Página inicial / Biblioteconomia / Bibliotecárias(os) / Mentalidade Digital Para Serviços Bibliotecários: Algumas Divagações

Mentalidade Digital Para Serviços Bibliotecários: Algumas Divagações

Texto por Fernando Modesto

Décadas atrás, o sucesso para adentrar no mercado de trabalho era possuir um diploma, mas não um diploma qualquer; tinha que ser um diploma de datilografia.

Requisito essencial para ocupar funções, ainda que gerais, em qualquer escritório, departamento de empresa ou repartição pública. Recordo-me que em Campinas, SP, existiam várias escolas de datilografia, e as indicadas eram as patrocinadas pela marca “Olivetti”. Possuo até hoje meu diploma de datilógrafo, obtido em um curso então localizado em prédio existente na Av. Francisco Glicério, ao lado do Largo da Catedral (ou Praça José Bonifácio).

À época (década de 1970), reinava uma mentalidade eletroeletrônica, em um mundo físico e extremamente analógico. Para um bibliotecário do período, o diploma de datilografia era muito útil. Catálogos eram impressos e os processos de disseminação seletiva da informação realizados em máquina de escrever.

Porém, com os anos chegaram os microcomputadores, as impressoras, os softwares de editoração, a internet – e da noite para o dia as escolas de datilografia sumiram do mapa, como também sumiram os catálogos em ficha e o prazer de exibir o diploma de datilografia. A mentalidade também mudou ou segue em mudança.

Na atualidade, neste cenário de pandemia, evidencia-se um mundo altamente interconectado, mas ainda sem alcançar o seu potencial máximo. Há uma variedade de inovações e saberes tecnológicos disponíveis, ao mesmo tempo em que se convive com uma lacuna geracional no domínio de competências e de aproveitamento desta variedade.

Embora o ambiente digital se envolva na vida cotidiana das pessoas, em um processo contínuo; há os que se sentem confortáveis no uso de recursos tecnológicos e, assim, detêm uma maior vantagem em relação aos que se sentem pouco ou nada confortáveis.

Estudos destacam a necessidade de se desenvolver uma mentalidade “digital” (ou mindset digital), para minimizar as lacunas de domínio e uso tecnológico. Para tentar compreender o significado de mentalidade digital, é preciso compreender que o “digital” se refere tanto às pessoas como as tecnologias, em uma integração de ambos visando resultados em benefício humano.

Leia o texto completo publicado pelo INFOhome

Sobre admin

Check Also

Jornada da Leitura 6.0

https://observatoriodolivro.org.br/ Programação incrível de lives apresentadas por especialistas, escritores e artistas, que vão falar sobre os …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *