Todos nós temos uma boa noção do que seja um filme sobre a luta do bem contra o mal, por exemplo, porque já assistimos a centenas de filmes que tratam desse tema. Temos ainda aqueles filmes que mostram um personagem que enfrenta sozinho toda uma coletividade que está contra ele, ou o estranho que chega e desestrutura uma família, sobre o outsider que precisa recuperar seu lugar no mundo, mulheres em conflito com a maternidade, personagens que foram escolhidos para cumprir uma missão, personagens obcecados por resolver um mistério etc.

Experimentem entrar na Internet Movie Database e fazer uma busca por um assunto muito popular como amor ou morte como palavra-chave. Entre as palavras-chaves mais populares atribuídas pelos usuários da base vamos encontrar triângulo amoroso, amor à primeira vista, carta de amor, morte do pai, morte da mãe, morte em massa etc. 

Não é tão difícil, penso, criar uma lista básica de temas importantes para indexar um acervo de filmes – tomando cuidado para não inventar nada muito complicado. Uma lista de poucos termos, com definições ou notas de escopo claras, estabelecida a partir de pesquisa com usuários e consulta em fontes especializadas seria uma ferramenta útil para indexadores de obras audiovisuais. Vou trabalhar nisso e aceito contribuições.

Como usar

Minha proposta não é preencher um quadro desses para cada documento a ser indexado. Isso dificilmente seria viável. Sugiro usá-lo em treinamento de indexadores, em atividades ocasionais para acertar procedimentos com a equipe ou nos casos em que o indexador estiver com dúvidas. De qualquer forma, mesmo que não se faça o preenchimento sistemático do quadro, é interessante consultá-lo regularmente.

Convido os colegas que se animarem a testar a me enviarem suas impressões e sugestões.

Referências

MANINI, Miriam Paula. Análise documentária de fotografias: leitura de imagens incluindo sua dimensão expressiva. In.: REPOSITÓRIO Institucional da UnB. Brasília: Universidade de Brasília, 2004. Disponível em
http://repositorio.unb.br/handle/10482/946. Acesso em 10 abr. 2020.

SHATFORD, Sara. Analyzing the subject of a picture: a theoretical approach. Cataloging and Classification Quarterly, New York, v. 6, n. 3, p. 39-62, 1986.

SMIT, Johanna W. Propositions for the treatment of iconographical information. In: CONGRESO INTERNACIONAL DE INFORMACION – INFO’97, 1997. Havana. Textos completos. Havana: IDICT, 1997. p. 1-14.

Fonte: A imagem, o som, o tempo

Sobre admin

Check Also

Jornada da Leitura 6.0

https://observatoriodolivro.org.br/ Programação incrível de lives apresentadas por especialistas, escritores e artistas, que vão falar sobre os …

Um comentário

  1. Obrigada pela divulgação!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *