Página inicial / Notícias / Literatura fantástica encanta até quem já nasceu com tablet

Literatura fantástica encanta até quem já nasceu com tablet

Dia Nacional do Livro Infantil é nesta sexta, data do nascimento de Monteiro Lobato

Ilustração de Samuel Casal Foto: Samuel Casal/Editora do Brasil

Texto por Roberta Pennafort e Karen Acioly

RIO — Monstros, fadas, bruxas, gigantes e personagens tradicionais do folclore brasileiro povoam a literatura infantil e juvenil desde antes de nossos bisavós virarem suas primeiras páginas. A chamada literatura do maravilhoso, habitada por estes e outros seres cujas existências não podem ser explicadas pela racionalidade adulta e carimbadas no imaginário das crianças pelos clássicos europeus, segue motivando lançamentos e debates, e encantando mesmo quem já vem ao mundo com um tablet no berço.

Neste Dia Nacional do Livro Infantil — a data é a do nascimento de Monteiro Lobato (1882-1948) —, o criador de Emília, Narizinho e Pedrinho é lembrado justamente por suas histórias fantásticas. À parte as controvérsias sobre o racismo que lhe entranha as narrativas, Lobato é marco da literatura maravilhosa brasileira, por ter trazido a gerações de leitores alegrias mitológicas como a Cuca, o Saci, a Curupira, entre outros tantos companheiros nossos existência afora.

Com ele, estão Câmara Cascudo (1898-1986), profundo entendedor das manifestações culturais nacionais, com seus recontos, Graciliano Ramos (“A terra dos meninos pelados”), Joel Rufino dos Santos (“O saci e o curupira”) e autores que se dedicam à literatura dos povos da floresta e das divindades da mitologia africana, como Kaká Werá, Daniel Mundukuru, Kiusam Oliveira, Sonia Rosa e Rogério Andrade Barbosa.

A escrita maravilhosa desembarcou no Ocidente nas versões pioneiras do italiano Giambatistta Basile, que abririam portas e janelas para Hans Christian Andersen e os Irmãos Grimm. No Brasil, depois de Lobato viriam os textos juvenis de ficção científica dos anos 1960, e os autores do apogeu da literatura infantil e juvenil, Sylvia Orthof, Fernanda Lopes de Almeida, Ana Maria Machado, Maria Clara Machado…

O maravilhoso é tudo aquilo que é sobrenatural e que, ainda assim, ninguém estranha. Um personagem sai voando, e tudo bem. O lobo mau come a avó inteira, e depois você a encontra abrindo a barriga dele — aponta Alexandre de Castro Gomes, autor de livros adotados em escolas, muitos deles sobre monstros e folclore, como “Quem matou saci?” (Escarlate), “Encontros folclóricos de Benito Folgaça” (Editora do Brasil) e “Condomínio dos monstros”(RHJ). — A literatura infantil se apropriou do maravilhoso e sabe utilizá-lo muito bem. A cabeça da criança tende a ser mais mágica.

Ilustração de Samuel Casal Foto: Samuel Casal/Editora do Brasil

No catálogo que levou neste mês à Feira literária de Bolonha, voltada à produção para este público, a Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) destacou lançamentos nessa linha. Viajaram à Itália, por exemplo, “A avó amarela”(Oze), de Júlia Medeiros e Elisa Carareto, que tem dentes de porcelana e cozinha lembretes; “O búfalo que só queria ficar abraçado” (Carochinha), de Thais Laham Morello e Juliana Basile, cheio de afetos; a delicada “Casa de passarinho” (Positivo), de Ana Rosa Costa e Odilon Moraes, entre outras gemas verdes e amarelas.

Meu modo de trabalhar magia e o fantástico é em cima do real. Em “Pedro e a lua” (Jujuba), há um menino, uma pedra e uma tartaruga. A fantasia entra no momento em que a tartaruga é uma pedra e a pedra é um pedaço da lua — diz Odilon Moraes, aos 30 anos de ilustrações. — Não tem dragão, fada, duende, mas a possibilidade de dar outro sentido às coisas. A criança está muito mais no mundo concreto do que nós. Quer coisa mais fantasiosa do que o dinheiro do adulto, um pedaço de papel?

Ilustração de Samuel Casal Foto: Samuel Casal/Editora do Brasil

O número de títulos vem caindo a cada ano, na esteira da crise das editoras, ressalta Elizabeth Serra, à frente da FNLIJ. Mas o momento é áureo para a literatura infantil em termos das virtudes de texto e imagem.

O maravilhoso sempre existiu, e valorizamos os marcos, como “Flicts”, do Ziraldo, que está fazendo 50 anos e traz a originalidade da imagem e da ideia juntos. Melhor do que livro didático, só livro de literatura. A cultura da escrita é a da liberdade, da independência — diz Elizabeth.

Nesta quinta-feira, das 10h às 18h, na Biblioteca Parque Estadual, no Centro, a edição especial do evento “Conversa Literária” terá rodas de conversa atravessadas pelo mundo maravilhoso.

Existe uma censura atualmente nesse sentido. Editoras querem histórias do dia a dia da criança — critica a organizadora, Cintia Barreto. — Mas este universo é muito importante para a formação humana, leva o público infantil a outros mundos, ampliando seu repertório e potencial criativo. Viemos dessa tradição.

Fonte: O Globo

Sobre admin

Check Also

10 consejos para mantener en perfectas condiciones los libros de tu biblioteca personal

10 consejos para mantener en perfectas condiciones los libros de tu biblioteca personal Los libros …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *