Página inicial / Notícias / Quando se conta um conto e se retira um ponto

Quando se conta um conto e se retira um ponto

ILUSTRAÇÃO HELDER OLIVEIRA

Linguagem “politicamente incorreta” de provérbios, contos ou canções deve ser discutida, mas não apagada

RAQUEL ALBUQUERQUE

Há já algumas décadas que a história da Carochinha é contada pela metade: o fim verdadeiro na versão original incluía pássaros sem olhos e sem penas perante o desgosto da protagonista. Mas isso foi ‘apagado’. Nos últimos anos, outras histórias infantis, como o Capuchinho Vermelho ou Hansel e Gretel, têm sido adaptadas para retirar situações consideradas violentas. Mas, defendem os especialistas, mais do que reescrever as histórias quando se tornam desadequadas ou politicamente incorretas, importa parar para as discutir.

“A língua não muda à mesma velocidade que a sociedade. Transformar os contos tradicionais não faz sentido. E não acho que, numa lógica de cidadania, um provérbio ou outro tipo de expressão possa ser mudado por decisão. Pode é acabar por cair em desuso”, defende Antónia Coutinho, linguista e professora na Universidade Nova de Lisboa (UNL). Expressões como ‘entre marido e mulher não se mete a colher’, ‘com um olho no burro, outro no cigano’ ou ‘mulher honrada não tem ouvidos’ são outros exemplos. Passam de geração em geração, arrastando os costumes e perceções das suas épocas, mas também a violência, desigualdade social e discriminação racial então aceites.

“Parar para pensar no que dizemos agudiza a nossa sensibilidade e faz-nos deixar de usar a língua de forma mecânica. Passamos a questionar o que já está enraizado e que é necessário desnaturalizar”, explica a investigadora do Centro de Linguística da UNL. Foi também esse o princípio de base defendido pela PETA, uma organização não-governamental de defesa dos animais, que lançou na semana passada, nos Estados Unidos, uma campanha sugerindo alternativas a provérbios antianimal. Também o PAN tem usado as redes sociais para sugerir alternativas a expressões de violência contra os animais, defendendo a importância de a linguagem acompanhar a sociedade.

ACABAR COM O MEDO

Nas novas versões “politicamente corretas” dos livros infantis, como o Capuchinho Vermelho, o lobo deixa de comer a avó. Já a história dos irmãos Hansel e Gretel, que quase acabam comidos por uma bruxa depois de se perderem na floresta, foi sendo aligeirada desde o século XIX quando foi registada e publicada pelos irmãos Grimm.

O antropólogo Paulo Jorge Correia, um dos maiores especialistas nacionais em literatura de tradição oral, critica o facto de se estar a retirar a sensação de medo destas histórias. “As crianças gostam desse lado dos contos”, defende. “Mas hoje também têm menos tempo para ouvir histórias, porque socializam mais cedo e deixam o casulo familiar. Pior do que isso são os pedagogos que defendem que o medo e a violência devem ser cortados por fazerem mal aos mais novos. Essa ideia entrou no mercado do livro e as histórias têm sido adaptadas ao ‘delicodoce’.”

O risco é criar uma “sociedade assética”, defende o investigador. “Esse mundo considerado violento, e desadequado à realidade atual, está a ser rejeitado e higienizado. Se tivermos uma sociedade totalmente assética, as crianças pensam que não existe mal no mundo. E acho que isso está a acontecer”, diz. “Deve haver liberdade para perceber o mundo como ele realmente é. E os contos trazem algo único: a natureza humana, por mais chocante que ela possa ser.”

A violência doméstica e a misoginia, ou seja, o desprezo e preconceito contra as mulheres, estão presentes em muitos contos. “São um retrato de uma civilização rural onde a ordem social consistia em ter o homem acima da mulher e apenas Deus acima do homem”, afirma Paulo Jorge Correia, acrescentando que os contos se resumem à luta entre “velhos e novos, homens e mulheres, ricos e pobres”.

Também nas cantigas infantis a banalização da violência do homem sobre a mulher está presente. E algumas têm sido alvo de alterações (ver caixa). Para José Barata-Moura, ex-reitor da Universidade de Lisboa e também autor de célebres canções infantis, “a cultura está sempre presente em qualquer cantiga infantil”, podendo apenas ser diferente no ângulo, género, linguagem ou expressão do imaginário. “No meu entendimento, uma cantiga não é um objeto de consumo imediato para entreter, é uma ocasião de conversa e de aprofundar o diálogo entre os mais velhos e os mais novos.” Ainda que admita que a produção infantil foi durante muito tempo “menor e feita rapidamente para ser consumida no Natal”, o filósofo e cantor considera que “arranjar alternativas às cantigas é uma forma pobre de lidar com um problema real”.

O PAPEL DA ESCOLA

Se estes provérbios, contos, histórias e cantigas realmente expressam formas de discriminação racial ou violência doméstica, devem ser ensinados nas escolas? “É claro que não devem ser postas nos manuais, mas não podem ser silenciados nas escolas, devem ser discutidas. É papel da escola pegar nessas formas de dizer as coisas e desconstruir os seus significados”, diz José Pacheco, presidente do Instituto de Educação da Universidade do Minho.

O antropólogo Paulo Jorge Correia concorda. “Há o risco de esta literatura oral perpetuar esses arquétipos”, sejam eles raciais ou sexistas. Admitindo que numa fase inicial e estrutural da educação de uma criança, as formas de expressão mais discriminatórias ou violentas possam ser omitidas, o professor da Universidade do Algarve defende, no entanto, que esta literatura não deixe de ser publicada tal e qual como é. “Até mesmo para que estes cidadãos, quando estiverem formados, tenham acesso a esta tradição oral e a conheçam.”

Para a linguista e professora da UNL, o “mais urgente” é discutir o assunto e sensibilizar a população. “A escola tem de ter essa função mas a responsabilidade recai sobre os professores, as editoras responsáveis pelos manuais escolares, os revisores de texto, os pais e a comunicação social. Tenho sérias dúvidas de que a solução seja limpar ou apagar a história e a cultura.” O mesmo defende José Barata-Moura. “A solução não é impingir uma moralidade exterior, que se repete mecanicamente, mas antes apostar no diálogo. Embora seja muito mais fácil despejar uma mensagem moralista e irmos dormir descansados.”

Fonte: Expresso

Sobre admin

Check Also

CCJ aprova proteção para funcionários de bibliotecas e museus

Divulgação/Fundação de Arte de Ouro Preto-MG Proposta permite que profissionais recebam adicional de insalubridade A …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *