Jornais

Revistas em revista: descontinuidades e sumiço

Texto por Fernando Barros

(Foto: Unsplash/Yunming Wang)

Quem acompanha o mercado de revistas já deve ter observado que muitas das publicações mensais tiveram sua circulação alterada em meio à pandemia do novo coronavírus. Modificação esta que tem sido bem difícil precisar se representa um reflexo dos impactos provocados pela crise de Covid-19 ou consequência de um processo de mudanças já em curso há algum tempo no mercado editorial.

Dos grandes grupos midiáticos até editoras independentes, de revistas consagradas a outras que vêm tateando às cegas ou lutando bravamente por seu espaço, o momento é de transformação. E nesse cenário de passar em revista as nossas publicações, há de tudo: descontinuidades, reposicionamentos, expansões e sumiços eventuais.

A Editora Globo, por exemplo, foi a primeira a suspender as versões impressas durante o período da pandemia. Em comunicado oficial, justificou a medida como uma forma de se adaptar à nova realidade e adequar temporariamente a linha de produção e entrega das suas publicações. Assim, pelo menos até julho, não circulam por aí as revistas Crescer, Autoesporte, Pequenas Empresas Grandes Negócios, Casa Jardim e Globo Rural.

Do portfólio da editora, segue sendo impressa a feminina Marie Claire. No entanto, com periodicidade alterada para bimestral. A propósito, investir na circulação de edições a cada dois meses foi também a estratégia adotada por outras revistas para fazer frente a este período, como a Glamour e a GQ Brasil, ambas fruto da parceria editorial firmada entre a Globo e a Condé Nast.

Se algumas se tornaram bimestrais ou suspenderam sua circulação temporariamente, outras no entanto sumiram de vez. Alegando dificuldades econômicas do próprio mercado de mídia nos últimos tempos e o impacto da crise do novo coronavírus, a Editora Rocky Mountain comunicou o encerramento dos títulos Women’s Health e Runner’s World no país.

Acesse a matéria completa em Observatório da Imprensa

¿Qué es hacer Clipping?

Los profesionales de las relaciones públicas y prensa se enfocan cada vez más en hacer un seguimiento inmediato de la cobertura de los medios tradicionales y no tradicionales, así como de cualquier otra información que afecte la reputación corporativa o imagen de marca o vender un político.

Con el auge de Internet y la proliferación de los nuevos medios digitales, los responsables de comunicación tienen, a un solo clic, mucha información. Datos que bien utilizados permiten:

• Controlar el entorno

• Anticipar una futura crisis de reputación

• Detectar oportunidades

• Definir estrategias

• Identificar influencers

Podríamos seguir enumerando funcionalidades pero con esto ya nos hacemos una idea de la necesidad de utilizar el clipping para ir más allá del seguimiento de la marca.

Clipping es una voz inglesa que se traduce como recorte. En español se utiliza clipping o press clipping para designar la actividad de seleccionar los artículos o recortes de prensa en los que una empresa determinada ha aparecido en forma de noticia.

Con el actual desarrollo de los medios informativos, en la era de la sociedad de la información, el clipping se puede realizar ya no solo en formato papel, sino también digitalizado. La importancia de esta acción de comunicación se ve incrementada con el desarrollo de Internet y la aparición del fenómeno Blog.

En los albores de Internet era menos determinante el control de estos parámetros en las organizaciones, pero según estudios de diversas universidades estadounidenses, el clipping es hoy una de las principales labores de los departamentos y empresas de comunicación.

Cada aparición en prensa tiene un precio. Una noticia no es lo mismo que un anuncio, sin embargo ocupa tiempo en televisión y radio, espacio en la prensa e internet… Es por ello que las organizaciones encaminan sus esfuerzos a las relaciones públicas como motor capaz de generar apariciones en los medios de comunicación.

El clipping, como recolector de todas esas apariciones, permite igualar la cifra de esas apariciones sobre la tarifa publicitaria, y por tanto calcular el valor monetario de la aparición. Sin embargo, existen valores añadidos relativos a no ser un anuncio sino una noticia.

Desde los círculos académicos se señala el background publicitario que posee el ciudadano como un handicap de la publicidad, frente a la noticia que redacta el periodista; figura que aparece ante el ciudadano relacionada con el progreso, la veracidad, el derecho de información, la libertad de expresión.

TIPS
Crear un plan para el monitoreo en redes sociales
Decidir por qué se va a monitorear (atención al cliente, comentarios de los clientes, seguimiento del progreso de las campañas de #hashtag…).

¿Se trata de generar clientes potenciales?, ¿atender a los clientes?, ¿construir presencia en las redes sociales?, ¿mejorar la reputación?.

Elegir una herramienta de monitoreo de redes sociales adecuada
Que se ajuste tanto al presupuesto como a las necesidades.

Hay muchas herramientas de monitoreo de redes sociales en el mercado. Las herramientas gratuitas (Google Alerts, TweetReach, etc.) son opciones, pero tampoco recuperarán la mayoría de los resultados. Esto puede ser suficiente para algunos usuarios, pero para el sector empresarial siempre será recomendable el uso de herramientas de rango medio o de servicio profesional completo como la que ofrece Pressclipping.

Proporcionar formación y materiales de capacitación y aprendizaje para orientar al personal en el uso de la herramienta. La mayoría de las herramientas de monitoreo de redes sociales no son difíciles de operar, aunque requieren de un aprendizaje específico al principio.

Elegir bien las palabras clave a controlar (nombre de la marca o compañía, el producto o servicio y #hashtag). Será necesario mirar más allá de las palabras clave sobre la marca o compañía, supervisar a los competidores y los términos negativos, como BASHtags, para identificar oportunidades en las que se pueda brindar asistencia.

El monitoreo de las redes sociales es un proceso activo que proporciona datos históricos. Requerirá de la observación de resultados y de ajustes durante el proyecto.

Explorar todas las funciones que ofrece la herramienta de monitoreo de redes sociales. No dejaremos que ninguna función se desperdicie. Podría estarse perdiendo análisis significativos, filtros útiles, informes PDF generados rápidamente y métricas importantes.

Priorizar resultados de acuerdo con el orden de importancia. Algunas herramientas incorporan funciones como los filtros de análisis de sentimientos (positivo/negativo/neutro), muy útiles para aportar una idea de la cantidad de comentarios negativos que la compañía / producto ha estado recibiendo.

Utilizar el filtro de influencers que mostrará si hay personas influyentes que hablan sobre las palabras clave o hashtags de la compañía. Esto es importante porque los influencers tienen grandes audiencias y crean tendencias. Monitorear el #hashtag servirá para ver con qué frecuencia se usa y de qué tratan las conversaciones en las que aparece.

Es crucial comenzar a monitorear lo antes posible para obtener un conjunto propio de datos históricos y compararlos así con los resultados más recientes. Esto requiere un poco de paciencia y un monitoreo diligente de las redes para lograr identificar así las causas de picos, caídas, patrones o irregularidades en los resultados.

Fonte: Palermonline Noticias

“Os jornais centenários têm muito a ensinar para o jornalismo atual”, afirma a pesquisadora Hérica Lene

Kassia Nobre

A jornalista e pesquisadora Hérica Lene acaba de lançar o e-book “Jornais Centenários do Brasil” (Labcom-UB, 2020). A obra é resultado de uma pesquisa de pós-doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) sobre os jornais brasileiros que atingiram ou ultrapassaram a marca temporal dos 100 anos.

O Portal IMPRENSA conversou com a pesquisadora sobre os desafios e as estratégias de sobrevivência dos jornais no atual contexto de crise do jornalismo e busca por novos modelos de negócio de produção da notícia.

Hérica realizou 17 entrevistas com dirigentes de jornais (diretores, editores ou chefes de redação). “Nos discursos dos dirigentes dos jornais centenários, a tradição é vista como patrimônio e fortalecimento das marcas e como um elemento importante que contribui, em algum nível, para a manutenção dos periódicos em circulação”, explica.

Crédito:Divulgação Labcom-UB
Portal IMPRENSA – Conta sobre o processo da pesquisa que resultou no livro. Como surgiu a ideia de escrever sobre os jornais centenários?

Hérica Lene – O livro “Jornais Centenários do Brasil” (Labcom-Ubi, 2020) é resultado da minha pesquisa do pós-doutorado em Comunicação e Cultura pela UFRJ, que fiz de 2017 a 2018, mas iniciei essa busca pela trajetória e situação dos jornais centenários bem antes, em 2014,  em um projeto do grupo de pesquisa que coordeno na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), onde dou aula. Inclusive, obtive a aprovação de um edital de pesquisa do CNPq para desenvolver esse estudo.

Eu pesquiso na área de História da Imprensa desde que ingressei na vida acadêmica, após ter sido repórter dos jornais capixabas A Tribuna e A Gazeta e da Gazeta Mercantil (caderno regional Espírito Santo).

A crise dos jornais impressos é um tema importante de ser investigado e acompanhado. Muitos jornais tradicionais morreram, como o Jornal do Commercio do Rio de Janeiro, infelizmente. A própria Gazeta Mercantil, onde trabalhei há anos, foi um importante jornal que fechou com pouco mais de 80 anos de circulação.  Então, eu queria saber como os jornais centenários estavam enfrentando a situação de convergência e que estratégias estão lançando mão para sobreviverem nesse contexto.

Ao iniciar a pesquisa sobre os jornais centenários, em 2014, eram 28 com mais de 100 anos que constavam na lista da Associação Nacional dos Jornais (ANJ). Até o primeiro semestre de 2019, além do emblemático Jornal do Commercio (RJ), também suspenderam suas atividades na imprensa de São Paulo: Diário de S.Paulo, A Mococa, o Diário do Povo e Comércio do Jahú.

Outro historicamente muito importante para a imprensa brasileira – o Jornal do Brasil – migrou para o on-line em 2010, mas voltou a circular impresso em 2018 no Rio de Janeiro. Foi o único que deixou o corpo “papel” para o digital, mas voltou ao suporte anterior. Conseguiu circular impresso apenas por um ano, até março de 2019, e retomou a ser apenas on-line.

Outros três deixaram de circular impresso e migraram definitivamente para o on-line: O Mossoroense, o Correio Riograndense e o A Cidade. Outros dois centenários, no entanto, sobrevivem circulando somente em versões impressas e não têm edição na internet: O Taquaryense e o Gazeta de Ouro Fino. Outros dois foram adquiridos pelo poder público: A União e a Tribuna do Norte, o que dá fôlego para continuarem circulando em suas versões impressas no que tange ao custo da produção e impressão.

E outros dois atingiram a marca temporal dos 100 anos no primeiro semestre de 2019: Gazeta do Povo, de Curitiba, Paraná, que, a partir de 1º de junho de 2017, passou de impresso para on-line, mantendo a edição impressa unificada apenas no fim de semana; e o Jornal do Commercio, de Recife, Pernambuco, que se mantém nos suportes papel e o on-line.

O desafio da pesquisa foi relacionar o passado (um pouco da trajetória dos jornais) com o presente (as estratégias). Por isso, ele foi feito no formato enciclopédico, com um tópico para cada jornal e um pouco de sua história junto com a entrevista de um representante que falasse dessas ações do presente. A metodologia foi pesquisa bibliográfica e entrevistas com os dirigentes dos jornais (diretores, editores ou chefes de redação).
Portal IMPRENSA – Você fala sobre os desafios e as estratégias de sobrevivência destes jornais nos dias de hoje. Você poderia falar um pouco sobre este tópico? Como os jornais centenários lidam com alguns desafios, como as redes sociais, a desinformação online, etc.?

Hérica Lene – Consegui realizar 17 entrevistas durante o período do pós-doutorado e todos os depoimentos trataram das dificuldades de continuar atraindo novos leitores, que migram para as plataformas móveis. O que a pesquisa mostra é que, de Norte a Sul do país, o jornal impresso está em crise, inserida na conjuntura da crise geral do negócio de jornalismo.

Os jornais têm buscado valorizar a proximidade na abordagem das notícias em busca de atrair os leitores como um valor-notícia fundamental, além do investimento na plataforma da internet e da busca de canais de interação com seus públicos, para receber demandas dos leitores e sugestões de pauta. Em tempos de globalização instantânea das informações, o local e o regional são valorizados.

Resumi em 12 pontos principais os resultados da pesquisa:
1) Dificuldades de sobrevivência para todos, independente do porte do jornal (diário ou semanal, se de regiões metropolitanas ou do interior);
2) Busca de um novo modelo de negócio, de estratégias que ajudem os jornais a se sustentar já que houve queda de publicidade com a circulação de conteúdo informativo e noticioso pela internet;
3) A maioria dos jornais centenários migrou para a plataforma da internet;
4) Equipes reduzidas de profissionais estão produzindo o conteúdo dos jornais;
5) Busca de uma maior interação com seus públicos, via redes sociais;
6) Renovar a carteira de leitores e atrair os jovens é visto como um grande desafio dos jornais atualmente;
7)  A tradição é considerada como muito importante para manutenção do jornal;
8) Com relação a abordagem noticiosa, muitos jornais trabalham com “redação integrada”, no sentido de que as equipes trabalham no mesmo espaço físico, mas prevalece o tratamento diferenciado para o impresso (que segue uma linha argumentativa mais fundamentada em opiniões e análises) e no on-line (notícias mais curtas); Uma tendência: o conteúdo do papel ter um tratamento mais analítico, com contextualização, enquanto o digital tem um caráter mais factual e noticioso, e onde se busca experimentação com conteúdos em áudio e vídeo;
9) Os entrevistados dos jornais localizados no interior evidenciam que sofrem mais dificuldades em manter os periódicos em circulação em função da concorrência com o jornalismo veiculado na plataforma de internet;
10) Jornais de médio e pequeno porte adotaram uma “superedição” de final de semana como forma de diminuir custos;
11) Enfoque na cobertura de notícias locais e regionais como um diferencial para enfrentar a concorrência das mídias digitais, onde há rápida circulação de notícias nacionais e internacionais;
12) Crise econômica de 2014 como agravante da crise dos jornais impressos, que perderam anunciantes e assinantes;
 Diante do quadro apresentado, observa-se redução de equipes de jornalistas e busca de um modelo de negócio que sustente o jornal.  O futuro dos impressos, portanto, segue incerto no contexto de crise do jornalismo.
Há menos leitores do jornalismo impresso, cujas tiragens despencam. E menos anunciantes, que costumavam responder pela maior fatia das receitas. As diferentes mídias se concentram em uma só plataforma, a internet, onde se colhe mais audiência e se busca, com dificuldades, o faturamento publicitário do passado.
Portal IMPRENSA – O que os jornais centenários podem ensinar para as novas produções jornalísticas?

Hérica Lene – Os jornais centenários têm muito a ensinar para o jornalismo atual porque a longevidade lhes trouxe tradição e capital simbólico.

Infelizmente, tudo indica que o jornal impresso em papel como principal produto de um modelo de indústria jornalística consolidado no século XX está morrendo. O jornalismo, no entanto, segue necessário e vivo em muitos lugares. Em processo de mutação, jornais assumem novos “corpos” ao migrarem para o suporte digital, sobretudo, os mais longevos e tradicionais.

A crescente complexidade das sociedades contemporâneas, com a experiência de múltiplos ritmos, extrapola a resposta que um jornal impresso pode dar, já que seu tempo é fixado pela impressão.

Nos discursos dos dirigentes dos jornais centenários, a tradição é vista como patrimônio e fortalecimento das marcas e como um elemento importante que contribui, em algum nível, para a manutenção dos periódicos em circulação.

O próprio alcance de sua permanência em circulação na longevidade dos anos, e nas intempéries dos ciclos econômicos, lhes confere capital simbólico e uma credibilidade que os jornais on-line ainda não conquistaram. Por isso, mesmo, eles continuam sendo importantes referências de jornalismo para as novas produções jornalísticas.
O e-book “Jornais Centenários” está disponível aqui.

Foi o primeiro jornal português. E ajudou D. João IV a consolidar o poder em 1640

O primeiro número da “Gazeta em Que Se Relatam as Novas Que Houve Nesta e Que vieram de Várias Partes” – que haveria de ficar conhecida como Gazeta da Restauração – foi publicado em novembro de 1641 e posto a circular a 3 de dezembro do mesmo ano. Tinha 12 páginas GAZETA DA RESTAURAÇÃO / BNP

O primeiro jornal português nasceu um ano depois de Portugal recuperar a independência, a 1 de Dezembro de 1640. A Gazeta da Restauração foi acarinhada por D. João IV e seus apoiantes que viram neste periódico “um excelente instrumento de propaganda” de legitimação do novo poder e uma forma de denegrir os feitos dos espanhóis. Há 375 anos, as relações entre o poder político e o jornalismo já davam que pensar

Texto Manuela Goucha Soares

D.João IV gostava da simplicidade do Alentejo e teria pouca paciência para os enfeites e fausto que os rituais das cortes barrocas exigiam. A política tem as suas regras, e o trineto de D. Manuel I que nascera destinado a ser o oitavo Duque de Bragança acabaria persuadido a juntar-se ao grupo de revoltosos que, em 1640, quis acabar com o poder de Filipe IV de Espanha (III de Portugal) e a política centralizada do seu valido Conde-Duque de Olivares.

Viviam-se tempos complicados em todos os reinos do velho continente. Desde o primeiro quartel do século XVII que o clima político favorecia o despertar da imprensa, e as gazetas “multiplicam-se por toda a Europa”, como escreve José Tengarrinha na “Nova História da Imprensa Portuguesa”: Primeiro surgiu a de Basileia em 1610, depois a de Frankfurt e Viena em 1615, Hamburgo em 1616, Berlim em 1617, Praga em 1619, Amesterdão em 1620, Londres em 1622. Anos mais tarde é a vez de chegarem a Florença e Roma.

D. João, o quarto de Portugal, foi entronizado a 15 de dezembro de 1640. E usou um fato que já tinha vestido um ano antes, facto que muito desconcerto causou entre os nobres
D. João, o quarto de Portugal, foi entronizado a 15 de dezembro de 1640. E usou um fato que já tinha vestido um ano antes, facto que muito desconcerto causou entre os nobres D.R.

Uma das mais importantes e que mais terá influenciado a génese da patriótica Gazeta da Restauração, foi a “Gazette de France”, que surgiu em 1631, com o alto patrocínio do Cardeal Richelieu, o todo poderoso primeiro-ministro de Luís XIII.

Menos de um ano depois de ser aclamado rei em Lisboa por um grupo de 71 portugueses, El-Rei D. João, o quarto de Portugal, fez saber que concedia “alvará” de publicação a Manuel de Galhegos, “impressor, livreiro” para editar ,“imprimir” e “vender em todos estes reinos e senhorios as Gazetas das novas deste Reino”. Este primeiro periódico português de publicação regular, haveria de ficar conhecido por Gazeta da Restauração. O alvará régio foi concedido a “14 de Novembro de 1641”, como se lê num livro de Jorge Pedro de Sousa, investigador e professor da Universidade Fernando Pessoa.

Segundo número da Gazeta da Restauração foi impresso em dezembro de 1641 e entrou em circulação a 11 de janeiro do ano seguinte. Tinha mais 4 páginas do que o primeiro e número e custava mais 4 réis, ou seja 10 réis, em vez de 6
Segundo número da Gazeta da Restauração foi impresso em dezembro de 1641 e entrou em circulação a 11 de janeiro do ano seguinte. Tinha mais 4 páginas do que o primeiro e número e custava mais 4 réis, ou seja 10 réis, em vez de 6. GAZETA DA RESTAURAÇÃO / BNP

Ao Expresso, Sousa diz que “muitas notícias da Gazeta portuguesa, à semelhança das notícias da Gazette francesa, que lhe serviu de modelo, apresentavam enquadramentos que se podem considerar propagandísticos”

O poder régio era constantemente engrandecido e a pessoa do rei sempre enaltecida” pela Gazeta da Restauração. Nas notícias dadas sobre a guerra com os espanhóis, que se mantém alguns anos após a aclamação de D. João como rei de Portugal, “os portugueses venciam todas as escaramuças e batalhas e causavam sempre um enorme número de baixas nos inimigos, mas estes raramente conseguiam fazer o mesmo às hostes portuguesas. Classifico, por isso, a Gazeta como um periódico infopropagandístico”, acrescenta o professor da Universidade Fernando Pessoa.

O 9º número da Gazeta da Restauração foi impresso em julho de 1642 e posto a circular em agosto seguinte. Nos dois meses seguintes, agosto e setembro, a Gazeta não foi impressa por causa de uma disposição régia que proibiu todas as “gazetas gerais”
O 9º número da Gazeta da Restauração foi impresso em julho de 1642 e posto a circular em agosto seguinte. Nos dois meses seguintes, agosto e setembro, a Gazeta não foi impressa por causa de uma disposição régia que proibiu todas as “gazetas gerais”. GAZETA DA RESTAURAÇÃO / BNP

O nono número da Gazeta da Restauração foi impresso em julho de 1642 e posto a circular em agosto. Nos dois meses seguintes, agosto e setembro, a Gazeta não seria impressa por determinação do rei. A proibição régia visaria sobretudo as publicações gerais, menos regulares, mas foi também foi aplicada à Gazeta da Restauração.

Se entre a pequena nobreza, o povo e alguns mercadores havia numerosos apoiantes do novo poder, parte da grande nobreza permanecia recetiva à ideia da monarquia dual que governou Portugal entre 1580 e o 1º de Dezembro de 1640.

ARREFECIMENTO DO CLIMA GEROU ESCASSEZ ALIMENTAR

Em Portugal os tempos eram de guerra e crise económica. A Europa sentia os efeitos da Guerra dos 30 anos, que eclodira em 1618 e só terminaria em 1648. Como se isso não bastasse, experimentava-se um período de arrefecimento climático geral, responsável por uma “crescente escassez alimentar”, como explica a historiadora Mafalda Soares da Cunha.

Numa delicada situação de guerra, o poder régio não estava seguro de ter controlo sobre todas as notícias publicadas, embora os impressos, em princípio, se encontrassem ainda sujeitos às regras da censura prévia estabelecidas na Carta de Filipe II”, escreve Tengarrinha. O problema, é que as folhas impressas eram muitas, e o “aparelho censório” tinha “dificuldades de controlar todos os papéis que apareciam”.

A bandeira da Restauração - proclamada a 1 de Dezembro de 1640 no Palácio da Independência, em Lisboa - tinha um fundo verde e uma cruz branca e vermelha, e havia de inaugurar a última dinastia reinante em Portugal, a dos Bragança
A bandeira da Restauração – proclamada a 1 de Dezembro de 1640 no Palácio da Independência, em Lisboa – tinha um fundo verde e uma cruz branca e vermelha, e havia de inaugurar a última dinastia reinante em Portugal, a dos Bragança. DR

É neste contexto que D. João IV reforça as disposições censórias; o decreto régio de 19 de agosto de 1642 “visava, assim, não apenas as Gazetas da Restauração, mas sobretudo outras das numerosas publicações eventuais [não periódicas] que se apresentavam impropriamente com a designação de ‘gazetas’ ou de qualquer modo eram assim classificadas”, explica José Tengarrinha na sua “História da Imprensa Portuguesa”.

Dois meses depois de ter sido suspensa, a Gazeta da Restauração, voltou a ser impressa… mas com novas orientações editoriais e novo cabeçalho. Foi assim que surgiu a “Gazeta Primeira do Mês de Outubro de Novas Fora do Reino”, que entrou em circulação a 18 de novembro. Tal como o primeiro número da Gazeta, impresso em novembro de 1641, tinha 12 páginas e custava 6 réis.

NUMERO DE PÁGINAS DITAVA O PREÇO

Foram publicados 36 números da Gazeta da Restauração – nas suas várias versões – entre outubro de 1641 e setembro de 1647. Pode ter havido mais números, mas foram estes que sobreviveram e chegaram até nós.

 Gazetas de vários meses e vários anos, nomeadamente as que relatavam novas de todas as partes do reino e as que só relatavam novas de fora do reino
Gazetas de vários meses e vários anos, nomeadamente as que relatavam novas de todas as partes do reino e as que só relatavam novas de fora do reino. GAZETA DA RESTAURAÇÃO / BNP

Na Gazeta não há peças de opinião como hoje as conceberíamos. Os periodistas de Seiscentos, na generalidade dos países da Europa continental, viam-se a si mesmos como historiógrafos do presente. A sua principal referência era a escrita da história, o registo cronológico dos factos notáveis da vida dos povos. Por isso, o periodismo emergente foi noticioso por toda a Europa continental”, diz Jorge Pedro de Sousa.

A análise de conteúdo efetuada à Gazeta demonstrou que somente 1% das peças inseridas no periódico não deve ser classificada como notícia. Algumas notícias, porém, continham passagens opinativas: 3% até à interrupção de 1642; 14% depois, quando a Gazeta se converteu na Gazeta de Novas de Fora do Reino, passando os seus conteúdos a serem quase integralmente traduzidos da Gazette francesa, mesmo os respeitantes a Portugal, como revela um trabalho de Patrícia Teixeira”, explica o professor Jorge Pedro de Sousa.

Em tempos de guerra, o poder régio legislou no sentido de privilegiar o noticiário de fora do reino
Em tempos de guerra, o poder régio legislou no sentido de privilegiar o noticiário de fora do reino. GAZETA DA RESTAURAÇÃO / BNP

Sousa considera que este “projeto resultou da iniciativa privada”. Até à data da suspensão dos vários periódicos em 1642, a Gazeta foi seguramente “acarinhada pelo poder régio”. É provável que o tenha sido posteriormente, já que o novo poder “viu na Gazeta um excelente instrumento de propaganda da restauração da independência do reino”, acrescenta Sousa.

D. JOÃO IV CONHECIA O PODER DA DIPLOMACIA E DA IMPRENSA

O primeiro rei da dinastia de Bragança gostava de “caçar e de música”, diz a professora e investigadora Leonor Freire Costa, co-autora com Mafalda Soares da Cunha do livro “D. João IV”, da editora Temas & Debates.

No dia da sua entronização, 15 de dezembro de 1640, desconcertou parte da nobreza por ter trajado com “sobriedade algo modesta, tendo em conta a relevância da ocasião”, lê-se no livro das duas autoras. Esta preferência pela roupa confortável e simples para os padrões das cortes da época, em que fazia “gala” – como diz Freire Costa – tornar-se-ia uma marca da sua “atitude” e forma de estar. Contrariamente ao que as regras do poder real exigiam, o rei gostava de fazer demasiadas refeições acompanhado – em vez de comer sozinho como seria expectável − e de dizer algumas piadas. Mas, se estas características foram vistas como desconcertantes por muitos, o certo é que houve uma estratégia clara de legitimação do novo poder.

Mafalda Soares da Cunha lembra que o trabalho da “diplomacia portuguesa foi notável” para obter o reconhecimento do novo poder junto das entidades políticas estrangeiras e, a nível interno, o rei ou os que o rodeavam terão percebido a importância da imprensa.

O QUE NOS ENSINA A HISTÓRIA SOBRE JORNALISMO E POLÍTICA

Podemos considerar D. João IV como o primeiro governante [português] que percebeu a importância dos escritos impressos”, diz ao Expresso Felisbela Lopes, professora de Jornalismo na Universidade do Minho: O apoio régio às Gazetas era o modo de “controlar a opinão pública na época” – já que o reino vivia tempos em que a crise económica e a escassez de alimentos poderiam fomentar motins municipais.

O rei e os seus conselheiros certamente conheciam o caso da Gazette [francesa] e perceberam que uma publicação portuguesa com características semelhantes poderia ser benéfica para a propaganda da nova dinastia de Bragança e para a sua legitimação simbólica”, diz Jorge Pedro de Sousa.

Felisbela Lopes lembra que “o passado ensina-nos muito sobre alguns tiques do presente, e este elo umbilical que existe entre o jornalismo e o poder político. Como é que desfazemos este elo de ligação quando o jornalismo nasceu de uma ligação com o poder dominante?”, pergunta a docente da Universidade do Minho.

A verdade, é que hoje “há processos [mais] complexos” mas “há múltiplas manipulações que continuam a existir”, acrescenta Felisbela Lopes.

Da Gazeta da Restauração chegaram até nós 36 números. Houve edições bimestrais, meses em que não foi publicada, e outros em que foi impresso mais do que um número. O papel era caro e o preço da Gazeta variou de acordo com o número de páginas impressas, fixando-se maioritariamente nas 12 páginas e 6 réis de custo.

Sobre a tiragem, Sousa diz que “tendo em conta as tiragens médias da época” é de admitir que o “número de cópias por número não deverá ter superado as 300. A maioria das cópias circulavam em Lisboa, especialmente na Corte. No entanto, haveria quem comprasse gazetas e outras publicações em Lisboa com o objetivo de as ir lendo de terra em terra, a troco de uma pequena quantia; e outras eram enviadas por mensageiros e correios para outros lugares,por exemplo, para as sedes de bispado, para agentes importantes na administração e defesa do território, para certos conventos”.

Fonte: Expresso

“O Pasquim” faz 50 anos e ganha exposição em São Paulo

Do UOL

Capa da edição 223 de “O Pasquim”Imagem: Divulgação

A partir do dia 19 de novembro, o Sesc Ipiranga, em São Paulo, recebe a exposição “O Pasquim 50 anos”, que comemora o aniversário de meio século da primeira edição do jornal carioca fundado em 1969. Com curadoria de Zélio Alves Pinto e Fernando Coelho dos Santos, a abertura da exposição será realizada em conjunto com o lançamento da página do jornal na plataforma digital da Biblioteca Nacional, que disponibilizará todas as edições do periódico para pesquisa.

“O Pasquim” surgiu no final da década de 1960 como um projeto do cartunista Jaguar e dos jornalistas Tarso de Castro e Sérgio Cabral. Jovial e debochado, tornou-se símbolo do jornalismo alternativo durante a ditadura civil-militar brasileira, regime instaurado entre 1964 e 1985. Seu ar cômico e irreverente desafiava os preceitos morais da elite carioca.

Reportagens e artigos comportamentais que falavam sobre sexo, drogas e divórcio conquistavam leitores e promoviam discussões singulares para a época.

Responsável por realizar um jornalismo mais oralizado, o semanário ficou conhecido por suas longas entrevistas, feitas principalmente em ambientes festivos, cheias de intromissões dos colaboradores.

Batizada de “a patota”, as reuniões de pauta uniam jornalistas, cartunistas e intelectuais como Millôr Fernandes, Ziraldo, Jaguar, Chico Buarque, Ivan Lessa, Paulo Francis, Vinícius de Moraes, Glauber Rocha, Odete Lara, Carlos Prósperi, Sérgio Augusto, Henfil, Fortuna, Cacá Diegues, Miguel Paiva, Carlos Leonam, entre tantos outros.

Para Fernando Coelho dos Santos, um dos curadores da exposição, “a seleção dos trabalhos que compõem a exposição propõe um olhar na trajetória desse periódico de humor através da história dos costumes e da política brasileira, tendo como protagonistas autores geniais que, mesmo nas dificuldades, mantiveram o jornal rodando.”

A exposição

Definida como uma exposição “eminentemente gráfica” por Daniela Thomas, cineasta e cenógrafa que assina a expografia junto a Felipe Tassara e Stella Tennenbaum, a história do semanário ocupa toda a unidade com diferentes formatos.

Na área de convivência, destinada principalmente a leitura e encontro, a intervenção “O Som do Pasquim” traz discos de vinil lançados ao longo da história do jornal. Com fones de ouvidos e banquinhos, a estrutura apresenta obras como a primeira gravação de Águas de Março, de Tom Jobim, produção que lançou João Bosco no lado B; Caetano Veloso lançando Fagner; Jorge Bem e Trio Mocotó com participação de Leila Diniz; entre outros. Além disso, o visitante pode ouvir o LP Anedotas do Pasquim com piadas contadas por Ziraldo, Chico Anisio, Golias e Zé Vasconcelos.

Detalhe de ilustração publicada em “O Pasquim” Imagem: Divulgação.

Ainda no espaço, uma Linha do Tempo proporciona uma viagem entre 1969 e 1991, ano da última publicação do periódico, com 50 capas e textos complementares.

O quintal do Sesc Ipiranga recebe diferentes intervenções: As Máximas do Pasquim, coletânea de frases lema que foram publicadas em todas as edições, entre elas “Pasquim, um jornal a favor do contra” e “Na terra de cego quem lê Pasquim é rei” ocupam a parede do solário.

Estruturas giratórias que apresentam quadrinhos de diferentes artistas também são destaque na exposição. Cerca de 12 produções inéditas trazem Histórias da Patota contadas por artistas como Paulo Caruso, Luiz Gê, Miguel Paiva e Pryscila Vieira.

Na área superior, a Praça de Ipanema relembra o famoso bairro carioca onde o “Pasquim” nasceu e fez sucesso.

No galpão da unidade, uma redação com 26 rotativas de diversos trabalhos publicados é recriada para o público imergir na realidade do periódico. Uma mesa-vitrine traz fotos, livros e revistas selecionados pela curadoria. Além disso, os visitantes também podem ouvir histórias dos colaboradores em um telefone e redigir suas ideias em uma máquina de escrever.

Edição número 28 de “O Pasquim” Imagem: Divulgação.

Em frente à principal área expositiva, o espaço Turma do Pasquim exibe cerca de 33 integrantes da patota em homenagem aos mais de 4.000 colaboradores do jornal. Nomes como Millôr, Chico Buarque, Caetano Veloso, Vinicius de Moraes, Jô Soares e Elke Maravilha são representados em tamanho real, acompanhados por uma curta biografia.

Também na área externa, A Gripe do Pasquim revive o momento em que 11 integrantes do semanário foram presos. O motivo da detenção teria sido uma brincadeira. Na 71ª edição, o quadro “Independência ou Morte”, de Pedro Américo, apresentado entre os conteúdos daquele número, ganhou um balão sobre a cabeça de Dom Pedro 1º que dizia: “Eu quero mocotó! “. Nesse espaço, serão apresentadas histórias da patota no “tempo de xilindró” através de vídeos, cartuns censurados e diversos outros registros.

Outras duas salas brincam com as diferentes formas com as quais os redatores trabalhavam as temáticas da época. Na sala Pasquim Ativista, cartazes e placas com frases cobrem as paredes e rememoram o comprometimento do semanário com assuntos como a sustentabilidade, anistia e as Diretas Já. O segundo espaço, denominado Pasquim Incorreto, é composto por módulos que lembram monóculos e traz recortes de diversos conteúdos que fizeram parte da publicação, com a proposta de que sejam vistos pelas lentes do passado e provoquem reflexões sobre o presente.

Sobre a plataforma

Em conjunto com a exposição, a Fundação Biblioteca Nacional lança um site dedicado ao semanário. Além de todas as 1.072 edições digitalizadas, a plataforma possibilita a pesquisa no conteúdo por meio de palavras-chaves. O trabalho de digitalização levou mais de um ano e teve o apoio da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e do cartunista Ziraldo, que cederam exemplares para completar a coleção da Biblioteca Nacional, além da colaboração de Fernando Coelho dos Santos com a produção de conteúdo.

A plataforma conta também com uma seção de “memórias”, com textos produzidos por colaboradores do “Pasquim” e índices de seções do jornal, trazendo uma nova experiência para o público. Foram identificados mais de 4.000 mil colaboradores e mais de 200 seções ao longo dos 22 anos em que o “Pasquim” circulou.

Digitalizadas e disponíveis no portal de periódicos da Biblioteca Nacional – a Hemeroteca Digital Brasileira -, a plataforma integra um acervo de mais de 7.000 mil títulos históricos em formato digital.

Serviço

Abertura: dia 19 de novembro de 2019, às 19h

Visitação: 20/11 de 2019 a 12/4 de 2020

Horário: terça à sexta-feira, de 9h às 21h30. Sábados, de 10h às 21h30.

Domingos e feriados, de 10h às 18h30.

Endereço: Sesc Ipiranga – Rua Bom Pastor, 822 – Ipiranga.

Telefone: (11) 3340-2000.

Fonte: UOL

CCJ aprova imunidade tributária a livros, jornais e periódicos eletrônicos

Will Shutter/ Câmara dos Deputados
Rubens Bueno, relator da PEC

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (23), Proposta de Emenda à Constituição 150/12, de autoria do deputado licenciado Sandro Alex, que concede a mesma imunidade tributária de livros, jornais, periódicos e papel destinado à sua impressão, a livros, jornais e periódicos editados em qualquer meio físico ou eletrônico.

O relator, deputado Rubens Bueno (Cidadania-PR), apresentou parecer pela constitucionalidade da proposta e duas outras PECs, apensadas. A PEC 316/16 estende a imunidade tributária a jornais, revistas e livros digitais; e a 441/14, que restringe a imunidade a livros, jornais, periódicos e papéis produzidos no Brasil.

Agora, as propostas serão analisadas por comissão especial a ser criada com esse fim.

Reportagem – Paula Bittar
Edição – Ana Chalub

Fonte: Agência Câmara Notícias

Las claves para la verdadera transformación editorial y digital de los periódicos

Según Jean Christophe Demarta, Senior VicePresident Global Advertising en The New York Times, la publicidad digital nunca llegará a pagar un periodismo de calidad.

periódicos

Con la revolución digital, los medios en papel se vieron obligados a transformarse para continuar dando respuesta a un consumidor que cambió de manera notable su forma de acceder al contenido.

Para hablar sobre esta transformación editorial en un referente internacional como The New York Times, Jean Christophe Demarta, Senior VicePresident Global Advertising del medio, ha acudido al encuentro organizado por la Asociación de Directivos de Comunicación, Dircom, en la Universidad CEU San Pablo de Madrid.

Durante el evento, se ha puesto de manifiesto la importancia de contar con gente joven en los medios y profesionales capaces de crear un contenido visual y atractivo para su audiencia. “Los periódicos no morirán cuando lo hagan sus actuales lectores, pero hay que sumar jóvenes periodistas con visiones nuevas a las redacciones”, ha enfatizado.

El universo digital supone un gran reto para los medios tradicionales, por lo que Demarta no ha dudado en hablar de desafíos durante su intervención. El primero, la propagación masiva de fake news, un frente abierto que The New York Times está dispuesto a erradicar. “Es muy difícil y complicado hablar de este tema. Incluso nosotros mismos, como medio, hemos sido calificados de fake news”, ha confesado. Para combatir esta “sombra digital”, el conocido periódico centra gran parte de su trabajo en la verificación de los datos.

“Hay que mantenerse fiel a tu promesa de marca”

“En 2017, el mercado empezó a reconocer que un cambio de modelo económico para un medio de información basado en la suscripción de contenidos de calidad era necesario y que la información gratuita no tenía sentido”, ha dicho el experto de The New York Times. Un modelo de negocio que ha demostrado funcionar, registrando ya 4,7 millones de suscripciones de pago.

Para poder centrar los esfuerzos en la consecución de una verdadera información de calidad, Jean Christophe Demarta, ha destacado como crucial que la principal fuente de financiación para un medio no sea la publicidad. “Es un mito pensar que la publicidad digital puede llegar a pagar únicamente un periodismo de calidad. No es cierto”, ha asegurado.

periódicos

“Hay que mantenerse fiel a tu promesa de marca, crear historias que se adapten a todas las plataformas, hacerlo interesante, visual y con movimiento, y fomentar la interacción de los lectores”. Según Demarta, la tendencia de financiación de los medios se centra en el branded content, y no tanto en la publicidad tradicional.

En el acto han participado también Natalia Pérez Velasco, directora del Grado de Periodismo en la Universidad CEU San Pablo, y Eduardo Bartolomé, vicepresidente de Dircom y director de Comunicación y Relaciones Institucionales de Siemens.

Digitalização de jornais é a salvação da memória

Publicações desde 1849 estão digitalizadas em projeto do Instituto Histórico e Geográfico de Santos

Uma experiência de jornalismo infantojuvenil no Brasil

Stéphanie Habrich. (Foto: Divulgação)

Stéphanie Habrich é uma franco-alemã que chegou ao Brasil, junto com a família, aos 8 anos de idade. Como forma de manter os vínculos com a terra natal, o pai, alemão, e a mãe, francesa, assinavam periódicos para o público infanto-juvenil, enviados pelo correio. Veio daí a paixão de Stéphanie por jornais e notícias. E também a inspiração para criar o Joca, um dos únicos jornais voltados para crianças e jovens no Brasil.

Atual diretora-executiva do jornal, Stéphanie é formada em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas, com mestrado em International Affairs pela Columbia University, em Nova York. Atuou oito anos no mercado financeiro em Nova York e no Brasil, em bancos como Deutsche-Bank e BNP Paribas. É fundadora e sócia-diretora da Magia de Ler, organização que produz, desde novembro de 2011, o jornal Joca. A iniciativa busca trabalhar a educação midiática dos jovens e se mantém pela assinatura de pessoas físicas e jurídicas, principalmente escolas.

Na cobertura do rompimento da barragem da Vale do Rio Doce, em Brumadinho, os editores do jornal sentiram necessidade de promover uma ação de empatia com os jovens e crianças da comunidade. A ideia foi pedir aos leitores do Joca que escrevessem cartas para os moradores. Receberam mais de 2.000 mensagens, enviadas com selos para as escolas da cidade caso os alunos quisessem responder. O Joca prepara uma edição especial para a semana que vem com o resultado dessa prática dialógica.

O jornalista Pedro Varoni conversou por e-mail com a diretora-executiva do Joca sobre as motivações da iniciativa e o mercado para esse tipo de jornalismo hoje no Brasil. “Ler jornal desde a infância é uma das maneiras mais eficientes de se manter atualizado sobre os fatos do cotidiano – criando o hábito de fazer isso – e compreender o estado dos acontecimentos no mundo em que vivemos”, analisa Stéphanie na entrevista abaixo.

Qual é a linha editorial do Joca?

Joca é um jornal direcionado especificamente para o público infantojuvenil. Os fatos da atualidade são escritos para esse público em uma linguagem e formato que os torna mais acessíveis e mais interessantes. Isso faz com que a leitura de notícias tenha mais sentido para crianças e jovens. Além disso, contribui para que eles se sintam valorizados ao ter acesso às mesmas informações que os adultos têm, podendo conversar sobre o tema. Dessa forma, em casa, pais e responsáveis também podem estimular as crianças e jovens ao debate, após a leitura de notícias, sobre os assuntos mais importantes do momento.

Os principais focos do Joca são estimular o gosto pela leitura e apoiar a formação de cidadãos, apresentando o conteúdo de maneira lúdica e instigando a curiosidade. Nosso objetivo maior é trazer para a escola esse portador de gêneros variados, como mais um elemento do mundo real a ser explorado por professores e alunos. Isso dialoga com uma concepção educacional que visa formar indivíduos bem informados, críticos e atuantes, que saibam circular no mundo que está aí.

Como o jornal se sustenta? Qual é o modelo de negócio?

Assinatura. Hoje, já estamos em mais de 800 escolas públicas e privadas pelo Brasil como material obrigatório, além de estarmos também nas casas dos assinantes. A maioria das escolas privadas inclui a assinatura do jornal Joca no material obrigatório para o ano, a ser comprado pelos pais.

De onde veio a inspiração e a ideia de criar um produto como o Joca?

Publicações para crianças existem em praticamente todo o mundo. Só na França, são mais de 300 diferentes, divididas entre jovens e crianças de 0 a 18 anos. O Brasil não tem essa variedade de revistas e jornais destinados ao público infantojuvenil. As publicações são poucas (e muitas não existem mais), com pouca diversidade de gosto e interesses, e que muitas vezes trazem temas muito infantis, sendo que o público é carente de mais conhecimento e qualidade.

Na cobertura do crime ambiental de Brumadinho,vocês fizeram um ação com cartas envolvendo as crianças. Como foi o projeto?

O projeto surgiu no mesmo momento em que estávamos fazendo a primeira reportagem de cobertura sobre a tragédia, na segunda-feira seguinte ao rompimento da barragem. Chegamos à conclusão de que, além da necessidade de se informar sobre o que havia acontecido em Brumadinho, nossos leitores poderiam ter uma oportunidade de agir em solidariedade aos atingidos, praticando a empatia, por exemplo. Assim, surgiu a ideia de promover a ação das cartas: convidamos os leitores a escrever mensagens para crianças e jovens de Brumadinho e nos dispusemos a fazer o contato com as escolas da cidade para o envio das cartas.

Recebemos mais de 2.200 cartas, de diversas cidades, que foram enviadas para escolas de Brumadinho junto com selos – caso os estudantes de lá quisessem responder. Diversas mensagens foram respondidas! Fomos até a cidade conhecer algumas das escolas de Brumadinho que receberam e responderam as cartas. O resultado de nossa viagem estará em um material especial que ficará pronto na semana de 10 de junho, quando também vamos atualizar nossos leitores sobre a situação de Brumadinho mais de 120 dias depois do rompimento da barragem.

Mais sobre a ação das cartas você pode ver em dois artigos publicados recentemente na Folha de S.Paulo e no Estadão.

O que a troca de correspondência mostrou?

Uma empatia enorme entre as crianças – uma menina de 8 anos chegou a nos mandar sementes de maracujá, junto a uma cartinha, para que alunos de Brumadinho pudessem replantar e recomeçar. Solidariedade. Interesse por como vivem outras crianças, também brasileiras, passando por momentos difíceis. A certeza de que as crianças têm uma energia incrível e muita empatia. Não podemos desperdiçar essa geração. Jovens e crianças bem informadas entendem o que se passa ao seu redor, formam as próprias opiniões e se tornam cidadãos críticos e ativos, que lutam por seus direitos, cumprem seus deveres e têm as ferramentas necessárias para construir um futuro melhor para o nosso país. Temos que incluir as crianças no debate, compartilhando e discutindo notícias, ensinando-as a buscar fontes confiáveis de informação e a exercitarem o senso crítico. Se perdermos essa geração, que líderes teremos e o que eles farão para o Brasil daqui a vinte anos?

O jornalismo atravessa uma crise em várias dimensões, dos modelos de negócio à perda de credibilidade, numa sociedade marcada pela desinformação. O que a experiência do Jocatraz de reflexão nesse contexto? No que vocês seguem o modelo mais tradicional das práticas deontológicas do jornalismo, no que inovam?

Ler jornal desde a infância é uma das maneiras mais eficientes de se manter atualizado sobre os fatos do cotidiano – criando o hábito de fazer isso – e compreender o estado dos acontecimentos no mundo em que vivemos. Afinal, crianças e jovens podem mudar a direção do futuro. Por isso, essa é uma prática fundamental em qualquer idade e traz, ainda, informações úteis para estudo, trabalho e lazer.

O jornal permite um trabalho muito rico com os eixos de leitura, escrita e oralidade (comentários, debates, exposição oral) e o professor, por meio dele, organiza a leitura, apresenta os diversos gêneros textuais (notícia, reportagem, resenha, entrevista, relato, curiosidades) e promove conversas sobre os assuntos que traz, ouvindo a opinião de todos os alunos.

Danny Rubin, premiado autor e expert em comunicação para jovens, e Assunta Ng, editora do jornal Northwest Asian Weekly, listaram algumas razões para exemplificar a importância da leitura diária do jornal:

1 – Amplia a visão de mundo.

2 – Favorece a criatividade.

3 – Promove o aprendizado de algo novo a cada dia, retardando o envelhecimento.

4 – Aprimora linguagem e escrita.

5 – Dá ao leitor ferramentas para se conectar facilmente a pessoas.

6 – Habilita o profissional a posições de liderança.

7 – É fonte de inspiração, conhecimento e descoberta de soluções para questões variadas.

8 – Desenvolve a capacidade de argumentação, tornando o indivíduo um comunicador à frente de seu tempo.

9 – Forma o pensamento crítico.

10 – A leitura de notícias dá acesso a um esboço do que será a história.

Fonte: OBSERVATÓRIO DA IMPRENSA

A formação de leitores

Por Margarida Cantarelli

Um jornal tem papel fundamental na formação de leitores. A leitura não só leva ao conhecimento dos fatos como aprimora a escrita

Jornais são fontes permanente de memória, destaca Margarida Cantarelli / Foto: JC Imagem

Jornais são fontes permanente de memória, destaca Margarida Cantarelli

Foto: JC Imagem

O centenário de um Jornal exige uma reflexão sobre o papel que exerceu por tão largo tempo, numa sociedade. Qual a contribuição que deu na transmissão das informações, na formação de opiniões, na interpretação dos fatos políticos, econômicos ou sociais? Como incentivou a cultura através dos artigos, crônicas e cadernos especializados? Acompanho a trajetória do Jornal do Commercio há muitas décadas, desde o tempo do jornalista e amigo Esmaragdo Marroquim. Num século tão efervescente como foi o século 20 e não menos intenso como essas décadas iniciais do século 21, o Jornal do Commercio conseguiu ultrapassar as contingências da sua história e alcançou um patamar de respeitabilidade e qualidade que o coloca dentre os melhores jornais brasileiros.

Mas há outros papéis que um jornal desempenha embora menos perceptíveis e que são da maior relevância para a cidadania. Destaco a formação de leitores. Não podemos perder de vista uma característica fundamental dos jornais que é conter principalmente textos escritos e que, por óbvio, atraem os leitores. Pode-se dizer fidelizam os leitores. A leitura leva não só ao conhecimento dos fatos, que até poderia ocorrer por outros meios, mas também aprimora a escrita. Tudo isto ocorre de maneira natural, espontânea, abrindo horizontes, despertando vocações.

O mundo vem se transformando numa velocidade nunca antes vista graças à tecnologia, às vezes até desconcertante e que atingiu fortemente as comunicações. A instantaneidade da divulgação de fatos ocorridos até do outro lado do mundo torna difícil acompanhá-los pelos meios tradicionais. Esse novo tempo leva a um repensar de como adequar os jornais sem lhes retirar a sua forma escrita de comunicação.

O hábito da leitura adquirido por tantas pessoas desde a juventude através dos jornais garantirá a sua permanência, mesmo que a forma de apresentação seja nova

A história da humanidade mostra que a escrita foi o modo mais eficaz de perpetuar o registro dos fatos, quer tenham sido gravados na pedra, em lâminas de prata ou de bronze, em papiros, em pergaminhos até chegarmos ao papel de hoje. Uma longa caminhada! Agora, estamos frente ao desafio de encontrar uma nova forma sem esquecer o antigo, pois será sempre válido o brocardo: verba volant, scripta manet.

A necessidade de permanência da escrita nos conduz a outro patamar de observação, pois haverá sempre quem leia, formando-se uma forte relação de reciprocidade: está escrito para que permaneça e é lido para ser conhecido. A busca da permanência inerente ao ser humano levará sempre os leitores à procura dos registros fatos tanto históricos como do cotidiano, e os jornais servem também como fontes permanentes para a pesquisa nas mais diversas áreas.

Com relação aos jornais, convém ainda mencionar que há várias histórias de um passado não muito distante e outras que ainda acontecem em algumas comunidades nos dias de hoje. Muitos são os relatos de pessoas que confessam com certa emoção que aprenderam a ler soletrando as colunas de um jornal. Alguns meninos do interior, hoje intelectuais conhecidos, relembram que diariamente iam esperar o trem na estação para pegar os jornais para o pai e em casa, com as mães, usavam os periódicos para aprender a ler, pois não dispunham de outra forma para alfabetização.

Quando visitei na Amazônia a pequena cidade de São Joaquim, no extremo norte do Brasil, fronteira com a Colômbia, vi na
escolinha que a professora usava recortes de jornais para elaborar o material didático.

O hábito da leitura adquirido por tantas pessoas desde a juventude através dos jornais garantirá a sua permanência, mesmo que a forma de apresentação seja nova. A curiosidade do leitor que não se satisfaz com as imagens ou notícias aligeiradas, mas procura uma interpretação ou mais detalhes, aprofundando o que chegou ao seu conhecimento como um flash, encontrará as respostas no texto de um jornal. Embora mude o continente, um novo invólucro, mas o conteúdo do jornal, hoje como ontem, guardará a sua finalidade de comunicar mantendo a atração dos leitores. Que continuem servindo como fonte permanente da memória!

Revistas raras já estão disponíveis on-line

Giselle Beiguelman indica coleções como as das revistas “Camera Work” e “Realidade”

O leitor atento encontra na internet coleções de revistas sobre os mais variados assuntos. A artista e professora da FAU /USP, Giselle Beiguelman, orienta um percurso imperdível. “São coleções de edições antigas com temas que vão desde a arquitetura residencial modernista à coleção completa da revista Realidade, passando pela mítica revista Camera Work. Temos um mundo de coisas para comentar”, recomenda.

Segundo Beiguelman, a coleção de arquitetura residencial modernista está disponível no site US Modernist:  http://www.usmodernist.org. “Trata-se de um robusto banco de dados que disponibiliza mais de seis mil revistas em formato digital. O vasto acervo contempla edições dos EUA publicadas desde os anos 1920, e alguns títulos anteriores. Há desde publicações conhecidas como a American Architect e Arts & Architecture a uma série de títulos regionais e específicos.”

Beiguelman indica também a revista Camera Work: http://modjourn.org/render.php?view=mjp_object&id=CameraWorkCollection.

Publicada entre 1903 e 1917, é a primeira dedicada à fotografia como arte. Foi editada pelo fotógrafo e galerista Alfred Stieglitz, um dos nomes referenciais para a história das imagens técnicas. O designer da revista é o fotógrafo e pintor Edward Steichen, que seria, nos anos 1950, o primeiro diretor do Departamento de Fotografia do MoMA de Nova York.”

A professora orienta também a visita à Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin da USP, que reúne 170 diferentes periódicos. Outra indicação é a Biblioteca Nacional, que disponibiliza ao público fartas coleções de revistas brasileiras. “Na Biblioteca Nacional, é possível acessar desde revistas de variedades, como Eu Sei Tudo, um almanaque publicado mensalmente de 1917 a 1955, até publicações jornalísticas que se tornaram importantes fontes históricas pelos seus aspectos gráficos, viés editorial e contribuição ao fotojornalismo, como as revistas O Cruzeiro, Manchete e Realidade. “Importante lembrar que a revista Realidade contou, de 1966 a 1971, com a atuação da incrível fotógrafa Claudia Andujar, com trabalhos em exposição no Instituto Moreira Salles.”

Para mais informações sobre o tema comentado, acessar: www.desvirtual.com. Ouça no link acima a íntegra da coluna Ouvir Imagens.

Fonte: Jornal da USP

Biblioteca Nacional disponibiliza acervo de 5 décadas da revista Manchete

A consulta ao acervo é gratuita. Disponível na Hemeroteca Digital. Todas as edições: 1952 a 2007

Em 26 de abril de 1952, a 1ª revista Manchete estampava a bailarina Inês Litowski

A Fundação Biblioteca Nacional passou a disponibilizar gratuitamente a consulta ao acervo completo da revista Manchete, publicação brasileira que veiculou de 1952 a 2000 pela Bloch Editores.

A digitalização está disponível no site da Hemaroteca Digital, que também contém os acervos de jornais da época do Império –como o Correio Braziliense e a Gazeta do Rio de Janeiro– e outras revistas e publicações extintas ao longo do século 20.

A coleção da Manchete é uma autêntica viagem no tempo, somando fofocas, fatos históricos e propagandas de época das 2573 edições e 316.057 páginas publicadas.

Fundada no Rio de Janeiro pelo empresário Adolpho Bloch, a revista era veiculada semanalmente e ficou conhecida pelas fotorreportagens coloridas e publicidades chamativas ao público.

Tida como inovadora para os padrões brasileiros, a Manchete disputou a preferência do público com O Cruzeiro (1928-1975), revista publicada pelos Diários Associados, do jornalista Assis Chateaubriand.

A equipe do jornal contou com grandes nomes ao longo das 5 décadas de circulação, como os poetas Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira, o dramaturgo Nelson Rodrigues e a escritora Lígia Fagundes Telles.

O presidente Juscelino Kubistchek foi 1 dos principais beneficiados pela revista, sendo aclamado como 1 homem do povo, trabalhador e visionário.

A revista deixou de ser veiculada semanalmente em agosto de 2000, mas esporadicamente foi publicada por uma cooperativa de ex-funcionários. Oficialmente,  sua última edição saiu em 2007, estampando os 48 anos da inauguração de Brasília.

Para acessar o acervo, basta acessar o link.

Coleção da revista Manchete 1952-2007)

Ano 1952/Edição 0001 Em 26 de abril de 1952, a 1ª revista Manchete estampava a bailarina Inês Litowski Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1954/Edição Extra A morte de Getúlio Vargas gerou comoção nacional em 1954 e rendeu uma edição extra da Manchete Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1960/Edição Especial A inauguração de Brasília recebeu uma edição de colecionador da revista Manchete em 21 de abril de 1960 Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1963/Edição 0568 O carnaval carioca colecionou diversas capas ao longo das 5 décadas de veiculação da Manchete Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1969/Edição 0904 A chega do homem à Lua rendeu várias capas da revista em 1969 Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1970/Edição 0947 A seleção tricampeã no México foi bastante celebrada nas edições de 1970 da revista Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1974/Edição 1139 Em fevereiro de 1974, o incêndio do Edifício Joelma foi a principal notícia da edição semanal da Manchete Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1989/Edição 1970 A disputa entre Collor e Lula na 1ª eleição presidencial direta após a redemocratização e a queda do muro de Berlim foram os destaques da última edição de 1989 Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1997/Edição 2371 A morte da princesa Diana chocou o mundo em agosto de 1997 Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 2000/Edição 2490 A 1º edição de 2000 trouxe uma recapitulação dos principais fatos do século XX Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 2007/Edição 2537 Em sua última edição, a revista estampa a atriz Grazi Massafera, trajada como a musa da Grande Rio no carnaval de 2007 Manchete/Hemaroteca Digital

Fonte: 

Editoras não estão animadas com o suposto “Netflix de revistas” da Apple

Texto por Bruno Santana

Há alguns meses, comentamos aqui as supostas movimentações iniciais da Apple para relançar o serviço da Texture, a plataforma de revistas digitais comprada pela Maçã que funciona como uma espécie de “Netflix de periódicos” — isto é, você paga um valor fixo mensal e tem acesso a um grande catálogo de todas as edições mais recentes de várias revistas e jornais do mundo.

A Texture continua oferecendo seu serviço de forma independente (ou seja, não há qualquer menção à Apple nas suas páginas ou integração com o ecossistema da Maçã), mas, aparentemente, isso deverá mudar em breve: os planos de Cupertino são justamente relançar a plataforma como um serviço próprio, altamente integrado ao app News e com várias novidades. O problema? As editoras não estão muito animadas com essa ideia.

Citando fontes próximas do assunto, a Bloomberg publicou recentemente uma matéria afirmando que a Apple está tentando convencer publicações como o New York Times e o Wall Street Journal não só a incluir seus produtos na nova plataforma, como adaptá-los a ela. Atualmente, a Texture exibe uma versão estática das páginas da revista ou do jornal no seu smartphone ou tablet (pense num PDF), mas a ideia da Maçã é tornar os conteúdos bem mais dinâmicos, aproximando-os de artigos da internet.

Os planos da Apple envolvem também uma mudança na estrutura de preços do serviço. Atualmente, a Texture cobra US$10/mensais, com um adicional de US$5 caso o usuário queira ter acesso a publicações especiais, como a New Yorker. A Maçã quer eliminar esse “plano especial” e cobrar apenas uma assinatura de US$10 que englobe todos os jornais e revistas.

Isso, claro, espanta as editoras: só o New York Times, por exemplo, cobra mais que US$10 por mês pelo acesso à sua plataforma online (após os meses promocionais introdutórios). Ninguém sabe, exatamente, qual será a distribuição de lucros desse novo serviço da Apple, mas uma coisa é certa — será um ganho menor do que se cada usuário fizer uma assinatura separada. Por outro lado, o número de pessoas interessadas na plataforma da Maçã pode ser exponencialmente maior — afinal, estamos falando de um serviço embutido em dezenas de milhões de dispositivos ao redor do mundo.

Numa época de incertezas para o mercado editorial (só em 2018, as vendas de publicidade em revistas devem cair 10%), uma ideia como a da Apple tanto pode ser uma salvação quanto um canto do cisne. Algumas ideias foram jogadas aqui e ali: o jornalista Steven Brill, por exemplo, citou a possibilidade de os veículos incorporarem suas paywalls dentro da plataforma — o que, na opinião deste que vos escreve, seria uma grande estupidez. Afinal, você já está pagando e teria de pagar mais ainda para continuar?

O fato é que a Maçã está no campo: executivos da empresa, como Eddy Cue e a ex-executiva da editora Condé Nast Liz Schimel, estão tendo reuniões frequentes com grandes nomes do mercado editorial para convencê-los de que a plataforma da Apple é uma salvação para as revistas e os jornais. Eles dão como exemplo o Apple Music, que ajudou a revitalizar a indústria fonográfica e já tem mais de 50 milhões de assinantes em menos de quatro anos.

Se o sucesso será repetido nas publicações, teremos de aguardar para ver.

Fonte: MacMagazine

Hemerotecas digitales: ¿cómo descargar periódicos antiguos en PDF?

A lo largo del tiempo las hemerotecas han sido un recurso muy usado por todo tipo de personas, desde aficionados a la historia, hasta profesionales, escritores y estudiantes. Sin embargo, el paso de los años hacen cada vez más delicados estos recursos de modo que la tecnología llegó para ayudar en dos flancos: primero en la conservación de estos archivos y segundo manteniendo la disponibilidad de estos a todo el público. En ese sentido las hemerotecas fueron migrando a archivos digitales a los que podemos acceder desde cualquier biblioteca en la actualidad.

Pero la masificación de la información también jugó un papel importante en la evolución de la hemeroteca, de modo que en estos momentos tenemos también a la mano hemerotecas online que nos permite acceder a miles de diarios y periódicos que datan de siglos anteriores, archivos que pasaron por un proceso de digitalización para ponerse a la disposición del público a través de páginas web. En ese sentido hoy te traemos la manera de obtener periódicos antiguos en PDF rápidamente a través de estos portales:

Hemeroteca Digital BNE

Este portal alberga archivos digitalizados de la prensa española desde el siglo XVII hasta hoy, sin embargo también podremos hallar diarios de otros países en español. Este portal se hace ideal para investigar u obtener noticias tan antiguas como quieras, en ese sentido al buscarlas tienes la opciones leerlas desde el mismo portal, descargarla a tu computador en un archivo PDF u obtenerlo en físico a través de tu impresora. Puedes visitar esta hemeroteca desde este enlace.

Fonte: TekCrispy

Acervo da Biblioteca Nacional Digital tem jornais antigos; acesse

Acervo digital da Biblioteca Nacional conta com pesquisas em jornais antigos

A Biblioteca Nacional (BN) disponibiliza gratuitamente na web parte do acervo em formato digital. Com obras literárias e jornais antigos, a coletânea tem títulos em domínio público e produções autorizadas pelos autores. O site funciona como ferramenta de pesquisa para historiadores, estudantes, jornalistas e outros profissionais que precisam de registros antigos ou livros clássicos e pode ser acessado em computadores com WindowsmacOS e Linux.

A Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional é uma seção para periódicos e revistas que permite pesquisas por termos específicos. Com a ferramenta de busca é possível consultar edições antigas que contenham essas palavras-chave. O uso não-comercial dos registros oferecidos pela memória BN é gratuito. No entanto, a utilização para fins comerciais devem passar por autorizações e tarifas definidas pelo órgão.

Tutorial mostra como acessar, fazer pesquisas e navegar em jornais antigos no acervo digital da Biblioteca Nacional (Foto: Reprodução/Eduardo Manhães)

Confira no tutorial abaixo como pesquisar por edições de jornais antigos no acervo digital da Biblioteca Nacional.

Passo 1. Acesse o site da Biblioteca Nacional Digital (http://bndigital.bn.gov.br/) para consultar o acervo. Neste exemplo, utilizaremos o catálogo “Hemeroteca Digital”, com edições antigas de jornais do Brasil;

Acesse o catálogo hemeroteca digital da Biblioteca Nacional pelo computador (Foto: Reprodução/Marvin Costa)

Passo 2. Digite o nome do jornal desejado e toque no resultado correspondente oferecido pelo site;

Defina o jornal a ser pesquisado no acervo digital da Biblioteca Nacional (Foto: Reprodução/Marvin Costa)

Passo 3. Defina o período da busca e o termo que deseja encontrar em edições do jornal. Em seguida, clique em “Pesquisar”;

Inicie uma pesquisa por termo em um jornal no catálogo digital da Biblioteca Nacional (Foto: Reprodução/Marvin Costa)

Passo 4. Em seguida, você será redirecionado para a página de resultados de pesquisa. O termo utilizado na busca aparecerá marcado em verde. Para verificar outros resultados, clique nas setas ao lado da opção “Ocorrências”;

Tela de resultado de pesquisa do site com o acerco digital da Biblioteca Nacional (Foto: Reprodução/Marvin Costa)

Passo 5. Além de ler os títulos do acervo, é possível compartilhar nas redes sociais e no e-mail a partir do leitor. Assim como em uma plataforma de livros digitais, a visualização permite ampliar ou reduzir o texto, usar o modo de tela cheia, tela preenchida pela largura, tela preenchida pela altura, modo tamanho original, página dupla e múltiplas páginas. As opções estão destacadas abaixo.

Opções para compartilhar e ferramentas de visualização da ferramenta de textos do acervo digital da Biblioteca Nacional (Foto: Reprodução/Marvin Costa

Use a dica para aproveitar o acervo de jornais em pesquisas sobre fatos antigos do país com a hemeroteca da Biblioteca Nacional.

Texto por Marvin Costa

Fonte: TechTudo

Sociedade Humanitária lança campanha para digitalizar acervo santista

Objetivo é levantar R$ 80 mil para proteger o material, atualmente armazenado em pastas

Sergio Willians mostra pastas com exemplares de jornais dos séculos 19 e 20 (Foto: Nirley Sena/AT)

São cerca de 20 mil páginas de um material que guarda a história de Santos, mas se esfarela com o tempo. Para preservar todo o patrimônio guardado nos jornais do acervo da Sociedade Humanitária dos Empregados no Comércio de Santos, foi lançada uma campanha de financiamento coletivo.

Quem lidera a ação é o historiador e diretor cultural da instituição, o jornalista Sergio Willians – colaborador de A Tribuna na seção quinzenal Era uma Vez… Santos. Segundo ele, serão necessários cerca de R$ 80 mil para contratar uma empresa especializada, que já digitalizou milhões de páginas da Hemeroteca Digital Brasileira, da Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro.

Se a gente não preservar o que está escrito, o papel, vai chegar uma hora em que vai esfarelar. São muitos jornais, livros e revistas. Inclusive um que separei, do dia 26 de janeiro de 1939, quando Santos fez 100 anos e foi elevada à categoria de Cidade. Foi nesse dia que se inaugurou o Paço Municipal. Na página seguinte, está o vagão 48 da São Paulo Railway, nas primeiras visitas a Santos e, olha, uma foto que eu estava procurando da fábrica da Antarctica onde hoje é a Unip, na Vila Mathias”, folheava Willians.

Ele explica que, após a digitalização, o arquivo em papel será mantido. No entanto, o processo é importante para eternizar os arquivos e compartilhar informações com pesquisadores de qualquer lugar pela internet.

Quem pesquisa consegue ter a dimensão da dificuldade que é encontrar as coisas. Informação é muito valiosa para contar nossa história. Aqui tem revista e livro europeus, por exemplo, que nem na Europa tem mais, por causa das guerras”, lembra o jornalista, que quer conseguir da iniciativa privada e da sociedade a ajuda necessária para o projeto.

Em vez de envolver o Poder Público, vou tentar envolver a sociedade. Hoje, o Memória Santista (página que mantém na internet) tem 13 mil seguidores que gostam de saber curiosidades de Santos. A doação mínima mensal é de R$ 2,00. Se cada um dos seguidores der dois míseros reais por mês, em quatro meses teremos o valor para digitalizar o que se tenta há décadas. Mesmo que eu leve um ano, quero que a coisa aconteça”, explica. A campanha não tem data para terminar.

Como ajudar

Para contribuir com o projeto, basta acessar https://apoia.se/memoriasantista. Lá, é possível escolher valores mensais entre R$ 2,00 e R$ 100,00 por mês e conhecer um pouco mais do projeto.

Quem participar terá em troca algum tipo de benefício, como o nome dentro do blog como apoiador, livros como presentes e, até, artigos publicados sobre qualquer assunto escolhido como recompensa no blog Memória Santista.

É possível escolher o débito automático no cartão de crédito ou a impressão de boletos bancários como forma de pagamento.

Sociedade Humanitária pretende recuperar e alugar salão,
para digitalizar livros com a renda (Foto: Nirley Sena/AT)

Reforma na sede

Mas nem só de digitalização se revive o passado. A própria sede Humanitária é um convite para mergulhar na história santista. Considerada a primeira entidade de assistencialismo do Brasil, ainda tem muito a mostrar e planos para atrair quem quer lembrar o passado.

O presidente da instituição, Manoel Rodrigues Guino, conta que “todo mundo tem uma história para contar de lá (a instituição), ou porque o avô se casou lá ou os pais se conheceram ali. Lá estava a elite da Cidade”, conta.

Ali dentro, é fácil perceber porque há tanta saudade e vontade de reformar. Apesar de construído para ajudar funcionários com educação, saúde e cultura, o prédio recebeu festas e muitos bailes santistas, principalmente na década de 1950. O salão, em estilo art déco, com suas linhas retas, está em reforma para reabertura e locação. Faltam restauração do piso, instalação de sistema de ar condicionado e teto de gesso.

Lá também há memórias ainda mais antigas, como o acervo da maior biblioteca de Santos, que remonta a 1879, ainda na época do Império. São centenas de títulos de vários países – muitos doados pelo médico Silvério Fontes, que fez carreira em Santos. Num segundo momento, tudo deve ser também digitalizado, mas com o dinheiro obtido com a locação do espaço.

Quem visitar o local também pode conhecer não só esse majestoso prédio, o salão e os livros, mas também a sala onde Martins Fontes, o filho de Silvério Fontes, atendia como médico da Sociedade Humanitária. Aliás, seu consultório está praticamente intacto, conservado como na época em que atendia.

Ainda não há data para reinaugurar o salão, mas, segundo o presidente, a pretensão é chamar descendentes de quem ajudou a construir a história da Sociedade Humanitária. “Tenho a lista de quem contribuiu. Devemos pegar os netos, filhos, para participar da festa”, adianta Guino.

Para quem quiser visitá-la, a instituição fica aberta de segunda a sexta-feira, em horário comercial. 

Texto por Sheila Almeida

Fonte: A Tribuna

UFSCar digitaliza acervo de jornais raros do século XIX

Foto: Matheus Mazini Ramos/CCS/UFSCar

A Unidade Especial de Informação e Memória (UEIM) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) está digitalizando um acervo de jornais raros de São Carlos e região, publicados no século XIX, para facilitar o acesso de pesquisadores e outras pessoas interessadas a esse material, que já é muito consultado. “São várias as pesquisas realizadas, por exemplo sobre a utilização das propagandas e das fotografias na época, além de temas específicos, como, por exemplo, a escravidão. Para facilitar esse acesso e, também, preservar o material, a digitalização sempre foi um sonho”, conta Ricardo Biscalchin, bibliotecário da UEIM que está responsável pelo processo, realizado também pelo estagiário Bruno Rafael Caldeira, estudante do curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação da UFSCar.

O acervo de jornais antigos foi descoberto em 2010, guardado em um armário vindo do antigo Arquivo Histórico Contemporâneo da UFSCar, que, como a UEIM, era vinculado ao Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH) da Universidade e deu origem à Unidade em 1997. Há exemplares dos jornais A Cidade, Cidade de São Carlos, Correio de São Carlos, A Opinião, São Carlos do Pinhal e Ordem e Progresso, dentre outros. O exemplar mais antigo é da Tribuna de São Carlos, de 1877, e o acervo conta também com o raríssimo periódico socialista intitulado O Lutador. No material, há várias curiosidades, como os anúncios de contratação de “orchestra para festas, theatros, concertos, soirées, etc.” e de venda de um “carro de praça […] bem conservado, com uma parelha de cavallos baios, por preço commodo”; a crítica da apresentação da “Companhia Dramatica dos Pygmeus”, formada por artistas com nanismo; piadas e charges, dentre outras.

Biscalchin conta como a digitalização se tornou possível no final do ano passado, com a doação à Unidade de um scanner de grande formato. O equipamento foi adquirido com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para realização da pesquisa de doutorado de Carla Cristina Wrbieta Ferezin, sob orientação de João Roberto Martins Filho, ex-Coordenador da UEIM. Após o término da pesquisa, realizada no Programa de Pós-Graduação em Ciência Política (PPGPol) da UFSCar, Ferezin e Martins Filho fizeram a doação.

“Nós agora estamos realizando a higienização, a digitalização e a indexação do material. Embora muitos exemplares estejam em ótimo estado considerando sua idade, outros têm fragmentos que precisam ser remontados, o que deixa o processo mais moroso. Depois, o próximo passo é a decisão sobre o formato de disponibilização, em repositório ou estrutura semelhante”, explica Biscalchin. Até lá, quem se interessar pode entrar em contato com a UEIM pelo telefone (16) 3351-9609 ou pelo e-mail ricardob@ufscar.br. Mais informações estão também no site da Unidade, em www.ueim.ufscar.br.

Fonte: São Carlos Agora

Periódicos dos séculos 19 e 20 são digitalizados em Santa Catarina

O jornal mais antigo em circulação em Santa Catarina, “Correio do Povo”, teve o primeiro lote da digitalização entregue na semana passada

PAULO CLÓVIS SCHMITZ

Alzemi Machado contribuiu com a tarefa de digitalizar jornais antigos – Marco Santiago/ND

Em tom de ameaça, um dono de terras de Jaraguá do Sul proibia, em anúncio publicado no “Correio do Povo” de 8 de janeiro de 1921, que invadissem sua propriedade, ranchos e plantações. “Armei laços e mundéos e não me responsabiliso [grafia da época] por qualquer dano causado” era a frase que concluía o reclame. Esta é apenas uma das preciosidades que os jornais de um século atrás traziam em suas páginas, onde se mesclavam notas locais, anúncios de açougues e remédios, textos de fundo político-partidário e até sonetos que abriam a capa, ao lado de notícias sobre um terremoto na Albânia ou os milhares de refugiados famintos que perambulavam pela Europa depois do fim da Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

Quem tem a tarefa de digitalizar jornais antigos pode topar com esse tipo de conteúdo e, se for um interessado por cultura e história, deliciar-se com descobertas relativas ao modo de pensar, agir, comportar-se socialmente ou comprar brigas com os desafetos e adversários daqueles anos – bem diferente e ao mesmo tempo semelhante à guerra surda das nossas redes sociais. É o caso do bibliotecário Alzemi Machado, 32 anos de serviços prestados ao governo e responsável, com uma pequena equipe da Biblioteca Pública do Estado, pela digitalização de 36 mil edições de periódicos catarinenses dos séculos 19 e 20. As 220 mil páginas já salvas e arquivadas são o resultado de muitas jornadas – em cinco horas, até 800 arquivos podem ser transferidos para o formato digital. Assim vem ganhando forma e corpo a Hemeroteca Digital Catarinense, acessível a todos os interessados pelo seu site oficial.

O “Correio do Povo”, o mais antigo jornal em circulação no Estado (foi criado em 1919), teve o primeiro lote da digitalização entregue na semana passada na cidade de Jaraguá do Sul. Até o início dos anos de 1940, período do Estado Novo, quando começou a perseguição aos descendentes de alemães, o periódico tinha um suplemento na língua de Goethe e parte dos anúncios também voltados aos que falavam predominantemente o idioma dos imigrantes. “Este jornal teve e tem grande importância, porque traz a memória da cidade e região, com aspectos de sua economia, política e cultura”, diz Machado. O mesmo vem sendo feito, no momento, com o “Correio do Norte”, criado em 1947 em Canoinhas, com o “Correio Lageano”, de Lages, e com “O Estado” e “A Gazeta”, de Florianópolis.

Jornais com fortes vinculações políticas

Uma passada de olhos pelo material do “Correio do Povo” no site da hemeroteca permite descobrir, por exemplo, que já em 1930 havia reclamações com o elevado preço da gasolina – “hoje, um artigo de primeira necessidade”, segundo o periódico. Aquele, aliás, foi um ano atípico, cheio, quando Getúlio Vargas marchou sobre o palácio do Catete, no Rio de Janeiro, e destituiu o presidente Washington Luís. Os jornais locais, quase sempre ligados a agremiações políticas, repercutiam esses acontecimentos, carregando nas tintas de acordo com os interesses dos grupos que representavam.

36 mil edições de periódicos catarinenses já foram digitalizadas pela hemeroteca – Marco Santiago/ND

Acusava-se os adversários por “intrigas e falsidades”, alimentando as refregas locais em que os principais partidos (UDN/União Democrática Nacional e PSD/Partido Social Democrático) se digladiavam nas câmaras e nas urnas. Foi com um discreto tom de regozijo que o “Correio” noticiou o julgamento de Luiz Carlos Prestes, Pedro Ernesto e João Mangabeira, “cabeças do comunismo no paiz”, na edição de 15 de maio de 1937.

Em Canoinhas, o “Correio do Norte” publicou um texto de capa com jeito de editorial em que defendia os udenistas contra um veículo concorrente a que chamou de “folhetim fascista”. O PSD, dizia a matéria, era “aliado dos comunistas”, uma acusação que não combinava com a vocação governista do partido de Nereu Ramos. O mesmo jornal criticou, na edição de 2 de maio de 1950, o governo do Estado por descumprir a palavra empenhada de auxiliar financeiramente o ginásio de Canoinhas, ao mesmo tempo em que “malbaratava o dinheiro público” ao conceder CR$ 30.000,00 a uma companhia de comédias que passou por Florianópolis.

O porteiro que salvou o acervo

A digitalização de jornais extintos ou ainda em circulação é o único programa que aproxima a Biblioteca Pública do Estado dos catarinenses que não residem na Grande Florianópolis. “Ela é confundida com uma biblioteca municipal, e esta é a primeira ação estadualizada da instituição”, diz o bibliotecário Alzemi Machado. Fruto de parceria com o IDCH (Instituto de Documentação e Investigação em Ciências Humanas), da Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina), a Hemeroteca Digital Catarinense trabalha desde novembro de 2013 no armazenamento e disponibilização de títulos para consulta pública – hoje, eles já são 815. Relatório recente mostra que no segundo semestre de 2017 o site foi acessado por pessoas de 164 cidades do Estado e por 150 estrangeiros de 22 países diferentes.

O bibliotecário exibe um exemplar original do periódico “Correio do Povo” – Marco Santiago/ND

Jornais do século 19, como o pioneiro “O Catharinense”, de 1831, “Regeneração” (1868/1883) e “O Moleque” (1885), assim como “A Republica”, importante veículo do Partido Liberal Catarinense que circulou entre 1889 e 1937, podem ser consultados mediante busca pelo título do periódico ou pela cidade em que estavam sediados. O mesmo vale para o atualíssimo “Zero”, do curso de Jornalismo da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), criado em 1982. Um convênio permitiu que a série “Blumenau em Cadernos”, lançada em 1957, tivesse a digitalização autorizada. A um clique está também “O Clarão”, jornal anticlerical que circulou entre 1911 e 1918 e que se autodefinia como “um órgão de combate legalmente constituído”.

Alzemi Machado se interessou muito pela história de um porteiro da Biblioteca Pública chamado João Crisóstomo Paiva, que no final da década de 1920 se mobilizou para impedir que o então diretor acabasse com a coleção de jornais do século 19 em posse da casa. Primo de Joaquim Gomes de Oliveira e Paiva (o arcipreste Paiva), ele conseguiu evitar o fim do precioso material, no que contou com a ajuda, entre outros, do professor e historiador José Boiteux, fundador e ex-presidente do IHGSC (Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina). Aposentando como amanuense arquivista em 1938, ele foi porteiro da biblioteca durante 23 anos e era citado pelo escritor Carlos da Costa Pereira, diretor da instituição nas décadas de 1940 e 1950, como o responsável pela salvação do acervo.

Um caderninho com fatos relevantes

Mesmo diminuta, a equipe da Hemeroteca Digital Catarinense quer ir além da digitalização do próprio acervo e de outros que sejam oferecidos por terceiros. Neste sentido, busca empresas, pessoas físicas e instituições detentoras de patrimônios editoriais e patrimoniais de periódicos para que disponibilizem esse material, garantindo a sua conservação. O trabalho é longo, árduo, braçal, expondo os profissionais ao contato com a acidez e as patologias do papel. O mais importante jornal de Santa Catarina, “O Estado” está digitalizado de 1915, ano de sua criação, até 1955, faltando o longo período até 2008, quando deixou de circular. Em compensação, 98% dos jornais de século 19 estão digitalizados e disponíveis para consulta, pesquisa e transferência de arquivos.

Jornais como “O Moleque” (1885) foram transportados para o mundo digital por meio da digitalização – Marco Santiago/ND

Também são metas da equipe publicar um catálogo ilustrativo do acervo de periódicos raros da Biblioteca Pública do Estado e realizar uma exposição com capas de jornais manuscritos e escolares já editados em Santa Catarina. Em setembro, em Lages, vai acontecer o 1º Seminário Estadual da Hemeroteca Digital Catarinense.

Alzemi Machado tem o hábito de anotar as coisas que mais chamam a sua atenção, mesmo sem tempo para se deter na leitura de cada página que digitaliza. Em seu caderninho estão, por exemplo, datas em que fatos relevantes foram noticiados, como a inauguração do cine São José, em Florianópolis, em 1954, e a abertura da célebre Confeitaria do Chiquinho, na rua Felipe Schmidt, na primeira década do século 20. “Pelos jornais, podemos saber como eram as cidades muitos anos atrás, totalmente horizontais, as alterações da arquitetura urbana, os tipos de vestuário, as modas e os valores de épocas diferentes”, diz o bibliotecário. Também chamou sua atenção que há jornais em que os exemplares publicados durante os primeiros anos da ditadura não fazem parte do acervo da biblioteca.

Fonte: Notícias do Dia