Página inicial / Ciência de Dados / Dados de Pesquisa

Dados de Pesquisa

Gestão de dados científicos: por onde começar?

GESTÃO DE DADOS CIENTÍFICOS: POR ONDE COMEÇAR?

Cada vez mais o conceito de Ciência Aberta e seus pilares entram na pauta e nas recomendações de melhores práticas para a realização de pesquisa. Um desses pilares é a gestão de dados e, sempre que possível, seu compartilhamento, respeitando privacidade e segurança dos envolvidos, propriedade intelectual, determinações legais. Mas, de que dados estamos falando? Como se faz gestão de dados científicos?

O seminário visa apresentar a pesquisadores e bibliotecários os conceitos ciência aberta, gestão e compartilhamento de dados, questões legais, melhores práticas que potencializam o avanço da ciência e da geração de conhecimento, além dos benefícios do trabalho colaborativo entre esses dois grupos profissionais.

Palestras conceituais e exemplos de gestão de dados por instituições acadêmicas e de pesquisa compõem a programação, além de um workshop ministrado para bibliotecários e pesquisadores (vagas limitadas – as inscrições serão abertas durante o evento).

Mais informações: https://doity.com.br/gestao-de-dados-cientificos-por-onde-comecar/ 

As competências de Bibliotecários Universitários na Gestão de Dados Científicos na Ciência Aberta

Esta live trará alguns conceitos baseados na experiência e pesquisas recentes sobre a Ciência Aberta e o bibliotecário de dados. Abordando as competências e habilidades necessárias para o Bibliotecário de Dados atuar em um novo perfil profissional. A palestrante também fará relatos de sua experiência como estudante de doutorado no Projeto DataONE.

Servicios relacionados con los datos de investigación por parte de las bibliotecas universitarias: mucho a ofrecer, mucho por formar

Texto por Alexandre López

Choice es una unidad editorial de la Association of College & Research Libraries (ACRL), una división de la American Library Association (ALA). Choice y ACRL ofrecen herramientas de desarrollo profesional de biblioteconomía, dentro de las cuales se incluyen seminarios, podcasts, libros blancos, ensayos bibliográficos y publicaciones digitales, pensados para formar y reforzar las habilidades de los bibliotecarios. En este caso, se trata de un informe liderado por la reconocida profesora Carol Tenopir juntamente con tres profesores más de diversas universidades de los Estados Unidos.

Tal y como describen ya desde el inicio, se trata de un estudio a través de encuestas que sirve para actualizar y comparar lo realizado el año 2012 y que fue reseñado en este mismo blog1 en 2013 por parte de Alicia García García y Fernanda Peset. Independientemente de los principales resultados que se mencionarán posteriormente, es siempre interesante el hecho de poder medir diferentes espacios temporales, para conseguir la perspectiva. Así como en 2012 los servicios de datos de investigación (RDS por sus siglas en inglés) se anunciaban como retos de futuro, este año ya no hablamos como entonces de un servicio añadido de mucho valor, sino como una necesidad inseparable del personal investigador y académico.

Para entender los cambios, recordemos dos comentarios finales que se hacían en aquella reseña:

«Los datos de investigación están empezando a reconocerse como una fuente de conocimiento propia e independiente de las publicaciones que pueden emplearse en la validación de los resultados de investigación publicados en artículos, para generar nuevo conocimiento y ser explotados de manera interdisciplinar.»

«(…) si la biblioteca no se involucra activamente en la prestación de estos servicios, es muy probable que sea otro departamento el que los proporcione, apartando a la biblioteca de su labor en el proceso de investigación; y por tanto perderían una oportunidad para dar servicio a un rango más amplio de agentes sociales interesados en la gestión de los datos.»

En ambas realidades entonces reseñadas, nos encontramos los retos de futuro en todos los diferentes ámbitos del ciclo de la investigación (diseño de la investigación, compilación de datos, análisis de resultados, extracción de resultados y conocimiento) donde los datos son una necesidad. 

Para hacer la investigación en 2019, las encuestas fueron enviadas a algunas de las instituciones que ya la completaron y se aumentó con las de la lista de contactos de la ACRL, unas 3.160 direcciones de las cuales respondieron alrededor del 6 %. Más allá de la representatividad de la muestra, desde mi punto de vista, el interés radica en las respuestas y en la configuración de los servicios que ofrecen las bibliotecas académicas. También se llevaron a cabo 27 entrevistas a personal de algunas de las instituciones que respondieron la encuesta. Así mismo, el nivel de detalle de las preguntas hace que, por ejemplo, muestre la mayor parte de resultados en función del tamaño de las instituciones o bien por tipo de instituciones.

El trabajo permite, pues, comprender el nivel de servicios que las bibliotecas académicas de los Estados Unidos están ofreciendo en relación a la gestión de datos de investigación. Hay que tener en cuenta que el incremento de obligaciones y requerimientos por parte de los financiadores (públicos y privados) también en aquel caso se convierten en la fuerza motriz, el punto de encaje entre la voluntad de ofrecer nuevos servicios y la necesidad por parte de los investigadores de apoyo para una forma de gestionar (y difundir) sus resultados.

Los principales resultados del estudio son:

  • La mayor parte de bibliotecas académicas ofrecen servicios de información/consulta alrededor de los RDS.

  • Las bibliotecas en universidades que forman parte del grupo de las doctoral universities (según la Carnegie Classification of Institutions of Higher Education las intensivas en investigación de calidad) son las que más ofrecen RDS de tipo informativo.

  • Aquellas bibliotecas que ofrecen servicios y asesoramiento técnico (technical/hands on) lo iniciaron en los últimos tres años. De nuevo, una visión y un debate interesante sobre si es el ámbito bibliotecario quien debe ofrecer este servicio, también en el sentido de la alfabetización en curación, gestión y preservación de datos por parte de su personal.

  • En el caso de los servicios de información, lo más habitual es ofrecer fuentes de apoyo, seguido de la creación de guías de apoyo a la gestión de datos.

    Figura 1. RDS de tipo informativo/consulta ofrecidos por las bibliotecas que respondieron la encuesta. Fuente: Informe reseñado
  • Uno de los servicios más populares en el asesoramiento técnico incluye la participación directa con investigadores en un proyecto o un equipo de trabajo. De alguna forma, enlaza con el rol de bibliotecario integrado en el ámbito de la investigación, ahora en el caso de los datos de investigación para poder participar ya desde el inicio del diseño de los experimentos con un uso más o menos intensivo de datos.

    Figura 2. RDS de tipo técnico ofrecidos por las bibliotecas que respondieron la encuesta. Fuente: Informe reseñado
  • Las instituciones de investigación ofrecen más apoyo técnico, mientras que todas las instituciones piensan en identificar datos y datasets que podrían añadirse a los respectivos repositorios. De forma lógica, las bibliotecas tienen un papel clave en esta identificación, ya sea para los repositorios institucionales como para los temáticos.

  • Todavía hay un 44 % de las bibliotecas que han respondido que no tienen RDS, o bien por falta de financiación, de tiempo, de interés por parte de los investigadores o por falta de personal.

  • Las bibliotecas más grandes son las que tienen más bibliotecarios o especialistas dedicados a los RDS.

  • La mayor parte de instituciones de investigación están contratando nuevo personal para responder a las necesidades crecientes de RDS.

    Figura 3. Liderazgo y responsabilidad principal para los planes y programas de RDS. Fuente: Informe reseñado

Los autores concluyen que el abanico de opciones y tipos de RDS es grande, y que no es necesario que la biblioteca deba ofrecer todos los servicios, sino que una buena evaluación de capacidades y recursos puede conducir a planificar RDS realistas y con sentido. Así, por ejemplo, un 40 % de las bibliotecas dicen que colaboran con otras unidades de sus campus, cuestión que me parece clave para tener aproximaciones globales a la gestión de datos de investigación incluyendo la visión legal, técnica y de descripción. En diversos de los datos se ofrece también la visión del 2012 para poder comparar.

Los dos únicos puntos débiles, desde mi punto de vista, serían que faltaría una visión sobre la formación que hacen las bibliotecas, así como utilizar la terminología FAIR (findable, accessible, interoperable, reusable). Así mismo, el papel de los repositorios y su capacidad para poder dar respuesta a las necesidades también hubiera sido relevante, como se ha podido ver en estudios como el de FAIRxFAIR del CSUC. Complementa perfectamente las encuestas que se llevan a cabo en investigadores, como las que llevan a cabo en Digital Science.

A modo de cierre, podemos decir que se trata de un informe interesante para:

  • Científicos en general con requerimientos y responsabilidades referentes a los planes de gestiones de datos de sus proyectos, dado que encontrarán el contexto de los servicios que pueden ofrecer los servicios bibliotecarios.

  • Bibliotecas universitarias y de centros de investigación que ya están ofreciendo (o deberían) muchos de estos servicios y que pueden encontrar buenas prácticas, así como tendencias de futuro. 

  • Profesionales de la información en general que entienden que la gestión de datos necesita de la colaboración entre los múltiples grupos de interés implicados. En este caso, los datos abiertos son los relativos a la investigación, pero su tratamiento, la necesidad de descripción y metadatos son comunes en múltiples ámbitos y administraciones.

1 García García, Alicia; Peset, Fernanda (2013). «Tres en uno, tres informes sobre la gestión de los datos de investigación». Blok de BiD, 04/09/2013.

Fonte: Blok de Bid

FAPESP lança Rede de Repositórios de Dados Científicos do Estado de São Paulo

Iniciativa de compartilhamento de informações envolve as seis universidades públicas do estado, ITA e Embrapa e integra política de Open Science da Fundação, sendo pioneira na América Latina (foto: Felipe Maeda/Agência FAPESP)

Maria Fernanda Ziegler | Agência FAPESP – Projetos de pesquisa, além de novos conhecimentos, geram uma infinidade de dados que, se bem organizados, podem subsidiar novos estudos, originando ainda mais conhecimento.

Foi com base na maior eficiência no uso de informações de ciência que a FAPESP lançou em 16 de dezembro a Rede de Repositórios de Dados Científicos do Estado de São Paulo. A iniciativa vai disponibilizar, de modo organizado em uma plataforma aberta, dados associados às pesquisas desenvolvidas em todas as áreas do conhecimento no Estado de São Paulo.

A rede envolve as seis universidades públicas do Estado de São Paulo – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual Paulista (Unesp), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Universidade Federal do ABC (UFABC) e Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) –, o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e a Embrapa Informática Agropecuária (CNPTIA/Embrapa).

A ciência, entendida como um bem público, exige comunicação e o acesso aos resultados de projetos de pesquisas deve ser pleno, sem restrições, para que privilégios não sejam criados. A Rede de Repositórios de Dados Científicos do Estado de São Paulo vai dar conhecimento e acesso público não só aos pesquisadores, mas também para o contribuinte paulista que paga para que pesquisas sejam realizadas no Estado de São Paulo”, disse o presidente da FAPESP, Marco Antonio Zago .

Por meio da plataforma será possível ter acesso aos dados gerados em pesquisas científicas, independentemente de sua publicação em artigos científicos. Para o pesquisador que gerou os dados, a Rede de Repositórios aumenta a visibilidade da sua pesquisa, permitindo o seu compartilhamento e reúso em novas pesquisas.

Entre os exemplos de dados que estão disponibilizados na primeira versão da Rede de Repositórios de Dados Científicos do Estado de São Paulo estão um banco de dados contendo toda a rede de drenagem da hidrografia brasileira sob a forma de grafos e um repositório de imagens de sintomas de doenças de plantas disponibilizado pelo CNPTIA-Embrapa.

Open Science

Iniciativas que buscam facilitar a integração e a colaboração entre pesquisadores têm dois resultados principais: o melhor progresso da ciência e a maior eficiência no uso de recursos que custeiam a pesquisa. A nova rede tem esse intuito. É uma iniciativa pioneira e bem sintonizada com as práticas de Open Science. Ela vai dar um grande impulso para o desenvolvimento científico do Estado de São Paulo”, disse Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP.

De acordo com Brito Cruz, a rede se associa a outras três iniciativas realizadas pela Fundação no âmbito de Open Science.

A primeira ocorreu em 1997, com a criação do Scientific Electronic Library Online ( SciELO ), plataforma que reúne periódicos brasileiros e estrangeiros de acesso aberto. A segunda, implementada em 2010, foi a recomendação de que toda pesquisa financiada com dinheiro público devesse ser publicada em periódicos de acesso aberto, de acesso gratuito. O resultado foi que, em 2018, o Brasil foi o país com o maior número de artigos científicos publicados em acesso aberto em todo o mundo.

A terceira iniciativa mencionada por Brito Cruz é o programa de equipamentos multiusuários que estimula o compartilhamento de equipamentos de alto custo entre diferentes laboratórios.

Buscador de metadados

Hoje é o primeiro dia do resto de nossas vidas. Estamos lançando uma iniciativa pioneira na América Latina, que vai aumentar a visibilidade da ciência no Estado de São Paulo. A colaboração entre as instituições participantes para a criação desta rede começou em 2017 a partir da exigência, pela FAPESP, de um Plano de Gestão de Dados entre os anexos obrigatórios de propostas submetidas”, disse Claudia Bauzer Medeiros , professora do Instituto de Computação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e integrante da Coordenação Adjunta da FAPESP para o Programa de Pesquisa em eScience e Data Science.

Um Plano de Gestão de Dados faz parte das boas práticas de pesquisa, com o planejamento, desde o início de uma proposta, sobre quais dados serão produzidos e como serão gerenciados, compartilhados e preservados”, disse Medeiros.

Medeiros, coordenadora do Grupo de Trabalho que a FAPESP instituiu para a criação da Rede, destacou o grande trabalho realizado pelas instituições participantes.

Cada instituição desenvolveu o próprio repositório, criou grupos permanentes internos para sua gestão e trabalhou intensamente para que, ao final, todas pudessem se integrar. Esta integração é viabilizada por um portal único, que diariamente busca informações sobre os dados de cada instituição e disponibiliza essas informações [metadados] de forma integrada. O apoio institucional e o trabalho dos membros do grupo foram essenciais para chegarmos onde chegamos tão rapidamente”, disse.

O portal – um buscador de metadados  – foi desenvolvido pela USP e permite busca por instituição, autor, assunto, ano ou palavras-chave. “Essa iniciativa é um avanço enorme. Evita que muitos dados importantes, seja pela qualidade, caráter histórico ou raridade, se percam. Estamos trabalhando também na questão cultural sobre a importância de gerar esses dados”, disse Medeiros.

Participaram da cerimônia de lançamento da Rede de Repositórios Sylvio Roberto Accioly Canuto , pró-reitor de Pesquisa da USP; Maria do Carmo Kersnowsky, da UFABC; Munir Skaf , Pró-Reitor de Pesquisa da UNICAMP; Carlos Frederico de Oliveira Graeff , pró-reitor de Pesquisa da UNESP; Maryangela Geimba de Lima , do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA); João Batista Fernandes , pró-reitor de Pesquisa da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar); Lia Rita Azeredo Bittencourt , pró-reitora de Pesquisa da Unifesp; Silvia Maria Fonseca Silveira Massruhá , chefe-geral da Embrapa Informática Agropecuária (CPTIA/Embrapa).

Todos apresentaram como suas instituições estão desenvolvendo seus repositórios e a importância da rede para as pesquisas nelas realizadas.

Fonte: Agência FAPESP

Ciência Aberta e a Gestão de Dados de Pesquisa: Iniciativas USP e FAPESP

Biblioteca do Instituto de Matemática e Estatísticae o Sistema Integrado de Bibliotecas da USP têm a honra de convidá-lo(a) para o “Workshop Ciência Aberta e a Gestão de Dados de Pesquisa: Iniciativas USP e FAPESP” a ser realizado no Instituto de Matemática e Estatística.

A Ciência Aberta é um movimento internacional de prática científica que valoriza a disponibilização das informações científicas e com isso propicia a ampla comunicação e difusão das pesquisas à sociedade. O objetivo do evento é promover o debate sobre gestão, compartilhamento e abertura de dados para pesquisa, como forma de estimular a colaboração entre pesquisadores e também a evolução do conhecimento científico.

A gestão de dados de pesquisa e os repositórios asseguram que conjuntos de dados produzidos por pesquisadores individuais ou grupos de pesquisa possam ser compartilhados e também reaproveitados em outras pesquisas, com transparência e reprodutibilidade.

Portanto, aproveite a oportunidade para saber mais e debater sobre esse assunto tão atual e importante assistindo as palestras dos conceituados professores e pesquisadores Dr. Roberto Marcondes Cesar Junior e Dra. Fátima L. S. Nunes, com a mediação da Chefe Técnica da Divisão de Gestão de Desenvolvimento e Inovação do SIBiUSP, Dra. Elisabeth Adriana Dudziak.

Data: 03 de abril de 2019
Horário: 14h30 – 16h30
Local: Auditório Jacy Monteiro – Térreo
Instituto de Matemática e Estatística
Rua do Matão, 1010 – Cidade Universitária – Butantã
05508-090 – São Paulo – SP
O evento é gratuito e aberto a todos os interessados. Serão emitidos certificados de participação.

Plataforma reúne 400 bancos de dados para uso por pesquisadores

Site fundado em 2003 pelo professor e sociólogo Brasilio Sallum facilita o acesso a informações e pesquisas para cientistas políticos e sociais
Por Paulo Marcondes

O Consórcio de Informações Sociais (CIS) está trabalhando na captação de bancos de dados junto à comunidade acadêmica. Pesquisadores e laboratórios podem submeter dados de trabalhos produzidos durante a criação de teses, dissertações, iniciações científicas, etc.

A ideia da plataforma, vinculada aos departamentos de Sociologia e Ciência Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, é gerar um intercâmbio de informações com pesquisas qualitativas e quantitativas em diversos campos das Ciências Sociais e áreas relacionadas.

Dentro do CIS, o usuário pode encontrar dados e materiais de pesquisa sobre desigualdade de gênero, violência, eleições, arte e cultura, direitos humanos, descriminalização de drogas, entre outros temas. É possível também observar variáveis, como idade, sexo e até mesmo cruzar essas informações. Os questionários usados na pesquisa e sua abrangência, além de outros materiais metodológicos, são disponibilizados pelo site.

A plataforma pode facilitar o trabalho de pesquisadores. “A ideia por trás do CIS é de que os dados produzidos pela comunidade acadêmica são subaproveitados: o pesquisador produz, faz alguns artigos, às vezes escreve um livro e isso nunca mais é usado. A ideia é que tornando esses dados públicos, eles possam ser usados por outros pesquisadores. O CIS existe para corrigir essa deficiência”, explica Edison Bertoncelo, coordenador do CIS e professor do Departamento de Sociologia da FFLCH.

A plataforma surgiu em 2003, fundada pelo professor Brasilio Sallum Jr., do Departamento de Sociologia da FFLCH, que se inspirou no Inter-Universitary Consortium for Political and Social Research (ICPSR), criado pela Universidade de Michigan nos anos de 1960.

Atualmente com mais de 400 bancos de dados, os professores Gustavo Venturi, do Departamento de Sociologia, Glauco Peres e Lorena Barberia, do Departamento de Ciência Política, fazem parte da coordenação do CIS.

Recentemente, uma parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública foi firmada e dados de duas pesquisas estão disponíveis no CIS: Percepção sobre violência sexual e atendimento a mulheres vítimas nas instituições policiais, de agosto de 2016 e Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil, de março de 2017. Os dois estudos tiveram colaboração do Instituto DataFolha.

Desafios

“Nós temos um problema para captar banco de dados. Mobilizamos as nossas redes e incentivamos as pessoas a doarem seu banco, no entanto, isso não é institucionalizado no Brasil. Em outros lugares do mundo, na Inglaterra, por exemplo, uma vez que a pessoa recebe uma bolsa de pesquisa, em contrapartida, ela precisa compartilhar os dados com algum banco”, conta Edison.

Como muitos sociólogos ainda têm dificuldades para manejar dados quantitativos, a plataforma também disponibiliza uma série de vídeos no Youtube ensinando o pesquisador a construir bancos com os programas mais comuns. Além desse conteúdo, o site também aponta para tutoriais de outras pessoas.

O conteúdo disponibilizado é gratuito. Para ter acesso ao material disponível, é necessário um cadastro que pode ser feito clicando aqui. Caso haja alguma dúvida no momento de enviar o seu banco de dados, há um manual explicando todo o processo.

Mais informações: (11) 3091-2066, e-mail contato.cis@usp.br e site www.cis.org.br

Fonte: USP/FFLCH

Google lança nova ferramenta de busca para dados científicos

Plataforma Dataset Search foi desenhada para facilitar o acesso a conjuntos de dados dispersos em milhares de repositórios.

Texto por Fábio de Castro

Voltada especialmente para a comunidade acadêmica, uma nova ferramenta de busca lançada pela Google promete facilitar o acesso de pesquisadores a conjuntos de dados científicos que atualmente estão pulverizados em milhares de repositórios online mantidos por instituições de pesquisa.

Lançada em setembro, a ferramenta, chamada Dataset Search, ajuda pesquisadores a encontrar facilmente os dados completos de estudos disponíveis em repositórios dos mais variados tipos – como sites de editoras, agências governamentais e instituições de pesquisa, em bibliotecas digitais e em páginas pessoais de cientistas, por exemplo.

A empresa já havia lançado um serviço voltado para a comunidade científica, o Google Scholar – em português Google Acadêmico –, que é uma ferramenta de busca de artigos e relatórios de pesquisa. Havia demanda, porém, para um sistema de busca específico para dados, já que, segundo a empresa, “no mundo atual, cientistas de muitas disciplinas e um número crescente de jornalistas vivem e respiram dados” e eles estão dispersos na internet.

Bons resultados

A nova ferramenta será de grande importância para a ciência, especialmente em áreas que utilizam grandes volumes de dados, segundo o professor Marcelo Finger, chefe do Departamento de Ciências da Computação do Instituto de Matemática e Estatística (IME) da Universidade de São Paulo (USP).

“É surpreendente que a Google, que lida com um público da ordem de bilhões de usuários, lance mais uma ferramenta voltada para a comunidade científica, que é um público numericamente limitado. Mas ela será sem dúvida muito importante para a comunidade”, disse Finger.

Convidado por Direto da Ciência para testar o Dataset Search, Finger – que é um dos coordenadores da área de Ciência e Engenharia da Computação da Fapesp – considerou a ferramenta útil para aumentar a disponibilidade de dados.

“Fiquei bem impressionado e cheguei a recomendar para um aluno. Ainda há algumas limitações – notei, por exemplo, que quando se faz uma busca só aparecem os dez primeiros resultados. Mas, do ponto de vista científico, para quem desenvolve trabalhos com bases em dados, já é muito útil. A disponibilidade de dados é fundamental para a ciência, porque permite elevar o grau de reprodutibilidade das pesquisas”, disse Finger.

Maior disponibilidade de dados

O pesquisador diz acreditar que o Dataset Search crescerá rapidamente. “Quem possui dados de pesquisa em um repositório, ou é responsável por uma biblioteca de dados online, vai se interessar por tornar seus dados mais disponíveis e por indexá-los na ferramenta”, afirmou.

Natasha Noy, pesquisadora em inteligência artificial da Google, divulgou que a empresa estimulará fornecedores de dados a adotarem o padrão aberto desenvolvido pela empresa para descrever as informações relacionadas a seus dados, aos metadados e à própria instituição que os produziu.

“Desenvolvemos diretrizes para que os fornecedores de conjuntos de dados descrevam seus dados de uma forma que o Google possa entender melhor o conteúdo das páginas: quem criou, quando foi publicado, como os dados foram coletados, quais são os termos de uso, etc.”, disse a pesquisadora no Blog da Google.

“Notei que, além de dar acesso aos conjuntos de dados, a ferramenta também indica artigos da literatura científica que mencionam, utilizam, ou descrevem esses dados. Acredito que será de grande utilidade em todas as áreas do conhecimento – biologia, linguística, física, oceanografia e assim por diante. Minha área de pesquisas, em processamento de linguagem natural, vai se beneficiar muitíssimo”, afirmou Finger.

Segundo Natasha Noy, a ferramenta foi lançada com foco em dados de ciência ambiental, ciências sociais e de pesquisa governamental, mas a quantidade de conjuntos de dados disponível aumentará continuamente à medida que o serviço se torne mais popular.

“Esse tipo de busca tem sido um sonho para muitos pesquisadores nas comunidades de dados abertos de ciência”, disse ao blog da Google o chefe da área de dados da agência Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos (NOAA, na sigla em inglês), Ed Kearns.

“Para a NOAA, cuja missão inclui o compartilhamento de nossos dados com outros cientistas, essa ferramenta é chave para que tornemos nossas informações mais acessíveis para uma comunidade de pesquisadores cada vez maior”, disse Kerns.

Na imagem acima, sede da Google em Mountain View, na California, Estados Unidos. Foto: Noah Loverbear, sob licença Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported.

Fonte: Direto da Ciência

Seminário Gestão de Dados de Pesquisa Unifesp e UFABC

A Coordenadoria da Rede de Bibliotecas e a Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e o Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do ABC (UFABC) convidam os pesquisadores, docentes, discentes e técnicos administrativos a participarem do debate sobre as boas práticas na gestão de dados de pesquisa.

O encontro visa debater em comunidade os novos rumos da gestão dos dados de pesquisa para se criar uma cultura institucional de curadoria dos dados de pesquisa, além de discutir o valor do dado coletado e não armazenado adequadamente e o reuso destes dados.

Serviço:
I Seminário Gestão de Dados de Pesquisa Unifesp e UFABC
Datas e horário: 27/08, das 8h30 às 16h, e 29/08, das 9h às 17h
Local: Anfiteatro da Reitoria da Universidade Federal de São Paulo
End.: Rua Sena Madureira, 1.500 – térreo, Vila Clementino, São Paulo/SP
Programação e inscrição

Gestão de dados é desafio para a pesquisa

Na rapidez dos nossos dias digitais a gestão de dados tem sido um desafio, especialmente em empresas de pesquisa, como a Embrapa. O tema foi debatido no dia 12 de junho na Embrapa Solos (Rio de Janeiro-RJ), no workshop ‘Gestão de dados de pesquisa: princípios, desafios e oportunidades’.

Iniciativas anteriores na Embrapa e os projetos especiais GoviE e Transformação Digital, desde a última década, têm dado atenção ao assunto. “A mudança é grande, em algumas instituições na Europa cadernos de laboratório, por exemplo, já são abertos em tempo real”, revela a bibliotecária da Embrapa Solos, Claudia Delaia.

Atualmente, o dado é tão valioso quanto o resultado do trabalho do qual ele faz parte, é um ativo. A mesma informação pode servir e ser analisada em diferentes áreas do conhecimento. Se, por um lado, isso facilita a disseminação da informação, também traz algum risco. “Ainda não temos tecnologias que nos assegurem a rastreabilidade do dado e por onde ele circula”, diz Delaia.

E vale lembrar que a produção da informação não vem de graça. Custa dinheiro mandar o cientista para o campo: são gastos com equipamento, alimentação, deslocamento e dedicação dos especialistas.

E a pressão por disponibilização do resultado das pesquisas também vem das editoras. Alguns periódicos científicos só publicam artigos mediante a assinatura de termo de liberação de dados. “E, algumas vezes, essa disponibilização poder entrar em conflito com as regras da Embrapa, se não for tomado o devido cuidado”, lembra Claudia.

No evento do dia 12 foi demonstrado, pelo professor da Universidade de Twente (Holanda), Luiz Olavo Bonino, um conjunto de tecnologias e soluções criadas para facilitar a criação, publicação, indexação de dados e metadados FAIR (informação acessível, reutilizável, interoperacional e fácil de achar).

Novo tempo para o bibliotecário

Numa instituição como a Embrapa, um dos profissionais mais qualificados para trabalhar com essa informação em movimento é o bibliotecário, como apontam artigos científicos. O profissional que atua nas bibliotecas possui experiência e formação na gestão da informação, que vai desde o tratamento da informação e na atribuição de metadados até a sua disponibilização. Mas não é o único, são necessários profissionais em tecnologia da informação, semântica, ontologias etc.

O interesse pelo tema despertou a atenção da academia. No Rio de Janeiro, a UNIRIO (parceira da Embrapa Solos na realização do Workshop), passou a oferecer um curso de mestrado profissional em gestão de dados de pesquisa aberto a profissionais de várias áreas, não apenas da biblioteconomia, que está com edital aberto.

O workshop ‘Gestão de dados de pesquisa: princípios, desafios e oportunidades’ foi transmitido para todos os centros de pesquisa da Embrapa e contou com apoio da Embrapa Informática Agropecuária e Embrapa Territorial, ambas de Campinas, e da Secretaria de Desenvolvimento Institucional (Brasília) da Embrapa. Estavam conectadas 11 Unidades da Embrapa, com mais de 100 pessoas assistindo via internet e no auditório.

Texto por Carlos Dias

Fonte: Grupo Cultivar

Palestra: Gestão de Dados de Pesquisa: o que os Bibliotecários (e as Bibliotecas) tem a ver com isso?

O objetivo do evento é mostrar e valorizar o importante papel do bibliotecário frente às novas tecnologias, a gestão dos dados de pesquisa e o apoio ao pesquisador na prestação de serviços nas bibliotecas das instituições universitárias. 

Elisabeth Adriana Dudziak: Doutora em Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da USP (2007). Mestre em Ciência da Informação pela ECA-USP (2001), Bacharel em Biblioteconomia pela ECA-USP (1984). Professora Titular da Universidade Paulista – UNIP no Instituto de Ciências Humanas. Chefe Técnica da Divisão de Gestão de Desenvolvimento e Inovação (DGDI) do Sistema Integrado de Bibliotecas da USP.

Inscrições Gratuitas pelo Link: https://goo.gl/forms/GndJJuFxvKPiZf0b2

Assista a palestra ao vivo pelo link: webconferencia.sead.ufscar.br/eventos
(Obs: O link estará disponível apenas no dia e horário reservado.)

Evento com certificado de participação.

Fonte: Dia do Bibliotecário

Seminário de Gestão de Dados de Pesquisa e Boas Práticas para o Desenvolvimento da Ciência

Dia: 9 de março de 2018
Local: São Paulo – SP

Evento em Comemoração ao Dia do Bibliotecário

O universo da ciência está em constante e avassaladora expansão. Para manter a integridade, a eficiência e a reprodutibilidade das pesquisas, pesquisadores, bibliotecários, universidades, financiadores e editores devem garantir que os dados relevantes relacionados aos resultados e às publicações geradas pelas pesquisas estejam organizados, armazenados, preservados e acessíveis, permitindo sua verificação e eventual reutilização.

Objetivos: 

Discutir os diferentes aspectos que envolvem boas práticas e a gestão de dados de pesquisa do ponto de vista do pesquisador e da universidade

Explorar o ecossistema da comunicação científica, considerando o envolvimento de financiadores e editores de publicações científicas

Evidenciar o papel do bibliotecário e das bibliotecas no suporte à gestão de dados de pesquisa
ApoioDot.Lib – ORCID – ITMS

O evento será transmitido pelo IPTV da USP. Link em breve.