Página inicial / Biblioteconomia (page 9)

Biblioteconomia

Biblioteca digital revela 500 anos da relação entre a França e o Brasil

media

O portal França-Brasil disponibiliza artigos e documentos históricos que revelam cinco séculos das relações entre os dois países. O projeto foi criado em 2009, durante o “Ano da França no Brasil”, pelas bibliotecas nacionais da França e do Brasil, e era pioneiro. Dez anos depois, o portal ganha uma nova versão que está sendo lançada nesta terça-feira (19), na embaixada brasileira em Paris.

A nova versão, atualizada e ampliada, da biblioteca digital França-Brasil, “disponibiliza para o público mais de dois mil documentos, contextualizados por 54 artigos inéditos, redigidos por especialistas dos dois países”, detalha Régine Piersanti, responsável científica do portal pela BNF. Os documentos integram o acervo das duas bibliotecas. São textos manuscritos, impressos, mapas e desenhos que comprovam e ilustram a relação franco-brasileira do século 16 até meados do século 20, das tentativas fracassadas de colonização do território pelos franceses (A França Antártica e a França Equinocial) até a viagem de intelectuais franceses nos anos 1920 e 1930.

O portal é um instrumento útil tanto para estudantes e pesquisadores quanto para os usuários em geral. “O grande público vai encontrar coisas curiosas e vai ter esclarecimentos, pelos artigos, corrigindo às vezes preconceitos ou ideias errôneas sobre a relação França-Brasil. Já o pesquisador vai ter acesso a documentos muito raros”, salienta Michel Riaudel, diretor do Departamento de Estudos Lusófonos da Universidade Sorbonne e integrante do conselho científico do portal.

Influências recíprocas

A grade de navegação foi repensada para facilitar o acesso. A lógica anterior, que era cronológica, deu lugar a uma divisão temática: Momentos Chaves; Correntes Transatlânticas; Literatura e Circulação de Ideias; e Artes, Ciências e Técnicas. A reciprocidade norteia a concepção do site: “Nós saímos dessa ideia de modelo, de influência de uma cultura mais hegemônica. Não se trata de negar as hierarquias que existiam. Mas mostrar que, dentro dessas hierarquias, ambas as partes tinham uma contribuição, um trabalho de reapropriação,” explica Riaudel.

A ideia da França como modelo, de um diálogo unilateral, de um Brasil receptor passivo, ou a “lógica de dependência que foi durante muito tempo ativa”, estão ultrapassadas.

Patrimônios compartilhados

O portal é bilingue, francês e português, e de livre acesso. Em 2009, ele se chamava “A França no Brasil” e era hospedado pelo site da Fundação Biblioteca Nacional. A nova versão passa a ser disponibilizada pelo portal da Biblioteca Nacional da França, a BNF. Ele integra agora a coleção Patrimônios Compartilhados, que a instituição francesa criou em 2017 para valorizar a colaboração com bibliotecas nacionais de outros países com os quais têm laços culturais estreitos. Daqui para frente, o site será mantido e custeado pela BNF e vai se beneficiar de todas as evoluções técnicas da biblioteca digital francesa Gallica, que é uma das maiores do mundo.

Angela Monteiro, responsável científica pela Fundação Biblioteca Nacional, ressalta que a sustentabilidade e a perenidade do projeto também influenciaram a migração do portal para a BNF: ”O fato dele estar hospedado na BNF, que é uma instituição que já tem há muito tempo uma política de preservação digital implementada e validada, nos deixa muito tranquilos quanto ao compromisso de preservação digital a longo prazo do acervo dessa biblioteca França-Brasil.”

Ela diz que o acervo não corria risco hospedado no site da Fundação Biblioteca Nacional, mas “ter um espelhamento, estarem em dois lugares preservados, é uma garantia, uma segurança.”

Fonte: RFI

3 utilidades del catálogo de tu biblioteca que quizás no conocías

En el catálogo de tu biblioteca existen distintas opciones y utilidades que se pueden activar. Estas dependen del permiso o no de la propia biblioteca en función de sus características y los recursos de los que disponga para gestionarlos. En este post os vamos a comentar algunas sencillas opciones que puede incrementar el valor del opac de AbsysNet, permitiendo al lector ser un colaborador activo de la comunidad de su biblioteca.

Incrementa el valor del catálogo de tu biblioteca permitiendo a los lectores ser colaboradores activos de la comunidad bibliotecaria

Además de las opciones ya conocidas del opac como reservas, peticiones o renovaciones de préstamos de libros, en este artículo vamos a revisar las siguientes:

  • Permitir que el lector pueda darse de alta como usuarios de la biblioteca.
  • Realizar comentarios o sugerencias a la biblioteca.
  • Realizar comentarios o valoraciones de los libros.

1. Permitir que el lector se dé de alta como usuario de la biblioteca

Existe la posibilidad en AbsysNet, que una persona se pueda registrar o dar de alta directamente como lector desde el opac. De esta manera, el usuario tendrá derecho a disfrutar de los recursos de la biblioteca y tendrá facilidad de gestionar sus préstamos, reservas, peticiones, etc. desde el catálogo.

Para activar esta posibilidad, se tienen que cumplir tres condiciones:

La primera es añadir esta variable en la configuración del opac para activar esta opción.

<lectorAdd value=”1″ />

Eso se reflejará el enlace “Registrarse” en la página principal.

Opción Regristrarse en opac AbsysNet

La segunda, en el fichero de configuración general de AbsysNet hay que indicar que tipo de lector se va asociar automáticamente a estos usuarios. En ese caso, sería conveniente crear un tipo de lector específico para los lectores que se dan de alta desde el opac de tal forma que después desde AbsysNet será más fácil su localización. La variable es:

<lecolpopac value=”…” />

Por último, la tercera condición para que se pueda realizar esta acción, es que AbsysNet tenga activado la posibilidad de mandar email.

¿Cómo se da de alta el lector en el opac?

Cuando el lector pincha en el enlace de “Registrarse”, entra en un formulario de inscripción donde debe rellenar sus datos, como mínimo los campos establecidos como obligatorios y entre ellos la dirección de correo electrónico.

Registrarse como usuario opac AbsysNet

Recibirá un correo con una URL donde tiene que acceder en el caso en el que quiera activar el usuario.

Registro de usuario en AbsysNet Opac

¿Cómo se da de alta el usuario en AbsysNet?

Desde el momento en el que el usuario se registra desde el catálogo ya estará dado de alta en AbsysNet con el tipo de lector indicado en el fichero de configuración.

¿Qué variantes pueden pasar con ese lector?

  1. El lector hace clic en el enlace recibido por correo y se activa automáticamente. Desde AbsysNet se debería modificar el lector para asociarle al Tipo de Lector que realmente corresponda.
  2. El lector no hace clic sobre el enlace recibido por correo. El usuario bibliotecario puede buscar por el Tipo de Lector con el que se dan de alta desde el opac y en el momento en que se localiza el lector que no se ha activado saltará un mensaje del tipo
Lector no confirmado en AbsysNet Opac
  1. El lector no hace clic sobre el enlace recibido por correo. Si el usuario bibliotecario no ha modificado el lector para activarlo desde AbsysNet, el lector se eliminará automáticamente.

2. Realizar comentarios o sugerencias a la biblioteca

Los lectores pueden hacer sugerencias también desde el opac. Una vez que se identifica, las puede hacer accediendo desde el enlace de “Comentarios”, al lado de “Mi biblioteca”.

Realizar comentarios o sugerencias a la biblioteca

Una vez realizada la sugerencia, esta será gestionada por el personal de la biblioteca desde la opción de AbsysNet Opac / Comentarios de lectores. Que estudiarán la propuesta y pueden dar una respuesta al lector desde el campo de “Notas para el lector”.

Notas para el lector en AbsysNet Opac

El lector puede ver la respuesta de la biblioteca desde el apartado “Comentarios” dentro de la ventana de “Mi biblioteca”, desde el opac.

Comentarios al lector en AbsysNet Opac
3. Realizar comentarios o valoraciones a los documentos

Los usuarios del opac podrán hacer comentarios o valoraciones a los documentos desde la pestaña “Comentarios” una vez que se visualiza el documento, pinchando en el enlace “Dejar tu opinión” para añadir una valoración rellenado este formulario.

Añadir comentario en AbsysNet Opac
 ¿Cómo aparecen los comentarios en el opac?
  1. Si los lectores no tienen alias o no se loguean, los comentarios que escriban aparecerán asociados a un usuario Anónimo.
  2. El lector puede asociar un alias o seudónimo para que sean identificados sus valoraciones.

Una vez logado en el opac, en la página principal podrá añadir el Alias.

Alias en catálogo AbsysNet

En el caso en el que el lector haya olvidado el Alias, podrá modificarlo desde la opción “Cambio de alias” en la página “Mi biblioteca”.

Cambio de alias en catalogo AbsysNet

El resultado de tener o no tener alias, puede apreciarse en la pestaña de los “Comentarios” de los libros, como se muestra en la siguiente imagen.

Comentarios en catálogo AbsysNet

Por último, comentar que estos comentarios o valoraciones de los libros se pueden validar automáticamente o configurarlo para que el usuario bibliotecario los gestione y verifique el lenguaje y pertinencia antes de validarlos.

Existen estas variantes de validación:

  • Las opiniones se validan en el momento en que se añaden directamente.
  • Los comentarios añadidos por usuarios registrados se validan en el momento que se añaden y los anónimos no.
  • No se valida automáticamente ningún comentario, y los revisa el usuario bibliotecario.

Por finalizar esta Cápsula, comentar que solamente hemos explicado estas tres opciones de AbsysNet y que los lectores tienen para interactuar con la biblioteca. En futuros artículos plantearemos otras posibilidades.

Agustín Montes Hernández

Técnico de Soporte de Bibliotecas

Imagen superior cortesía de Shutterstock

Fonte: ComunidadBTZ

Biblioteca Villa-Lobos é finalista de prêmio em Londres

O anúncio foi feito durante a feira inglesa que celebra as melhores iniciativas na área de livros.

Biblioteca Parque Villa-Lobos da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo que funciona no Parque Villa-Lobos foi escolhida como finalista da Feira do Livro de Londres 2019, na categoria melhor biblioteca.  O anúncio foi feito nesta quinta-feira, 14 de fevereiro, durante a edição da The London Book Fair.  O  prêmio International Excellence Awards 2019,  celebra as melhores iniciativas na área os livros no mundo. A BVL disputa a premiação com bibliotecas da Finlândia (Espoo City Library) e da Zâmbia (Lubuto Library Partners).

No ano de 2018, a Biblioteca de São Paulo (BSP), no Parque da Juventude concorreu na mesma categoria. Os vencedores desse ano serão conhecidos em março.

A Biblioteca Parque Villa-Lobos

A BVL funciona dentro do Parque Estadual Villa-Lobos na capital paulista. O Parque é gerenciado peal Coordenadoria de Parques Urbanos da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo. É um lugar singular que além de oferecer livros para empréstimo e ambientes para estudo, como toda biblioteca, a BVL é também uma experiência diferente em leitura, lazer, aprendizado e diversão. O acervo, constantemente atualizado, tem foco na literatura e um olhar também para questões ambientais. É formado por livros, revistas, jornais, livros eletrônicos, audiolivros, HQs, DVDs e CDs, além de livros em braille e falados, voltados para pessoas com deficiência.

A BVL é um ambiente inclusivo e acessível. Possui diversos aparelhos de tecnologia assistiva, como folheador de páginas, mesa ergonômica, leitora autônoma, reprodutor de áudio, régua braille, teclado e mouse adaptados, computadores com leitor de tela, mouse e teclado adaptados.

Fonte: Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente

Na era de tecnologia, livros resistem na preferência de parte da população

Biblioteca do Centro Cultural de Mogi das Cruzes — Foto: Maiara Barbosa/G1

Apesar da praticidade e custo mais baixo dos livros digitais, os impressos ainda continuam encantando e apresentando um novo universo a quem se dedica a folhear as páginas.

Apenas em Mogi das Cruzes são cerca de 900 pessoas que passam a cada mês na biblioteca em busca do empréstimo de livros.

Entre eles está Vera Lúcia de Paiva Miranda, de 64 anos, tem um cadastro antigo na biblioteca. Ela conta que, no mínimo, pega três livros por mês. “Eu pego um livro e entrego um livro. Pego outro e devolvo e assim vai.”

O acervo da biblioteca conta com aproximadamente 45 mil títulos, entre romances, teóricos e infantis. Os livros espíritas de Zibia Gasparetto são os preferidos de Vera, mas ela também gosta de procurar títulos que contem sobre culturas diferentes para poder “viajar através das palavras”, como ela mesmo diz.

Além disso, ela ensinou o hábito da leitura para a filha e a neta. “É importante manter a mente aberta”, completa.

Aprendizado através dos livros

Virgínia, primeira à esquerda, ajudou a fundar biblioteca comunitária no bairro Novo Horizonte — Foto: Virgínia Santos/Arquivo Pessoal

Já para a jovem Virgínia Santos, de 16 anos, os livros revelaram um novo mundo. Moradora do bairro Novo Horizonte, região periférica de Mogi das Cruzes, ela descobriu nas páginas dos livros histórias de ficção científica e até um novo idioma: o russo.

O interesse para a leitura veio com o tempo. Quando era mais nova, Virginia não chegava até o final de uma edição. Foi então que se apaixonou por livros de Sherlock Holmes. “Eu li e me apaixonei, ai comecei a ler sem parar”, conta.

A adolescente conta que devorava um livro a cada semana, mas quando ingressou no ensino médio em tempo integral precisou diminuir o ritmo de leitura por causa dos estudos.

Mesmo assim, na sua rotina ela ainda encontra tempo para o trabalho voluntário em uma biblioteca, leituras e até mesmo para o aprendizado de russo. “Ouvi uma música de uma banda russa e pensei: nossa que diferente. Acabei pesquisando por livros de gramática e assisto vídeos no Youtube. No começo foi bem difícil, mas já faz três anos que eu estou estudando e consigo entender bem o idioma.”

A preferência pelo idioma fez com que muita gente ficasse surpresa e Virgínia conta que chegou a pensar em desistir. “Eu fiquei frustrada porque algumas coisas não entravam na cabeça. Mas, por meio de um site de aprendizado, conversei com um russo e ele me incentivou a continuar”, conta.

A paixão pelos livros de Virgínia só cresceu e, desde então, ela conta com uma minibiblioteca com cerca de 60 livros, além de infinitos PDFs de obras disponibilizadas em bibliotecas públicas online.

Para não ficar distante dos livros, Virgínia também é voluntária há quatro anos na Missão Intensidade, ONG que realiza trabalhos sociais com os moradores do bairro do Novo Horizonte, em Mogi das Cruzes. Ela participa de atividades como rodas de conversas com os jovens.

Livros em Movimento

Livros viajam pelas linhas de ônibus de Mogi — Foto: Reprodução/TV Diário

Já que livro não deve ficar parado, uma das empresas que opera o transporte público de Mogi colocou os exemplares para viajar nas linhas da cidade.

Os passageiros, durante a viagem, podem escolher um livro para ler e, se quiserem, podem até levar o exemplar para casa, mas depois devem devolver no ônibus.

Além da compra de livros no início da ação, a empresa também recebeu doações. Os ônibus que contam com a “biblioteca” estão identificados visualmente. Ao todo, são cerca de 500 livros no acervo.

Quem quiser colaborar com a iniciativa, pode entregar as doações em caixas identificadas nos terminais de ônibus da cidade.

Espaço infantil da biblioteca do Centro Cultural de Mogi das Cruzes — Foto: Maiara Barbosa/G1

Entrevista com Aghata Borghetti, infoeducadora

Já pensou em trabalhar como INFOEDUCADOR? Vamos descobrir hoje como é o dia-a-dia da Bibliotecária Aghata Borghetti. Ela atua como Infoeducadora no Espaço Cultural da Universidade Corporativa da Fundação Salvador Arena e bateu um papo bem interessante com a gente do Bibliothinking. Confira! ; ] 

Como surgiu essa oportunidade de atuar como infoeducadora?

Em 2017 quando a oportunidade surgiu, eu trabalhava como Auxiliar de Biblioteca Universitária, e também não sabia muito sobre a nomenclatura. Entre minhas pesquisas e entrevistas, fui me aprofundando sobre o que era e o que fazia uma Infoeducadora. Me interessei de cara quando soube a fundo com o que trabalharia, onde trabalharia e o nome dado ao ambiente da Biblioteca, que se chama Espaço Cultural, a mesma está dentro de um ambiente fabril e corporativo. Acredito que quanto mais você abre o leque de oportunidades, mais precisa conhecer ou dominar as áreas. Acredito muito na vantagem em saber de tudo um pouco. 

Quais são as atividades realizadas no seu dia-a-dia?

Bom, a infoeducação nada mais é que uma mediação sociocultural, ela vai um pouco além de ter um acervo literário, a infoeducação oferece um ambiente confortável, que convida que as pessoas a conhecerem mais, a descobrirem mais.

Dentre os projetos de infoeducação os maiores e mais interessantes são os projetos de exposições culturais. Criamos exposições a cada dois meses sobre um assunto da escolha dos próprios usuários, dessa forma tornamos o Espaço Cultural mais atrativo, dinâmico e autônomo.

Além do acervo, temos instrumentos musicais, sala para audiovisual e computadores. A maior parte do tempo, realizamos pesquisas culturais ou sobre informações que contribuam com as exposições e atividades que possam interligar o ambiente cultural com o ambiente corporativo, tem que ser criativo e gostar de trabalho manual.

“A infoeducação nada mais é que uma mediação sociocultural, ela vai um pouco além de ter um acervo literário, a infoeducação oferece um ambiente confortável, que convida que as pessoas a conhecerem mais, a descobrirem mais”. 

Quais as principais dificuldades enfrentadas nessa profissão? 

Todas as profissões sofrem de alguma forma: degradação da profissão, desvalorização e por ai vai. Acredito que a maior dificuldade na infoeducação é tornar o espaço da biblioteca um local atrativo aos usuários. A gente sabe como agradar um usuário assíduo, mas precisamos ter jogo de cintura pra conseguir fisgar os menos interessados. Não preciso nem falar sobre a falta de recursos em diversas bibliotecas. Essa é uma realidade estampada, acredito que a falta de interesse e preguiça por parte dos usuários, seja também uma grande dificuldade. 

Como você acredita que a sua formação contribuiu para atuar com Infoeducação?

A Biblioteconomia nos abre um leque diverso, interessante e muito promissor! O bibliotecário precisa se atualizar e se manter atraente, independente da sua área de atuação. A frase de Umberto Eco “Eletrônicos duram 10 anos, livros 5 séculos” é linda, inspiradora e um colírio aos olhos de um bibliotecário, mas a realidade é outra. Já levamos um peso enorme sobre a nomenclatura da nossa profissão, e estacionar nela não é um bom negócio. O bibliotecário que trabalha com educação pode migrar para esta área facilmente e até irá se adaptar muito rápido.

“Já levamos um peso enorme sobre a nomenclatura da nossa profissão, e estacionar nela não é um bom negócio”. 

Quais competências e habilidades específicas você sente que precisa para desempenhar melhor o seu trabalho hoje?

Sou formada em Biblioteconomia há 4 anos, e digo que quanto mais você sabe, quanto mais você aprende e mais está aberto a ensinar, mais fácil seu trabalho vai ficar. Sendo sincera, eu mesma não acreditava que podia ser tão criativa, e que um dia eu pudesse explorar mais dessa habilidade, muitas vezes você acaba tendo ideias promissoras que nunca imaginou ter.

O trabalho manual (corta e cola, artesanato e criação) afloram suas habilidades, deixam as atividades mais fáceis e mais rápidas. O uso das tecnologias também pode ser promissor. É bom trabalhar os dois lados, o emocional e o racional, ter uma boa postura e inteligência emocional é uma ótima competência e deve ser trabalhada sempre. 

Onde conseguir essas competências? 

Existem diversos cursos, a Biblioteconomia por si só nos ajuda muito na área da Infoeducação, pelo fato de termos o envolvimento com a parte cultural. Os cursos de criatividade, design, design thinking, gestão de projetos culturais contribuem muito também. Mesmo que você não tenha tempo, há muitos cursos online, de qualidade. E claro, o trabalho manual, criação, criatividade e design fizeram toda diferença. 

O que você conhecia sobre esse tipo de trabalho antes de se candidatar à vaga?

Na verdade eu conhecia muito pouco, a meu ver é uma nomenclatura pouco utilizada, mas a fundo vejo como um plus aos bibliotecários atuantes na área. Pouco conhecida dentro da Biblioteconomia, pois acaba quebrando um pouco a tradicionalidade da biblioteca. Tem uma linha de estudos e de ações socioculturais que se ocupam da dimensão formativa da informação. Eu não imaginava o que era, até começar a atuar. 

Você tem visto profissionais de outras formações assumindo cargos de Infoeducadores?

Pra falar a verdade eu não vejo muitos. Acredito que a nomenclatura é pouco utilizada, o infoeducador nada mais é um bibliotecário atuante da área sociocultural, que está inteiramente ligado a gestão de projetos culturais. Acredito também que podemos encontrar com maior facilidade os bibliotecários escolares atuando como infoeducadores e muitas vezes nem sabem. É uma área muito gostosa de se trabalhar, de estar, e fazer acontecer e ver sua evolução, a área poderia ser mais divulgada e mais valorizada.

“Podemos encontrar com maior facilidade os bibliotecários escolares atuando como infoeducadores e muitas vezes nem sabem”.

Conte-nos um pouco sobre algum projeto ou projetos que você desenvolveu ou participou como infoeducadora e porque ele foi relevante. 

Como mencionei, a cada dois meses realizados uma exposição sobre algum assunto relevante aos usuários. Uma vez por ano realizamos um World Café onde trocamos ideias com os usuários e eles podem nos dizer abertamente o que gostariam de ver, ter e contribuir.

Um dos projetos mais legais que participei foi a exposição “Meu PET”, nesta exposição criamos uma das decorações mais bonitas, detalhadas e temáticas em nosso espaço. O intuito era justamente aproximar e aguçar a parte afetiva dos colaboradores, desenvolver o engajamento e a participação de todos, a cada exposição realizamos indicações de livros, jogos e mídias, o que a torna mais atrativa e direta. Também pensamos em evidenciar em cada projeto – de uma forma leve, porém direta – os valores institucionais da empresa.

Dentro da empresa, todos os colaboradores estão integrados a determinados eixos de conhecimento, competências e habilidades que são desenvolvidas durante a carreira, no entanto sempre existem algumas competências que eles ainda precisam desenvolver. O Espaço Cultural auxilia esse Programa de Desenvolvimento Individual (PDI) na realização, curadoria de conteúdo, pesquisas e referências dos cursos online oferecidos especificamente para o desenvolvimento dessas competências e habilidades.

Observamos diariamente o quanto o PDI é importante e que, se levado a sério, pode ser de grande impacto para os colaboradores.

Fonte: Bibliothinking

Las 6 etapas que detallan la importancia de las bibliotecas en el apoyo a la investigación

El proceso de investigación es una búsqueda que permite formular nuevos conocimientos a partir de fuentes anteriores, permitiendo la evolución y enriquecimiento de una disciplina. Y, como ya supondréis, las bibliotecas tienen un papel destacado en el apoyo y desarrollo de la investigación. Ahora bien, ¿cómo pueden las bibliotecas ayudar a profesores, académicos e investigadores para potenciar la investigación y el conocimiento?

Las bibliotecas tienen un papel destacado en el apoyo y desarrollo de la investigación

Tal y como señala Starr Hoffman (Jefa de Planificación y Evaluación de las Bibliotecas de la Universidad de Nevada) en el vídeo «Library Support for the Research Lifecycle» publicado en YouTube, todo proceso de investigación se divide en una serie de etapas, que pueden ser muy variadas, pero que en cierta medida quedarían aglutinadas en seis:

Según el siguiente gráfico, todas y cada una de las etapas de investigación deberían ser apoyadas por los servicios bibliotecarios para que esta obtenga el éxito deseado y una óptima consecución de los objetivos. De este modo, las etapas de toda investigación serían las siguientes:

Library Support for the Research Lifecycle

1. Revisión bibliográfica

Según la Universidad de Carolina de Norte, una revisión bibliográfica analiza la información publicada en un área temática en particular y, en ocasiones, la información en un área temática en particular dentro de un período de tiempo determinado. Puede ser solo un simple resumen de las fuentes, pero generalmente tiene un patrón organizativo y combina tanto el resumen como la síntesis, entendiendo síntesis como reorganización de la información (a diferencia del resumen que sería solo un acortamiento de la misma). De acuerdo con todo esto, la biblioteca podría ayudar en la:

  • Recopilación de información.
  • Búsqueda y consulta de información bibliográfica.
  • Gestión de citas o referencias.

2. Planificación de búsqueda

Para que la investigación tenga éxito es preciso que la búsqueda de información se haga siguiendo unas pautas y parámetros preferiblemente normalizados. El profesional de la información tendrá en cuenta siempre:

  • Datos iniciales. A partir de los cuales se desarrollará la búsqueda en cuestión.
  • Infraestructura y espacio. Muy importantes para el almacenaje de la información.
  • Plan de gestión de datos. Fundamental a la hora de la entrada de nueva información o para la recuperación de la ya existente.

3. Búsqueda activa

La Asociación para la Supervisión y el Desarrollo Curricular (ASCD) indica que este tipo de investigación es un proceso disciplinado de indagación por y para quienes toman la acción. La razón principal para participar en este tipo de investigación es ayudar al actor a mejorar y/o perfeccionar sus acciones. El especialista en información pone su granito de arena aportando al investigador:

  • Recopilación de información digital y especial.
  • Soporte digital.
  • Bases de datos y sistemas de localización.

4. Publicación y presentación

La publicación y presentación de los trabajos es el fin de toda investigación. Por ello, es imprescindible el asesoramiento de un especialista acerca de:

  • Dónde publicar.
  • Creación de contenidos.
  • Apoyo de los derechos de autor.

5. Compartir la información y conservación

Tal y como nos explica el servicio bibliotecario de la Universidad de Stanfordel intercambio de datos es a menudo una parte natural del proceso de investigación, sin embargo el financiador del proyecto puede requerir que comparta sus datos o los haga públicos. Antes de compartir sus datos debe considerar no solo los metadatos que deberá proporcionar junto con los datos para que se entiendan fácilmente, sino también los problemas de privacidad, propiedad intelectual, derechos de autor o licencias que deben abordarse con respecto al intercambio. Es fundamental tener en un estado óptimo por parte del personal bibliotecario el:

  • Repositorio institucional.
  • Servicio de metadatos.
  • Servicio de datos.

6. Conversación de investigación (Acceso)

El Conversation Research Institute (CRI) indica que investigar comunicándose es, simplemente, investigar conversaciones en línea (aquellas que se encuentran en las redes sociales o cualquier otro medio en línea que permita la discusión de usuario a usuario) con el propósito de descubrir información. El profesional de la información, en este caso, deberá tener en cuenta las siguientes acciones para llevar a cabo esta fase:

  • Acceso abierto.
  • Catalogación.
  • Medición de las citas bibliográficas.

Cualquiera de las fases representadas en este post requieren del trabajo bibliotecario. El investigador recopila y detalla la información que necesita y los bibliotecarios se centran en localizar la información necesaria. Para eso, utilizarán bases de datos que indexan la bibliografía publicada, bases de datos referenciales, tesis, servicio de préstamo interbibliotecario, fuentes de información a texto completo. Además, conocerá herramientas y ayudará en la interpretación en el análisis de citas bibliográficas, muy útiles para conocer qué información es la más relevante. También, los servicios bibliotecarios son un apoyo claro para el conocimiento de los derechos de autor y su salvaguarda, conocimiento de fuentes y herramientas donde publicar contenidos.

Imagen superior cortesía de Shutterstock

Fonte: ComunidadBTZ

“Sempre existiu um apartheid entre as bibliotecas e o povo da periferia” – Entrevista com Josué de Lima (Biblioteca Comunitária do Laranjeiras)

Fiquei sabendo da existência da Biblioteca Comunitária do Parque das Laranjeiras há pouco tempo, mas o espaço já está na cidade há mais de uma década. Começou no bairro Santo André II, na periferia de Sorocaba e, em 2012, com o despejo do bairro, mudou para o Parque das Laranjeiras, local em que permanece até hoje. Conta com um acervo de mais de quatro mil obras, incluindo livros, CDs, DVDs, discos de vinil, gibis etc., além de promover atividades culturais no bairro. A biblioteca, atualmente, está em um espaço alugado e se mantém com a ajuda de comerciantes e moradores do bairro, já que não recebe apoio governamental.

Foto: Facebook/Laranjeiras – Biblioteca Comunitária.
Em uma país que investe cada vez menos na educação e na cultura (e a leitura não se separa desses campos), muito me anima ver esse tipo de iniciativa, ainda mais em uma cidade ainda carente de espaços culturais e cuja biblioteca municipal não é acessível à boa parte da população. Por isso, fiquei muito contente quando o Josué de Lima, um dos idealizadores do projeto, aceitou conversar com a Revista Livro & Café sobre a biblioteca comunitária, educação e muito mais. Espero que curtam a entrevista e queiram conhecer e ajudar esse espaço tão importante não só para a comunidade, mas para a nossa cidade como um todo!

Livro & Café: Josué, nos fale um pouco sobre você e sobre como surgiu o projeto da biblioteca comunitária.

Josué de Lima: A nossa biblioteca já tem mais de uma década de atividades, nasceu no bairro Santo André II, na periferia de Sorocaba. Alguns jovens ligados ao rock e ao rap reuniram-se e resolveram lutar em prol dela, já que as bibliotecas das escolas e a municipal não funcionavam e até hoje não funcionam como deveriam.

Foto: Facebook/Laranjeiras – Biblioteca Comunitária.

Livro & Café: Atualmente, qual é o tamanho do acervo, obras mais consultadas e público-alvo? Quais os procedimentos para o cadastramento de usuários?

Josué de Lima: É uma iniciativa popular, livre e aberta de difusão da leitura e da literatura. Qualquer pessoa pode retirar um livro, deixando registrado apenas seu nome e alguma forma de contato e o compromisso de que o livro retirado será devolvido, porque uma biblioteca serve para isso: para que os livros sejam lidos e circulem por diferentes círculos. Se ele não volta não tem problema, vamos até a pessoa e levamos outro livro para realizar a substituição.

Livro & Café: Além do acesso ao acervo, quais outros projetos e eventos são desenvolvidos na biblioteca?

Josué de Lima: Podemos destacar o curso de fotojornalismo que já formou mais de 150 fotojornalistas. Também há reuniões dos clubes de futebol do bairro, ensaios musicais, aulas de violão, doações de alimentos orgânicos, a “Noite do Vinil”, lançamentos de livros e outros eventos.

Curso de fotojornalismo ministrado por Fábio Rogério na biblioteca. Foto: Facebook/Laranjeiras – Biblioteca Comunitária.
Livro & Café: A biblioteca nasceu no Santo André II, mas, após a desocupação do bairro, passou para o Laranjeiras. Quais os desafios para manter uma biblioteca comunitária na periferia?
Josué de Lima: É muito difícil manter por causa das despesas (aluguel, energia, água, internet). Lá no Santo André não tínhamos esses gastos. Mas era o nosso sonho, e teríamos que conseguir de alguma forma. Partimos do princípio que a educação é a base para desenvolver uma casa, um bairro e um país. Observamos evolução e é isso que nos mantém firmes até hoje.

Livro & Café: O editorial da revista versa sobre a linguagem e como ela pode nos unir ou nos separar. Como você vê o papel da leitura na sua vida e na vida das pessoas que frequentam o espaço? Que exemplos positivos você pode citar?

Josué de Lima: A literatura dá senso critico e isso dá oportunidade de escolher entre errar ou não. Cresci tendo como leitura cartilhas onde a linguagem não nos representava. Não me via representado ali e isso nos afastava da escola. Minha formação e de outros jovens se deu quando criamos a Biblioteca e assim passamos a ter contato com literatura que falava daquilo que vivíamos. Depois de mais de dez anos dando acesso aos livros, observamos muitas mudanças no comportamento e na formação de centenas de jovens que passaram pelo projeto. Almejamos mais Carolinas de Jesus e Ferrez na educação nacional. Por outro lado, as pessoas também precisam entrar no mundo de quem está do outro lado e procurar conhecer e entender as pessoas que estão em outra realidade. A linguagem precisa ser uma via de mão dupla, assim como a vida.

Foto: Facebook/Laranjeiras – Biblioteca Comunitária.
Livro & Café: Como você enxerga o futuro da biblioteca e da cultura em nossa cidade?

Josué de Lima: As bibliotecas não podem ser tratadas como foram até hoje em nossa cidade. Sempre existiu um apartheid entre as bibliotecas e o povo da periferia. Até hoje os governos criaram mecanismos para afastar as pessoas do mundo da literatura e da cultura. Nos núcleos mais próximos, que são as escolas, a burocracia impede a leitura; a biblioteca municipal fica longe e a tarifa de ônibus impede o acesso. A nossa biblioteca surgiu dessa necessidade e resiste levando educação e cultura. Vida longa às bibliotecas!

Livro & Café: Nos últimos tempos, muito se discutiu sobre a crise do mercado editorial. De um lado, temos a popularização dos e-books, além do fácil acesso ao download ilegal de livros. Do outro, o livro ainda é um produto caro e o acesso a bibliotecas públicas e livrarias também não é muito facilitado. O que você pensa sobre isso e como mudar esse cenário?

Josué de Lima: De fato, vem acontecendo uma mudança de hábito dos leitores que compravam revistas e hoje preferem ler na internet. A quebra de gigantes, como a falência do Grupo Abril, é o reflexo desta crise. O preço médio de um livro é de R$ 33,00 em um pais que o vale de trasporte beira R$6,00. As pessoas ainda compram livros, mas ainda não é um gênero de primeira necessidade. O Brasil precisa se reinventar na forma de vender o livro, pois a tendência é as livrarias acabarem, mas os livros nunca. O grande problema da educação é que os governos querem formar pessoas para apertar botão e não pensar.

Livro & Café: Que dica você daria para aquelas pessoas que não têm o hábito da leitura, mas querem começar a ler?
Josué de Lima: Antes o grande desafio da leitura era o acesso aos livros por causa do preço. Hoje os maiores inimigos da leitura são o valor e também o celular. A dica é desligar o celular e separar duas horas do dia para a leitura. Aqui na biblioteca, temos um projeto de incentivo à leitura no qual presenteamos a criança com doces quando ela empresta um livro. Se ela trouxer um resumo ou até mesmo um desenho, ela ganha uma sacolinha de doces. Está dando resultados; até os país estão tendo que ler para as crianças que ainda não dominam a leitura.
Josué de Lima, idealizador da biblioteca comunitária. Foto: Facebook/Josué de Lima.
Para quem quiser conhecer mais, a biblioteca está localizada na Rua Michel Chicri Maluf, 450, em Sorocaba, e funciona das 09h às 17h (horário sujeito a alterações). Ela também possui uma página no Facebook. Vamos visitá-la e apoiá-la?

Imagem de capa: Facebook/Laranjeiras – Biblioteca Comunitária

Fonte: Livros & Café

Master Class – Três temas importantes na formação do bibliotecário

Em Breve a Professora Bernadete Campello lançará um curso EAD sobre Biblioteca Escolar! Serão 30 videoaulas com conteúdos dos seus mais atualizados estudos no Brasil e no mundo sobre a área! Ótima oportunidade de nos consolidarmos no mercado!

Nesta Master Class a Profª. e Pesquisadora em Biblioteconomia Escolar Bernadete Campello, abordará três temas importantes na formação do bibliotecário.

Venha compartilhar conhecimentos a partir do dia 12/03/2019 às 20 horas.

INSCREVA-SE AQUI 

Fonte: Escolha Certa Educacional

WEBINAR: O bibliotecário e as múltiplas formas de disseminação de evidências em saúde.

WEBINAR: O bibliotecário e as múltiplas formas de disseminação de evidências em saúde.
Dia 21.02 às 10h

Registre-se aqui ➡️ https://bit.ly/2TS8ZUC

Este webinar gratuito visa despertar o bibliotecário para novas e significativas frentes de trabalho junto às equipes de saúde. Vagas limitadas.

Clique no link de acesso ao webex ( https://bit.ly/2TS8ZUC ) e em seguida no botão “Register” para submeter os dados solicitados. Após efetuar o registro você receberá um e-mail de confirmação com instruções para ingressar na sessão.

Tesoros literarios del pasado: los valiosos 173 incunables de la Biblioteca Nacional de México

Portada - Silvia Salgado con un libro de coro conventual del año 1713. (Fotografía: La Gran Época/Fernando Velázquez (UNAM))

Tesoros literarios del pasado: los valiosos 173 incunables de la Biblioteca Nacional de México

En la historia de México, distintos sucesos relevantes ocurrieron en el siglo XV, y entre los más importantes resulta necesario destacar el hecho de haber sido el primer país de América en poseer una imprenta, lo que dio origen a una nueva ilustración que influyó notablemente en el desarrollo de la cultura mexicana.

Todo ello provocó que también se convirtiese en uno de los primeros países del Nuevo Mundo en contar con las primeras y más relevantes bibliotecas de América. Actualmente destaca en él la  Biblioteca Nacional de México (BNM) , perteneciente a la Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM) , por albergar un acervo cultural formado por más de 1.250.000 piezas. Entre tan valiosos documentos destacan 173 libros incunables –fechados entre 1469 y 1500–, además de varios volúmenes ilustrados a mano y con letras de oro. También cuenta con la obra mecanografiada Los murmullos –titulada después como ‘Pedro Páramo’– , con anotaciones de puño y letra de su autor, Juan Rulfo, así como con diversas colecciones de bibliotecas conventuales.

Su cúmulo se divide en dos secciones: la moderna, que reúne ejemplares del siglo XX al XXI, y los fondos reservados –tanto de la biblioteca como de la hemeroteca– que pueden tener libros modernos, y también incunables. Los incunables –del latín ‘incunabula’, en la cuna– son “hijos de la primera imprenta”. Entre ellos se pueden encontrar obras como  La Divina Comedia  (Venecia 1493), de Dante Alighieri . Provienen principalmente de bibliotecas novohispanas y de conventos, pues hay que recordar que la Biblioteca Nacional es producto de las Leyes de Reforma y la desamortización de bienes”, explica la doctora y coordinadora de la BNM, Silvia Salgado Ruelas .

Incunable de La Divina Comedia (año 1493) que alberga la Biblioteca Nacional de México. (Fotografía: La Gran Época/Fernando Velázquez (UNAM))
Incunable de La Divina Comedia (año 1493) que alberga la Biblioteca Nacional de México. ( Fotografía: La Gran Época/Fernando Velázquez (UNAM) )

En la Sala Mexicana , un recinto que contiene grandes tesoros mexicanos, se coleccionan impresos realizados en el país desde el año 1554 hasta 1821. Además, quienes acudan a la BNM también podrán acceder a la Colección de José María Lafragua , al archivo de Carlos Pellicer , a la biblioteca personal de Boris Rosen –pareja de Raquel Tibol –, a las obras que conformaron el acervo de la Antigua Catedral de México o a la colección hemerográfica mexicana, que abarca desde 1772 hasta el presente.

Lo que la biblioteca reúne no se va a encontrar, como colección, en ningún otro lado. Conservamos ejemplares únicos, tanto mexicanos como extranjeros, colecciones de personajes e instituciones que muestran la historia y formación cultural e intelectual de esta nación”, añadió la profesora Salgado .

Cómo se creó la BNM

Inicialmente, la Biblioteca Nacional fue establecida en el templo de San Agustín, ubicado en el Centro histórico de la Ciudad de México, por decreto del presidente Benito Juárez en el año 1867. En 1929, cuando la UNAM logró su autonomía, se puso a su cargo la Biblioteca Nacional, y de esta manera se convirtió en la primera de la historia en estar a cargo de una Universidad: generalmente las Bibliotecas Nacionales se encuentran al resguardo de secretarías o de ministerios de Educación y Cultura.

Libro de horas (origen parisino – año 1450). (Fotografía: La Gran Época/Fernando Velázquez (UNAM))
Libro de horas (origen parisino – año 1450). ( Fotografía: La Gran Época/Fernando Velázquez (UNAM) )

En 1944, debido al crecimiento de los periódicos y las hemerotecas, cuyo desarrollo siempre es más acelerado que el de una biblioteca, ésta salió del Antiguo Templo de San Agustín y fue trasladada al Antiguo Templo de San Pedro y San Pablo, aunque no existiese un decreto oficial de creación. Hubo que esperar hasta 1979 para volver a reunir a la BNM y la Hemeroteca Nacional en el edificio que actualmente ocupan, en la Ciudad Universitaria. Luego, en 1992, se instaló una construcción adicional donde se albergan los fondos antiguos o reservados de ambas.

No hemos terminado de hacer el inventario pues traemos un rezago histórico, pero aproximadamente tenemos 1.250.000 piezas, además de dos millones de imágenes de la biblioteca y más de siete millones más de la hemeroteca. De ese tamaño es la riqueza de la BNM”, concluyó finalmente la experta Silvia Salgado.

Imagen de portada: Silvia Salgado con un libro de coro conventual del año 1713. ( Fotografía: La Gran Época/Fernando Velázquez (UNAM) )

Autor: La Gran Época .

Este artículo fue publicado originalmente en La Gran Época y ha sido publicado de nuevo en www.ancient-origins.es con permiso.

Fonte: Ancient-Origins.es

Biblioteca de Pederneiras expõe miniaturas de artesão da cidade

Aposentado começou a fazer as esculturas após descobrir câncer

Confecção das miniaturas funciona como terapia para artesão. Prefeitura de Pederneiras/Divulgação

Pederneiras – A Biblioteca Municipal “Paula Rached” de Pederneiras (26 quilômetros de Bauru) recebe uma exposição de miniaturas de madeira e alumínio confeccionadas pelo artesão pederneirense Jorge Fagundes de Brito, um aposentado de 58 anos que, após a descoberta de um câncer de pele, começou a fazer as esculturas para se distrair e aliviar o estresse trazido pela doença.

“A Biblioteca sempre procura expor e valorizar a criatividade pederneirense e esse é, além disso, um exemplo de superação. Convido a todos para visitarem a exposição e aproveitarem para conhecer os novos livros que a biblioteca adquiriu recentemente”, declara a bibliotecária Adriana Couto.

A Biblioteca Municipal fica na eua Santos Dumont, O-40, Centro, ao lado da Secretaria Municipal de Educação, e funciona das 7h30 às 11h30 e das 13h às 16h30. Informações pelo (14) 3252-3100.

Fonte: Jornal da Cidade

Ex-aluno FESPSP é escolhido Diretor de Cultura de Cajamar

Fabio Machado estudou Biblioteconomia entre 2013 e 2015.

O curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação da FESPSP prepara profissionais para trabalharem com informação em suas mais diferentes plataformas e estilos. Uma das alegrias da FaBCI-FESPSP é receber as notícias do sucesso de seus egressos. Nesta semana foi a vez de recebermos a de que Fabio Machado, formado na FaBCI, foi escolhido como novo diretor de Cultura de Cajamar.

Fabio atua na área desde 1993, quando iniciou um curso de teatro nas oficinas culturais de Cajamar. “No ano de 2005 eu comecei a trabalhar na então Diretoria Municipal de Cultura e Turismo, em uma das bibliotecas da cidade, elaborando projetos culturais que incluíam concursos literários, organização de exposições e feiras de artes, saraus e as mais variadas ações culturais, não só na biblioteca mas em toda a diretoria”, explica.

O interesse pelo curso de Biblioteconomia veio quando ele assistiu a uma palestra da professora Valéria Valls (hoje diretora da FaBCI) na Biblioteca de São Paulo. “Senti a necessidade de aprofundar os conhecimentos relacionados à área”, completa Fabio, que frequentou a FESPSP diariamente entre 2013 e 2015, e hoje faz pós-graduação em Gestão Cultural no Senac.

O convite para ser diretor da área de cultura em Cajamar surgiu pela experiência de Fabio no departamento. “Certamente o curso de Biblioteconomia colabora para o entendimento da área de gestão. O universo de uma unidade de informação é um exercício diário de administração que poderá ser aplicado em qualquer equipamento, considerando as suas particularidades”, relembra o novo diretor de Cultura de Cajamar.

Parabéns pela nomeação, Fabio! Para a FESPSP é uma gratificante receber esta notícia. Desejamos todo sucesso na carreira e em seus projetos!

Fonte: FESPSP

Biblioteca é selecionada para sediar capacitações do SisEB

No total foram recebidas 61 inscrições, todas avaliadas pela SP Leituras

A Biblioteca Municipal Macedo Soares foi selecionada pelo SisEB – Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São Paulo) para sediar as capacitações presenciais em 2019. No total foram recebidas 61 inscrições de outros municípios, todas avaliadas pela SP Leituras – Associação Paulista de Bibliotecas e Leitura/SisEB, levando-se em conta o atendimento aos critérios técnicos de seleção previstos no edital.

Trata-se de uma iniciativa voltada para as bibliotecas públicas municipais vinculadas ao sistema e com situação regular de cadastramento junto ao SisEB. ”Nossa seleção neste edital é uma novidade e não havia acontecido antes em Jacareí”, destaca o bibliotecário e supervisor de Unidade de Biblioteca, Luís Cláudio Borges.

“Para nós, da Biblioteca Macedo Soares, é motivo de orgulho termos sido escolhidos como uma das bibliotecas/sede das capacitações em 2019. É importante participar desse tipo de circuitos de formações e capacitações, pois coloca a Biblioteca Municipal de Jacareí numa posição destacada junto com outras grandes bibliotecas públicas de SP’, disse o bibliotecário.

“Além disso nos ajuda na melhoria da eficiência das equipes que atuam nas bibliotecas municipais da cidade e colaboram também para o aprimoramento da qualidade dos serviços que prestamos a comunidade leitora da Biblioteca. Favorece ainda o fortalecimento do relacionamento entre a biblioteca e o público de frequentadores, professores e profissionais da educação de Jacareí.

O edital para sediar capacitações presenciais – SISEB 2019 visa oferecer cursos, oficinas, palestras e outros eventos presenciais a serem realizados nas bibliotecas públicas selecionadas em 2019. Os públicos alvos que serão atendidos pelas capacitações são bibliotecários e profissionais de bibliotecas, professores, educadores, profissionais de educação e comunidade em geral interessada nos cursos.

111 anos – Fundada em 8 de setembro de 1908, a Biblioteca Municipal “Macedo Soares”, localizada na Av. Nove de Julho, 215, estará comemorando 111 anos de sua fundação este ano. Considerada como uma das Bibliotecas Públicas mais antigas do Estado de São Paulo, recebeu o nome “Macedo Soares” em 7 de maio de 1945, durante a gestão do prefeito Augusto de Siqueira.

Fonte: Prefeitura de Jacareí

9 programas para gestionar tu biblioteca personal de libros electrónicos

Herramientas para administrar y gestionar nuestra colección de libros electrónicos

9 programas para gestionar tu biblioteca personal de libros electrónicos

En ocasiones, nuestra biblioteca personal de libros electrónicos vive en un caos absoluto. Son tantos los archivos que tenemos en el disco duro (en el mejor de los casos organizados por carpetas de autor o año) que nos da muchísima pereza ponernos a darle un poco de sentido y orden a nuestra colección digital. Este problema no va a desaparecer por sí solo, es más, seguro que va a ir creciendo con el paso de los años.

Pasamos por etapas en las cuales nos gusta ir acumulando más y más archivos de libros electrónicos, y que lo más seguro es que nunca leamos. Poseídos por una fuerza que nos empuja hacia el tsundoku digital(aunque se asemeja más a un síndrome de Diógenes digital) nos vemos arrastrados a descuidar la importancia de la catalogación y organización para saber qué tenemos y dónde lo tenemos. De ahí la importancia de contar, al igual que sucede con nuestra biblioteca personal de libros impresos, con herramientas para administrar y gestionar nuestra colección de libros electrónicos.

Sin duda que Calibre es la mejor opción (seguro que ya conocéis este software para administrar los ebooks), pero existen otras alternativas. Otros programas con los cuales administrar, gestionar, catalogar y organizar nuestra colección digital. Y con los cuales podremos, entre otras cosas, gestionar los metadatos de los libros electrónicos, convertir nuestros ebooks a otros formatos, crear estanterías digitales personalizadas… Nada que no pueda hacer Calibre. Aun así, os presento a continuación una lista con algunos programas para administrar libros electrónicos (ebooks management)… porque en los pequeños detalles están las grandes diferencias.

1. Calibre

Calibre es un administrador de libros electrónicos poderoso y fácil de usar. Los usuarios de dicha herramienta dicen que es excepcional y que no puede faltar. Con ellas podrás ahorrar tiempo en la gestión de tu colección de libros electrónicos, usarlo en cualquier parte, dispone de un visor de ebooks completo, además podrás editar los libros de tu colección. También es completamente gratuito y de código abierto, ideal para usuarios ocasionales y expertos en informática.

Calibre

2. Alfa eBooks Manager

Alfa Ebooks Manager es un programa que te permite organizar tus libros electrónicos y en papel en una única biblioteca electrónica. Con este programa podrás tener todos tus libros en un solo lugar y catalogar cualquier información del libro. También podrás personalizar la apariencia de tu biblioteca electrónica y escanear (y editar) los metadatos de los ebooks. Dispone de un lector de libros electrónicos incorporado y podrás convertir tus libros electrónicos de un formato a otro, entre otras cosas.

Alfa Ebooks Manager

3. Adobe Digital Editions

Adobe Digital Editions permite organizar tus publicaciones digitales y administrar tus dispositivos con opciones para crear estanterías personalizadas ordenadas por título, autor y editor. También permite buscar palabras clave en todos los capítulos de tus libros electrónicos a través de una funcionalidad intuitiva de búsqueda de texto completo. Además, de ser una buena solución es imprescindible para solicitar en préstamo libros electrónicos en la biblioteca.

Adobe Digital Editions

4. Booknizer

Booknizer es un poderoso organizador de bibliotecas para libros en cualquier formato: papel, electrónico (EPUB, MOBI, PRC, PDF, FB2) y de audio (MP3, M4b, WMA, etc.). Con la ayuda de este programa podrás: Ordenar tu biblioteca y organizar tus libros de manera sencilla, recordar el argumento de un libro en particular y cuánto te ha gustado, obtener información sobre otras obras del autor y su biografía, y llevar un registro de los libros que prestas a tus amigos.

Booknizer

5. LUCIDOR

LUCIDOR es un programa de ordenador para leer y gestionar tus libros electrónicos. Admite libros electrónicos en el formato de archivo EPUB y catálogos en formato OPDS. Con este programa podrás leer libros electrónicos en EPUB, organizar tu colección de libros electrónicos en una librería local, buscar y descargar libros electrónicos de Internet y convertir feeds y páginas web en libros electrónicos.

LUCIDOR

6. eXtreme Books Manager

Con eXtreme Books Manager podrás administrar todos tus libros electrónicos en tu disco duro, además de tus libros, revistas y cómics. Dispone de un nuevo diseño con más opciones para elegir y una nueva interfaz más limpia y simple. Con este programa podrás catalogar tus libros electrónicos simplemente escaneando tus dispositivos. El escáner del dispositivo es nuevo, ahora es más inteligente y puede catalogar automáticamente toda tu colección.

eXtreme Books Manager

7. BookONO E-book Manager

BookONO es un administrador y lector de libros electrónicos (PDF y EPUBs) diseñado como un complemento para Calibre. Donde Calibre intenta tomar control total sobre tus libros, este programa te da control sobre ellos. Intenta además tomar una dirección diferente en términos de su interfaz de usuario, proporcionando una experiencia estética más agradable para el usuario que Calibre. También permite la sincronización y que múltiples personas puedan acceder a tus libros desde cualquier lugar.

BookONO

8. All My Books

All My Books es un software fácil de usar y realmente poderoso. Con este programa podrás gestionar y organizar tu biblioteca de libros de manera sorprendentemente rápida y fácil. Recoge información sobre libros de varias bases de datos en línea tan pronto como ingresas el título del libro. Por lo tanto, te ayuda a administrar tu biblioteca de libros sin esfuerzo y te ofrece un montón de funciones vitales para cada colección de libros electrónicos.

All My Books

9. Epubor

Epubor es un buen administrador de libros electrónicos que te permite administrarlos desde diferentes fuentes. Te ayuda a clasificar, modificar, convertir y transferir tus libros electrónicos, y facilita la gestión de tus colecciones electrónicas. Con este programa podrás catalogar tus libros electrónicos y modificar sus metadatos, o convertir y transferir libros electrónicos encriptados, entre otras funcionalidades.

Epubor

Imagen superior cortesía de Shutterstock

Fonte: Julián Marquina

Biblioteca inclusiva… ¿Por dónde empiezo?

Que una biblioteca sea inclusiva no depende únicamente de la eliminación de barreras arquitectónicas. La cadena de accesibilidad se inicia en la vivienda del usuario a través de la vía pública y el uso o no de transporte hasta la entrada de la biblioteca. Una vez dentro de la biblioteca debe continuar hasta conseguir su objetivo.

Esta cadena de accesibilidad no debe romperse en ninguno de sus eslabones y una vez en la biblioteca los bibliotecarios y bibliotecarias tenemos una importante tarea que realizar: que nuestros serviciosactividades fondos documentales sean accesibles.

¿Qué es una cadena de accesibilidad?

Conjunto de acciones que prevé realizar una persona. Desde el punto de origen hasta su objetivo que incluye la circulación, aproximación, acceso, uso, etc. Realizadas con independencia, facilidad y sin interrupciones.

dibujo de una cadena de accesibilidad

Si cualquiera de estas acciones no son posibles de realizar, la cadena se corta y el itinerario, espacio o situación se torna inaccesible.

¿Por donde empiezo?

Esta pregunta es bastante más fácil de contestar de lo que pensamos de entrada. Debemos empezar por ¡Cambiar el chip!

Es evidente que las bibliotecas no van a pasar de no ser inclusivas a serlo de la noche a la mañana, pero en nuestras manos está conseguir avanzar en la dirección de la accesibilidad. Cambiar de chip significa pensar en cada una de las acciones que hacemos diariamente: un nuevo servicio, organizar una actividad, realizar una selección de fondo documental, diseñar un flyer de difusión…

Si cada vez que realizáramos una de estas acciones nos parásemos un momento a pensar en cómo cubrir las necesidades de los colectivos con discapacidad estaríamos dando un paso hacia la accesibilidad y con ello a la inclusión.

Antes de realizar cualquiera de ellas, deberíamos plantearnos y dar respuesta a algunas preguntas:

  1. ¿A qué colectivos con discapacidad podría interesar? –> Usuarios objetivo
    1. ¿Personas ciegas o con baja visión?
    2. ¿Personas sordas o con baja audición?
    3. ¿Personas con discapacidad cognitiva?
  2. ¿Cómo puedo llegar hasta ellos?
    1. ¿Conozco las asociaciones u otras entidades de mi ciudad o zona?
    2. ¿Puedo localizarlas?
  3. ¿Cómo puedo hacerlo/a más accesible?
    1. ¿Adaptando el flyer de difusión? ¿letra grande y contrastada en color?, ¿Lectura Fácil?, ¿áudio?, ¿braille?, ¿evitando imágenes sin atributos?, ¿pdf accesible?…
    2. ¿Interprentando la actividad en lengua de signos?.
  4. ¿Que documentos puedo ofrecer para cubrir todas las necesidades lectoras y culturales?
    1. ¿Lectura Fácil?
    2. ¿Áudio libros?
    3. ¿Libros en Lectura Fácil?, ¿Pictogramas? ¿Lengua de signos?…
    4. ¿Películas con audiodescripción?

La lista de preguntas sería bastante más amplia. Tan solo debemos parar un momento a reflexionar. Pero para ello es indispensable la formación. Ese es el único modo de saber cuáles son las necesidades lectoras y de acceso a la información o de disfrute, de los diferentes colectivos con discapacidad.

De nada nos sirve tener nuevas tecnologías en la biblioteca si luego no sabemos a que colectivos les puede ser útil.

El primer paso hacia la inclusión de las bibliotecas pasa por realizar una auditoría

Por una empresa especializada que analice todos y ponga en evidencia cuales son nuestros puntos fuertes y débiles. Que nos genere un estado de la cuestión. Saber cómo estamos y hacia donde tenemos que ir priorizando las acciones más importantes que debemos llevar a cabo (principalmente cuando no cumplimos la normativa vigente).

Diez cosas que deberíamos saber sobre las personas con discapacidad

  1. Un elevado porcentaje de personas que tienen alguna discapacidad pueden acceder a la lectura, a la cultura y a la información, a las actividades y a los servicios que ofrecen las bibliotecas, con los apoyos necesarios.
  2. Las personas sordas profundas no pueden leer un libro convencional, pero sí un libro en Lectura Fácil.
  3. También pueden ver una película con subtítulos adaptados a personas sordas.
  4. Si son signoparlantes pueden disfrutar de muchas de las actividades que ofrecen las bibliotecas si se interpretan en lengua de signos.
  5. Las personas con baja audición pueden disfrutar de las actividades de la biblioteca si esta tiene instalada un bucle magnético.
  6. Las personas ciegas pueden leer un libro convencional si cuentan con un escaner de texto.
  7. Los lectores de pantalla no pueden leer imágenes (por ello es importante dotarlas de atributos que sí pueden leer). Sí pueden leer un pdf accesible.
  8. Existen lupas de mano y lupas digitales para facilitar la lectura personas con baja visión.
  9. Las personas con discapacidad cognitiva (si no es muy severa) pueden leer libros en Lectura Fácil, pictogramas o libros de imágenes.
  10. También pueden disfrutar de una película convencional, con audiodescripción o de la música que se ofrece en las bibliotecas.

Fonte: BIBLOGTECARIOS

Dez dicas de leitura para o primeiro semestre

Confira as sugestões que atendem todas as faixas etárias

O ano escolar começou com tudo e a Biblioteca do Colégio Marista Ribeirão Preto (SP) acaba de receber uma coleção de livros novinha em folha para estimular a imaginação de quem frequenta o espaço. E para você não perder o hábito de leitura, a bibliotecária Daniella Santos separou dez dicas de livros, que atendem todas as faixas etárias, para o primeiro semestre do ano e que vale a pena conferir.

Livro: Amoras
Autor: Emicida
Editora: Companhia das Letras

O rapper e produtor Emicida lançou em 2018 a sua primeira obra infantil, abordando a temática da importância de se reconhecer no mundo e mergulhar na complexidade de ser quem somos. É uma história verídica, baseada na interação do escritor com a filha de 7 anos debaixo de um pé de amora.

Livro: Caio vai à Biblioteca
Autor: Liesbet Slegers
Editora: Carochinha

O livro faz parte de uma série em que o personagem principal, Caio, é colocado em diversos momentos da rotina de uma criança da primeira infância. Aborda de maneira lúdica as descobertas, vivências em uma biblioteca infantil e o encantamento com o mundo da literatura.

Livro: 100 Primeiras Palavras
Editora: Ciranda Cultural

Nos primeiros anos de vida, as crianças estão imersas no universo das descobertas. Este livro tem a intenção de viabilizar, por meio da ludicidade um contato inicial com os signos e com o mundo letrado, no qual a família tem um papel efetivo na mediação da leitura.

Livro: Anuk Bobuk Tontuk e uma Foca Branca
Autor: Emilio Urberuaga
Editora: Iluminuras Inf/Juv

Em um cenário frio e todo branco no círculo polar ártico, Anuk, um urso que é “como um bombom de chocolate num copo de leite!”, adora se divertir com os seus irmãos. Com o passar do tempo, as diferenças acabam afastando-os e, assim, inicia-se essa história profunda e reflexiva.

Livro: A casa na árvore com 13 andares
Autor: Andy Griffiths
Editora: Fundamento

O livro é o primeiro de uma série recheada de aventuras engraçadas e criativas. Conta a história de uma árvore que tem vários andares. No 13º ela tem uma pista de boliche, um tanque de tubarões devoradores, uma catapulta enorme, entre outros lugares inusitados que aguçam os invasores.

Livro: A Parte Que Falta Encontra o Grande O
Autor: Shel Silverstein
Editora: Companhia das Letrinhas

Na continuação do famoso livro A parte que falta, o autor possibilita uma reflexão sobe a vida, amor-próprio e completude. A obra é construída com muita simplicidade e um lirismo literário comovente que encanta os leitores de diversas idades. “Você não pode rolar comigo, disse o Grande O, mas talvez possa rolar sozinha”.

Livro: A Repolheira
Autor: Claudia Nina
Editora: Aletria

É ao mesmo tempo uma história de amor e um conto de fadas, embora esse conto de fadas tenha uma princesa, que não é bem uma princesa. A autora dessa belíssima e encantadora obra esteve presente no Colégio Marista Ribeirão Preto em 2018, mostrando os bastidores dessa obra literária.

Livro: A sorte segue a coragem! Oportunidades, competências e tempos de vida

Autor: Mario Sergio Cortella
Editora: Planeta

A obra mais recente do escritor Mario Sergio Cortella proporciona para o leitor uma apreciação da “sorte” por um outro ponto de vista. O livro passeia por temas como ética, coragem, casualidade, tempo e pausas com muita propriedade nas abordagens.

Livro: O livro da Literatura
Editora: Globo

Este volume faz parte de uma série de livros infográficos com diversos temas, entre eles a literatura. Apresenta ótimo trabalho gráfico e designer de informação que propicia a leitura fluida na qual pode-se mergulhar a fundo no mundo da literatura. A edição inclui alguns dos principais escritores brasileiros.

Livro: Quarto de despejo: diário de uma favelada
Autor: Carolina Maria de Jesus
Editora: Ática

O livro é notável em muitos aspectos. Trata-se de uma escrita testemunhal sobre o cotidiano da autora Carolina Maria de Jesus (1914–1977) e dos moradores da Favela do Canindé, em meio à explosão urbana que São Paulo passava na época, com os consequentes sofrimentos, indignações, revoltas e angústias que a população marginalizada era obrigada a superar diante de sua situação de miséria e desamparo.

Fonte: Clipp Segs – Portal Nacional

Los 8 objetivos de la biblioteca escolar en el proceso educativo

El éxito de los estudiantes también reside en la presencia y utilización de las bibliotecas escolares. Son éstas las encargadas de proporcionar información e ideas a su comunidad educativa, además de proporcionar las competencias necesarias para su aprendizaje y las encargadas de desarrollar su curiosidad e imaginación. Y es que las bibliotecas escolares, pese a quien le pese, son imprescindibles dentro de las instituciones educativas.

La biblioteca escolar es un elemento esencial de cualquier estrategia a largo plazo para alfabetizar, educar, informar y contribuir al desarrollo económico, social y cultural.

Las bibliotecas escolares son imprescindibles en los centros educativos

La UNESCO habla de la importancia de la biblioteca escolar en su manifiesto elaborado junto a la IFLA. Dicho manifiesto hace mención a la función de la biblioteca escolar en la enseñanza y el aprendizaje, a su misión, financiación, legislación y redes, a sus objetivos, a su personal y a su funcionamiento y gestión.

La biblioteca escolar ofrece servicios de aprendizaje, libros y otros recursos que permiten a todos los miembros de la comunidad escolar forjarse un pensamiento crítico y utilizar eficazmente la información en cualquier formato y medio de comunicación. Las bibliotecas escolares están conectadas con la vasta red de bibliotecas e información, de acuerdo con los principios del Manifiesto de la UNESCO sobre la Biblioteca Pública.

Hace referencia a la importancia de la figura del bibliotecario. Este debe ser el conector de la información en cualquier soporte y formato con su comunidad educativa. Además hace mención a que deben ser profesionales competentes en la planificación de distintas técnicas de utilización de la información y apoyar a profesorado y estudiantes en su evolucionado y formación. También hace referencia a la importancia de la cooperación entre bibliotecarios y docentes en pro del estudiante. Como comentamos ya hace un tiempo, existe una fuerte relación ente el rendimiento de los estudiantes y las bibliotecas escolares.

Se ha demostrado que, cuando los bibliotecarios y los docentes cooperan, los alumnos logran alcanzar niveles más altos en conocimientos básicos, lectura, aprendizaje, solución de problemas y competencias en materia de tecnologías de la información y la comunicación.

También hace referencia a la colección de la biblioteca escolar, la cual no debe estar sometida a ningún tipo de censura ideológica, política o religiosa… tampoco elaborada por presiones comerciales. Y a que deben contar con la financiación necesaria para cumplir sus objetivos.

Los objetivos de la biblioteca escolar

  • Respaldar y realizar los objetivos del proyecto educativo del centro escolar y del plan de estudios.
  • Inculcar y fomentar en los niños el hábito y el placer de la lectura, el aprendizaje y la utilización de las bibliotecas a lo largo de toda su vida.
  • Ofrecer oportunidades para realizar experiencias de creación y utilización de información a fin de adquirir conocimientos, comprender, desarrollar la imaginación y entretenerse.
  • Prestar apoyo a todos los alumnos para la adquisición y aplicación de capacidades que permitan evaluar y utilizar la información, independientemente de su soporte, formato o medio de difusión, teniendo en cuenta la sensibilidad a las formas de comunicación que existan en la comunidad.
  • Facilitar el acceso a los recursos y posibilidades locales, regionales, nacionales y mundiales para que los alumnos tengan contacto con ideas, experiencias y opiniones varias.
  • Organizar actividades que estimulen la concienciación y la sensibilización en el plano cultural y social.
  • Trabajar con el alumnado, el profesorado, la administración y las familias para realizar el proyecto educativo del centro escolar; proclamar la idea de que la libertad intelectual y el acceso a la información son fundamentales para ejercer la ciudadanía y participar en una democracia con eficiencia y responsabilidad.
  • Fomentar la lectura y promover los recursos y servicios de la biblioteca escolar dentro y fuera del conjunto de la comunidad escolar.

8 objetivos de las bibliotecas escolares

Imagen superior cortesía de Shutterstock

Fonte:  ComunidadBTZ

Vídeo tutorial para utilização da biblioteca do IFB é disponibilizado em Libras

As bibliotecas do Instituto Federal de Brasília (IFB) agora contam com um vídeo tutorial demonstrando como utilizar os principais serviços da biblioteca. Gravado em Libras, o vídeo é fruto de um projeto de extensão coordenado pelo auxiliar de biblioteca do Campus Brasília, Jadir Viana Costa, com o apoio da intérprete de Libras Ester Duarte Tominaga e das alunas Stéfane Soares Cordeiro, Sara Erminia Ferreira Leite e Cristiane da Costa Castro. O processo de gravação e a edição do material foram realizados pelo servidor Alexandre de Souza Garcia, da Diretoria de Comunicação (Dicom).

A coordenadora-geral de biblioteca do IFB, Mariela do Nascimento, acredita que o projeto trouxe às bibliotecas mais uma ferramenta para facilitar o acesso e socializar conhecimentos e suas produções. Assista ao vídeo completo:

Fonte: Instituto Federal de Brasília

Biblioteca Municipal oferece curso gratuito on-line de Mediação de Leitura

Texto por Leo Vais

Objetivo do curso é formar profissionais que façam a ponte entre o leitor e os livros

A Biblioteca Municipal Adelpho Poli Monjardim abriu um ciclo de cursos para Mediação de Leitura através da Plataforma Recode, que integra o Programa Nacional Conecta Biblioteca.

Os cursos são on-line e gratuitos e podem ser feitos através de smartphones, tablets, notebooks ou computadores, em casa ou no trabalho.

A formação tem 10 módulos – uma por mês – e acontece até o final de 2019, em parceria com a PUC-Rio/Cátedra. A carga horária total é de 100 horas. O aluno terá sempre um webinar (webconferência) do curso do mês com o professor responsável.

Módulos

Módulo 1 – Novas Tecnologias
Módulo 2 – Contação de histórias
Módulo 3 – A Biblioteca como espaço de leitura
Módulo 4 – Mediação de leitura
Módulo 5 – Literatura infanto-juvenil
Módulo 6 – Práticas leitoras
Módulo 7 – Leitura e Relações de Trabalho
Módulo 8 – O Sentido da Leitura e a Leitura dos Sentidos
Módulo 9 – Dinamização de Acervos
Módulo 10 – Biblioterapia

Inscrições

As inscrições podem ser feitas pessoalmente na Biblioteca Municipal, que fica na rua Muniz Freire, 23, Cidade Alta, ou pelo telefone (27) 3381-6926, das 12 às 19 horas. Para se inscrever, é necessário informar nome completo, CPF, endereço de e-mail válido e ativo e número de celular.

Podem participar quaisquer interessados: bibliotecário, professor, contador de histórias, estudante ou profissionais que desejam aprender e aperfeiçoar suas habilidades pessoais e profissionais.

Cada participante receberá, ao final de cada módulo cursado, um certificado com o selo iiLER/Cátedra UNESCO de Leitura PUC-Rio. A conclusão completa dessa formação renderá um certificado especial de formação em Mediação de Leitura, emitido com o selo iiLER/PUC-Rio.

Recode

Recode é uma organização social voltada ao empoderamento digital, que busca formar jovens autônomos, conscientes e conectados a partir do uso da tecnologia.

Com mais de 20 anos de atuação em tecnologia, formação de redes e cidadania, a organização atua em parceria com bibliotecas, escolas públicas e instituições comunitárias, visando formar uma grande rede que promova uma nova consciência e gere oportunidades aos jovens brasileiros em situação de vulnerabilidade social.

Hoje, a Recode integra uma rede presente em sete países e já impactou mais de 1,7 milhão de vidas. 

Fonte: Prefeitura de Vitória

BIBLIOTECA TERÁ CAPACITAÇÕES DO SISTEMA ESTADUAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

Capacitações tem o objetivo de promover a melhoria da eficiência das equipes que atuam nas bibliotecas.

A Prefeitura de Tatuí, por meio de seu equipamento de Cultura, a Biblioteca Municipal “Brigadeiro Jordão”, foi selecionada para sediar as capacitações presenciais do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São Paulo (SIsEB), realizadas em cidades do interior e do litoral paulista. Das 21 cidades selecionadas Tatuí é a única da Região Metropolitana de Sorocaba a ser contemplada pelo edital.

Em janeiro o SIsEB abriu inscrições das bibliotecas interessadas em sediar as capacitações, e desde a entrega da Biblioteca Municipal em 18 de outubro de 2018, apresentando espaços mais aptos a atender uma demanda de atividades, além de realizar os empréstimos de livros e um local de pesquisa, os gestores culturais ficaram atentos para não perder nenhuma inscrição realizada pelo SIsEB. E, nesta terça-feira (05/02), a Biblioteca recebeu a grata surpresa da lista de selecionados. “Assim que formos informados sobre as datas de capacitações estaremos divulgando para que todos possam ter acesso”, comemora o diretor municipal de Cultura, Rogério Vianna.

As capacitações tem o objetivo de promover a melhoria da eficiência das equipes que atuam nas bibliotecas integrantes do SisEB, visando o aprimoramento da qualidade dos serviços prestados e a satisfação da comunidade usuária; propiciar a adequação do perfil das equipes existentes para atender a demandas da comunidade por novos serviços; promover a valorização profissional, estimulando a busca pelo autodesenvolvimento; fortalecer o SisEB e promover a maior integração entre as unidades municipais.

De acordo com registros do SIsEB foram recebidas 61 inscrições e todas foram avaliadas pela SP Leituras – Associação Paulista de Bibliotecas e Leitura, levando-se em conta o atendimento aos critérios técnicos de seleção, previstos no edital. Das unidades inscritas, foram selecionadas aquelas que preencheram os pré-requisitos e asseguraram o cumprimento das contrapartidas descritas no edital.

O cronograma previsto para as capacitações em 2019 serão: 1º trimestre – 6 capacitações; 2º trimestre – 13 capacitações; 3º trimestre – 7 capacitações; e 4º trimestre – 6 capacitações.

A Biblioteca Municipal de Tatuí está localizada na Rua Santa Cruz, nº 405, Centro, e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Mais informações pelo telefone (15) 3259-4657.

Fonte: Prefeitura de Tatuí

Aula inédita sobre gravuras acontece na USP no próximo dia 20

A Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin da USP (BBM) abre as suas portas no dia 20 de fevereiro para uma aula inédita sobre a importância das litografias e das Brasilianas no mundo contemporâneo. Luiz Armando Bagolin, filósofo, docente e pesquisador do Instituto de Estudos Brasileiros da USP (IEB) irá conversar com Evandro Carlos Jardim, um dos mais renomados gravadores brasileiros  .

As brasilianas são coleções que tem como tema especificamente o Brasil, seja em forma de livros, desenhos, artes e etc.”, relata Bagolin. Esses compilados eram ilustrados com desenhos e gravuras em litografia, uma técnica de impressão que consiste em fazer a imagem em uma superfície de uma pedra calcária, que, depois de ser tratada quimicamente, recebe a tinta que vai reproduzir várias imagens ou textos.

Foto: Divulgação/ Vista aérea da USP

O evento faz parte da exposição São Queiroz: Litografia e Enigma, que é uma mostra individual com cerca de 40 litografias e monotipias, nunca antes disponíveis ao público, de trabalhos recentes da artista luso-brasileira São Queiroz, desenvolvida de modo a se relacionar com algumas obras raras e especiais pertencentes ao acervo fixo da biblioteca. “Neste sentido, São Queiroz seria hoje o que os historiadores da arte do século 20 nomearam para alguns artistas do século 19: uma “artista viajante””, destaca Bagolin.

Serviço:

Dia: 20/02 às 14 horas
Local: Rua da Universidade, 21 (auditório)

Fonte: Surgiu

Livro conta a longa e tumultuada trajetória das bibliotecas

Editora da USP lança “História das Bibliotecas”, do historiador francês Frédéric Barbier

Por Roberto C. G. Castro 

A biblioteca de Khorsabad, na Mesopotâmia (atual Iraque): uma das mais antigas bibliotecas do mundo – Foto: F. Barbier (extraído do livro História das Bibliotecas, de Fréderic Barbier)

As primeiras bibliotecas conhecidas, datadas de meados do quarto milênio antes de Cristo e localizadas na Mesopotâmia (atual Iraque), reuniam algumas centenas de pequenas tábuas de argila, com sinais gravados em escrita cuneiforme. A mais famosa biblioteca do mundo antigo – a de Alexandria, ligada à “morada das musas”, o Museu, instituição fundada por Ptolomeu I no final do século 3 antes de Cristo – moldou a cultura livresca ocidental e impôs um modelo de biblioteca que perdura até hoje. Com o advento do cristianismo, igrejas espalhadas pela Grécia e pelo Oriente Próximo fundam suas próprias bibliotecas, embora se restrinjam a guardar manuscritos da Bíblia, livros litúrgicos, atas e correspondências.

Essas são algumas observações extraídas das primeiras páginas do livro História das Bibliotecas – De Alexandria às Bibliotecas Virtuais, do historiador francês Frédéric Barbier, que a Editora da USP (Edusp) acaba de lançar. Com 400 páginas, a obra percorre toda a história dessa instituição dedicada à conservação da cultura escrita. O livro é “um convite à reflexão sobre os muitos paradoxos que as revoluções nos sistemas de comunicação e sistematização da informação vêm sofrendo”, escreve na orelha do livro a professora Marisa Midori, docente do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP e colunista da Rádio USP. “De um lado, como evitar o esvaziamento de antigas bibliotecas e de coleções inteiras de livros e de periódicos que são paulatinamente publicados na internet? De outro lado, como sistematizar e tornar inteligível um verdadeiro oceano de escritos que se renova a cada dia?”

O incêndio do Museu de Alexandria, xilogravura do Liber Chronicarum, Nurembergue, 1493 (à esquerda), e catálogo dos livros da Biblioteca Pública de Oxford, de 1605 – Foto: Reprodução (extraído do livro História das Bibliotecas, de Fréderic Barbier)

Como mostra o livro de Barbier, as bibliotecas têm uma longa história de conflitos, mas também de superação e de grandes serviços prestados à educação ocidental. A partir do século 4 depois de Cristo, uma série de acontecimentos marca profundamente o trabalho dessas instituições. Entre esses acontecimentos estão as recorrentes crises do Império Romano e a chegada ao Ocidente dos povos “bárbaros”, pouco ou não alfabetizados, que ocasionam a destruição de bibliotecas inteiras. Além disso, a substituição dos volumen de papiro pelo codex em pergaminho faz com que no novo suporte seja reproduzida apenas parte dos textos até então conservados, enquanto o restante é perdido.

Em meio a essa situação, a atuação de São Bento de Núrcia é decisiva, destaca Barbier. Em 529 – mesmo ano em que o imperador bizantino Justiniano, sob a acusação de “paganismo”, fecha a célebre Academia de Atenas, fundada nove séculos antes pelo filósofo grego Platão -, São Bento inaugura a Abadia de Monte Cassino, origem da ordem dos beneditinos, e institui a regra beneditina. Entre os preceitos dessa regra está a obrigação de ler regularmente os textos sagrados e estudá-los através dos comentários dos padres da Igreja. “O mosteiro deve, tanto quanto possível, ser capaz de viver como autarquia, de forma que os monges terão também, entre suas tarefas cotidianas, que copiar os textos para enriquecer a biblioteca”, escreve o historiador. Com isso, generaliza-se o princípio de estabelecer em cada mosteiro um scriptorium e uma biblioteca. A rápida propagação da ordem beneditina é acompanhada pela multiplicação das bibliotecas e dos ateliês dos copistas.

Consulta na Biblioteca de Leiden (1610) – Foto: F. Barbier (extraído do livro História das Bibliotecas, de Fréderic Barbier)

Um capítulo importante na história das bibliotecas se dá com a organização do império de Carlos Magno, na segunda metade do século 8. A política implantada pelo imperador se baseia na reforma da Igreja e na reorganização cultural do território sob seu domínio – o que tradicionalmente se denomina “Renascença carolíngia”. Essa reforma inclui a generalização da regra beneditina e a renovação do ensino, principalmente através das escolas catedrais e monásticas – que darão origem às primeiras universidades, no século 12. “Serão necessários textos, de modo que é lançado um programa geral de reprodução dos textos de base (a Bíblia e as obras de referência de teologia, mas também os clássicos da Antiguidade)”, nota Barbier. “Enfim, é o desenvolvimento das bibliotecas, dentre as quais algumas se tornam relativamente importantes, sobretudo na Germânia.”

O livro de Frédéric Barbier, lançado pela Editora da USP – Foto: Reprodução

Esse desenvolvimento recebeu forte apoio com a invenção da imprensa no Ocidente, em meados do século 15, pelo alemão Johannes Gutenberg. Barbier calcula que, entre 1452 e 1501, a produção impressa é superior a 30 mil títulos. “Com uma tiragem média de 500 exemplares por título, o que é plausível, não são menos de 15 milhões de unidades bibliográficas que são postas em circulação através da Europa em apenas meio século.” Porém, como cita o historiador, somente nas primeiras décadas do século 16 é que os impressos vão se impor definitivamente diante dos manuscritos nas coleções das principais bibliotecas.

Depois de expor a trajetória das bibliotecas nos séculos seguintes à invenção da imprensa, Barbier conclui seu livro analisando o papel dessas instituições no terceiro milênio. “A biblioteca e seu pessoal são uma estrutura de expertise e de construção de novos conhecimentos – particularmente no setor da história do livro e das mídias, e determinadas bibliotecas têm, aliás, com razão o status de equipe de pesquisa, ou são associadas a equipes de pesquisa reconhecidas”, escreve o historiador em suas conclusões. “Mais amplamente, a biblioteca deverá tornar inteligível a articulação entre o presente e o passado das mídias: em muitas bibliotecas que conservam coleções antigas e onde estas só são muito pouco solicitadas, a instituição deverá valorizá-las e deverá fazer com que sejam compreendidas por meio de determinado número de ações – em primeiro lugar, exposições.” Para Barbier, a tradição do pensamento ocidental está ligada ao livro há vários milênios e, portanto, é importante poder apropriar-se dela para perceber melhor as transformações em curso. “Hoje, ainda mais do que ontem, a biblioteca terá que se definir e se redefinir como o ‘espaço público do conhecimento’.”

História das Bibliotecas – De Alexandria às Bibliotecas Virtuais, de Frédéric Barbier, tradução de Regina Salgado Campos, Editora da USP (Edusp), 400 páginas, R$ 86,00.

Fonte: Jornal da USP

Fotos expostas em São Carlos mostram locais do Apartheid

Mostra está em cartaz até 30 de março na Biblioteca do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP

Fotos mostram detalhes da opressão do Apartheid na África do Sul – Foto: Rodrigo Takayassu

Juiz do trabalho por vocação e fotógrafo por acaso. É assim que se define Rodrigo Takayassu, autor da exposição Locais do Apartheid sob o Olhar de um Estrangeiro. Ele viajou pela África do Sul e registrou fragmentos do apartheid que resultaram em uma coletânea de imagens e textos, que ficarão expostos na vitrine que se localiza no térreo da Biblioteca Achille Bassi, no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos (SP).

O Apartheid foi um regime de segregação racial que vigorou na África do Sul entre 1948 e 1994. Imposto pelo governo da minoria branca do país, ele preconizava a separação radical entre brancos e negros na sociedade sul-africana.

Gratuita, a exposição Locais do Apartheid sob o Olhar de um Estrangeiro ficará em cartaz de 31 de janeiro a 30 de março de 2019 e pode ser visitada em qualquer dia e horário. Entusiasta da arte fotográfica há dez anos, Takayassu atua como juiz do trabalho no Fórum Trabalhista de Ribeirão Preto, local em que as obras foram expostas no final do ano passado.

A exposição é promovida pelo Centro Cultural da Prefeitura do campus da USP de São Carlos, e faz parte da Oficina de Fotografia da 3ª edição dos Cursos de Férias. Conta com apoio do Grupo Coordenador das Atividades de Cultura e Extensão Universitária do Campus de São Carlos (GCACEx) e da Comissão de Cultura e Extensão Universitária do ICMC.

Cartaz de divulgação da exposição Locais do Apartheid sob o Olhar de um Estrangeiro – Foto: Reprodução

Fonte: Jornal da USP

Dispositivos legais a serem observados na aplicação da multa financeira em Bibliotecas Universitárias

Texto por Rafael Vieira de Gouveia

O texto a seguir integra o meu Trabalho de Conclusão de Curso sobre a aplicação de sanções em Bibliotecas Universitárias:Seja na tentativa de cumprir à risca com o que dispõe o regramento institucional, seja por desconhecimento da legislação brasileira, seja por falta de autonomia para agir de modo diferente, alguns bibliotecários acabam, ocasionalmente, aplicando a multa financeira por atraso de forma desarrazoada e desproporcional ao usuário, levando este último a buscar os seus direitos junto ao PROCON ou, até mesmo, no Poder Judiciário.Neste texto, busca-se demonstrar a necessidade, ratificada com a publicação da Resolução do Conselho Federal de Biblioteconomia (CFB) nº 207/2018, de se observar, no âmbito das bibliotecas, o que dispõe o ordenamento jurídico brasileiro sobre o contrato ali firmado, quando do empréstimo do material do acervo.[1] Para tanto, será analisado o que dispõe o Código Civil sobre: a cláusula penal (nome jurídico dado, dentre outros institutos, à multa) e o tratamento a ela conferido; o enriquecimento ilícito; o contrato de comodato (o qual se aplica no âmbito das bibliotecas, na efetivação do empréstimo domiciliar); e a boa-fé objetiva (dever anexo de qualquer relação contratual).Conjugada às análises dos dispositivos legais, serão citadas jurisprudências (entendimentos firmados pelos Tribunais do Poder Judiciário) das suas aplicações no âmbito de conflitos envolvendo bibliotecas e seus usuários. Por fim, pretende-se concluir qual é a forma mais adequada para a aplicação da multa financeira de acordo com o que dispõe o ordenamento jurídico brasileiro, de forma a minimizar os conflitos entre a biblioteca e o seu usuário.O art. 412 do Código Civil brasileiro (CC), no capítulo que versa sobre a cláusula penal, enuncia que “O valor da cominação imposta na cláusula penal não pode exceder o da obrigação principal.” Esse artigo expressamente diz que não se pode exigir o pagamento de um valor, a título de cláusula penal (multa), que supere o valor da obrigação principal.

Em outras palavras: se o usuário efetua o empréstimo de um livro que custa no mercado R$ 100,00, não pode o bibliotecário exigir dele, quando da devolução do material, após a data limite estipulada, um valor de multa maior do que o de R$ 100,00, sob pena de estar a instituição em que a biblioteca é vinculada se enriquecendo ilicitamente.

O art. 884 do CC define que enriquece de maneira ilícita “Aquele que, sem justa causa, se enriquecer à custa de outrem […]”, tal tipo de enriquecimento é repudiado pelo ordenamento jurídico brasileiro e, portanto, indefensável. No site JusBrasil, portal voltado para o compartilhamento de informações jurídicas, é possível encontrar algumas sentenças judiciais referentes a impasses envolvendo bibliotecas universitárias e usuários sobre a cobrança de multas abusivas. Em tais sentenças, os artigos supramencionados foram evocados em defesa dos usuários, conforme se observa a seguir:

[…] a ré foi aluna da instituição, e por conta dessa qualidade fez empréstimo de um livro junto à biblioteca em 13 de outubro de 2010, com previsão de entrega para o dia 20 do mesmo mês, o que não ocorreu. Postulou a condenação da ré na entrega da obra literária indicada na inicial, bem como no pagamento de multa incidente por dia de atraso no valor de R$ 2,00, no montante de R$ 1.090,00. O valor da multa não pode exceder o da obrigação principal, nos termos do artigo 412 do Código Civil. […] Diga-se que a obra intelectual em comento é bem fungível e de fácil aquisição no comércio, de valor médio, como visto, de R$ 47,61. […] a apelada [a instituição a qual a biblioteca é vinculada] queria que se desse vida a uma obrigação absolutamente desproporcional e por isso tal pretensão não poderia prevalecer […] Não poderia porque acarretaria o enriquecimento sem causa que não pode ser prestigiado, por implicar grave subversão à ordem social vigente e por causar aquele sentimento de repulsa, de intolerância que faz o cidadão descrer da Justiça e da Democracia. […] Assim sendo, no limite da insurgência recursal manifestada pela Defensoria Pública, a hipótese é de redução e limitação da multa para o valor de R$ 47,61, correspondente ao preço do livro indicado na inicial. (SÃO PAULO, 2017, p. 2 et seq., grifo nosso).

A sentença abaixo trata da limitação imposta pelo artigo 412 do CC no que se refere à cobrança de multa e diz ainda sobre a instituição poder cobrar do usuário a devolução do livro emprestado (ou o valor correspondente atual – se o usuário tiver perdido o livro) mais a multa limitada ao valor do livro:

A respeitável sentença reconheceu a obrigação da ré no tocante à devolução das obras, impondo-lhe o pagamento da quantia de R$. 92,91, acolhendo parcialmente o pedido de pagamento de multa em idêntico montante, nos termos do artigo 412 do Código Civil. A recorrente insiste no pagamento da multa pelo valor pleiteado, ou seja, de R$. 8.448,00. Sem razão, contudo. […] Na hipótese, os livros foram retirados pela demandada em junho de 2006 e, em maio de 2010, a apelante vem reclamar o cumprimento da obrigação quanto à devolução e, cumulativamente, o pagamento da multa. Se os livros não foram devolvidos, à apelante assiste apenas o direito de pleitear a sua devolução, mas a multa não pode, efetivamente, exceder o valor da obrigação principal. Se as obras foram orçadas em R$. 92,91, resta evidente que, sob tal título, é inexigível o pagamento da quantia superior. (SÃO PAULO, 2011, p. 2 et seq., grifo nosso).

Assim, para que a biblioteca possa requerer do usuário, de forma inquestionável, o pagamento de uma multa decorrente da sua demora em retornar o material para o acervo, deve a instituição agir com respeito à boa-fé objetiva. A boa-fé objetiva se trata de um princípio do direito, expresso em artigos tanto do CC quanto do CDC. O artigo 422 do CC diz que “Os contratantes são obrigados a guardar, assim na conclusão do contrato, como em sua execução, os princípios de probidade e boa-fé.” Já o inciso III do artigo 4º do CDC enuncia a boa-fé objetiva como a base nas relações entre consumidores e fornecedores.

Entende-se, portanto, que a boa-fé é um princípio reitor de qualquer relação contratual. No âmbito da biblioteca, nota-se ser evidente a existência de um contrato. Isso porque, quando o usuário empresta com a biblioteca, está contratando um serviço fornecido por ela, realizando o que é chamado no direito de contrato de comodato[2]. Logo, a prestação desse serviço implica no cumprimento de direitos e deveres postos em contrato, tanto por parte do usuário quanto por parte da biblioteca. Pautar as próprias ações na boa-fé objetiva significa agir sem a intenção de causar prejuízo a um terceiro. Nesse sentido, tão logo a biblioteca perceba que o usuário se encontra em situação de inadimplência, por lealdade contratual, precisa o bibliotecário notificar o usuário o quanto antes acerca da sua condição de inadimplente, reduzindo com isso o seu prejuízo ao mínimo possível.

Importante também no que toca à exigência do pagamento de uma multa financeira é a biblioteca se cercar de cuidados, registrando os empréstimos efetuados. Para o cumprimento dessa finalidade, é fundamental a confecção de documentos onde se possa verificar, de forma inequívoca, a assinatura do usuário, evitando assim a situação embaraçosa de ter que comprovar o empréstimo diante daquele usuário que, com segurança, nega tê-lo efetuado.

Comprovações produzidas unilateralmente, ou seja, por só uma parte, quando não realizadas por um agente público em uma instituição pública, não são aceitas pelo poder judiciário como comprovação hábil do empréstimo. Esse posicionamento pode ser verificado abaixo, em trecho de uma outra decisão judicial proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo:

A sentença julgou improcedentes os pedidos em razão de a autora não ter comprovado o fato constitutivo do seu direito, ou seja, não demonstrou o empréstimo do livro ao réu, ônus que a ela cabia. […] Com efeito, não se há que reformar a sentença de primeiro grau, pois os documentos que instruem a inicial não são suficientes para demonstrar o empréstimo, apesar de ter ficado comprovado que o réu frequentou curso superior na instituição de ensino autora. O documento de fls. 41 foi produzido unilateralmente e é apócrifo. Não há nele assinatura do réu, não podendo, assim, produzir prova contra ele, representando mera impressão de tela de computador, que, não sendo emitida por agente público, não possui o atributo de fé pública. Além disso, se fosse conferida eficácia probatória a tal documento, o réu seria obrigado a comprovar fato negativo, ou seja, que não alugou o livro, o que dificultaria sua defesa, violando o disposto no artigo 6º, inciso VIII, do CDC. (SÃO PAULO, 2014, p. 3 et seq., grifo nosso).

A partir do exposto na última citação, pode-se inferir três conclusões: 1) a faculdade não conseguiu demonstrar que a biblioteca emprestou o livro ao usuário e, por consequência, foi-lhe negado o direito de cobrar o suposto livro emprestado e qualquer multa por atraso na devolução deste; 2) o judiciário não obriga um usuário a provar que não emprestou o livro, pelo contrário, é da biblioteca a obrigação de provar que o usuário o fez; 3) tentar comprovar um empréstimo juntando aos autos de um processo uma cópia de tela do sistema da biblioteca, por exemplo, não será suficiente para convencer o juiz de que o usuário pegou emprestado, de fato, aquele material.

Portanto, fica claro que o que a biblioteca pode pleitear, quando o usuário atrasa a devolução do livro emprestado e é devidamente notificado desse atraso, é o retorno do mesmo ao acervo da instituição de ensino ou, caso o usuário o tenha perdido, a compra por ele de um novo livro para compensar da perda a biblioteca, e ainda um valor de multa, referente aos dias em que o usuário esteve em atraso com a devolução do livro, que não pode extrapolar o valor do livro orçado no mercado para aquisição.

E, por fim, o óbvio, mas não menos importante: a biblioteca, antes de cobrar a devolução do livro, precisa ter a certeza de que possui a comprovação de que o empréstimo foi realmente feito pelo usuário.

[1] Na Resolução do Conselho Federal de Biblioteconomia (CFB) nº 207/2018, publicada no Diário Oficial da União (DOU), na data de 09/11/2018, a qual aprova o Código de Ética e Deontologia do Bibliotecário brasileiro, lê-se no art. 6º, § 3º, alínea d, que o bibliotecário deve em relação aos usuários observar, dentre outras, a seguinte norma de conduta: “assumir responsabilidades pelas informações fornecidas, de acordo com os preceitos do Código Civil, do Código de Defesa do Consumidor e da Lei de Acesso à informação vigentes” (BRASIL, 2018, não paginado, grifo nosso).

[2] O artigo 579 do CC aponta que o comodato “é o empréstimo gratuito de coisas não fungíveis” ou seja: coisas que não podem ser substituidas por outras da mesma espécie. Como é o caso dos livros emprestados pela biblioteca. Por exemplo: um usuário que pega emprestado o livro “Senhora” de José de Alencar não pode devolver o livro “O Alienista” de Machado de Assis.

REFERÊNCIA

GOUVEIA, R. V. Dispositivos legais a serem observados na aplicação da multa financeira. In: A sanção por atraso em bibliotecas universitárias: um estudo de caso da Biblioteca Central da Universidade Federal Rural de Pernambuco (BC-UFRPE). Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biblioteconomia) – Universidade Salgado de Oliveira (polo Uberlândia), Uberlândia, 2018.

Fonte: Linkedin

Bibliotecas como makerspaces

Com a evolução da tecnologia, as bibliotecas tendem a se transformar em espaços de criação, conhecidos como makerspaces, constituindo-se como espaços em constante evolução que se adaptam às novas tecnologias e guiam as pessoas no mundo de criação e transmissão de informação e conhecimento.

Várias bibliotecas no mundo já passaram a oferecer um espaçoonde as pessoas podem se dedicar à criação intelectual e manual e deixam disponíveis as ferramentas e a tecnologia necessárias para o desenvolvimento pessoal, como as bibliotecas que oferecem impressoras 3D para seus usuários tornarem seus projetos digitais em realidade. Outras bibliotecas já foram mais longe e oferecem o empréstimo de ferramentas, instrumentos musicais, telescópios e de aparelhos que permitem o acesso à internet mesmo fora da biblioteca. Saiba mais!

Vejam o que algumas bibliotecas andam fazendo no Brasil e no mundo!

Duas bibliotecas nos Estados Unidos – a Westport Libray, em Connecticut, e a Fayetteville Free Library, em Nova York – já tem seus MakerSpaces, destinados ao desenvolvimento de projetos que estimulem idéias inovadoras, como oficinas de recuperação de SuperNintendos, aulas de serigrafia e até montagem de maquetes de aviões. Para saber mais!

Cinebiblio

A biblioteca pode programar em suas atividades a projeção de filmes com a utilização de retroprojetores, DVDs, Smart TV, entre outras ferramentas tecnológicas em seu espaço. Com o objetivo de fazer com que os alunos da biblioteca desfrutem de uma boa seleção de filmes (clássicos e contemporâneos) e se possível, com a participação de toda comunidade escolar. A partir desta ação a biblioteca pode acender um debate in loco e/ou virtual sobre as impressões que seus usuários tiveram em relação ao filme? Tudo pode ser comentado e compartilhado com a utilização de redes sociais e aplicativos. Além disso, os alunos podem elaborar seu próprio roteiro cinematográfico e criar seus próprios filmes, como podemos verificar nas ações desenvolvidas na escola de Pernambuco São Vicente de Ferrér.

Jogos na biblioteca

Por que não abrir um espaço tanto para jogar (jogos de tabuleiros, xadrez, cartas, que divertem e exercitam o cérebro) quanto para criar jogos na biblioteca? Existem variados jogos que estimulam o processo cognitivo impulsionam a criatividade, então, que tal pôr professores e alunos com o cérebro em atividade máxima e propor que eles mesmos criem seus jogos? Há jogos em que você coloca em execução sua capacidade de criação, através laboratórios maker em bibliotecas,  nos quais é possível aprender, investigar, inventar e construir compartilhamento de conhecimento. Para saber mais!

Concertos musicais e biblioteca escolar… tudo a ver!

Música na biblioteca escolar… porque não usar este espaço para promover a cultura musical? Com a exibição de concertos musicais pode-se levar cultura e conhecimento para alunos e toda a comunidade escolar. Estes concertos podem ser exibidos pelos próprios alunos e professores, funcionários da escola e até mesmos familiares. Pode-se montar um laboratório musical na biblioteca com vários equipamentos que podem ser dos próprios alunos ou adquiridos pela escola e/ou por meio de doações. Vejam como a Biblioteca Pública de Zamora (Espanha) promoveu esta atividade: Concertos musicais.

Casateca…. O que será?

Pensando nas questões de consciência planetária, envolvendo produção e descarte de resíduos, consumo e consumismo, logística reversa e matemática contextualizada, alunos e professores do Colégio Nossa Senhora Medianeira, em Curitiba (PR), surgiu a ideia de usar os materiais para construir a Casateca – uma biblioteca para todos da escola usarem como espaço de estudo ou descanso, para pegar ou doar livros. A atividade também possibilitou refletir sobre a importância de um projeto como este para a construção de moradias de baixo custo, sendo uma alternativa sustentável de reaproveitamento de resíduos que levariam centenas de anos para se decompor na natureza. Foram utilizadas 808 caixas de leite, totalizando 161 kg de resíduos (cálculos realizados pelos alunos, após a construção). Para trabalhar também com o reaproveitamento, os alunos organizados em equipes, construíram móveis e objetos decorativos para o interior da casa. O que não coube foi doado à educação infantil para seus projetos. Para saber mais!

Fonte: BLOGTEC@ SEDU

Proposta estimula criação de bibliotecas públicas

A Lei 12.244/10 prevê a universalização das bibliotecas nas escolas até 2020, mas, de acordo com o Censo Escolar, em 2016 apenas 37% das unidades de educação básica possuíam biblioteca

O Projeto de Lei 11157/18 aprimora a Política Nacional do Livro (Lei 10.753/03) para estimular a criação, a manutenção e a atualização de bibliotecas públicas e escolares no País. A proposta tramita na Câmara dos Deputados.

Reunião ordinária. Dep. Diego Garcia (PODE - PR)
Diego Garcia: em 2016, apenas 37% das escolas possuíam biblioteca

A lei atual prevê que União, estados e municípios consignem em seus orçamentos verbas às bibliotecas para sua manutenção e aquisição de livros. O projeto de lei, do deputado Diego Garcia (Pode-PR), detalha que as verbas serão destinadas às bibliotecas públicas sob responsabilidade do respectivo ente, inclusive àquelas das escolas públicas de sua rede.

O texto altera ainda as leis 8.313/91(Programa Nacional de Apoio à Cultura) e 12.462/11 (Regime Diferenciado de Contratação Pública) para incluir o incentivo à construção, à ampliação e à reforma de bibliotecas públicas entre as prioridades governamentais.

Diego Garcia lembra que, apesar de a Lei 12.244/10 prever a universalização das bibliotecas nas instituições de ensino brasileiras até 2020, em 2016 apenas 37% das escolas de educação básica, públicas e privadas, possuíam biblioteca, segundo o Censo Escolar. “Se considerarmos apenas as instituições de ensino públicas, o número cai para 31%”, observa o parlamentar.

Ele menciona também a pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil”, realizada pelo Instituto Pró-Livro, com dados referentes a 2015, conforme a qual apenas 56% dos brasileiros pesquisados eram leitores, 66% não frequentavam bibliotecas e 55% sabiam da existência de uma delas em sua cidade ou bairro.

“Além do problema da ausência de bibliotecas na vida dos brasileiros, a sua imagem é muito restrita. Os cidadãos não vislumbram a função social das bibliotecas na democratização do acesso à informação, na educação continuada, na exploração da arte e do conhecimento, tampouco seu perfil de espaço livre de criação, socialização e lazer”, afirma Garcia.

Essa visão limitada, na avaliação do parlamentar, se explica pela baixa qualidade dos acervos e pela inadequação das instalações físicas das bibliotecas públicas e escolares.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:

Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Marcelo Oliveira

Parceria com Museu de Arte Sacra incentiva leitura em estação de metrô

Homem l? livro sentado em poltrona da sala de leitura do Museu de Arte Sacra na esta??o Tiradentes do Metr?
O Senac Tiradentes disponibilizou cerca de 600 livros na estação Tiradentes da Linha 1-Azul do Metrô, na região central da capital paulista.
As publicações podem ser acessadas no espaço de leitura que integra a sala que o Museu de Arte Sacra possui na estação, com livre acesso aos usuários do local de terça-feira a domingo, das 9 às 17 horas.
Os visitantes podem ler no próprio espaço ou levar um livro por vez, sem a necessidade de realização de cadastros ou empréstimos. Os títulos abordam cultura geral, assuntos contemporâneos sobre a sociedade e sobre a cidade de São Paulo.
Além de prever a inclusão semestral de novas publicações no catálogo, o espaço de leitura também contará com uma mediação de leitura por mês até abril, conduzida pela equipe da biblioteca do Senac Tiradentes.
“O livro é um potente instrumento de poder e acredito que esse projeto na comunidade levará leitores a refletirem cada vez mais sobre si mesmos, sobre os outros e sobre o mundo”, afirma Adriana Rafael, bibliotecária do Senac Tiradentes.
Cláudio Oliveira, bibliotecário do Museu de Arte Sacra, também destaca a parceria. “A ação é de grande importância para manter o espaço ativo e incentivar o hábito de leitura do público visitante. Além de estimular esse desejo pela leitura, também faz os usuários do Metrô pararem um pouquinho para apreciar e, até mesmo, levar um livro de que tenha gostado”.

A estação Tiradentes do Metrô está localizada na avenida Tiradentes, número 551.

Conheça também os cursos com inscrições abertas no Senac Tiradentes.

BIBLIOTECAS AJUDAM A CRIAR SENTIMENTO DE COMUNIDADE, DIZ PESQUISADORA

“Uma das coisas que a gente percebeu na pesquisa foi esse sentimento de pertencimento, de valorização da sua comunidade”, destaca Ester Calland

Texto por Chico de Paula

5 razões para investir na biblioteca 4.0

 Por Caroline Rothmuller*

Digital tem avançado no setor educacional, abrindo fronteiras para novas aprendizados

O setor de educação passa pelo que chamamos de 4ª Revolução Industrial, muito similar a outras áreas da economia. O pouco conhecimento sobre as profissões futuras, a transformação digital, assim como as mudanças no perfil dos alunos pela nova geração, torna a necessidade de modificar os modelos tradicionais de ensino. Existem várias soluções digitais disponíveis no ensino, uma delas que hoje está muito aceita pelo MEC é a adoção da biblioteca digital. Abaixo, cito seis razões para a implementação desta ferramenta:

1. Acessibilidade de conteúdos adotados pelos professores em um lugar apenas

Os alunos têm uma rotina intensa, dependendo do curso, tem período integral. São muitas aulas, grande quantidade de conteúdo e atividades curriculares diversas que precisam ser alinhadas. Muitas vezes, os estudantes também trabalham e precisam aproveitar o tempo no caminho entre casa, trabalho e universidade para atualizar os conhecimentos.

]Com a utilização de bibliotecas digitais, conseguem acessar textos, exercícios, vídeos e outros conteúdos interativos de celulares e tablets, em uma única ferramenta. Isso acaba aumentando o conhecimento e fortalecendo a formação acadêmica e prática, levando a profissionais mais capacitados.

2. Espaços mais otimizados nas bibliotecas físicas, portanto, menor custo de espaço

Bibliotecas são templos do saber. Porém, para conseguir atualizar todos os conteúdos das diversas disciplinas e na quantidade ideal para que alunos possam acessar e desfrutar, as instituições de ensino superior precisam de cada vez mais espaço, o que nem sempre é possível. Por isso, ao adquirir a biblioteca digital a universidade se torna apta a oferecer todo o conteúdo que estudantes e professores necessitam, com menos custos de ampliação física de espaço.

3. Mais qualidade no ensino dada a ampla variedade de conteúdo

Em 1950, um novo conhecimento médico durava 50 anos. Na década de 80, 7 anos. Em 2010 havia baixado para 3,5. Acredita-se que, em 2020 cada descoberta durará 74 dias Por isso a utilização de soluções digitais se torna cada vez mais importante para a formação dos estudantes, já que podem acessar conteúdos importantes e inovadores de maneira fácil, de qualquer lugar e a qualquer hora e que recebem atualizações imediatas.

4. Conteúdos multimídia, o que traz uma visão mais prática do estudo

A Geração Z, pessoas nascidas a partir do final da década de 90, desconhecem o mundo sem tecnologia. Prender a atenção desses alunos com aulas tradicionais, baseadas apenas na informação passada em mão única, com fórmulas e conceitos nos quadros, para serem copiados e estudados depois, é praticamente impossível. Esta geração não consegue manter a atenção 100% em um único objeto por muito tempo, já que são multitelas e possuem uma ansiedade que os leva mais rapidamente à prática. Por isso, aulas dinâmicas, com diversos estímulos audiovisuais e com a possibilidade de tirar dúvidas com o professor, se tornam muito mais palatáveis aos alunos que estão chegando ao ensino superior agora

5. Encontrabilidade do conteúdo: a busca pelo conteúdo que deseja de forma mais rápida e acessível

A “Geração Google” quer também encontrar conteúdos de maneira rápida! O volume de informações é tão grande que folhear dezenas de livros não é uma opção quando se busca uma informação. Por isso, a possibilidade de encontrar facilmente o conteúdo em uma tela, utilizando a busca por tema e já ser brindada com todas as informações necessárias para otimizar o tempo de estudo é fundamental! Bibliotecas digitais fornecem essa funcionalidade e mais. Em alguns casos, trazem também material multimídia para potencializar a experiência.

O quanto antes as universidades se adaptarem ao atual modelo social e geracional, mais funcionais e competitivas serão nesse em que o futuro já chegou.

*Caroline Rothmuller é diretora de Education da Elsevier Brasil

Fonte: IT FORUM

El valor de la colección de la biblioteca

Expositor de libros
BU Ciencias de la Salud Uva

En torno a la colección hemos configurado gran parte de nuestros procesos en la biblioteca, desde la selección, la catalogación, clasificación y preparación física, para su presentación en el espacio tangible de la biblioteca, de forma organizada, y de manera atractiva, clara y accesible.

Nutrir los catálogos ha llevado siempre buena parte del tiempo de dedicación a la biblioteca, pero sin duda en estos tiempos hay preguntas que resuenan de forma recurrente y que nos invitan a reflexionar sobre el sentido de la colección de la biblioteca hoy, de su carácter, conformación y accesibilidad.

Hoy se hace más patente que la colección óptima de una biblioteca no es el resultado de un proceso de acumulación sino de un proceso de selección asentado en la reflexión y guiado por unos criterios y procedimientos establecidos. Y en el que seleccionar no quiere decir restringir, sino que, como acertadamente precisa Geneviève Pattesignifica valorar, elegir en función de la calidad de los materiales y de su adecuación a las necesidades de información y de lectura de los usuarios.

Ciertamente, la colección debe estar orientada a atender las necesidades de todos y cada uno de los miembros de la comunidad en la que se asienta o a la que se dirige la biblioteca, de los potenciales usuarios de sus servicios. Y su valor reside esencialmente en la calidad de las lecturas y de las informaciones que contienen los documentos que la conforman, pertenezcan éstos al terreno de la ficción o formen parte de la categoría de los materiales informativos, estén en papel o en otros soportes, organizados en estantes físicos o alojados en servidores propios o ajenos.

Conformar la colección hoy, sea en la biblioteca púbica, la escolar o la universitaria, sigue siendo una labor decisiva y apasionante, aunque es tarea que también resulta inquietante y escurridiza por los matices que adquiere en razón de que está sujeta a constante revisión y siempre inmersa en procesos de cambio. El interés de los fondos de las bibliotecas radica hoy precisamente en esa caracterización que adquieren como colecciones híbridas de materiales y recursos de diversa tipología, soporte, ubicación y accesibilidad.

Hablar hoy de libros y de materiales de lectura en general, sean ficción o no ficción, es hablar de cambio, de transición, de nuevos soportes y de nuevas formas de leer y de acceder a los textos e imágenes, a las lecturas, a la información. Obviamente, este contexto líquido de los objetos culturales, como diría el profesor Manuel Area, marco afecta de lleno a las bibliotecas, y de forma específica y particular a sus colecciones.

Por tanto, se hace preciso revisar los principios básicos de la conformación y desarrollo de la colección de la biblioteca a la luz del contexto actual que presenta el mundo del libro y la lectura y la sociedad en su conjunto a raíz del impacto del desarrollo tecnológico. Y, sobre todo, reflexionar sobre su sentido y su valor.

Lo cierto es que en esta coyuntura de tránsito “Hay más interrogantes que respuestas, y de las respuestas, muy pocas son seguras”, como diría San Agustín, pero ello no impide dar pasos adelante y explorar nuevos caminos y posibilidades, que sin duda, nos harán crecer. La gran baza y fortaleza de la biblioteca es su capacidad de adaptación y transformación. Esta es, sin duda, la clave fundamental de su permanencia en el tiempo.

En este sentido, conviene iniciar esta reflexión partiendo de una pregunta básica:

¿Cuál es el sentido de la colección de la biblioteca pública?

La respuesta a esta cuestión enlaza con el camino andado hasta la fecha y nos sirve de puente entre el pasado, el presente y el futuro. Pues no es otra que satisfacer las necesidades del usuario en lo que concierne a educación, información y desarrollo personal, tal y como consta en las directrices para bibliotecas públicas de la IFLA.

 ¿Y cómo conseguir este objetivo? También en el documento aludido se apuntan los pasos, indicando que para ello “la biblioteca pública debe proporcionar una amplia gama de materiales en diferentes formatos y en cantidad suficiente para satisfacer las necesidades e intereses de la comunidad.” Conclusión de ello es que las bibliotecas públicas deben mantenerse al día en relación con los nuevos formatos y las nuevas vías de acceso a la información de cara a asegurar que el acceso de cualquier usuario a toda clase de lecturas e informaciones sea lo más fácil y ágil posible, independientemente de su formato.

Estos materiales y recursos de distinta índole conforman la oferta documental de la biblioteca, sobre la que se asientan la mayor parte de sus servicios y a través de la cual las bibliotecas desarrollan sus principales funciones. De su valor, interés y adecuación dependerá el grado de aceptación que consiga, de lo que dependerá también el uso que de ella se haga.

La definición y constitución de la colección de la biblioteca siempre ha sido un elemento eje de la labor bibliotecaria, una tarea crucial para la organización y un reto que cada biblioteca asume al definir el carácter y el alcance de sus fondos. Por esta razón, para definir y mantener la colección debemos reflexionar acerca del papel que la biblioteca quiere jugar en la comunidad en la que está inscrita. Construir y alimentar una colección va más allá de una mera sucesión de decisiones de carácter meramente técnico. Es un proceso, por contra, que implica tomar decisiones de política cultural, educativa y de índole social, todas ellas adoptadas a la luz del compromiso que la biblioteca adquiere con las personas que integran la comunidad a la que sirve.

Un paso adelante: Ampliar el alcance de la oferta  

El proceso de profunda transformación que experimentan los materiales de lectura, sean obras de ficción o de información dirigidas al público adulto o a niños y jóvenes, hace que la tarea de conformar el fondo de cualquier biblioteca resulte hoy más compleja. En el marco de mutabilidad del entorno del libro y la lectura, las colecciones de las bibliotecas adquieren un carácter poliédrico, a tono con el devenir de la edición, el desarrollo de materiales y recursos digitales, y en concordancia también con las necesidades y demandas que los usuarios presentan hoy en relación con la lectura y la información.

Para adaptarse a estos cambios, las bibliotecas necesitan contar con colecciones híbridas, compuestas por una gama completa y actualizada de materiales y recursos que cubran el conjunto de las tipologías documentales, independientemente de su soporte, ubicación y vía de acceso. Corresponde a cada biblioteca determinar el punto de equilibrio entre el plano analógico y el digital de sus colecciones, en función de su realidad y de las necesidades de la comunidad de usuarios a la que se dirige.

Los hábitos de los niños, jóvenes y adultos, sus necesidades y sus preferencias en relación con la lectura, experimentan un profundo proceso de transformación al que la biblioteca no puede ser ajena y ante el cual tiene mucho que aportar con sus colecciones, servicios y programas.

Este tiempo de cambio afecta de manera directa a los contenidos de los que la biblioteca pública hace acopio y a los procedimientos que rigen la labor de seleccionar materiales y conformar la colección. El contexto, en el que lo digital reafirma día a día su presencia en todas las esferas, personal, académica o laboral, es en el que se mueve la comunidad a la que la biblioteca pretende atender, el que modifica sus necesidades de información y lectura, el que condiciona su percepción de la biblioteca y el que genera nuevas expectativas respecto a sus contenidos y servicios.

Al hilo de lo comentado, hay tres aspectos en la última edición de las directrices IFLA para bibliotecas públicas que resultan especialmente significativos:

  • Que el desarrollo de la colección no es un fin en sí mismo.
  • Que una colección grande no es sinónimo de una buena colección, especialmente en la era digital.
  • Que la pertinencia de la colección respecto a las necesidades de la comunidad es más importante que su tamaño.

Sobre estas cuestiones conviene detenerse pues por obvias que puedan parecer no siempre se las tiene presentes a la hora de definir, construir y mantener vivas las colecciones de las bibliotecas públicas.

Una cuestión de fondo …

Ante el cometido de iniciar, de enriquecer o de revisar en profundidad la colección de una biblioteca, surgen preguntas que hay que responder claramente antes de ponerse manos a la obra; cuestiones de diversa índole que afectan en distintos planos a la labor planteada:

  • Las que están en la esfera de los porqués y los para qué, muy relacionadas con la misión, funciones y objetivos de la biblioteca. Las respuestas a estas cuestiones nos permitirán formular una definición global de la colección y establecer las directrices marco.
  • Las que tienen que ver con el qué, con los componentes y las cualidades que los materiales deben reunir para formar parte del fondo.
  • Las que aluden al cómo, a los procedimientos que hay que aplicar y a los criterios que hay que tener en cuenta para modelar la colección de acuerdo con la expectativa de servicio que de ella se espera.

A la luz de las respuestas a este conjunto de preguntas la colección toma cuerpo como un conjunto coherente de materiales e informaciones útiles para los usuarios a los que se va a destinar. De esta manera, la documentación y recursos varios que la biblioteca selecciona, organiza y ofrece al lector, es producto de una reflexiva toma de decisiones orientadas a determinar su alcance y calidad.

Y este compromiso con el presente nos lleva a formular finalmente una serie de aspectos que ayudarán a la colección a mantener el paso y que contribuirán a que la biblioteca siga pisando fuerte.

En este sentido, no hay que olvidar que el valor de la colección, en definitiva, vendrá determinado por el uso que sea capaz de generar y ello dependerá en buena parte de:

  • Que sea adecuada a los usuarios: los materiales de la biblioteca deben responder a las necesidades del conjunto de niños,  jóvenes o adultos que forman parte de la comunidad a la que se dirige y contribuir a la compensación de las desigualdades que presentan en su entorno sociocultural.
  • Que despierte interés: que conecte con el presente y la vida de la comunidad y de los individuos que la componen, aspecto que afecta tanto del plano de contenidos como de su presentación material.
  • Que sea rica y pertinente: construida siguiendo estándares que aporten calidad y fiabilidad, y que cuiden la exactitud, autoridad, objetividad, actualización y cobertura de las informaciones que contiene y cuyas obras de ficción sigan parámetros literarios de valoración. La biblioteca no es un intermediario neutro entre el lector y el documento, el personal del servicio es el que valida su oferta documental e informativa.
  • Que esté abierta a todos: en diálogo permanente con la comunidad para responder a sus necesidades particulares y cambiantes de información y lectura; así, la colección debe reflejar la diversidad social y atender las necesidades específicas de determinados colectivos y grupos de población.
  • Que sea variada: el fondo debe caracterizarse por su heterogeneidad en razón de múltiples aspectos; variada en tipología documental, en temática y géneros, en soportes y fuentes, así como en niveles de lectura, con textos que posibiliten diversas formas de leer.
  • Que sea equilibrada: tanto en su composición cualitativa y en su dimensión cuantitativa; equilibrio entre materiales informativos y de ficción, de lectura y consulta, materias, etc.; y en la ratio de volúmenes por usuario.
  • Que sea ergonómica: los contenidos han de estar adaptados a los niveles de competencia de los usuarios atendiendo a la ergonomía del conjunto y de sus partes; los soportes tienen que ser manejables por el sector de público al que se dirigen, y los sistemas de clasificación e indización se adecuarán a los niveles de comprensión de los usuarios (adaptación de clasificaciones, centros de interés, etc.).
  • Que sea accesible: los materiales deben ser fáciles de identificar y localizar, a través de catálogos y sistemas de señalización adecuados a los niveles de comprensión de los usuarios; y deben adaptarse a los tramos de edad y capacidades que presentan los usuarios para que ellos los puedan manejar, consultar y leer.
  • Que sea viva: con un crecimiento sostenido que asegure la vigencia de sus componentes y arbitrando mecanismos de revisión y expurgo que la nutran y permitan mantenerla viva y actualizada.
  • Que sea dinámica: los fondos no deben ser estáticos sino sujetos a movilidad para estar allí donde surja la necesidad o donde se presente la ocasión de despertar interés o curiosidad por ellos. La difusión de novedades, exposiciones, centros de interés, guías, etc., redundará en un mejor conocimiento y uso de la colección.
  • Que sea una labor de equipo: la colección debe ser el resultado de una tarea de un equipo que comparte unas metas, asume unos criterios comunes de análisis y valoración de los materiales, pone en marcha unos procedimientos establecidos y participa a distintos niveles del proceso de selección.

Fonte: BIBLOGTECARIOS

‘Bibliotubers’: un proyecto pionero para fomentar la lectura en la adolescencia

Se trata de un proyecto de la Red de Bibliotecas del Ayuntamiento que es todo un éxito desde que se lanzó en abril de 2017 en la Biblioteca Pública Municipal de Portazgo

La iniciativa nace para animar a los adolescentes a leer y acercarse a las bibliotecas

Nueve chicas y chicos de entre 13 y 15 años del distrito de Puente de Vallecas se han convertido en las nuevas estrellas de YouTube en su barrio gracias a su afición por la lectura; y es que estos jóvenes participan en un proyecto pionero de la Red de Bibliotecas del Ayuntamiento denominado ‘Bibliotubers’ que es todo un éxito desde que se lanzó en abril de 2017 en la Biblioteca Pública Municipal de Portazgo.

Diana Mangas, jefa de división de este centro de Vallecas es la ideóloga de esta actividad, dice que la propuso con el objetivo de atraer al público adolescente que por su edad dejaba de venir con sus padres, y se perdía como lector en las bibliotecas. Y lo que surgió como un proyecto novedoso, hoy es ya todo un referente y se ha consolidado.

La iniciativa nace para animar a los adolescentes a formar parte de un club de lectura especial, ya que los participantes se convierten en youtubers de la Red de Bibliotecas, y protagonizan vídeos donde realizan una pequeña sinopsis y crítica de la lectura que han trabajado para recomendarla a público de su edad.

Lucía, Amor, Alicia, Jianing, Mª Almudena, Raúl, Alberto, María y Youssef son los miembros de este original club que ya tiene lista de espera. Los objetivos que pretende alcanzar la actividad son fundamentalmente fomentar la lectura y el hábito de acudir a la biblioteca, y mejorar su expresión escrita y verbal perdiendo el miedo escénico. Con este club de lectura se mejora además la autoestima de sus protagonistas, al comprobar cómo el canal crece en visitas y comentarios. Se logra también potenciar el trabajo en grupo, aprender a realizar una reseña literaria, y fomentar las nuevas tecnologías.

La dinámica de trabajo consiste en un encuentro de hora y media los viernes en el que ponen en común lo que han leído durante la semana, leen en grupo, ven a otros booktubers que han realizado críticas del mismo libro, y van elaborando una cartulina con biografía del autor, dibujos, personajes principales, frases que más les han gustado etc. El resultado de todas estas actividades lo exponen en la biblioteca.

Una vez que se han leído el libro, preparan la creación del vídeo diferenciando los personajes, lo que les ha parecido la historia, lo que más y menos les ha gustado, y otros detalles de la obra para realizar posteriormente la grabación. Los vídeos se suben al canal de Youtube de la Red de Bibliotecas del Ayuntamiento. Entre su archivo ya hay un clip de presentación, un especial en el que se cuentan los libros favoritos de los participantes, y el resto son reseñas de libros que se han leído en el club. Colabora activamente con ellos de forma desinteresada la empresa audiovisual ‘Los Interrogantes’, facilitándoles las grabaciones y herramientas para su posterior edición.

Puedes conocer el trabajo de estos auténticos youtubers, y de paso difundir esta interesante iniciativa.

Biblioteca de São Paulo comemora seu 9º aniversário com programação especial

No dia 9 de fevereiro, unidade contará com lançamento de livros, bate-papos, entre outras atividades gratuitas

Parque estadual da Juventude, localizado na zona norte da cidade de São Paulo
Data: 09/11/2016
Local: São Paulo/SP
Foto: Daniel Guimarães/A2IMG

Na capital, o aniversário da Biblioteca de São Paulo (BSP) será comemorado com diversas atividades gratuitas. A unidade, vinculada à Secretaria de Estado da Cultura e Economia Criativa, completa noves anos no próximo dia 9 de fevereiro (sábado). 

Os palhaços Jacinto e Sandoval estarão na biblioteca, das 9h30 às 17h, animando quem estiver por lá na data. Às 11h, começa o programa “Segundas Intenções”, que promove bate-papo com a escritora Djamila Ribeiro.  

Às 11h30, a oficina “Minichef Colher: de utensílio de cozinha a instrumento musical”, com o chef Andy Giacometti, promete fazer as crianças colocarem a “mão na massa” e produzirem as guloseimas da festança. A intervenção “Cortina sonora de livros” tem início no mesmo horário e propõe que os visitantes deixem mensagens de carinho para a BSP. 

A programação também contará com lançamentos de livros a partir das 14h, que reúne várias obras e seus autores. Uma homenagem aos frequentadores mais assíduos da BSP acontece às 15h3-. Às 16h, o Grupo Barbatuques chega com seu espetáculo “Barbatuquices”.  

Acessibilidade 

A BSP conta agora com óculos de tecnologia revolucionária, que oferece maior independência às pessoas com deficiência visual, déficit de leitura, dislexia e síndrome de down.  

Se todas as bibliotecas fossem assim, seria ótimo. Mais pessoas teriam a oportunidade de utilizar”, comenta Sara Severo, sócia da BSP. 

A unidade também possui um acervo de audiolivros, livros falados e livros em braile. Para obter mais informações sobre o serviço, basta procurar a equipe de atendimento. 

A literatura salva as pessoas. Isso só embasa o que eu realmente sinto em relação à biblioteca, cultura e acesso a todos”, afirma Maiane Ferreira, auxiliar de Leitura da SP Leituras, organização social responsável pela gestão da Biblioteca.  

SERVIÇO 

Biblioteca de São Paulo 

Parque da Juventude Dom Paulo Evaristo Arns
Av. Cruzeiro do Sul, 2.630, Santana, São Paulo-SP
Ao lado da Estação Carandiru do Metrô

Tel.: (11) 2089-0800
https://bsp.org.br/

Fonte: Governo do estado de São Paulo – Secretaria de Educação

Cultura – Literatura Infantil: Contação de histórias, Clube de Leitura e oficinas agitam a Biblioteca Parque Villa-Lobos na Capital Paulista em fevereiro

Contação de histórias, Clube de Leitura e oficinas agitam a Biblioteca Parque Villa-Lobos na Capital Paulista em fevereiro

A Biblioteca Parque Villa-Lobos (BVL), instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, gerida pela Organização Social SP Leituras (entre as 100 Melhores ONGs do Brasil), promete um fevereiro bem animado com atividades para pessoas de todas as idades. E tudo grátis! Entre os destaques do mês, a biblioteca realiza, em 24 de fevereiro, das 11h às 16h, o Domingo no Parque. O programa abre espaço para sessões de contação de histórias no Parque Villa-Lobos e traz, em fevereiro, a Cia. Na Ponta da Língua.

O Clube de Leitura do mês tem a obra “O ministério da felicidade absoluta”, de Arundhati Roy, no centro do debate, que acontece no dia 22, das 15h às 17h. Também em fevereiro, cursos e oficinas oferecem oportunidades para os que desejam ampliar ou aprofundar o conhecimento. O curso “A palavra é nossa âncora”, com o escritor Evandro Affonso Ferreira, começa no dia 6 (confira a disponibilidade de vagas) e a oficina de palhaçaria, com Hugo Passolo, dos Parlapatões, tem encontros marcados para os dias 12, 13, 14, 19 e 20 do mês (vagas também limitadas).

Vale lembrar que quem quer começar o ano cuidando melhor do corpo tem as aulas de Yoga, com Fernanda Haskel, na BVL, das 17h15 às 18h15 nas terças-feiras, dias 12, 19 e 26. Já a exposição “Lembra, corpo?”, inaugurada em 30 de janeiro, está aberta ao público. Promovida pelo Museu da Pessoa e reunindo fotografias que passaram por intervenções artísticas, a mostra é composta por acervo reunido pelo Museu da Pessoa durante o ano passado e tem curadoria do escritor, curador de fotografia e editor Diógenes Moura.

Acessibilidade

Importante ressaltar que a BVL tem novidade na área de acessibilidade. A biblioteca conta agora com óculos com tecnologia revolucionária, que oferece maior independência às pessoas com deficiência visual, déficit de leitura, dislexia e síndrome de down. Para mais informações, procurar a equipe de atendimento.

Confira, a seguir, a programação completa (sujeita a alterações), que inclui atividades lúdicas, de compartilhamento de conhecimento e contações de histórias, entre outras:

INFANTIL

HORA DO CONTO – Contação de histórias da literatura infantojuvenil, para aguçar o hábito da leitura e a imaginação das crianças. Não é necessário fazer inscrição.

Sextas-feiras, às 15h.

1º – O menino perfeito, de Bernat Cormand.

8 – Malala: uma menina muito corajosa, de Jeanette Winter.

15 – A turma do Sítio na Semana de 22: Uma aventura modernista, de Marcia Camargos. 22 – A moça tecelã, de Marina Colasanti.

Com equipe BVL.

Sábados e domingos, às 16h

2 – O macaco e a boneca de cera, de Luis da Camara Cascudo. Com Kelly Orasi.

3 – O papagaio real, de Regina Machado. Com Tricotando Palavras.

9 – A bailarina gorda, de Jarid Arraes. Com Heidi Monezzi.

10 – A esposa do corvo, de Helena Gomes e Geni Souza. Com interpretação em Libras. Com o Grupo Mãos de Fada.

16 – Carne de língua, de Ilan Brenman. Com Conte com Elas.

17 – Rebelião em Tortoni, de Pablo Bernasconi. Com Paula Dugaich.

23 – Bojabi – a árvore mágica, de Piet Grobler. Com interpretação em Libras. Com Mirela Estelles e Amarilis Reto.

24 – Urashima Taro: a história de um pescador, de Lucia Hiratsuka. Com a Cia. Mapinguary.

LÊ NO NINHO – Atividade de estímulo e iniciação à leitura para crianças entre 6 meses e 4 anos, realizada com livros lúdicos, tablet, contação de histórias e músicas. Pais e responsáveis podem, ao fim, emprestar os kits utilizados, com dois livrinhos e um fantoche, e reproduzir a experiência em casa. Com equipe BVL. Vagas limitadas, preenchidas por ordem de chegada.

Sábados e domingos, das 10h30 às 11h15.

PINTANDO O 7 – Atividades para pintar, desenhar, colar e criar, inspiradas em temas literários, ecológicos e culturais, desenvolvendo assim as capacidades artísticas e criativas das crianças. Com equipe BVL. A partir de 7 anos. Vagas limitadas, preenchidas por ordem de chegada.

Quartas-feiras, das 10h30 às 11h30.

6 – Cartão de mensagem para a BSP (em referência ao aniversário da Biblioteca de São Paulo).

13 – Jogo da memória auditiva.

20 – Confecção do jogo “cai e não cai”.

27 – Confecção do jogo “vai e vem”.

BRINCANDO E APRENDENDO – Programa que reúne intervenções, jogos teatrais, atividades rítmicas e brincadeiras educativas. Com equipe BVL. A partir de 7 anos. Vagas limitadas, preenchidas por ordem de chegada.

Sextas-feiras, das 15h30 às 16h30 horas.

1– Stop.

8 – Jogo Dixit.

15 – Pula corda e brincadeiras de roda (em referência ao Dia da Amizade).

22 – Ping-pong (em referência ao Dia do Esportista).

TODOS OS PÚBLICOS

DOMINGO NO PARQUE – Espaço de leitura para toda a família com sessões de contação de histórias no Parque Villa-Lobos. Com a Cia. Na Ponta da Língua. Não é necessário fazer inscrição. Em caso de chuva, a atividade será realizada dentro da biblioteca.

Domingo, 24, das 11h às 16h.

JOGOS DE VIDEOGAME – A BVL conta com uma sala equipada com os videogames mais legais do momento. Vagas limitadas, preenchidas por ordem de chegada.

De terça a domingo, das 9h30 às 18h30.

JOGOS SENSORIAIS – Experiência lúdica que estimula as habilidades sensoriais e a memória, com jogos e brincadeiras para pessoas com e sem deficiência. Com equipe BVL. A partir de 11 anos. Vagas limitadas, preenchidas por ordem de chegada.

Terças-feiras, das 16h30 às 17h30.

JOGOS PARA TODOS! Oficina de Xadrez – Os participantes aprendem as regras, os movimentos das peças e algumas táticas do jogo, além de disputar partidas. Pessoas com deficiência visual dispõem de tabuleiros adaptados. Com a FOX – Formação e Orientação de Xadrez. Vagas limitadas, preenchidas por ordem de chegada.

Sábados, das 15h às 17h.

LEITURA AO PÉ DO OUVIDO – Frequentadores da biblioteca são convidados a ouvir a leitura de trechos de livros, podendo conhecer assim novos autores, títulos e assuntos. Com equipe BVL. Não é necessário fazer inscrição.

Quartas-feiras, das 16h30 às 17h

6- Estação Carandiru, de Drauzio Varella.

13 – Semana de 22: entre vaias e aplausos, de Marcia Camargos.

20 – Baratas, de Scholastique Mukasonga.

27 – As vinhas da ira, de John Steinbeck.

JOVEM

COMPARTILHANDO SABERES: Curso livre – inglês básico – Venha aprender uma nova língua e conhecer novas culturas. A partir de 16 anos. Com Martim Mendonça de Albuquerque Cavalcanti. Inscrições pelo link www.bvl.org.br/inscricao.

Quartas e sextas, das 10h30 às 11h30.

LUAU BVL – O programa apresenta aos jovens temas relacionados à música, literatura, poesia, atualidade e espaço para apresentações artísticas. A partir de 13 anos. Com equipe BVL. Não é necessário fazer inscrição.

Quintas-feiras, das 16h às 17h

OFICINA ESPALHAFATOS – Os participantes aprendem técnicas de entrevista e aplicam esses conhecimentos com artista convidado surpresa. O trabalho é publicado no jornal Espalhafatos. A oficina ensina técnicas para que os jovens se expressem de maneira clara, criativa e atraente. Indicado para pessoas de 12 a 16 anos. Inscrições pelo link www.bvl.org.br/inscricao (confira disponibilidade de vagas). Com João Varella, da Editora Lote 42. Varella é jornalista, escreveu para veículos como IstoÉ Dinheiro, El Economista América, R7, Gazeta do Povo, Cândido, entre outros. Fundador da editora Lote 42 e da Banca Tatuí, espaço de publicações independentes em São Paulo. Escreveu os livros 42 Haicais e 7 Ilustrações​ (Lote 42), Curitibocas – Diálogos Urbanos​ (Coração Brasil), e A Agenda (Novo Conceito).

Quinta e sexta-feira, dias 21 e 22 de fevereiro, das 14h30 às 17h30. Carga horária: 6 horas.

ADULTO

CURSO – A PALAVRA É NOSSA ÂNCORA – Curso dedicado a discutir literatura, mercado editorial e o trabalho das livrarias. Entenda como funciona o processo de edição de um livro e principalmente como escrevê-lo. Toda semana, o encontro promove a discussão do trabalho de um escritor de suma importância na literatura mundial. Indicado para pessoas a partir de 15 anos. Inscrições pelo link www.bvl.org.br/inscricao (confira disponibilidade de vagas). Com Evandro Affonso Ferreira. Ferreira é autor de mais de uma dezena de romances, entre eles, Minha mãe se matou sem dizer adeus (Prêmio APCA Melhor romance do Ano); O Mendigo que sabia de cor os adágios de Erasmo de Rotterdam (Prêmio Jabuti Melhor romance do Ano); Nunca houve tanto fim como agora (Prêmio Biblioteca Nacional Melhor Romance do Ano).

Quartas e sextas-feiras, de 6 de fevereiro a 15 de março, das 15h às 18h. Carga horária: 36h.

OFICINA DE PALHAÇARIA – A oficina traz a visão dos Parlapatões sobre a arte da palhaçaria, incluindo os recursos clássicos, bem como a investigação contemporânea, a arte da bufonaria, além da História do Circo e dos Palhaços. O intuito é desenvolver, de forma prática e teórica, os conceitos da palhaçaria por meio do contexto histórico, envolvendo ações corporais e teóricas. Indicado para pessoas a partir de 16 anos. Inscrições pelo link www.bvl.org.br/inscricao (confira disponibilidade de vagas). Com Hugo Possolo. Possolo é ator, cenógrafo, figurinista, aderecista e diretor. Ele, que faz questão de ser chamado de Palhaço, é formado em jornalismo e dedica-se ao Teatro desde a adolescência. Após 10 anos de teatro profissional, nos quais passou por vários grupos e pela Escola de Circo Picadeiro, começou a atuar na rua, passando o chapéu para sobreviver. Assim surgiu, no início da década de 90, o grupo teatral Parlapatões, Patifes & Paspalhões, que em 2018 completa 27 anos.

Dias 12, 13, 14, 19 e 20 de fevereiro de 2019, das 14h às 17h. Carga horária 15h.

COMPARTILHANDO SABERES: Yoga – Em ambiente aconchegante e inspirador, a atividade promove o bem-estar e a melhora da qualidade de vida. As aulas de Hatha Yoga apresentam posturas e técnicas simples, que podem ser praticadas por qualquer pessoa, e contemplam o trabalho dinâmico do corpo (alongamento – fortalecimento muscular – equilíbrio), a concentração na respiração e o relaxamento. Recomenda-se que os praticantes ingiram apenas alimentos leves antes da aula e usem roupas confortáveis. Com Fernanda Haskel. Vagas limitadas, preenchidas por ordem de chegada.

Terças-feiras, 12, 19 e 26, das 17h15 às 18h15.

EXPOSIÇÃO “LEMBRA, CORPO?” – Trata-se de uma seleção de narrativas de histórias de vida do acervo produzido no ano de 2018 pelo Museu da Pessoa. A mostra, que reúne fotografias, imagens e palavras, propõe uma reflexão sobre a relação entre o corpo e a memória. Cada corpo tem sua história. Em cada corpo cabem muitas histórias. Com a curadoria de Diógenes Moura e com fotografias bordadas pelo artista Nário Barbosa, “Lembra, corpo?” desafia cada um de nós a refletir sobre como o corpo e a memória se conectam e se misturam, seja com as nossas próprias histórias de vida, seja com as dos outros.

Visitação: de terça a domingo, das 9h30 às 18h30, até o dia 3 de março.

CLUBE DE LEITURA – Todos os meses a BVL seleciona um livro e propõe a discussão de detalhes sobre a história com os leitores da obra, incentivando o encontro de pessoas, o debate literário e o hábito da leitura. O ministério da felicidade absoluta, de Arundhati Roy, é o centro do debate do encontro de fevereiro. Com equipe BVL. Não é necessário fazer inscrição.

Sexta-feira, 22, das 15h às 17h.

DE OLHO NAS INSCRIÇÕES!

CURSO – QUADRINHOS DE AUTOR – O curso apresenta o processo de produção e execução de uma história em quadrinhos ou novela gráfica. Noções de roteiro e desenvolvimento em imagens e narrativa. Enquadramento, plano, composição de página e espelho. Apresentação de análise e possibilidades técnicas. Indicado para pessoas a partir de 15 anos. Inscrições pelo link www.bvl.org.br/inscricao (confira disponibilidade de vagas). Com Lourenço Mutarelli. Mutarelli começou a carreira como desenhista e depois passou a fazer histórias em quadrinhos e então se tornou escritor. Atualmente ministra oficinas de histórias em quadrinhos e de processos criativos no Sesc Pompeia. Como quadrinhista publicou 12 álbuns: “Transubstanciação”(1991), “Desgraçados”(1993), “Eu te amo Lucimar”(1994), “A Confluência da Forquilha”(1997), “Sequelas”(1998), “O Dobro de Cinco”(1999), “O Rei do Ponto(2000)” e a “Soma de Tudo” (2001, 2002) vol 1 e 2 (que integram meu ultimo lançamento em quadrinhos pela Companhia das Letras intitulado “Diomedes, a trilogia do acidente”), além de “Mundo Pet”(2004), “A caixa de Areia”(2006) e “Quando Meu pai se encontrou com o ET fazia um dia quente”(2011).

Escreveu também 7 peças de teatro, cinco delas reunidas no livro “O Teatro de Sombras”(2007) e uma mini série para internet www.teatroparaalguém.com.br intitulada “Corpo Estranho”. Como escritor, tem 8 livros publicados: “O Cheiro do Ralo”(2002), “O Natimorto” (2004), “Jesus Kid”(2004), “A Arte de Produzir Efeito sem Causa”(2008), “Miguel e os Demônios”(2009) e “Nada me faltará”(2011), “O Grifo de Abdera” (2015), “O Filho Mais Velho de Deus e/ou Livro IV” (2018).

Terças e quintas-feiras, do dia 12 de março a 4 de abril de 2019, das 14h30 às 17h30. Carga horária: 24 horas.

TECNOLOGIA DIA A DIA – CURSO DE INFORMÁTICA BÁSICO +60

Permite aos participantes o primeiro contato com o computador, introduzindo-os ao mundo digital de forma simples e didática. Carga horária: 34 horas. Indicado para pessoas acima de 60 anos. Inscrições no balcão de atendimento da biblioteca, de terça a sexta-feira, das 10h às 18h ou pelo telefone 3024-2500.

TECNOLOGIA DIA A DIA – OFICINA DE SMARTPHONES – Os primeiros passos dentro do universo dos smartphones. Indicado para pessoas acima de 60 anos. Carga horária: 24 horas. Inscrições no balcão de atendimento da biblioteca, de terça a sexta-feira, das 10h às 18h ou pelo telefone 3024-2500.

Biblioteca Parque Villa-Lobos – Av. Queiroz Filho, 1205, Alto de Pinheiros, São Paulo (SP).Tel.: 11-3024-2500 – https://bvl.org.br/

Da Redação com informações provenientes e vinculadas pela SECRETARIA DE CULTURA E ECONOMIA CRIATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Fonte: Portal Bragança News

Ação distribui HQs em espaços públicos de Campinas para democratizar leitura

Iniciativa da Biblioteca Municipal prevê distribuir ao menos 200 obras até o fim de fevereiro

Pacotes com quadrinhos são distribuídos por Campinas (SP). — Foto: Joyce Santos/G1

Texto por Rui do Amaral*

Em meio aos passageiros apressados que cruzam o terminal rodoviário no Centro de Campinas (SP) entre chegadas e partidas, a bibliotecária Suze Elias caminha com uma sacola de pano nas mãos. Dentro estão quadrinhos que começaram a ser distribuídos na manhã desta quinta-feira (31) em espaços públicos da cidade com objetivo de democratizar a leitura das histórias, e em comemoração ao Dia do Quadrinho Nacional, celebrado no dia anterior.

Ao G1, a bibliotecária contou que atua na atividade há 16 anos e os trabalhos ficarão disponíveis para quem quiser, basta levar para casa e ler. Idealizadora, ela conta que a ideia da “Revoada de Quadrinhos” – espalhar obras em diferentes regiões – veio à tona em 2017, quando teve a 1ª edição.

“A ideia é fazer com que todo mundo tenha a oportunidade de contemplar e ler estas histórias. São quadrinhos exclusivamente nacionais, de autores de todo o país. Se a pessoa quiser, pode compartilhar os livros com outras pessoas depois de ler”, ressalta Suze.

Manuela ainda não sabe ler, mas se interessou pelos quadrinhos — Foto: Joyce Santos/G1

Ao ver uma das sacolas com três exemplares novinhos, Manuela, de 3 anos, não exita em transformar curiosidade em aproximação. A mãe, Maria Alice, conta que a menina, mesmo sem saber ler, gosta de folhear e observar as cores dos quadrinhos.

“Ela vê muita televisão e mexe bastante no celular, então eu gosto de ver quando ela pega alguma coisa diferente, como estes livros. É uma iniciativa muito legal”.

Gustavo levou para casa um pacote com três gibis — Foto: Joyce Santos/G1

Reação semelhante ocorre quando Gustavo, de 7 anos, se depara com um gibi do Chico-Bento, um dos personagens emblemáticos criados pelo Maurício de Sousa.

“Eu não gosto tanto de ler, mas estou aprendendo. Destes aqui talvez eu goste”, conta. A mãe, Tatiane Batista, elogia a ação. “É uma hora boa para a criança se interessar por ler”.

De acordo com Suze, ver as crianças com os quadrinhos em mãos proporciona satisfação.

“Fico toda feliz quando vejo eles lendo, se interessando. Missão cumprida”.

Suze Elias coloca pacote dentro de ônibus no Terminal Central. — Foto: Joyce Santos/G1

Calendário

A distribuição dos quadrinhos irá ocorrer diariamente até 28 de fevereiro e conta com participação de outros funcionários da biblioteca. Quem quiser ajudar com doações pode ir até a Biblioteca Pública Municipal “Professor Ernesto Manoel Zink” – Avenida Benjamin Constant, 1633.

“Muitos autores disponibilizam os quadrinhos para a gente, mas quem tiver algum em casa e quiser doar, também aceitamos”, destaca a bibliotecária.

Eventos

A Biblioteca Pública Municipal de Campinas terá agenda que inclui rodas de conversa com autores nacionais, feira para aquisição de trabalhos em fevereiro, além de exposições.

Sob supervisão de Fernando Pacífico.

Fonte: G1 Campinas e Região

Governo quer preservar património literário português no Brasil

O secretário de Estado das Comunidades esteve recentemente ano Rio de Janeiro e em São Paulo.

No âmbito da deslocação do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas ao Brasil, procedeu-se também à homologação de um protocolo, no Rio de Janeiro, que visa a valorização do património literário e cultural de vários Gabinetes de Leitura portugueses no Brasil.

O acordo enquadra a cooperação entre o Ministério dos Negócios Estrangeiros, através do Instituto Diplomático e o Ministério da Cultura, através da Biblioteca Nacional.

«Vamos realizar o levantamento das obras que temos hoje nos gabinetes de leitura de Belém do Pará, de Salvador da Baía e também de Recife. São entidades fundadas por cidadãos portugueses entre 1850 e 1865 e constituem notáveis exemplos da herança cultural portuguesa, tanto de cariz material como imaterial», afirmou José Luís Carneiro.

Os trabalhos serão levados a cabo por técnicos qualificados, que irão identificar as obras que não existem em Portugal, para efeitos de catalogação, classificação e, posteriormente, de digitalização.

Estima-se que estes três gabinetes de leitura reúnam no seu conjunto mais de 140 mil volumes. Entre este acervo bibliográfico estão muitos dos originais como um manuscrito de um capítulo do livro “A Cidade e as Serras” de Eça de Queiroz, mas também um manuscrito da única edição do livro “Urtigas” do escritor pernambucano Joaquim Maria Carneiro Vilela, assim como uma das coleções mais completas do mundo das obras de Camilo Castelo Branco, que inclui a primeira edição da obra “Amor de Perdição”.

Visita ao Mercado Municipal de São Paulo

José Luís Carneiro visitou o Mercado Municipal de São Paulo. A visita ocorreu a 25 de janeiro, data em que se comemorava o 86º aniversário daquele mercado.

Acompanhado por um agrupamento de música tradicional portuguesa, o governante visitou vários comerciantes portugueses e lusodescendentes que ali têm as suas lojas.

José Luís Carneiro contactou também o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, que destacou a boa integração da comunidade portuguesa na sociedade paulista e a sua importância para o crescimento e desenvolvimento da cidade.

Fonte: Revista PORT.COM

5 leis da biblioteconomia no contexto da Indústria 4.0

Leis da biblioteconomia e a indústria 4.0

5 leis da biblioteconomia no contexto da Indústria 4.0

Provavelmente, você já conhece as cinco leis da biblioteconomia, criadas pelo pensador indiano Shiyali Ramamritam, em 1931. Porém, muitas coisas mudaram de lá para cá e associar essas leis ao contexto da indústria 4.0 pode nos ajudar a entender que, mesmo com tantas mudanças, a biblioteconomia continua sendo fundamental para o ensino superior.

Neste texto, vamos falar um pouco sobre cada uma das leis da biblioteconomia e sua relação com a indústria 4.0. Confira!

1. Os livros são para serem usados

De acordo com a primeira lei de Ranganathan, os livros são apenas os meios para se alcançar o conhecimento. Isso significa que foram feitos para serem usados como instrumento.

Leia também: Saiba como o blockchain pode transformar a educação e biblioteconomia

No âmbito da biblioteconomia, a organização dos livros por temas é muito mais efetiva. Quando contextualizamos a indústria 4.0, tecnologias como big data e inteligência artificial facilitam ainda mais essa catalogação, além de permitirem o fácil acesso às fontes de conhecimento.

2. Todo livro tem o seu leitor

A segunda lei da biblioteconomia reforça a ideia de que cada livro atende a uma necessidade específica do leitor. Assim, o leitor que busca suprir uma necessidade pode encontrar diversos livros em sequência que servem para a situação, tornando a experiência muito mais rica. Aplicado ao contexto da indústria 4.0, isso resulta em um trabalho que otimiza o tempo do leitor ao buscar resolver um problema, encontrando com mais facilidade o livro que o ajude.

3. Todo leitor tem o seu livro

A terceira lei da biblioteconomia mostra que o foco sempre deve ser o leitor e sua boa experiência. Conhecer os usuários da biblioteca é muito importante para que o bibliotecário desempenhe sua função com mais eficiência.

Leia também: Os livros e as tecnologias digitais: como incentivar a leitura na Era Digital?

Na indústria 4.0, a jornada do leitor pode ser acompanhada por meio de um CRM (do inglês, Customer Relationship Management, ou Gestão de Relacionamento com o Cliente, em português), que armazena dados e mostra as preferências e o histórico de ações dos usuários.

4. Poupe o tempo do leitor

Podemos comparar o leitor com um consumidor, pois ambos estão cada vez mais exigentes e ansiosos, principalmente os millennials, que também são chamados de geração Y. Nesse aspecto, ressaltamos a quarta lei da biblioteconomia, que preza pela organização, arrumação e catalogação dos livros, tornando a busca fácil, rápida e prática.

5. Uma biblioteca é um organismo em crescimento

A última lei de Ranganathan nos mostra que nada deve ser permanente e tudo deve ser adaptado para facilitar a vida do usuário. Portanto, é importante que o bibliotecário esteja sempre atento aos assuntos mais buscados, aos elogios e reclamações e até à inclusão de novas categorias e subcategorias.

Leia também: Como as instituições de ensino superior podem lidar com o analfabetismo funcional

Do mesmo modo, a indústria 4.0 também exige que tanto os profissionais quanto as instituições de ensino superior estejam sempre de olho nas tendências, na evolução das tecnologias do setor e às novas necessidades de seus leitores, para oferecer um ambiente de estudos adequado e que facilite o acesso ao conhecimento.

Biblioteca digital é uma grande tendência na indústria 4.0

O valor de uma biblioteca física é inestimável. Ao complementá-la com a biblioteca online, cria-se outros meios para estimular a leitura e aproximar os alunos.

Minha Biblioteca é uma plataforma digital de livros que disponibiliza mais de 7 mil títulos acadêmicos para alunos e professores, que terão acesso a um acervo com obras das mais diversas áreas do conhecimento: direito, saúde, engenharia, educação, administração, entre outros.

Fonte: Minha Biblioteca.com.br

Conheça alguns dos livros raros disponíveis na Biblioteca da FESPSP

Primeiro levantamento é referente ao conteúdo da área de Biblioteconomia. Durante os próximos dias divulgaremos dos outros cursos.

Você sabia que a biblioteca da FESPSP abriga alguns exemplares raros da literatura?
Entre os autores destacados do nosso acervo de Biblioteconomia estão Dewey, Edson Nery da Fonseca, Heloísa de Almeida Prado, Laura Russo e Rubens Borba de Moraes, patrono do nosso centro Acadêmico.
Caso você não seja nosso aluno, agende seu atendimento pelo e-mail biblioteca@fespsp.org.br ou pelo telefone 11 3123-7811.
Confira a lista completa:
Livros históricos da Biblioteconomia
ANDRADE, Almir de. Contribuição à história administrativa do Brasil: na república, até o ano de 1945. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1950. 242 p.
BIBLIOTHÉQUES livres et librairies: conferences faites a l’Ecole das hautes-études sociales sous le patronage de l’Association des bibliothécaires français avec le concours de l’Institut Internacional de Bibliographie et du cercle de la librairie. Paris: Rivière, 1912. 274 P. (2)
BISHOP, William Warner. The Backs of books: and other essays in librarianship. Baltimore: The Williams & Wilkins Campany, 1926. 338 p.
BUONOCORE, Domingo. Elementos de bibliotecología. 3. ed. Santa Fé, AR: Castellví, 1952. 583 p.
CALOT, Frantz; THOMAS, Georges. Guide pratique de bibliographie. Paris: Delegrave, 1936. 320 p.
CAMPOS, Vinicio Stein. Elementos de museologia: história dos museus. São Paulo: Secretaria da Cultura Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1973.
CATALOG rules: author and title entries. American edition. Chicago, Ill.: American Library Association Publishing Board, 1908. 88 p.
CLASSIFICATION: Library of congress social scienes. 2. ed. Washington: The Library of Congress, 1920. 597 p.
COMISSÃO BRASILEIRA DE CLASSIFICAÇÃO DECIMAL UNIVERSAL. Classificação Decimal Universal: 7 Belas Artes. Rio de Janeiro: IBBD, 1963. 255 p.
DEWEY, John; DUARTE, Eustáquio. Liberdade e cultura. Rio de Janeiro: Revista Branca, 1953. 197 p.
DEWEY, Melvil. Decimal Classification and relativ index. 14. ed. Nova Iorque: Forest Press, 1942. 1927 p.
FONSECA, Edson Nery da. A biblioteconomia brasileira no contexto mundial. Brasília: INL, 1979. 112 p.
FONSECA, Edson Nery da. Bibliotecas e bibliotecários da província. 1959. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1959. 76 p.
FONSECA, Edson Nery da. Ramiz Galvão: bibliotecário e bibliógrafo. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1963. 43 p.
LASSO DE LA VEGA Y JIMÉNEZ-PLACER, Javier. Tratado de biblioteconomia: organizacion técnica y cientifica de bibliotecas. 2. ed. Madrid: Mayfe, 1956. 637 p.
LENTINO, Noêmia. Classificação decimal: teórica, prática, comparada – exercícios e índices. São Paulo: Leia, 1959. 295 p. (Série de Biblioteconomia).
LITTON, Gaston. O livro e sua história. São Paulo: McGraw-Hill, 1975. 284 p. (Série de biblioteconomia).
MANN, Margaret. Introduction to cataloging and the classification of books. 2. ed. Chicago, US: American Library Association, 1943. 276 p.
MARTINS, Wilson. A palavra escrita. São Paulo: Anhembi, 1957. 549 p.
MORAES, Rubens Borba de. O bibliófilo aprendiz/ prosa de um velho colecionador para ser lida por quem gosta de livros, mas pode também servir de pequeno guia aos que desejam formar uma coleção de obras raras antigas ou modernas. 2. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1975. 187 p.
NORRIS, Dorothy May. A history of cataloguing and cataloguing methods 1100-1850: with an introductory survey of ancient times. Londres: Grafton, 1939. 246 p.
PIRANI, Emma Coen. Nuovo manuale del bibliotecario. Itália: S.T.E.M.Mucchi, 1979. 511 p.
PRADO, Heloísa de Almeida. Como se organiza uma biblioteca. 3. ed. São Paulo: Lep, 1961. 132 p.
RUSSO, Laura Garcia Moreno. A biblioteconomia brasileira 1915/1965. Rio de Janeiro: INL 357 p. (Coleção B2 Biblioteconomia; 05)
RUSSO, Laura Garcia Moreno. Bibliotecas especializadas em assuntos agropecuários. São Paulo: 1969. 70 p;

Fonte: FESPSP – Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

Livro que pertenceu a Hitler revela “solução final” para o Canadá

Os curadores acreditam que este livro era parte do acervo da biblioteca de Adolf Hitler, no seu refúgio nos Alpes bávaros, mas que terá sido levado por soldados aliados que estiveram no local após a derrota nazi.

O autor do livro, que trabalhou diretamente para o Terceiro Reich, destaca na obra os planos nazis para uma eventual presença na América do Norte. As principais cidades do Canadá, incluindo Montreal e Toronto, estão na lista incluída na obra, assim como pequenas comunidades como Trois-Rivières, que naquela época tinha uma população judaica de apenas 52 pessoas.

Michael Kent, curador da Biblioteca e Arquivos do Canadá, compara esta nova aquisição da biblioteca ao Livro Negro, que tinha uma lista de residentes britânicos identificados como alvos, no caso de uma invasão bem sucedida do nazismo no Reino Unido. “Este livro mostra que os horrores da II Guerra Mundial foram bem pensados e analisados.”

Além disso, Kent refere que a aquisição deste livro ocorre numa época crucial, em que os académicos alertam para o aumento da ignorância entre os canadianos em relação ao Holocausto. Um estudo recente indicou que mais de metade dos adultos canadianos não sabem que mais de seis milhões de judeus foram mortos durante o Holocausto.

Espera-se que este livro seja usado pelos arquivos para fins educacionais e para combater uma tendência recente de discursos de ódio que vem surgindo nos Estados Unidos e no Canadá.

Fonte: ZAP

Ministério cria grupo para verificar condições de museus, bibliotecas e imóveis tombados

Prédio histórico do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, em chamas durante incêndio que destruiu em setembro de 2018 a maior parte de seu acervo — Foto: Ricardo Moraes/Reuters

Quase cinco meses após o incêndio que destruiu o Museu Nacional, o governo federal criou nesta segunda-feira (28), por ordem do ministro da Cidadania, Osmar Terra, um grupo de trabalho para esquadrinhar as condições de museus, bibliotecas e imóveis tombados da União. O legado da Olimpíada do Rio de 2016 também será auditado pelos técnicos do governo.

O secretário especial de Cultura, Henrique Pires, informou que o grupo terá seis meses para mapear eventuais riscos ao patrimônio cultural e apresentar um plano de ação que já contenha sugestões orçamentárias para solucionar situações críticas que venham a ser identificadas ao longo da inspeção. A intenção, segundo o ministério, é garantir o funcionamento e a manutenção desses imóveis.

“Os bens culturais tombados têm enorme valor simbólico e referencial para o Brasil. Qualquer destruição de patrimônio é uma perda irreparável, não somente pelo valor financeiro, mas, principalmente, pelo valor simbólico”, enfatizou o secretário.

Dono de um acervo com cerca de 20 milhões de itens, o Museu Nacional viu a maior parte dos fósseis, múmias, registros históricos e obras de arte mantidos em suas dependências virarem cinzas em um incêndio em setembro do ano passado, durante o governo Michel Temer.

As causas do incêndio ainda estão sendo investigadas, porém, especialistas apontaram após a tragédia que o prédio bicentenário estava em situação de penúria, com falta de manutenção e fiação elétrica exposta.

Apesar da importância histórica, o Museu Nacional foi afetado pela crise financeira da UFRJ e estava há pelo menos três anos funcionando com orçamento reduzido. A situação chegou ao ponto de o museu anunciar uma “vaquinha virtual” para arrecadar recursos junto ao público para reabrir a sala mais importante do acervo, onde ficava a instalação do dinossauro Dino Prata.

De acordo com o Ministério da Cidadania, o grupo de trabalho criado nesta segunda-feira será presidido pela Secretaria Executiva da pasta com coordenação técnica do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O Ministério da Cidadania é responsável pela administração direta de 30 museus federais. Além disso, a pasta gerencia dezenas de espaços culturais ligados à Fundação Nacional de Artes e ao Iphan, entre os quais a Biblioteca Nacional, do Rio de Janeiro.

Legado olímpico

Parque Olímpico do Rio foi palco dos jogos olímpicos de 2016 — Foto: Alexandre Macieira/Riotur

A assessoria do ministério afirmou que o Parque Olímpico da Barra da Tijuca e o Velódromo Olímpico, ambos no Rio, também serão alvo do Raio-X que será feito pelo grupo de trabalho.

Após o fim do evento internacional, o espaço que custou bilhões aos cofres públicos ficou em estado de abandono. Grande parte do legado olímpico continua sem uso.

De acordo com o Ministério da Cidadania, o governo pretende assegurar aos dois espaços que foram palco da Olimpíada de 2016 condições de segurança para que continuem funcionando com plena capacidade.

Fonte: G1

Torneio de Literatura Fantástica lota auditório da Biblioteca Nelson Foot

Bibliotecas Públicas de São Bernardo trazem programação literária variada

Assinado protocolo para a digitalização de gabinetes de leitura portugueses

Os gabinetes de leitura portugueses de Belém do Pará, Salvador e Recife vão começar a ser digitalizados. Carneiro explica voto aos emigrantes.

O protocolo que enquadra legalmente o projecto do Governo português para a digitalização do acervo histórico, literário e documental dos gabinetes de leitura portugueses de Belém do Pará, de Salvador da Baía e Recife, no Brasil, é assinado este sábado, no Rio de Janeiro, na presença do secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, que promoveu e dinamizou este projecto e garantiu o seu financiamento pelos empresários da diáspora portuguesa, como o PÚBLICO noticiou.

O protocolo envolve o Ministério dos Negócios Estrangeiros e o Ministério da Cultura. O MNE dá no terreno o apoio da embaixada e da rede consular, bem como assegura o financiamento obtido pelo Gabinete de Apoio ao Investidor da Diáspora, junto de empresários portugueses no estrangeiro e lusodescendentes. Ao Ministério da Cultura competirá garantir a equipa técnica que irá avaliar o espólio dos gabinetes e os meios para a sua digitalização, bem como fornecer às entidades brasileiras cópias digitalizadas de obras existentes na Biblioteca Nacional.

Os três gabinetes são propriedade e portugueses ou lusodescendentes (e administrados por eles) e possuem importantes espólios literários e documentais, representando um acervo raro, a que se junta o Real Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro. Esta instituição já tem um projecto de recuperação e dinamização próprio, garantido pelo Estado português que participa na administração com poder de veto.

A deslocação do secretário de Estado das Comunidades ao Brasil tem ainda como objectivo divulgar as novas regras eleitorais aprovadas em Julho 2018 pela Assembleia da República que facilitam o exercício do direito de voto às comunidades portuguesas no estrangeiro. José Luís Carneiro realiza duas sessões públicas sobre o assunto sob o título de “Diálogos com as Comunidades: Leis Eleitorais + Participação”, uma realizou-se na sexta-feira em São Paulo, a segunda decorre este sábado ao princípio da tarde no Liceu Literário Português.

As mudanças introduzidas, como o PÚBLICO noticiou, determinam que o recenseamento eleitoral dos emigrantes passa a ser automático como o dos cidadãos em território nacional e feito através do registo do cartão de cidadão nos consulados. Preparada em conjunto pela secretária de Estado Adjunta da Administração Interna, Isabel Oneto, e pelo secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, esta alteração fará, de acordo com os cálculos do executivo, aumentar em cerca de um milhão o número de potenciais votantes fora de Portugal. Para isso, o Governo está a preparar o aumento substancial do número de mesas de voto.

Fonte: PÚBLICO 

Qual o papel das bibliotecas prisionais?

Texto por Catia Lindemann 

Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação inova ao lançar o “Primeiro Fórum Brasileiro de Bibliotecas Prisionais”

O sistema não tem interesse em criar bibliotecas e reintegrar na sociedade homens que produzam. O sistema rouba até dos detentos que trabalham nas valas.” (P. H. – Egresso do sistema).

Por décadas as bibliotecas prisionais foram negligenciadas, tanto pelo governo, quanto pela biblioteconomia e os bibliotecários brasileiros. Ressaltamos que as unidades de informação intramuros prisionais são tão legitimas quanto qualquer outra biblioteca.

No entanto, apenas a FEBAB (Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas de Informação e Instituições), 34 anos depois de sua fundação, em 2017, deu representatividade e voz às bibliotecas prisionais, compondo a primeira Comissão Brasileira de Bibliotecas Prisionais (CBBP/FEBAB).

Ao longo destes dois anos, levamos a pauta do livro e da leitura atrás das grades a todo o território nacional, e até fora dele, participando de eventos internacionais – Programa Ibero-americano de Bibliotecas Públicas – e realizando o “Advocacy” da Agenda 2030, cuja premissa é “não deixar ninguém para trás” e isso incluí as prisões.

Ano passado, por exemplo, estivemos em Brasília para uma reunião com Renato De Vitto, coordenador do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF). Na ocasião pedimos a aplicabilidade da lei relativa à obrigatoriedade de bibliotecas nas instituições penais brasileiras.

Esse encontro foi registrado pelo DMF e pode ser verificado no relatório de gestão do CNJ/2018 (p. 7), no trecho em que, pela primeira vez, as bibliotecas passaram a fazer parte da fiscalização penitenciária: “[…] visitas e inspeções em estabelecimentos prisionais e distribuição de bibliotecas a unidades prisionais em todo o território nacional […].”  

Também em 2018, em um encontro realizado na Câmara dos Deputados, com profissionais do Distrito Federal, sobre “Políticas públicas para livro e leitura no cárcere”, e com a participação na mesa da deputada federal, Erika Kokay (PT/DF), pudemos articular sobre a aplicabilidade da lei em relação às unidades de informação no cárcere, assim como o reconhecimento da profissão de bibliotecário no quadro funcional do sistema penal brasileiro.

A parlamentar, que foi reeleita na última eleição, se colocou como articuladora para um projeto de lei (PL) que dê legitimidade à profissão de bibliotecário dentro das unidades carcerárias brasileiras.

Temos a grata satisfação de mencionar o quanto a temática das bibliotecas prisionais evoluiu nas pesquisas cientificas, considerando que anteriormente não havia um número expressivo sobre a abordagem do objeto na área, o que se deu com a apresentação de trabalhos de conclusão de curso e dissertações de mestrado.

Entretanto, há muito para se lutar e fazer. O quadro do nosso sistema penitenciário é caótico, as bibliotecas já não fazem mais sequer parte das informações dos relatórios anuais do governo. Muitas, das já poucas no país, deram lugar para abrigar mais presos, diante da superlotação carcerária que continua crescendo.

Com o tema “Democracia e desigualdade: qual o papel das bibliotecas?”, o Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação (CBBD), que acontece entre os dias 1 a 4 de outubro em Vitória (ES), deste ano vai lançar o “Primeiro Fórum Brasileiro De Bibliotecas Prisionais”.

A intenção da FEBAB é justamente tornar mais amplo e participativo o diálogo acerca das bibliotecas prisionais, buscando fazer uma reflexão em cima do tema do próprio Congresso, pois democracia é algo que, definitivamente, não existe no cárcere e desigualdade é o que impera dentro da realidade por trás dos muros da prisão. Então esta será a problemática dentro do nosso Fórum: “Qual o papel das bibliotecas prisionais?”

Em breve divulgaremos mais sobre o nosso primeiro Fórum e disponibilizaremos as informações. Por hora, deixamos o convite para que submetam seus trabalhos, especialmente a quem pesquisou ou pesquisa sobre as bibliotecas prisionais. Temos um eixo totalmente voltado à biblioteconomia social, a que fez e faz acontecer a realidade dos livros na prisão.

Para maiores informações sobre as ações da Comissão Brasileira de Bibliotecas Prisionais, pode acessar clicando aqui ou acessando a página no Facebook.

Fonte: Biblioo

BN Digital oferece acesso gratuito a 2,1 milhões de documentos

Mapas, imagens, documentos, fotos, manuscritos, livros, jornais, revistas e arquivos sonoros produzidos desde 1400 podem ser acessados de forma rápida e prática no site da instituição

A BN Digital conta com mais de 2 milhões de itens digitalizados, entre mapas, imagens, documentos, fotos, manuscritos, livros, jornais, revistas e arquivos sonoros (Foto: Ronaldo Caldas/Ascom)

A Fundação Biblioteca Nacional (FBN), vinculada ao Ministério da Cidadania, é responsável pela guarda de parte significativa da memória do Brasil. São mapas, imagens, documentos, fotos, manuscritos, livros, jornais, revistas e arquivos sonoros que vão do século XV até os dias atuais. Para democratizar o acesso a toda essa riqueza, a instituição investe na digitalização do acervo. Já são mais de 2 milhões de itens disponíveis on-line no portal BN Digital, com acesso gratuito.

Tudo que está na biblioteca digital é de livre acesso aos pesquisadores e à população em geral. Não é necessário cadastro. É só entrar lá, fazer a busca e encontrar o que quer”, destaca o coordenador de projetos da BN Digital, Vinicius Martins. A maior parte é composta por periódicos (livros e revistas). Parte deles já está em domínio público, ou seja, para o uso, não é necessário o pagamento de direitos autorais.

Na BN Digital, há coleções completas de revistas que marcaram época, como O Cruzeiro e Manchete, e jornais como o Jornal do Brasil, cuja versão impressa parou de circular em 2010. Nesses casos, as obras foram cedidas por seus titulares e ainda há algum tipo de restrição de uso. O próprio site informa o usuário sobre a questão.

Vinicius Martins explica que as Bibliotecas Nacionais, como é o caso da FBN, têm o papel de “preservar e dar acesso ao patrimônio bibliográfico e à memória nacional”. No entanto, até o início do ano 2000, quem precisasse ou quisesse ter acesso a algum material teria de ir pessoalmente à sede da BN, no centro do Rio de Janeiro. “Em um país de dimensões continentais como o Brasil, isso era um limitador. Com o advento da internet, se viu na Biblioteca a possibilidade de construir uma ferramenta capaz de dar conta desta questão do acesso de forma mais ampla, mais geral”, afirma.

A utilização da BN Digital vem crescendo ano a ano. Em 2018, foram contabilizados 20.483.646 de acessos. Em 2017, foram 20,1 milhões de acessos; em 2016, 15,6 milhões; em 2015, 11.543.019 e, em 2014, 6.039.063. No ano passado, as páginas visualizadas em cada acesso também passaram a ser contabilizadas: foram 53 milhões.

Acesso praticamente todos os dias”

“Eu uso direto [a BN Digital] há uns três anos. Acesso praticamente todos os dias. Se eu fosse fazer [a pesquisa] no acervo físico, não daria conta, porque eu teria que procurar muito”, conta Luiza (Foto: Acervo pessoal)

Uma das pessoas que contribui para essas estatísticas é a historiadora Luiza Amador, que mora em Belém. Doutoranda da Universidade Federal do Pará, ela precisa pesquisar periódicos antigos para produzir sua tese, na qual retratará a prostituição na capital paraense durante a “Belle Époque”, de 1890 a 1920. “Eu fiz toda a minha pesquisa acessando jornais daqui do Pará. É muito legal porque você joga na busca a palavra ‘prostituição’ e ele varre tudo que tem de prostituição e te dá direto a notícia”, conta a pesquisadora.

A partir dos documentos que conseguiu na BN Digital, Luiza já registrou, no primeiro capítulo de seu trabalho, o trajeto dos promotores das prostitutas que vinham do exterior até o Norte do Brasil. “Eu uso direto [a BN Digital] há uns três anos. Acesso praticamente todos os dias. Se eu fosse fazer no acervo físico, não daria conta, porque eu teria que procurar muito”, avalia. “Era como se fosse procurar uma agulha no palheiro. É muito difícil de fazer essas conexões e, on-line, eu consegui. Joguei o nome do indivíduo e aí foi varrendo. Isso foi muito importante para a minha pesquisa”, ressaltou.

BN Digital por dentro

Inaugurada em 2006, a BN Digital foi ao ar com cerca de 3 mil itens. Hoje, uma equipe de 29 profissionais atua no tratamento, na curadoria e na divulgação do acervo a ser disponibilizado. Cada item leva em média de 15 a 30 dias para sair “da gaveta onde está guardado até estar disponível para o público na internet”.

Cada item é digitalizado com três tipos de qualidade: altíssima (que fica no acervo da BN), média (disponibilizada para publicações impressas) e baixa (apenas para visualização na internet).

Profissional da Biblioteca Nacional utiliza equipamento especial para captura de gravura (Foto: FBN)

Para serem digitalizados, os documentos passam por uma curadoria, que usa como critérios a raridade; o fato de serem peças únicas; se o material está em domínio público; e se os temas estão entre os de maior procura pelo público, como genealogia, futebol e questões do cotidiano.

Ao longo dos anos, parcerias com instituições públicas e privadas, como o Instituto Moreira Salles, a Fundação Casa de Rui Barbosa e o Departamento do Patrimônio Histórico da Marinha, aumentaram e qualificaram o acervo.

Vinicius Martins conta que, com a aproximação dos 200 anos da Independência do Brasil, os técnicos da FBN já estão buscando materiais relacionados ao assunto. “A curadoria é uma construção coletiva. A gente tenta sempre colocar disponível conjuntos integrais porque o documento solto, às vezes, não faz sentido para a pesquisa, e ficamos sensível ao que os usuários querem”, afirma.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania
Com informações da Fundação Biblioteca Nacional

Fonte: Secretaria Especial Cultura

Dia do Quadrinho Nacional, comemorado na 4ª, é destaque na Biblioteca Zink

O Dia do Quadrinho Nacional, comemorado em 30 de janeiro, volta a movimentar a Biblioteca Pública Municipal “Professor Ernesto Manoel Zink”, em Campinas, com uma programação que destaca, a partir da próxima quarta, 30, até o dia 28 de fevereiro, o traço inteligente, divertido e sensível em exposições e nas rodas de conversa.

“A atividade, realizada consecutivamente há seis anos, apresenta resultados positivos seja pela fidelização e ampliação de artistas participantes e público, como também pela indicação ao 30º Troféu HQMIX”, destaca a bibliotecária Suze Elias.

Nesta sexta edição, a temática será em torno do primeiro longa de animação brasileira, “Sinfonia Amazônica”, de Anélio Latini Filho (1926 -1986), que completa 65 anos de lançamento. O artista dedicou cerca de cinco anos para transformar em desenho animado, sete lendas do folclore, que são interligadas pelo personagem principal do filme, o Curumim, além de seu amigo Boto.

Nas rodas de conversa, dois temas irão alinhavar as reflexões: “65 anos de ‘Sinfonia Amazônica’ – Desafios do Cinema de Animação”, com participação de Camila Kater, Giovana Affonso, Che Marchetti, Maurício Squarisi, Igor Capelatto, Rafael Ghiraldelli e André Pádua; e mediação do jornalista Del Rey; e “Representatividade nas HQs”, com Raquel Vitorelo e MinasNerds (Gabriela Franco e Juliana Oliveira).

Além de conferir a Feira de Quadrinhos, que irá reunir trabalhos de Mario Cau, Diego Freitas, Fabio Mikk, Paulo Kielwagen, Ana Li, Aline Zouvi, Raquel Vitorelo, Eder Mondanez, Marcel Bartholo, Caio Yo, Rafael Ghiraldelli, Leopoldo Anjo, Dadi, Eric Peleias, Gabriela Pendezza, Mariana Zanchetta, Marcos Venceslau, Chairim Arrais, Beatriz Linhares, Gustavo NS, Diego Augusto, Verônica Berta, Paulo Borges, Bruno Borovac, Lua Mondanez, o público poderá trocar ideias com os autores sobre o processo criativo.

Outro destaque é a revoada de quadrinhos. De 30 de janeiro a 28 de fevereiro, vários HQs serão espalhados por espaços públicos deixando a cidade mais divertida.

Pioneirismo

O Dia do Quadrinho Nacional foi instituído em 1984 pela “Associação dos Quadrinistas e Cartunistas do Estado de São Paulo” em homenagem à publicação da primeira história de quadrinho brasileira, “As Aventuras de Nhô-Quim ou Impressões de uma Viagem à Corte”, do cartunista Angelo Agostini (1843-1910), que aconteceu em 30 de janeiro de 1869.

Programação

I – Exposições

Cinema de Animação

Panorama dos filmes de animação brasileiros e destaque ao trabalho do Núcleo de Cinema de Animação de Campinas.

Visitação: 30 de janeiro a 28 de fevereiro.

A Arte na Animação

Homenagem dos artistas Bira Dantas, Fabiano Carriero, Alexandre Cartinau, Maria Rita de Almeida, Raphael Ghiraldelli, Paulo Roberto de Lima, Fabio Mikk, Marcel Bartholo, Emerson Penerari, Gisela Pizzatto, Theo Ide, Gabriela Pendezza, Vicente Magalhães, Beatriz Linhares, Rafael Marçal, Daniel Steck, Laudo Ferreira, Synnöve Hilkner, Will, Dadí, LadyNatália , entre outros, ao cinema e ao desenho de animação brasileiro.

Visitação: 9 a 28 de fevereiro.

II – Feira de Quadrinhos

Quando: 9 de fevereiro, das 11h às 21h.

III – Roda de Conversa

65 anos de “Sinfonia Amazônica”: Desafios do cinema de animação com Camila Kater, Giovana Affonso, Che Marchetti, Maurício Squarisi, Igor Capelatto, Rafael Ghiraldelli e André Pádua; com mediação do jornalista Del Rey.

Quando: 9 de fevereiro 15h30.

Representatividade nas HQs: conversa com Raquel Vitorelo e MinasNerds (Gabriela Franco e Juliana Oliveira)

Quando: 9 de fevereiro 17h30.

IV – Revoada de Quadrinhos

Quando: 30 de janeiro a 28 de fevereiro.

Onde: espaços públicos e em terminais rodoviários.

Serviço

6ª Edição do Dia do Quadrinho Nacional na Biblioteca Zink

Quando: 30 de janeiro a 28 de fevereiro.

Onde: Biblioteca Pública Municipal “Professor Ernesto Manoel Zink” (Avenida Benjamin Constant, 1633. Centro. Campinas).

Entrada gratuita.

Fonte: Prefeitura de Campinas

Biblioteca Municipal põe crianças e jovens para dançar no fim das férias

Para crianças e jovens que querem aproveitar os últimos dias de férias escolares, a dica é cair na dança. A Biblioteca Municipal “Terezinha França de Mendonça Duarte” estará, na próxima semana, com um aparelho de videogame Xbox 360 com o jogo interativo “Just Dance 2019”. O game é um dos mais conhecidos na categoria de jogos de dança e ritmo. 

O jogo estará disponível de segunda (28/01) à sexta-feira (01/02), das 15h às 17h. O coordenador da biblioteca, Rafael Antonio da Silva, explica que o horário é limitado para não atrapalhar outros usuários que estejam em atividades de leitura ou estudo na biblioteca. Em caso de haver grande procura pelo jogo, será organizada uma fila por ordem de chegada e cada pessoa poderá jogar uma rodada.

Por meio desta atividade, o coordenador destaca que o objetivo é reforçar a ideia da biblioteca como espaço de cultura e lazer e possibilitar o acesso a equipamentos com jogos para a população de baixa renda. “Queremos atrair o público para que conheçam a biblioteca e tenham, ainda que indiretamente, contato com livros e a leitura. Muitas pessoas não conhecem a Biblioteca Municipal como um espaço cultural da cidade”, salienta.

A Biblioteca Municipal fica no piso inferior do Open Shopping, localizado na rua Luiz Camilo de Camargo, 581, região central. O horário de funcionamento é de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h. Para mais informações, o público pode entrar em contato pelo telefone 3387-1684 ou pelo e-mail.

Fonte: Prefeitura de Hortolândia

Planes de Lectura(s) y Bibliotecas, más allá de la palabra escrita

Texto por Anna Bröll

Una definición tradicional de biblioteca se corresponde con la de “un edificio donde se conservan un conjunto de libros ordenados para su consulta o préstamo”. La misma etimología de la palabra biblioteca proviene de la unión de las palabras griegas biblion libro y théké caja, habitación.

Oodi Central Library Helsinki. MainEntrance

Aunque los profesionales que trabajamos en bibliotecas públicas sabemos que esa definición se queda muy corta para explicar realmente lo que es una biblioteca hoy en día, también es cierto que en el imaginario colectivo la palabra biblioteca sugiere un espacio con estanterías y libros.

Esos dos elementos, estanterías y libros, forman parte de lo que hemos convenido como una definición compartida de lo que entendemos por biblioteca. Y superar esta definición está significando un reto para todos los profesionales bibliotecarios. Tanto es así que os propongo un juego, mostrad la imagen de la entrada principal de la nueva biblioteca de Helsinki a diversas personas y les preguntáis que creen que están viendo.

Estoy segura de que van a ser muy pocas las personas que lo identifiquen con una biblioteca. Y si lo hacen seguro que son bibliotecarios o conocen la biblioteca ya sea porque la han visitado o han visto las imágenes por internet. Y eso por qué? Pues porque no se aprecian estanterías ni libros en ese espacio, y por lo tanto esta imagen no se corresponden con el concepto de biblioteca socialmente compartido.

La idea de la biblioteca vista solamente como edificio que alberga una colección de libros ha ido  perdiendo fuerza para dar paso a un nuevo concepto de la biblioteca que se constituye alrededor de un espacio relacional e interconectado, donde los individuos de una comunidad tienen acceso a todas las formas de conocimiento, donde pueden formarse, experimentar y aprender. Un lugar donde compartir experiencias en un entorno amable, confortable y accesible.

Esta idea de que las bibliotecas hoy son más que una colección de libros viene refrendada con la aparición de auditorios y salas donde realizar actividades culturales, espacios donde realizar talleres, aulas de formación, salas de exposiciones, cafeterías y restaurantes, cabinas musicales, zonas de coworking, espacios de juegos, makerspaces, bibliolabs y otros espacios donde el aprendizaje en el uso de las tecnologías es una apuesta de futuro.

En un contexto donde las bibliotecas han perdido su papel hegemónico en el acceso a la información, el modelo de biblioteca tiende a orientarse hacia el de un lugar de encuentro comunitario, donde las personas puedan encontrar espacios para compartir conocimiento, experimentar y aprender. Y donde el tener acceso a información fiable y seleccionada sea uno de los valores en los que se base la oferta de información que proporcionan las bibliotecas.

Con toda esta diversidad de espacios y servicios tiene sentido todavía elaborar Planes de lectura como eje central de las políticas de desarrollo de las bibliotecas públicas? O deberíamos ampliar nuestra visión sobre lo que la palabra lectura significa así cómo hemos ampliado nuestra visión de lo que la palabra biblioteca significa?

Diversidad de lectura(s)

Si la palabra biblioteca ya no basta para definir lo que son las bibliotecas hoy y lo que van a ser en el futuro, la palabra lectura en su definición convencional tampoco debería ser suficiente para describir en su totalidad lo que pasa en la biblioteca ni lo que va a pasar en el futuro. Si a esto le añadimos que además deberíamos ponernos de acuerdo en qué entendemos por lectura, es decir, si tomamos solo en consideración la lectura de libros, revistas y periódicos, sea cual sea su formato, o también incluimos la lectura en redes sociales, chats, blogs, podcasts o audio libros, por citar algunos ejemplos.

Si tenemos en cuenta todo esto, y debemos tenerlo en cuenta, el tema se complica y requiere de una reflexión amplia sobre los objetivos de los planes de lectura, de manera que conecten con los nuevos modelos de biblioteca y con las nuevas formas de lectura.

La mayoría de planes de lectura o programas de fomento lector que conocemos comparten los objetivos básicos de promover el fomento del hábito lector, conseguir incrementar el número de lectores y mejorar la comprensión lectora de los ciudadanos. La importancia del fomento de la lectura recae, según múltiples estudios, en el hecho que ofrece a las personas las  herramientas necesarias para adquirir un conjunto de habilidades de reflexión, análisis, esfuerzo o concentración que les serán útiles a lo largo de la vida y que contribuirán de manera directa en beneficio de la sociedad, contribuyendo de manera transversal a lograr sociedades más democráticas, más competitivas y más saludables.

La lectura de textos escritos no es el único medio que tienen las personas de obtener información y acceder al conocimiento. Internet ha hecho de la música y las imágenes en movimiento contenidos mucho más portátiles de lo que lo eran hace años. Esa ventaja que hasta hace unos años solo tenían los libros, hoy la tienen contenidos sonoros y audiovisuales y están haciendo la competencia a la palabra escrita como contenidos alternativos de acceso a la información.

La clave de un plan de lectura que quiera conectar con los nuevos modelos de bibliotecas y con las nuevas formas de lectura debería centrarse en la adquisición de competencias lectoras, en un sentido amplio. Donde las competencias digitales tengan un papel relevante y donde la palabra lectura se entienda como la capacidad de descifrar o interpretar cualquier tipo de signo, código o lenguaje, y por lo tanto más allá de la escritura. Incorporando capacitación relacionada con la interpretación sonora y visual. Y teniendo muy presente la capacitación digital.

Así pues debemos revisar los objetivos de nuestros planes de lectura, incorporando programas de capacitación en un sentido amplio,  debemos revisar también los indicadores de evaluación de resultados incluyendo indicadores cualitativos y no solamente utilizar indicadores basados en el incremento del consumo/lectura de libros, porque ya hace tiempo que está demostrado que ese no es el objetivo a alcanzar.

Los planes de lectura deberán tener en cuenta el fenómeno de fragmentación que la lectura digital está provocando en nuestra manera de leer, poner en valor la necesidad de dedicar un tiempo mayor a la lectura pausada y concentrada, pero sin dejar de tener en cuenta las múltiples formas de lectura que los medios digitales ponen a nuestro alcance.

Fonte: CERLALC

Biblioteca “assassina” envenena, aos poucos, família no leste da China

Quando o filho do casal começou a apresentar sintomas de rinite alérgica, a família resolveu investigar o que estava causando o problema na criança

Foto: Creative Commons/Flickr Abhi Sharma
Quando os filhos do casal ficaram doentes, a família resolveu investigar a biblioteca particular da casa

Algumas bibliotecas guardam livros secretos, obras raríssimas e documentos registrados há milhares de anos. Outras, porém, parecem esconder segredos um pouco mais perigosos no meio de suas páginas: veneno. Foi o que aconteceu com uma família chinesa, que não percebeu como a concentração de livros da biblioteca de sua casa estava se tornando uma grande ameaça.

Com milhares de livros acomodados em sua biblioteca , um casal da cidade de Taizhou, no leste da China, começou a investigar os sintomas de rinite alérgica em seu filho. Depois de algum tempo e muito dinheiro gasto em exames e tratamentos, receberam a chocante notícia de que todos os membros da família estavam sendo, pouco a pouco, envenenados pelas obras literárias.

Há anos os adultos sofriam com tosses constantes cuja origem nunca fora descoberta, mas eles só resolveram procurar um médico quando o filho ficou doente. O casal despendeu mais de 8 mil yuans (quase R$ 4 mil) em tratamentos médicos e exames, mas nada parecia funcionar, e os médicos não sabiam o que mais poderia ser a causa da doença na criança.

De acordo com o portal South China Mourning Post , a mãe do menino pensou que, talvez, a resposta para os problemas estivesse no ar da casa. Foi então que ela pediu às autoridades da cidade que testassem o ar do apartamento, assim descobrindo que havia uma quantidade acima do normal de formaldeído em todos os cômodos.

Montando as peças do quebra-cabeça 

Ao descobrirem que um perigoso composto químico tinha tomado conta de sua casa, o casal começou a se perguntar qual seria a origem do formaldeído, composto orgânico que é considerado uma ameaça quando ultrapassa a marca de 0,08 miligramas por metro quadrado.

No quarto do casal, os testes revelaram 0,1 miligrama por m² , mas a família ficou chocada quando descobriu que a sala, que concentrava a maior parte de sua coleção de livros, os níveis chegaram a 0,26 miligramas. E então, puderam chegar àquilo que estava deixando seu filho doente.

Responsável por causar problemas respiratórios e no sistema imunológico, o formaldeído é um gás incolor que exala um odor muito forte. Ele pode ser encontrado em diversos objetos do cotidiano, como carpetes, roupas, cervejas e até mesmo na tinta usada em livros , jornais e revistas. 

Resolvido o mistério, os médicos recomendaram ao casal que melhorassem a ventilação dentro do apartamento – mas alguns especialistas acreditam que se livrar de alguns dos livros da biblioteca seja ainda a melhor solução.

Fonte: Último Segundo

Exposição propõe uma viagem pela história da litografia

Em cartaz até 28 de fevereiro, na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, reúne itens raros e obras contemporâneas

Texto por Claudia Costa

Exposição traz 16 itens raros em vitrines nas laterais e 40 trabalhos inéditos da artista luso-brasileira São Queiroz – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens.

Primeira de uma série de exposições que serão realizadas no Complexo Brasiliana – que envolve os acervos da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM) e do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP –, São Queiroz: Litografia e Enigma apresenta um diálogo entre os muitos álbuns e livros de viajantes produzidos no século 19 com o trabalho da artista contemporânea Conceição Queiroz, que têm em comum a litografia. “A ideia é extroverter esses acervos e, uma das formas, mais interessante e provocativa, é chamar artistas contemporâneos, que não circulam no ambiente acadêmico, para dialogar com as obras históricas”, afirma Luiz Armando Bagolin, filósofo, docente e pesquisador do IEB, que também assina a curadoria da mostra.

Na técnica da litografia, a pedra calcária recebe desenho e tratamento químico originando uma matriz de onde podem sair centenas de exemplares – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Segundo o professor, no século 19, por uma série de fatores, mas principalmente pelo fator econômico, a litografia se tornou a principal técnica de impressão e disseminação de imagens. E ainda hoje continua fazendo história, como no curso de Artes Visuais da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, onde os alunos aprendem a técnica. Ou no caso da artista convidada, a portuguesa Conceição Queiroz – que se nomeia São Queiroz –, que utiliza a litografia no próprio trabalho. “Ela não se baseou em nenhuma das obras selecionadas, seu trabalho tem autonomia”, informa o professor. “E era isso que queríamos, trazer um olhar contemporâneo sobre a litografia e confrontar com o uso histórico que foi feito dessa mesma técnica nesses álbuns desses artistas viajantes”, acrescenta.

Esse confronto permite resgatar aquilo que foi produzido no passado, que é guardado para estudo e pesquisa, e conhecer o que está sendo realizado hoje.” Bagolin, que foi diretor da Biblioteca Mário de Andrade, informa que, em geral, a arte só entra no acervo da Universidade quando é passado, quando se transforma em item raro e de coleção. “Nós não acolhemos o que se produz hoje porque ainda não se transformou em história. Essa exposição e as que virão em breve têm a intenção de expor os acervos, e também de acolher a arte contemporânea para que a Universidade se atualize e se abra para o que está sendo feito aí fora”, afirma.

Ilha dos Amores, trecho de Os Lusíadas, de Camões, com litografias aquareladas à mão por Cícero Dias – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens
Poema de Carlos Drummond de Andrade, com litografia de Enrico Bianco, discípulo de Portinari – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Ontem e hoje

No total são 16 itens históricos do acervo da BBM e 40 litografias e monotipias inéditas da artista São Queiroz. A exposição traz álbuns de viagem, com vários exemplos de como a litografia foi utilizada no século 19, incluindo álbuns científicos, de viagem, de memória, além de crônicas, e as obras contemporâneas com a mesma técnica de uma artista também viajante, reunindo suas impressões, esboços, anotações e fotografias de viagens que fez pelo mundo. Os objetos raros estão dispostos em vitrines nas laterais. No meio do espaço estão as obras contemporâneas suspensas.

Professor e curador da mostra Luiz Armando Bagolin: “Primeira de uma série de exposições que vão promover o diálogo entre itens raros e obras contemporâneas” – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

O layout da exposição, como conta o curador, também foi desenhado a partir de duas ideias: primeiro, é como se a história abraçasse o presente; e segundo, acompanha o projeto do próprio prédio – assinado por Eduardo Almeida e Rodrigo Mindlin – em que tudo é aparente. “A exposição segue o mesmo princípio, com as molduras transparentes, onde se vê a montagem, os parafusos, a frente e as costas dos trabalhos, com os borrões que se formam quando a oxidação da tinta passa pelas fibras do papel”, explica.

Para a mostra, foram selecionados livros raros e álbuns, como o Journal of a Voyage to Brazil, and residence there, during part of the years 1821, 1822, 1823 (1824) de Maria Graham, preceptora dos filhos de D. Pedro I; Views in South America, from original drawings made in Brazil, the river Plate, the Paraná, & c., de William Gore Ouseley; o Reise in Brasilien (1823 a 1831), de Johan B. Spix e Carl F.P. Von Martius; e destes mesmos autores, o incrível Flora Brasiliensis (1840 e 1906), obra que, em sua íntegra, possui 40 volumes e 6.246 litografias. “A flora mais completa que existe no mundo e que demorou mais tempo para ser catalogada”, ressalta o professor.

Journal of a Voyage to Brazil, and residence there, during part of the years 1821, 1822, 1823 (1824), de Maria Graham, preceptora dos filhos de D. Pedro I – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

A exposição conta ainda com exemplares de importantes trabalhos de poetas brasileiros, como Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade, ilustrados com litografias. Destaque para 6 Cantos do Paraíso, com tradução de Haroldo de Campos e litografias de João Câmara, referência na arte brasileira do século 20.  Destaque também para um trecho de Os Lusíadas, de Camões, com litografias de Cícero Dias aquareladas à mão. “Uma preciosidade”, como define o professor.

Jornal A Caricatura que traz sátira política ao mostrar militares dentro de uma pera podre – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

A exposição também traz parte do processo de confecção de uma litografia em vídeos de cerca de três minutos em looping, com a artista trabalhando em seu próprio ateliê, além de seu depoimento – há outro filme com o processo de montagem da mostra. Além disso, em uma vitrine estão os materiais utilizados na litografia, como a tinta, a pedra, rolos de impressão e equipamentos de desenho, e uma outra com cadernos e esboços da artista.

É preciso um olhar cuidadoso e demorado para perceber as relações entre as obras. “Há relações por forma, por cor e por texturas”, informa Bagolin, citando um jornal de caricaturas, com sátiras políticas em que muitas ilustrações foram feitas com litografias. “Uma delas traz os militares dentro de uma pera podre; na frente da vitrine, na obra da artista São Queiroz, se vê uma estrutura como a da pera cortada ao meio e, nas costas do trabalho, o aspecto de tinta escorrida dá o ar de sujo, podre”, relaciona o curador.

Vídeo em looping mostra a artista trabalhando em seu ateliê, além do seu depoimento – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Ainda cita outra obra: La Place, com a figura de um mar revoltoso, que dialoga com o tríptico Viagem I, II e III, que começa sem cor e termina com o azul em alusão à água. “Jogos do claro e escuro, da sombra sendo rebatida, e reflexos permeiam toda a mostra”, relata, acrescentando que a aproximação e o distanciamento também podem mudar o jeito de ver as obras, tanto os trabalhos históricos, com seus detalhes, como a obra da artista, que ao receber as cores vai “escondendo” a imagem.

O público passeia pela exposição, conhecendo o novo mundo retratado pelos historiadores do velho mundo, fazendo suas próprias conexões a partir de impressões do mundo atual, e ainda pode acompanhar virtualmente o catálogo da mostra, com todos os trabalhos e a biografia da artista. E o professor já adianta a próxima exposição, prevista para junho, Alice no País das Maravilhas, interativa e voltada ao público infantil.

Catálogo da mostra virtual traz todas as obras e biografia da artista – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

A exposição São Queiroz: Litografia e Enigma fica em cartaz até o dia 28 de fevereiro, com visitação de segunda a sexta, das 8h30 às 18h30, na Sala Multiuso da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (Rua da Biblioteca, 21, Cidade Universitária), com acessibilidade para cadeirantes. A entrada é gratuita. Mais informações pelo telefone (11) 2648-0310 ou no site.

Fonte: Jornal da USP

Filmes e séries impulsionam venda de livros em Jundiaí

Texto por Vinicius Scarton

Filmes e séries estão impulsionando o mercado editorial neste período de férias. De acordo com o gerente de uma livraria em um shopping de Jundiaí, Fernando Teles, os campeões de vendas neste momento são títulos conhecidos na Netflix, como “Bird Box” e “Para todos os garotos que já amei”. Segundo ele, o momento é bastante positivo para o segmento. “O mês de janeiro de 2019 já contabilizou um crescimento de 8%, comparado ao mesmo período do ano passado”, destaca.

Teles ressalta que o mês está sendo caracterizado pela enorme presença de crianças e jovens na livraria. “Isso é bem bacana, pois a faixa de idade de 13 a 20 anos continua lendo muito, preservando a vida do livro físico”, enfatiza. Ele afirma que o mercado está agitado para o público juvenil. “Muitas pessoas estão buscando diversos livros, entre eles ‘O diário de um banana’ e ‘O diário perdido de Gravity Falls”, elenca.

Entre os adultos, o gerente da livraria afirma que a biografia de Michelle Obama é uma das mais procuradas neste momento. Quanto ao valor médio, Teles destaca que de R$ 30 a R$ 40 é possível adquirir um excelente livro. “Por aqui temos uma enorme variedade para todos os gostos, públicos e bolsos”, confirma.

PASSEIO
A dentista Simone Bruno Casagrande, 46 anos, aproveitou a tarde de terça-feira (22) ao lado dos filhos Daniel, de 10 anos e Michel, de 7 anos, na livraria do shopping. “Neste período de férias, quando estou com as crianças, faço questão de visitar livrarias, pois meus filhos adoram esse ambiente”, afirma. Simone explica que o filho mais novo, Michel, teve a oportunidade de ler alguns livros infantis no mês de janeiro. “Ele também leu um livro sobre a pré-história e o Daniel optou por livros mais interativos e sobre jogos”, comenta.

A educadora física, Penha Solange Favarin de Jesus, 47 anos, que também estava na livraria ontem para adquirir novos títulos, ressalta que o mundo da leitura faz parte da sua vida. “Esse hábito possibilita uma viagem pela imaginação, tanto pela ficção quanto pela fantasia”, descreve. Atualmente Penha está lendo “Qual é a tua obra?”, de Mário Sergio Cortella e “Ansiedade”, de Augusto Cury. “São obras que falam sobre a vida, como tratar o semelhante e também de autoajuda”, explica.

A professora Mariana Villas Boas Borges, 25 anos, também visitou a livraria para comprar uma nova obra. Ela afirmou que no período de férias teve a oportunidade de ler um livro. “Aproveitei para ler a obra de Fred Elboni, “Notas de Liberdade” e depois de assistir o filme “Bird Box” tenho a intenção de comprar o livro”, diz.

BIBLIOTECA
Diretora do Departamento de Fomento à Leitura e Literatura de Jundiaí, Camila Fernandes de Freitas Rosalem explica que a média de livros emprestados nesta época do ano na Biblioteca Pública Municipal Professor Nelson Foot, localizada na avenida Dr. Cavalcanti, 396, no Complexo Argos, no Centro de Jundiaí, é um pouco abaixo da média mensal do ano, em virtude das férias. “No entanto, através do Programa de Férias voltado para crianças, jovens e adultos, incentivamos a prática da leitura, como um momento de lazer”, explica.

Em janeiro de 2018 foram contabilizados 3.619 empréstimos. “Já neste mês que ainda está em vigência foram 2.945 empréstimos. Esperamos igualar a marca do ano passado e, quem sabe, superar”, diz. Sobre os livros mais procurados neste momento, Camila informa que as pessoas optam no início de cada ano por títulos preparatórios para concursos públicos, além de literatura brasileira e estrangeira.

Para ficar sócio da biblioteca municipal é fácil, rápido e gratuito. “Basta comparecer em nosso endereço de segunda a sexta-feira, das 8 às 22 horas e também aos sábados, das 9 às 13 horas e apresentar um documento original com foto, informar o endereço residencial, e-mail e telefone para contato”, detalha. Com todo o processo concluído, a pessoa pode emprestar até 4 livros, com permanência de 15 dias, com renovação para mais 15 dias.

Para fechar a Programação de Férias, neste sábado (26), às 12 horas, a biblioteca municipal realizará o 3º Torneio de Literatura Fantástica, com a temática Harry Potter. “O evento gratuito é direcionado para os seus fãs, a partir de 14 anos. Para participar bastar se inscrever pelo site: biblioteca.jundiai.sp.gov.br”.

Fonte: JJ

Grátis! Tem leitura, brincadeiras e música em homenagem a Villa-Lobos nas férias da Biblioteca Mário de Andrade

 Quem mora próximo a região central de São Paulo pode aproveitar a programação de férias da Biblioteca Mário de Andrade, que fica na Consolação. Os pequenos vão se divertir com a mediação de leitura que acontece todas as quartas, até o dia 27 de março, às 14h. A cada semana uma história diferente promete encantar as crianças. Ah, e ainda dá para curtir os brinquedos e livrosque o espaço oferece.

A agenda do mês traz também um show com Marcelo Bratke e sua Camerata Brasil, em uma homenagem a Villa-Lobos. A apresentação acontece no dia 26 de janeiro, às 11h, e é necessário retirar ingressos com uma hora de antecedência. Um passeio para toda a família! Todas as atrações são gratuitas!

Confira mais detalhes:

  • Mediação de Leitura: o filho, o sobrinho e o neto estão convidados se aproximar do universo dos livros e da imaginação. A mediadora Nica irá ler uma história para encantar as crianças! A cada semana, um livro diferente. A ideia é a de estimular a leitura e facilitar o acesso à literatura desde a primeira idade. Quando: todas as quartas, até 27/3, às 14h. Local: Sala Infantil. Livre para todas as idades.
  • Sala infantil: um ambiente lúdico com brinquedos e livros (inclusive alguns em Braile) para os pequenos passarem bons momentos se divertindo na companhia dos pais ou responsáveis. Quando: diariamente, inclusive feriados, das 8h às 19h. Local: piso térreo da Biblioteca.
  • Show na Mário: Marcelo Bratke e sua Camerata Brasil: o premiado pianista e maestro Marcelo Bratke e sua Camerata Brasil homenageiam o grande compositor brasileiro Heitor Villa-Lobos por meio de obras como cantigas de roda, serestas e cirandas que marcaram a música do Brasil. No programa estão O Conato de Cisne Negro, Cirandinhas, Guia Prático e Trenzinho do Caipira. Quando: 26/01, às 11h. Local: Auditório da Biblioteca. É necessário retirar ingressos uma hora antes do espetáculo.

Fonte: São Paulo para Crianças

“Biblioteca não é uma sala de livros”

 

Regina Céli
Regina Céli – Presidente do Conselho Regional de Biblioteconomia da 8ª Região (CRB-8)

Regina Céli de Sousa é presidente do Conselho Regional de Biblioteconomia – 8ª região. O Conselho Regional de Biblioteconomia da 8ª Região (CRB-8) é o órgão fiscalizador da profissão de bibliotecário no âmbito do Estado de São Paulo. A designação e a prática das atribuições dessa profissão são privativas dos Bacharéis em Biblioteconomia, formados pelas instituições oficiais de ensino superior equiparadas ou oficialmente reconhecidas. (Leis 4.084/62 e 9.674/98; Decreto 56.725/65). A atividade do bibliotecário está enquadrada como profissão liberal pelos termos da Portaria nº 162, de 7 de outubro de 1958, do Ministério do Trabalho e Art. 577 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), Grupo 19 do Plano da Confederação Nacional dos Profissionais Liberais e na Classificação Brasileira de Ocupações – CBO/2002, Grupo 2612-05 da Família dos Profissionais de Informação. Compete ao CRB-8 zelar pela ética e pelo exercício legal da profissão, de acordo com a legislação em vigor, preservando seu cunho liberal e humanista, fundamentado na liberdade de investigação científica e na dignidade do ser humano. “Hoje, o bibliotecário, mais que um especialista técnico, desempenha um papel ativo, um agente de mudanças sociais”, explica Regina Céli. Regina destaca ainda que a profissão de bibliotecário mudou muito nos últimos anos e que o profissional vem a cada dia mais se especializando.

Regina, como se encontra a profissão de bibliotecário em nosso país?

profissão bibliotecária, é uma profissão ainda recente no país se comparada com outras como advogado, médico, engenheiro etc. Como profissão regulamentada tem pouco mais de 50 anos e por ter se originada com maior ênfase no setor público, sua expansão para o setor privado é ainda mais recente. Porém de forma crescente. Com o advento das tecnologias digitais, suas competências no trato e organização da informação registrada impressa ou digital mostram-se adequadas e em contínua atualização, o que se reflete em um mercado de trabalho de boas oportunidades e além de favorecer ao empreendedorismo para os bibliotecários que têm interesse em prospectar desafios novos de atuação. Entretanto, são desafios que se colocam para uma área que deve contribuir para o desenvolvimento de uma sociedade da informação que transmuta-se do impresso para o digital, e no qual se forma novo público leitor e consumidor de informação que nos impõe novas competências em informação para enfrentar tais desafios.

Em 2014, o Brasil tinha uma biblioteca pública para cada 33 mil habitantes. Houve alguma alteração nesses números de lá para cá?

Lamentavelmente, diante da forte crise financeira e os efeitos sociais decorrentes que afetam o Brasil, no período tivemos bibliotecas que foram fechadas e poucas conseguiram retornar com a atividade desempenhada de antes. Exemplo são as Bibliotecas Parque mantidas pelo governo estadual do Rio de Janeiro. Mas tivemos problemas em todos os sistemas estaduais de bibliotecas públicas, pela mudança das prioridades dos gestores públicos. Este segmento depende de forte apoio público para que possa operar em benefício da comunidade. Porém é fato que todas as instituições voltadas a cultura e educação, como é o caso das bibliotecas públicas, enfrenta dificuldades diante da falta de investimentos.

Como fazer com que essas bibliotecas cheguem a estados com menor oferta como por exemplo Tocantins?

É preciso sensibilidade do gestor público para compreender a real finalidade de uma biblioteca em favor do fortalecimento de uma sociedade civil cidadã. O valor humanístico deste aparato para coleta e preservação da memória social e do favorecimento do acesso democrático ao conhecimento e a cultura.

O que a sociedade e os governos podem fazer para mudar esse panorama?

A sociedade fazendo uso, se apropriando do espaço da biblioteca para sua educação continuada e próprio desenvolvimento pessoal, de produção de conteúdo, de exercício da sua liberdade de expressão. Os governos criarem condições de instalação e operação, promovendo infraestrutura física, pessoal e suporte tecnológico e de acervo documental. E as condições devem ser um esforço da federação, estados e municípios para esta finalidade. Nos países desenvolvidos, a existência e importância das bibliotecas públicas e bibliotecas escolares é muito valorizada e institucionalizada.

Qual a importância do Conselho Federal de Biblioteconomia para mudanças desse paradigma?

O Conselho Federal tem o papel de estimular e coordenar nacionalmente ações regionais de promoção do trabalho bibliotecário e dos serviços de informação por ele operados. Regula o exercício profissional e procura sensibilizar a estrutura pública federal para políticas públicas que favoreçam o trabalho bibliotecário em benefício da sociedade brasileira em todos os níveis e contextos: cultura, educação, leitura e atualização profissional.

Gostaria que falasse um pouco sobre o seu trabalho no CRB-8.

A presidente
Esforço: A experiente bibliotecária e presidente do CRB-8, Regina Céli (Foto: RCL)

CRB-8 é um órgão de promoção e divulgação do trabalho bibliotecário no estado de São Paulo. Tem uma ação política forte, neste sentido. Procura preencher espaços de apelo social para defender o trabalho bibliotecário e de valorizar a importância das bibliotecas e os serviços de informação.

O que é a Biblioteca Escolar Modelo?

Para que as pessoas entendam como deve ser uma biblioteca escolar bem estruturada, o CRB-8 montou uma Biblioteca Modelo que conta com um rico acervo de livros, mobiliário arrojado, sistema informatizado para pesquisa e empréstimo de materiais, acessibilidade, além de uma programação cultural, voltada para o incentivo à leitura. Sempre com a participação ativa de um bibliotecário. Essa biblioteca modelo foi apresentada na Bienal do Livro em 2018. É bom lembrar que o Conselho Federal de Biblioteconomia definiu os parâmetros a serem adotados para a estruturação e o funcionamento das Bibliotecas Escolares, por meio da Resolução CFB nº. 199 de 3 de julho de 2018. Esses parâmetros podem ser conferidos aqui.

Como analisa a divulgação sobre a Lei 12.244/2010?

A lei das bibliotecas escolares determina que toda escola tenha uma biblioteca, coordenada por um bibliotecário. Não há uma educação de qualidade, sem também a existência de bibliotecas, e biblioteca não é uma sala de livros, mas serviços de informação integrado ao projeto pedagógico, ou seja, a competência do bibliotecário, aliado ao professor. Neste sentido, no Brasil, esta compreensão não existe. Os conselhos junto com MEC definiram um programa de EAD para acelerar a formação de bibliotecários em rincões do Brasil. Na última bienal do livro em São Paulo, instalamos para demonstração e visitação pública um modelo de biblioteca escolar.

Qual a quantidade mínima de publicações para essas bibliotecas?

A lei prevê um acervo de livros na biblioteca de, no mínimo, um título para cada aluno matriculado, cabendo ao respectivo sistema de ensino determinar a ampliação deste acervo conforme sua realidade, bem como divulgar orientações de guarda, preservação e funcionamento das bibliotecas escolares.

Como é feita a verificação que teremos bibliotecas de fato e não apenas um “amontoados de livros?”.

Primeiro é a existência de um bibliotecário para definir a política de informação social da biblioteca, baseada no estudo do público e das demandas de necessidade. Além disso, os Conselhos de Biblioteconomia de todo o país estarão fiscalizando o bom funcionamento desses ambientes.

Podemos dizer que essa Lei poderá revolucionar a disseminação de ideias no país?

No século 19, por volta de 1840 o governo norte-americano definiu um projeto de políticas públicas para dar um salto de qualidade social. Definiu três linhas básicas: alto investimento na educação, constituição de uma imprensa e espalhar bibliotecas públicas por todas as cidades do país. Hoje é o país com o maior número de bibliotecas do mundo, sejam públicas, escolares e universitárias. Podemos olhar para a Europa também. E mesmo na América Latina, temos os exemplos atuais do Chile e da Colômbia, por exemplo. Portanto, a Lei Federal 12.244/2010, se cumprida, será um caminho.

Um vídeo sobre a profissão de bibliotecário

Fonte: Panorama Mercantil

Em Limeira, ‘Férias na Biblioteca’ recebe Grupo Cakarecos e Osli Jovem

A Biblioteca Municipal fica no Parque Cidade, localizado na rua José Botelho Veloso, s/nº – Vila São João. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 3442-6539.

Fonte: Rápido no Ar

Museus vão ficar abertos até meia-noite no aniversário de SP

Além dos museus, outros espaços recebem programação especial no aniversário de São Paulo

Texto por Redação

Para comemorar o aniversário de São Paulo, o Governo do Estado realiza diversas ações culturais e de lazer em museus, parques e diversos equipamentos culturais espalhados pela capital. As estações Sé, República e São Paulo-Morumbi também contam com exposições especiais e diversas atividades movimentam os parques estaduais por todo o fim de semana. Vai ter rolê pra todo mundo no feriadão!

Museus

Nos museus, o público conta com uma boa notícia: eles vão ampliar o horário de funcionamento no feriado e estarão abertos para visitação até meia-noite, com programação especial e atividades relacionadas à história, à cultura e à diversidade da cidade.

foto da casa das rosas tirada de seu jardim
Casa das Rosas está na lista dos museus que ficam abertos até meia-noite durante o aniversário de São Paulo

Entre os que ficam abertos até mais tarde, estão o Museu da Imagem e do Som – MIS, que recebe um evento pré-Carnaval no dia 25, das 11h à meia-noite com três blocos de rua – um deles voltado para crianças – comandando a festa com muita música; o Museu Catavento recebe o “Espetáculo de Mágicas”, que mistura ilusionismo com química e física; e a Casa das Rosas, que vai convidar os visitantes para um café da manhã e conversa sobre a relação de Haroldo de Campos e o romance “Macunaíma”, de Mário de Andrade.

A programação e a relação dos museus com horário estendido, você confere aqui.

Bibliotecas

As bibliotecas manterão os programas permanentes e especiais, divididos por faixa etária. Não é preciso inscrição antecipada e as vagas são preenchidas por ordem de chegada.

No dia do aniversário da cidade, a Biblioteca do Parque Villa Lobos recebe o “Hora do Conto da BVL”, momento de contação de histórias que aguçam o hábito da leitura e da imaginação da criançada, com o conto de Iracema Cerdán Galvez “Um passeio pela cidade de São Paulo”, interpretado pelo Tricotando Palavras.

biblioteca villa-lobos por denro
Biblioteca Parque Villa-Lobos tem programação especial no aniversário de SP

A Cia. LaMínima também se apresenta na BVL para a criançada com o espetáculo Radio Varieté, em que três palhaços montam uma parafernália tecnológica aparentemente obsoleta que vai se transformar em um estúdio de rádio-circo-teatro e apresentar atrações jornalísticas dramático-musicais, em uma homenagem ao palhaço brasileiro e ao rádio. O visitante também pode frequentar a Sala de Videogames, das 9h30 às 18h30.

Toda a programação das bibliotecas, você confere aqui.

Orquestra e dança

Ainda no dia 25, acontece a performance da São Paulo Companhia de Dança (SPCD), no Espaço Cultural Porto Seguro.  Já no domingo, dia 27, a Orquestra Jazz Sinfônica apresenta, na Sala São Paulo, o Concerto em comemoração ao Aniversário da Cidade de São Paulo, com repertório de grandes nomes da MPB, como Tom Jobim, Caetano Veloso, Milton Nascimento, Pixinguinha, Adoniran Barbosa, Dominguinhos e Gilberto Gil, entre outros.

Cena do espetáculo sechs tanze da são paulo companhia de dança
Crédito: Wilian AguiarSão Paulo Companhia de Dança se apresenta no Espaço Porto Seguro

Confira mais informações neste link.

Parques Estaduais

Para curtir o feriado do aniversário da cidade, os parques estaduais oferecem diversas atividades também!

O Parque Villa-Lobos apresenta o “Verão Cartoon Network 2019” e, entre 19 de janeiro e 3 de fevereiro, conta com um parque de diversões com a temática do canal infantil com brinquedos de diversos tipos relativos ao verão, como tirolesa, piscina de bolinhas, parede de escalada, cama elástica, tobogã, além de atrações artísticas com os personagens do canal.

Entre os dias 25 e 27 de janeiro, o Parque Candido Portinari (anexo ao Villa-Lobos) recebe o Família no Parque, projeto recreativo com atividades interativas para crianças como jogos, brincadeiras, áreas kids e atividades especiais.

garoto fazendo acrobacias no bungee trampolim
Crédito: divulgaçãoBungee trampolim é uma das atrações no feriado do Família no Parque

No Parque Dr. Fernando Costa, é o “Festival de Verão com Festa do Sorvete” que toma conta! A feira de gastronomia apresenta produtos relacionados ao sorvete, além de exposição e venda de artesanato e apresentações musicais regionais e também infantis. No dia, rola também atividades recreativas para crianças por meio de brinquedos infláveis, com cobrança de ingresso pelo proponente.

Mais informações sobre os parques podem ser verificadas aqui.

Trilhos

Entre os dias 21 e 26 de janeiro, as estações Trianon-Masp (corredor interno) e Sumaré (área externa) são iluminadas com as cores da bandeira da cidade de São Paulo (vermelha, branca, verde e amarela).

estação sumaré
Estação Sumaré ganha iluminação especial no aniversário de São Paulo
Na estação São Paulo-Morumbi acontece na quinta, dia 24, e na sexta, dia 25, a apresentação musical da Banda da Paz, dentro do Projeto “Eu faço a Paz”, em parceria com o Maestro Caixote e Carlos Albatrós. O projeto visa a promoção e incentivo a paz e a banda conta com cinco artistas.

Curtiu? Grande parte das apresentações são gratuitas (salvo as sinalizadas) e em cada link tem informações sobre todas as ações culturais promovidas para o aniversário de São Paulo. Ah… e não se preocupe com os horários! Para garantir o acesso à programação, todas as linhas do Metrô e CPTM vão funcionar em horário especial no dia 25, até 1h.

Fonte: Catraca Livre

Como a leitura pode transformar os espaços?

Bibliotecas construídas onde antes eram o presídio do Carandiru e um lixão em São Paulo têm como missão ocupar espaços com cultura e diversidade

Texto por Camila Eiroa

Quando a gente pensa em biblioteca pública, a primeira imagem que vem à cabeça é a de um corredor escuro, com prateleiras de madeira e livros empoeirados. Certo? Errado! A verdade é que esse modelo ficou para trás. No Brasil já existem projetos que buscam cada dia mais incentivar a leitura e a união de pessoas em espaços pensados para que isso aconteça da melhor maneira.

A SP Leituras — Organização Social de Cultura é um grande exemplo disso. A organização é responsável pela biblioteca de São Paulo e pela Biblioteca Parque Villa-Lobos, ambas construídas na cidade de São Paulo, em espaços antes excluídos pela população, e que foram ocupados por um presídio e um lixão, respectivamente. Segundo Pierre André Ruprecht, diretor executivo da SP Leituras, para romper com essas barreiras é importante se questionar sobre qual é o papel das bibliotecas públicas contemporâneas.

“As pessoas precisam entrar na biblioteca e sentir que ela é um refúgio, um lugar para ficar, discutir e criar. A gente gosta de pensar que ali é um pouco sala de estar, um pouco cozinha, aquele lugar que a gente vai para preparar coisas”, acredita o diretor. Para ele, a leitura oferece às pessoas a oportunidade de experienciar a diversidade; por isso as bibliotecas devem possibilitar o contato não só com a leitura, mas com outras pessoas.

Biblioteca De São Paulo Crédito: Divulgação

“Estávamos discutindo com todas as bibliotecas públicas qual seria o nosso papel. Disso surgiram a Biblioteca de São Paulo e a Biblioteca Parque Villa-Lobos, para funcionarem como dois campos de experiência. Elas são verdadeiros playgrounds da cultura e da leitura. São lugares para as pessoas se sentirem bem, com liberdade”, conta Pierre.

Nas duas unidades existem equipamentos que atendem pessoas com deficiência, arquitetura sustentável e mobiliário confortável, para que o visitante possa permanecer ali por grandes períodos. “A biblioteca pública tem essa veia de troca entre as pessoas e deve ser uma espécie de centro comunitário, onde os encontros acontecem por meio do conhecimento, da cultura, da literatura e do lazer. Não dá para conceber um projeto de cidadania que não seja baseado num projeto consistente de leitura e conhecimento.”

Massacre nunca mais

Inaugurada em 2010, a Biblioteca de São Paulo fica no terreno em que funcionava a Casa de Detenção de São Paulo, popularmente chamada de Carandiru. O local ficou conhecido quando, em uma rebelião, houve uma intervenção da Polícia Militar que acabou na morte de 111 presos, em 1992. Hoje no local fica o Parque da Juventude, que abriga a biblioteca estadual e também uma unidade de escola técnica. Quando o presídio deixou de existir, causou um grande impacto para a comunidade.

“Você não pode simplesmente pegar a casa de detenção, com os episódios horrorosos que aconteceram ali, e escondê-la embaixo do tapete. O Parque da Juventude finalmente tem um memorial do Carandiru e a biblioteca está engajada em um projeto chamado Humanoteca, que traz as memórias daquele lugar. Recuperar essas memórias é uma espécie de vacina que a gente toma. É cuidar para que isso não aconteça nunca mais. É ressignificar o espaço e não esconder ou apagar sua história”, acredita Pierre.

Do lixo ao luxo

Já a Biblioteca Parque Villa-Lobos, inaugurada em 2015, funciona hoje onde era um grande lixão. Antes mesmo da inauguração do parque, em 1994, aconteceu uma verdadeira epopeia para transformar o grande terreno em um local de cultivo, e não de descarte. O evento Conviver É Possível?, do Trip Transformadores, foi realizado lá. Além do acervo de livros e estudo para espaços, a biblioteca é pioneira na construção de um coworking público dentro de espaços de leitura.

Biblioteca Parque Villa-Lobos Crédito: Divulgação

Daniel Wajss, além de frequentador, é também residente do coworking com seu projeto Circuitarias, que une psicologia, neurociência e educação para melhorar a qualidade de vida das pessoas. “A Biblioteca Parque Villa-Lobos é um exemplo simples e real de que é possível fazer muito com pouco. É um espaço democrático que está longe de ter prateleiras empoeiradas [risos]. O mais interessante é que lá o conhecimento não é compartilhado só pelos dos livros, mas  por meio dos encontros e trocas entre as pessoas”, acredita.

Fonte: Revista TRIP

Biblioteca Nacional disponibiliza acervo de 5 décadas da revista Manchete

A consulta ao acervo é gratuita. Disponível na Hemeroteca Digital. Todas as edições: 1952 a 2007

Em 26 de abril de 1952, a 1ª revista Manchete estampava a bailarina Inês Litowski

A Fundação Biblioteca Nacional passou a disponibilizar gratuitamente a consulta ao acervo completo da revista Manchete, publicação brasileira que veiculou de 1952 a 2000 pela Bloch Editores.

A digitalização está disponível no site da Hemaroteca Digital, que também contém os acervos de jornais da época do Império –como o Correio Braziliense e a Gazeta do Rio de Janeiro– e outras revistas e publicações extintas ao longo do século 20.

A coleção da Manchete é uma autêntica viagem no tempo, somando fofocas, fatos históricos e propagandas de época das 2573 edições e 316.057 páginas publicadas.

Fundada no Rio de Janeiro pelo empresário Adolpho Bloch, a revista era veiculada semanalmente e ficou conhecida pelas fotorreportagens coloridas e publicidades chamativas ao público.

Tida como inovadora para os padrões brasileiros, a Manchete disputou a preferência do público com O Cruzeiro (1928-1975), revista publicada pelos Diários Associados, do jornalista Assis Chateaubriand.

A equipe do jornal contou com grandes nomes ao longo das 5 décadas de circulação, como os poetas Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira, o dramaturgo Nelson Rodrigues e a escritora Lígia Fagundes Telles.

O presidente Juscelino Kubistchek foi 1 dos principais beneficiados pela revista, sendo aclamado como 1 homem do povo, trabalhador e visionário.

A revista deixou de ser veiculada semanalmente em agosto de 2000, mas esporadicamente foi publicada por uma cooperativa de ex-funcionários. Oficialmente,  sua última edição saiu em 2007, estampando os 48 anos da inauguração de Brasília.

Para acessar o acervo, basta acessar o link.

Coleção da revista Manchete 1952-2007)

Ano 1952/Edição 0001 Em 26 de abril de 1952, a 1ª revista Manchete estampava a bailarina Inês Litowski Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1954/Edição Extra A morte de Getúlio Vargas gerou comoção nacional em 1954 e rendeu uma edição extra da Manchete Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1960/Edição Especial A inauguração de Brasília recebeu uma edição de colecionador da revista Manchete em 21 de abril de 1960 Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1963/Edição 0568 O carnaval carioca colecionou diversas capas ao longo das 5 décadas de veiculação da Manchete Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1969/Edição 0904 A chega do homem à Lua rendeu várias capas da revista em 1969 Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1970/Edição 0947 A seleção tricampeã no México foi bastante celebrada nas edições de 1970 da revista Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1974/Edição 1139 Em fevereiro de 1974, o incêndio do Edifício Joelma foi a principal notícia da edição semanal da Manchete Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1989/Edição 1970 A disputa entre Collor e Lula na 1ª eleição presidencial direta após a redemocratização e a queda do muro de Berlim foram os destaques da última edição de 1989 Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 1997/Edição 2371 A morte da princesa Diana chocou o mundo em agosto de 1997 Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 2000/Edição 2490 A 1º edição de 2000 trouxe uma recapitulação dos principais fatos do século XX Manchete/Hemaroteca Digital
Ano 2007/Edição 2537 Em sua última edição, a revista estampa a atriz Grazi Massafera, trajada como a musa da Grande Rio no carnaval de 2007 Manchete/Hemaroteca Digital

Fonte: 

TREZE RAZÕES PORQUE AS BIBLIOTECAS SÃO IMPORTANTES

Todo mundo que faz parte da criação de bibliotecas também está tornando o mundo um lugar melhor

Aumenta procura por livros na Biblioteca Municipal de Várzea Paulista

Até a última segunda-feira (14), a Biblioteca Municipal ‘Professora Zulmar Zuleika Turcatto Maraccini’ em Várzea Paulista (SP), registrou 198 livros emprestados. Segundo a bibliotecária responsável pelo acervo varzino, Marli Zoratto, o primeiro mês do ano sempre tem um bom número de empréstimos. “Mesmo com muitas pessoas em férias, sempre temos uma boa procura por livros em janeiro”, informa. “Muitas pessoas que já viajaram, vem buscar livros para aproveitar o fim das férias”, conta.Em dezembro de 2018, foram realizados 291 empréstimos, totalizando todos os meses do último ano, mais de 5.600 livros foram emprestados aos munícipes de Várzea Paulista.

A Biblioteca Municipal está funcionando, desde o dia 02 de janeiro, sem fechar no horário do almoço. “As pessoas aproveitam esse período para visitar a biblioteca e escolher seus livros. Sabemos que isso beneficia muito os leitores”, afirma Marli.

Campanha #EuLeio

Na última segunda-feira (14), a Prefeitura da cidade decidiu criar a #EuLeio nas redes sociais, com o objetivo de promover o hábito da leitura e interação entre os leitores varzinos. A Prefeitura também oferecerá dicas de livros disponíveis na Biblioteca Municipal toda a semana.

Além disso, os internautas também poderão fazer suas indicações e resenhas usando a hashtag, no Instagram.

Biblioteca Municipal Prof.ª Zulmar Zuleika Turcatto Maraccini

A Biblioteca está aberta de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. As pessoas que já possuem a carteirinha de sócio podem utilizá-la como de costume. Os novos usuários devem levar um documento de identificação e comprovante de residência para o cadastro.

A entrada da Biblioteca Municipal é realizada pela Avenida Projetada, 151, Centro, prédio do Espaço Cidadania, Várzea Paulista (SP).

Fonte: Tribuna de Jundiaí

Submissão de trabalhos ao Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação

A comissão organizadora divulgou os eixos temáticos para a 28 edição do  Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação. O CBBD chega a sua 28ª edição com o tema “Desigualdade e democracia: qual o papel das bibliotecas?” e acontecerá em O Vitória, de 1 a 4 de outubro.

Os 9 eixos temáticos para submissão de trabalhos (que será aberta em breve):

Eixo 1 – Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

Eixo 2 – Eventos paralelos

Eixo 3 – Ninguém fica para trás

Eixo 4 – Cultura do privilégio

Eixo 5 – A expansão desenfreada das tecnologias

Eixo 6 – O farol do advocacy

Eixo 7 – Gestão de bibliotecas

Eixo 8 – Construção e identidade profissional

Eixo 9 – Ciência da Informação

Veja mais em: https://www.cbbd2019.com/?fbclid=IwAR2LqKyRHalTZ0WpVvqdKuZjZLtO9iGD2NAbPa8Y4fRPrb4VDmuXxxJVnk0


Fonte: De olho na CI

José Sarney doa livro raro sobre biblioteconomia para Biblioteca do Senado

Foto: Gabriel Matos/Senado
Gabriel Matos/Senado

O ex-presidente da República e ex-presidente do Senado José Sarney doou para a Biblioteca Luiz Viana Filho, a Biblioteca do Senado, a Tabela Cutter-Sandorn, obra especializada da área de biblioteconomia. O livro será incorporado à Coleção Especial. A função da tabela é possibilitar a ordenação das diversas obras de um mesmo autor dentro de um mesmo assunto.

Essa é uma importante ferramenta de trabalho da biblioteconomia e vem complementar o acervo da biblioteca — avalia Mônica Rizzo, coordenadora da Biblioteca do Senado.

Rafael Escher, bibliotecário do Serviço de Desenvolvimento de Coleções, considera a doação uma homenagem do ex-presidente à Casa, por sua participação constante para o incremento do acervo da instituição.

É uma bonita homenagem de um eterno parceiro institucional. Ele nos presenteou com uma antiga edição [de 1962] de uma ferramenta clássica da biblioteconomia — agradeceu Escher.

Utilizada na indexação de obras, a tabela é usada não só no Brasil, mas internacionalmente, segundo afirmou o bibliotecário.

Sarney presidiu o Senado Federal em quatro ocasiões: 1995/1996, 2003/2004, 2009/2010 e 2011/2012. Deixou o Senado ao final de 2014.

Fonte: Agência Senado

Obra de Monteiro Lobato cai em domínio público, sem o pagamento de direitos autorais

Especialistas comemoram a democratização deste legado

Texto por Ana Clara Brant 
(foto: Kleber Sales/CB/D.A Press )

Desde 1º de janeiro, a obra de Monteiro Lobato (1882-1948), considerado o pai da literatura infantil no Brasil, caiu em domínio público. Isso significa que direitos autorais sobre seus livros e artigos não são mais protegidos. Está dispensada a autorização para utilizá-los. A proteção aos direitos autorais perdura por 70 anos, desde o primeiro dia do ano seguinte ao da morte do autor. Na prática, qualquer editora poderá publicar as histórias de Lobato – tanto reedições quanto adaptações que remetem a ele e a seus personagens.

“Não deixa de ser uma forma de democratizar, tornando o autor mais acessível. No Brasil, têm ocorrido muitos problemas com a administração de direitos por conta de herdeiros. Um aspecto interessante é que como Lobato era uma figura muito rica e complexa, (a liberação) permite a divulgação de perfil mais amplo de sua obra, principalmente por meio da disponibilização de arquivos pessoais, como cartas”, afirma Maria Cristina Soares, professora titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (Fale/UFMG).

Com a novidade, vários lançamentos estão previstos para este ano. A Globo Livros, que detinha desde 2007 os direitos exclusivos sobre a obra do criador de Pedrinho, Dona Benta e Tia Nastácia, deve colocar no mercado edições especiais de A chave do tamanho e O Picapau Amarelo. Em fevereiro, a Companhia das Letras lança nova edição de Reinações de Narizinho, além da biografia juvenil de Monteiro Lobato preparada por Marisa Lajolo, especialista na obra do autor, em parceria com a historiadora Lilia Schwarcz.

Pedro Bandeira, outro grande nome de nossa literatura infantil, está adaptando obras de Lobato para as crianças do século 21. Narizinho, a menina mais querida do Brasil será publicado em breve pela Editora Moderna.

A jornalista e escritora mineira Marcia Camargos, biógrafa do escritor e coautora de Monteiro Lobato: Furacão na Botocúndia (Edições Senac), vai lançar uma versão para o público jovem do livro de contos Urupês, que completou 100 anos em 2018 e tornou famoso o personagem Jeca Tatu.

EXPOSIÇÃO Na quarta-feira (16), a Biblioteca Nacional, com sede no Rio de Janeiro, abrirá exposição dedicada a Lobato. O público poderá ver exemplares de primeiras edições de livros dele, cartas trocadas com Lima Barreto, de quem foi editor e amigo, e vários manuscritos.

A instituição guarda cerca de 1 mil itens relativos ao escritor paulista, entre livros, manuscritos e cartas. “Nosso acervo sempre esteve disponível para a consulta do público. Uma parte dele, inclusive, está acessível digitalmente no nosso site. Agora, com o domínio público, haverá maior interesse das pessoas e das próprias editoras e autores sobre o legado dele, sem contar que aumenta a divulgação. Isso é importantíssimo”, destaca Ana Merege, curadora da Divisão de Manuscritos da Biblioteca Nacional.

EDITOR José Bento Monteiro Lobato nasceu em Taubaté, interior de São Paulo, em 18 de abril de 1882. Formou-se em direito na Faculdade do Largo São Francisco, na capital paulista, mas abandonou a profissão. Foi escritor, jornalista, tradutor, editor, empresário e fazendeiro. Fundou sua própria editora, publicando dezenas de livros para adultos e crianças.

Em 1920, Lobato lançou seu primeiro livro infantil, A menina do narizinho arrebitado, com grande sucesso. A partir daí, surgiram as histórias do Sítio do Picapau Amarelo, com aventuras bem brasileiras, recuperando costumes do interior, além de lendas do folclore como o saci. O autor usou também elementos da literatura universal, da mitologia grega, dos quadrinhos e do cinema. Além de tudo isso, tornou-se pioneiro da literatura paradidática.

Essa personalidade multifacetada é um dos aspectos que mais chamam a atenção da biógrafa Marcia Camargos. “Ele se envolveu em quase todos os setores da vida nacional. Da culinária ao movimento sem-terra, passando pelo petróleo, automóvel e até espiritismo, quando perdeu seus filhos. Depois da biografia (parceria dela com Carmen Lúcia de Azevedo e Vladimir Sacchetta), passamos a escrever artigos sobre os mais variados assuntos”, comenta.

MODERNO A professora Maria Cristina Soares ressalta a faceta do paulista não só como autor, sobretudo de livros infantis, mas como editor. Em parceria com Eliane Marta Teixeira Lopes, ela organizou a coletânea Lendo e escrevendo Lobato, que reúne textos de vários especialistas.

“Em parte, ele foi responsável pela modernização do mercado editorial brasileiro. Há um episódio muito curioso. A gente mal tinha livrarias naquela época. Certa vez, ele escreveu uma carta para todos os estabelecimentos comerciais do Brasil, com exceção dos açougues, oferecendo, de maneira irônica, um objeto chamado livro”, conta.

Sem dúvida, a faceta mais difundida de Lobato é sua importância para a literatura infantil. Marcia Camargos afirma não ter dúvida de que ele é o Hans Christian Andersen do Brasil. Esse dinamarquês escreveu os clássicos A pequena sereia e O patinho feio.

Monteiro Lobato se dedicou às crianças por não encontrar livros com temática brasileira para ler para os filhos. “Ele já escrevia para adultos e percebeu que as historinhas infantis não tinham nada a ver conosco. Lobato foi – e ainda é – um autor popular que defendia a literatura como instrumento da transformação da realidade, da formação de cidadãos. Uma literatura acessível ao grande público”, enfatiza.

Maria Cristina Soares destaca que esse autor revolucionário jamais infantilizou as crianças. “Ele trata da complexidade do pensamento delas, mas lidando com imaginação. Sua obra tem uma qualidade e uma relevância literária impressionantes. Sem contar a perspectiva didática interessante, pois aborda temas como mitologia e ciências. Até hoje Monteiro Lobato é lido, pois é atemporal, sem contar que sua obra ganhou outras leituras que ajudaram a disseminá-lo, como a própria televisão”, conclui.

PIONEIRO E POLÊMICO 

Símbolo do nacionalismo no país, Monteiro Lobato foi um dos líderes da campanha O Petróleo é Nosso (foto: Arquivo EM/D.A Press)

Monteiro Lobato é alvo de polêmicas que voltarão à cena agora, quando sua obra cai em domínio público. Em 2010, um de seus livros mais importantes, Caçadas de Pedrinho (1933), foi acusado de “teor racista” pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), que recomendou ao governo não distribuí-lo a escolas públicas. Posteriormente, a relatora do caso voltou atrás e decidiu que cada professor deveria dar explicações aos alunos sobre o preconceito presente no livro.

A discriminação estaria presente no tratamento conferido à personagem Tia Nastácia e a animais como o macaco e o urubu, entre outras passagens. Uma das frases escritas por Lobato é: “Tia Nastácia, esquecida dos seus numerosos reumatismos, trepou, que nem uma macaca de carvão”.

“Monteiro Lobato é um autor que não só reflete uma visão que muitos consideram racista, mas também tinha traços de uma desqualificação do negro mais significativa do que outros escritores. Sem dúvida, ele se alinha com uma perspectiva racial muito complicada”, observa Maria Cristina Soares, organizadora da coletânea Lendo e escrevendo Lobato.

Há pouco tempo, lembra a professora, comentou-se a ligação do criador de Emília, Tia Nastácia e Narizinho com a Ku Klux Klan, organização racista norte-americana. A revista Bravo! chegou a publicar cartas inéditas do escritor paulista se referindo a isso. “Um dia se fará justiça ao Ku Klux Klan; tivéssemos uma defesa dessa ordem, que mantém o negro no seu lugar, e estaríamos livres da peste da imprensa carioca – mulatinho fazendo o jogo do galego, e sempre demolidor porque a mestiçagem do negro destrói a capacidade construtiva”, escreveu Lobato, em 1938.

No entanto, a professora Maria Cristina Soares chama a atenção para o contexto em que Monteiro Lobato se formou. Nascido em 1882, seis anos antes da abolição da escravatura, e fazendeiro (recebeu terras como herança do avô), ele era uma homem de seu tempo, apesar de considerado visionário.

“Lobato nasceu no século 19, mas tinha pensamentos do século 19 e do século 20. Essa polêmica (do racismo) foi importante para trazer o outro lado dele, mas temos que entendê-lo em toda a sua complexidade. Ninguém nega que Lobato comungava desses ideários segregadores. Porém, não dá para desqualificar sua literatura por conta disso. Temos de situar o leitor naquele contexto em que o negro tinha um outro valor, infelizmente. Deve-se entender aquele momento histórico”, pondera a professora da Universidade Federal de Minas Gerais.

Zilka Salaberry (dona Benta), Jacira Sampaio (Tia Nastácia), Dirce Migliaccio (Emília) e André Valli (Visconde de Sabugosa) em Sítio do Picapau Amarelo, sucesso da Rede Globo nos anos 1970 (foto: Globo/Reprodução )

REFLEXO 

A biógrafa Marcia Camargos não vê Lobato propriamente como racista, mas como um reflexo das ideias da época em que viveu. A jornalista reconhece, porém, que o escritor era defensor da eugenia. Essa teoria defende o aprimoramento da raça humana por meio da seleção de características hereditárias e genéticas consideradas “superiores” que seriam próprias dos brancos, por exemplo, em detrimento de negros e asiáticos.

“Ele se entusiasmou com isso, tinha tais arroubos porque queria achar soluções para o país, acreditando que a miscigenação era um fator prejudicial na formação do povo brasileiro. Ele namorou todas essas teorias, mas depois caiu em si”, garante Marcia Camargos.

De acordo com a especialista, a prova de que Lobato não desprezava os negros está no fato de ter escrito Negrinha (1920), eleito um dos 100 melhores contos brasileiros do século 20. O texto (veja trecho nesta página) retrata a coisificação e a animalização de uma órfã de 4 anos.

“Negrinha é um libelo contra o racismo, contra o espírito escravocrata, contra a hipocrisia da Igreja. Só essa obra anula todas as outras que poderiam ter algum caráter racista. As pessoas devem compreender que Monteiro Lobato tinha a mentalidade da época, embora fosse um homem à frente do seu tempo. Em sua casa ainda havia resquícios da escravidão. Não teria como Tia Nastácia ser a Dona Benta, proprietária de um sítio. Isso não refletia a realidade, pois o negro ainda era tratado como objeto”, afirma a autora de Furacão na Botocúndia.

No entanto, Marcia considera fundamental questionar a obra do escritor paulista. “Entendo que há pessoas que leram e se sentiram incomodadas – e é bom que se sintam assim, justamente para questionar. Monteiro Lobato sempre considerou a criança um ser independente, cujo senso crítico deve ser desenvolvido. Ela não pode ser colocada numa bolha. Principalmente no caso da criança negra, ela tem de questionar mesmo, caso se sinta ofendida. Só assim vai se formar um adulto crítico”, defende a biógrafa de Lobato.

PETRÓLEO 

Monteiro Lobato era ferrenho nacionalista. Em 1936, ele lançou O escândalo do petróleo, defendendo a exploração do combustível apenas por empresas brasileiras. A campanha mobilizou o Brasil a partir de 1947, com o fim da 2ª Guerra Mundial e a derrubada do Estado Novo, ditadura comandada por Getúlio Vargas.

Lobato foi um dos líderes da campanha O Petróleo é Nosso. Defendia que a independência econômica deveria ser complemento da liberdade política decorrente da democracia. De acordo com ele, isso só seria possível com a exploração do combustível pelos brasileiros.

No período em que morou nos Estados Unidos, onde atuou como adido comercial, o escritor tomou conhecimento de conquistas tecnológicas e industriais ligadas à exploração do petróleo e do ferro. De volta ao país, ajudou a implantar a Companhia Petróleos do Brasil. Graças à grande facilidade com que foram subscritas as ações, Monteiro Lobato fundou empresas de perfuração de petróleo, como a Companhia Petróleo Nacional, a Companhia Petrolífera Brasileira e a Companhia de Petróleo Cruzeiro do Sul.

A maior delas, fundada em julho de 1938, era a Companhia Mato-grossense de Petróleo, que buscava o “ouro negro” perto da fronteira com a Bolívia.

“Ele sempre achou que tínhamos condições de ser autossuficientes com relação ao petróleo. Naquela época, nem se imaginava a extração no mar. Vemos em toda a trajetória dele o desejo de que o Brasil fosse um país desenvolvido, com distribuição de renda. Era até uma visão meio positivista. Lobato chegou a bater de frente com várias pessoas, inclusive do governo. Sem dúvida, foi questionador e inquieto, vivia se reinventando. Ele queria o melhor para o país”, conclui a biógrafa Marcia Camargos.

Fonte: Uai

São Carlos conquista recurso federal para modernização de biblioteca

Serão R$ 100 mil para investir na implantação de bibliotecas digitais. O objetivo é estimular a leitura e promover a inclusão digital

Foto: Divulgação

A Prefeitura de São Carlos foi contemplada com o Edital de Bibliotecas Digitais 2018 da agora Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania (antes Ministério da Cultura). O convênio já foi assinado e o recurso no valor de R$ 100 mil é destinado à implantação de bibliotecas digitais dentro das bibliotecas públicas.

Quatorze municípios e quatro secretarias de Cultura, das sete unidades federativas das cinco regiões do país foram selecionados pelo edital. No estado de São Paulo, foram contemplados Itapetininga, São Caetano do Sul, Itanhaém e São Carlos.

“Participamos do edital junto com outros 86 municípios. Investimos no projeto atendendo principalmente os critérios de acessibilidade. A publicação do convênio foi no dia 24 dezembro, no Diário Oficial da União. Já estamos preparando o processo licitatório”, contou Cesar Maragno, diretor do SIBI Sistema Integrado de Bibliotecas.

O objetivo do edital é estimular a leitura e promover a inclusão digital, ao criar um ambiente adequado para potencializar ações de utilização de tecnologias de informação e comunicação (TICs). “É um edital inédito e busca atender um anseio das bibliotecas públicas que é de qualificar seu usuário para o uso das novas tecnologias”, afirmou a coordernadora do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas, Ana Maria Souza.

Na cidade, serão trabalhadas duas propostas. Num primeiro momento, haverá um tour com exemplares novos (de livros digitais) entre as unidades, junto com um momento de instrução do uso dos leitores digitais, e uma mostra do panorama do livro físico ao digital para inserir o público nessas tecnologias”, explicou o bibliotecário Marcos Teruo Ouchi. Na segunda fase, as 100 unidades de leitores digitais, que serão compradas, serão divididas entre as bibliotecas da cidade.

O SIBI mantém 12 bibliotecas, entre elas três públicas municipais, oito escolas do futuro e uma biblioteca voltada a deficientes visuais e todas serão beneficiadas com os recursos do edital. “Nossa expectativa é oferecer tudo isso para o público até o final de 2019”, concluiu Cesar Maragno.

Charles Cosac pede demissão da direção da Biblioteca Mário de Andrade

Editor ficou dois anos à frente do espaço cultural, localizado no centro da cidade

O editor Charles Cosac pediu demissão do cargo de diretor da Biblioteca Mário de Andrade na manhã desta terça (15), em solidariedade ao desligamento do cineasta André Sturm da pasta da Secretaria de Cultura.“Tudo que conquistei aqui, nesses dois anos, foi graças a ele. Tocamos projetos que se arrastavam desde os anos 90, como a digitalização das fichas catalográficas, que começou em outubro de 2018 e tem duração de dezoito meses”, disse Cosac, em entrevista exclusiva a VEJA SÃO PAULO.

Cosac assumiu o posto em janeiro de 2017. Dentre seus êxitos, está a programação de artes visuais, que contou com exposição de grandes nomes da arte brasileira, como Luis Paulo Baravelli e José Rufino. O centro cultural também ganhou dez bibliotecários, que possibilitaram, por exemplo, a reabertura do espaço infantil.

“Foram muitas conquistas nesses dois anos, mas não dá para continuar. Espero que a nova direção dê prosseguimento”, finaliza Cosac.

Confira abaixo a carta de despedida de Charles Cosac.

Queridos Amigos,

Para não falarem, mais uma vez, que tudo que se sabe de mim, ou nada, decisões, fechamentos e lançamentos, e a vida, é oriundo da imprensa, faço a participação que se segue.

Infelizmente, ante os fatos recentemente divulgados, mais particularmente o que tange à saída do querido secretário Sturm da SMC, não me é humanamente possível continuar a ocupar o cargo de diretor da Biblioteca Mário de Andrade. Portanto, peço que vejam não se tratar de uma iniciativa minha, e sim, como Francis Bacon diria, da “brutalidade do fato”.

Cargo muito mal remunerado, porém disputado, pela pompa que ele confere. Nunca me impressionei, mas lhes confesso que me apaixonei, não de súbito, paulatinamente, paulistanamente. E é com amargura que ora me despeço.

Certamente, além desta participação, orientações, sugestões e pedidos serão encaminhados às cinco Supervisões. Entrementes, tenho fé que, neste ínterim, todos os senhores, sabidamente competentes, darão continuidade às suas atividades diárias até a entrada do novo diretor.

Comprometo-me também a fechar as duas revistas da Biblioteca Mário de Andrade, ora no prelo.

Como já dito dia 8, em minhas palavras de boas-vindas, ratifico aqui minha eterna gratidão a todos os senhores, principalmente ao secretário André Sturm, por ter conferido a mim tamanha confiança.

Afinal, o Pai não quis!

Com sinceridade,

Charles Cosac

Fonte: Veja São Paulo

RENASCIMENTO DAS BIBLIOTECAS: NOVO APOGEU

O futuro da biblioteca
O futuro da biblioteca | © raumlaborberlin por encomenda de Kulturprojekte Berlin

Quase ninguém profetiza o fim das bibliotecas. Em vez disso, discute-se sobre como é possível apoiá-las para o bem de todos. Um resumo bem otimista de nossa série “O futuro das bibliotecas”.

O que dizer do Google? E da inteligência artificial? Ainda haverá livros no futuro? Quem frequenta uma biblioteca, quando se pode acessar o conhecimento do mundo numa tela através de um clique?

“Uma coisa que me faz realmente feliz a respeito da atual situação das bibliotecas – e isso infelizmente pode ter a ver com a difícil situação global – é que, nos últimos anos, tenho visto como as pessoas deixam de lado esse tipo de questão”, declarou Nate Hill, do Conselho da Biblioteca Metropolitana de Nova York, em entrevista ao Goethe-Institut. Segundo ela, as pessoas estão pouco interessadas em discutir a respeito do próximo brinquedo tecnológico que posssa vir a suprimir as bibliotecas. Em vez disso, temas como a distribuição da informação, a igualdade de direitos na pesquisa, entre outros, estão sendo colocados em primeiro plano.

INCLUSÃO, DIVERSIDADE, MUDANÇA CLIMÁTICA

De fato, nas discussões dos últimos anos foi ficando claro que as bibliotecas não poderiam úteis para a sociedade apenas na mediação da competência em leitura, mas também, em geral, no caso de temas relevantes como inclusão, diversidade ou mudança climática. Nesses contextos, aposta-se cada vez mais  no conhecimento acumulado das bibliotecas. Elas evoluíram e se tornaram lugares, nos quais não apenas se gera uma consciência para os problemas acima citados, mas onde também se pode encontrar conjuma solução para eles.

“A biblioteca do futuro será uma plataforma e organizadora da interligação, do compartilhamento e do desenvolvimento do conhecimento. Além disso, as bibliotecas vão assumir uma função especial na sociedade marcda pela imigração e cada vez mais multiétnica”, como constou na Next Library Conference (Conferência da Próxima Biblioteca), que aconteceu em setembro de 2018, em Berlim, contribuindo com pensamentos inspiradores para esta série sobre o futuro das bibliotecas.

PARTICIPAÇÃO NA VIDA PÚBLICA E CULTURAL

Praticamente não há limites a respeito do modo de agir: paralelamente ao trabalho clássico com livros e outras mídias, as bibliotecas oferecem mediação do conhecimento nos mais diversos idiomas, acesso ao mundo digital e a mídias sociais, esclarecimento sobre o tema fake news e muito mais. Além do mais, as bibliotecas são dos poucos lugares públicos não comerciais. Assim, muitas bibliotecas nos Estados Unidos fizeram anúncios publicitários na “black friday” deste ano, evento que tradicionalmente introduz o comércio natalino do varejo, dizendo em tom levemente irônico que ofereciam descontos extremamente altos durante o ano inteiro – com acesso gratuito a livros, mídias e mais. “Para alguns usuários, as bibliotecas são locais de reclusão; para outros, elas possibilitam a participação na vida pública e cultural – independentemente da renda”, escreveu Leonard Novy, jornalista e cientista político, no texto de abertura da série “O futuro das bibliotecas”.

“As bibliotecas só não têm futuro se forem vistas como depósitos passivos de livros”, é a convicção da arquiteta holandesa Francine Houben. Correspondendo a essa visão, nos projetos que ela desenvolveu para bibliotecas com seu escritório de arquitetura Mecanoo, as pessoas ocupam o lugar principal. Outros exemplos, como a “Chocoladefabriek” em Gouda, na Holanda, também mostram como a arquitetura moderna ajuda cada vez mais as bibliotecas a se abrirem para seu público – deixando de ser bastiões para poucos e se tornando espaços comuns para todos. Traci Engel Lesneski, diretora do escritório de arquitetura norte-americano MSR, vê as bibliotecas como um reflexo da comunidade em que estão inseridas: “Como instituição para organizações inclusivas, elas deveriam ser projetadas de maneira a servir à maior interseção possível de pessoas”.

BIBLIOTECAS: INDISPENSÁVEIS EM TEMPOS AGITADOS

Mas criar a maior interseção possível de pessoas não é relevante apenas no projeto dos edifícios, como também na seleção da equipe da biblioteca. “É injusto esperar das pessoas que elas se tornem imediatamente especialistas em digitalização, integração e inclusão”, afirma Nate Hill. Por isso, seria necessário que houvesse diversos tipos de bibliotecários e boas redes  que permitissem localizar especialistas.

É provável que a arquitetura espetacular e as redes de especialistas continuem sendo fenômenos restritos sobretudo a cidades grandes. Em outros lugares, possivelmente as bibliotecas continuarão sofrendo nos próximos anos com a redução dos orçamentos e com a falta de recursos humanos. Mas a opinião, cada vez mais corrente, de que as bibliotecas são indispensáveis nestes tempos de mudanças políticas e sociais impulsionará todo o setor nos próximos anos. “Se as bibliotecas não existissem, elas teriam de ser inventadas”, escreve Leonard Novy. E, por sorte, hoje elas estão mais do que dispostas a reinventarem a si mesmas.

Exposição – Livros de Artista

O Instituto de Artes (IA) e a Diretoria de Coleções Especiais e Obras Raras da Biblioteca Central Cesar Lattes (BCCL-CEOR) realizam, até 15 e março, no piso térreo da BCCL, a exposição “Livros de Artista”. São 155 obras de artistas plásticos do IA e alunos de Graduação e da Pós-Graduação, produzidas em disciplinas ligadas a produção do material, como Desenho e Gravura, ministrada pela professora Luise Weiss. A coleção inclui ainda catálogos e álbuns do tema adquiridos pela professora ao longo dos anos. Saiba mais no linkLeia matéria publicada no Portal Unicamp.

Las más sorprendentes bibliotecas infantiles alrededor del mundo

Desde Estados Unidos hasta Singapur, pasando por Burundi, ocho rincones de lectura para niños que además son joyas de la arquitectura y el diseño
La biblioteca para niños de Brentwood, en Tennessee, Estados Unidos (Brentwood Children’s Library)
La biblioteca para niños de Brentwood, en Tennessee, Estados Unidos (Brentwood Children’s Library)

En tiempos en que la lectura parece cada vez más alejada de la infancia, haciendo frente a una competencia feroz de la televisión, los videojuegos e internet, ocho rincones del planeta celebran esta ancestral práctica.

Desde Estados Unidos hasta Singapur, pasando por Burundi, estas bibliotecas y librerías adaptadas a los más chicos son también una joya de la arquitectura y el diseño.

La biblioteca de Muyinga, en Burundi, fue diseñada por BC Architects (BC Architects)
La biblioteca de Muyinga, en Burundi, fue diseñada por BC Architects (BC Architects)
La biblioteca de Soneva Kiri, en la Isla de Koh Kood, Tailandia (Soneva Kiri)
La biblioteca de Soneva Kiri, en la Isla de Koh Kood, Tailandia (Soneva Kiri)
La librería Poplar, en Beijing, diseñada por Sako Architects (Minoru iwasaki)
La librería Poplar, en Beijing, diseñada por Sako Architects (Minoru iwasaki)
La Library Discovery Centre, en Nueva York, Estados Unidos (Michael Moran)
La Library Discovery Centre, en Nueva York, Estados Unidos (Michael Moran)
My Tree House Library, en Singapur, es la primera biblioteca ecológica para niños del mundo (National Library Singapore)
My Tree House Library, en Singapur, es la primera biblioteca ecológica para niños del mundo (National Library Singapore)
La biblioteca y museo de libros visuales para niños en Iwaki, Japón (Ken Lee)
La biblioteca y museo de libros visuales para niños en Iwaki, Japón (Ken Lee)
Biblioteca para niños de Murray, en Australia (Sam noonan)
Biblioteca para niños de Murray, en Australia (Sam noonan)

Fonte: infobae

O LIVRO DE ARTISTA: A CRIAÇÃO DA MUDANÇA E A EXPANSÃO DE DOIS MUNDOS

Um grande desafio para os bibliotecários é como tratar descritivamente um livro de artista de modo acessível para o público

Texto por Igor Alves Coelho 

A ideia do livro morre aos poucos na boca de uns e ganha cada vez mais impulso nas mãos de quem sabe como ressuscitá-los. No momento atual, que tudo é hiperconectado, onde a internet e as tecnologias tomam conta de cada canto de nossas vidas, alguns insistem em dizer que livros e bibliotecas estão fadados ao esquecimento. Na minha opinião, apesar do clichê, Lavoisier se mostra mais do que pertinente ao dizer que “nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”.Dentre as muitas transformações em sua trajetória, o livro acaba embarcando algumas vezes em outros universos metamórficos, sendo um deles o universo das artes. Desse relacionamento entre duas áreas tão mutáveis nasce o livro de artista. No entanto, o livro de artista vai além do somatório do livro com o ramo das artes. Não é sobre livros de artes que se trata aqui. É da própria metamorfose do livro, a partir da arte.

O livro de artista é um corpo sem forma fixa e em constante mudança. Não possui limites, barreiras, parâmetros ou completas definições. Trata-se de uma obra de arte que se incorpora ao formato do livro ou, então, que faz do livro sua base para dar vida a uma criação artística.

Não existem regras aqui, não são contadas páginas, não existe uma estrutura a seguir, não existem restrições ao se criar. É o material que é tudo e nada ao mesmo tempo sendo um dos grandes desafios para os bibliotecários que lidam com essas coleções.

Pouco estudado ainda pela biblioteconomia, é um tipo de material que ainda não possui muita visibilidade do grande público, contradizendo uma das teorias que envolvem seu surgimento: de que se trata de um rompimento com o mercado da arte.

A teoria em questão, abordada no texto “O livro de artista, o colecionador e a coleção no museu: um itinerário intersubjetivo da coleção de livros de artista de Paulo Herkenhoff no Museu de Arte do Rio” de Andréa da Silva Barboza e Gustavo Silva Saldanha, é de que os artistas, buscando que suas obras caminhassem de forma mais livre e alcançassem um maior número de pessoas, começam a criar estes objetos que por muitas vezes são feitos em tiragens muito mais extensas do que uma obra de arte tradicional, o que o confere a possibilidade de ser mais visto e mais compartilhado (em teoria).

Na realidade isto se tornou contraditório, pois o mercado da arte toma posse desta criação, fazendo com que haja um encarecimento dessas obras e que se criem coleções dentro de espaços culturais onde a arte em sua forma mais “tradicional” já se encontrava (e de onde nesta teoria os artistas desejavam seu escape). Com a diferença que várias instituições podem possuir exatamente o mesmo livro de artista, pois eles são replicados como originais, ao contrário da maioria dos outros tipos de arte e suas produções, como pintura e escultura, onde cada obra é única.

O livro de artista pode assumir várias formas, além de poder se apresentar no formato códice (o formato de livro que entendemos como um livro comum) ou no formato objeto. Os mais comuns são o livro-objeto, o catálogo-obra, o antilivro, o livro ilustrado, o poema-livro e o livro fotográfico.

O livro “Colidouescapo”, de Augusto de Campos, uma das obras mais importantes deste segmento. Foto: divulgação

Sugestões do Colégio Marista Glória para incentivar a leitura nas férias

 

Conheça algumas dicas de livros que selecionamos para diferentes faixas etárias, inclusive a dos pais, para aproveitar o tempo livre em janeiro e colocar a leitura em dia

Sem os compromissos diários de escola e atividades extracurriculares, as férias são um período repleto de brincadeiras, viagens e descanso. Mas podem ser, também, um ótimo momento para se dedicar à literatura com esse tempo de sobra. A bibliotecária Valéria Cordero, coordenadora do acervo do Colégio Marista Glória, no bairro Cambuci, em São Paulo, oferece dicas para quem quer escolher bons livros e colocar a leitura em dia.

Os livros proporcionam ótimos momentos para desocupar a mente e fazer bons passeios no mundo da imaginação não importa se é um daqueles best-sellers do momento, um título consagrado pela crítica ou obra de autor nacional. Seja na praia, durante aquela longa viagem para rever um amigo ou parente distante no interior, na hora de pegar um bronzeado na piscina ou depois de um descanso no sofá em casa, enfim, são muitas as situações para “devorar” algumas páginas.

“Os títulos da série Os Karas, escrita por Pedro Bandeira, são uma ótima pedida para quem gosta de aventuras adolescentes. Mesmo lançados em 1984 e até hoje esses livros fazem sucesso entre os alunos. Alguns, inclusive, estão disponíveis para empréstimo em nossa escola”, destaca Valéria, que explica que no momento a Biblioteca Ir. Leonardo passa por reformas para ampliação. Veja a seguir outras sugestões da bibliotecária divididas por faixa etária e escolha seus preferidos.

Para quem está na Educação Infantil:
• “O ratinho, o morango vermelho maduro e o grande urso”, de Don e Audrey Wood
• “A casa sonolenta”, de Don Wood e Audrey Wood
• “O rei bigodeira e sua Banheira”, de Don Wood e Audrey Wood

Para quem está no Ensino Fundamental I:
• “Minha mãe é uma pirata”, de Jackie French
• “Meu pai é um dragão”, de Jackie French
• “Meu bicho de estimação é um dinossauro”, de Jackie French

Para quem está no Ensino Fundamental II:
• “A droga da obediência”, de Pedro Bandeira
• “Pântano de sangue”, de Pedro Bandeira
• ” A droga da amizade”, de Pedro Bandeira

Para quem está no Ensino Médio:
• “O misterioso caso de Styles”, de Agatha Christie
• “Os sete”, de André Vianco
• “O castelo de vidro”, de Jeannette Walls

Sugestões de livros para os pais:
• “Dez maneiras de destruir a imaginação do seu filho”, de Anthony Esolen
• “Como pensar sobre as grandes ideias”, de Mortimer J. Adler
• “O papai é pop”, de Marcos Piangers

Fonte: Estadão

Itapetininga é umas 18 cidades do Brasil a ser contemplada com Biblioteca Digital

Itapetininga é umas 18 cidades do Brasil a ser contemplada com Biblioteca Digital

Itapetininga foi contemplada entre as 18 cidades do País para ter acesso a investimento para Biblioteca Digital. Os municípios selecionados passarão a ter acesso as bibliotecas públicas com mobiliário e equipamentos modernos, além de licenças de livros digitais. Em dezembro, 18 convênios com o Ministério da Cultura, agora Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania, foram assinados com 14 prefeituras e quatro secretarias de Cultura.

O objetivo é a implantação de bibliotecas digitais dentro das bibliotecas públicas cujos projetos foram selecionados no Edital de Bibliotecas Digitais 2018. A parceria estipula o repasse de R$ 100 mil da Secretaria Especial da Cultura. A prefeitura entrará com a contrapartida de R$ 25 mil.

“Um avanço para a cultura de Itapetininga. A Biblioteca Municipal é referência em nossa cidade e com esse investimento, vamos ampliar a oportunidade para oferecer mais e mais aos estudantes e frequentadores. Ficamos muito felizes em saber que Itapetininga foi escolhida entre as 18 cidades do Brasil”, disse a Chefe do Executivo de Itapetininga.

Só no Rio Grande do Sul, quatro municípios foram contemplados – Gravataí, Gramado, Bento Gonçalves e Campo Bom. No Ceará, outros quatro serão beneficiados: Cedro, São Benedito, Iguatu e Pentecoste. No estado de São Paulo, foram contemplados Itapetininga, São Caetano do Sul, Itanhaém e São Carlos. Em Minas Gerais, Belo Horizonte, Juiz de Fora e Bom Despacho receberão o recurso. Também serão beneficiados Cuiabá (MT), Belém (PA) e Brasília (DF).

O objetivo do edital é estimular a leitura e promover a inclusão digital, ao criar um ambiente adequado para potencializar ações de utilização de tecnologias de informação e comunicação (TICs).

Entre os vencedores, há uma diversidade de perfis: cidades situadas em regiões centrais e outras no interior; há algumas com população de maior e outras de menor poder aquisitivo e com bibliotecas que nunca receberam apoio em editais e outras que estão continuamente buscando recursos em editais para se manterem.

Fonte: Prefeitura Municipal de Itapetininga

Biblioteca de Sorocaba recebe exposição sobre relacionamento abusivo

Biblioteca Municipal de Sorocaba receberá exposição sobre relacionamento abusivo — Foto: Divulgação
Biblioteca Municipal de Sorocaba receberá exposição sobre relacionamento abusivo — Foto: Divulgação

Quem for à Biblioteca Municipal “Jorge Guilherme Senger”, localizada no Alto da Boa Vista, em Sorocaba (SP), poderá conferir a exposição fotográfica do projeto “A Marca na Rosa”, que trata sobre relacionamento abusivo. A entrada é gratuita.

O objetivo do projeto é contribuir para quFotoe os jovens tenham uma melhor compreensão do que é um relacionamento abusivo, diminuindo o número de meninas vítimas de agressões, principalmente por seus namorados ou companheiros, esclarecendo os malefícios causados por relacionamentos ciumentos e conturbados.

A mostra traz imagens de garotas que foram retratadas, em um visual contemporâneo, como vítimas de violência causada por relacionamentos abusivos. As fotos da exposição também trazem trechos do poema “A Marca na Rosa”, escrito pela jovem Estéfany Vitória Saez, de 18 anos.

A mostra ainda conta com um banner do violentômetro, que orienta as mulheres a prestarem atenção em comportamentos e ações que podem evoluir para ofensas, ameaças e abuso sexual.

A ideia partiu de Estéfany, que vivenciou um relacionamento abusivo e percebeu que deveria falar abertamente sobre sua experiência pessoal para que o mesmo não continuasse a se repetir com outras meninas. Pensando nisso, a jovem procurou o poder público para que juntos pudessem criar uma ação para levar o assunto às escolas.

A exposição poderá ser conferida até esta sexta-feira (11), de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h50, e aos sábados, domingos e feriados, das 13h às 16h50. A Biblioteca Municipal está localizada na Rua Ministro Coqueijo Costa, 180. Mais informações sobre o projeto podem ser obtidas pelo telefone (15) 3229-3440 da Coordenadoria da Mulher.

Festa infantil: Tema biblioteca para os pequenos amantes de boas histórias

Era uma vez uma festa incrível!

É indiscutível quão importante é o hábito da leitura para o desenvolvimento infantil. A leitura estimula a imaginação, a capacidade criativa, promove melhorias nas habilidades linguísticas e aprimora as percepções de tempo, espaço e indivíduos. Ao estimular a leitura, os pais apresentam aos pequenos novos mundos e realidades.

Esse processo de descoberta pode se transformar em um ótimo tema para festa de aniversário. Mais do que servir de apoio para os doces, os livros podem ser inseridos na proposta visual da comemoração, trazendo referências às histórias preferidas dos pequenos e estimulando a interação entre os convidados.

Quem prefere trabalhar com uma proposta menos abrangente pode definir um gênero literário específico, ou mesmo listar as histórias preferidas do aniversariante e usá-las como inspiração. É interessante destacar alguns personagens mais emblemáticos para trazer referências mais vivas para o visual da festa.

Fonte: Claudia

5 cosas que debes saber sobre la donación de libros a bibliotecas

5 cosas que debes saber sobre la donación de libros a bibliotecas

Los libros pueden considerarse como uno de nuestros mayores tesoros, y como tal queremos que sean tratados. En ocasiones, sobre todo por cuestiones de espacio, decidimos que ha llegado la hora de darles una segunda vida fuera de casa. Pensamos que qué mejor que dichos libros puedan ser aprovechados y disfrutados por un gran número de personas. Y es ahí cuando se nos viene a la cabeza donarlos a la biblioteca (e incluso venderlos en tiendas de segunda mano).

No son pocas las personas que se han puesto en contacto conmigo para preguntarme sobre cómo proceder a la donación de libros a la biblioteca. Y la verdad es que NO es como todo el mundo imagina. Es decir, no es cuestión de llevarlos directamente a la biblioteca… hay que seguir una serie de pasos antes de que los libros entren por donación en la biblioteca.

También es verdad que muchas veces me han comentado (en estado furioso, todo hay que decirlo) que sus librosno han sido aceptados en donación por la biblioteca. ¿Por qué mis libros no valen para la biblioteca? ¡Si les estoy ahorrando dinero en compra de nuevos!, me decían. Su mayor tesoro despreciado por la biblioteca. Pero, calma… ante todo mucha calma. Seguro que tienes una colección de libros maravillosa para donar, pero la biblioteca no puede aceptar todos los libros. Se rige por una serie de directrices y normas para que las bibliotecas no acaben siendo cementerios o depósitos de libros sin uso, en mal estado o que no son acordes a la colección de la biblioteca.

Por ponerte una serie de ejemplos, tanto las Bibliotecas Públicas Municipales del Ayuntamiento de Madrid como las Bibliotecas Públicas del Principado de Asturias (entre muchísimas otras) lo explican excelentemente a través de sus normas y políticas de donaciones:

La donación es la cesión gratuita de un documento o conjunto de documentos y una forma de adquisición gratuita en las bibliotecas. Las Bibliotecas Públicas tienen gran interés en promover el enriquecimiento de sus colecciones a través de donaciones, procedentes tanto de sus usuarios, como de personas o instituciones ajenas a ellas.

[…]

El establecimiento de una política de donativos intenta, en definitiva, evitar el ingreso de materiales indeseados o múltiples que no serían objeto de compra y que ocupan inútilmente espacio en las estanterías y causan un trabajo añadido.

También es verdad que existen casos especiales en cuanto a donativos a bibliotecas. Casos en los que las bibliotecas parten de cero libros… así que toda donación es muy bien recibida. Se me vienen a la cabeza las bibliotecas devastadas por la guerra en Mosul o la Biblioteca de Cebolla que fue arrasada por una riada(por cierto, esta biblioteca ha alcanzado la cifra de más de 15.000 libros en dos meses). También hay otros casos en los que las colecciones de las bibliotecas son tan escasas que solamente un donativo importanteen cuanto a cantidad de libros puede ponerlas en funcionamiento, o la donación de libros con cierto valor económico (lo cual es irrechazable).

Por fortuna, las desgracias no son muy frecuentes… y por desgracia, las grandes donaciones (en cuanto a títulos o valor) tampoco lo son. Así que, a través de los siguientes puntos trataré de apercibirte para que no te lleves un desengaño. También te informo sobre cómo es la mejor manera de proceder a realizar una donación a la biblioteca. Espero que te sean de utilidad, seguro que alguno de tus libros también lo serán para las bibliotecas y, por consiguiente, para el uso y disfrute de todos. Por cierto, lo siento, pero no podrás donar tus libros electrónicos.

1. La biblioteca acepta gustosamente las donaciones de libros, pero no todo vale.

Y es que no todos los libros son propicios de ser aceptados en donación por la biblioteca. Hay una serie de requisitos que deben cumplir, como idoneidad de los fondos donados, su duplicidad con la colección actual, espacio disponible en la biblioteca o su estado de conservación. Es decir, las donaciones que se suelen aceptar son las que cumplen los mismos estándares y criterios que los de su política de adquisiciones.

Por poner un ejemplo, no se aceptan en donación libros rotos, sucios, dañados, mal encuadernados… y tampoco libros de texto, enciclopedias o anuarios. Por cierto, que un libro sea antiguo no lo hace valioso.

2. Antes de ir cargado con cajas a la biblioteca, elabora un listado de los libros que quieres donar.

Te aconsejo que no aparezcas en la biblioteca con cajas llenas de libros, es para ahorrarte el paseo. Lo que puedes, y debes, hacer es elaborar un listado con los libros que te gustaría donar. Las bibliotecas suelen tener un formulario de donaciones, pregunta en el mostrador para que te informen.

En dicho formulario deberás indicar el título, autor, editorial, edición, año de publicación…, además del estado de los libros y tus datos de contacto. La biblioteca se pondrá en contacto contigo para decirte los títulos que le interesaría recibir en donación para que los acerques cuando puedas. Incluso si en dicho lote de libros mandas algún que no está en el listado, la biblioteca puede decirte que vayas a recogerlo.

Por cierto, la biblioteca no irá a tu casa a por tu colección de libros que quieres donar. Es el propio interesado en realizar la donación el que se encargará de hacer llegar los libros a la propia biblioteca. Aunque siempre podrá haber excepciones, como por ejemplo un gran valor de la colección.

3. Una vez aceptada la donación por la biblioteca, hay que firmar un documento o carta de donación.

Como en cualquier otra acción contractual, hay que firmar un documento o carta de donación de libros. En dicho documento se establecerán las condiciones de la donación. Como por ejemplo que el donante acepta que su donación es definitiva e irreversible, y que la biblioteca pasará a ser la propietaria de los libros.

Toda vez que la donación haya sido aceptada por la biblioteca, los materiales pasan a ser propiedad de la misma y esta tiene la facultad de disponer de ellos como mejor decida.

Por cierto, la aceptación de la donación no supone ninguna obligación económica, física o moral con el donantepor parte de la biblioteca.

4. En dicho documento, la biblioteca se reserva el derecho de utilizar los fondos como considere.

La biblioteca se reserva el derecho a organizar, mantener, donar a terceros, expurgar, ubicar y utilizar los fondos como considere. Incluso se puede dar el caso de aceptar donaciones para traspasar los libros a otras bibliotecas o instituciones, regalar directamente a las personas e incluso venderlos a través de asociaciones de amigos de la biblioteca.

5. Los libros aceptados se identificarán como donados a la biblioteca.

Los libros aceptados en donación, llevarán un sello de donación y el nombre de la persona que los ha donado (en el caso de que esta esté de acuerdo). Es una buena forma de agradecer a la persona la donación y de informar al resto de usuarios de la biblioteca que dicho libro que está utilizando ha sido donado por alguien a la biblioteca.

Imagen superior cortesía de Shutterstock

Fonte: Julián Marquina

Acervo milionário de histórias em quadrinho do Batman é furtado

De acordo com o dono da coleção, cerca de 439 quadrinhos foram roubados

Mais de 400 quadrinhos da coleção de Rand Lawrence foram furtados
Mais de 400 quadrinhos da coleção de Rand Lawrence foram furtados (Foto: Reprodução)

O diretor de arte da Pedigree Comics, Rand Lawrence, teve uma parcela do seu acervo de revistas em quadrinho roubado em Boca Raton, na Flórida.

“439 quadrinhos verificados foram furtados do meu depósito. Como vocês sabem, eu organizei a melhor coleção do Batman e Detective Comics que existe”, escreveu Rand, que ainda lembrou que deixa sua coleção em um local com ar condicionado e tranca dupla.

O diretor de arte disse que tem uma pista de quem possa ter furtado sua coleção, mas prefere não divulgar para não atrapalhar as investigações.

O acervo de Rand era avaliado em US$ 1,4 milhão por conter várias edições raras de histórias do Homem-Morcego. Entre as raridades furtadas, estava “Batman #2 – 8”, série de quadrinhos lançadas em 1939.

Fonte: A TRIBUNA

Bibliotecas públicas de 18 municípios serão modernizadas com apoio do governo federal

 
Vencedoras do Edital de Bibliotecas Digitais 2018, instituições de sete unidades federativas de todas as regiões do País receberão R$ 100 mil

As comunidades de 18 municípios de sete unidades federativas das cinco regiões do País passarão a ter acesso a bibliotecas públicas com mobiliário e equipamentos modernos, além de licenças de livros digitais. Em dezembro, 18 convênios com o Ministério da Cultura, agora Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania, foram assinados com 14 prefeituras e quatro secretarias de Cultura. O objetivo é a implantação de bibliotecas digitais dentro das bibliotecas públicas cujos projetos foram selecionados no Edital de Bibliotecas Digitais 2018. A parceria estipula o repasse de R$ 100 mil da Secretaria Especial da Cultura. A prefeitura entrará com a contrapartida de R$ 25 mil.

Só no Rio Grande do Sul, quatro municípios foram contemplados – Gravataí, Gramado, Bento Gonçalves e Campo Bom. No Ceará, outros quatro serão beneficiados: Cedro, São Benedito, Iguatu e Pentecoste. No estado de São Paulo, foram contemplados Itapetininga, São Caetano do Sul, Itanhaém e São Carlos. Em Minas Gerais, Belo Horizonte, Juiz de Fora e Bom Despacho receberão o recurso. Também serão beneficiados Cuiabá (MT), Belém (PA) e Brasília (DF).

O objetivo do edital é estimular a leitura e promover a inclusão digital, ao criar um ambiente adequado para potencializar ações de utilização de tecnologias de informação e comunicação (TICs).

Entre os vencedores, há uma diversidade de perfis: cidades situadas em regiões centrais e outras no interior; há algumas com população de maior e outras de menor poder aquisitivo e com bibliotecas que nunca receberam apoio em editais e outras que estão continuamente buscando recursos em editais para se manterem.

Inclusão digital

Em São Carlos, no interior paulista, é grande a expectativa para concretizar o projeto, como conta o bibliotecário e responsável pelo Sistema Municipal de Bibliotecas Públicas da cidade, Marcos Teruo Ouchi. “Já queremos iniciar em janeiro as licitações. Nós trabalhamos com duas propostas. Num primeiro momento, haverá um ‘tour’ com exemplares novos (de livros digitais) entre as unidades, junto com um momento de instrução do uso dos leitores digitais, e uma mostra do panorama do livro físico ao digital para inserir o público nessas tecnologias”, explicou.

Segundo ele, em uma segunda fase, as 100 unidades de leitores digitais, que serão compradas, serão divididas entre as bibliotecas da cidade. “A ideia é que cada uma delas também receba parte do mobiliário. Nesses novos ambientes incorporaremos outros projetos de leitura. Queremos que o público possa contar com tudo isso até o final de 2019”, estimou.

De acordo com Ouchi, as 12 unidades mantidas pela Prefeitura – entre elas três bibliotecas públicas municipais, oito escolas do futuro e uma biblioteca voltada a deficientes visuais – serão beneficiadas com os recursos do edital.
Com uma população de 249.415 habitantes, São Carlos é a 13ª maior cidade do interior em número de habitantes e se orgulha pela importância que dá para a educação. Prova disso é um título revelado em 2006 pela Universidade Federal de São Carlos (UFScar), “o de ter o maior número de pessoas com doutorado por habitante da América do Sul”. Na época, eram 1,7 mil doutores, o equivalente a um doutor para cada 135 habitantes, enquanto no restante do Brasil, a relação era um para cada 5.423 habitantes.

A Biblioteca Municipal Cândido Acrísio da Costa, de Cedro (CE), receberá pela primeira vez uma ajuda federal por meio de um edital. O recurso extra será de grande importância para modernizar a unidade, como explica a secretária municipal de Cultura de Cedro (CE), Maria Aparecida de Souza Evangelista, responsável pelo espaço. “Sabemos que vai ser muito importante para os alunos do município terem uma biblioteca moderna”, afirmou a secretária.

Localizada a cerca de 400 km da capital Fortaleza, Cedro conta com população de 24.257 habitantes, segundo último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sendo que 27% da população está em extrema pobreza. A biblioteca municipal deverá ter a parceria com o Instituto Federal do Ceará, no fornecimento de alunos para ministrar cursos e oficinas na inclusão digital de idosos. Além do novo espaço com acervo digital, há um projeto de ônibus-biblioteca que circulará uma vez por semana por seis meses em itinerário a ser previamente divulgado pela cidade.

“A nossa alegria foi muito grande do município ser contemplado em um edital aberto para participação do Brasil todo. Só quatro venceram no Ceará e o projeto de Cedro ficou em 1º lugar”, destacou Maria Aparecida.
Já Gravataí, situada na Região Metropolitana de Porto Alegre (RS), se destaca por ser uma cidade em expansão e desenvolvimento. Está entre as dez cidades gaúchas com a indústria criativa de transformação mais diversificada, ocupando a 5ª posição com 42 categorias de atividades da indústria criativa, segundo estudo realizado em 2013 pela Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul.

A Biblioteca Pública Municipal Monteiro Lobato, mantida pela Prefeitura Municipal da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Lazer de Gravataí, tem se inscrito nos últimos anos em editais para garantir e ampliar a manutenção de ações que a instituição oferece.

De acordo com Claudia Netto da Silva, uma das bibliotecárias responsáveis pela unidade, a novidade será em breve largamente divulgada na cidade. “A nossa expectativa é de poder oferecer um serviço novo para os nossos usuários, tendo em vista o uso da tecnologia que ainda não tínhamos acesso. Tenho certeza que deve ter uma boa aceitação e uso nos nossos projetos sociais. Estamos muito felizes.”, afirmou.

Saiba mais sobre o edital.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania

Fonte: Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania

Revista ilumina acervo raro da Biblioteca Brasiliana

 Com “Revista BBM”, Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin busca visibilidade para suas coleções e pesquisas

Texto por Claudia Costa

Sala da Biblioteca de José Mindlin, com vista para a jabuticabeira – Fotos: Acervo Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin

Segundo os editores, a revista, neste primeiro momento, expõe pesquisas feitas com base no rico acervo da biblioteca e, “curiosa e deliciosamente, algumas de suas gralhas, pastéis e afins”. É o caso do texto de Thiago Mio Salla, doutor em Ciências da Comunicação e em Letras pela USP, que apresenta a segunda edição de Poesias completas, de Machado de Assis, publicada em 1902, na qual a primeira sílaba da palavra cegara foi estampada não com “e” mas com “a”, o que alterou de forma radical o sentido da frase.

Nesta edição de estreia, o destaque é o dossiê Viajantes, com textos dedicados aos relatos de visitantes que, em sua maioria, chegaram ao Brasil com o estabelecimento da corte portuguesa. O tema tem atravessado séculos e ainda hoje é objeto de pesquisas de estudiosos e teóricos, que buscam nesses diários informações históricas, estéticas e literárias.

Os editores citam alguns dos mais célebres viajantes franceses, como Jean-Baptiste Debret, Voyage pittoresque et historique au Brésil (1839), Charles Ribeyrolles, Brésil pittoresque (1859), e Auguste de Saint-Hilaire, Voyage aux sources du Rio de S. Francisco et dans la province de Goyaz (1847). Ou, ainda, o alemão Friedrich Wilhelm Sieber, voltado a estudos geológicos e botânicos na bacia amazônica, e os naturalistas, também alemães, Georg Freyreiss (1789-1825) e Friedrich Sellow (1789-1831) acompanhando o príncipe Maximilian von Wied-Neuwied. Todo esse material constitui um importante legado da vida pessoal dos exploradores, revelando impressões sobre a descoberta do novo território, não apenas sobre suas dimensões gigantescas, mas também por sua diversidade étnica e geográfica.

O título que abre o dossiê, Representações e redes transatlânticas – relações França-Brasil nos escritos de um viajante oitocentista, apresenta o resultado do projeto de pesquisa de Ana Beatriz Demarchi Barel, da Universidade Estadual de Goiás (UEG), junto à BBM acerca de dois textos que integram o conjunto da obra do viajante, historiador e escritor francês Ferdinand Denis (1789-1890), um dos mais importantes atores das relações franco-brasileiras do século 19.

Segundo a pesquisadora, Ferdinand Denis vem ao Brasil, assim como muitos viajantes europeus, em busca de fortuna, tendo vivido no País entre 1816 e 1819. “Ele viajará pelo País, durante esse período, descrevendo, em seu diário e nas cartas enviadas à família, as paisagens, os hábitos e os costumes brasileiros. Seus escritos, material epistolar de natureza íntima e familiar, se aliam a um precioso acervo de informações sobre o Brasil oitocentista compreendido pelo olhar estrangeiro – sua natureza, suas cidades, seus costumes, seus habitantes e a forma como se relacionam em sociedade –, reflexões sobre nossa produção literária”, escreve Ana Beatriz.

Frei Agostinho de Jesus (c.1600/10-1661) – um artista beneditino na fronteira entre dois mundos – a América portuguesa e espanhola é assunto do arquiteto Rafael Schunk, enquanto relatos fantásticos de inúmeros viajantes coloniais, entre eles Jean de Léry, são tratados pelo sociólogo Carlos Alberto Dória. Como o próprio Léry descreve: “[…] depois de minha viagem à América […] Devo confessar que, embora não aceitando como verdadeiras as fábulas encontradiças em vários autores […] vi coisas tão prodigiosas quanto tantas outras tidas por impossíveis. Completa o dossiê texto do historiador Marcos Horácio Gomes Dias, contextualizando a exploração das minas no século 18, passando por Minas Gerais e Goiás.

A revista traz ainda a seção Raros e raríssimos, em que Milena Ribeiro Martins, da Universidade Federal do Paraná (UFPR) se debruça no romance Frida Meyer, de Vivaldo Coaracy, para tratar da sociabilidade feminina nos anos 1920 em Porto Alegre. Já em Memória, Ana Luiza Martins expõe sua experiência de investigação na Biblioteca Mindlin e presta homenagem ao bibliófilo José Mindlin.

Em Publicações BBM, a invenção das “brasilianas” no século 20 é tratada por Thiago Lima Nicodemo, da Universidade de Campinas (Unicamp), que relata a contribuição  de Rubens Borba de Moraes (1899-1986), bibliotecário, bibliógrafo, bibliófilo e historiador, para a construção da coleção Guita e José Mindlin. Fecha a publicação, as Oito viagens de Gustavo Piqueira, resenha da professora da ECA Marisa Midori Deaecto para o livro As oito viagens ao Brasil, que reúne oito pequenas brochuras contendo diferentes versões das viagens ao Novo Mundo. Como a própria autora diz: “São oito viagens que podem bem ser lidas como oito viagens de um viajante deslocado no turbilhão de imagens sem memória que invadem nossas cidades”.

O projeto

Plinio Martins Filho conta que, quando ingressou na Brasiliana, tinha como projeto desenvolver um setor de publicações, como existe em todas as grandes bibliotecas. O objetivo seria divulgar o acervo, as publicações, fac-símiles e, sobretudo, as pesquisas feitas na BBM, além das suas atividades, como os seminários acerca da bibliofilia, das brasilianas e de tudo que diz respeito ao livro.

Esse objetivo é reiterado pelo diretor da BBM, que ressalta a especificidade da biblioteca e o acesso restrito a pesquisadores. “Com a revista, queremos divulgar as pesquisas realizadas com base no acervo”, diz Zeron. Ele também adianta que a perspectiva é digitalizar toda a coleção da biblioteca.

A edição da Revista BBM tem 188 páginas e sua viabilidade contou com o apoio de duas empresas: a Casa Rex, de Gustavo Piqueira, que realizou todo o projeto gráfico, e da Gráfica Santa Marta, com a impressão dos 1 mil exemplares. Segundo Martins Filho, haverá distribuição em bibliotecas públicas, mas uma parte também será comercializada pela Editora da USP (Edusp). Uma versão on-line, com todo o conteúdo da revista impressa, segue em preparação.

Com periodicidade semestral, a próxima edição, prevista para junho ou julho deste ano, traz o tema “Bibliofilias: circuitos e memórias”, além de temas sobre preservação e conservação que estiveram presentes em um seminário dedicado a Guita Mindlin. Segundo os editores, a tarefa da revista não é pequena. Com seções que não são fixas e podem mudar a cada novo número de acordo com o tema, seus conteúdos “abarcam a raridade de determinadas obras, os pastéis (…), a bibliofilia e o estudo das formas imateriais de edição e mesmo correção e circulação de uma obra. O que significa dizer uma promessa de felicidade – para tomar de empréstimo uma expressão de Stendhal – para quem ama os livros”.

O primeiro número da Revista BBM (Publicações BBM, 188 págs., R$ 35,00) pode ser adquirido em todas as livrarias da Edusp. Mais informações pelo e-mail bbm@usp.br ou pelo telefone (11) 2648-0310.

Fonte: Jornal da USP

Biblioteca Municipal de Jundiaí terá 3º Torneio de Literatura Fantástica

A Biblioteca Municipal Professor Nelson Foot promove, no dia 26 de janeiro, sábado, a partir das 12 horas, o “3º Torneio de Literatura Fantástica – Uma viagem pelo mundo de Harry Potter”. Para participar, é necessário inscrever-se no site da biblioteca e a entrada é solidária mediante doação de 1 livro de literatura em bom estado de conservação para o Projeto Geladeira Literária. As vagas são limitadas.

Torneio de literatura na biblioteca tem como tema o bruxinho mais famoso do mundo

Os participantes inscritos no torneio de literatura serão divididos em três equipes e participarão das seguintes atividades:

  • Potter esmiuçado: A História por trás do mundo mágico de J.K. Rowling (Palestra com o Prof. Me. Victor Menezes, Doutorando pela UNICAMP)

  • Quadribol

  • Tribunal Bruxo

  • Olivaras – Oficina de varinhas

  • Sarau Pottermore

O Sarau é uma das provas a ser cumprida em equipe e cada uma delas poderá apresentar quantas atrações desejar, desde que não ultrapasse o tempo estipulado para a execução da atividade, que é de 25 minutos. Poderão compor a prova: desfile de cosplay, encenação de um trecho, declamação, monólogo, músicas, danças, ilustrações sobre a saga (desde que realizadas durante a prova), entre outros.

O evento contará também com um Workshop de Escrita Criativa ministrado pela escritora jundiaiense Fabi Zambelli; Bate-papo com o Professor Me. Victor Menezes sobre a saga Harry Potter; Intervenção artística com o Grupo Leviosá; além de atividades como Quadribol, Xadrez Bruxo, quebra-cabeça, caça-palavras, palavras cruzadas e quiz. Todos os participantes terão direito a lanche.

A Biblioteca Municipal Professor Nelson Foot está localizada na Avenida Dr. Cavalcanti, 396, Centro, dentro do Complexo Argos. Mais informações podem ser obtidas diretamente com a Biblioteca pelo telefone (11) 4527-2110 ou do email biblioteca@jundiai.sp.gov.br.

(Fonte: Biblioteca Municipal Prof. Nelson Foot; Imagens: Divulgação)

Fonte: TVTEC News 

São Paulo é tema de mostra grátis na Biblioteca Mário de Andrade

Biblioteca Mário de Andrade abre programação do Cinemário 2019 com produções que apresentam a cidade de São Paulo

Entre os filmes da vez, estão os clássicos ”Carandiru” e ”’O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias”

Biblioteca Mário de Andrade chegou chegando em 2019! Para o primeiro mês do ano, a programação semanal do Cinemário, mostra de cinema do equipamento cultural, apresenta longas-metragens brasileiros que têm como plano de fundo, personagem ou elemento narrativo a cidade de São Paulo – seria uma homenagem aos 465 anos da capital?  

Crédito: ReproduçãoBiblioteca Mário de Andrade abre programação do Cinemário 2019 com produções que apresentam a cidade de São Paulo

Entre os filmes escolhidos para a programação de janeiro, estão: “Carandiru“, de Hector Babenco; “O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias“, de Cao Hamburguer; “São Paulo Sociedade Anônima“, de Luís Sérgio Person; e “Não por acaso“, de Philippe Barcinski.

As sessões de cinema na BMA acontecem toda quarta, às 19h, e a entrada é totalmente gratuita!

Confira a programação abaixo:

  • 1. Carandiru

     Carandiru, com direção de Hector Babenco (2003), 09/01, às 19h

    Um médico (Luiz Carlos Vasconcelos) se oferece para realizar um trabalho de prevenção a AIDS no maior presídio da América Latina, o Carandiru.
    Lá ele convive com a realidade atrás das grades, que inclui violência, superlotação das celas e instalações precárias.
    Porém, apesar de todos os problemas, o médico logo percebe que os prisioneiros não são figuras demoníacas, existindo dentro da prisão solidariedade, organização e uma grande vontade de viver.

  • 2. O Ano em que meus pais saíram de férias

    O Ano em que meus pais saíram de férias (2016), com direção de Cao Hamburguer, 16/01, às 19h

    O documentário apresenta histórias das noites gays em São Paulo nas décadas de 1960, 1970 e 1980.
    Fazendo uma viagem no passado, os personagens mostram as histórias das dançarinas e transformistas que se apresentavam nas famosas casas noturnas que marcaram época e tudo o que elas tiveram que passar, como a imposição da ditadura e a famosa explosão da Aids.

  • 3. São Paulo Sociedade Anônima

    São Paulo Sociedade Anônima (1965), com direção de Luís Sérgio Person, 23/01, às 19h

    Em São Paulo, entre 1957 e 1961, é mostrada a trajetória de Carlos (Walmor Chagas), que pertence à classe média.
    Guiando-se pelas chances imediatas que lhe são dadas pela sociedade, ele ingressa numa grande empresa.
    Depois aceita um cargo numa fábrica de auto-peças, da qual torna-se gerente.
    A certa altura se vê na pele de um chefe de família, que trabalha muito, ganha bem, mas vive insatisfeito. Sem projeto de vida ou perspectivas de se opor à condição que rejeita, só lhe resta fugir.

  • 4. Não por acaso

    Crédito: reproduçãoLegenda: Não por acaso

    Não por acaso (2007), com direção de Philippe Barcinski, 30/01, às 19h

    Ênio (Leonardo Meideiros) é um engenheiro de trânsito que comanda o fluxo de carros em São Paulo.
    Ele possui uma mania de controle que também se reflete em sua casa, onde suas ações são extremamente controladas.
    Ele se surpreende quando reencontra Mônica (Graziella Moretto), sua ex-mulher, que lhe diz que sua filha Bia (Rita Batata), de 16 anos, deseja conhecê-lo.
    O encontro é adiado devido a um acidente sofrido por Mônica, que atropela Teresa (Branca Messina). Ambas morrem, o que faz com que Ênio e Pedro (Rodrigo Santoro), namorado de Teresa e dono de uma marcenaria especializada na construção de mesas de sinuca, entrem em luto.
    Seis meses depois Bia encontra Ênio, mas pai e filha enfrentam dificuldades em se relacionar.
    Já Pedro é forçado a visitar o antigo apartamento de Teresa, onde agora vive Lúcia (Letícia Sabatella).

  • Assista ao trailer de Carandiru:
 Fonte: Catraca Livre

Biblioteca Mário de Andrade realiza clube de leitura nesta quarta

O livro lido será ‘O que acontece quando um homem cai do céu’, de Lesley Nneka Arimah

Nesta quarta-feira (9), a Biblioteca Mário de Andrade (Rua da Consolação, 94 – São Paulo / SP) realiza o Clube de Prosa da Mário com o livro O que acontece quando um homem cai do céu (Kapulana, 182 pp, R$ 39,90 – Trad: Carolina Kuhn Facchin), de Lesley Nneka Arimah. Em seu livro de estreia, Arimah desenvolve, em 12 contos, diversas formas literárias que abrangem o insólito, a distopia, as memórias da guerra na Nigéria, as relações entre mãe e filha, a convivência humana com as tecnologias, a infância e o embate entre as tradições de seus familiares e o cotidiano na América, muitas vezes com uma visão afrofuturista. Lesley nasceu no Reino Unido, viveu na Nigéria e agora mora nos EUA. O encontro gratuito acontece às 19h, no saguão da Biblioteca.

Fonte: PUBLISHNEWS

Biblioteca Municipal faz campanha para arrecadação de livros

Há três bibliotecas portuguesas entre as mais bonitas do mundo e uma delas é no Brasil

Mafra, Coimbra, Rio de Janeiro. Uma biblioteca que começou por servir um convento, outra que é universitária mas parece palaciana, e por último, a que nasceu como gabinete de leitura a propósito de um poeta português. E estão as três em The World’s Most Beautiful Libraries, uma edição que dá primazia às fotografias do italiano Massimo Listri. Para folhear com cuidado, que o livro pesa.

Texto por Lucinda Canelas

A biblioteca do Convento de Mafra. MASSIMO LISTRI/TASCHEN
O Real Gabinete Português de Leitura, no Rio de Janeiro. MASSIMO LISTRI/TASCHEN
A Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra. MASSIMO LISTRI/TASCHEN
Capa desta edição trilingue da Taschen. TASCHEN

Sempre que os jornais internacionais publicam listas das mais belas bibliotecas do mundo, e fazem-no com frequência, é certo que nesse clube altamente exclusivo há pelo menos um membro português. E logo entre os primeiros. Desta vez, e ainda que o pretexto do mais recente ranking seja um livro — The World’s Most Beautiful Libraries (Taschen, 2018), um coffee table book que convida à viagem e que é em si mesmo um destino para bibliófilos — há três, e um deles “mora” no Brasil: o Real Gabinete Português de Leitura, no Rio de Janeiro, uma instituição que recentemente passou por grandes dificuldades e cuja actividade se deve hoje em boa parte a portugueses e lusodescendentes; a Biblioteca Joanina, em Coimbra; e a do palácio-convento de Mafra.

Este volume de 550 páginas é uma edição trilingue (inglês, alemão e francês) em que a fotografia do florentino Massimo Listri assume todo o protagonismo, relegando para segundo plano os textos de Georg Ruppelt, director de bibliotecas e autor de dezenas de monografias em torno da história do livro e da cultura, e de Elisabeth Sladek, uma académica que se especializou em arte e arquitectura do barroco.

Listri, que se tem vindo a dedicar à fotografia de arquitectura, sobretudo a que regista os interiores luxuosos de palácios e villas, e publicou já 70 livros, parece ter encontrado no universo das mais antigas e notáveis bibliotecas dos continentes europeu e americano um desafio à altura da sua experiência. O resultado do seu trabalho, associado aos textos breves de Ruppelt e Sladek (há um pequeno artigo para cada biblioteca), pode ver-se neste volume que apresenta ao leitor 55 espaços, alguns deles com áreas de acesso muitíssimo restrito, como a Biblioteca Apostólica Vaticana, na cidade dos Papas, fundada por volta de 1450 (o actual edifício é do final do século XVI) e paradigma da associação destas instituições à investigação e à produção de conhecimento ao longo dos séculos.

The World’s Most Beautiful Libraries

 

Biblioteca Comunitária da UFSCar promove peças teatrais infantis

Biblioteca Comunitária da UFSCar promove peças teatrais infantis - Crédito: Divulgação
Crédito: Divulgação

No dia 17 de janeiro, quinta-feira, a Biblioteca Comunitária (BCo) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) apresenta duas peças de teatro voltadas ao público infantil: “O passe e o gol” e “A pipa e a flor”. Com início às 15 horas e com 50 minutos de duração, o espetáculo “O passe e o gol” propõe uma reflexão sobre o relacionamento entre irmãos, contando a história dos gêmeos Joãozinho e Marinho, que se dão muito bem no dia a dia, exceto quando o assunto é futebol. O texto original é do jornalista esportivo Juca Kfouri e a história foi adaptada por Laerte Asnis, que encena e dirige o espetáculo. A música ao vivo é interpretada pela pianista e diretora musical Valéria Peres e pelo convidado especial Guilherme Ambrózio, no violão e na percussão.

Já a peça “A pipa e a flor” é uma adaptação do livro homônimo do escritor, educador e psicanalista Rubem Alves. Na história, uma pipa tem um encontro bem peculiar com uma flor, que a faz começar a refletir sobre a liberdade, a felicidade e o amor. No desenrolar da história, a valorização das relações humanas em todos os níveis; sentimentos – como a inveja, o ciúme e a felicidade; além da importância do brincar e da arte do bem viver são abordados. Com música ao vivo, a peça tem um repertório erudito com cantigas de roda, que permitem interação com a plateia. O espetáculo estreou em 21 de dezembro de 1999 e, desde então, já foi encenado em diversas instituições culturais, educacionais e empresariais do Brasil e de Portugal. A adaptação, encenação e direção também são assinadas por Laerte Asnis. No teclado e na direção musical está Valéria Peres. Com duração de 45 minutos, a peça começa às 16 horas.

As apresentações são gratuitas, abertas ao público – especialmente às crianças -, sem necessidade de inscrição prévia e acontecem no espaço infantil da BCo, localizada na área Norte do Campus São Carlos da UFSCar. Mais informações sobre as peças teatrais podem ser conferidas na página do Facebook do projeto (facebook.com/hojetemteatrotemsimsenhor).

Fonte: São Carlos Agora

Lugares em São Paulo que todo amante de livros deveria conhecer

 

A Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin está instalada em edifício no coração da Cidade Universitária, em São Paulo. Foto: Ricardo Amado.

A cidade de São Paulo é palco de muita diversidade e oferece opções de programas para todos os gostos. Amantes de literatura e do universo das artes encontram em várias regiões da cidade, lugares para boa leitura, contemplação e sossego. Há opções para todos os sentidos e gostos.

Alguns, além da sua carga literária, são espaços interessantes de cultura, com arquitetura marcante e outros com muita história.

Na lista a seguir, algumas opções, das muitas da cidade, em roteiro inspirado no livro Rotas literárias de São Paulo de Guiomar Dantas publicado pela Editora Senac para que você possa desfrutar de momentos de prazer e encantamento com os livros.

  1. Faculdade de Direito Largo São Francisco – USP
Foto: Marcos Santos.

Fundada em 1827 a Faculdade de Direito Largo São Francisco foi por décadas a única instituição de ensino da área de humanas ficando conhecida por seus ilustres pensadores. Lá se formaram nomes como Castro Alves, José de Alencar, Monteiro Lobato, Hilda Hilst e Décio Pignatari.

A visita ao pátio e às arcadas são abertas ao público porém quem se interessar por desbravar espaços fechados como a biblioteca, o salão nobre, a sala São Leopoldo e o célebre tumulo de Júlio Frank pode participar de uma visita monitorada na última sexta-feira de cada mês. Para se inscrever basta ligar no (11) 3111-4053. A visita tem cerca de uma hora e meia de duração. A Faculdade fica localizada no centro da cidade e você pode saber mais sobre ela aqui.

  1. Casa Guilherme de Almeida
Foto: Divulgação.

Localizada no bairro do Pacaembu, a casa do poeta, tradutor, dramaturgo e jornalista Guilherme de Almeida preserva a história do célebre ex-morador e da cidade de São Paulo como poucos poucos lugares. Desconhecido do grande público, Guilherme foi nome importante na Revolução de 32 que marcou a cidade. Para saber mais clique aqui.

  1. Instituto Goethe

Crédito: Divulgação.

O Goethe-Institut São Paulo é responsável por diversos eventos culturais que apresentam o intercâmbio entre a cultura do país com a alemã. Além dos eventos ligados ao ensino, música, literatura, esporte, teatro, culinária, arquitetura, ao cinema e ao meio ambiente, conta com aulas e certificados. Saiba mais aqui.

  1. SESC Pompéia

Foto: Divulgação.

Projetada pela arquiteta italiana Lina Bo Bardi a partir de uma antiga fábrica de tambores na Pompéia, a unidade do SESC é uma referência na rede e conta com uma programação intensa de shows, peças de teatro, exposições, atividades esportivas além de uma revistaria aberta ao público e uma grande biblioteca. Veja mais aqui.

  1. Biblioteca de São Paulo

Foto: SP Leituras.

A biblioteca de São Paulo tem 4.257 m², cerca de 30 mil itens e é um prato cheio para os leitores paulistanos. Localizada no Parque da Juventude, antigo Carandiru, conta ainda com uma intensa programação cultural. Confira mais aqui.

  1. Biblioteca Mário de Andrade

Foto: Divulgação.

Considerada a maior biblioteca pública da cidade e a segunda maior biblioteca pública do país, a homenagem a um dos maiores nomes da literatura nacional foi fundada em 1925 no centro da cidade próxima a estação República do metrô. Reinaugurada em 2011, tornou disponível ao público as áreas de consulta das coleções fixas – Artes, Coleção Geral, Mapoteca e Raros e Especiais – e um auditório. Confira a programação completa aqui.

  1. CCSP

Foto: Divulgação.

Com 46.500m² , o Centro Cultural São Paulo conta com quatro pavimentos e diversas bibliotecas, musicoteca e ainda uma gibiteca. Completando a programação, teatro, palestras, cursos e muito mais. Localizado entre as estações Vergueiro e Paraíso do metrô é talvez o espaço cultural mais democrático da cidade. Saiba mais aqui.

  1. Sebo Desculpe a Poeira

Foto: Fabi Nogueira.

O sebo é composto basicamente da biblioteca do jornalista Ricardo Lombardi, que resolveu começar o negócio se desfazendo de toda a sua coleção particular. Uma extensão do blog de mesmo nome que surgiu em 2007, também trabalha com revistas (edições especiais e coleções) e encomendas. Quase um sebo personalizado localizado no bairro de Pinheiros. Saiba mais aqui.

  1. Livraria Cultura

Foto: Divulgação.

Com unidades nos shoppings Bourbon, Iguatemi, Market Place, Villa Lobos, a Livraria Cultura é uma das redes mais conceituadas do país. Destaque ainda para a mega unidade do Conjunto Nacional, próximo a estação Consolação, que conta com setores de arte, tecnologia, música clássica, teatro, café e um cinema. Todas as unidades contam com programação de shows e palestras em seus auditórios. Saiba mais aqui.

  1. Livraria da Vila

Fundada em 1985 no bairro da Vila Madalena, a Livraria da Vila é uma referencia em literatura e debates literários na cidade. Com a expansão que ocorre desde 2003, quando foi comprada pelo empresário Samuel Seibel, ganhou unidades no Jardins, Moema e nos shoppings Higienópolis, JK Iguatemi e Cidade Jardim. Confira a programação aqui.

  1. Sebo Avalovara – Quarteirão da Palavra

Foto: Divulgação.

Localizado no chamado “quarteirão da palavra” – trecho da Rua Pedroso de Morais, entre as ruas Inácio Pereira da Rocha e Cardeal Arcoverde, conhecido por seus vários sebos – o Avalovara chama atenção por seu piso de caquinho e grande quantidade de títulos. Saiba mais aqui.

  1. Casa das Rosas

Localizada em um casarão no meio da Avenida Paulista, próximo a estação Brigadeiro do metrô, a Casa das Rosas é um espaço dedicado a literatura, em especial a poesia. Com apresentações e saraus, é um dos destinos mais interessantes da cidade. Saiba mais aqui.

  1. Cooperifa

Foto: Divulgação.

Fundado em 2001, o Cooperifa é um Sarau de Poesias localizado no Jardim Guarujá na extrema Zona Sul de São Paulo. Uma grande referência em cultura de periferia, acontece todas as quarta-feiras. Para saber mais veja aqui.

  1. Biblioteca do I.M.S. Paulista

Foto: Divulgação.

A Biblioteca de Fotografia do IMS Paulista é uma iniciativa única no Brasil. Com capacidade para abrigar 30 mil itens, visa a incentivar a pesquisa no campo fotográfico e a colaborar para a compreensão da fotografia nos seus mais diversos modos de expressão. O acervo é composto por publicações de e sobre fotografia, contemplando também seus desdobramentos em áreas como cinema, moda, artes visuais e ciências humanas. Mais aqui!

  1. Biblioteca Monteiro Lobato

Foto: Divulgação.

Localizada na Vila Buarque (próximo as estações República e Santa Cecília), a biblioteca Monteiro Lobato é dedicada aos pequenos leitores e conta com mais de 49 mil exemplares. Leia aqui.

  1. Theatro Municipal de São Paulo

Sede da Semana de Arte Moderna de 22, o Theatro Municipal de São Paulo foi projetado pelos arquitetos Ramos de Azevedo, Cláudio Rossi e Domiziano Rossi em 1903 e inaugurado em 12 de Setembro de 1911. Você pode fazer visitas guiadas ou em grupo (também em inglês) e uma bela refeição no restaurante do espaço. Conheça aqui.

  1. Centro Universitário Maria Antônia

Foto: Marcos Santos / USP Imagens.

Palco de confrontos durante a ditadura militar em 1968, o Centro Universitário Maria Antônia, no bairro de Higienópolis, era sede de alguns cursos de Humanas antes da criação da Cidade Universitária no Butantã e hoje contempla uma vasta biblioteca, palestras e exposições. Confira a programação completa aqui.

  1. A Oficina da Palavra Casa Mário de Andrade

Quem espera encontrar itens do escritor Mário de Andrade vai perder a viagem. Na verdade a Oficina da Palavra Casa Mário de Andrade, localizada na Barra Funda, na casa onde viveu o ícone modernista é na verdade um espaço de cursos, saraus e palestras. Para saber a programação clique aqui.

  1. Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin

Foto: Marcos Santos.

A Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, localizada na Cidade Universitária, foi criada em janeiro de 2005 para a coleção brasiliana do bibliófilo José Mindlin e sua esposa Guita doada pela família Mindlin à USP. No total são 32,2 mil títulos que correspondem a 60 mil volumes aproximadamente. De quebra você pode fazer compras na charmosa livraria João Alexandre Barbosa. Saiba mais sobre a biblioteca aqui.

Fonte: São Paulo São

Biblioteca Digital Mundial disponibiliza 15.508 itens sobre 193 países entre 8000 a.C e 2000 d.C.

Biblioteca digital mundial
 São 15.508 itens sobre 193 países entre 8000 a.C e 2000 d.C.

A Biblioteca Digital Mundial, a maior ferramenta de cultura do planeta. Essa mega enciclopédia do conhecimento humano funciona em sete línguas – árabe, chinês, espanhol, francês, inglês, português e russo – e também possui conteúdos em várias outras línguas. As características dos seus mecanismos de busca foram pensadas para facilitar ao máximo as pesquisas interculturais através das diferentes épocas. Todos os milhares de temas oferecidos são acompanhados de descrições e alguns são apresentados em vídeos por bibliotecários e professores especializados, a fim de que os usuários possam situar o seu contexto. Tais ferramentas e técnicas pretendem despertar a curiosidade dos estudantes e do público em geral, com o objetivo de estimular o conhecimento do patrimônio cultural de todos os povos e países.

Concebido e preparado por uma equipe da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, o site da Biblioteca Digital Mundial da Unesco contou com a participação e a colaboração ativas da Biblioteca Alexandrina do Egito e da Fundação Biblioteca Nacional brasileira, além de outras bibliotecas nacionais e instituições culturais de dezenas de outros países.

Entre os tesouros culturais apresentados na Biblioteca Digital Mundial, estão as imagens de estelas e ossos para oráculos pertencentes à Biblioteca Nacional da China; manuscritos científicos árabes; fotografias antigas do Brasil e da América Latina; o Hyakumanto darani, uma publicação do ano 764 custodiada na Biblioteca Nacional do Japão; a famosa Bíblia do Diabo, do século 13, pertencente à Biblioteca Nacional da Suécia; obras caligráficas em árabe, persa e turco, provenientes da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos. Nela pode-se também encontrar a Declaração de Independência dos Estados Unidos, assim como as Constituições de numerosos países; um texto japonês do século 16 considerado a primeira impressão da história; o jornal de um estudioso veneziano que acompanhou Fernão de Magalhães na sua viagem ao redor do mundo; o original das “Fábulas” de La Fontaine, o primeiro livro publicado nas Filipinas em espanhol e tagalog, a Bíblia de Gutemberg, e pinturas rupestres africanas que datam de 8.000 A.C.

O site permite ao internauta orientar sua busca por épocas, zonas geográficas, tipo de documento e instituição. O acesso é gratuito e os usuários podem ingressar diretamente pela web, sem necessidade de se registrarem. Com um simples clique, podem-se passar as páginas de um livro, aproximar ou afastar os textos e movê-los em todos os sentidos. A excelente definição das imagens permite uma leitura cômoda e minuciosa.

Alguns itens presentes na Biblioteca:

A maldição de Ártemis – Fragmento

A maldição de Ártemis – Fragmento
Descrição: Esta antiga maldição é um dos mais antigos documentos gregos em papiro do Egito. Com data do século IV a.C., é originário da comunidade de gregos jônicos estabelecida em Mênfis, no Baixo Egito. A cultura grega passou a ser dominante em Mênfis, especialmente depois de 332 a.C., quando Alexandre, o Grande foi coroado faraó no templo do deus Ptah. No documento, Ártemis, de quem quase nada se sabe, apela para o deus greco-egípcio Seráfis punir o pai de sua filha por privar a criança dos ritos funerários e negar-lhe um enterro. Seráfis foi identificado com o touro mumificado Ápis, considerado uma manifestação de Ptah, e com o deus egípcio Osíris. Por vingança, Ártemis exige que o homem – cujo nome não é mencionado no texto – seja privado de ritos funerários semelhantes para seus pais e ele próprio. Suas palavras drásticas são um exemplo notável da grande importância da tradição dos ritos funerários gregos e egípcios. O papiro pertence à coleção de papiros da Biblioteca Nacional Austríaca, que foi montada no século XIX pelo arquiduque Rainer. Em 1899 a coleção foi doada ao imperador Franz Joseph I, que a tornou parte da coleção da Hofbibliothek (Biblioteca Imperial), de Viena. Uma das maiores coleções do gênero no mundo, a Coleção de Papiros (Coleção Erzherzog Rainer) foi inscrita no Registro da Memória do Mundo da UNESCO em 2001.

Ventos das Quatro Direções

Ventos das quatro direções
Descrição: Este oráculo feito de osso por volta de 1.200 B.C. contém 24 caracteres em quatro grupos em um estilo vigoroso e forte, típico do grupo Bin de adivinhadores no reino de Wu Ding (circa 1200-1889 B.C.). Grava os deuses das quatro direções e dos quatro ventos. Os ventos das quatro direções refletem os equinócios da primavera e outono, os solstícios do verão e inverno, e as mudanças das quatro estações. Os quatro ventos são o vento leste, chamado Xie; o vento sul, chamado Wei, o vento oeste, chamado Yi (segundo tom em Mandarim); e o vento do norte, chamado Yi (primeiro tom em Mandarim). Constituem o sistema padrão sazonal independente concebido pelo povo Yin, e serviu como base importante para o calendário e a determinação de meses intercalados. Este item é da coleção de 35,651 exemplares de plastrões e ossos da Biblioteca Nacional da China, que constitui um quarto de todos os ossos de oráculos descobertos até à data, e considerada a melhor coleção na China.

Bíblia do Diabo
Bíblia do Diabo

Descrição: O Codex Gigas (ou Biblía do Diabo), é um volumoso manuscrito do século XIII, da Bohemia, uma das históricas terras tchecas. Famosa por seu tamanho e sua impressionante representação do diabo, em página inteira (encontrada na página 577), contém um número de partes: o Velho e o Novo Testamento, duas obras de Josephus Flavius, Etimologias de Isidoro de Sevilha, Etymologieso livro-padrão para o ensino de medicina na Idade Média conhecido como Ars medicinae (A arte da medicina), a Chronica Boëmorum (Crônica dos Boêmios) do século XII, de Cosmas de Praga, e um calendário. De especial interesse são as seções que testemunham a origem boemia do manuscrito e sua história repleta de acontecimentos. No final do século XVI, o Codex foi incorporado às coleções do governante Rudolph II, da Casa de Habsburgo. Durante o cerco sueco de Praga, no final da Guerra dos Trinta Anos (1648), o manuscrito foi levado como troféu de guerra e transferido para Estocolmo.

Pintura em Pedra S00176, Belém, Município do Distrito de Dihlabeng, Estado Livre, África do Sul

Pintura em Pedra S00176, Belém, Município do Distrito de Dihlabeng, Estado Livre, África do Sul

Esta pintura rupestre San representa um antílope cor de ameixa- avermelhada, de cabeça para baixo, com um sangramento no focinho e, no canto superior esquerdo, um antílope menor, pintado em amarelo, também sangrando pelo focinho. Tanto a postura de cabeça para baixo quanto as emanações nasais indicam morte. Para os San, esta morte era tanto literal quanto metafórica. Metaforicamente, a morte envolvia a passagem de um feiticeiro para o Mundo Espiritual que se acreditava existir por detrás da superfície rochosa. A pintura é do Estado Livre da África do Sul oriental, que é conhecida por suas representações de antílopes de cabeça para baixo em uma variedade de contextos incomuns. A imagem da pintura faz parte da Coleção de Arte Rupestre de Woodhouse, do Departamento de Serviços Biblioteconômicos da Universidade de Pretória. A coleção inclui mais de 23.000 slides, mapas e esboços provenientes de inúmeros locais de arte rupestre na África do Sul. Os San são povos caçadores-coletores que viveram ao longo de toda a África Austral e Oriental durante milhares de anos antes de serem expulsos por tribos africanas e colonos europeus. Os povos San continuam a viver no Deserto de Kalahari, na parte em que este cobre a Namíbia.

Povos de várias Nações

Povos de várias Nações

Durante os quase dois séculos de contato externo restrito durante o período Edo (1600-1868), os japoneses ainda mantinham uma curiosidade sobre as culturas estrangeiras. Este mapa, publicado no início do século XIX, mostra um enorme arquipélago representando o Japão no centro do mundo. Estão presentes no mapa inserções de imagens e descrições de pessoas estrangeiras, a distância entre o Japão e suas terras, e as diferenças climáticas. Os locais indicados incluem o “País Pigmeu, 14.000 ri” (1 ri = 2,4 milhas), “País da Mulher, 14.000 ri”, e “País do povo negro, 75.000 ri.” No parte inferior direita, a América é dita ser povoada por “pessoas que são mais altas que em nosso país, brancas e lindas … quanto mais ao sul você vai, as pessoas tornam-se maiores; no extremo sul da América do Sul está Chiika-koku (país de pessoas altas).” As descrições dão a noção de conhecimento geográfico limitado e as representações estereotipadas dos estrangeiros no Japão nesse período.

Mapa do Brasil, por John Rapkin (1851)

Brasil
Descrição: Este mapa do Brasil é um mapa de Tallis, identificável pelo estilo pergaminho nas bordas e pelas cenas ricamente ilustradas nele inscritas. John Tallis e Cia. era uma empresa britânica de cartografia que funcionou entre cerca de 1835 a 1860. O mapa foi elaborado e gravado pelo cartógrafo John Rapkin. Os mapas de Tallis eram conhecidos por seus desenhos precisos e numerosos topônimos e detalhes geográficos, bem como pela utilização de áreas sombreadas para indicar características topográficas. A beleza artesanal do mapa pode ser vista nas ilustrações coloridas dos quatro cantos que mostram “Barcos no Rio Negro” (canto superior esquerdo), “Santa Catarina” (canto superior direito), “Montevidéu” e “Cabo de Santo Antonio, Bahia” (abaixo, à esquerda), e “Rio de Janeiro” (abaixo, à direita).

Site Oficial: Biblioteca Digital do Mundo

Fonte: Revista Prosa Verso e Arte

Itapetininga terá exposição sobre o Sistema Solar na Biblioteca

Evento é realizado em parceria com o Clube de Astronomia Centauri de Itapetininga

A Biblioteca Municipal “Dr. Júlio Prestes de Albuquerque”, em parceria com o Clube de Astronomia Centauri de Itapetininga, preparou um evento voltado a todos os interessados no céu e nos astros: a exposição A Anatomia do Sistema do Solar, que será entre os dias 8 de janeiro e 8 de fevereiro.

A abertura oficial será na próxima terça-feira, dia 8, às 18h, e todos estão convidados. Na ocasião, os visitantes participarão de um bate papo com os membros do Clube Centauri e terão a oportunidade de interagir e aprender um pouco mais sobre o nosso sistema solar.

O horário da exposição será de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h e aos sábados das 9h às 12h.

Sobre o Clube de Astronomia Centauri de Itapetininga

O Clube existe desde 2015 e é formado por astrônomos amadores e entusiastas. De acordo com o presidente-fundador, Rodrigo Raffa, o foco é a troca de experiências: “Somos uma associação sem fins lucrativos, com o objetivo de partilhar vivências e conhecimento sobre astronomia”.

Segundo ele, a exposição A Anatomia do Sistema Solar foi inaugurada em 2017, para o Encontro Paulista de Astronomia, em Itapetininga, e desde então já esteve presente em Angatuba e na unidade de Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos. “Essa exposição visa a apresentar nosso sistema solar a diversos públicos, com uma linguagem simples e de maneira interativa”, conclui Rodrigo.

A Biblioteca Municipal fica à rua Campos Salles, 175, centro. Telefone (5) 3272-3265.

Fonte: Prefeitura de Itapetininga

Biblioteca Municipal inicia o ano com oficina de Fanzines

Na busca de oferecer aos participantes a compreensão do que é um Zine por meio de uma contextualização social e histórica, o desenvolvimento de capacidades de leituras de Zines, e a própria criação de um Fanzine, a oficina que trará o tema: “Fanzines, Zines, publicações independentes”, contará com a elaboração de Juliana Barcelos que é artista visual e arte-educadora.

Dando início as atividades ao longo do ano, a Secretaria de Esporte, Arte, Cultura e Lazer, através da Biblioteca Municipal de Franca, que já se encontra de portas abertas para atender ao público, seguirá no próximo dia 23 com a primeira oficina de fanzines ou mais conhecido como “zines”. O projeto que acontecerá a partir das 9h às 12h com intervalo e retorno a partir das 14, finalizando às 17h, abrirá suas inscrições no próximo dia 7, encerrando no dia 22 de janeiro, com cerca de 20 vagas disponíveis ao público a partir dos 10 anos, com alfabetização.

Na busca de oferecer aos participantes a compreensão do que é um Zine por meio de uma contextualização social e histórica, o desenvolvimento de capacidades de leituras de Zines, e a própria criação de um Fanzine, a oficina que trará o tema: “Fanzines, Zines, publicações independentes”, contará com a elaboração de Juliana Barcelos que é artista visual e arte-educadora.

Contando até o momento com o cronograma de apresentação da proposta: O que é Zine?, Exposição de conteúdo teórico: Contextualização, tipos e formatos de Zine, Produção de Ideias: Brainstorm, Mão na massa: Criação de um Zine(edição+fotocópias, no caso de serem produzidas pequenas tiragens, Exposição dos Zines produzidos e Troca de ideias, a oficina que terá duração de 6h com entrega de certificados e exposição dos trabalhos realizados, terá as inscrições sendo realizadas no próprio local do acontecimento, que será na Biblioteca Municipal “Dr. Américo Maciel de Castro Junior”, localizada na Av. Champagnat 1808-Centro, das 8 às 18h00, ou até mesmo pelos telefones 3711-9323 / 3711-9229.

Fonte: Prefeitura de Franca

Atividades culturais e de lazer são oferecidas gratuitamente para crianças em bibliotecas de Limeira

Inscrições devem ser feitas no Parque Cidade. São 50 atividades ao total que ocorrem até o fim de janeiro.

Por G1 Piracicaba e Região

Estão abertas as inscrições para oficinas da Biblioteca Pedagógica em Limeira (SP). Serão 50 atividades que ocorrem entre 7 e 31 de janeiro nas bibliotecas que ficam no Parque Cidade e no Zoológico Municipal. A participação é gratuita.

Segundo a Prefeitura de Limeira, para se inscrever nas atrações é preciso comparecer na biblioteca do Parque Cidade, que fica na Rua João Kuhl Filho, Vila São João. O horário de funcionamento é das 8h às 17h. As vagas são limitadas e serão preenchidas por ordem de chegada. A criança deve estar acompanhada do responsável para participar.

Projeto é voltado para crianças de Limeira — Foto: Michele Pampanin/Prefeitura de Limeira/Arquivo

Entre os eventos, estão programas de lazer, de entretenimento e ações educativas e culturais. A programação completa de atrações e a idade para participação de cada uma podem ser conferidas no site da Prefeitura de Limeira.

Fonte: G1

Biblioteca Municipal tem programação especial para as crianças

A Biblioteca Municipal Nelson Foot dá início, na próxima terça-feira (8), à programação especial de férias, com atividades gratuitas durante todo o mês de janeiro. As temáticas são focadas em resgatar canções e brincadeiras infantis por meio da leitura de histórias e oficinas organizadas pela equipe da biblioteca e parceiros convidados pela instituição.

A supervisora pedagógica Carmen Nalli destaca que é importante trabalhar o gosto pela leitura desde os primeiros anos de vida. “A criança é um futuro frequentador da biblioteca, então, temos que trabalhar de maneira lúdica para o entendimento de que a leitura não é uma obrigação, mas sim algo divertido”, comenta.

As atividades serão divididas entre os projetos “Leiturinha em Foco”, “Lê no ninho” e “ Contação de Histórias” com foco na mediação da leitura, músicas e brincadeiras. A biblioteca também realizará um show de mágica com a participação do ilusionista William Seven.

O espaço oferece, ainda, atividades para os jovens e adultos com a realização da terceira edição do torneio “Literatura Fantástica” com o tema Harry Potter. Para esse evento, a equipe de organização pede que os participantes doem um livro em bom estado de conservação para o projeto “Geladeiras Literárias”, da Unidade de Gestão de Cultura (UGC).

As informações sobre a programação completa do mês, inscrições e regras para participação nas atividades e no torneiro literário estão disponíveis no site.

A biblioteca Nelson Foot fica localizada na Avenida Doutor Cavalcanti, 390, Centro. O funcionamento ocorre de segunda a sexta-feira, das 8h às 22h, e, aos sábados, das 9h às 13h.

Fonte: Tribuna de Jundiaí

Por que levar seu pequeno à biblioteca?

Texto por Ana Clara Oliveira

Imagine um lugar enorme, repleto de prateleiras recheadas de livros. Romances, mistério, clássicos, poesia, best-sellers, contos, literatura nacional e do mundo inteiro, tudo em um único lugar, e o melhor: você pode pegar qualquer uma das obras de graça, para se deliciar ali mesmo ou para ler em casa. Falando desse jeito parece até distante da realidade, não é? Mas se, assim como eu, você é um amante das bibliotecas, você reconheceu muito bem essa descrição aí! Para lá de acessíveis, as bibliotecas estão presentes na maioria das cidades, só esperando leitores ávidos por histórias entrarem e se deleitarem!

Se você ainda não é um frequentador assíduo – ou um “rato de biblioteca” -, depois de ler este texto, com certeza, não vão faltar motivos para correr para a biblioteca mais próxima e fazer a carteirinha da família inteira.

Uma ode às bibliotecas!

Com uma variedade literária enorme, as bibliotecas nos dão a oportunidade de conhecer autores e livros que nem imaginávamos! Diferentemente de quando compramos um livro pela internet, quando vamos à biblioteca nos deparamos com outras diversas obras até encontrarmos aquela que procuramos, e essa busca acaba trazendo deliciosas surpresas. Algumas vezes, inclusive, não encontramos o livro que estávamos procurando – ou porque não tem ou porque está emprestado – mas voltamos para casa com uma pilha de outros títulos, semelhantes ou completamente diferentes, porque uma coisa é certa: nunca se sai de uma biblioteca de mãos vazias.

Claro que montar a nossa própria biblioteca também tem o seu encanto, seja comprando livros em livrarias ou assinando um clube do livro, mas como nem sempre queremos ou podemos gastar, a biblioteca é uma ótima opção para que nunca nos faltem boas histórias! E sabe aquele livro que está encostado na sua prateleira há um tempão? Você pode doá-lo para  a biblioteca da sua cidade para que outras pessoas também possam viajar nessa história.

Além disso, as bibliotecas também são refúgios perfeitos para minutos de silêncio, horas de estudo ou momentos de leitura. Você pode passar uma tarde inteira lá sem nem se dar conta ou dar aquela escapadinha da realidade na hora do almoço.

Por que levar seu pequeno à biblioteca?

E isso tudo vale para adultos e crianças! Afinal, muitas bibliotecas contam com área exclusiva para literatura infantil e infanto-juvenil, além de algumas possuírem um cantinho para contação de histórias. Por isso, um passeio à biblioteca é uma ótima pedida para os dias de férias ou até para os dias de aula (eu mesma fiz minha primeira carteirinha na biblioteca da cidade em um passeio com a escola – sem falar das bibliotecas das próprias escolas!). Essa é uma forma super eficaz e divertida de incentivar a leitura (enquanto o próximo Kit Leiturinha não chega!). Além de ser um lugar recheado de livros, conhecer a biblioteca mais próxima de casa, traz o sentimento de pertencimento ao lugar que vivemos. Lá podemos conhecer pessoas, decorar o lugar dos nossos livros favoritos, fazer amizade com a bibliotecária e fugir da correria da cidade sempre que quisermos. Você também pode mostrar para seu pequeno os seus livros favoritos e o lugar onde encontrou eles pela primeira vez. E outra coisa legal é que temos que voltar à biblioteca para devolver o livro emprestado, e duvido que você consegue fazer isso sem voltar para casa com outros tantos livros para ler!

Portanto, se vocês ainda não conhecem a biblioteca da idade, aproveitem o clima e corram até lá para se cadastrar e descobrir as várias histórias guardadas nas estantes.

Fonte: Blog da Leiturinha

Construída com contêineres, nova biblioteca de Santa Bárbara vai abrir em janeiro, diz prefeitura

Por G1 Piracicaba e Região

A Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste (SP) informou que a biblioteca municipal Professora Maria Aparecida de Almeida Nogueira está com 99% das obras realizadas e deve ser entregue em janeiro. O espaço fica ao lado do terminal urbano, no Centro.

Equipes da prefeitura foram destacadas para realizar arremates finais do espaço, que tem 500 metros quadrados de área construída.

Nova biblioteca de Santa Bárbara d'Oeste fica ao lado no terminal de ônibus — Foto: Comunicação/Prefeitura de Santa Bárbara d'Oeste
Nova biblioteca de Santa Bárbara d’Oeste fica ao lado no terminal de ônibus — Foto: Comunicação/Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste

A biblioteca foi montada com uso de contêineres que foram equipados para receber o público. A estrutura terá espaços para leitura, estudo, conveniência e contação de histórias.

Espaço terá sustentabilidade e inovação, diz prefeitura

De acordo com a administração municipal, um bonde também foi restaurado e instalado ao lado do prédio, sendo o espaço utilizado para contação de histórias. A biblioteca terá Wi-Fi gratuito.

O Poder Executivo afirmou que não há custos de construção para o orçamento municipal, já que a a obra é uma parceria com a iniciativa privada.

Contêineres foram içados para construção de biblioteca no Centro de Santa Bárbara d'Oeste — Foto: Prefeitura de Santa Bárbara d'Oeste
Contêineres foram içados para construção de biblioteca no Centro de Santa Bárbara d’Oeste — Foto: Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste

Fonte: G1 Piracicaba e Região

BIBLIOTECA PRISIONAL E LEITURA COMO INSTRUMENTO PARA RESSOCIALIZAÇÃO DO INDIVÍDUO

Preso coloca livros na grade e anota sem livro da biblioteca. Foto: Gabriela Pavão/ G1 MS

O bibliotecário deve se atentar às práticas humanitárias, ao social, à biblioteconomia social

Texto por Katia Moraes

Nos tempos remotos o indivíduo que descumpria as normas de direito criminal tinha a sua liberdade restrita a pena privativa de liberdade, com vistas a produção de provas por meio de torturas, acompanhadas de penas desumanas e cruéis. Mais tarde, houve o banimento de qualquer pena desumana e cruel e a tortura não fora mais utilizada como meio de produção de provas. No entanto, nos dias atuais o réu é condenado e, de acordo com os ditames da lei penal, levado a cumprir a pena, em muitas situações, em regime fechado, a qual tem por objeto o cerceamento da liberdade, como forma de manter a sociedade em segurança e fazer o apenado cumprir a pena imposta nos interiores do cárcere.

Sabemos que o compromisso do Estado, conforme dita a nossa Carta Magna é garantir ao preso integridade física e sua reintegração social à sociedade, posto isto, a Lei de Execução Penal 7.210 de 1984 prevê em seu artigo 21 a implantação de Bibliotecas em cada estabelecimento prisional “provida de livros instrutivos, recreativos e didáticos”, a fim de contribuir com assistência educacional aos presos. Infelizmente, a implantação de bibliotecas prisionais brasileiras não foi efetivada conforme a lei, e sua realidade é escassa e muito recente.

É importante mencionar que, a implantação de Bibliotecas Prisionais por si só não ressocializa o indivíduo, mas a unificação da Biblioteca com a criação de projetos de leitura proporcionará ao detento oportunidades de, mesmo no cárcere, conhecer um novo universo e aprender a pensar além do cubículo que o levará apenas a punição. Desse modo, cabe ressaltar que o profissional bibliotecário tem relevante papel social na disseminação de informação e este papel deve ser exercido e levado à todas as Bibliotecas, inclusive, no âmbito das bibliotecas prisionais, onde os presos ficam à margem da sociedade e a informação é escassa e muitas vezes inoperante. Ainda, a responsabilidade social do Bibliotecário é também, investir em instrumentos para incluir o excluído e, o livro, a leitura e a biblioteca são os instrumentos que podem ressocializar aquele que volta às ruas após cumprir sua pena de forma degradante no sistema carcerário.

Portanto, é preciso refletir se desejamos que aquele indivíduo que cumpriu sua pena, e deixa o sistema carcerário, deverá retornar à sociedade, tão cruel quanto entrou na penitenciária, ou que retorne reintegrando-se com valores renovados e propósitos de vida em conformidade com a vivência pacífica em sociedade, visando sua ressocialização com novas referências e motivação.

A IMPORTÂNCIA DAS BIBLIOTECAS PRISIONAIS

As Bibliotecas no Brasil vêm ao longo dos anos ganhando espaços a passos reduzidos, e a inserção nas escolas públicas não é diferente, vagarosamente as bibliotecas escolares recebem o status de sala de leitura e, junto à postulação dos profissionais bibliotecários no reconhecimento das Bibliotecas por parte do Estado, está a súplica de diversos bibliotecários, na implantação de Bibliotecas em estabelecimentos prisionais.

A Biblioteca prisional tem como função fornecer ao apenado a oportunidade de combater a ociosidade vivida nos presídios, estimulando a leitura das obras lá expostas e também a remição da pena, por meio de elaboração de textos das obras consultadas. Ainda, servir de instrumento para a ressocialização do apenado, fornecendo um caminho alternativo como experiência para a reintegração na sociedade por meio dos estudos.

No Brasil, existem diversos projetos de incentivo à leitura no âmbito das penitenciárias, visando a remição da pena, dentre eles, há a Portaria uniforme nº276 de 2012 do Conselho da Justiça Federal e da Diretoria Geral do Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) do Ministério da Justiça, que estipula o benefício da redução da pena aos presos em regime fechado, tutelados em penitenciárias de segurança máxima.

A assistência educacional é uma prestação básica para todos os homens, sejam livres ou não, e um elemento imprescindível para o tratamento penitenciário como forma de reinserção social a assistência educacional deve ser uma das prestações básicas mais importantes não só para o homem livre, mas também àquele que está preso, constituindo-se em um elemento do tratamento penitenciário como meio para a reinserção social.

A educação está diretamente correlacionada ao ensino, leitura e livros, e para que elas se unifiquem (educação, livro e leitura) é indispensável que o ambiente informacional esteja amparado pela atuação de profissionais da área e de obras que norteiem o ensino ali ofertado.

A atividade do bibliotecário dentro dos presídios, ainda não é conhecida na realidade brasileira, por ausência de atuação dos próprios bibliotecários nessa tipologia de biblioteca, visto a carência de ensino sobre esse tipo de biblioteca especializada nos cursos de biblioteconomia, e a desinformação do bibliotecário sobre a Lei de Execução Penal, no que se refere a disposição de bibliotecas nas penitenciárias.

O bibliotecário da atualidade além da técnica de classificação deve atentar às práticas humanitárias, ao social, à biblioteconomia social.

As Bibliotecas prisionais são de extrema importância para os estabelecimentos prisionais, pois é por intermédio delas que a população carcerária, em meio à ociosidade, obterá um caminho diferenciado para reflexão e preenchimento de todos os outros momentos torturantes que o cárcere proporciona àquele que está quitando suas dívidas com a justiça, àquele que transgrediu às normas jurídicas.

*Artigo extraído de Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Biblioteconomia do Centro Universitário Assunção (UNIFAI), em dezembro de 2017. 

Fonte:  REVISTA BIBLIOO

Bauru divulga programação de férias das bibliotecas

As Bibliotecas Municipais irão desenvolver oficinas de música, com alguns instrumentos musicais como violão, viola, violino, violoncelo e flauta para crianças de 9 a 15 anos no período de férias. É uma oportunidade de entrar em contato com diferentes instrumentos musicais, tocar, ouvir e conhecer os fundamentos da música. Nas oficinas, as crianças receberão informações sobre onde e como estudar música em Bauru.

As inscrições podem ser feitas pessoalmente em uma das Bibliotecas Municipais. O horário das oficinas é das 9h às 10h. Serão 10 vagas para cada Biblioteca e as inscrições já se encontram abertas. As inscrições terminam no dia 4 de janeiro de 2019.

A coordenação e realização ficarão a cargo do professor José Luiz de Oliveira Coutinho. Todas as oficinas serão realizadas no mês de janeiro de 2019, as terças e quartas. Mais informações pelos telefones 3235-1312 ou 3232-1333.

Programação

08/1 – Biblioteca Municipal Rodrigues de Abreu
Av. Nações Unidas, 8-9, Centro

09/1 – Biblioteca Ramal Núcleo Geisel
Rua Alziro Zarur, 5-08

15/1 – Biblioteca Ramal CEU das Artes
Rua Maria José Silvério Dos Santos, Quadra 02, S/N°

16/1 – Biblioteca Ramal Mary Dota “Antonio Silveira”
Rua Antonio Alcazar, 5-153 – Núcleo Mary Dota

22/1 – Biblioteca Ramal Tibiriçá “Lucy Rangel Fraga” – Centro Rural de
Tibiriçá
Rua Carmelo Zamataro, Quadra 3, S/N°

23/1 – Biblioteca Ramal Vila Falcão “Maria Raquel Zanni Arruda”
Rua Domingos Bertoni – 7-50 – Vila Falcão

29/1 – Biblioteca Ramal – Sala de Leitura Ouro Verde
Rua Gabriel Marales, 1-24 – Jardim Ouro Verde

30/1 – Biblioteca Ramal Jardim Progresso “Vanir de Carli Cunha”
Rua João Borges, 2-1 – Jardim Progresso

Fonte: Jornal da Cidade

Degustação Literária: Biblioteca encerra ano com balanço positivo

Para 2019 a intenção é manter o mesmo formato, com reflexões e leituras ao som de boa música

O projeto cultural Degustação Literária, iniciado pela prefeitura através de sua equipe da Biblioteca Municipal “Dr. Américo Maciel de Castro Junior”, realizado uma vez por mês, atingiu plenamente os seus objetivos ao longo deste ano.

A avaliação é da bibliotecária Clemência Andrade Canoas, lembrando que em todas as sessões houve o registro de um bom público e pessoas vivamente interessadas em apreciar o ambiente e curtir os momentos de reflexões, de leituras sobre variados autores ao som de boas músicas com artistas da cidade.

A Biblioteca Municipal está localizada na Av. Champagnat, 1808, centro. Segundo  a bibliotecária, o evento atraiu muitas pessoas que nem tinham o hábito de visitar a Biblioteca e que o evento organizado sempre na última sexta-feira do mês, ficou conhecido também com “Sexta Literária”.

Nesses encontros e bate papos os presentes buscam se aprofundar nas obras e na vida dos escritores, que muitas vezes não são conhecidos e às vezes estão esquecidos aos olhos do público.

O projeto que vem acontecendo há três anos, segue sendo consolidado aos poucos, cada vez atraindo leitores e pessoas diferentes, ressalta Clemência Aparecida Canôas.

Para 2019 a intenção é manter o mesmo formato, sempre na última sexta-feira do mês, a partir das 17h30, com o monitoramento da psicóloga e escritora Maria Luíza Salomão e de brinde a participação especial dos violonistas César Santos e Reinaldo Toledo, este último músico premiado em vários festivais e que integra o quadro de colaboradores da própria Biblioteca.

Fonte: Jornal de Franca

Justiça Eleitoral lança biblioteca digital que serve de fonte de informação para internautas e pesquisadores

Por Thales Brandão

O Portal do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) possibilita que o cidadão e o pesquisador tenham acesso à Biblioteca Digital da Justiça Eleitoral (BDJE). O espaço tem como objetivos incentivar a gestão da memória institucional e eleitoral e incrementar o intercâmbio de informação eleitoral e partidária com outras instituições nacionais e internacionais. Outras metas da BDJE são promover a gestão do conhecimento institucional e ampliar a visibilidade da produção da Justiça Eleitoral.

Atualmente, a Biblioteca Digital tem cerca de 4.500 itens catalogados. Seu acervo inclui livros, artigos e periódicos, publicados ou não pela Justiça Eleitoral, e também a produção intelectual de ministros, desembargadores e servidores. A Biblioteca Digital se destina à consulta por ministros, servidores, estagiários, pesquisadores, estudantes e público em geral.

As obras publicadas na BDJE são de domínio público ou possuem direitos autorais cedidos pelos proprietários e estão disponíveis para acesso e download gratuitos. As exceções vigoram para aquelas restritas a membros e servidores do TSE e dos tribunais regionais eleitorais. Nesse caso, se o interessado não se encaixar no perfil mencionado e tiver interesse em item de acesso restrito, deverá entrar em contato com a Seção de Biblioteca Digital, que avaliará a possibilidade de envio do material solicitado.

Memória

Inicialmente denominada Biblioteca Digital do TSE, a seção foi inaugurada em 26 de novembro de 2015. Contava no começo com 320 registros, entre artigos, mapas, fotos e vídeos. Em janeiro de 2018, foi lançada uma nova versão da Biblioteca Digital, que passou a se chamar Biblioteca Digital da Justiça Eleitoral (BDJE). A atual plataforma possui leiaute mais intuitivo, para melhorar a navegabilidade do usuário. Essa versão também possibilita acesso por meio de dispositivos móveis, como tablets e smartphones. As maiores facilidades que o espaço da BDJE proporciona ao visitante são agilidade na pesquisa, facilidade de navegação no ambiente e credibilidade das informações.

Sua importância para a preservação da memória da Justiça Eleitoral reside no fato de que o conhecimento é um patrimônio essencial e estratégico para o sucesso organizacional e, cada vez mais, esse sucesso se relaciona com a capacidade do órgão de produzir, reunir, armazenar, preservar e disseminar o conhecimento. Para que esse conhecimento não se perca e a memória consequentemente seja preservada, as novas tecnologias da informação são vitais para a gestão de toda essa produção. Ao armazenar, preservar e divulgar documentos e publicações da Justiça Eleitoral, a BDJE cumpre sua missão de preservar essa memória.

Acesso

O acesso à Biblioteca Digital pode ser feito diretamente pelo endereço: http://bibliotecadigital.tse.jus.br/xmlui ou por meio do Portal do TSE (http://www.tse.jus.br), menu “O TSE”, opção “Cultura e história” > “Biblioteca Digital”.

Já a pesquisa pode ser realizada pelos índices de data do documento, autor, título ou assunto, por meio das comunidades e coleções ou ainda pela pesquisa geral ou avançada. Neste último caso, o usuário pode aplicar os filtros de título, autor, assunto e data de publicação.

Uma das vantagens de se cadastrar na plataforma é que o usuário tem a possibilidade de assinar coleções de seu interesse para receber alerta de e-mails diários sobre os novos itens adicionados, podendo assinar quantas coleções desejar. Posteriormente, será implementada a opção de escolha também dos assuntos de interesse. Caso não realize o cadastro, o usuário poderá acompanhar na própria página da Biblioteca Digital os últimos itens incluídos.

Fonte: Cidade Marketing

Antropólogo belga doa 2,4 mil livros à Unicamp: ‘A vida tem que continuar e os livros também’

Entre os títulos doados pelo professor aposentado da Universidade Estadual de Campinas (SP) estão obras de antropologia, teologia, fotografia, artes visuais e etnologia.

O antropólogo e teólogo Etienne Samain, professor aposentado da Unicamp, em Campinas (SP), doou 2.400 livros à biblioteca do IFCH — Foto: Françoise Biernaux

O teólogo e antropólogo belga Etienne Samain doou 2,4 mil livros de sua coleção para a biblioteca do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp. Entre os títulos cedidos pelo professor aposentado da Universidade Estadual de Campinas (SP) estão obras de antropologia, teologia, fotografia, artes visuais e etnologia.

“A vida tem que continuar e os livros também. Esses livros se tornarão adultos e podem viajar, tenho confiança neles e que estão seguros junto a Unicamp e o IFCH”, diz Samain.

Os livros doados pelo belga se juntam a outros 250 mil títulos que fazem parte do acervo da Biblioteca ‘Octávio Ianni’. Constantemente a Unicamp recebe livros de pessoas físicas e jurídicas, principalmente as doações póstumas, feitas por familiares de ex-professores.

De acordo com a diretora técnica Valdinéia Sonia Petinari, a doação de Samain é a maior de uma coleção particular com o dono ainda vivo desde que assumiu o posto, há dois anos. E isso permitiu um diálogo com o doador e considerações sobre a coleção.

“As pessoas me chamam de generoso. Eu não sei se a generosidade pode ser definida como estar aberto a um futuro que não me pertence apenas, mas pertence a muitos outros”, afirma o antropólogo.

A doação de Samain é responsável por abrir uma catalogação de antropologia e imagem, já que até então, os livros eram separados por outras categorias, de acordo com a doutora em multimeios, Fabiana Bruno.

Fabiana teve as teses de doutorado e mestrado orientadas pelo professor Etienne. Ela conta que a biblioteca pessoal do antropólogo teve participação fundamental na sua formação acadêmica. “É uma biblioteca muito preciosa para antropologia visual e da imagem”, afirma.

“Tenho dado aula sobre o tema e nem todos os autores estavam disponíveis. A biblioteca do professor tem um enorme número de autores que trabalham essas relações, é uma enorme contribuição”, diz Fabiana.

Sem intenção de colecionar

Etienne Samain é natural da Bélgica e chegou ao Brasil em 1973. Em 1984 foi convidado para ingressar na Unicamp, onde foi coordenador do Programa de Pós-Graduação em Multimeios do Instituto de Artes até 2015.

O professor conta que a biblioteca pessoal foi adquirida ao longo da vida, de acordo com o campo de conhecimento e pesquisa em que ele e seus alunos estavam envolvidos no momento. Ele próprio apelida o acervo de “um arquivo vivo, uma memória” de sua trajetória acadêmica.

“Nunca tive nem o desejo nem o projeto de criar uma biblioteca, nunca. Ela surgiu com o tempo.”

A escolha pela biblioteca do IFCH se deu pela conclusão de que o instituto apresenta o melhor suporte de conservação e divulgação dentro da universidade, apesar de o professor dizer ter grande apreço pela biblioteca do Instituto de Artes. “Tiver que fazer uma escolha”, diz.

Fonte: G1 Campinas e Região

Reforma de biblioteca municipal de Taboão deve ser concluída em janeiro

Serviços de pintura interna e externa fizeram com que a prefeitura estendesse o prazo de entrega

Texto por Thiago Neme

Thiago Neme | Gazeta de S.Paulo
Atualmente é feito no local os serviços de pintura interna e externa e também a serralheria nos corrimões

Por Matheus Herbert, Gazeta de S. Paulo

A Prefeitura de Taboão da Serra, na região metropolitana de São Paulo adiou para o próximo dia 5 de janeiro a entrega das obras da Biblioteca Municipal “Castro Alves”, no centro da cidade. No começo deste mês, a administração havia divulgado que as obras seriam entregues até o dia 22, mas a prefeitura solicitou para a atual empresa os serviços de pintura e por isso o prazo foi adiado.

Em reforma desde o final de junho deste ano, a Prefeitura de Taboão da Serra ainda informou que não tem uma data para a reinauguração do local, já que a após a conclusão das obras é preciso fazer a transferência do acervo.

A Gazeta visitou as obras na manhã de terça-feira e atualmente é feito no local os serviços de pintura interna e externa, de serralheria nos corrimões, instalações de luminárias, a conclusão do balcão da recepção e a instalação de pisos.

Há três anos, em 2015, a biblioteca passou por reformas. Na ocasião, o espaço recebeu melhorias no telhado, nas calhas e nova pintura.

Procurada, a Secretaria de Cultura e Turismo de Taboão da Serra informou a reportagem que atualmente a biblioteca conta “com 30.060 livros, 263 DVDs, 480 livros em braile, 196 livros em áudio, além de 252 outros materiais, como revistas”.

Fonte: O Taboanense

Biblioteca Nacional do Kuwait recebe 300 livros brasileiros

As obras pertenciam à coleção da embaixada do Brasil no Kuwait e foram doadas pelo embaixador Norton Rapesta para marcar os 50 anos das relações diplomáticas entre os dois países.

Da Redação

São Paulo – Para celebrar os 50 anos das relações diplomáticas entre o Brasil e o Kuwait, a embaixada brasileira no país do Golfo presenteou a Biblioteca Nacional do Kuwait (NLK, na sigla em inglês) com 302 livros de autores brasileiros em português, espanhol e inglês. Os gêneros incluem história do Brasil e mundial, economia, relações internacionais, geografia, literatura, turismo, tradições e cultura brasileira.

Os livros pertenciam à coleção da embaixada e foram doados em uma solenidade nesta quarta-feira (19), na Biblioteca Nacional, com a presença do embaixador brasileiro no Kuwait, Norton Rapesta (na foto, à esq.), e do diretor geral da Biblioteca Nacional do país, Kamel Sulaiman Al-Abduljalil (na foto, 2º da esq. p/ dir.), que elogiou a iniciativa, segundo nota enviada à ANBA pela conselheira Cláudia Assaf, responsável pelos setores Cultural, de Imprensa e de Promoção Comercial da representação diplomática brasileira. De acordo com o comunicado, Al-Abduljalil ressaltou a importância dos livros para qualquer sociedade como forma de aprender sobre a história e a cultura de outras sociedades e, assim, desenvolver a tolerância perante diferentes nações.

Durante o evento, Rapesta fez uma palestra falando curiosidades sobre o Brasil, com informações sobre história, literatura, turismo, dados de comércio e exportações para o Kuwait, investimentos, e a multiplicidade de origens do povo brasileiro, destacando a influência da cultura árabe na formação da identidade brasileira, que influencia em costumes gastronômicos, na língua portuguesa, entre outros aspectos.

O embaixador do Brasil afirmou que “embora os dois países tenham desenvolvido excelentes relações diplomático-comerciais e profunda amizade, ambos ainda têm o potencial de elevar essas relações a um novo patamar”.

Também esteve presente o embaixador kuwaitiano Faisal Rashed Al-Ghais, que chefiou a embaixada do Kuwait no Brasil de 1986 a 1992. Al-Ghais fala português fluentemente, pois aprendeu quando viveu em Brasília, e no evento manifestou sua admiração pelo País e afirmou ser parcialmente brasileiro por ter se identificado com a sociedade brasileira. Ele destacou ainda o apoio dado pelo governo e pelo povo brasileiro ao Kuwait durante a invasão do seu país pelo Iraque, em 1991.

O diretor-geral Al-Abduljalil manifestou ao embaixador Rapesta o interesse em desenvolver parcerias entre a Biblioteca Nacional do Kuwait e a entidade brasileira homóloga – a Biblioteca Nacional do Brasil, no Rio de Janeiro – para aprofundar o conhecimento mútuo das duas sociedades por meio dos livros.

Al-Abduljalil convidou pesquisadores e o público em geral a visitarem a Biblioteca especialmente durante esta semana, quando os livros brasileiros ficarão em exposição na entrada da NLK por sete dias.

LADRÕES DE LIVROS RAROS VOLTAM A RONDAR BIBLIOTECAS DA UFRJ

A Biblioteca Pedro lmon do Forum de Ciência e Cultura da UFRJ na Praia Vermelha, Urca, local dos furtos Foto: FABIO MOTTA RAQUEL PORTUGAL E RODRIGO MÉXAS

Editores artesanais: O Gráfico Amador na Brasiliana

Uma editora é considerada artesanal quando suas tiragens são baixas e os processos de impressão não são industriais, trazendo à tona a manualidade do trabalho em cada exemplar. O Gráfico Amador foi uma editora artesanal que existiu no Recife na década de 50, fundada por Aloisio Magalhães, Gastão de Holanda, José Laurenio de Melo e Orlando da Costa Ferreira, e suas publicações são um marco do design editorial brasileiro unido à literatura.

Fonte: Canal Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin

Brasiliana Fotográfica publica o texto “Novos acervos: Museu Histórico Nacional”

A Brasiliana Fotográfica apresenta a seus leitores seu nono parceiro, o Museu Histórico Nacional (MHN), com o artigo “Os salesianos, os Bororos e a banda de crianças indígenas que mudou a história”, da historiadora da instituição, Maria Isabel Ribeiro Lenzi, e com a disponibilização das imagens do álbum “Missão em Mato Grosso”que pertence à Coleção Miguel Calmon, ministro da Viação e Obras Públicas no governo do presidente Afonso Pena.

Grupo tirado no dia 15 de novembro de 1907, 1907. Mato Grosso / Acervo Museu Histórico Nacional.

O álbum “Missão em Mato Grosso”, de 1908, retrata os trabalhos dos salesianos e das irmãs de Nossa Senhora Auxiliadora com os índios Bororos. São 69 fotografias do início do século XX que documentam o trabalho de educação desenvolvido pelos missionários pelo qual ensinavam música, português, matemática, prática agrícola e ciências, além de promoverem a evangelização. Infelizmente, a autoria das fotografias é desconhecida.

Leia o texto completo na Brasiliana Fotográfica

Fonte: Biblioteca Nacional

Uma região de histórias: exposição na Biblioteca de SP exalta nossos moradores

Texto por Sandra Kanashima

Todo lugar é feito de história, e preservar a sua memória não é apenas resgatar o passado. É ter referenciais consistentes para planejar o futuro; é descobrir valores e resgatar lembranças de quem ali viveu ou vive, pois, a relação das pessoas com o espaço é essencial para a construção do que ele é.

E a história de cada região reflete diretamente no desenvolvimento local e no modo de vida de seus moradores.

Desta forma, com o objetivo de assegurar a existência dos valores culturais da zona norte, por meio de histórias de vida contadas por pessoas que aqui moram, foi que o Museu da Pessoa criou a exposição A Zona Norte Conta Suas Histórias.

Em cartaz na Biblioteca São Paulo até o dia 13 de janeiro de 2019, com entrada gratuita, a exposição é um reflexo de histórias de vida de moradores da Vila Baruel, Vila Rica, Jardim Paraná, Casa Verde, Freguesia do Ó e Jardim Elisa Maria. Os agentes, alunos e professores de escolas do ensino fundamental da Diretoria Regional de Ensino Freguesia do Ó, frequentadores e educadores de organizações sociais de diferentes idades e lugares.

O material é resultante do programa de formação do projeto Todo Lugar Tem uma História para Contar, promovido pelo Museu da Pessoa, registrando a história dos bairros da região norte e moradores locais. Enquadrado na Lei de Incentivo à Cultura – Lei Rouanet, o projeto tem patrocínio do Magazine Luiza e do Instituto Center Norte, com o apoio da SP Leituras.

Segundo os coordenadores do projeto, durante a fase de formação, os participantes conheceram ferramentas metodológicas do Museu da Pessoa para o desenvolvimento e realização de atividades destinadas à preservação, ampliação e difusão da memória local. Tais atividades têm como objetivo realizar o registro oral, escrito e ilustrativo da história de espaços, regiões e comunidades das quais os grupos participantes da formação fazem parte.

Ao todo, participaram do projeto oito escolas, cinco organizações sociais, 12 educadores da rede pública municipal de ensino, 17 agentes sociais e 20 depoentes.

Registrar a memória de um lugar é perpetuar suas histórias e valorizar sua identidade e sua cultura. Além de ser uma grande oportunidade para conhecer sobre a região que moramos, a exposição poderá enriquecer também a nossa história. Não deixe de visitar!

Informações

Exposição A Zona Norte contas suas histórias

Data: até 13 de janeiro de 2019

Local: Biblioteca de São Paulo

Endereço: Av. Cruzeiro do Sul, 2.630 – Parque

Fonte: Jornal SP Norte

Comunidade pode adotar obras raras da Biblioteca Pública do RS

Entre os livros do acervo raro, estão originais do gaúcho Simões Lopes Neto e um poema de 1519. Reabertura do prédio original completa três anos neste mês.

Por Janaína Lopes, G1 RS

Acervo de obras raras está acondicionado em armários especiais, alguns deles com caixas de papel filifold, para evitar deterioração — Foto: Janaína Lopes/G1

A Biblioteca Pública do Rio Grande do Sul resguarda um patrimônio cultural que acumula alguns séculos no segundo andar. É o setor de obras raras, em que 1,2 mil itens catalogados podem ser consultados, como o poema épico Pharsalia, do poeta romano Lucano: o grande volume, com versos em latim escritos em letras góticas, de 1519, o livro mais antigo da biblioteca.

Graças a um projeto custeado pelo BNDES em 2007, os volumes foram higienizados e acondicionados em armários de madeira, com telas na parte de trás, que permitem a ventilação necessária para ajudar a conservar itens tão sensíveis, além de capas de poliéster. Alguns dos livros raros ainda ganharam uma caixa, feita de papel filifold, especial para acondicionamento de peças vulneráveis.

Após os processos de limpeza e o acondicionamento correto, o próximo passo é o restauro dos livros, já castigados pelo tempo. Nessa etapa, a Biblioteca conta com o auxílio da comunidade e da associação de amigos. “O projeto é uma parceria com a sociedade, se chama ‘Biblioteca Pública Recuperando a Memória’, que são obras que precisam de restauro, um restauro mais elaborado, que aqui não temos condições de fazer”, explica a diretora da biblioteca, Morgana Marcon.

Há um setor especializado em restauro na biblioteca, mas a bibliotecária explica que não tem disponível todo o equipamento necessário. “Então, orçamos com dois, três laboratórios de restauro fora [da biblioteca] as obras, que são fotografadas, para ter um laudo sobre o que precisa fazer.”

Escrita em latim, edição de 1519 de poema romano é o volume mais antigo do acervo raro da Biblioteca Pública do RS — Foto: Janaína Lopes/G1

Essas informações são disponibilizadas aos interessados em escolher uma obra para ser adotada. Morgana conta que 120 obras já foram recuperadas dessa forma. Os demais volumes estão disponíveis para adoção. “Tem obras que vão de cento e poucos reais a R$ 800, R$ 900”, diz a diretora.

As obras mais antigas do acervo especializado sobre a história do Rio Grande do Sul também podem ser adotadas, conforme Morgana. São três andares de livros, mapas, anuários, fotografias e outros documentos que ajudam a retratar os fatos marcantes do estado.

Para quem se interessar em participar do projeto de restauro, a orientação é entrar em contato com a equipe da biblioteca, nos números 3224.5045 e 32259426 ou no e-mail bpe.direcao@gmail.com.

A biblioteca ainda oferece livros em braile, periódicos, acesso gratuito à internet, em quatro computadores e pelo sinal de wifi, liberado no prédio restaurado. O acesso à rede é um dos serviços mais procurados pelo público, usado por cerca de 500 pessoas a cada mês, segundo Morgana.

A oferta do wifi foi uma das novidades da reabertura do prédio, após a reforma. “Isso trouxe outro público que vem para pegar o sinal do wifi e às vezes acaba pegando a programação cultural, levando livros para casa”, comenta a diretora.

“Tem gente que entra aqui, mora há 30 anos em Porto Alegre ou mais, e nunca entrou na biblioteca, por mais coisa que tenha, por mais que se divulgue.”

Dessa forma, a biblioteca vai se mantendo atuante e presente na vida das pessoas que procuram por cultura e informação no centro de Porto Alegre. Segundo Morgana, o número de empréstimos por mês caiu nos últimos anos: chegavam a 900, e atualmente não passam de 500.

Em compensação, a gente não perdeu aquele leitor do jornal do dia. Tem um público de leituras que vem todo dia ler o jornal”, diz Morgana.

Atrair os jovens é um dos objetivos da equipe da biblioteca, diz Morgana. “Adolescente geralmente vai porque tem que ler aquele material, porque a professora pediu. Mas a maior parte do público leitor mesmo é nessa faixa etária e a gente tenta investir neles”, observa a diretora.

Fonte: G1

Os desafios da era digital para as bibliotecas físicas: O caso Bodleiana em Oxford

A introdução das recentes tecnologias de comunicação nas unidades de informação trouxe impactos significativos para as bibliotecas, além de terem influenciado nas  novas formas de sociabilidade entre os bibliotecários e os seus leitores.

Essas tecnologias de informação e comunicação já são entendidas por alguns bibliotecários como elementos facilitadores na execução das tarefas quotidianas do seu trabalho. Por seu lado, os frequentadores tanto de bibliotecas físicas quanto virtuais vêm nas tecnologias de informação e comunicação um elemento imprescindível no processo de busca das informações e do conhecimento, tornando-os mais independentes nas suas leituras e investigações.

Anteriormente à era digital, as atividades dos bibliotecários estavam direcionadas principalmente em manter o acervo da biblioteca que era a única fonte de consulta. Já na era digital, os bibliotecários continuam centradas na preservação da informação, independente do suporte em que esteja disponível, mas utilizando as tecnologias para facilitarem a reprodução dessas informações numa múltipla variedade de formatos, originando um volume maior de dados e de acessos pelos leitores.

Em função da passagem à era digital, as bibliotecas se transformaram em centros dinâmicos de informação, em detrimento do modelo do passado quando a imagem das bibliotecas estava associada à ideia de um espaço que se assemelhava a um depósito de livros, onde os bibliotecários desempenhavam apenas o papel de guardiães.

Em vez disso, os bibliotecários passaram a estar centrados em atender melhor as necessidades dos leitores, mantendo-se constantemente atualizados e acompanhando a evolução das tecnologias. Dessa forma, proporcionam aos seus frequentadores serviços de qualidade, através de um acesso atualizado e democrático da informação, como comentaremos neste texto.

Para entendermos melhor como está acontecendo essa mudança de serviço e centralização de atividades, usaremos como estudo de caso a Biblioteca Bodleiana da Universidade de Oxford (Inglaterra), referência nesse tipo de adaptação.

 

frente da Biblioteca Bodleiana

A Biblioteca Bodleiana em Oxford

Para quem não está familiarizado, vale relembrar que a Biblioteca Bodleiana existe oficialmente há mais de 400 anos, sendo que sua coleção começou no século XIV com Thomas Cobham, bispo de Worcester. Após a biblioteca não receber manutenção da universidade e entrar em declínio, o diplomata inglês Thomas Bodley (que havia se casado com uma viúva rica) re-fundou o espaço a fim de que existisse uma biblioteca em Oxford, essa que é conhecida como “Bodleian Library” ou “Bodley’s Library”.

Hoje, a Biblioteca Bodleiana é uma das mais antigas da Europa, sendo que em termos de tamanho a sua coleção fica atrás apenas da Biblioteca Britânica (British Library) na Inglaterra, demonstrando seu respeito como biblioteca histórica e vasta coleção.

Para entendermos como a biblioteca mudou e se adaptou às novas tecnologias, é necessário entender que ela começou como um depósito legal dos livros disponíveis no Reino Unido, desde 1610, quando entrou em acordo com a Stationers’ Company (que monopolizava a indústria editorial), tornando-se na primeira biblioteca depósito.

Até 1753, as bibliotecas de Oxford, num primeiro momento, e depois de Cambridge desempenharam o papel de bibliotecas nacionais do Reino Unido; isso é, até a abertura do Museu Britânico (British Museum) que ainda hoje possui a Biblioteca Britânica. Em primeiro lugar, os livros tinham de passar por Stationary’s Hall, sendo que hoje em dia os publicadores podem ir lá entregar os livros de forma mais direta e em menos tempo.

Interior da Biblioteca Bodleiana

Principais desafios da era digital e respostas das bibliotecas históricas

A avaliar pela literatura sobre biblioteconomia, como Morigi e Souto (2005), as bibliotecas históricas tinham um caráter restritivo e estático, sendo os livros de difícil reprodução e mobilidade, o que fazia delas uma espécie de templo do conhecimento e dos bibliotecários os seus guardiães.

Esse paradigma de biblioteca se manteve até relativamente pouco tempo sendo que a introdução das novas tecnologias de informação e comunicação permitiu uma mudança mais rápida, no sentido de as bibliotecas históricas se transformarem em centros dinâmicos de informação. Esse novo paradigma de bibliotecas apresenta vantagens para os bibliotecários e para os seus frequentadores, como já mencionado sobre o maior volume de informação e conhecimento recebido e disponibilizado de forma mais cômoda e célere.

Os bibliotecários deixaram, assim, de serem guardiães dos espaços e do acervo para terem um papel mais proativo na recepção, organização e disseminação do conhecimento direcionado para o leitor, cada vez mais exigente e autônomo.

Nesse contexto, alguns dos principais desafios das bibliotecas históricas e dos bibliotecários da era digital são:

  • Como transformar uma biblioteca histórica numa biblioteca voltada para os leitores?
  • Como deixar de ser um depósito de livros e se tornar num centro dinâmico de informação e conhecimento?
  • Como lidar com as novas tecnologias e deixar os procedimentos tradicionais?
  • Como lidar com o maior volume de informação e de solicitações, que podem vir de pessoas locais ou de qualquer outra parte do mundo?
  • Como aferir a qualidade da informação a ser disponibilizada?
  • Como compreender melhor as necessidades dos usuários e atender às suas solicitações?
  • Como uma biblioteca histórica pode disponibilizar o seu conhecimento para fora da sua cidade ou região?

Sobre essas dúvidas, a  Biblioteca Bodleiana é um exemplo de adaptação à nova realidade. Apesar de ser uma biblioteca histórica, persiste nos dias de hoje como uma das melhores do mundo, tendo assimilado todas as inovações e introduzido no seu sistema bibliotecário com sucesso.

A Biblioteca Bodleiana respondeu aos desafios da era digital desenvolvendo os programas como: Legal Deposit Libraries Act of 2003,  electronic Legal Deposit e Search Oxford Libraries Online. Esses programas são centralizados e geridos pela Bodleian Digital Library Systems and Services e se traduzem numa série de serviços aos usuários, que anteriormente não existiam, como a consulta online e um acervo que fisicamente seria impossível de ter no edifício da biblioteca e em tão curto espaço de tempo, desde a sua publicação.

Isso aconteceu porque em 2003, com o Legal Deposit Libraries Act of 2003, a biblioteca se estabeleceu também como equivalente a um depósito legal eletrônico, não apenas um mero depósito de livros. Isso permitiu acesso a e-books, páginas web, CR-ROMs, itens em microfilm, entre outros documentos eletrônicos publicados no Reino Unido. Esse projeto, englobou todos os livros (incluindo revistas e jornais), folhas com pautas de música e mapas.

O novo formato foi disponibilizado à comunidade acadêmica, com a limitação de só poder ser acessado através de computadores que pertencessem à Biblioteca Bodleiana, que agora possui um arquivo catalogado e organizado para o seu uso. Chamaram-lhe de electronic Legal Deposit (eLD).

Outro serviço é o SOLO (Search Oxford Libraries Online), que se trata de um sistema bibliotecário com um catálogo online, permitindo pesquisar mais de 7 milhões de registos de livros e 13 milhões de registros de itens. Ele é o principal catálogo eletrônico das 40 bibliotecas que integram a Biblioteca Bodleiana, a Oxford University Research Archive que é um depósito eletrônico de artigos de investigação da autoria de membros de Oxford.

Como Oxford é um centro de investigação mundial, também sedia o Oxford University Research Archive (ORA), voltado para atender pesquisadores de material de pesquisa adequado e catalogado.

O ORA também tem trabalhos publicados pelos investigadores de Oxford, com artigos publicados em revistas acadêmicas, trabalhos de conferências (também conhecido como anais de eventos ou proceedings), relatórios, trabalhos de discussão, teses de doutoramento dos alunos de Oxford em formato digital, entre outros materiais.

Esse tipo de serviço permite um fácil acesso a itens raros com uma consulta simples na era digital, o que também permite uma maior visibilidade aos trabalhos acadêmicos. Consequentemente, esse aumento de visibilidade está atrelado a um aumento do conhecimento em geral e dos trabalhos de pesquisa, motivo para estarem desenvolvimento o ORA-Data, que é um arquivo para itens relacionados apenas com pesquisa.

“O DOI é fundamental para a pesquisa de materiais indexados e manutenção do periódico bem avaliado. Por isso cotei os custos de depósito do DOI e, no comparativo de preços e serviços, o Galoá foi quem ofereceu o melhor pacote.” – Prof. Dr. Anderson dos Reis (UFMT e revista Territórios & Fronteiras)

Como parte delectronic Legal Deposit (eLD) está ainda o projeto Legal Deposit Web Archive que se dedica exclusivamente à preservação de páginas web para que possam ser consultadas no futuro. No mesmo depósito há também uma seção específica para os e-books, chamada E-books at the University of Oxford.

Há algumas partes da biblioteca eletrônica que são mais restritas, sendo que apenas os membros da biblioteca têm acesso, ou seja, quem possui cartão de membro da mesma. Por exemplo, o Oxford Libraries Information Platform (OxLIP+), que é uma lista eletrônica de bases de dados organizadas por título e assunto, é restrita. Nessa plataforma, está incluído o projeto Oxford University e-journals que possibilita o acesso a todos os e-journals que a Universidade de Oxford assina.

Na mesma linha, existe o sistema OXAM voltado para estudantes da universidade desde 1999. Trata-se de uma espécie de catálogo eletrônico com todos os exames realizados na Universidade de Oxford desde esse ano para facilitar o acesso e estudos dos alunos.

Imagem de Kindle com dicionário inglês de Oxford

O futuro na visão e projetos da Bodleiana

Biblioteca Bodleiana tem um grande desenvolvimento em termos de suportes eletrônicos e também uma forte preocupação em preservar o conhecimento para gerações futuras. Para isso, realiza algumas iniciativas com o apoio de doações por parte de fundações internacionais, entre elas a Polonsky Foundation e a Wellcome Fund.

Nesse caso, gostaria de destacar o papel interessante da Polonsky Foundation, uma fundação hebraica que apoia um projeto de digitalização de obras da Biblioteca Bodleiana e do Vaticano que tenham temáticas das culturas hebraica ou grega, com foco em manuscritos, incunábulos e livros impressos que datem do século XV. Após o seu término, vão ficar disponíveis eletronicamente cerca de 1.5 milhões de folhas desses livros, num esforço para preservar, partilhar e disponibilizar conhecimento a uma escala mundial.

Existem, ainda, ações de formação para a potencialização da plataforma digital, majoritariamente, na área das humanidades, como por exemplo a iniciativa Digital Humanities, que é capaz de chamar pessoas de todo o mundo, desde alunos, diretores de projetos, até bibliotecários que reconhecem o espírito vanguardista da Biblioteca Bodleiana.

Nesses encontros, tentam-se obter conhecimentos e experiências para aplicar nos seus projetos. A iniciativa fomenta a troca de experiências e dissemina conhecimento, especialmente no campo eletrônico, ensinando desde o mais básico de como codificar textos até como criar bibliotecas digitais.

Ou seja, há um esforço para que para todas as exposições presentes na biblioteca estejam disponíveis para consulta eletrônica, sendo possível verificar que é um esforço bem-sucedido porque já existem cerca de 30 exposições disponíveis na página web, nomeadamente: Latin in Medieval Britain: Sources, Languages and Lexicography; Love and Devotion: from Persia and Beyond, Treasures of the Bodleian, entre outros.

Salienta-se que as mesmas têm imagens e descrições do que estamos a ver que se assemelham muito à estrutura de uma exposição fora de uma plataforma virtual, traduzindo o cuidado com o  desenvolvimento tecnológico nas atividades, já que há muita atenção nos detalhes e disponibilidade de conhecimento a ser preservado.

Entre tantas ações, a Biblioteca Bodleiana desenvolve ainda diversos blogues para manter os leitores e usuários desses sistemas informados sobre quais as mais recentes inovações ou aquisições do sistema, a exemplo o Polonsky Foundation Digitization Project.

Em função desses projetos que beneficiam do uso de tecnologia da era digital, a Biblioteca Bodleiana deixou de ser estática, passiva, receptora de leitores que procuravam os seus livros guardados na biblioteca, passando a ser uma biblioteca dinâmica, proativa e prestadora de serviços focados nas necessidades dos leitores, um dos desafios que a era digital colocava às bibliotecas históricas.

Antes dessas mudanças, muitas vezes diversos outros pesquisadores britânicos ou estrangeiros poderiam conhecer a Biblioteca Bodleiana, mas a distância podia dificultar a consulta da informação, o que foi contornado com a disponibilização online dos documentos por parte da biblioteca. Outro exemplo disso é o caso de documentos medievais, que, através do processo de digitalização, garantem acesso e preservação, além de conforto na consulta e acesso universal. Ou seja, a era digital permitiu à Biblioteca Bodleiana estar fisicamente em Oxford e virtualmente no mundo, evitando deslocações dos usuários.

Imagem de Kindle entre livros

Fechando os pontos: A tecnologia nas bibliotecas físicas

Percebe-se, assim, que uma biblioteca histórica, como o caso da Biblioteca Bodleiana, pode responder às necessidades da era digital, desenvolvendo programas de tratamento e disseminação da informação com recurso tecnológicos e conhecimento disponíveis no mercado.

Ao mesmo tempo que não perde o acervo físico, passa a ter um acervo digital disponível não apenas em Oxford, mas também em qualquer computador no mundo com os diversos programas mencionados

Voltando a algumas perguntas que propus, posso dizer sobre:

  • Quais os principais desafios impostos pela era digital às bibliotecas físicas?

Os principais desafios das bibliotecas digitais são a qualidade de serviços prestados, a pensar no usuário para responder ao grande volume de informação produzido no mundo, e não apenas na cidade ou região.

  • Qual a forma como os bibliotecários e as bibliotecas físicas tradicionais estão a responder a esses desafios?

As bibliotecas histórias incorporaram a tecnologia no seu sistema de funcionamento para focar no conforto e necessidades dos usuários ao disponibilizar a informação online. Isso também permite que as bibliotecas alcancem mercados maiores.

Quanto a trabalhos futuros, o desafio que permanece é de saber até que ponto as bibliotecas vão conseguir acompanhar o desenvolvimento tecnológico que continua a crescer a um ritmo impressionante, mantendo os padrões de qualidade de serviços e conteúdos. Nesse sentido, qual será o valor futuro das publicações em papel, face ao crescimento e desenvolvimento da era digital? Qual a importância da existência um espaço físico para as bibliotecas?

Pontos ainda abertos para serem acompanhados com atenção.

Nota: Gostaria de agradecer ao Prof. Dr. Nuno Rosmaninho, da Universidade de Aveiro, pela ajuda ao longo da escrita deste texto.

*Ana Leite, licenciada em Línguas e Estudos Editoriais pela Universidade de Aveiro. Diretora executiva da Ponteditora, editora científica para a língua portuguesa.

Referência

Morigi, V. e Souto, L. (2005). Entre o passado e o presente: As visões de biblioteca no mundo contemporâneo. Revista ACB,  v. 10, n. 2, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Fonte: Galoá Journal

Projeto Jogos na Biblioteca

Cleide Ribeiro é a bibliotecária do Colégio Joana D’arc, e inovou ao oferecer jogos na biblioteca, além dos livros que compõem o acervo.

Muito gentilmente ela nos contou como foi a aplicação da atividade e a recepção dos alunos.

Obrigada Cleide, e parabéns pelo projeto!

Jogos na Biblioteca

O projeto dos jogos educativos foi dividido em 2 etapas.

Primeira:

Decidimos quais jogos e quais temas abordaríamos. Optamos por:

JOGO TEMA
Dominó Culinária
Trunfo Conto de fadas
Jogo de damas Folclore
Jogo das trilhas Datas comemorativas
Sudoku Meio ambiente
Jogo da memória Reciclagem
Quebra-cabeça Esportes
Bingo Flores
Lince Animais
Senha Planetas
Trunfo Dinossauros

Assim, os alunos foram divididos em duplas e trios para início do projeto. Cada grupo escolheu seu jogo e assim iniciamos a leitura para entender mais sobre o assunto que trabalharíamos. Foram selecionados livros na biblioteca que tratasse do tema escolhido e, também, alguns artigos que buscamos na Internet para leitura complementar.

Segunda:

Após as leituras começamos a confecção dos jogos. Materiais utilizados: papel cartão, papel sulfite, lápis grafite, lápis de cor, canetinhas e contact.

Cada jogo contém curiosidades sobre o tema, regras e uma linda caixa feita em papel cartão para a guarda.

O objetivo inicial do projeto foi:

– Trabalhar temas diferentes de uma maneira descontraída;

– Aproximar as crianças do objeto de pesquisa, através da leitura;

– Ensinar os alunos a confeccionarem seus próprios jogos;

– Estimular o trabalho em grupo e divisão das tarefas.

Após o término do projeto posso dizer que os objetivos acima descritos foram cumpridos, as crianças se dedicaram em cada etapa, foi muito prazeroso. Elas gostaram tanto que, sempre que possível pegam seus jogos para brincar, logo mais cada dupla levará seu jogo para casa onde terá oportunidade de mostrar aos pais o jogo pronto e explicar o processo.

O resultado vocês podem conferir abaixo:

A opinião dos colunistas e dos relatos publicados não representam necessariamente a posição da FaBCI da FESPSP, ou de sua Monitoria Científica. A responsabilidade total é do(a) autor(a)do texto.

Fonte: Monitoria Científica FaBCI/FESPSP 

Hemerotecas digitales: ¿cómo descargar periódicos antiguos en PDF?

A lo largo del tiempo las hemerotecas han sido un recurso muy usado por todo tipo de personas, desde aficionados a la historia, hasta profesionales, escritores y estudiantes. Sin embargo, el paso de los años hacen cada vez más delicados estos recursos de modo que la tecnología llegó para ayudar en dos flancos: primero en la conservación de estos archivos y segundo manteniendo la disponibilidad de estos a todo el público. En ese sentido las hemerotecas fueron migrando a archivos digitales a los que podemos acceder desde cualquier biblioteca en la actualidad.

Pero la masificación de la información también jugó un papel importante en la evolución de la hemeroteca, de modo que en estos momentos tenemos también a la mano hemerotecas online que nos permite acceder a miles de diarios y periódicos que datan de siglos anteriores, archivos que pasaron por un proceso de digitalización para ponerse a la disposición del público a través de páginas web. En ese sentido hoy te traemos la manera de obtener periódicos antiguos en PDF rápidamente a través de estos portales:

Hemeroteca Digital BNE

Este portal alberga archivos digitalizados de la prensa española desde el siglo XVII hasta hoy, sin embargo también podremos hallar diarios de otros países en español. Este portal se hace ideal para investigar u obtener noticias tan antiguas como quieras, en ese sentido al buscarlas tienes la opciones leerlas desde el mismo portal, descargarla a tu computador en un archivo PDF u obtenerlo en físico a través de tu impresora. Puedes visitar esta hemeroteca desde este enlace.

Fonte: TekCrispy

FDUSP obtém recursos para nova biblioteca e reforma de salas de aula

A reunião da Congregação da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, na manhã desta quinta-feira (29/11), foi marcada por anúncios e aprovações importantes para a comunidade acadêmica. A primeira foi a informação de que a nova Biblioteca receberá verba para dar andamento às obras a serem realizadas no Prédio Claudio Lembo, que foi incorporado à instituição em 2006 e abriga diversas salas. “Ter uma biblioteca nova, com um volume significativo de obras para consulta, é extremamente expressivo para toda a comunidade”, comemorou o diretor da Faculdade do Largo de São Francisco, Floriano de Azevedo Marques, pouco antes de ir ao Ministério Público para assinatura de recebimento de verba a ser investido no novo espaço.

O dirigente lembrou que o caminho para obtenção dos recursos destinados à biblioteca teve início com um ofício, assinado por ele, que foi enviado aos promotores das Procuradorias do Patrimônio da Capital. O documento propunha que fossem destinadas para a instituição as verbas recuperadas pelo MP nos acordos realizados. “Os promotores José Carlos Blat, Silvio Marques, Walter Santin, Paulo Destro e Karina Mori encamparam o projeto e incluíram a doação desses R$ 17 milhões no acordo da CCR”, disse. A empresa estava envolvida em caixa dois para campanhas eleitorais.

O projeto do novo espaço adota como fontes de inspiração bibliotecas modernas de universidades de primeira linha, como a recém-inaugurada na Universidade de Salamanca e a da Faculdade de Medicina da USP. No local haverá 200 mil volumes, entre livros, periódicos e outras publicações. As salas de estudos e de leitura serão muito bem dispostas. Isso sem falar no auditório, bem como no conforto que se iniciará logo na entrada com uma boa recepção. “É preciso lembrar que este novo espaço vem somar-se à tradicional Biblioteca Histórica, que será mantida com todo seu acervo”, acrescentou.

Atos de reconhecimento

Durante a reunião, o colegiado também consentiu a aceitação de recebimento de doação do Instituto Brasileiro de Direito Público (IBDP) para a reforma da sala 4, que fica no segundo andar do Prédio Histórico. O espaço receberá o nome de Ada Pellegrini Grinover. Azevedo Marques ressaltou a relevância de os professores terem aprovado proposta do nome que foi feita por um grupo de professoras da FDUSP liderado pela docente Paula Forgioni, do Departamento de Direito Comercial. “Essa consagração é extremamente justa e pertinente, seja para destacar o que a professora Ada representou para a Faculdade e para o Direito Brasileiro, seja porque é a primeira sala como o nome de profess ora mulher nesse Prédio Histórico”, enfatizou. O diretor ressalta que todas as mulheres passam a ter representação ainda maior. Para além da condecoração, também foi aprovada a regulamentação do programa “Adote uma Sala” por meio do qual empresas e escritórios de advocacia poderão financiar a reforma das salas de aula comprometendo-se com a sua manutenção por cinco anos.

Fonte: Faculdade de Direito da USP – FDUSP

PF apreende na Paraíba livro raro do Padre Antônio Vieira furtado de biblioteca da UFRJ

Exemplar do livro 'Cartas do P. Antonio Vieyra da Companhia De Jesu', furtado da UFRJ, foi apreendido em Campina Grande — Foto: Polícia Federal na Paraíba/Divulgação
Exemplar do livro ‘Cartas do P. Antonio Vieyra da Companhia De Jesu’, furtado da UFRJ, foi apreendido em Campina Grande — Foto: Polícia Federal na Paraíba/Divulgação

Um livro raro que havia sido furtado da biblioteca Pedro Calmon, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), foi apreendido no bairro de Itararé, em Campina Grande, na manhã desta terça-feira (11). Ninguém foi preso.

A apreensão foi feita durante uma operação da Polícia Federal. As equipes cumpriram dois mandados de busca e apreensão e conseguiram localizar dois volumes do livro “Cartas do P. Antonio Vieyra da Companhia De Jesu”.

A obra foi furtada da biblioteca da UFRJ em 2016. O documento é datado da época do Brasil Colônia e reúne correspondências do português Padre Antônio Vieira, da Companhia de Jesus, divididas em dois volumes. O nome da operação, Cartas, é uma referência ao título do livro furtado.

Segundo as investigações da Polícia Federal, a obra estava sendo vendida por meio de leilão virtual com lance inicial de R$ 3.500.

Furtos de 303 livros raros

Polícia Federal abriu inquérito para investigar o furto de 303 livros raros da Biblioteca Pedro Calmon. A suspeita é de que os furtos aconteceram aos poucos, durante o ano de 2016, no que foi considerado o maior crime do tipo já registrado no país.

Fonte: G1 Paraíba

Biblioteca Municipal homenageia aniversário de Jundiaí com exposição

A Unidade de Gestão de Educação (UGE) inaugurou nessa terça-feira (3) seu presente de aniversário pelos 363 anos de Jundiaí. A exposição gratuita “Lentes que inspiram” na Biblioteca Municipal Nelson Foot apresenta ao público retratos que demonstram os resultados dos investimentos na educação inovadora em escolas da rede municipal de ensino e fica aberta ao público até o dia 30 de dezembro.

Para a gestora da UGE, Vasti Ferrari, o trabalho pedagógico elaborado em torno da exposição foi algo muito relevante para as escolas municipais e fez o convite ao público acompanhar a exposição “Lentes que inspiram é a chance das pessoas passearem pelos os espaços da cidade e permitir que os moradores conheçam o encantamento que a educação pública proporciona na vida da comunidade escolar”.

A exposição é composta por 112 imagens, que têm por objetivo mostrar como são os reflexos dos investimentos em inovação na vida dos alunos, professores e diretores. Cada unidade escolar da rede municipal de ensino escolheu uma foto que representasse significativamente as mudanças ocorridas neste ano para compor a exposição

A Biblioteca fica no Complexo Argos, na rua Dr. Cavalcanti, 396, Vila Arens, e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 22h, e aos sábados, das 9h às 13h. Mais informações pelo telefone 4527-2110.

XIII Prêmio Paulista de Biblioteconomia “Laura Russo”

Prezado(a) bibliotecário(a)

O Conselho Regional de Biblioteconomia do Estado de São Paulo – 8ª Região, comemorará o Dia do Bibliotecário no dia 12 de março de 2019, na mesma data em que promoverá a entrega do XIII Prêmio Paulista de Biblioteconomia “Laura Russo”.

O Prêmio Biblioteconomia Paulista “Laura Russo” foi instituído em 1998, com o objetivo de homenagear instituições, profissionais e pesquisadores que se tenham destacado em ações de promoção, incentivo e enriquecimento da Biblioteconomia Paulista.

O tema escolhido é “Biblioteca Escolar para Todos!”. Por meio desta temática o CRB-8 conferirá distinções aos Bibliotecários e Bibliotecárias do Estado de São Paulo, aos Acadêmicos que estudaram o tema,  sempre focando a Biblioteconomia, e que, de alguma forma, trouxeram contribuições para a sociedade, seja ela por meio de ideias desenvolvidas ou aplicadas em sua Biblioteca Escolar.

Serão enviados convites para os bibliotecários, escolas de Biblioteconomia, outros conselhos de classe, autoridades – Governador, Prefeitos do Estado de São Paulo, Deputados Estaduais e Federais, Secretários de Cultura, Vereadores. A realização do evento também será veiculada na mídia.

O regulamento do XIII Prêmio Paulista de Biblioteconomia “Laura Russo” pode ser acessado com um clique na imagem abaixo. Nele estão dispostos a justificativa do tema do evento, as categorias que serão premiadas bem como a maneira de participação nas mesmas. Além de outras informações.

Acesse o regulamento (http://goo.gl/NNZQ89) e participe!

Regina Céli Sousa

Presidente do Conselho Regional de Biblioteconomia 8ª Região

Dados do Inep mostram que 55% das escolas brasileiras não têm biblioteca ou sala de leitura

Lei de 2010 determina que até maio de 2020 todas as escolas brasileiras tenham biblioteca, e a Comissão de Educação da Câmara acompanha o cumprimento da lei

Participantes da audiência se mostraram preocupados com a possibilidade da meta de universalização das bibliotecas não ser cumprida.
Will Shutter/Câmara dos Deputados

Das 180 mil escolas brasileiras, 98 mil ou 55% não têm biblioteca escolar ou sala de leitura. Os dados são do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e foram apresentados pelo coordenador-geral dos Programas do Livro do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Lauri Cericato, em audiência pública na Câmara dos Deputados.

O debate foi promovido pela Comissão de Educação e discutiu o processo de implantação da Lei 12.244/10, que determina que até maio de 2020 todas as escolas brasileiras – públicas e privadas – tenham bibliotecas escolares. O número de livros da biblioteca deverá ser de, no mínimo, um título para cada aluno matriculado. A Lei 9.674/98, que trata da profissão de bibliotecário, prevê a supervisão obrigatória desses profissionais em todas bibliotecas.

Para que a lei de universalização das bibliotecas escolares possa ser cumprida, o representante do FNDE sugere que escolas que tenham até 150 alunos possam disponibilizar acervo de leitura na própria sala de aula, com supervisão do professor. “Uma escola que tem até 150 alunos provavelmente só tem uma sala no espaço físico. Demoraria muito para que a gente conseguisse ampliar a estrutura dessas escolas, e nós temos urgência em colocar o acervo na mão dos professores”, disse.

Cericato também sugeriu critérios mais flexíveis para escolas com até 500 alunos. Ele pediu a revisão rápida e urgente da lei. E também sugeriu desonerar doações para bibliotecas e classificar livro de biblioteca escolar como bem de consumo, e não como bem de patrimônio.

Vontade política
Autor do projeto que originou a lei (PL 1831/03), o deputado Lobbe Netto (PSDB-SP) destacou que a lei demorou mais de seis anos para ser aprovada pelos parlamentares e que, no Senado, foi ampliado para dez anos o tempo de implantação. Daí a demora para o País contar com bibliotecas em todas as escolas. “Não é apenas questão de custos, mas falta vontade política dos gestores em implementar a lei”, acrescentou.

Lobbe Neto lembrou que, após audiência realizada pela comissão em outubro do ano passado, o FNDE formou um grupo de trabalho para acompanhar a implantação progressiva das bibliotecas escolares. O GT é formado por servidores do FNDE, da Câmara dos Deputados, do Conselho Nacional de Educação, de universidades e outras entidades. Ele solicitou o debate para mostrar os resultados do trabalho.

Não é difícil constatar que a lei ainda não produziu os frutos desejados, pelo menos não de forma tão abundante”, disse o bibliotecário da Câmara Cristian Brayner, que participa do GT. Ele ressaltou que faltam apenas 545 dias para que a lei seja passível de fiscalização pelos conselhos regionais de educação. Ele teme que a lei vire “letra morta”, por isso ressaltou a importância do GT para acompanhar sua implementação.

Segundo Cristian, o grupo produziu minuta de resolução para apresentar ao governo instituindo parâmetros para o funcionamento das bibliotecas escolares. Esse texto fixa, por exemplo, padrões de qualidade e acessibilidade para as bibliotecas e trata da estrutura física delas. O bibliotecário também salientou a importância de se criar o hábito de leitura nos alunos para que a lei produza os efeitos desejados.

Uso da biblioteca

Já Ivan Siqueira, do Conselho Nacional de Educação, avalia que é preciso não apenas implantar apenas espaço que contemple livros, mas aproveitar as possibilidades de projetos pedagógico que a biblioteca pode oferecer. “Temos que ter, mas temos que ter motivos para ter”, disse.

O presidente do Conselho Federal de Biblioteconomia, Raimundo Martins, por sua vez, lembrou que entrou em vigor em janeiro deste ano a lei que regulamenta a profissão de técnico em biblioteconomia, profissional de nível médio encarregado de auxiliar os bibliotecários, que tem nível superior (Lei 13.601/18). Segundo ele, essa lei poderia ajudar no cumprimento da lei sobre a universalização das bibliotecas.

Reportagem – Lara Haje

Edição – Marcia Becker

Fonte: Agência Câmara Notícias

Cuidados com os livros em casa

Entenda como planejar uma biblioteca em casa aliando prazer e conservação

Durante a vida acadêmica é comum que os membros da comunidade adquiram exemplares físicos de livros, revistas e periódicos da área de estudos e de interesse. Mas qual a melhor maneira de montar uma biblioteca em casa? 

Jacyntho Lins Brandão, professor Titular da Faculdade de Letras da UFMG, já tinha a sua biblioteca, em 1972, quando ingressou no curso de Letras da Universidade. Contudo, a vida de estudante, pesquisador e professor fez com que ele fosse adquirindo novos livros, ao longo do tempo. Hoje eles somam cerca de cinco mil exemplares.

Na casa do professor, a biblioteca sempre foi o cômodo mais frequentado. Primeiramente pelos filhos, que ali brincavam enquanto o pai trabalhava, e hoje pelos netos, que deixam várias marcas pelo espaço. Para Jacyntho essa interação é muito importante, porque os livros estão ali para serem usados.

Pensando nessa junção de prazer e trabalho, Diná Araujo, coordenadora da Divisão de Coleções Especiais e Obras Raras da Biblioteca Central da UFMG, apresenta algumas medidas importantes para garantir durabilidade e conservação dos livros e que implicam cuidados na acomodação, limpeza, iluminação e organização dos livros. No vídeo, produzido pela TV UFMG, a bibliotecária mostra como procedimentos simples ajudam a combater a poeira, fungos e amarelamento das páginas. 

Entrevistados: Jacyntho José (prof. Titular Faculdade de Letras UFMG) e Diná Araújo (Divisão de Coleções Especiais e Obras Raras – BU UFMG)
Produção e reportagem: Júlia Calasans e Olívia Resende.
Imagens: Samuel do Vale
Edição de Conteúdo: Olívia Resende
Edição de imagens: Kennedy Sena

Fonte: UFMG

Universalização das bibliotecas: 55% das escolas do país não têm biblioteca ou sala de leitura

A Lei de Universalização das Bibliotecas determina que até maio de 2020, todas as escolas brasileiras – públicas e privadas – tenham bibliotecas escolares.

Universalização das bibliotecas: 55% das escolas do país não têm biblioteca ou sala de leitura
Will Shutter/Câmara dos Deputados

Texto por Paulo Melo, com informações da Agência Câmara

A Comissão de Educação da Câmara dos Deputados discutiu na manhã desta quinta-feira, 06, o processo de implantação da Lei 12.244/10, de 24 de maio de 2010, de autoria do deputado federal Lobbe Neto (PSDB). A Lei de Universalização das Bibliotecas determina que até maio de 2020, todas as escolas brasileiras – públicas e privadas – tenham bibliotecas escolares. 

Dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) apresentados pelo coordenador-geral dos Programas do Livro do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Lauri Cericato, durante a audiência pública, mostram que, após oito anos de sanção da lei, das 180 mil escolas brasileiras, 98 mil ou 55% não têm biblioteca escolar ou sala de leitura. 

Lobbe Neto, autor do pedido da audiência, destacou que a lei demorou sete anos para ser aprovada pelos parlamentares e que, no Senado, foi ampliado para dez anos o tempo de implantação. “Daí a demora em o País contar com bibliotecas em todas as escolas. Não é apenas questão de custos, mas falta vontade política dos gestores em implementar essa lei”, destacou. 

Para que a universalização das bibliotecas possa ser efetivada, o representante do FNDE sugere que escolas que tenham até 150 alunos possam disponibilizar acervo de leitura na própria sala de aula, com supervisão do professor. “Uma escola que tem até 150 alunos provavelmente só tem uma sala no espaço físico. Demoraria muito para que a gente conseguisse ampliar a estrutura dessas escolas, e nós temos urgência em colocar o acervo na mão dos professores”, disse. 

Cericato também sugeriu critérios mais flexíveis para escolas com até 500 alunos. Ele pediu a revisão rápida e urgente da lei. E também sugeriu desonerar doações para bibliotecas e classificar livro de biblioteca escolar como bem de consumo, e não como bem de patrimônio. 

Lobbe Neto lembrou que, após audiência realizada pela comissão em outubro do ano passado, o FNDE formou um grupo de trabalho para acompanhar a implantação progressiva das bibliotecas escolares. O GT é formado por servidores do FNDE, da Câmara dos Deputados, do Conselho Nacional de Educação, de universidades e outras entidades. Ele solicitou o debate para mostrar os resultados do trabalho. 

O bibliotecário da Câmara, Cristian Brayner, que participa desse grupo, destacou que não é difícil constatar que a lei ainda não produziu os frutos desejados. “Pelo menos não de forma tão abundante”, disse. “Faltam apenas 545 dias para que a lei seja passível de fiscalização pelos conselhos regionais de educação e temo que a lei vire “letra morta”, por isso, é de muita importância que o GT acompanhe sua implementação”, completou.

Ele ressaltou que o grupo produziu minuta de resolução para apresentar ao governo instituindo parâmetros para o funcionamento das bibliotecas escolares. Esse texto fixa, por exemplo, padrões de qualidade e acessibilidade para as bibliotecas e trata da estrutura física delas. O bibliotecário também salientou a importância de se criar o hábito de leitura nos alunos para que a lei produza os efeitos desejados. 

Representando o Conselho Nacional de Educação, Ivan Siqueira afirmou que é preciso não apenas implantar espaço que contemple livros, mas aproveitar as possibilidades de projetos pedagógicos que a biblioteca pode oferecer. “Temos que ter, mas temos que ter motivos para ter”, disse. 

Por sua vez, Raimundo Martins, presidente do Conselho Federal de Biblioteconomia, ressaltou que entrou em vigor em janeiro deste ano, a lei que regulamenta a profissão de técnico em biblioteconomia, profissional de nível médio encarregado de auxiliar os bibliotecários, que tem nível superior (Lei 13.601/18). Segundo Martins, essa lei poderia ajudar no cumprimento da lei sobre a universalização das bibliotecas. 

Lobbe Neto agradeceu a presença de todos e falou da expectativa de poder ver sua lei implementada efetivamente. “Faz 08 anos que a lei foi sancionada e ainda não tivemos uma resolução. Então é importante que esse grupo trabalho tenha chegado ao consenso de uma resolução para que efetivamente, nesse oitavo ano da Lei, possa ter, pelo menos, essa resolução e que no futuro possamos aprimorar e fazer com que tenhamos, efetivamente, uma biblioteca em cada escola pública e privada”, finalizou.

Fonte: São Carlos – Dia e Noite

Seminário Municipal de Bibliotecas Públicas

DIA 12 DE DEZEMBRO

9h30 – Café de boas vindas

10h – Abertura:

  • Secretário Municipal de Cultura – André Sturm
  • Coordenadora Geral da CSMB – Raquel da Silva Oliveira
  • Apresentação artística: Aderaldo Maia como Monteiro Lobato

10h30 – Bibliotecas para as pessoas – Raquel da Silva Oliveira

11h – Protagonismo, Jornada do herói e Biblioteconomia transformando histórias / Carli Cordeiro – Porto Seguro.

  • Carli Cordeiro, bibliotecária formada pela ECA/USP. Possui pós-graduação em Gestão de Negócios, História da Moda e História da Arte. Foi presidente do CRB-8 (Gestão 2015/17). Trabalhou em grandes empresas como FIESP, Senac, Bovespa e atualmente é bibliotecária na Porto Seguro Cia. de Seguros, na área de Educação e Aprendizagem, onde realiza eventos culturais e literários com foco no Desenvolvimento de Pessoas.

12h – Debates

12h30 – Almoço

14h – Laboratório de leitura: a literatura como remédio / Dante Gallian

  • Dante Gallian é bacharel, mestre e doutor em História Social pela FFLCH-USP, com pós-doutoramento pela École des Hautes Études em Sciences Sociales de Paris, França. Desde 2000 é docente e diretor do Centro de História das Ciências da Saúde da Escola Paulista de Medicina da UNIFESP onde criou e desenvolveu o Laboratório de Leitura – atividade de formação humanística e ética fundamentada na leitura e discussão dos clássicos da literatura universal.

15h30 – Debates

16h – Painéis

DIA 13 DE DEZEMBRO

10h – Denise Godinho – “Capitu vem para o jantar”

  • Denise Godinho é jornalista e escritora. Escreve sobre literatura e gastronomia. É criadora do site “Capitu Vem Para o Jantar”, que reúne receitas citadas em grandes obras literárias.
O blog virou o livro de mesmo nome, lançado pela Editora Verus, do Grupo Editorial Record, e um canal no YouTube.
Bentinho oferece uma cocada a Capitu, mas ela recusa. O amado partirá para o seminário no dia seguinte e ficará fora por muito tempo. Obviamente, não é uma ocasião para devorar doces como se nada estivesse acontecendo. Essa passagem de Dom Casmurro marca um momento importante na história de Capitu e Bentinho. E traz também uma reflexão: Por que uma cocada? Será que Machado de Assis provava o doce enquanto escrevia esse trecho? Denise Godinho aproveitou essa dúvida para aprender a cozinhar. Enquanto lia um dos maiores clássicos da literatura nacional, ela decidiu preparar a cocada e, por fim, se rendeu às delícias da cozinha com seus escritores preferidos. Nas páginas de Capitu vem para o jantar, você vai acompanhar essa aventura e encontrar diversas receitas escondidas em grandes obras da literatura. E o melhor de tudo: vai aprender a preparar os quitutes! Como acompanhamento, a autora oferece curiosidades sobre o apetite voraz de alguns escritores e os hábitos alimentares um tanto peculiares de outros…

10h50 – Debates

11h10 – Agenda 2030: como as bibliotecas públicas podem colaborar – Charlene Lemos e Marta Nosé

  • Charlene Lemos – Coordenadora da Biblioteca Raul Bopp
  • Marta Nosé – Diretora da Biblioteca Infantojuvenil Monteiro Lobato

12h10 – Debates

12h30 – Almoço

14h – Ação cultural e acessibilidade em bibliotecas / Izete Malaquias da Silva e Audrey Batista Ribeiro

  • Izete Malaquias da Silva – SENAC
    Pós-graduada em Educação Especial – Deficiência Intelectual (FAINC), Bacharel em Biblioteconomia e Ciência da Informação (FATEA Santo André), MBA Gestão Educacional (FMU) e Especialista em Planejamento e Gerenciamento de Sistemas Automatizados de Informação (FATEA). Atuando como Bibliotecária, Representante de Inclusão, responsável pela Sala de Acessibilidade da Biblioteca Senac Aclimação e Mediadora de Workshop de Inclusão e Oficina da Diversidade Como Valor no Senac São Paulo.
  • Audrey Batista Ribeiro
    Bibliotecária e atriz formada pelo Teatro Escola Macunaíma, formou-se em Biblioteconomia, Artes Visuais com pós-graduação em Marketing.
    Desde criança aprendeu com sua mãe o prazer da leitura, por meio dos livros infantojuvenis. Aproveitava a ida do ônibus biblioteca que ia até o bairro onde morava e participava das atividades promovidas. Escolheu Biblioteconomia, pois acredita no papel das bibliotecas onde pessoas, leitura, pesquisa e arte trabalhem de forma alinhada na contribuição da formação de cidadãos do bem.
    Atua em bibliotecas há 19 anos com atendimento e referência, pesquisa, documentação para visitas do MEC, desenvolvimento de serviços, projetos de incentivo à leitura e ações culturais.
    Atualmente faz parte da equipe de gestão da rede de bibliotecas do Senac, na frente Serviços com olhar para o atendimento, ação educacional e cultural das bibliotecas.
    Trabalha com teatro há 8 anos, descobrindo textos, pessoas e possibilidades. Teve a oportunidade de unir o teatro, contação de histórias e o universo das bibliotecas, auxiliando nas ações para o despertar do hábito pela leitura.

15h – Debates

15h20 – Painéis
(4 painéis 10 minutos cada)

16h – Pernacoteca – A Encantadora Biblioteca Sobre Pernas (Cia. EUREKA)

  • Pernacoteca é uma biblioteca sobre pernas que viaja o mundo convidando as pessoas a conhecerem melhor o universo dos livros.
  • Cia. EUREKA – Fundada pelo ator Robson Emilio, em meados de 2006, a Cia. Eureka destaca-se pelos trabalhos Histórias de Bem Querer, África Portuguesa: Fábulas e Contos; Meu Esporte é o Movimento, O Sol Nasceu para Todos, Zé du Balde e Maria Bacia, Isto é de Comer.

17h – Coquetel de encerramento
Local: Biblioteca Alceu Amoroso Lima
Público-alvo: Bibliotecários, professores, pesquisadores, estudantes e funcionários públicos.
130 vagas
Inscrições: https://goo.gl/forms/JgCSSlnjAzzOQcUC2

Biblioteca móvel é aposta para democratizar leitura

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Serviço itinerante de empréstimo de livros agrada população; três cidades têm projetos do tipo

Texto por Matheus Angioleto

Permitir mergulho em um mundo completamente novo, sair da zona de conforto e democratizar o acesso à leitura. Esta é a proposta de projetos de bibliotecas descentralizadas. Embora ainda tímida na região, presente em apenas três cidades – Santo André, São Bernardo e Mauá –, a ação tem o apoio da população, carente de atividades socioculturais.

Exemplo disso pode ser observado na Praça do Relógio, no Centro de Mauá, na semana passada. O espaço, tradicionalmente movimentado, ganhou ainda mais visitantes devido à presença de ônibus adaptado para armazenar acervo de 3.000 livros. Trata-se de projeto realizado pela Prefeitura em parceria com o Sesc (Serviço Social do Comércio) para incentivar a leitura. A cada 15 dias, o veículo estaciona em dois locais – sendo o outro na UBS (Unidade Básica de Saúde) Paranavaí – para oferecer gratuitamente o empréstimo e a consulta de livros, jornais e revistas.

E a iniciativa vem dando certo. A manicure Juliete Antuono de Oliveira, 21 anos, foi alertada pelos filhos, curiosos para visitar o espaço, sobre a presença do ônibus na Praça do Relógio. Após cadastro rápido, feito mediante apresentação de comprovante de residência e RG, a mãe dos pequenos Cristopher, 7, João Pedro, 5, e Júlia, 1, aprovou a medida. “A iniciativa incentiva as crianças a ler, tira elas das ruas e traz cultura. Mostro livros para eles em casa e esse local é bom, porque eles gostam bastante (de livros)”, diz.

Amante da política, da história e da leitura, o técnico de manutenção aposentado Arnaldo de Souza Nascimento, 82, fez questão de visitar a biblioteca itinerante. “Os jovens precisam saber o que aconteceu no passado e não ficar apenas no computador, por isso é preciso ler. Há muitos meninos que não sabem nem quem descobriu o Brasil. Prefiro política e história, porque temos que saber o que acontece em nosso território”, afirma.

O bibliotecário do Sesc André Carlos da Silva, 36, tem expectativas positivas sobre a ação. “Temos público que já conhecemos e o projeto não tem data específica para acabar. Alguns (moradores) vêm conhecer e voltam depois com o comprovante de residência <CF51>(para o cadastro). A ideia é essa e a gente fica muito contente porque aparecem cada vez mais pessoas”, relata.

Em São Bernardo, o programa Espalhando a Leitura disponibiliza livros em UBSs (Unidades Básicas de Saúde). Com isso, o cidadão pode levar o exemplar para casa e, posteriormente, devolver em qualquer unidade de Saúde. “As Caixas Bibliotecas são pequenos acervos, com cerca de 200 livros e HQs destinados ao empréstimo em pontos distantes das bibliotecas públicas municipais, como no Núcleo Santa Cruz (pós-Balsa)”, diz a administração. Outra opção são as salas de leitura instaladas no Parque São Bernardo e Jardim Silvina, que funcionam como bibliotecas públicas.

Santo André conta com projeto oferecido pela Biblioteca Nair Lacerda, que transfere acervo de 100 livros e revistas a instituições da cidade. A cada 90 dias as obras são trocadas. Para 2018, a meta é ampliar o serviço com acervo de gibis, DVDs, audiolivros e obras em Braille. “Passaremos a atuar em parceria com organizações e associações, creches, asilos, albergues, associações comunitárias, culturais diversas e outras. Com a Pequena Biblioteca Viva serão levados não apenas acervo, mas também ações de mediação de leitura, como contação de histórias, debates, rodas de conversa etc”, ressalta o paço.

A Prefeitura de São Caetano afirmou que conta com as bibliotecas Paul Harris (no Centro) e Dona Ester Mesquita (bairro Boa Vista). Os equipamentos oferecem serviços gratuitos de pesquisa e cultura para alunos da rede de ensino e para a população da cidade. Há ainda a Banca do Saber, no Bosque do Povo (bairro São José).

Ribeirão Pires diz atender mensalmente 2.000 moradores na Biblioteca Municipal, que tem acervo de 49,2 mil títulos. A exemplo da biblioteca itinerante, uma caixa percorre salas de aula de unidades escolares para que alunos levem os exemplares para casa.

Fonte: Diário do Grande ABC

BOB NEWS Edição Especial – Bienal Internacional do Livro de São Paulo

Prezado Bibliotecário(a),

É com imenso prazer que o Conselho Regional de Biblioteconomia, se dirige a você para informar a disponibilização do número especial do BOB NEWS – Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Vale lembrar que o atraso no envio desse Boletim, se deveu a urgência na elaboração do Boletim pré eleições, onde o CRB-8 fez questão de pontuar discussões relacionadas as políticas públicas e posição de candidatos que se dispuseram a nos enviar e comentar sua plataforma política relacionada com o bibliotecário, bibliotecas, livro e leitura.

Nesse número especial do BOB News, na página 18 fizemos um resumo de todos os canais disponíveis, para que você tenha acesso às informações digitais do Conselho e formas de entrar em contato conosco.

Grata.

Regina Céli de Sousa

Presidente

Conselho Regional de Biblioteconomia 8ª Região

Biblioteca Mario de Andrade, uma ilha no meio do caos

Documentário experimental desenvolvido pelos alunos Ana Karoline Silano, Gabriel Cruz Lima, Leopoldo Cavalcante e Maurício Abbade, da sala 2JoB (Cásper Líbero) para a disciplina de História Contemporânea.

Por meio de imagens sobrepostas a entrevistas com frequentadoras e a bibliotecária Bruna, o grupo explorou, por técnicas de construção narrativa experimental, a riqueza historiográfica da Biblioteca Mário de Andrade, fundada em 1925. Localizada no Centro de São Paulo, a Mário de Andrade carrega em si a história da metrópole.

Fonte: Canal Poldinhox3

Comissão aprova destinação de recursos para compra de livros para bibliotecas escolares

De acordo com o Censo Escolar de 2016, de 183.376 escolas de educação básica, públicas e privadas, apenas 37% possuíam bibliotecas

A Comissão de Educação da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 9928/18, que prevê a destinação de, no mínimo, 3% recursos do Programa Dinheiro Direto na Escola para a compra de livros para as bibliotecas escolares.

Grande Expediente - Dep. Floriano Pesaro (PSDB - SP)
Pesaro recomendou a aprovação do projeto sem o limite de 5% original

A autora do projeto é a ex-deputada Pollyana Gama, suplente que estava no exercício do mandato quando apresentou a proposta. Ela propõe a inserção da medida na Lei 11.947/09, que trata do programa.

Atualmente, o Programa Dinheiro Direto na Escola destina verbas, em caráter suplementar, a escolas públicas da educação básica estaduais, do Distrito Federal e municipais para uso em despesas de manutenção do prédio escolar e de suas instalações (hidráulicas, elétricas, sanitárias); de material didático e pedagógico; e também para realização de pequenos investimentos.

O parecer do relator, deputado Floriano Pesaro (PSDB-SP), foi favorável à proposta, com emenda. O texto original previa que o percentual máximo dos recursos do programa destinado à compra de livros para as bibliotecas fosse de 5%. A emenda do relator retirou essa limitação.

“É plenamente razoável e desejável que, se assim puder, a escola possa usar proporção maior desses recursos para uma maior qualidade, quantidade e variedade dos livros”, disse Pesaro.

Universalização até 2020
Ao propor o projeto, a ex-deputada Pollyana Gama destacou que a Lei 12.244/10, que trata da universalização das bibliotecas nas instituições de ensino do País, determina que, até 2020, todas as escolas brasileiras – públicas e privadas – tenham bibliotecas escolares em funcionamento.

“No entanto, de acordo com o Censo Escolar de 2016, em um total de 183.376 escolas de educação básica, públicas e privadas, apenas 37% já possuíam bibliotecas”, observou.

Tramitação
A proposta será analisada, em caráter conclusivo, pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:

Reportagem – Lara Haje
Edição – Natalia Doederlein

Educação debate universalização das bibliotecas no Brasil

A Comissão de Educação promove, nesta quinta-feira (6), uma audiência pública para discutir o processo de implantação da Lei 12.244/10, que trata da universalização das bibliotecas nas instituições de ensino do País. A lei determina que até 2020 todas as escolas brasileiras – públicas e privadas – tenham bibliotecas escolares em funcionamento.

O deputado Lobbe Neto (PSDB-SP), que solicitou o debate, lembra que, após audiência realizada pela comissão em outubro do ano passado, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) formou um grupo de trabalho para discutir a implantação progressiva das bibliotecas escolares e propor ações concretas para seu uso ativo. O GT é formado por servidores do FNDE, da Câmara dos Deputados, do Conselho Nacional de Educação, de universidades e outras entidades.

“O grupo pediu uma nova audiência pública para apresentar e discutir os resultados parciais dos trabalhos realizados até o momento em prol da construção de diretrizes para as bibliotecas escolares brasileiras”, disse Lobbe Neto.

Foram convidados para o debate o presidente do Conselho Federal de Biblioteconomia, Raimundo Martins; a secretária-executiva do Conselho Nacional de Secretários de Educação, Nilce Costa; o bibliotecário da Câmara dos Deputados Cristian José Brayner; e os representantes do FNDE Wilson Aparecido Troque e do Conselho Nacional de Educação Ivan Cláudio Pereira Siqueira.

A audiência ocorrerá no plenário 10, a partir das 9h30.

Da Redação – MB

Pesquisa: Incertezas críticas quanto ao futuro das bibliotecas no Século XXI

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), no âmbito do Projeto Bibliothinking 2050, desenvolve a pesquisa “Incertezas críticas quanto ao futuro das bibliotecas no Século XXI”, que tem por objetivo identificar qual a probabilidade de ocorrência de eventos que impactem a capacidade das Bibliotecas da Administração Pública Federal de realizarem inovações disruptivas e se posicionarem na agenda estratégica do Estado brasileiro.

A pesquisa parte do pressuposto de que o futuro é múltiplo e incerto, sendo um constructo da nossa mente. Acredita-se que, por meio dessa pesquisa, ao se captar a percepção dos respondentes quanto ao futuro, será possível formular propostas de políticas públicas que promovam investimentos mais eficazes na área.

Diante disso, solicitamos a sua colaboração, respondendo ao seguinte questionário eletrônico: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfkVhJ1L5uqPym30mcXJxiEk3iKv72mZBLaT3FEHSzmBlVc3g/viewform?fbzx=-4384763633850900000

A pesquisa não irá tomar mais de 15 min do seu tempo. Os resultados serão compartilhados com todos os respondentes assim que consolidados e analisados. Os interessados em ter acesso às respostas terão que registrar seus e-mails na primeira página do questionário, que poderá ser respondido pelo computador (desktop/notebook), celular ou tablet.

Participe!

Compartilhe o link com seus amigos bibliotecários!

Mais informações sobre a pesquisa:

Lúcia Lemos

Divisão de Biblioteca

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)

SBS – Quadra 1 – Bloco J – Ed. BNDES – Sala 218

CEP 70.076-900 – Brasília – DF – Brasil

+55 (61) 2026-5318

lucia.lemos@ipea.gov.br

Agradecemos sua colaboração!

Como foi o III Seminário de Informação e Documentação em Arte

A terceira edição do Seminário de Informação e Documentação em Arte, realizada no dia 23 de novembro de 2018, na Escola de Comunicações e Artes da USP, teve como tema Livros de Artistas: da Criação ao Acesso.

Os vídeos com a íntegra das palestras e do debate já estão disponíveis no IPTV-USP, plataforma de vídeos didáticos, científicos e culturais da Universidade de São Paulo.

Primeira parte:
http://iptv.usp.br/portal/video.action?idItem=40034

Segunda parte:
http://iptv.usp.br/portal/video.action?idItem=40040

Resumidamente, as palestras trataram dos seguintes tópicos:

A definição do livro de artista como dilema – por Paulo Antonio de Menezes Pereira da Silveira

(Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul)

Abordou a definição de “livro de artista”, expressão associada primeiramente a edições específicas da arte contemporânea, surgida espontaneamente e com objetividade nos anos 1970. Nas décadas seguintes passou a ser discutida, reivindicada ou mesmo inadequadamente interpretada, sobretudo por artistas, fenômeno que prossegue nos anos 2000.

Uma reflexão sobre as potencialidades e os conceitos que traduzem o “Livro de artista” – por Silvana Novaes Ferreira

(Professora da Escola Superior de Propaganda e Marketing)

Partindo de uma reflexão sobre os conceitos que traduzem o Livro de Artista, a apresentação abordou as potencialidades de exploração acadêmica junto aos alunos de Graduação em Design da ESPM. No Projeto de graduação em Design PGD os alunos podem optar pela modalidade “Experimental” e muitos escolhem o formato de livro de Artista. A palestra mostrou e explicou a metodologia desenvolvida, as etapas de desenvolvimento dos projetos e os resultados finais.