Página inicial / Notícias / Google lança sua plataforma de livros em áudio no Brasil

Google lança sua plataforma de livros em áudio no Brasil

Serviço começa com 2.500 títulos

 

 A escritora Paula Hawkins, cujo livro “A Garota no Trem” está na plataforma de audiolivros do Google – Matt

Seis meses depois de disponibilizar o serviço no exterior, o Google lança no Brasil, nesta terça (24), seu serviço de audiolivros.

O serviço Google Play Livros foi lançado em 45 países em janeiro para concorrer com o Audible, plataforma semelhante da Amazon.

O serviço estreia no Brasil com 2.500 títulos e, diz o Google, mais de cem editoras. As grandes casas editoriais que aderiram à plataforma até agora são cinco: Globo Livros, LeYa, Record, Ediouro e Rocco.

Entre os títulos disponíveis, estão livros como “A Garota no Trem” (Record), de Paula Hawkins; “Ansiedade – Como Enfrentar o Mal do Século” (Saraiva), de Augusto Cury; e “Um Legado de Espiões”, de John Le Carré, entre outros.

O tempo que dura a escuta de cada livro não varia só com o número de páginas, mas depende da leitura de cada narrador –mas há um recurso que permite acelerá-la ou retardá-la.

O livro de Le Carré, por exemplo, tem 252 páginas –e 11 horas de áudio. Já “A Garota no Trem”, com 378 páginas, por sua vez, tem duração de 10 horas e 59 minutos.

O serviço funciona tanto em celulares com sistema Android quando iOS (usado em aparelhos da Apple). No primeiro, via o aplicativo Google Play ou o Google Play Livros.

Nos aparelhos Apple, só com o segundo –mas não é possível fazer compras dentro do próprio aplicativo. O usuário precisa escolher seus livros no computador e usar o app para baixá-los.

Ainda pequeno no Brasil –e funcionando em pequenas startups como a –Ubook, o mercado de audiolivros surpreendeu nos Estados Unidos.

De acordo com os dados mais recentes da Audio Publishers Association, as vendas de audiolivros em 2017 renderam um faturamento de US$ 2,5 bilhões (cerca de R$ 9,4 bi) –uma alta de 23% em relação a 2016.

Andrea Fornes, diretora de parcerias de produto para notícias e livros do Google na América Latina, explica por que o serviço brasileiro não foi lançado no começo do ano, junto a outros países:

“As editoras ainda estão começando a trabalhar com essa linguagem. Não havia um catálogo muito grande. Esperamos o número crescer para podermos sair com uma oferta mais atraente”, diz.

Ela diz que, no segundo semestre, a expectativa é que o catálogo cresça o mesmo que cresceu de janeiro até aqui.

Para formar o cardápio disponível, o Google faz negociações principalmente com agregadores que já atuam há alguns anos nesse segmento no Brasil –caso da Ubook e da Tocalivros.

Essas duas empresas têm serviços próprios, mas só oferecem audiolivros sob regime de assinatura –não é possível comprar obras individuais em suas plataformas.

Uma tendência americana que o Google imagina que se repetirá aqui é o uso dos smartphones para a escuta dos livros. Lá fora, ainda de acordo com os números da Audio Publishers Association, 47% dos usuários dizem usar seu aparelho para isso –em 2015, esse número era de 22%.

No lançamento, o catálogo de audiolivros terá obras que custarão menos de R$ 5 –depois, com preços normais, a média de preços é cerca de R$ 20.

A Amazon já prepara a chegada do Audible ao país há pelo menos dois anos, quando vagas de emprego para o serviço foram anunciadas no Brasil –uma consulta no site da empresa americana com anúncios de trabalho mostra que elas não estão mais abertas, o que sugere que já podem ter sido preenchidas.

Fonte: Folha de S.Paulo

Sobre admin

Check Also

Livro de Patrícia Palma revela rede de bibliotecas religiosas que contribuiu para cultura escrita no século XVIII

Samuel Mendonça 13 de Novembro de 2019 Cultura Deixe um comentário Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo A …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *