Página inicial / Notícias / Pesquisa analisa fake news sobre museus nas eleições

Pesquisa analisa fake news sobre museus nas eleições

Origem dos recursos foi assunto mais explorado; objetivo do projeto é preparar instituições para antecipar problemas no ambiente digital

Museu Nacional:
Museu Nacional foi assunto de notícias falsasAna Cecília Rocha Veiga

O tema predominante das notícias falsas relacionadas a museus, no período das últimas eleições no Brasil, foi o financiamento de instituições e exposições. Posts no Facebook, Twitter e WhatsApp provocaram desinformação acerca, por exemplo, da responsabilidade de decisão do governo federal sobre patrocínios de mostras e reformas nos museus. Grande parte das situações discutidas nas redes sociais refere-se ao financiamento via Lei Rouanet. Nessa modalidade de incentivo, quem escolhe os projetos que receberão os recursos oriundos de renúncia fiscal são as empresas e pessoas físicas, não o Estado,  como equivocadamente divulgado em muitas postagens.

Essa é uma das informações que constam do relatório Museus e fake news: Eleições 2018, produzido pelo LavGRAFT, grupo de pesquisa da UFMG. O documento contém levantamento sobre a existência de fake news vinculadas aos museus e tem o objetivo de contribuir para análises futuras sobre os possíveis impactos das notícias maliciosas nessas instituições, quanto a aspectos como gestão, acesso de visitantes e políticas públicas. O relatório integra a investigação Museus virtuais e blogs culturais, do Curso de Museologia da Escola de Ciência da Informação.

Os dados foram coletados entre 31 de agosto e 28 de outubro de 2018, com apoio do projeto Eleições sem Fake, do Departamento de Ciência da Computação da UFMG, incluindo o Monitor de WhatsApp, ferramenta disponível apenas para pesquisadores cadastrados. O Monitor ranqueia, diariamente, mensagens, imagens, vídeos, áudios e links mais compartilhados nos grupos públicos sobre política. Atualmente, o software acompanha 364 grupos.

De acordo com a professora da ECI Ana Cecília Rocha Veiga, coordenadora do LavGRAFT, as fake news mencionaram projetos via Lei Rouanet que não chegaram a se concretizar, atribuíram valores mais altos a projetos efetivamente realizados e acusaram o Museu Nacional, incendiado recentemente, de não utilizar em reformas recursos do BNDES que, na verdade, haviam sido comprometidos, mas não repassados até a data do incêndio.

“Nosso objetivo é, com base na compreensão do fenômeno das notícias falsas associadas aos museus, elaborar ferramentas, diretrizes e recomendações para que os museus possam estruturar seus processos de gestão de crise e sua presença digital”, afirma Ana Cecília.

‘Guerra ao demônio’
Foram registradas 14 imagens relacionadas ao tema museus compartilhadas no período eleitoral. A imagem mais difundida retratava a performance La bête, realizada em 2017, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, na qual o artista caminhou nu, cercado por crianças. Quatro montagens diferentes da fotografia foram compartilhadas 98 vezes, por nove dias, nos grupos monitorados pelo sistema. A montagem mais difundida relacionava a cena a uma obra de arte em que aparece o demônio cercado por crianças e estava acompanhada pela frase “Espero que esta imagem ajude você a entender, de uma vez por todas, que tipo de guerra estamos travando”.

Ainda de acordo com o relatório, foram compartilhadas 186 vezes, no período eleitoral, 27 mensagens de WhatsApp mencionando museus, ao longo de 15 dos 59 dias do período monitorado. Em 3 de setembro, 16 das 50 mensagens mais compartilhadas continham a palavra museu, e 15 delas abordavam o incêndio do Museu Nacional.

As mensagens versavam, em geral, sobre o impacto que a chamada PEC do Teto de Gastos teria na manutenção da instituição, informavam sobre gastos com leis de incentivo fora da realidade e questionavam a filiação partidária do reitor da UFRJ, instituição responsável pelo Museu Nacional.

A pesquisa levantou também os compartilhamentos sobre museus registrados pelos sites de checagem. Lupa, E-farsas e Boatos.org foram os três mais compartilhados. O artigo mais compartilhado analisa 13 programas de governo dos candidatos e constata que somente dois deles fazem menções explícitas à proteção aos museus. A checagem foi compartilhada mais de 35 mil vezes no Facebook.

“A expectativa é de, ao menos, minimizar os danos causados pelas notícias falsas, em especial com a ajuda dos funcionários e usuários de museus. Os visitantes assíduos podem se tornar ativistas digitais, combatendo as fake news e contribuindo para a difusão do conhecimento e para a proteção das instituições culturais brasileiras”, diz Ana Cecília Rocha Veiga. “Os museus devem ser capazes de antecipar problemas com a virtualidade. Prevenção ainda é a melhor estratégia.”

A professora ressalta que pesquisadores de diversas áreas são convidados a analisar os dados constantes no relatório e dividir suas conclusões com a equipe do LavGRAFT.

Ana Cecília Rocha Veiga assina artigo sobre o tema na edição desta semana do Boletim UFMG.

Sobre admin

Check Also

Resgate de livros de judeus roubados pelos nazistas se intensifica

Pesquisadores desenvolveram roteiro para rastrear as obras, muitas das quais ainda estão nas prateleiras de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *