Página inicial / Notícias / Maryanne Wolf: os desafios da leitura na era digital

Maryanne Wolf: os desafios da leitura na era digital

Neurocientista lançou livro ‘O cérebro no mundo digital: os desafios da leitura na nossa era’

Que a internet e as ferramentas do universo digital mudaram o mundo – e, aliás, seguem mudando um tanto mais a cada dia – até um ponto absolutamente insuspeitado há poucos anos, ninguém mais desconhece. No entanto, até onde seguirá essa mudança, e até que ponto será mais positiva ou mais negativa, ainda é uma incógnita. O certo é que a rotina mudou e mudará, e tende a nunca mais ser como antes.

Se o processo de aquisição de conhecimento, as responsabilidades coletivas e a ética indispensável à própria subsistência da condição humana seguirão preservados, eis um debate que começa a se estabelecer entre especialistas. É o que revela um livro fundamental no processo de análise e de interpretação do estado das coisas atual, o volume O cérebro no mundo digital: os desafios da leitura na nossa era, da neurocientista cognitiva americana Maryanne Wolf, lançado no Brasil pela editora Contexto.

Como argumenta a autora, as novas gerações, as que surgem neste princípio de milênio e se alfabetizam e educam basicamente em ambiente digital, revelam cada vez menos capacidade, propensão e paciência para qualquer coisa que implique em profundidade intelectual e concentração. São públicos que vivem na superfície de um conteúdo imediatista e sempre prontamente substituído nas mídias sociais, fascinadas com telas de computadores, tablets, notebooks ou smartphones. A última coisa que de fato fazem é ler.

Essas plataformas ou esses dispositivos tornaram-se vias por excelência através das quais interagem com seus grupos, e com o mundo (próximo ou distante). Mais do que vias, quase se tornaram a razão de ser ou o mundo em si, retratos dos objetivos, das metas ou do alcance de raciocínio ou do horizonte de expectativa.

Até que ponto o cérebro treinado para o consumo de informação no ambiente online poderá, em algum momento, ainda estar preparado para assimilar conteúdos mais densos, mais aprofundados, e não estar por completo limitado a uma percepção imediatista ou fluida, eis campo fértil para as avaliações e os testes feitos por neurocientistas. Maryanne salienta que já está claro, junto aos especialistas, que o comportamento da cognição e o próprio cérebro se formam e respondem de maneira diferente a um texto em suporte digital e ao texto impresso.

Este, pela peculiaridade do manuseio do objetivo físico, está mais próximo do que é o mundo real em si, palpável, natural, mensurável. Ninguém vive no ar ou numa suposição, num ambiente fluido. Precisa de alimento real, sono real, interação real, e as gerações digitais demonstram cada vez menos capacidade para interagirem com naturalidade em sociedade, e apresentam uma propensão crescente a fobias, a afastamento do ambiente social, a isolamento e inatividade.

Paradoxo
Como só o tempo poderá deixar claro, com mais amplitude, quais serão os reais efeitos, positivos ou negativos (ou ambas as coisas) dos tempos digitais, visto que a própria internet ainda é uma adolescente, os temas levantados pelo livro tendem a ser, ao que tudo indica, assunto para todo o século 21.

O que é certo, porém, é que no que diz respeito a leitura nas entrelinhas, muita coisa escapa por entre os dedos quando alguém já não tem ânimo nem paciência, nem persistência, para a leitura propriamente dita – a leitura que, aliás, está na base do próprio conhecimento que forjou o digital. Até porque cada vez que alguém decide sair em defesa do digital, para que seu argumento seja considerado, sempre o faz em um… livro… impresso. Só com o digital, ele ainda nem se sustenta.

Ficha

Foto: Divulgação

O cérebro no mundo digital: os desafios da leitura na nossa era, de Maryanne Wolf. Trad. de Mayumi Ilari e Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto, 2019. 256 p. R$ 59,90.
O cérebro no mundo digital: os desafios da leitura na nossa era, de Maryanne Wolf. Trad. de Mayumi Ilari e Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto, 2019. 256 p. R$ 59,90.

A origem não natural e, sim, cultural do letramento – primeiro aspecto enganosamente simples a considerar sobre a leitura – significa que os jovens leitores não têm um programa de base genética para desenvolver esses circuitos. Os circuitos do cérebro leitor são formados e desenvolvidos por fatores tanto naturais como ambientais, incluindo a mídia em que a capacidade de ler é adquirida e desenvolvida. Cada mídia de leitura favorece certos processos cognitivos em detrimento de outros. Traduzindo: o jovem leitor tanto pode desenvolver todos os múltiplos processos de leitura profunda que estão atualmente corporificados no cérebro experiente, completamente elaborado; ou o cérebro leitor iniciante pode sofrer um “curto-circuito” em seu desenvolvimento; ou pode adquirir redes completamente novas em circuitos diferentes. Haverá profundas diferenças em como lemos e em como pensamos, dependendo dos processos que dominam a formação do circuito jovem de leitura das crianças.

Fonte: GAZ

Sobre admin

Check Also

Livro de Patrícia Palma revela rede de bibliotecas religiosas que contribuiu para cultura escrita no século XVIII

Samuel Mendonça 13 de Novembro de 2019 Cultura Deixe um comentário Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo A …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *