Página inicial / Notícias / Ribeirãopretano lê mais livros que a média nacional, afirma estudo

Ribeirãopretano lê mais livros que a média nacional, afirma estudo

De acordo com pesquisa realizada na cidade, 67% dos ribeirãopretanos se consideram leitores

PAULO APOLINÁRIO 01 FEV 2018 15H14

O ribeirãopretano lê mais que o restante dos brasileiros. A constatação veio de uma pesquisa realizada pela Fundação Feira do Livro em parceria com a Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp). A média das pessoas que se consideram leitoras, de acordo com o estudo, é de 67%, enquanto a última média registrada pela pesquisa de âmbito nacional foi de 56% (2015), em estudo publicado em 2016 pelo Instituto Pró-livro e IBOPE Inteligência.

A presidente da Fundação do Livro e Leitura, Adriana Silva, comenta que o propósito da entidade foi fazer um diagnóstico do leitor ribeirãopretano para avaliar se os programas da Fundação cumprem seu papel de formação de leitores. “Não foi surpresa para nós comprovarmos que o ribeirãopretano lê acima da média nacional, pois a Fundação vem investindo na formação de leitores há 18 anos e chegou a hora de colhermos o resultado destas ações”.

A pesquisa quantitativa coletou dados em locais de grande fluxo na cidade e também na Feira Nacional do Livro de 2017. Já o público-alvo é abrangente; pessoas a partir dos cinco anos até maiores de 70, alfabetizadas ou não  “Nosso objetivo foi conhecer o perfil do cidadão de Ribeirão Preto em relação à leitura. Buscamos detectar seus hábitos e preferências sobre livros, gêneros e autores”, explica a professora Daniela Tincani, coordenadora do curso de Publicidade e Propaganda da Unaerp.

Dados complementares e comparativos das pesquisas

– Perfil do Leitor de Ribeirão Preto: Leitor (67%), Não Leitor (32,3%).

– Em relação ao gênero:  56,7% do gênero feminino e 43,3% do gênero masculino.

– Faixas etárias:  23% entre 50 a 69 anos; 16,9% entre 30 a 39 anos; e 12,2% entre 40 a 49 anos.

– Perfil do Leitor frequentador da Feira do Livro de 2017: Leitor (85,8%) e Não Leitor (14,2%).

– Média de leitura  nos últimos três meses: 2,07 livros lidos. A média é maior entre os frequentadores da feira, 2,73,

– Gêneros de livros preferidos: Romance (35,7%), Didáticos (21%), Terror (19,7%) e Religiosos (19,4%).  A maior diferença entre a população e os frequentadores da 17ª Feira do Livro é o gênero religioso: 19,4% dos cidadãos preferem este gênero, enquanto apenas 7% dos frequentadores da Feira do Livro priorizam este estilo de leitura. 

– Autores preferidos: Machado de Assis (2,8%), Paulo Coelho (1,6%), Chico Xavier (1,3%), John Green (1,2%), Monteiro Lobato (1%).  62% não têm autor preferido. São mais de 35 nomes de escritores citados.

– Autores preferidos dos frequentadores da Feira: J. K. Rowling (4%), Augusto Cury (3%), Carlos Drummond de Andrade (2,4%), Clarice Lispector (1,9%),  José Saramago (1,7%), Luis Fernando Verissimo (1,6%). 37,3% não têm autor preferido.

Incentivo online

Uma das pessoas que contribuem para a média de leitura do município estar acima da nacional é a doutoranda em ciência da informação, Gabriela Bazan Pedrão. Formada em biblioteconomia, Gabriela é dona do canal no Youtube “É o último, juro”, que traz como tema a literatura. “Comecei com o canal há quatro anos, quando trabalhava de bibliotecária em uma escola. Era mais um incentivo para os alunos lerem, saber que a bibliotecária tinha um canal no Youtube animou muito eles”, relembra Gabriela.

O canal começou abordando livros que existiam na biblioteca em que trabalhava, dessa forma, além de indicar os livros para os

Humberto Eco, Jorge Luís Borges e Isaac Asimov são os escritores favoritos de Gabriela

alunos, Gabriela também indicava os vídeos com as resenhas, o resultado da iniciativa, segundo

ela, foi excelente. “O Youtube, atualmente, é uma referência para tudo. Sempre que temos uma dúvida, acabamos buscando lá. Indicar o canal para os alunos deu muito certo”, destaca.

A bibliotecária, que leu oito livros nos últimos três meses, revela quais foram os principais incentivadores em seu gosto pela leitura. “Tive a sorte e a oportunidade de estudar em uma escola com uma ótima biblioteca e uma ótima bibliotecária. Além disso, meus pais são professores, então os livros sempre fizeram parte da minha família”.

Outro projeto capitaneado por Gabriela que auxilia no incentivo à leitura é o Clube da Leitura, no qual ela é curadora. Organizado pela Fundação Feira do Livro, o  grupo que se reúne um sábado por mês,  foi criado com o objetivo de estimular a leitura e passear por narrativas de diversos autores e estilos literários. A próxima reunião acontece no dia 24 de fevereiro, e o livro da vez é Fahrenheit 451, do autor Ray Bradbury. O livro destaca a busca da felicidade em meio aos males da censura e do controle do pensamento. E como Gabriela gosta de destacar, “é um livro que fala de livros”. 

Fonte: Revide

Sobre admin

Check Also

Frente pede a efetivação do Plano Municipal do Livro em São Paulo

Uma das principais ações pleiteadas pela Frente é a aprovação do Projeto de Lei que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *