Página inicial / Notícias / Projeto amplia proteção do patrimônio bibliográfico nacional

Projeto amplia proteção do patrimônio bibliográfico nacional

Texto inclui itens iconográficos antigos, como gravuras, entre os proibidos de serem exportados

Will Shutter/Câmara dos Deputados
Subcomissão Especial Estatuto do Idoso. Dep. Flávia Morais (PDT - GO)
No projeto, a deputada Flávia Morais delega ao Iphan a regulação da saída temporária desses materiais do País para fins de interesse cultural

O Projeto de Lei 10531/18 atualiza e amplia a Lei 5.471/68, que trata da proteção do patrimônio bibliográfico brasileiro. As regras vigentes tratam apenas da proteção de acervos de livros e documentos antigos, mas a proposta apresentada pela deputada Flávia Morais (PDT-GO) abrange também itens iconográficos do patrimônio brasileiro, como gravuras, a fim de evitar o contrabando dessas obras.

Entram na nova lista de itens protegidos – cuja exportação fica proibida – os seguintes materiais: livros e folhetos impressos no Brasil ou que versem sobre o País publicados até 1900; periódicos manuscritos feitos no Brasil ou relacionados com a história brasileira, configurados como jornalismo epistolar; exemplar ou conjunto de periódicos impressos cujo primeiro número tenha sido impresso no País até 1900; partituras manuscritas ou impressas no Brasil ou de artistas brasileiros datadas até 1930; obras iconográficas impressas artesanalmente no Brasil ou que se relacionem com a história brasileira até 1900.

A lei atual proíbe basicamente a exportação de coleções de livros e de periódicos constituídos de obras brasileiras ou sobre o Brasil, editados entre 1501 e 1900. A ampliação do patrimônio bibliográfico para iconográfico, abarcando também exemplares e não apenas acervos, segundo Flávia Morais, explica-se pelo fato de as gravuras, em muitos casos, integrarem livros e poderem ser desmembradas e vendidas separadamente.

Assim, continua a parlamentar, o comprador desses itens pode ser lesado ou enganado. “Além disso, para o tráfico de livros e obras de arte, o mercado de gravuras é de grande interesse na escolha de obras bibliográficas a serem comercializadas, inclusive influenciando no valor mercadológico de cada exemplar a ser negociado”, acrescenta.

Iphan
O projeto encarrega o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) de regular a saída temporária do patrimônio bibliográfico e iconográfico brasileiro do País, para fins de interesse cultural. Atualmente, a Lei 5.471/68 menciona a “autoridade federal competente” como responsável, o que leva Flávia Morais a temer que a tarefa seja delegada a órgãos sem conhecimento do patrimônio cultural nacional.

O texto também acrescenta à lei dois parágrafos para nortear o Estado brasileiro em relação à destinação de bens apreendidos. De acordo com o primeiro deles, a autoridade que apreender os bens deverá buscar sua procedência, na tentativa de devolvê-los aos acervos de origem.

O segundo parágrafo fixa prazo de três meses para o encerramento dessas buscas, cabendo ao Iphan decidir sobre a destinação em proveito do patrimônio público após esgotada a procura. “O estabelecimento de um prazo curto é necessário para a preservação física dos bens apreendidos, que precisam estar em um ambiente adequado”, justifica Flávia Morais.

Os infratores das regras propostas serão punidos com base no Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40), que prevê pena de reclusão de dois a cinco anos para o crime de contrabando.

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Cultura; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:

Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Alexandre Pôrto

Sobre admin

Check Also

Resgate de livros de judeus roubados pelos nazistas se intensifica

Pesquisadores desenvolveram roteiro para rastrear as obras, muitas das quais ainda estão nas prateleiras de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *