Página inicial / Biblioteconomia / Bibliotecas / Bibliotecas Públicas / Terror para leitores destemidos

Terror para leitores destemidos

Walkiria Vieira – Grupo Folha

A jornalista e escritora paranaense Susan Cruz acaba de lançar sua nova obra “A Criança Invisível”, uma história de terror direcionada ao público infantil. A história narra a trajetória de uma menina que teme a sombra que habita sua casa, uma metáfora para a depressão da mãe. Aos poucos, a garotinha entende que ela precisa ajudar a mãe a se livrar dessa sombra. Para isso precisa enxergar-se novamente, porque sente que está desaparecendo.

De acordo com a escritora, trabalhar com a questão da criança invisível foi a maneira de mostrar o quanto de nós reflete-se no emocional das crianças. “Quando esse espelhamento é comprometido sobra um vazio, uma ausência da própria imagem como indivíduo”, afirma a autora que, para escrever, pesquisou profundamente o tema na psicologia. As ilustrações são da artista e tatuadora londrinense Paty Oliveira. O livro é publicado pela Luva Editora, do Rio de Janeiro, e marca a estreia do selo “Luvinha”, voltado para livros infantis.

A atração pelo gênero é observada por estudiosos e pesquisadores como um incentivo à leitura em razão da criação de uma atmosfera de suspense cuja explicação nada possui de sobrenatural, sendo essencialmente psicológica. “Nessa narrativa escrita em terceira pessoa utilizo recursos linguísticos para aproximar o leitor. Exemplo disso é a ausência de nomes nas personagens. “Achei interessante denominá-las apenas pelos substantivos “mãe” e “filha” para que as crianças possam imaginar qualquer pessoa dentro da história, inclusive a si mesmas em algumas situações”, comenta Susan.

Susan Cruz acaba de lançar 'A Criança Invisível”: segundo os pesquisadores, o terror atrai as crianças pelo clima de suspense
Susan Cruz acaba de lançar ‘A Criança Invisível”: segundo os pesquisadores, o terror atrai as crianças pelo clima de suspense | Ricardo Chicarelli

De acordo com a bibliotecária Priscila de Jesus Apolinário Ribeiro, o interesse existe e o trabalho gráfico desenvolvido nas obras as torna ainda mais interessantes. “Tudo faz parte da leitura”, observa. No local onde trabalha, a Bibliotecária Pública Infantil de Londrina, há vários títulos disponíveis: “A Casa do Terror”, “Contos de Assombração”, “Contos de Imaginação e Mistério”, “Doze Horas de Terror”, “Fiquem Fora do Porão”, “Formaturas Infernais”, “Pânico no Acampamento”, “Terror na Biblioteca” e “Terror na Festa”, cita.

Um dos mais procurados na biblioteca infantil, que oferece empréstimos gratuitamente, chama-se “Sete Histórias Para Sacudir o Esqueleto”, de Angela Lago, Companhia das Letrinhas. Fantásticas e divertidas, as histórias encantam pela criatividade e humor. Casos de assombrações são recontados como nas narrativas mineiras – esqueletos desfilam pelas páginas e os cemitérios são cenários para defuntos falsos ou não, sonhos e muita imaginação. Obra também consagrada pelo público é “Duas Casas”, de Roseana Murray (Abacatte Editorial) na qual a separação dos pais é tratada de forma delicada e poética neste livro, que usa como gancho a existência de duas casas para sugerir o fim da relação e a divisão da família.

Terror em primeiro plano

Além dos livros, filmes e séries do gênero são cada vez mais prestigiados. Se antes as salas de cinema eram único lugar para a experiência, hoje os canais de assinatura oferecem títulos para todas as faixas etárias. No escuro da sala ou madrugada adentro no quarto, é o fã quem faz seus horários e investe na mania. Diante da tela, a identificação com os enredos é uma das explicações para o sucesso de público. “Uma Noite de Crime”, “Ánimas”, “O grito”, “Maggie – A Transformação” e “A Bruxa”, são exemplos.

Grande atrativo na plataforma da Netflix, a série “O Mundo Sombrio de Sabrina” se passa na cidade de Greendale, onde uma garota metade bruxa e metade mortal, ao completar 16 anos, terá de escolher entre o mundo mágico da família ou o mundo humano dos amigos. As cenas sombrias e elementos perturbadores se somam ao drama adolescente, com ensinamentos e reflexões, em meio às aventuras dos outros personagens da série. E conquista. “Black Sumer”, “Bates Motel” e “A Ordem” também estão na lista dos mais desejados e temidos.

Biblioteca é ponto de referência

No intervalo entre as aulas regulares e os cursos extras, a estudante do 9º ano do Ensino Fundamental, Yasmim Caroline Pontes, 13 anos, encontra na leitura, um momento para relaxar e divertir-se. Conserva pelos gibis grande admiração e sobre o gênero de terror, considera interessante. “Estimula a curiosidade e gosto de terror, principalmente dos filmes. Depois que assisti ‘It, A Coisa’, quis ler o livro também”, recorda. Além das obras paradidáticas, sugeridas pela escola, lê com gosto, por iniciativa. “O Mistério da Casa Verde”, de Moacyr Scliar, é uma sugestão da jovem leitora. Com suspense, aventura, amor e ação, o livro prende a atenção. “Eu me identifico com as personagens”. De acordo com sua mãe, a Técnica em Comunicação Zuleika Pontes, o hábito vem desde os primeiros anos de vida. “Também aproveita as obras de acesso online oferecidas pela biblioteca digital da escola e eu reconheço que a influenciei, pois também leio bastante”, comenta.

Yasmim Caroline Pontes, 13 anos, estudante: “Livros de terror me despertam a curiosidade”
Yasmim Caroline Pontes, 13 anos, estudante: “Livros de terror me despertam a curiosidade” | Walkiria Vieira

Frequentadora da biblioteca pública, Betânia Azevedo observa a filha Alice, de um ano e meio, descobrindo o universo da leitura. Os de capa dura e coloridos são os que mais atraem a atenção da pequena. “Eu comecei a vir para pegar livros para meu filho de 8 anos, o Guilherme. Estou empenhada a tirá-lo do celular e está funcionando. Tem semana que venho duas vezes”, diz. De prateleira em prateleira, Betânia conta que se esforça para surpreender o filho: “Guilherme gosta de aventura”.

Alice Azevedo, um ano e meio, já gosta de ler e sua referência é o irmão, Guilherme, de 8 anos
Alice Azevedo, um ano e meio, já gosta de ler e sua referência é o irmão, Guilherme, de 8 anos | Walkiria Vieira

Serviço:

“A Criança Invisível”, Susan Cruz

Preço: R$29,90

Livraria Curitiba, do Shopping Catuaí 3294-8300

LA Bella Maffia Tattos – Rua Benjamin Constant, 1777 – Fone: 3361-8554

Biblioteca Pública Infantil Londrina Monteiro Lobato

R. Maestro Egídio Camargo do Amaral, 1-87 – Centro

Funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 8 às 18 horas.

Mais informações: 3371-6603

Fonte: Folha de Londrina

Sobre admin

Check Also

Campanha de conciliação 2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *