Página inicial / Biblioteconomia / Bibliotecas / Bibliotecas Públicas / Por que as bibliotecas públicas ainda são essenciais em 2018

Por que as bibliotecas públicas ainda são essenciais em 2018

Bibliotecas existem para o público. A Amazon existe para maximizar os lucros.

Texto original de Constance Grady @constancegrady   24 de julho de 2018.

Link originalhttps://www.vox.com/culture/2018/7/24/17603692/public-libraries-essential-forbes-amazon.
Tradução de Marina Chagas

Biblioteca de Leeds no Reino Unido. Ian Forsyth / Getty Images

Bibliotecas não parecem estar fora das áreas de especialização do autor Panos Mourdoukoutas; ele é professor especializado em economia mundial. (Um tweet popular sugeriu que Mourdoukoutas pagou pelo privilégio de ser publicado na Forbes, apesar de ter sido um erro; ele é um blogueiro pago pela Forbes.) Mas tanto o artigo em si quanto a reação contra ele apontam para uma profunda ansiedade a respeito das bibliotecas e a pergunta se elas devem ser discutidas.No fim de semana passado, a Forbes publicou e depois tirou do ar um artigo polêmico. “Este artigo estava fora da área de especialização deste colaborador, e desde então foi removido”, disse a Forbes, após reações negativas significativas. O artigo em questão? Um editorial argumentando que as bibliotecas são um desperdício de dinheiro do contribuinte e devem ser substituídas pelas lojas da Amazon.

Se considerarmos que as bibliotecas públicas existem e são boas e importantes, então estamos dizendo que os serviços que elas fornecem são direitos básicos e responsabilidade do nosso governo salvaguardar. Se sugerirmos que as bibliotecas não deveriam existir – que são um desperdício – então questionamos os direitos que elas protegem.

Acesse o artigo, agora excluído, de Mourdoukoutas, cujo objetivo central apontava que os papéis tradicionalmente desempenhados pelas bibliotecas – emprestando livros, é claro, mas também servindo como locais de reunião da comunidade – agora são melhor desempenhados por “lugares terceiros” como Starbucks e livrarias-cafés. E como as livrarias físicas da Amazon estão equipadas com acesso fácil ao abrangente banco de dados de livros da Amazon ao redor do mundo, concluiu o artigo, os cafés-livrarias da Amazon são superiores às bibliotecas.

Muitas pessoas podem ler esse argumento e protestar: “Mas devo pagar por livros na Amazon! Em uma biblioteca pública, posso pedir emprestado de graça! ”Mourdoukoutas teve um retorno. “Deixe-me esclarecer uma coisa”, escreveu ele no Twitter. “Bibliotecas locais não são gratuitas. Os proprietários da casa devem pagar um imposto da biblioteca local. Minha conta é de US$ 495 por ano”.

É verdade que as bibliotecas são parcialmente financiadas por dólares de impostos imobiliários, da mesma forma que os contribuintes financiam os outros serviços públicos que nós, como sociedade, decidimos serem vitais para o bem público, como escolas e bombeiros e parques e obras rodoviárias. Eu posso não ter filhos que frequentam a escola, mas eu ainda pago impostos para a escola pública, porque nós concordamos que quando todas as crianças são educadas, isso é bom para todo o país.

O que Mourdoukoutas estava tentando debater não era se as bibliotecas são “uma boa compra” (em geral são, especialmente se você não tem muitas propriedades valiosas para pagar impostos), mas se os serviços da biblioteca estão disponíveis para o público são bons para todo o país. Ele estava colocando em questão o status da biblioteca como um bem público.

Bibliotecas são projetadas para servir o público. A Amazon foi projetada para maximizar seus lucros.

As bibliotecas são financiadas pelo público para servir o público. Elas oferecem livros, filmes e música com curadoria para entreter e informar o público, com ainda mais conteúdo disponível através dos empréstimos entre bibliotecas. Elas oferecem acesso à Internet e serviços de impressão de baixo custo. Elas oferecem treinamento em alfabetização financeira e assistência na procura de emprego. Elas servem imigrantes que não falam inglês. Elas servem pessoas encarceradas, sem-teto e pessoas que vivem em casa.

Uma livraria da Amazon é financiada por uma enorme corporação com o objetivo de maximizar seus lucros. Ela é abastecida com livros selecionados por algoritmos, com a maior parte de seu estoque composta de best-sellers recentes e livros que a Amazon tem obtido sucesso na venda online, junto com vários dispositivos eletrônicos da empresa. Educar o público não é prioridade da Amazon. Não é projetado para atender populações vulneráveis. Não há razão para que ela seja projetada com esse objetivo em mente: a Amazon é um negócio, não uma utilidade pública, e seu único objetivo é ganhar dinheiro.

Bibliotecas não são perfeitas. Isso não significa que elas são um desperdício de dinheiro.

Ao argumentar que deveríamos substituir bibliotecas públicas por livrarias-cafeterias da Amazon, Mourdoukoutas estava na verdade argumentando que oferecer recursos às populações vulneráveis ​​não é um bem público. Ele estava argumentando que os pobres não merecem livros ou filmes que os entretenham, que os imigrantes não merecem programas que os ajudem a navegar pela burocracia em uma língua estrangeira, que os desempregados não merecem programas que possam ajudá-los a encontrar e se preparar para empregos. Ele argumentava que fornecer esses recursos para o público em geral não é do interesse do país.

A biblioteca pública se opõe a esse argumento. Em virtude de sua existência, ela argumenta que o acesso livre e fácil à informação é importante, que o enriquecimento cultural é vital e que os segmentos mais carentes de nossa população merecem tanto acesso à informação e entretenimento quanto qualquer outra pessoa.

Essa é uma visão utópica, e não é uma que nosso sistema de bibliotecas em sua forma atual sempre cumpra. As bibliotecas estão cronicamente subfinanciadas, e o presidente Trump tem procurado em várias ocasiões cortar o financiamento federal do sistema de bibliotecas públicas. Os EUA estão na 62ª posição do mundo na lista de países com o maior número de bibliotecas per capita, e as bibliotecas que temos não estão distribuídas uniformemente pelo país, levando a desertos de bibliotecas. Além disso, como o financiamento de bibliotecas está vinculado a impostos sobre a propriedade, as bibliotecas que atendem a bairros ricos tendem a ter mais recursos do que as bibliotecas que atendem os bairros pobres.

Mas a solução para esses problemas não é acabar completamente com as bibliotecas e substituí-las por livrarias medíocres destinadas a vender mais Kindles. É reconhecer o trabalho vital que as bibliotecas realizam em uma democracia funcional e concede-las os recursos necessários para que funcionem adequadamente.

Fonte: Monitoria Científica FaBCI/FESPSP 

Sobre admin

Check Also

O livro, esse subversivo!

Texto por Jaime Pinsky     Em artigo, o editor Jaime Pinsky defende: ‘Onerar o livro, transformá-lo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *