Página inicial / Notícias / Livros para ler, ouvir, ver e tocar

Livros para ler, ouvir, ver e tocar

Dois projetos gratuuitos têm muitas opções com recursos de acessibilidade. ‘Literatura Acessível’, do Instituto Incluir, leva contações de histórias online para crianças, com títulos próprios como ‘Melhor amigo da Bengala’, ‘A princesa que tinha um cromossomo a mais’, ‘O menino que escrevia com os pés’ e ‘A menina que perdeu a perna’. E a Secretaria da Pessoa com Deficiência de SP acaba de inaugurar uma biblioteca com clássicos da literatura mundial que têm audiodescrição, legendas, interpretações em Libras e leitura simples. Obras como ‘Peter Pan’, ‘Volta ao Mundo em 80 dias’, ‘O Menino do Espelho’ e ‘O Menino Azul’ ja estão no catálogo.

Texto por Luiz Alexandre Souza Ventura

Descrição da imagem #pracegover: Cópia da tela da versão acessível do livro ‘Volta ao Mundo em 80 Dias’, de Júlio Verne, que tem a capa original do livro do lado esquerdo, com título em francês, e uma intérprete de Libras do lado direito. Crédito: Reprodução.

Dois projetos que compartilham literatura com acessibilidade gratuitamente estão disponíveis e têm muitos títulos. São iniciativas ue promovem inclusão, reforçam o hábito da leitura e ampliam o conhecimento.

‘Literatura Acessível’, do Instituto Incluir, apresenta uma série de livros para sensibilizar crianças e escolas sobre a importância da inclusão e da acessibilidade (clique aqui para conhecer). Além de publicar os ebooks ‘Melhor amigo da Bengala’, ‘A princesa que tinha um cormossomo a mais’ e ‘O menino que escrevia com os pés’ com versões em Libras, braile, audiodescrição, pictograma em português e alemão, o projeto compartilha a contação de histórias online, com a atriz Bia Mussi e o escritor Marcos Lima, autor de ‘Histórias de Cego’.

As contações têm legendagem e audiodescrição. “É uma forma de gerar um conteúdo virtual similar aos encontros presencias”, diz Carina Alves, diretora do Instituto Incluir e autora dos quatro livros, dois com participação de Mari Meira, e um, em parceria com Elyse Mattos, fundadora do Instituto Ico Project, voltado à causa do autismo. São obras de ficção, disponíveis em versões físicas e em ebooks em multiformato – Libras, braille, audiodescrição e pictograma – e multilinguismo – português e alemão.

Leia a matéria completa publicada pelo site Estadão.

Sobre admin

Check Also

Bibliotecárias negras brasileira e colombiana produzem livro sobre epistemologias latino-americanas no campo biblioteconômico-informacional

Texto por Priscila Fevrier Qual a incidência de estudos de mulheres negras em Biblioteconomia e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *