Página inicial / Notícias / Espaços culturais acolhedores conquistam o público paulistano

Espaços culturais acolhedores conquistam o público paulistano

Casas como Plana, Escrevedeira e Tatuí combinam sala de aula, livraria e cinema

Curso na Escrevedeira Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

Texto por Ruan de Sousa Gabriel

RIO – Quando fundaram a Lote 42, em 2012, João Varella e Cecilia Arbolave queriam uma editora que publicasse os livros que eles gostariam de ler. Dois anos depois, eles abriram a Banca Tatuí pensando em uma livraria que vendesse os livros que eles publicavam. Em setembro, inauguraram a Sala Tatuí, que Varella define como a “a sala de aula que a gente gostaria de ter”.

A Sala Tatuí ocupa a cobertura de um prédio em Santa Cecília, na região central de São Paulo. Lá, Varela e Cecilia oferecem cursos de editoração, literatura e artes visuais, vendem livros da Lote 42 e de outras editoras independentes, promovem debates, clubes de leitura e lançamentos. E ainda disponibilizam um serviço importado da Argentina: livraria com hora marcada. Pelo site ou por e-mail, os clientes podem agendar um horário para consultar o acervo com calma.

Encontramos esse espaço, que é muito mais folgado do que precisávamos, e para compensar o aumento nos custos resolvemos colocar em prática esse projeto que tínhamos faz tempo — explica Varella ao GLOBO.

Sempre em torno do livro

Espaços culturais que combinam livraria, sala de aula, cinema, debates e até festas conquistaram o público paulistano. Apesar da diversidade de eventos que promovem, todos se organizam em torno do livro.

Tudo isso é parte de um movimento — diz Cecilia. — Cada um com seu estilo, esses centros mostram um interesse vivo pelo livro, por ler, publicar e aprender.

Em maio, a Casa Plana abriu as portas de sua nova sede, que ocupa dois andares de um prédio na Vila Madalena, na Zona Oeste. Além de oferecer cursos e receber exposições, lançamentos, debates e saraus, a Plana conta com uma livraria especializada em editoras independentes.

Sala Tatuí Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

Ela é um desdobramento da Feira Plana, idealizada por Beatriz Bittencourt em 2012 para promover o contato do público com essas editoras.

Desde que a Plana surgiu, a cada ano mais editoras se interessavam em participar — conta Beatriz. — Em 2015, desenhamos o projeto de um espaço para tornar pública a biblioteca da Plana e oferecer cursos com foco no mercado editorial e de arte.

Graças a um financiamento coletivo, a Casa Plana abriu as portas em 2016. No começo, ocupava um andar no prédio Farol, antiga sede do Banespa, no Centro. Depois, passou para o Copan, outro edifício icônico da capital paulista. A Plana se fixou na Vila Madalena quando Beatriz se associou a Jorge Sallum, da editora Hedra.

Fazemos ao menos dois eventos semanais, que podem ser lançamentos de livros seguidos por debates ou rodas de conversa sobre política e temas atuais — explica Beatriz. — Há também oficinas e cursos de formatos distintos, exposições que usam o livro como suporte, uma rádio ao vivo, a A-Mig, e clubes de leitura. A biblioteca tem mais de 2 mil livros de artistas de todo o mundo, mas, por enquanto, é apenas para consulta no local.

A escritora Noemi Jaffe suspeita que os cursos a preços acessíveis sejam responsáveis pelo sucesso dos novos centros culturais paulistanos. Em 2016, Noemi abriu a Escrevedeira, que, no começo, ocupava uma sala alugada em um sobrado na Vila Madalena onde ela dava aulas de escrita criativa.

Este ano, ela se associou a João Bandeira e Luciana Gerbovic e expandiu os negócios. A Escrevedeira passou a ocupar todo o sobrado e hospedar cursos de outros escritores, como Julián Fuks e Angélica Freitas, além de lançamentos, rodas de conversa e um happy hour toda última sexta-feira do mês.

Para Noemi, esta é uma forma de resistência “não necessariamente política”.

Resistimos porque fazemos arte em um mundo em que a arte não está entre as preocupações principais — diz Noemi, que ainda oferece no espaço aulas de redação para vestibular e algumas bolsas de estudo, ações sociais que pretende ampliar ano que vem.

Destaques deste mês nas casas

Escrevedeira:

Curso: “Roberto Schwarz: Literatura, cultura e política”, com com Juliano Garcia Pessanha e Tiago Ferro.

12, 19 e 26/11, às 19h30m.

R$ 300.

Debate sobre “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis, com Manuel da Costa Pinto e Milton Hatoum. 13/11 às 19h30m.

Grátis

(inscrições antecipadas)

Sala Tatuí:

Curso: “Teoria e Gestão de Cores”, com o editor e designer Vanderley Mendonça.

14, 21 e 28/11, às 19h30m.

R$ 180

Casa Plana:

Curso: “História dos livros no mundo e no Brasil”, com o antropólogo da arte Nathanael Araujo. 29 e 30/11, às 19h30m. R$ 180 cada aula.

Oficina: “Poemas de amor”, com a poeta Júlia de Carvalho Hansen.22 e 29/11 e 6 e 13/12.

R$ 240

Fonte: O Globo

Sobre admin

Check Also

Petição Pública – Biblioteca Escolar para Todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *