Poderá ser vista até o dia 30 de junho na Biblioteca Pública Municipal “Professor Ernesto Manoel Zink”, a mostra “Ex-libris: marca de identidade”.

Escrever seu nome em um livro é a maneira mais antiga, fácil e básica para afirmar a posse de um bem que temos como valioso.

O ex-libris é uma expressão latina que significa “livros de” e marca a posse. Trata-se de uma marca bibliográfica que pode ser manuscrita, impressa, gravada ou assumir a forma de um rótulo, geralmente colado na parte interna de um documento encadernado ou livro. Além de identificar o proprietário, ele pode ser personalizado artisticamente, seja através de iniciais, uma imagem ou um texto, que indiquem a origem, a posição social, profissão e seus gostos.

O ex-libris aparece no final do século XV, ao mesmo tempo em que o comércio de livros impressos se desenvolve e multiplicam-se os leitores, seu uso tornou-se comum por toda a Europa, mas a ele foram somados funcionalidade e um maior cuidado estético, surgindo assim pequenas obras-primas. No Brasil, ele só aparece no século XVIII.

Ex-libris de Jorge Oliveira
 

Colecionadores dessas pequenas obras de arte originais coletam e trocam ao redor do mundo. Artistas famosos, como Dürer, Monet, Lautrec praticaram esse gênero e muitos ex-libris são como pequenas obras-primas. Atualmente, em todo o mundo, designers, gravadores de madeira, cobre, litógrafos… criam ex-libris e colocam sua arte para traduzir em alguns centímetros quadrados de papel esses símbolos pelos quais o portador terá desejado ser representado.

A importância dessas pequenas obras-primas vai além de seu valor artístico.

Elas permitem recuperar histórias da leitura, de onde vêm os livros que compõem as coleções de uma biblioteca e até mesmo reconstituem características de uma sociedade em uma determinada época.

A pequena mostra de ex – libris aberta na Biblioteca Zink apresenta duas coleções: a do jornalista e também colecionador João Antônio Bührer, que tem como elemento principal as artes originais de um dos maiores exlibrista brasileiro: Jorge de Oliveira (1936-2012), há fotos e cartas do J. Oliveira para o jornalista João Antônio Bührer, e uma tipologia bem variada de ex – libris para serem vistos e conhecidos pelos olhares atentos.

A Biblioteca Zink ocupa-se do universo dos livros em seus mais variados aspectos, daí ter deixado para conhecer algumas dessas marcas bibliográficas, presentes nas Coleções Especiais da Biblioteca Zink como: “Acervo Professor Milton”, “Coleção Século XIX” e de “Escritores Campineiros”. (Carta Campinas com informações de divulgação)

Mostra “Ex-libris: marca de identidade”

Onde : Biblioteca Pública Municipal “Professor Ernesto Manoel Zink”

Av. Benjamin Constant, 1633 Centro Campinas

Quando: até 30 de junho, de 2ª a 6ª feira, das 9h às 17h

Fonte: Carta Campinas