Página inicial / Fontes de Informação / Histórias em Quadrinhos / O legado de Albert Uderzo, cartunista de Asterix e Obelix

O legado de Albert Uderzo, cartunista de Asterix e Obelix

Cocriador dos personagens ícones da cultura europeia, artista é referência no mundo das histórias em quadrinhos

380 milhões de exemplares vendidos. Tradução em 111 idiomas. 14 filmes de animação e live-action. Um parque temático. Esse é parte do saldo do sucesso de Asterix e Obelix, história em quadrinhos criada por René Goscinny e Albert Uderzo. Os dois amigos gauleses agora seguem seu rumo “órfãos” dos criadores originais. No dia 24 de março, Uderzo sofreu uma crise cardíaca fatal, 43 anos depois da morte de seu parceiro Goscinny.

O legado deixado pelo cartunista não se resume aos personagens simbólicos para a cultura europeia. Para Celbi Pegoraro, pesquisador do Observatório de Histórias em Quadrinhos, Uderzo deixou também “uma influência positiva em quadrinhistas e animadores ao redor do mundo”.

Desde 2013, Asterix e Obelix é de responsabilidade do roteirista Jean-Yves Ferri e do desenhista Didier Conrad, apesar das histórias continuarem a ser atribuídas aos criadores originais. Mesmo após décadas de existência, os aldeões da Gália continuam célebres. Asterix e os pictos, primeiro volume publicado por Ferri e Conrad, vendeu 2 milhões de cópias em uma semana, só na França.

O que explica o sucesso das HQs de Asterix e Obelix

Para o pesquisador do Observatório, a criação de um “universo singular com personagens que captam muito do espírito francês” é um dos motivos que contribuiu para que as histórias se tornassem populares no mundo afora. “Ao contrário de outras criações da escola franco-belga como Tintin e Spirou, as aventuras de Asterix parecem ter uma aceitação muito maior fora da Europa”, diz Pegoraro.

O estilo de grafismo dos desenhos, semelhante àqueles dos Estados Unidos nas décadas de 1940 e 1950, também explica o alcance que a HQ conseguiu fora do centro França-Bélgica. Neste vídeo, é possível ver Uderzo desenhando um de seus célebres personagens.

Em entrevista para o jornal Le Parisien, em 2018, Uderzo ressalta que Asterix e Obelix tem um “espírito transgeracional, independente”. Mas diz que nem ele mesmo pode explicar o sucesso de sua criação. “É como se você me perguntasse a receita da poção mágica”, responde, em referência ao filme Asterix e o Segredo da Poção Mágica, lançado no mesmo ano da entrevista.

Cartunista Albert Udezo, criador das HQ's de Asterix e ObelixEm parceria com René Goscinny, o cartunista Albert Uderzo marcou a cultura europeia com as histórias de Asterix e Obelix. Foto: Serge Picard/Le Parisien

A cultura franco-belga em Asterix e Obelix

Ambos de nacionalidade francesa, Uderzo e Goscinny conseguiram retratar elementos da história e cultura de seu país de forma precisa. Nas HQs é possível identificar não apenas aspectos do período da resistência da Gália aos romanos, mas também o cotidiano da política e burocracia locais, como explica Celbi Pegoraro.

“Os autores trabalham muito bem a religiosidade de cada povo e os estereótipos europeus quando apresentam os fleumáticos bretões, os militaristas godos, os esquentados da Hispânia e os indolentes corsos. As brincadeiras com a linguagem abusam do uso de trocadilhos e as piadas recorrentes são apresentadas sem exageros.”

Fonte: ECA/USP

Sobre admin

Check Also

Boletim Estatístico das Bibliotecas Públicas de São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *