Página inicial / Notícias / Covas desfaz alterações feitas por Doria em conselho que fiscaliza projetos da cultura de SP

Covas desfaz alterações feitas por Doria em conselho que fiscaliza projetos da cultura de SP

Por G1 SP

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) e o prefeito da capital, Bruno Covas (PSB) — Foto: Tatiana Santiago/G1

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) e o prefeito da capital, Bruno Covas (PSB) — Foto: Tatiana Santiago/G1

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), desfez uma série de alterações feitas pelo ex-prefeito João Doria (PSDB) sobre a composição do Conselho do Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Biblioteca, que fiscaliza obras e investimentos da secretaria de Cultura da capital.

Por decreto publicado no Diário Oficial do município desta terça-feira (13), Bruno Covas decidiu que a composição do conselho terá 8 membros oriundos da sociedade civil, como era antes da mudança feita por Doria em 2017.

Há dois anos, o então prefeito Doria reduziu para 7 o número de membros da sociedade civil e também determinou que estes integrantes deixassem de ser escolhidos por eleição direta e passassem a ser “escolhidos pelo titular da Secretaria da Cultura”. Na época, o secretário de Cultura era André Sturm.

Com a mudança feita por Bruno Covas, os integrantes da sociedade civil que compõem o conselho voltarão a ser escolhidos por eleição “dentre cidadãos residentes no município de São Paulo” e que que atuem nas áreas do livro, leitura, literatura e biblioteca, não podendo ocupar qualquer cargo ou função pública, seja eletivo ou em comissão, depois de eleitos.

O conselho continua tendo 14 integrantes. Os demais são escolhidos da seguinte forma: dois representantes da Secretaria da Cultura, dois da Secretaria de Educação, dois da Câmara Municipal.

O que Doria havia feito era tirar uma vaga da sociedade civil e repassar à secretaria de Cultura, o que está sendo desfeito pelo novo decreto de Covas.

O mandato dos conselheiros continuará sendo de dois anos.

Uma terceira alteração feita por Bruno Covas também desfaz mudança feita por Doria. O ex-titular do Executivo municipal havia tirado do conselho a incumbência de opinar sobre a formulação do orçamento necessário à implementação de projetos na pasta, fiscalizando a utilização dos respectivos recursos. Agora, o conselho volta a ter este poder.

A lei 16.333, que criou em 2015 Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Biblioteca (PMLLLB), determina que o conselho fiscalizador seja formado por representantes da Câmara Municipal, das secretarias da Educação e da Cultura, e, majoritariamente, por integrantes da sociedade civil, “tais como professores, escritores, editores e bibliotecários”.

Fonte: G1

Sobre admin

Check Also

Biblioteconomia da PUC-Campinas é nota 5 no MEC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *