Página inicial / Notícias / Pessoas com deficiência visual querem ler mais

Pessoas com deficiência visual querem ler mais

Pesquisa apresentada pela Fundação Dorina Nowill mostra que 57% das pessoas cegas ou com baixa visão gostam de ler, mas são impedidas de manter esse hábito pela falta de publicações acessíveis. Estudo destaca grande procura por jornais e revistas, mostra que editoras de livros não compreendem a importância de recursos de acessibilidade e reforça a necessidade de edições em braile, com fonte ampliada, audiolivros e outras ferramentas.

Luiz Alexandre Souza Ventura

Descrição da imagem #pracegover: Foto da gráfica da Fundação Dorina destaca uma máquina de impressão em braille. Crédito: Divulgação.

Pessoas com deficiência visual buscam na leitura diária mais conhecimento e novas sensações, mas a falta de recursos específicos de acessibilidade para esse público ainda é uma grande barreira. É o que destaca a pesquisa sobre leitura e acessibilidade feita pelo Datafolha e apresentada nesta semana pela Fundação Dorina Nowill para Cegos no I Encontro com Editoras, em São Paulo.

O estudo ouviu pessoas de todo o País entre 2 de julho e 3 de agosto. Entre os entrevistados, 57% das pessoas cegas ou com baixa visão têm interesse pela leitura, 39% costumam ler todos os dias e 71% sentem prazer nessa atividade. O hábito foi apontado como fonte de lazer, para sonhar, conhecer sensações, viajar na história, imaginar e ampliar visões e experiências sem sair de casa.

Para acessar os livros, 79% dos leitores usam recursos tecnológicos, 66% preferem audiolivros e ou leitores de tela. O braile é utilizado por 34% dos leitores.

Descrição da imagem #pracegover: Exemplares do livro ‘Eu Sou Malala’, da ativista paquistanesa Malala Yousafzai, impressos em braile. Crédito: Divulgação.

A pesquisa ressalta que as pessoas com deficiência visual estão em constante busca por alternativas à falta de visão, como descrições e contextualizações, que ajudam a compreender as sensações obtidas por meio da observação visual.

Muitos títulos são publicados apenas em formato digital ou com áudio, o que reforça o uso de leitores de tela em smartphones e tablets, inclusive para acessar artigos, reportagens, as redes sociais ou aplicativos de mensagens.

Livros didáticos adaptados fazem falta para 19% dos entrevistados e 80% das pessoas com deficiência visual entrevistadas costumam ler ou acessar conteúdos de jornais, revistas e artigos.

EDITORAS CRIAM BARREIRAS – A pesquisa mostra que editoras de livros não têm interesse em recursos de leitura acessível. Apenas 25% dos entrevistados atribuíram afirmaram ter facilidade de encontrar livros didáticos, enquanto 61% disseram que essa oferta é restrita.

LEIA TAMBÉM: Braile é fundamental na educação inclusiva. Descrição da imagem #pracegover: Regina Oliveira, coordenadora de revisão da Fundação Dorina, é cega e está em pé, de frente para a câmera, segurando uma bengala. Ao fundo, uma oficina gráfica com vários equipamentos para impressão. Crédito: Divulgação.

MITOS DERRUBADOS – “O estudo do Datafolha desmistifica a ideia de que pessoas cegas ou com baixam visão não podem ler, além de mostrar que a literatura desperta o interesse das pessoas com deficiência visual ou baixa visão, e que existem várias formas de ler”, diz Alexandre Munck, superintendente da Fundação Dorina Nowill para Cegos.

A instituição tem a maior gráfica para impressões em braile na América Latina (uma das maiores do mundo), com capacidade para 450 mil páginas por dia.

Fonte: Estadão

Sobre admin

Check Also

Livro de Patrícia Palma revela rede de bibliotecas religiosas que contribuiu para cultura escrita no século XVIII

Samuel Mendonça 13 de Novembro de 2019 Cultura Deixe um comentário Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo A …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *