Página inicial / Notícias / Direitos autorais nas bibliotecas em 2018 – Parte 1

Direitos autorais nas bibliotecas em 2018 – Parte 1

A IFLA lançou no blog do Library Policy and Advocacy um artigo onde informa o estado atual dos direitos autorais nas bibliotecas nas legislações mundiais.

O cenário é bastante diverso. Poucos países já tiveram a lei de direitos autorais aprovada com benefícios para as bibliotecas. Na maioria deles, porém, a lei encontra-se em fase de discussão, principalmente nos países signatários do Tratado de Marrakesh.

Destaco abaixo alguns dos países pelo fato de abordarem alguns itens mais diretamente relacionado às bibliotecas:

Quênia: o projeto de lei de alteração de direitos autorais incluiu, dentre outras, uma exceção de reprodução de documentos para bibliotecas e arquivos.

África do Sul: com uma ampla reforma em andamento, espera-se que seja incluída uma disposição relativa às limitações de responsabilidade para bibliotecários.

Austrália: um novo conjunto de regulamentos que entrou em vigor em dezembro de 2017 inclui, dentre outros dispositivos, novas exceções para texto e mineração de dados para todos os usos de bibliotecas e arquivos, exceto a exceção de negociação flexível em s200AB da Lei de Direitos Autorais Australiana.

Japão: a proteção pelos direitos autorais foi estendida de 50 para 70 anos.

Singapura: ocorreu uma primeira consulta pública em outubro de 2016 com 16 propostas, incluindo um prazo de validade para a proteção de direitos autorais de obras não publicadas, uso de obras órfãs, exceções educacionais para refletir a educação digital, o que facilita o trabalho de bibliotecas e arquivos, museus e galerias.

Alemanha: a reforma da lei alemã entrará em vigor em março de 2018. O destaque recai sobre o trecho em que menciona as “pequenas partes” do trabalho que poderiam ser usadas agora foram substituídas por 15% e 75% para uso pessoal para pesquisa científica; além disso, prevê que bibliotecas, arquivos, museus e estabelecimentos educacionais devem reproduzir obras de suas coleções ou exposições para fins não comerciais.

Irlanda: um projeto de lei foi apresentado e provavelmente conterá disposições que “permitem que bibliotecas, arquivos e instituições educacionais façam cópias de trabalho em suas coleções para fins de preservação e inclusão em catálogos para exposições.” (fonte)

Colômbia: um dos tópicos diz respeito ao Empréstimo entre Bibliotecas (EEB).

A única menção ao Brasil foi feita em um acordo entre o Mercosul e a União Européia.

A notícia completa está disponível em inglês: Copyright for Libraries in 2018 – Part 1.

Fonte: Eduardo Graziosi Silva

Sobre admin

Check Also

Livro de Patrícia Palma revela rede de bibliotecas religiosas que contribuiu para cultura escrita no século XVIII

Samuel Mendonça 13 de Novembro de 2019 Cultura Deixe um comentário Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo A …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *