Página inicial / Notícias / Livros censurados pela ditadura militar estão na Biblioteca Central “Cesar Lattes” até 31 de julho

Livros censurados pela ditadura militar estão na Biblioteca Central “Cesar Lattes” até 31 de julho

Livros expostos pela Diretoria de Coleções Especiais e Obras Raras e o cartaz da mostra

A Diretoria de Coleções Especiais e Obras Raras da Biblioteca Central “Cesar Lattes” (CEOR/BCCL) da Unicamp apresenta, até 31 de julho, uma exposição com 17 livros que foram vetados durante a ditadura militar no Brasil (1964 a 1985). O material pode ser visitado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 22h45, no térreo da BCCL. Na época dos livros expostos, além da tortura, a censura foi um dos mecanismos usados para calar vozes dissonantes do discurso oficial, prática que se intensificou após a instauração do Ato Institucional Nº 5 (AI-5) em 1968. No setor livreiro, o Decreto-Lei Nº 1.077 de 1970 estendeu a censura prévia aos livros. De acordo com o documento, a censura se restringia a temas como sexo, moralidade pública e bons costumes. No entanto, o regime de exceção permitiu também a censura política. A simples posse de um livro considerado subversivo era usada como prova na acusação de pessoas, igualmente tachadas de subversivas.

A antiga Divisão de Censura de Diversões Públicas – DCDP (1972 a 1988), subordinada ao Departamento de Polícia Federal do Ministério da Justiça, analisou oficialmente pelo menos 492 livros, dos quais 313 foram vetados. Os censores eram em pequeno número e sem preparo intelectual condizente com a tarefa a ser executada, resultando numa atuação confusa, sem critérios, com apreensões e coerções físicas. Eram censuradas obras que abordassem denúncias de torturas, críticas à própria censura, opressão feminina, que “ferissem a moral e os bons costumes”, enfim, que tratassem de algum tema considerado tabu ou que não agradasse ao censor ou aos apoiadores do regime. Jornais, músicas e outros meios artísticos e de comunicação também eram alvos constantes da ditadura militar.

————
Uma das primeiras providências da maioria dos regimes autoritários é censurar a liberdade de expressão e opinião, uma forma de dominação pela coerção, limitação ou eliminação das vozes discordantes. Telejornais, jornais, revistas e livros costumam ser alvos de atos de censura.”

Sandra Lúcia Amaral de Assis Reimão, filósofa, mestre e doutora em Comunicação pela PUC-SP e professora livre-docente da USP


 História Militar do Brasil. O autor foi militar de carreira ligado à esquerda marxista e ao Partido Comunista do Brasil (PCB), preso em 1964 por se recusar a apoiar a ditadura. Há também quatro números da coleção Cadernos do Povo Brasileiro, publicada entre os anos de 1962 e 1964 pela editora Civilização Brasileira, uma das mais combatidas pelo regime militar. Foram editados no total 24 livretos escritos por grandes intelectuais e estudiosos dos movimentos sociais. E o destaque é o caderno de número 5, Quem dará o golpe no Brasil?, de autoria do sociólogo Wanderley Guilherme dos Santos e publicado em 1962, dois anos antes do Golpe de 64.

“Quem dará o golpe no Brasil?”, do sociólogo Wanderley Guilherme dos Santos. Publicado em 1962, dois anos antes do Golpe de 64

 

Exposição tem 17 livros que foram vetados durante a ditadura militar no Brasil (1964 a 1985)

Novo espaço de exposições

Este ano, a Diretoria de Coleções Especiais e Obras Raras passou a ocupar um espaço permanente no piso térreo da Biblioteca Central “Cesar Lattes” para exposições temáticas do material de seu rico acervo. De janeiro a março, aconteceu a exposição de livros e periódicos Beleza Feminina, quem determina?.

Acompanhe a programação da CEOR no Facebook

Para saber mais

Sandra Lúcia Amaral de Assis Reimão

Ato Institucional Nº 5 (AI-5)

Decreto-Lei Nº 1.077

Divisão de Censura de Diversões Públicas – DCDP

http://www.scielo.br/pdf/ea/v28n80/08.pdf

http://memoriasdaditadura.org.br/universidades/index.html

https://blog.bbm.usp.br/2016/cadernos-do-povo-brasileiro-o-livro-que-antecipou-o-golpe-de-64/

Texto por Divulgação Diretoria de Coleções Especiais e Obras Raras-BCCL

Fonte: Unicamp

Sobre admin

Check Also

Em novo livro, Martin Puchner conta a história da escrita na civilização

Estadão Conteúdo A tarefa a que Martin Puchner, professor de literatura comparada da Universidade de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *