Página inicial / Biblioteconomia / Bibliotecas / Bibliotecas Universitárias

Bibliotecas Universitárias

Relación de los bibliotecarios de enlace con los indicadores de impacto de la investigación

Miles, R.A., Konkiel, S. and Sutton, S., 2018. Scholarly Communication Librarians’ Relationship with Research Impact Indicators: An Analysis of a National Survey of Academic Librarians in the United States. Journal of Librarianship and Scholarly Communication, 6(1), p.eP2212. DOI: http://doi.org/10.7710/2162-3309.2212

PDF

Con frecuencia se espera que los bibliotecarios universitarios, especialmente en el campo de la comunicación académica, comprendan e interactúen con los indicadores de impacto de la investigación. Sin embargo, gran parte de la literatura actual especula sobre cómo los bibliotecarios universitarios están utilizando e implementando indicadores de impacto de investigación en su práctica.

Este estudio analizó los resultados de una encuesta de 2015 realizada a más de 13,000 bibliotecarios universitarios en Estados Unidos. La encuesta se concentró en la familiaridad de los bibliotecarios universitarios y el uso de indicadores de impacto de la investigación.

Este estudio descubrió hallazgos relacionados con los diversos niveles de familiaridad de los bibliotecarios universitarios con los indicadores de impacto de la investigación y cómo implementan y usan los indicadores de impacto de la investigación en su desarrollo profesional y en sus tareas laborales en la biblioteca.

En general, los bibliotecarios uniuniversitarios con tareas regulares de apoyo a la comunicación académica tienden a tener mayores niveles de familiaridad con los indicadores de impacto de la investigación. En general, los bibliotecarios universitarios están más familiarizados con el recuento de citas y las estadísticas de uso y menos familiarizados con las métricas alternativas. Durante las consultas con el profesorado, es más probable que se aborden el Factor de impacto de la revista (JIF) y los recuentos de citas que el índice h del autor, las métricas alternativas, las medidas cualitativas y las revisiones de expertos por pares. Los resultados de la encuesta también apuntan a un creciente interés en la métrica alternativa entre los bibliotecarios académicos por su avance profesional.

Los bibliotecarios universitarios tienen el desafío constante de seguir el ritmo del panorama cambiante de las métricas de impacto de la investigación y los modelos de evaluación de la investigación. Al mantener el ritmo e implementar indicadores de impacto de la investigación en sus propias prácticas, los bibliotecarios académicos pueden proporcionar un servicio crucial a la comunidad académica en general.

Fonte: Universo Abierto

El Manifiesto de las bibliotecas universitarias del CSUC para acelerar la transformación digital en la educación superior

Las bibliotecas universitarias del Consorci de Serveis Universitaris de Catalunya (CSUC) han elaborado y hecho público un manifiesto en el que destacan la necesidad e importancia de acelerar la transformación digital en la educación superior. Las bibliotecas de las 13 universidades del consorcio (UB, UAB, UPC, UPF, UdL, UdG, URV, UOC, URL, UVic-UCC, UIC, UIB y UJI) manifiestan que «la transformación digital es una exigencia para nuestras instituciones que la crisis sanitaria que vivimos no ha hecho más que poner de relieve y acelerar».

La transformación digital exige organizar el ámbito de la prestación de servicios en consonancia con el nuevo entorno, con el fin de asegurar que la innovación tecnológica llegue de manera efectiva a todos los colectivos de la comunidad universitaria, sin fisuras ni roturas.

Con el objetivo de dar una respuesta eficiente a la situación actual es necesario que desde las bibliotecas se fomente una visión global que ayude a las universidades a dar un paso adelante en la transformación digital de la educación superior en todos sus aspectos. Además de disponer de una visión y una estrategia digital que dé no sólo respuesta a las necesidades emergentes derivadas de la crisis sanitaria sino también a los retos de la próxima década.

Y es por ello por lo que desde las bibliotecas universitarias miembros y participativas del CSUC se comprometen a trabajar en los próximos años en los siguientes proyectos.

Los 10 proyectos del Manifiesto de las bibliotecas universitarias del CSUC ante la COVID-19

  1. Soporte a la docencia digital. Dar soporte a la docencia híbrida y digital desarrollada por los profesores y estudiantes en los próximos años en concordancia con las políticas educativas y de innovación docente de la universidad, potenciando las competencias digitales de la comunidad universitaria.
  2. Incrementar los contenidos docentes digitales. Desarrollar proyectos de creación, gestión y difusión de contenidos docentes digitales elaborados por profesores y estudiantes en el desarrollo de la transmisión y aprendizaje de conocimiento.
  3. Liderar la transición hacia el libro electrónico. Hacer frente al reto más importante que se presenta en relación al mundo de la publicación y edición científica que es la transición, gestión, autoría y lectura de las nuevas colecciones de libros digitales.
  4. Nuevas aplicaciones de mejora de los servicios. Crear y potenciar la innovación de nuevos servicios bibliotecarios y plataformas digitales que den respuesta a las necesidades actuales y futuras de los usuarios.
  5. Transformación de los espacios de acuerdo con los nuevos modelos de aprendizaje. Diseñar y diversificar las bibliotecas como verdaderos espacios de trabajo en grupo, de estudio y de creación, con acceso a las últimas tecnologías educativas, incentivando la movilidad TIC.
  6. Ciencia abierta universitaria. Avanzar en el acceso abierto a las publicaciones científicas, la gestión de los datos y los resultados de la investigación, garantizando el acceso democrático a la información, las colecciones patrimoniales digitales y la nueva documentación científica que produce la investigación de las universidades.
  7. Proyectos transversales. Impulsar proyectos y modelos organizativos que permitan la convergencia, en grados y con modelos diferentes según cada institución, con otros servicios universitarios como los servicios de informática, de ediciones, de idiomas, etc. de la universidad con el fin de mejorar el apoyo a la docencia y la investigación.
  8. Nuevos perfiles y competencias digitales. Definir unos nuevos perfiles profesionales y competencias digitales para el personal que trabaja dando apoyo a la docencia, el aprendizaje y la investigación para que puedan realizar proyectos digitales, formación no presencial a los usuarios y gestionar los nuevos sistemas de información.
  9. Compartir proyectos y recursos. Trabajar en cooperación en el marco del CSUC para establecer alianzas y avanzar en proyectos que permitan mejorar la sostenibilidad eficiente de los recursos y servicios bibliotecarios.
  10. Agenda 2030. Alinear y adaptar los proyectos, objetivos y acciones de las bibliotecas a los objetivos ODS de las universidades derivados de la Agenda 2030.

Fonte: Julián Marquina

Bibliotecas da USP continuam atuando a distância para apoiar os usuários

Biblioteca da FZEA USP

Atendendo às determinações do Governo do estado de São Paulo e da Reitoria da USP, as atividades presenciais estão suspensas na Universidade. Dessa forma, as equipes das Bibliotecas estão trabalhando em home office. No caso de empréstimos já efetuados, temos realizado a renovação de forma automática, cujo prazo atual é 24 de agosto de 2020.

Ainda não há uma previsão de retorno às atividades presenciais nas Bibliotecas. Isso vai depender da flexibilização das normas de isolamento social para evitar o contágio e propagação da doença COVID-19 em vigor.

Esclarecemos ainda que, em conjunto com as Bibliotecas da USP, a Coordenadoria da Agência USP de Gestão da Informação Acadêmica (AGUIA), adotará diretrizes de trabalho visando à segurança dos indivíduos (alunos, docentes, funcionários e público em geral), dos acervos (desinfecção) e dos ambientes físicos das Bibliotecas (limpeza e higienização), em tempo hábil para organização das equipes e reabertura, quando a Reitoria assim autorizar.

Recursos e Fontes de Informação disponíveis:

Busca Integrada

Bases de Dados A-Z

Livros Eletrônicos (e-Books)

Revistas Eletrônicas A-Z

Dedalus

Periódicos Capes

Teses e Dissertações

Revistas USP

Livros Abertos

Trabalhos Acadêmicos

Acesso Aberto

Produção USP

Espaço do Pesquisador

Repositório CRUESP

Obras Raras

Partituras

Saúde Pública

Tecidoteca

Fonte: AGUIA

Biblioteca Central disponibiliza minuta de plano de retorno às atividades presenciais

A Biblioteca Central, em consonância com os protocolos internacionais de trabalho que visam ao retorno, em segurança, das bibliotecas universitárias e considerando o esforço coletivo em que ora a comunidade da UNIRIO se encontra de acordo com os GTs que foram designados por meio da Portaria GR nº 388, vem tornar público seu planejamento para o retorno das atividades presenciais das Bibliotecas no período de pós-distanciamento social.

Este foi um trabalho realizado pela Direção do Sistema de Bibliotecas e debatido com todo o corpo técnico dos profissionais que atuam em nossas bibliotecas. Uma das muitas atividades do grupo desenvolvidas nesta quarentena. O documento é dividido em quatro eixos básicos e prevê a manutenção das atividades digitais desempenhadas e desenvolvidas durante o período de afastamento social provocado pela pandemia de COVID-19.

Fonte: UNIRIO

Antigamente era assim

Hoje, quando queremos ouvir uma canção ou uma sinfonia que não temos em nossa coleção particular de discos ou CDs, fazemos uma busca e chegamos ao Youtube ou a um serviço qualquer de música por streaming. Muitos nem têm mais coleções em suporte físico, ou não se dão ao trabalho de procurar nelas.

Antigamente, aqueles poucos que tinham sorte de ter acesso a uma biblioteca como a da ECA, que possui há muitos anos uma excelente coleção de discos em vinil, CDs e fitas cassetes, procuravam no catálogo da biblioteca. E como as bibliotecárias faziam para criar um catálogo quando ainda não existiam bases de dados e internet? Na verdade, no caso da Biblioteca da ECA, quando não havia nem microcomputadores?

Bem, era mais ou menos assim:

frente
verso

Uma bibliotecária (ou bibliotecário) analisava a capa, encartes e rótulos do disco e transcrevia a informações importantes para uma ficha, de forma organizada e seguindo determinadas regras para garantir a padronização das informações. Observem que eram registrados os dados gerais do disco, como título, gravadora, data, série etc, e cada uma das faixas.

Essa ficha, que chamávamos de matriz, era de tamanho 10 x 15 cm, bem maior do que as fichas geralmente usadas em catálogos de bibliotecas, para poder mostrar os dados com clareza. Mesmo assim, muitas vezes era necessário usar o verso,ou mesmo duas ou três fichas, para álbuns com vários discos ou conteúdo muito extenso.

Mas não era só isso. Fazíamos também uma ficha pequena, 7,5 por 12,5 cm, para cada uma das peças musicais contidas nos discos. Mais ou menos assim:

As fichas pequenas eram organizadas em ordem alfabética de sobrenome de autor, para que fosse possível localizar a música que se queria ouvir. Se o pesquisador quisesse, também poderia consultar a ficha matriz,  antes de pedir o disco, para ver o conteúdo completo. Tanto as matrizes quanto os discos eram ordenados pelo seu número de localização – no exemplo, D39. Também era feitas fichas para os intérpretes, série, meio de expressão e país de origem dos compositores. No verso da ficha matriz eram indicados quais os desdobramentos – era como se chamavam as fichinhas por autor etc – feitos para cada disco. Isso importante para podermos localizar todo o conjunto de fichas ligadas a um disco, se fosse necessário fazer uma correção ou acrescentar o código das cópias em fita cassete, quando o disco era reproduzido (Fc60, no exemplo).

As bibliotecárias preparavam o rascunho manuscrito das fichas matrizes e passavam para seus auxiliares datilografarem e prepararem os desdobramentos.

E, além disso, para fazer uma boa catalogação, era frequentemente necessário fazer pesquisas para completar dados das capas e rótulos, nem sempre muito corretos.

E todo esse enorme trabalho nem sempre resolvia os problemas de quem pesquisava.  Não era possível, por exemplo, localizar uma obra específica sem saber o nome do compositor ou procurar por número de opus. Também era impossível fazer buscas cruzadas e localizar todas as obras de um compositor interpretadas por um solista ou grupo específico.

Atualmente o trabalho de catalogação de discos está um pouco mais simples e eficiente, já que o registro é feito numa base de dados e a busca pela internet tem praticamente todos os recursos necessários. Mesmo assim, catalogar cada disco, música por música, é uma tarefa demorada. Por esse motivo, muitos discos catalogados por processos manuais ainda não entraram na base de dados. Nosso velho fichário continua disponível, e deve ser consultado sempre que uma determinada gravação não for localizada na base de dados. Funciona, acreditem!

E não deixem de consultar nosso acervo. Temos gravações raras, que nem sempre estão disponíveis na internet.

Vejam mais algumas fichas de antigamente:

O primeiro álbum, comprado em 1971O primeiro álbum, comprado em 1971
verso

Este post só foi possível porque nossa funcionária Ana Paula levou as fichas para casa e está digitalizando todas.

Fonte: Blog da Biblioteca da ECA

“Eles foram capazes de salvar e recuperar milhares de livros dos buracos feitos pelos ataques com mísseis”: Entrevista com Mohammed Jasim, ex-diretor da Biblioteca da Universidade de Mosul

Texto por Mohammed J. Aal-Hajiahmed

Entrevista com Mohammed Jasim, ex-diretor da Biblioteca da Universidade de Mosul e coordenador do apoio internacional à Biblioteca da Universidade de Mosul. Mohammed vai dar-nos uma visão da situação atual na Biblioteca da Universidade de Mosul e o esforço nacional e internacional para restaurá-la. Mohammed coordena esses esforços, trabalhando com instituições locais e internacionais para aumentar o apoio à biblioteca e criar novas coleções. Fazendo uma ligação com as autoridades de Mosul sobre o planeamento e a eventual reconstrução da biblioteca.

Noemi, de Archivoz, conversou com Mohammed sobre a Biblioteca da Universidade Mosul e o seu trabalho de reconstrução.

(Archivoz) Gostaríamos de saber um pouco sobre você – Pode-nos fazer uma introdução?

(Mohammed) Meu nome é Mohammed Jasim Aal-Hajiahmed, sou ex-diretor da Biblioteca da Universidade de Mosul e coordenador de apoio internacional à Biblioteca, desde a destruição e fogos causados pelo ISIS durante a ocupação de Mosul, no norte do Iraque.

Leia a íntegra da notícia em https://www.archivozmagazine.org/pt/eles-foram-capazes-de-salvar-e-recuperar-milhares-de-livros-dos-buracos-feitos-pelos-ataques-com-misseis-entrevista-com-mohammed-jasim-ex-diretor-da-biblioteca-da-universidade-de-mosul/

Fonte: Archivoz

UFRB disponibiliza e-books gratuitos com temas sobre a pandemia do coronavírus

Texto por Renato Luz

A Comissão Local de Enfrentamento da CoVid-19 do Centro de Ciências da Saúde (CCS) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) divulga o e-book “Estratégias para profissionais de saúde manejarem a ansiedade dos usuários dos serviços de saúde na pandemia”. A obra, no formato e-book, objetiva ajudar os profissionais de saúde no enfrentamento à pandemia, e apresenta discussões sobre medo, ansiedade, e estratégias práticas de intervenção.

A iniciativa partiu do Serviço de Psicologia que adaptou textos da professora Jeane Sakya Campos Tavares e do estudante de medicina, Carlos Antônio Assis de Jesus Filho. A publicações está disponível para leitura online e download gratuito na página do CCS.

“Educação em Tempos de Covid19” – O livro “Educação em Tempos de Covid-19: reflexões e narrativas de pais e professores”, lançado pela Editora Dialética e Realidade, tem a contribuição do professor Eniel do Espírito Santo (CECULT) da UFRB. O docente escreveu em coautoria com a professora Sara Dias-Trindade (Universidade de Coimbra) o capítulo 19 denominado: “Educação a distância e educação remota emergencial: convergências e divergências”.

Segundo Eniel, a obra é uma  resposta imediata às transformações ocorridas num breve espaço de tempo, que alterou o status quo da atuação educacional de professores e pais. “O capítulo apresenta os principais fundamentos da educação a distância (EaD), correlacionando-os com a educação ou ensino remoto emergencial, mesmo considerando-se as limitações de se construir uma narrativa concomitante a sua construção”, afirmou.

O livro encontra-se disponível para download gratuitamente.

Fonte: UFRB

Las recomendaciones de REBIUN para la reapertura de las bibliotecas universitarias y científicas

La Red de Bibliotecas Universitarias Españolas (REBIUN) ha creado y publicado un documento con una serie de recomendaciones para la reapertura de las bibliotecas universitarias y científicas. El objetivo de estas recomendaciones es servir como un documento base de referencia y guía para que las bibliotecas puedan desarrollar e implementar sus propios planes de vuelta a la presencialidad. Comentar que en dicho documento se especifican detalladamente todos y cada uno de los elementos y servicios a tener en cuenta para hacer una reapertura segura para las personas, además de los medios para seguir ofreciendo el servicio vía online.

Desde la puesta en marcha por parte de las autoridades gubernamentales de las medidas que progresivamente se han adoptado para evitar la propagación del virus COVID-19, la Universidad ha modificado su funcionamiento, servicios y procedimientos con el objetivo de no interrumpir la docencia y mantener su actividad académica por medios telemáticos. Se plantean ahora unas recomendaciones dirigidas de forma específica a las bibliotecas que forman parte de la red con el objetivo de que sean un documento base que pueda servir de referencia y guía a las bibliotecas para desarrollar e implementar sus propios planes de vuelta a la presencialidad.

Entre los principios generales de las «Recomendaciones REBIUN para un protocolo sobre reapertura de las bibliotecas universitarias y científicas» cabe destacar el desarrollo de medidas que garanticen la seguridad de los trabajadores y de los usuarios, la necesidad del distanciamiento social y la buena conducta de los usuarios para contener la pandemia, la evaluación y revisión continua de las medidas con el objetivo de adaptarlas,  y el inicio de la actividad presencial de las bibliotecas universitarias condicionado a la presencialidad de la comunidad universitaria en el campus.

Antes de compartir los puntos más destacados de esta propuesta de protocolo de actuación para la reapertura de las bibliotecas universitarias y científicas, y que bien resumen desde REBIUN, comentar que es un excelente trabajo. Quizás de los más extensos y detallados de todos los que he visto hasta ahora. Y, cómo no, agradecer la mención que me hacen en dicho documento por el post que escribí a principios de abril: 7 medidas a tener en cuenta para crear un protocolo de actuación ante la apertura de las bibliotecas.

  1. Preparación inicial de las bibliotecas universitarias y científicas

Del personal

  • Valoración en cada momento del grado de presencialidad estrictamente necesario en relación a los servicios y tareas a desarrollar.
  • Posponer la vuelta a la presencialidad del personal en situación de riesgo.
  • Adopción de medidas organizativas: teletrabajo, redistribución de tareas y establecimiento de turnos.
  • Información y participación del personal en la elaboración de los planes de reapertura de las bibliotecas universitarias y científicas.
  • Información de las medidas y normas de higiene, así como de procedimientos a seguir que garanticen el establecimiento de un entorno de trabajo seguro.
  • Organizar la entrada/salida al trabajo de forma escalonada.

De las instalaciones

  • Zonas de trabajo individualizadas o bien separadas con mamparas y manteniendo la distancia social especialmente en los mostradores de préstamo.
  • Zonas internas de trabajo (despachos): en general se evitará la presencia de más de una persona por despacho, cuando esto no sea posible, se mantendrá una distancia de, al menos, 2 metros por persona.
  • Individualizar el espacio de trabajo: mobiliarios, sillas, etc. Si no es posible individualizar equipos, al menos teclado y ratón.
  • Ventilación de espacios preferentemente de forma natural.
  • Establecimiento de circuitos de entrada y salida y de circulación por los edificios (escaleras de subida y bajada, circulación por la izquierda, derecha, etc.)
  • Refuerzo de la desinfección de las instalaciones y superficies de trabajo, así como las de uso por parte de los usuarios una vez que llegue el momento de apertura de las salas.

De los procesos

  • Potenciar el teletrabajo en aquellas unidades en las que no sea imprescindible una presencialidad: adquisiciones, catalogación, circulación.
  • Ordenación de salas y depósitos: colocación de fondos desinfectados realizando la tarea de forma individual y con mascarilla y guantes.
  • Concentración de procesos que forman parte de un mismo flujo de trabajo para que participen el mínimo número de personas posible.
  • Evitar reuniones presenciales y reparto de documentos impresos para las mismas.
  • Suprimir reuniones informales en zona de café y/o descanso.
  • Se evitará el desplazamiento del personal dentro de las instalaciones, o entre unas áreas de trabajo y otras y evitar el uso de ascensores.
  1. Puesta en marcha de los servicios en las bibliotecas universitarias y científicas

Medidas en las que prevalece el distanciamiento social con los usuarios y desinfección de equipamiento

  • Marcado de los puestos de lectura.
  • Control de aforo y circuitos de circulación de personas.
  • Restricción de acceso a zonas en las que no sea posible controlar distanciamiento social (salas de trabajo).
  • Formación de forma virtual.
  • Medidas de desinfección e higiene de los puestos de lectura.
  • Uso de mamparas en zonas de atención a usuarios y atención directa con guantes y mascarilla.
  • Señalización de puntos de espera manteniendo distanciamiento social.
  • Restricción de acceso (mediante señalización) a las zonas de libre acceso a los fondos bibliográficos.
  • Establecimiento de sistemas de préstamo previa petición (al menos en las primeras fases).
  • Retirada de equipamiento informático de uso público y restablecimiento progresivo según la evolución.
  • Disponibilidad de gel hidroalcohólico para manipular las máquinas de autopréstamo, llegado el caso.

Servicio de préstamo

Devolución de documentos

  • Contemplar acciones progresivas para la devolución de materiales, evitando la presencia masiva en las bibliotecas (al menos 15 días de plazo a partir de la fecha de vencimiento final de devolución).
  • Mediante datos estadísticos de préstamo, planificar las devoluciones estableciendo días o franjas concretas.
  • Reflejar en los sistemas de gestión a efectos informativos el estado de “ejemplar en cuarentena”.
  • Eliminar las sanciones a aquellos usuarios que les venció el préstamo unos días antes del cierre.
  • Aplicación del periodo de cuarentena a ordenadores, periféricos, DVDs…
  • Evitar el contacto bibliotecario-usuario en el momento de la devolución.
  • Facilitar la devolución de materiales a estudiantes Erasmus o residentes en otras localidades

Cuarentena de materiales

  • Establecer un circuito propio para los materiales que pasen a estar en cuarentena.
  • Habilitar un espacio físico diferenciado para materiales en cuarentena (libros, paquetería…).
  • Habilitar un protocolo de desinfección para materiales que lo permitan (materiales con superficies plásticas).
  • Establecer un período de 10 días para la cuarentena de materiales.
  • Manipulación del fondo de forma segura (guantes, mascarilla).
  • Identificar la fecha de depósito en cuarentena y ubicar el fondo en entorno seguro cerrado (bolsas de plástico, cajas de cartón o estanterías específicas para ello).
  • El uso de máquinas para la desinfección de fondo bibliográfico daña los materiales. Dada su inversión, se recomienda su uso si se van a incorporar como un procedimiento habitual del tratamiento documental más allá de este período concreto.
  • Los documentos que ingresan en la biblioteca vía adquisiciones tienen que pasar por el circuito establecido para la cuarentena.

Reestablecimiento del servicio de préstamo

  • Incorporar para el préstamo materiales disponibles en libre acceso con garantías de desinfección.
  • Ajustar los tiempos establecidos para las reservas incorporando los 10 días establecidos para la cuarentena.
  • Evitar préstamo de libros en papel cuando exista en la biblioteca versión electrónica.
  • Solicitar a los docentes que incluyan en sus bibliografías recomendadas títulos disponibles en versión electrónica.
  • Establecer un servicio de préstamo con cita previa (fase inicial) o bien controlar las aglomeraciones.
  • Fijar un punto de entrega y recogida único en la biblioteca de los materiales en préstamo para evitar el contacto físico.
  • Ampliar los plazos de préstamo para los periodos de corta duración.
  • Aminorar las sanciones.
  • Para personas con factor de riesgo y movilidad reducida, establecer un servicio de préstamo por mensajería.
  • Disponer de gel hidroalcohólico en la zona de máquinas de autopréstamo cuando se estime su restablecimiento.
  1. Información y sensibilización

Objetivo. Generar confianza para todos: la biblioteca un espacio seguro. Implicación de todos para hacer de la biblioteca un espacio seguro.

Información a los usuarios

  • Sobre medidas higiénicas y sanitarias para el correcto uso de los servicios y expuesta en zonas de entrada y de paso obligado.
  • Sobre el aforo, limitación y nuevas formas de uso de los servicios disponibles.
  • Señalética para el distanciamiento social, puestos de lectura a emplear, zonas o servicios restringidos.

Información al personal

  • Medidas adoptadas para garantizar la seguridad.
  • Nuevos procedimientos implementados para un entorno seguro.
  • Participación en el plan de reanudación de los servicios de biblioteca.

Medios

  • Imagen de campaña, eslogan y señalética diferenciada.
  • Soporte impreso y redes sociales, página web.
  • Canalizando dudas, sugerencias, etc… por parte de los usuarios.
  1. La biblioteca digital. Servicios y contenidos digitales
  • Priorizar la adquisición de contenido electrónico sobre papel, especialmente en bibliografía recomendada, así como las plataformas de préstamo electrónico.
  • Desarrollar servicios de digitalización conforme a lo establecido en la legislación en materia de derechos de autor.
  • Dirigir consultas y trámites con la biblioteca a un entorno digital (chat, pregunte al bibliotecario, formularios…)
  • Consolidar la oferta de cursos de formación on-line, incorporando nuevas herramientas que permitan una mayor interacción con los usuarios (videoconferencia, agregación de archivos…)
  • Producir nuevos materiales formativos y guías de contenidos dirigidos a los alumnos.
  • Impulsar el papel de la biblioteca en el desarrollo de la Ciencia abierta (repositorio institucional).
Imagen superior cortesía de Shutterstock

Fonte: Julián Marquina

Biblio em Ação: o que podemos fazer durante a pandemia

Nesta sexta-feira (29), às 18h, acontece a primeira edição do “Biblio em Ação: o que podemos fazer durante a pandemia”. Com a presença de Cristiane Camizão Rokicki, Luciana de Paula Arjona e Rosely Bianconcini Mulin, o evento discutirá o papel das bibliotecas universitárias diante da Covid-19. A mediação será por conta da nossa coordenadora do curso de Biblioteconomia, Valéria Valls.

Anote na agenda e não perca! Os inscritos receberão o link da transmissão por e-mail até 4 horas antes do evento. Acesse o link https://bit.ly/3dh7oBm e faça sua inscrição.

Diálogo de Bibliotecas en Cuarentena “Educación a Distancia. Estrategias, implicaciones y recursos.”

Un panel de profesionales abordarán, desde distintas ópticas los desafíos de la educación a distancia. ¿Cuáles han sido las ejecutorias y estrategias del Sistema Educativo Dominicano?, ¿Qué implicaciones -sociales, tecnológicas, informacionales- impactan la educación virtual?. Estas y muchas otras interrogantes estarán en la mesa de reflexión de la Biblioteca Juan Bosch, ¡No te lo pierdas!.

Con nosotros :

Mariel Santos Mora // Directora Regional (07) MINERD

María Elizabeth Rodríguez // Investigadora y maestra EUA.

Claudia Olivarría // Coordinadora General Biblioteca Escolar Futuro , Chile.

Wandy Reyes // Consultor en Negocios y Tecnologías. RD.

Dirigido por Aida Montero Morales // Directora Biblioteca Juan Bosch , FUNGLODE

Fonte: Biblioteca Juan Bosch Institución

No es lo que tienen las bibliotecas, sino a quién sirven las bibliotecas: Buscando un futuro centrado en el usuario para las bibliotecas universitarias

El negocio de la educación superior, en lo que se refiere a las bibliotecas, se encuentra en medio de un cambio continuo y drástico. Administrar colecciones es ahora solo un aspecto más de la gestión de bibliotecas. Las bibliotecas apoyan la enseñanza, el aprendizaje asequible y la investigación innovadora. Están gestionando servicios y productos, en línea y fuera de línea, en medio de la expansión de las ofertas de servicios y los avances tecnológicos, mientras están bajo presión adicional para reducir los costos y las barreras para las personas que desean aprender, ya sea por un certificado, un título de dos o cuatro años, o un doctorado.

Las responsabilidades de las bibliotecas académicas han evolucionado, sin embargo, los Sistemas Integrados de Bibliotecas (ILS) todavía se centran estrechamente en la adquisición, gestión y entrega de objetos mientras el usuario final permanece en segundo plano. OhioLINK cree que es imperativo cambiar ese enfoque, pasar de las colecciones y las propiedades a las que las usan. No es lo que contienen las bibliotecas, sino a quién sirven las bibliotecas.

El consorcio OhioLINK incluye 117 bibliotecas de educación superior con una variedad de tipos de instituciones y una plantilla total de más de 800,000. Su membresía consta de 16 bibliotecas universitarias públicas, 48 ​​bibliotecas universitarias independientes, 23 bibliotecas universitarias de dos años, 16 bibliotecas regionales del campus, ocho bibliotecas de facultades de derecho, cinco bibliotecas de facultades de medicina y la Biblioteca Estatal de Ohio. La gran diversidad de la colección de bibliotecas que componen este consorcio hace de OhioLINK un microcosmos de las bibliotecas académicas de EE.UU en educación superior. Su importancia e influencia en el mercado de la educación superior está bien establecida y sus necesidades han superado las ofertas existentes de la industria.

Con este objetivo, este documento no sirve como una acusación, sino como una invitación a colaborar: Los miembros de OhioLINK publican este libro blanco para afirmar que los sistemas en los que se compra e invierte requerirán una reorientación fundamental a las necesidades del usuario de la biblioteca, y de manera similar una re-arquitectura y re-configuración fundamental para satisfacer los cambiantes requerimientos de negocios de las instituciones. Este documento sirve para articular esas necesidades con mayor detalle, así como su actual disponibilidad o no disponibilidad en el mercado. Este whitepaper no trata sobre una migración de sistemas, o una crítica de los actuales ILS de OhioLINK. Si bien su membresía no está iniciando un cambio inmediato, está haciendo una clara declaración de que los sistemas que apoyan el retorno de la inversión de las instituciones de educación superior que proporcionan un gran valor a la gama de sus usuarios, desde estudiantes hasta investigadores de clase mundial, son imperativos para permitir a las bibliotecas cumplir con sus respectivas misiones y objetivos. Ahora es el momento de invertir en la creación de un nuevo tipo de sistema bibliotecario centrado fundamentalmente en el usuario, que permita a las bibliotecas crear una colección curada, que se integre con la institución de educación superior y que proporcione una rica analítica e inteligencia.

La visión de OhioLINK

  • Las bibliotecas se están reorganizando para centrarse en el usuario. Sin embargo, todos los sistemas de bibliotecas que existen en la actualidad se centran en la colección de una biblioteca determinada. Esto es totalmente incompatible con la dirección estratégica de las bibliotecas. Los sistemas, como las bibliotecas a las que prestan servicios, deben rediseñarse por completo para centrarse en el usuario.
  • Las bibliotecas de hoy son responsables de facilitar el acceso a las colecciones en una multitud de formatos, a través de la recopilación, la concesión de licencias, los modelos de acceso abierto y una variedad de colaboraciones interinstitucionales; sin embargo, los sistemas de bibliotecas permanecen demasiado centrados en las colecciones tangibles de las instituciones individuales. Los sistemas deben ser rediseñados por completo para permitir la recolección curada de contenidos.
  • La biblioteca está cada vez más integrada en cualquier número de procesos de investigación, enseñanza y aprendizaje dentro de una institución de educación superior. Pero, aparte de los procesos comerciales básicos, sus sistemas tienden a permanecer demasiado aislados. Los sistemas de biblioteca deben rediseñarse por completo para integrarse de manera efectivaen una capa de servicio y datos con otros sistemas que permitan la investigación, la enseñanza y el aprendizaje.
  • En la mayoría de los sectores, las herramientas digitales han permitido la provisión de inteligencia empresarial ampliamente mejorada. La inteligencia empresarial moderna debería permitir a las bibliotecas analizar, mejorar y comunicar su valor, optimizar sus operaciones y fortalecer su posición de negociación. Los sistemas de bibliotecas deben ser completamente rediseñados para proporcionar capacidades modernas de inteligencia empresarialpara bibliotecas individuales, así como para sus consorcios.

Fonte: Universo Abierto

Gestão de Projetos em bibliotecas: a Biblioteca ESALQ/USP

Texto por Rachel Lione

Trabalho como bibliotecária na Biblioteca Central USP de Ribeirão Preto, que é uma das 48 bibliotecas do sistema USP e confesso nesses 8 anos de atuação eu pude visitar pouquíssimas bibliotecas da USP. E as oportunidades que tive foram ocasionais, como um intervalo entre um curso que fui realizar em outra unidade ou pela participação em evento. Eu gosto muito de fazer visitas a bibliotecas para sentir o que ela tem de especial, e tentar identificar o propósito da existência daquela biblioteca.

Em dezembro de 2019 tive a oportunidade de conhecer a biblioteca da ESALQ da USP, localizada no campus de Piracicaba. E mais uma vez, essa visita não havia sido programada. Fui participar do Evento SIM organizado pela equipe do MBA USP ESALQ que estou cursando e aproveitei um tempo que tive até o retorno para casa para visitar a Biblioteca da ESALQ.

A intenção era fazer uma visita breve de aproximadamente 1 hora e depois fazer o retorno para Ribeirão Preto, mas fui recebida de forma tão acolhedora, que a minha visita durou 5 horas!

Nesse tempo que estive lá, pude conhecer de forma panorâmica o funcionamento da biblioteca. Além do atendimento amistoso e agradável, pude aprender um pouco da sua gestão, que é um reflexo da gestão da ESALQ, que é feita no modelo de projetos.

De acordo com a definição no site da biblioteca:

“Trata-se de uma estrutura por processos, com formato matricial para desenvolvimento de projetos e de práticas da gestão.”

O que isso quer dizer?

De acordo com o Guia PMBOK, que é considerado a bíblia da gestão de projetos, as estruturas organizacionais podem ser Funcionais, Matriciais ou Projetizadas.

De uma maneira bem simples, as organizações funcionais são aquelas que possuem gestão tradicional, normalmente com estrutura de poder hierárquico e departamentalizado.

Já as projetizadas são as que possuem estrutura de poder horizontal e a equipe trabalha por projetos, e não por departamentos. Esse tipo de gestão é muito utilizado em empresas de tecnologia, como a Google, Spotify etc.

No entanto, há as empresas que estão em transição entre a estrutura Funcional e a Projetizada: são as chamadas matriciais. As matriciais se dividem em 3 tipos:

Matricial Fraca (que está mais próxima da Funcional);

Matricial Forte (que está mais próxima da Projetizada);

e a Matricial Balanceada (que está entre a Matricial Fraca e Matricial Forte).

Para visualizar essa informação, veja a tabela abaixo extraída do Guia PMBOK, 5.ed:

Sendo assim, a Biblioteca ESALQ define-se como matricial, pois apesar de trabalhar com projetos, faz parte de uma instituição de estrutura funcional. Por isso, contempla tanto a estrutura em departamentos, quanto à estrutura de projetos.

A estrutura matricial pode ser entendida através do organograma:

De uma maneira geral, a Gestão de Processos controla os serviços de rotina da biblioteca utilizando-se de vários indicadores de produtividade, que estão alinhados aos objetivos estratégicos da biblioteca. Já a Gestão de Projetos desenvolve e controla aspectos ligados à inovação dos serviços da biblioteca, que também estão alinhados aos seus objetivos estratégicos.

Essa visita, apesar da ocasionalidade, foi um divisor de águas para mim, pois pude visualizar como uma biblioteca pode trabalhar com gestão de projetos, apesar de estar inserida em uma organização funcional.

Além disso, a Biblioteca ESALQ tornou-se para mim um ideal a ser perseguido, pois une as duas áreas que fazem parte da minha formação (Biblioteconomia e Gestão de Projetos) e com certeza, gostaria de aprender mais com esse modelo de gestão, e quem sabe um dia a Biblioteca ESALQ possa tornar-se uma escola de gestão para outras bibliotecas.

Fonte: Linkedin

A Biblioteca na pandemia

Você sabia que, mesmo nesse período de atividades presenciais suspensas devido à pandemia de Covid-19, a equipe da Biblioteca está mantendo diversos serviços?

Isso mesmo! Além de atividades técnicas que podem ser realizadas remotamente, estamos:

Atendendo usuários online, pelo chat e por e-mail;
Recebendo demandas de solicitações de artigos;
Apoiando no acesso às informações online (artigos e e-books);
Ajudando e tirando dúvidas sobre normalização;
Ministrando e divulgando treinamentos online;
Elaborando fichas catalográficas de TCC, dissertação e tese;
Emitindo declarações de não-débito (para agendamento de defesas);
Tirando as suas dúvidas!

Fonte: Unicamp

Biblioteca da UFABC firma parcerias e oferece à comunidade acesso em plataformas de pesquisa

Neste momento de grande desafio e necessário distanciamento social, o acesso a informações de qualidade tem sido importante aliado para nos inteirarmos, mobilizarmo-nos sobre as formas de combate à Covid-19 e, também, permanecermos ativos na construção dos saberes.

Mesmo diante da impossibilidade de manutenção das atividades presenciais, a equipe da Biblioteca permanece comprometida em oferecer novas possibilidades para a continuidade da pesquisa, da inovação e da produção de conhecimento em nossa comunidade universitária.

Recentemente, o Sistema de Bibliotecas da UFABC reuniu esforços e firmou parcerias com referenciadas plataformas de pesquisa. São elas: PressReader, Biblioteca Virtual (Editora Pearson), Cambridge Core, The MIT Press Direct e Periódicos da CAPES. Por meio dessas parcerias, a comunidade da UFABC terá, durante o período de distanciamento social,  acesso gratuito aos diversos tipos de conteúdos disponíveis nessas plataformas.

De acordo com a coordenadora do Sistema de Bibliotecas da UFABC, Maria do Carmo Cardoso “toda equipe da Biblioteca está empenhada em contribuir para que nossa comunidade tenha possibilidade de manter seus estudos e pesquisas de maneira tranquila, segura e com qualidade. Embora distantes, permanecemos ativos e conectados.”

Fique atento à sua caixa de e-mail institucional, pois nos próximos dias a Biblioteca encaminhará as formas de acesso a essas plataformas exclusivas.

Os canais de comunicação da Biblioteca permanecem ativos para esclarecimento de dúvidas e orientações sobre acesso aos serviços.

Contatos do Sistema de Bibliotecas da UFABC:

bibliotecasbc@ufabc.edu.br

bibliotecasantoandre@ufabc.edu.br

Fonte: ANDIFES

Biblioteca Universitária: e depois?

Texto por Dalia Guerreiro

Com o avanço da pandemia do Covid-19 e a declaração do estado estado de emergência e sua posterior renovação, as instituições de ensino superior encerraram e, com elas, as respetivas bibliotecas.

No entanto, o trabalho na biblioteca continuou. Nas respetivas instalações ou em teletrabalho, mantiveram-se as tarefas inerentes ao funcionamento habitual:

  • Rever os catálogos;

  • Renovar os empréstimos;

  • Catalogar as novas aquisições e as doações;

  • Otimizar os respetivos sites, para um aceso mais intuitivo aos recursos digitais;

  • Disponibilizar novos recursos em linha, cedidos pelas editoras;

  • Adaptar o empréstimo domiciliário, tornando-o não presencial.

As bibliotecas, assim como as restantes instalações do ensino superior, foram repetidamente limpas e desinfetadas, mas será isso suficiente para a reabertura dos espaços?

Em que condições a biblioteca universitária deverá reabrir? Já vários organismos ponderaram a questão, e refletiram sobre esta temática, nomeadamente:

Encontramos informação mais direcionada em:

Acesso à biblioteca

O número de utilizadores e de funcionários tem de ser limitado, de acordo com as orientações da DGS. Todos devem usar máscara e é necessário que haja álcool-gel disponível para uma desinfeção adequada. No atendimento ao público, também se deveria utilizar luvas.

Reconfiguração do espaço

A fim de manter a distância social de segurança, o número de lugares na biblioteca terá de diminuir drasticamente. De preferência, deve ficar apenas uma cadeira por mesa. O mesmo se aplica aos postos de trabalho com computador. Ou se aumenta o espaço entre eles (cerca de 2 m) ou se coloca anteparos de acrílico ou outro material.  Neste caso, o anteparo deve ter uma altura mínima de 1,5 m acima do plano de trabalho.

Os balcões de atendimento também devem estar equipados com anteparas de acrílico, adequadas ao atendimento.

Higienização

Sempre que um utilizador saia da biblioteca ou que um funcionário termine o turno, deveria ser feita uma rigorosa higienização das superfícies. Em extremo, sempre que as casas de banho forem utilizadas, deveriam ser igualmente integralmente higienizadas. Caso não seja possível, é recomendável uma limpeza regular várias vezes por dia.

Se é difícil aplicar uma rigorosa limpeza aos espaços e equipamentos, no caso dos livros, a situação é mais complexa. Segundo o blogue da BNE , o vírus pode viver “hasta 4 días en el papel.” Havendo acesso livre às obras, qualquer utilizador que seja portador do vírus o pode transmitir aos livros e, daí, iniciar uma nova cadeia de infeção. Sugere-se, por isso que a leitura mediada por um profissional possa ser mais seguro. No caso dos empréstimos,  o controle é mais fácil, pois as obras devolvidas podem ser colocadas em quarentena ou ser desinfetadas através de ultravioletas. Este procedimento, porém, não recolhe unanimidade (ver por exemplo: How to Sanitize Collections in a Pandemic).

Apenas foram referidas algumas das muitas reflexões que estão disponíveis sobre as bibliotecas e o Covid-19. Não foi abordada a problemática das bibliotecas públicas, as quais têm características  muito próprias.

Todos os procedimentos inerentes à reabertura das bibliotecas assustam um pouco, mas, com determinação e bom senso, a reabertura será feita em segurança.

Fonte: Bibliotecas e Humanidade Digitais

Unesp dá acesso a ferramentas e fontes de informações on-line

Rede de Bibliotecas da universidade monta guia de serviços digitais para apoiar pesquisas. Em uma das partes do guia é possível encontrar as fontes de pesquisa subdivididas pelos tipos documentais (foto: Wikimedia Commons)

Agência FAPESP – A equipe da Rede de Bibliotecas da Universidade Estadual Paulista (Unesp) organizou um guia com informações sobre diferentes fontes de informação e ferramentas que possuem acesso aberto ou são assinadas pela universidade.

O guia contém serviços realizados on-line, aulas, tutoriais, treinamentos e manuais, produzidos pelos profissionais da Rede da Unesp, além de outros disponíveis no Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Para facilitar a consulta, o guia foi dividido em duas partes. Na primeira é possível encontrar as fontes de pesquisa subdivididas pelos tipos documentais, como bibliotecas digitais e repositórios informacionais, livros, periódicos, teses e dissertações, trabalhos de conclusão de curso, bases de dados, normas técnicas e patentes.

Na segunda parte estão as ferramentas, produtos e demais serviços digitais. Ferramentas são todos os recursos informacionais que a Unesp assina para apoiar o desenvolvimento das pesquisas, seja para detecção de plágio, criar o plano de gestão de dados ou auxiliar na normalização de referências bibliográficas.

O guia produzido pela Rede de Bibliotecas da Unesp pode ser acessado em https://docs.google.com/document/d/1iUgnyimZltpzke_Tp_jucCiJsjaTelEEs70LNL5wluo/edit

Mais informações em: https://bit.ly/2zpzTOt.

Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.

Mural de Serviços – Minicurso “Normalizando o trabalho acadêmico”

A Biblioteca Campus Sorocaba (B-So) vai oferecer, de maneira virtual, o minicurso “Normalizando o trabalho acadêmico”, ministrado pela bibliotecária da B-So Milena Polsinelli Rubi.

O minicurso tem por objetivo apresentar as partes que compõem o trabalho acadêmico, o que deve conter em cada uma dessas partes e qual a formatação dessas partes, de acordo com as normas da ABNT. Além disso, serão apresentadas para apresentação desse tipo de trabalho em formato de artigo.

O ambiente virtual utilizado será o Google Classroom/Sala de Aula. Dessa forma, para participar do curso é preciso ter uma conta de e-mail do Gmail: @gmail! E-mails institucionais migrados para o GSuit/Gmail não dão acesso ao Google Classroom/Sala de Aula.

É gratuito!

Tem certificado!

É da UFSCar? Pode fazer!

Não é da UFSCar? Pode fazer também!

Só precisa ter e-mail do Gmail!

O cronograma do curso é esse:

  • somente 04/05 (ou até o término das vagas): inscrição via formulário online

  • 05 e 06/05: disponibilização do material e tira dúvidas na plataforma Google Classroom/Sala de Aula;

  • 07/05: disponibilização da avaliação final;

  • 08/05: entrega da avaliação e encerramento do curso.

As vagas são limitadas.

A emissão do certificado está condicionada à inscrição no curso e à entrega da avaliação final no prazo determinado.

Mais informações: no nosso site: http://www.bso.ufscar.br/eventos/curso-virtual-planejamento-e-pesquisa-bibliografica  

e nas nossas redes sociais:

  • Facebook: @bso.ufscar

  • Instagram: bso_ufscar_sorocaba

  • Twitter: bso_ufscar

Mural de Serviços – Tarefas da Biblioteca do Unifai

Por Lygia Canelas

Parte da equipe da Biblioteca do Unifai. Da esquerda pra direita: Fernanda Gonçalves, Marta de Freitas, Lygia Canelas e Daniela Rosa Vieira.

Segue o planejamento da Biblioteca sobre o trabalho da Biblioteca do Unifai / PUCSP Vila Mariana.

A princípio, o planejamento contemplou o período de 15 dias, no entanto já estávamos trabalhando em roteiros de tarefas para os próximos meses, algo que poderá ser continuado em nosso retorno presencial.

Praticamente toda a equipe possui acesso remoto à sua máquina de trabalho por meio de um VPN, ou seja, do próprio computador conseguimos acessar nossas máquinas de trabalho. Temos suporte técnico por e-mail e todos os dias fazemos uma reunião chamada daily às 10h pelo whatsapp para alinharmos o andamento das tarefas de cada uma da biblioteca, abrir espaço para dúvidas e orientações para as tarefas.

Parte das tarefas abaixo estão sendo realizadas no momento, e outras estão contempladas no planejamento para serem iniciadas nas próximas semanas.

  • Inserção de Analíticas – Tiramos fotos dos sumários e resumos de periódicos, antes de sairmos para quarentena.

  • Pesquisa e inserção de links na base Sophia – Livros de domínio público, bases de dados de acesso aberto e periódicos científicos gratuitos. O MEC exige ao menos 20 títulos diferentes relacionados com as disciplinas de cada curso.

  • Curadoria de conteúdos e pesquisas bibliográficas em plataformas de conteúdo gratuitos – Tabém estamos divulgando aos professores e alunos em grupos do Whatsapp em Boletim Online disponibilizado no Google Docs (atualizados diariamente e agora divulgados semanalmente).

  • Atendimento e renovação automática dos empréstimos.

  • Elaboração de projeto para atualização do catálogo de autoridades – Nosso catálogo de autoridades não possui um guia para inserção e apresenta inúmeras inconsistências e duplicidades, entre outras questões.

  • Varredura para correção de registros no Sophia.

  • Treinamento para Auxiliares de Biblioteca online – Desde que a equipe se formou há muitos anos não houve treinamento para atualização de conhecimentos, dessa forma, estamos montando um treinamento por meio do Google Classroom para atualizar a equipe. A partir de uma pesquisa de satisfação feita na biblioteca junto aos alunos, docentes e colaboradores, foi possível recolher informações importantes para promoção de melhorias no atendimento.

  • Lista de bibliotecas que possuam acervos interessantes para cadastro no nosso EEB – Empréstimo entre Bibliotecas.

  • Normalização de documentos – Orientação e auxílio por e-mail na normalização de referências em trabalhos, planos de ensino etc.

  • Alimentação da base Sophia com periódicos gratuitos.

  • Atendimento às demandas da Secretaria, tais como emissão do Nada Consta, solicitações dos alunos para acesso a informações e documentos.

  • Atendimento por e-mail aos trâmites administrativos da Biblioteca e da Pró-Reitoria Acadêmica.

  • Atualização de planos de ensino, pesquisa na base e em editoras, solicitação de compra de livros atualizados para os cursos.

  • Decoração para a Páscoa, em caso de atividades presenciais suspensas, faremos montagens de foto para divulgar nas redes do Unifai. A ideia é contar o que significa cada dia da semana santa até a páscoa.

  • Datas comemorativas – artes para divulgação do significado das datas pelos grupos de alunos e professores.

Como criar uma Biblioteca Digital Gratuita que atenda as exigências do MEC

Texto por Fernanda Costa

Com o desenvolvimento de novas tecnologias e o avanço da educação à distância, as Bibliotecas Digitais ganham cada vez mais protagonismo no mundo da educação por oferecem uma série de facilidades aos seus usuários: podem ser acessadas a qualquer hora, em qualquer lugar do mundo com acesso a internet e por vários dispositivos, como computador, tablet, leitores digitais e smartphones.

Mas as vantagens não se restringem apenas à questão do acesso, para as Instituições de Ensino Superior, ter uma Biblioteca Digital, além de representar uma vantagem competitiva, também traz consigo menores custos com manutenção, espaço físico, pessoal e até mesmo de aquisição das obras.

Neste artigo, iremos te mostrar como criar uma biblioteca digital gratuita e que atenda as exigências do MEC.

Para começar, vamos ver primeiro quais são as diretrizes do MEC para as bibliotecas.

Biblioteca Universitária: as determinações do MEC

Dentre os vários itens avaliados pelo MEC para credenciar e autorizar o funcionamento de cursos e Instituições de Ensino Superior, está a Biblioteca Universitária.

Ao avaliar a biblioteca, o MEC confere se:

  • A biblioteca têm a bibliografia básica e completar indicada nos projetos pedagógicos dos cursos;

  • A biblioteca acompanha as mudanças nas matrizes curriculares;

  • Existe uma política de aquisição e atualização do acervo aprovada pelo NDE;

  •   As referências na bibliografia passam por uma revisão do bibliotecário da IES e novamente pelo NDE.

Observe que as exigências tratam do conteúdo das bibliotecas e não sobre a necessidade desse conteúdo estar disponível de forma física ou virtual. Isso acontece porque desde 2018 é permitido que mesmo cursos presenciais contêm apenas bibliotecas digitais, conforme o Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Presencial e a Distância.

Cabe a IES definir o que é mais adequado e vantajoso para ela e seus alunos, ter acervo físico, digital ou uma mescla dos dois, o mais importante é que a biblioteca seja acessível e tenha todos os itens obrigatórios e complementares de cada disciplina do curso. Neste aspecto, acervos digitais tem uma vantagem enorme em relação aos físicos: um mesmo arquivo pode ser acessado por vários alunos, sem a necessidade de cópias.

A Biblioteca Digital: o que é e como funciona?

Nas palavras da Digital Library Federation (DLF) “as bibliotecas digitais são organizações que proporcionam os recursos, inclusive o pessoal especializado, para selecionar, estruturar, oferecer o acesso intelectual, interpretar, distribuir, preservar a integridade e assegurar a persistência temporal das coleções de trabalhos digitais, de maneira que estejam prontamente e economicamente disponíveis para o uso de uma comunidade definida ou um conjunto de comunidades”.

Ou seja, mais do que um compilado de materiais online, uma Biblioteca Digital deve zelar pela qualidade e confiabilidade dos itens disponíveis em seu acervo, bem como garantir a manutenção e atualização desse acervo, além de gerenciar quem têm ou não acesso aos itens dessa Biblioteca.

Investir em um bom software e um bom acervo é essencial para ter uma biblioteca de qualidade, que atenda às exigências do MEC de acessibilidade e acervo. Falaremos mais sobre isso nos tópicos abaixo.

Como compor o acervo

Para montar um acervo digital, deve-se seguir os mesmo passos para a seleção de um acervo físico: primeiramente deve-se consultar quais são as obras essenciais para garantir que todos os alunos tenham acesso a toda bibliografia obrigatória de todas as disciplinas do curso. Depois disso, deve-se levantar quais são as obras não obrigatórias, porém complementares, que irão ser úteis na jornada do aluno e irão contribuir para a sua formação.

Uma vez definidas quais são as obras que precisam estar na Biblioteca, deve-se selecionar fontes de informação e pesquisa confiáveis e gratuitas para compor o acervo.

Como montar um acervo gratuito

Na hora de montar um acervo gratuito, uma ótima opção são os itens em domínio público. Qualquer item em domínio público, independentemente se é de natureza científica, artística, literária etc., pode ser disponibilizado gratuitamente. Essa é uma fonte muito importante para montar o seu acervo, pois além de gratuita, está sempre em crescimento, visto que todos os anos novas obras entram em domínio público.

Outra opção são as produções disponibilizada sob a licença Creative Commons, aquele (CC) que aparece no fim de algumas produções. O Creative Commons tem como objetivo promover maior flexibilidade na distribuição e acesso a obras protegidas por direitos autorais, por isso, todas as licenças Creative Commons garantem o acesso gratuito às obras, o que varia é a possibilidade de uso comercial, entre outros detalhes. Pesquisar obras sob a licença do Creative Commons é uma maneira muito eficaz e inteligente de garantir a presença de textos mais atuais e inovadores no seu acervo.

Porém, existem obras que não são tão antigas a ponto de estarem em domínio público, mas que também não estão licenciadas sob o Creative Commons. Mesmo nestes casos, ainda é possível tentar uma terceira solução: entrar em contato direto com os autores. Essa formato é mais demorado e trabalhoso, pois em muitos casos os direitos da obra são cedidos à editora, de forma que nem mesmo o autor pode autorizar o uso. E mesmo nos casos onde o autor mantém os direitos, nada garante que ele irá liberar o uso gratuito na sua Biblioteca Digital, entretanto, essa é uma alternativa que não deve ser ignorada caso não seja possível ter acesso a obra de outra maneira.

Além do domínio público, do Creative Commons e do contato direto com os autores, também há acervos gratuitos que podem ser incorporados a sua biblioteca: Biblioteca do Senado Federal, Banco de Teses e Dissertações de universidades, SCIELO, Portal de Periódicos da CAPES, entre outros, são opções de bancos gratuitos e acessíveis, com material de qualidade e confiável, que podem agregar muito valor a sua biblioteca sem aumento de custos.

Escolhendo um Software

Uma Biblioteca Digital, para funcionar corretamente, precisa de mais que um bom acervo, também é necessário um software de gestão especializado para garantir a manutenção dos acervos, a acessibilidade dos alunos e o controle de acesso. Dentre as várias opções disponíveis no mercado, há também softwares gratuitos de acesso livre, como o DSpace.

O DSpace é um software livre que fornece facilidades para o gerenciamento de acervo digital. Foi desenvolvido para possibilitar a criação de repositórios digitais com funções de armazenamento, gerenciamento, preservação e visibilidade da produção intelectual. Suporta uma grande variedade de tipos de documentos como: livros, teses, publicações multimídia, imagens, arquivos de áudio e vídeo, entre outros.

O Instituto Brasileiro de Ciência e Tecnologia – IBICT é o responsável por customizar o software e distribuí-lo em nível nacional. Ele está disponível para download na URL: http://wiki.ibict.br/index.php/DSpace.

*                  *                 *

Seguindo essas dicas, é possível criar uma biblioteca digital gratuita que atenda a todos os requisitos do MEC, além de contribuir para a formação dos seus alunos e para difusão do conhecimento.

Para maiores informações sobre bibliotecas – físicas e digitais – não deixe de conferir o conteúdo a seguir:

·Avaliação do MEC em Bibliotecas Universitárias

·Bibliotecas digitais – o uso do software livre

Abraços!

Fernanda Costa

Fonte: Linkedin

Servicios relacionados con los datos de investigación por parte de las bibliotecas universitarias: mucho a ofrecer, mucho por formar

Texto por Alexandre López

Choice es una unidad editorial de la Association of College & Research Libraries (ACRL), una división de la American Library Association (ALA). Choice y ACRL ofrecen herramientas de desarrollo profesional de biblioteconomía, dentro de las cuales se incluyen seminarios, podcasts, libros blancos, ensayos bibliográficos y publicaciones digitales, pensados para formar y reforzar las habilidades de los bibliotecarios. En este caso, se trata de un informe liderado por la reconocida profesora Carol Tenopir juntamente con tres profesores más de diversas universidades de los Estados Unidos.

Tal y como describen ya desde el inicio, se trata de un estudio a través de encuestas que sirve para actualizar y comparar lo realizado el año 2012 y que fue reseñado en este mismo blog1 en 2013 por parte de Alicia García García y Fernanda Peset. Independientemente de los principales resultados que se mencionarán posteriormente, es siempre interesante el hecho de poder medir diferentes espacios temporales, para conseguir la perspectiva. Así como en 2012 los servicios de datos de investigación (RDS por sus siglas en inglés) se anunciaban como retos de futuro, este año ya no hablamos como entonces de un servicio añadido de mucho valor, sino como una necesidad inseparable del personal investigador y académico.

Para entender los cambios, recordemos dos comentarios finales que se hacían en aquella reseña:

«Los datos de investigación están empezando a reconocerse como una fuente de conocimiento propia e independiente de las publicaciones que pueden emplearse en la validación de los resultados de investigación publicados en artículos, para generar nuevo conocimiento y ser explotados de manera interdisciplinar.»

«(…) si la biblioteca no se involucra activamente en la prestación de estos servicios, es muy probable que sea otro departamento el que los proporcione, apartando a la biblioteca de su labor en el proceso de investigación; y por tanto perderían una oportunidad para dar servicio a un rango más amplio de agentes sociales interesados en la gestión de los datos.»

En ambas realidades entonces reseñadas, nos encontramos los retos de futuro en todos los diferentes ámbitos del ciclo de la investigación (diseño de la investigación, compilación de datos, análisis de resultados, extracción de resultados y conocimiento) donde los datos son una necesidad. 

Para hacer la investigación en 2019, las encuestas fueron enviadas a algunas de las instituciones que ya la completaron y se aumentó con las de la lista de contactos de la ACRL, unas 3.160 direcciones de las cuales respondieron alrededor del 6 %. Más allá de la representatividad de la muestra, desde mi punto de vista, el interés radica en las respuestas y en la configuración de los servicios que ofrecen las bibliotecas académicas. También se llevaron a cabo 27 entrevistas a personal de algunas de las instituciones que respondieron la encuesta. Así mismo, el nivel de detalle de las preguntas hace que, por ejemplo, muestre la mayor parte de resultados en función del tamaño de las instituciones o bien por tipo de instituciones.

El trabajo permite, pues, comprender el nivel de servicios que las bibliotecas académicas de los Estados Unidos están ofreciendo en relación a la gestión de datos de investigación. Hay que tener en cuenta que el incremento de obligaciones y requerimientos por parte de los financiadores (públicos y privados) también en aquel caso se convierten en la fuerza motriz, el punto de encaje entre la voluntad de ofrecer nuevos servicios y la necesidad por parte de los investigadores de apoyo para una forma de gestionar (y difundir) sus resultados.

Los principales resultados del estudio son:

  • La mayor parte de bibliotecas académicas ofrecen servicios de información/consulta alrededor de los RDS.

  • Las bibliotecas en universidades que forman parte del grupo de las doctoral universities (según la Carnegie Classification of Institutions of Higher Education las intensivas en investigación de calidad) son las que más ofrecen RDS de tipo informativo.

  • Aquellas bibliotecas que ofrecen servicios y asesoramiento técnico (technical/hands on) lo iniciaron en los últimos tres años. De nuevo, una visión y un debate interesante sobre si es el ámbito bibliotecario quien debe ofrecer este servicio, también en el sentido de la alfabetización en curación, gestión y preservación de datos por parte de su personal.

  • En el caso de los servicios de información, lo más habitual es ofrecer fuentes de apoyo, seguido de la creación de guías de apoyo a la gestión de datos.

    Figura 1. RDS de tipo informativo/consulta ofrecidos por las bibliotecas que respondieron la encuesta. Fuente: Informe reseñado
  • Uno de los servicios más populares en el asesoramiento técnico incluye la participación directa con investigadores en un proyecto o un equipo de trabajo. De alguna forma, enlaza con el rol de bibliotecario integrado en el ámbito de la investigación, ahora en el caso de los datos de investigación para poder participar ya desde el inicio del diseño de los experimentos con un uso más o menos intensivo de datos.

    Figura 2. RDS de tipo técnico ofrecidos por las bibliotecas que respondieron la encuesta. Fuente: Informe reseñado
  • Las instituciones de investigación ofrecen más apoyo técnico, mientras que todas las instituciones piensan en identificar datos y datasets que podrían añadirse a los respectivos repositorios. De forma lógica, las bibliotecas tienen un papel clave en esta identificación, ya sea para los repositorios institucionales como para los temáticos.

  • Todavía hay un 44 % de las bibliotecas que han respondido que no tienen RDS, o bien por falta de financiación, de tiempo, de interés por parte de los investigadores o por falta de personal.

  • Las bibliotecas más grandes son las que tienen más bibliotecarios o especialistas dedicados a los RDS.

  • La mayor parte de instituciones de investigación están contratando nuevo personal para responder a las necesidades crecientes de RDS.

    Figura 3. Liderazgo y responsabilidad principal para los planes y programas de RDS. Fuente: Informe reseñado

Los autores concluyen que el abanico de opciones y tipos de RDS es grande, y que no es necesario que la biblioteca deba ofrecer todos los servicios, sino que una buena evaluación de capacidades y recursos puede conducir a planificar RDS realistas y con sentido. Así, por ejemplo, un 40 % de las bibliotecas dicen que colaboran con otras unidades de sus campus, cuestión que me parece clave para tener aproximaciones globales a la gestión de datos de investigación incluyendo la visión legal, técnica y de descripción. En diversos de los datos se ofrece también la visión del 2012 para poder comparar.

Los dos únicos puntos débiles, desde mi punto de vista, serían que faltaría una visión sobre la formación que hacen las bibliotecas, así como utilizar la terminología FAIR (findable, accessible, interoperable, reusable). Así mismo, el papel de los repositorios y su capacidad para poder dar respuesta a las necesidades también hubiera sido relevante, como se ha podido ver en estudios como el de FAIRxFAIR del CSUC. Complementa perfectamente las encuestas que se llevan a cabo en investigadores, como las que llevan a cabo en Digital Science.

A modo de cierre, podemos decir que se trata de un informe interesante para:

  • Científicos en general con requerimientos y responsabilidades referentes a los planes de gestiones de datos de sus proyectos, dado que encontrarán el contexto de los servicios que pueden ofrecer los servicios bibliotecarios.

  • Bibliotecas universitarias y de centros de investigación que ya están ofreciendo (o deberían) muchos de estos servicios y que pueden encontrar buenas prácticas, así como tendencias de futuro. 

  • Profesionales de la información en general que entienden que la gestión de datos necesita de la colaboración entre los múltiples grupos de interés implicados. En este caso, los datos abiertos son los relativos a la investigación, pero su tratamiento, la necesidad de descripción y metadatos son comunes en múltiples ámbitos y administraciones.

1 García García, Alicia; Peset, Fernanda (2013). «Tres en uno, tres informes sobre la gestión de los datos de investigación». Blok de BiD, 04/09/2013.

Fonte: Blok de Bid

«El arte de curar», un paseo entre libros de medicina de la Biblioteca de la Universidad de Sevilla

Libro del Fondo Antiguo de la Biblioteca de la Universidad de Sevilla
Libro del Fondo Antiguo de la Biblioteca de la Universidad de Sevilla – U. S.

En el patrimonio bibliográfico de la Biblioteca de la Universidad de Sevilla abundan libros de medicina de los siglos XV al XIX que demuestran la importancia que las instituciones educativas y religiosas otorgaban al ejercicio de aquella profesión.

A lo largo de sus cinco siglos de historia la Biblioteca de la Universidad de Sevilla ha ido acogiendo a través de diferentes fórmulas un patrimonio bibliográfico de muy diversas materias. La Biblioteca se ha esforzado en proteger y preservar todo su Fondo Antiguo, pero de igual manera ha buscado las vías oportunas para compartirlo tanto con la comunidad universitaria como con otro tipo de público interesado en los distintos temas.

Por ello, tras un elaborado trabajo de digitalización de algunas de estas obras, estas joyas bibliográficas pueden disfrutarse como exposiciones virtuales en el apartado ExpoBus, que ofrece muestras de libre acceso com es el caso de la exposición «El arte de curar. Libros de Medicina en el Fondo Antiguo de la BUS» .

Estos títulos demuestran la importancia que otorgaban al ejercicio de la profesión. Y no se trata sólo de los grandes textos canónicos, base de la enseñanza que se impartía en la propia Universidad, sino también de los tratados científicos que alumbraron los logros y descubrimientos de la medicina moderna.

Esta exposición arroja luz, la luz de los libros, sobre el largo viaje que la Medicina ha hecho desde la Antigüedad hasta las postrimerías del siglo XIX. Se trata de un viaje histórico, pero la muestra también dedica varios espacios a la evolución particular de la medicina en la ciudad de Sevilla.

Epidemias

Una mirada para comprender el alcance y la repercusión de algunas de las grandes epidemias que a lo largo de la historia diezmaron a nuestra ciudad, y para comprender también el papel que correspondió a los profesionales de la medicina, en la práctica y en la teoría, en la difícil superación de la medicina tradicional y los textos canónicos, largo tiempo tenidos por incuestionables. «El arte de curar» se divide en varios apartados: Medicina Antigua y Medieval; La construcción de la Medicina Moderna; Epidemias; De la sangría a las vacunas; Las instituciones médicas sevillanas o Libros sevillanos de medicina.

Las epidemias por tanto pueden ayudar a comprender mejor un contexto histórico y el devenir de un pueblo, que una épica y gloriosa hazaña de armas.

La lucha contra la enfermedad ha sido una constante en la historia de la humanidad recurriendo a remedios medicinales, generalmente plantas, cuya aplicación era el resultado de la experiencia adquirida.

Títulos

De esta forma se puede disfrutar de varios títulos y exposiciones virtuales, la última de las cuales ha sido «Los desastres de la Guerra, de Francisco de Goya». Otras exposiciones de acceso libre son «Cartografía histórica en la BUS», «Tesoros que guardan tesoros», «Códices Medievales en la BUS2 o «Libros y jardines», que tendremos la ocasión de comprobar en esta serie de entregas de visitas virtuales.

Todas las muestras están disponibles en el apartado que la Biblioteca de la Universidad de Sevilla tiene reservado para ello a través del espacio Expobus.

Fonte: ABCdesevilla

 

Acesso a acervo online bate recorde e Biblioteca da PUCPR aumenta oferta de obras

Posted by 

Acesso a acervo online bate recorde e Biblioteca da PUCPR aumenta oferta de obras

A procura por material digital no mês de março foi 50% maior do que no mesmo período de 2019

Por Beatriz Bleyer, Guilherme Araki e Letícia Fortes

A quarentena imposta pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19) levou um registro recorde de acessos a conteúdos online na Biblioteca da PUCPR. Para acompanhar a demanda crescente, a instituição tem apliado a oferta de obras para leitura eletrônica, buscando facilitar o acesso de conteúdos pela comunidade interna da universidade. A parceria com editoras resultou na disponibilização de vários conteúdos digitais novos nesse período, entre livros e estudos acadêmicos das mais diversas áreas do conhecimento, inclusive sobre o novo coronavírus.

As bases de várias universidades inscritas no portal da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) estão liberando seus periódicos para a comunidade acadêmica. Entre as novidades, estão conteúdos de instituições de ensino como Yale, Harvard Business Review, Oxford University Press, Science Direct e Sage.

De acordo com um levantamento realizado pela Biblioteca da PUCPR, março registrou crescimento de 50% no volume de acessos à plataforma digital na comparação com o mesmo mês de 2019. A instituição contabilizou aproximadamente 90 mil clicks de leitores nas bases assinadas e a visualização de 423 mil páginas do acervo de e-books.

Segundo Joyce Leonita, funcionária da biblioteca online da PUCPR, as estatísticas de acesso são processadas e divulgadas mensalmente. “O mês de fevereiro geralmente não conta com números muito significativos por ser começo de semestre, quando os alunos estão voltando a estudar”, afirma. “Mas eu já percebi que houve um aumento no número de acessos, quase 50% a mais que no mesmo mês de 2019.”

Enquanto a biblioteca funciona apenas online, todas as devoluções de livros físicos estão sendo adiadas até a retomada das atividades presenciais da universidade, que ainda não tem previsão de acontecer.

Fonte: Comunicare

Saiba como a Biblioteca Universitária se adaptou para atender aos estudantes em tempos de isolamento social

No dia da Biblioteca, confira uma entrevista com Laura Dalpiaz, gestora da Biblioteca Universitária Mario Osorio Marques. 

Como está o funcionamento da Biblioteca da Unijuí neste período de isolamento social?

No Dia Nacional da Biblioteca, gostaria de frisar a necessidade de ações para chamar o público à biblioteca! esse é o grande desafio das bibliotecas universitárias, no momento em que os livros estão deixando de ser usados de certa forma, digo isso em relação aos e-books, artigos eletrônicos, que estão muito em alta. Porém, em função dos decretos municipais da nossa região, da necessidade de isolamento em razão da pandemia, estamos de portas fechadas. Como atender o nosso aluno, aquele que está estudando na sua casa por que as aulas não pararam? A Biblioteca procurou se adequar, tomando as seguintes medidas: temos feito as renovações online, temos os serviços pelo nosso site, atendemos pelo e-mail biblio@unijui.edu.br, por exemplo. Nós temos pessoas atendendo nos três turnos em home office, portanto, se houver alguma necessidade especial para quem está pesquisando, ou fazendo Trabalho de Conclusão de Curso, estudantes de mestrado ou doutorado, ou aqueles que são usuários assíduos da biblioteca, nós temos como fazer este atendimento para não privá-los desse momento de pesquisa importante, de suas escritas acadêmicas na fase final do seu processo acadêmico do curso.

Apesar de estar de portas fechadas há opções para renovação e a Biblioteca está dando suporte para quem esqueceu de fazer as renovações e não pode fazer a devolução neste momento?

Tivemos situações de simplificação de multas. Acontece de alguém esquecer de fazer a renovação, por exemplo. Nessa situação que estamos, com a Biblioteca fechada, com isolamento, as pessoas não podem ir aos Campi, por isso temos feito contatos, as pessoas podem fazer contato por e-mail que estamos fazendo ajustes, ninguém está ficando sem atendimento e todos estão podendo renovar seus livros. Também é importante frisar que o acervo está fechado, chaveado, inclusive com as luzes apagadas. Nós temos esse cuidado, se há alguma necessidade de retirar livro, por exemplo, o estudante envia e-mail, o atendente separa previamente e agenda a retirada. Temos cuidado para não permitir acesso ao acervo, que é o que prevê essa situação, além de evitar aglomerações, não podemos permitir ninguém circulando pela Biblioteca. Temos o cuidado de fazer também a quarentena do livro. Nós recebemos os livros e já estamos colocando em rodízio de quarentena por cinco dias, que é a orientação do Conselho Regiona. Os livros só vão para a prateleira depois desse tempo, porque nós temos situações de entrega neste período também, então o estudante faz a entrega na Central de Atendimento ao Aluno, ele não precisa ir até a Biblioteca. Se ele precisa retirar, o atendente vai buscar, passar o álcool em gel na mão, está usando máscara, então a princípio o livro está limpo, não tem nenhuma situação em que possa haver contágio. Da mesma forma orientamos os estudantes a ter cuidados necessários enquanto estiver manuseando pelo menos no primeiro ou segundo dia o material.

                 

A Biblioteca é referência não só para o estudante, mas para a comunidade também e, nos últimos anos, todo mundo se adapta ao digital, ao online, existe então repositório? O que ele contém para a pesquisa?

O repositório institucional existe desde 2011. O site da Biblioteca foi adaptado e hoje temos hospedado nesse espaço digital cerca de 6.200 documentos acadêmicos. Em especial, o repositório traz a produção acadêmica da Unijuí: temos artigos e trabalhos completos de conclusão de curso, da graduação, de especialização, temos dissertações e teses. Todos esses artigos precisam ser autorizados pelo autor para serem publicados no repositório, qualquer pessoa que acessa o site da Biblioteca pode acessar, então é preciso esta autorização. Dissertações e teses que o autor não autoriza, e isso acontece por “N” motivos, vem a tese ou dissertação impressa, isso ainda acontece, é um requisito que está no regimento dos cursos.  Fora isso, desde o ano passado estamos ingressando na era das bibliotecas virtuais, então a Unijuí hoje tem duas bibliotecas virtuais, a “pearson” e a “minha biblioteca”,  são plataformas que se complementam nas áreas do conhecimento. E o nosso acesso a elas  infelizmente é gradativo, porque a gente gostaria que todo mundo já tivesse acesso a essas duas bases, mas elas são bastante caras, então, por enquanto, estamos trabalhando para aumentar o número de acessos, na medida em que o contrato vai sendo renovado nós vamos aumentando o número de acessos para que em curto período de tempo todos os nossos estudantes possam ter acesso a essas bases. Grande parte dos professores já tem o cadastro, se não nas duas, pelo menos em uma. A pearson é mais educação e gestão, a minha biblioteca para outras áreas, como a medicina, engenharias, áreas da saúde em geral, as agrárias. É um trabalho que a gente ainda tem como desafio, hoje os alunos 100% EAD têm acesso, os alunos que estão no currículo 2020 e que possuem as disciplina  20% EAD, e que possuem disciplinas do semestre que tem a bibliografia nessas bases também estão tendo acesso.

Confira a entrevista completa:

Fonte: NOROESTE ONLINE.COM

Abertas as submissões para a 21ª edição do Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias

Abertas as submissões para a 21ª edição do Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias

Estão abertas até 22 de junho as submissões de trabalhos para a 21ª edição do Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias (SNBU). O evento, cuja primeira edição foi realizada em 1978, busca promover a reflexão, o debate e o intercâmbio de informações entre os profissionais da área de informação com foco voltado para as questões que envolvem as ações nas bibliotecas universitárias. ​

Com ocorrências bienais ou trienais, o SNBU é o maior fórum de discussão da área. As temáticas de discussões foram evoluindo conforme o contexto de desenvolvimento científico, tecnológico, econômico e cultural da sociedade brasileira – tendência que pode ser confirmada na retrospectiva histórica dos temas das edições já realizadas.

A 21ª edição do SNBU será realizada em Goiânia, capital de Goiás, com o tema “Biblioteca universitária: tradição, práticas e inovações”, e terá sua promoção viabilizada pela Universidade Federal de Goiás (UFG), por meio do Sistema de Bibliotecas da UFG (Sibi/UFG) e da Faculdade de Informação e Comunicação (FIC/UFG). A previsão é que o evento ocorra entre os dias 8 e 11 de novembro de 2020.

Os trabalhos podem ser submetidos em três eixos:

Eixo 1 – Tradição – corresponde ao papel social da biblioteca universitária e procura identificar os desafios dos/as bibliotecários/as no contexto atual de grandes desafios enfrentados pela universidade.

Eixo 2 – Práticas – propõe-se discutir a atuação da biblioteca universitária, em relação aos documentos, serviços e produtos, que dialoguem com as necessidades informacionais dos/as usuários/as. Além disso, contempla os processos de gestão e enfoques administrativos que circundam as bibliotecas universitárias.

Eixo 3 – Inovações – está relacionado aos aspectos que envolvem as tecnologias de informação e comunicação no contexto da biblioteca universitária.

Para conhecer o edital da 21ª edição do Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias, acesse: https://snbu2020.com.br/wp-content/uploads/2020/04/EDITAL-2020-04-01.pdf.

Conheça o site do evento: https://snbu2020.com.br.

Patrícia Osandom

Núcleo de Comunicação Social do Ibict, com informações do site do evento

Fonte: IBICT

O que fazer quando a biblioteca está fechada

Acontece na Biblioteca da ECA

Biblioteca fechada

A Biblioteca da ECA está fechada desde o dia 17 de março, devido ao agravamento da pandemia COVID-19 e consequente suspensão das aulas na USP. Todos os empréstimos tiveram sua data de devolução adiada para dia 22 de abril, exceto aqueles que já estavam atrasados antes do dia 16 de março.

Desde o dia 23 de março, por questões de segurança, estamos pedindo aos nossos usuários que suspendam o uso  da nossa caixa de devoluções 24 horas e aguardem a reabertura da Biblioteca da ECA para devolver material que estiver em seu poder. Não haverá punições por atraso referentes aos dias em que a Biblioteca estiver fechada. Atrasos anteriores serão considerados, para efeito de suspensão, apenas até o dia 16 de março deste ano.

Os funcionários estão trabalhando em casa e atenderão, na medida do possível, às questões enviadas pela comunidade por e-mail. Estamos divulgando informações, pelas redes sociais, sobre acesso a recursos online. Nosso e-mail: ecabiblioteca@usp.br.

Se necessário, enviaremos novas edições especiais deste boletim.

Esperamos nos reencontrar em breve!

Acesso a recursos online

A USP coloca à disposição da comunidade muitos recursos online para pesquisa acadêmica. Alguns são de acesso aberto, outros são assinaturas só disponíveis para quem é da USP. Os principais são:

Teses e dissertações – acesso aberto
Produção Intelectual de docentes – acesso aberto
Portal de Revistas USP – acesso aberto
Portal de Livros Abertos da USP – acesso aberto
Revistas Eletrônicas – acesso USP
Bases de dados – acesso USP

Como acessar?

Teses e dissertações

Todas as teses e dissertações defendidas na USP estão cadastradas no Dédalus, o Banco de Dados Bibliográficos da USP. As que foram defendidas a partir de meados dos anos 2000, aproximadamente, estão disponíveis online. O link “Clicar sobre o botão para acesso ao texto” remete à Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. É só e baixar o pdf. O acesso aberto para público em geral.

Produção Intelectual de Docentes da USP

Toda a produção dos docentes e técnicos da Universidade de São Paulo está cadastrada em seu repositório institucional. São artigos, livros, capítulos de livros etc. Em alguns casos pode não ser possível acessar o texto completo da produção – livros publicados por editoras comerciais e artigos em revistas que a USP não assina, por exemplo – mas há muito conteúdo disponível em acesso aberto.

Portal de Revistas USP

A USP publica 191 revistas acadêmicas, todas de acesso aberto. Os artigos podem ser localizados por autor, título e palavra-chave, neste link.

Portal de Livros Abertos da USP

Livros acadêmicos e formato digital de autoria de professores e funcionários da USP. Neste link.

Revistas Eletrônicas

Este portal reúne todas as revistas eletrônicas assinadas pela USP e pela CAPES, às quais também temos acesso. O portal serve para localizarmos revistas como um todo. Se quisermos saber, por exemplo, se temos acesso à revista Art in America, basta fazer a busca por esse título. Para localizar artigos de revistas, é necessário usar outras ferramentas, que apresentaremos a seguir. Importante: revistas de acesso fechado só podem ser consultadas nos computadores da USP ou por usuários conectados ao VPN da USP.

Bases de dados

Temos acesso, atualmente, a 248 bases de dados para busca de artigos de revistas acadêmicas internacionais, além de outros conteúdos igualmente interessantes. Entrando nessas bases podemos localizar artigos por assunto, título, autor etc. Muitas delas já dão acesso ao texto completo em pdf.  Destacamos aqui as bases mais interessantes para as áreas da ECA, mas convidamos nossos leitores a explorarem o recurso e descobrirem outras.

Importante: bases de dados de acesso fechado só podem ser consultadas nos computadores da USP ou por usuários conectados ao VPN da Universidade. E atenção:os links da lista acima nem sempre remetem diretamente às bases, mas à página a AGUIA (antigo SIBi) onde está a lista de bases de dados.

Portal de Busca Integrada

Um jeito simples de buscar em todos (ou quase todos) os recursos simultaneamente é a Busca Integrada da USP. Trata-se de um sistema pelo qual podemos localizar as teses, a produção intelectual dos docentes, os artigos das revistas publicadas pela USP e boa parte do conteúdo das revistas eletrônicas assinadas pela USP e CAPES. Além de buscar o mesmo conteúdo do Dédalus (livros e outros documentos físicos das bibliotecas da USP). Uma busca por Leonardo da Vinci, por exemplo, vai localizar 263 itens nos acervos físicos da USP, mais de 13.000 artigos de revistas. Há muito material disponível online, tanto de acesso aberto quanto de acesso restrito à USP ou usuários do VPN.

Mais informações sobre essa ferramenta neste post.

VPN USP

É uma rede privada, exclusiva para membros da comunidade USP, que dá acesso via internet a todos os recursos assinados pela USP e pela CAPES. Basta instalar um programa em seu computador pessoal e terá acesso remoto aos mesmos conteúdos que acessa pelos computadores da USP. Instruções de instalação aqui.

Fonte: Biblioteca da ECA

Epidemias, confinamiento y arte

Las patentes de sanidad acreditaban, ante el puerto de destino, que un barco no tenía contágios

Patente de sanidad emitida el 23-1-1782 por la Junta de Sanidad de Barcelona a favor del bergantín Cristianum et Danielem. A.G.A.

Texto por Antonio Gil Albarracín

Encontrándonos confinados más de una tercera parte de la humanidad a causa de la epidemia del coronavirus que, procedente desde China, gracias a la globalización, se está extendiendo como la pólvora y es probable que aún se tarde en controlar dicha pandemia. Semejante situación resulta novedosa durante el último siglo pero, salvo su acelerada velocidad del contagio en todo el mundo, no es desconocida en el pasado, dando lugar a intentos de aislamiento y cordones sanitarios para aislar territorios amenazados.

En algunos casos la existencia de dichas epidemias dieron lugar a fenómenos literarios de primer orden, de los que el más conocido sería El Decamerón de Giovanni Boccaccio, escrito durante la peste bubónica que asoló Eurasia entre 1347 y 1353, reuniendo los cien relatos narrados por diez jóvenes florentinos confinados en una villa de Fiésole, próxima a Florencia, a la espera de que amainara la morbilidad del contagio.

Patentes de sanidad

Sin embargo, hasta ahora ha pasado inadvertida la existencia de unos documentos denominados patentes de sanidad, que presentan antecedentes medievales. Los mismos habrían de ser emitidos por parte de la Junta de Sanidad del puerto de partida con el fin de presentarlo en el puerto de atraque. La tripulación y viajeros de cualquier embarcación que no dispusiera del mismo quedaba confinada en un lazareto para pasar la cuarentena.

Los avances científicos de la medicina y el morbilidad causada por la peste de Marsella del año 1720 llevaron a los Estados occidentales y sus territorios de soberanía al acuerdo de obligar estrictamente a que cualquier embarcación que llegara a su puertos presentara la patente de sanidad emitida por el puerto de origen, acreditando no sufrir epidemia alguna; dicha obligación permanecería en vigor hasta el siglo XX. En aquellos puertos cuyas autoridades no suscribieron el acuerdo, la patente sería emitida por los consulados de los Estados firmantes. El éxito de dicho acuerdo fue evidente pues el episodio de 1720, que llegó hasta 1722, fue la última epidemia de peste bubónica padecida en territorio europeo.

Las patentes de sanidad son instancias, manuscritas normalmente, que al menos desde el siglo XVII, también aparecen impresas; en las mismas se incluía la declaración de hallarse libre de cualquier contagio el puerto del que se había zarpado.

Adornadas

Algunas de las citadas instancias fueron adornadas con grabados de calidad desigual que incluían el escudo heráldico representativo de la ciudad o del Estado, en muchos de los territorios católicos representaban el santoral que protegía cada población y bastantes ciudades consideraron que era una excelente ocasión para difundir la imagen de la misma representada desde el mar a vista de pájaro o mediante un plano; hecho que ha permitido atesorar en los archivos que custodian dicha documentación una extraordinaria colección de paisajes urbanos fechados entre los siglos XVII y XIX.

Muestra representativa de los mismos son las dos patentes de las que se hace referencia en esta breve noticia.

La patente de Barcelona, obra del grabador Ignacio Valls, fue reiteradamente emitida entre 1730 y 1817.

Patente de sanidad emitida por la Junta de Sanidad de Alicante el 14-2-1821 a favor del laúd San José que zarpaba con destino a Arenys de Mar. A.G.A.

La extraordinaria patente de Alicante encargada a Vicente López Portaña, pintor de Cámara desde 1815, dibujó esta patente hacia 1820, representado la ciudad de Alicante, coronada por el castillo de Santa Bárbara, desde el mar por cuyas aguas navegan, entre otras embarcaciones, un galeón y un imponente Neptuno sobre su carro, en contraposición neoplatónica con la corte celestial que encabeza la patente, presidida por la Santa Faz, a la muestran su devoción los santos Sebastián, Francisco de Paula y Roque.

Tema de enorme interés que he estudiado durante los últimos años; cuando la situación se normalice se colgará una exposición sobre estas patentes, que ya estaba programada de antemano, acompañada de catálogo en el que se tratará extensamente de este interesantísimo tema.

Antonio Gil Albarracín es doctor en Historia. Académico correspondiente de las Reales Academias de Bellas Artes de Nuestra Señora de las Angustias de Granada, de Alfonso X el Sabio de Murcia, y de Bellas Artes de San Fernando de Madrid y de la Historia, también de Madrid.

Fonte: La Voz de Almería

Biblioteca Virtual da Unimar é importante ferramenta no processo de aprendizagem

A Biblioteca Virtual da Universidade de Marília (Unimar) é uma das principais ferramentas para os acadêmicos, principalmente neste período de afastamento social necessário para o enfrentamento do novo Covid-19. A plataforma Minha Biblioteca é uma realidade da Instituição há anos e oferece mais de 8 mil títulos em todas as áreas do conhecimento.

A tecnologia faz parte das metodologias inovadoras de ensino da Universidade. Os docentes utilizam todos os recursos para manter o processo de aprendizagem dos estudantes, inclusive com aulas sendo ministradas todos os dias por meio de videoconferências, em plataformas digitais, que possibilitam a interação com as turmas, o esclarecimento de dúvidas e a troca de informações entre os acadêmicos. Nesse contexto, oferecer uma Biblioteca Virtual aos acadêmicos se torna vital.

De acordo com a Bibliotecaria da Unimar, Andréia Juliani Arimoto, é oferecido pela Instituição o mais qualificado e completo acervo literário. “A Plataforma Minha Biblioteca está muito bem amparada. Disponibilizamos uma das melhores Bibliotecas virtuais, tanto em quantidade quanto em qualidade de conteúdo. São disponibilizados mais de 8 mil títulos, contemplando todas as áreas do conhecimento, incluindo a área da saúde, com grandes e importantes nomes da literatura”, explica.

A docente do curso de Publicidade e Propaganda da Unimar e do MBA em Marketing, Maria Alice Campagnoli Otre, ressalta que a plataforma agregou ainda mais com o ensino da Instituição. “Eu já usava muito, bem antes da quarentena, como professora e como pesquisadora. Foi aberto um universo de possibilidades de pesquisa e de conhecimento para todos. Agora a importância está ainda mais latente. Livros atualizados, acesso na palma da mão, sem custo, sem prazos para devolução. Acredito que foi um dos melhores investimentos que a Unimar fez no quesito biblioteca”, afirma.

Para a acadêmica do curso de Publicidade e Propaganda da Unimar, Maria Clara de Almeida Toribio Leal, a plataforma também já era uma grande aliada, mesmo antes da quarentena. “A Minha Biblioteca é ótima tanto para estudo individual quanto em grupo, é um acervo a qual recorremos sempre, principalmente neste período. Pra mim, é uma plataforma muito boa, com uma quantidade considerável de livros, fácil de navegar e de fácil acesso a nós, acadêmicos”, conta.

Outro grande diferencial da Plataforma Minha Biblioteca é a disponibilidade de acessar os periódicos offline. Ainda segundo Andreia, todos os acadêmicos possuem acesso e é muito simples adquirir o conteúdo. “É necessário apenas baixar o aplicativo, que está disponível na plataforma Minha Biblioteca, na página da Unimar. O acadêmico precisa clicar no ícone, que se encontra próximo ao rodapé, seguir o passo a passo e já está pronto para baixar os conteúdos”, ressalta.

Além do acervo digital, a Universidade de Marília possui parcerias com outras bibliotecas, beneficiando ainda mais as pesquisas dos acadêmicos. “Além do grandioso acervo oferecido pela Instituição, também no site há o acesso ao Portal de Periódicos da Capes (Coordenação

de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), com acesso a títulos nacionais e internacionais, e links que redirecionam os alunos as principais Bibliotecas Brasileiras, para leitura de outros gêneros da literatura, oferecendo distração neste momento intenso”, complementa Andréia.

O acadêmico que necessitar de auxílio ou esclarecimento de alguma dúvida pode entrar em contato com a equipe da Biblioteca Central “Zilma Parente de Barros” através do e-mail periodicos@unimar.

Fonte: Jornal do Povo

UFSCar: Bibliotecas, Editora, Gráfica e Unidade de Memória funcionam durante a quarentena

Por REDAÇÃO

UFSCar: Bibliotecas, Editora, Gráfica e Unidade de Memória funcionam durante a quarentena - Crédito: Arquivo CCS/UFSCar
Crédito: Arquivo CCS/UFSCar

As Bibliotecas da UFSCar, a Editora (EDUFSCar), a Gráfica e a Unidade Multidisciplinar de Memória e Arquivo (UMMA) replanejaram suas rotinas de trabalho e continuam atendendo à distância. Livros poderão ser entregues após a suspensão de aulas sem aplicação de multa.

Conforme ressaltam as Bibliotecas da UFSCar em suas redes sociais, “A Biblioteca está fechada e estamos em casa, mas trabalhando!”. Conheça os serviços mantidos ao mesmo tempo em que é preservada a saúde dos servidores e usuários das Bibliotecas:

– Elaboração de ficha catalográfica para materiais produzidos por autores vinculados à UFSCar;

– Emissão de atestado negativo para pós-graduandos;

– Orientação sobre normatização de trabalhos acadêmicos (ABNT);

– Auto depósito de dissertações, teses e validação no Repositório Institucional;

– Cadastro de calouros, dentre outros serviços.

“Os serviços oferecidos pelas Bibliotecas, neste período, são de extrema importância a toda comunidade. Além disso, também é essencial a atuação das outras unidades em home office neste período. É o caso da Gráfica, que realiza serviços de digitalização, e da Editora, que apoia, por e-mail, todo o processo de produção dos livros.

E os leitores interessados podem acessar o Fundo do sociólogo Florestan Fernandes sem sair de casa”, explicou o Prof. Dr. Roniberto Morato do Amaral, Diretor do Sistema Integrado de Bibliotecas da UFSCar (SIBI/ UFSCar).

Fonte: São Carlos Agora

Biblioteca Central da Unicamp cria rede de apoio com atendimento virtual

Várias orientações para a comunidade universitária interessada em fazer uso dos serviços estão disponíveis na internet

Divulgação/Unicamp

Localizada na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a Biblioteca Central Cesar Lattes (BCCL) criou uma rede de apoio com atendimento virtual aos estudantes, docentes e pesquisadores da Universidade devido à suspensão das atividades acadêmicas presenciais prevista na Resolução GR 24/2020, de 16 de março de 2020.

De acordo com a Resolução GR 34/2020, de 22 de março, foi prorrogada a ampliação do período de suspensão de atividades presenciais na Unicamp até o dia 30 de abril.

Várias orientações para a comunidade universitária interessada em fazer uso do atendimento estão disponíveis na página do Sistema de Bibliotecas da Unicamp. Entre os serviços e recursos informacionais está o acesso a periódicos eletrônicos, e-books e livros eletrônicos para graduação.

A BCCL disponibilizou também um Plano de Contingência com recomendações gerais e de atendimento ao usuário para todo o Sistema de Bibliotecas da universidade.

Fonte: Portal do Governo do Estado de São Paulo

Comissão Brasileira de Bibliotecas Universitárias (CBBU) divulga serviços de informação que estão disponibilizando fontes de informação sobre o Coronavírus

Comissão Brasileira de Bibliotecas Universitárias (CBBU) divulgou em sua Página no Facebook várias postagens contendo fontes de informação sobre o Coronavírus, liberadas, por um certo período de tempo, por serviços de informações internacionais.

Portal de Periódicos Capes

Editores internacionais com os quais a CAPES mantém contrato, por meio do Portal de Periódicos, liberaram acesso aos seus conteúdos, enquanto durar a pandemia de COVID-19. A ação foi motivada pela situação atual de confinamento e restrição de contato, e pretende apoiar a comunidade de pesquisa no processo de entendimento e minimização do impacto do novo coronavírus.

Saiba mais

JSTOR

Materiais JSTOR de acesso aberto acessíveis ao público. Um conjunto expandido de conteúdo disponível para instituições onde os estudantes foram deslocados devido ao COVID-19 até 30 de junho de 2020.

O número de livros disponíveis por meio desse esforço cresce diariamente, à medida que mais editores participam.

Cambridge e Oxford abriram os arquivos de suas impressoras universitárias – que também abrigam bancos de dados on-line – para acesso público até o final de maio.

Saiba mais

Dotlib

Dada a espantosa proliferação do COVID-19 mundo afora, muitas de nossas editoras parceiras na área da saúde optaram por disponibilizar à comunidade científica mundial uma série de links com informações, estudos e conteúdos especializados a respeito do vírus. São fontes de informação seguras, coerentes, reais e com um claro contexto clínico.

Saiba mais

Proquest

Até meados de junho, os clientes do ProQuest Ebook Central afetados pelo COVID-19 terão acesso ilimitado a todos os seus títulos comprados pela EBC de mais de 50 editoras. Isso significa que todas as licenças, incluindo modelos de usuário único e 3 usuários, se tornarão automaticamente licenças de acesso ilimitado durante esse período, ajudando os bibliotecários a fornecer informações valiosas a seus usuários neste ambiente em constante mudança.

Saiba mais

Annual Reviews

Annual Reviews remove o controle de acesso em resposta à pandemia de COVID-19. Para ajudar os muitos estudantes, professores e pesquisadores que trabalham e estudam remotamente durante a pandemia do COVID-19, a partir de hoje, são disponibilizados os periódicos a todos, sem controle de acesso, até quinta-feira, , 30 de abril de 2020. Nesta data, será avaliada a necessidade de estender essa política.

Saiba mais

JOVE

JOVE, base de dados de vídeos de experimentos científicos, esta oferecendo acesso gratuito à sua videoteca com intenção de auxiliar no aprendizado remoto devido a pandemia do COVID-19.

Neste link: https://info2.jove.com/coronavirusvideo estão os vídeos disponibilizados gratuitamente com o foco no Coronavirus.

Clarivate Analytics

Página do CLARIVATE ANALYTICS aberto para acesso a qualquer pessoa com informações sobre o Corona Vírus. Esse link está aberto para acesso a qualquer pessoa, não precisando estar em acesso autorizado. São relatórios, artigos científicos em conteúdo completo, análises e inclusive, um acesso temporário ao software Cortellis Drug Discovery Intelligence, e pode ser divulgado para qualquer interessado, dentro ou fora da instituição: https://clarivate.com/coronavirus-resources/

Estudantes e professores podem acessar conteúdo acadêmico das bibliotecas pela internet

Serviços disponíveis na PUC-Campinas permitem acessar livros, revistas, teses e dissertações

Os estudantes da PUC-Campinas têm acesso a milhares de livros, dissertações, teses, relatórios, revistas e estudos de forma remota. O serviço, que facilita o acesso dos alunos e professores ao conhecimento em diversas áreas, se torna ainda mais útil neste período de interrupção das aulas presenciais.

São diversos os serviços virtuais disponíveis à comunidade acadêmica nas bibliotecas da Universidade. Todos os recursos podem ser acessados na página do SBI – https://www.puc-campinas.edu.br/biblioteca/

CONFIRA COMO ACESSÁ-LOS E O QUE ESTÁ DISPONÍVEL:

Portal de periódicos da CAPES

É uma biblioteca virtual de informação científica com 48.038 títulos de periódicos em texto completo, 130 bases de dados de referências e resumos.  Mais de 275 mil  documentos, entre anais, relatórios, livros, anuários, guias, manuais, entre outros. Com o login e a senha utilizados nos sistemas da PUC-Campinas, é possível acessar remotamente o conteúdo completo por meio do acesso remoto via CAFe.

Periódicos de acesso aberto

Os materiais de acesso aberto são de alta relevância científica e possuem conteúdo confiável para pesquisa. Nesta página estão listados os principais periódicos de acesso aberto avaliados pelo sistema Qualis, mantido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). A lista foi organizada de acordo com cada Centro da Universidade para facilitar a pesquisa dos cursos de graduação e pós-graduação da PUC-Campinas.

Biblioteca digital de teses e dissertações da PUC-Campinas

Target GEDWeb:

Sistema de Gestão de Normas e Documentos Regulatórios – Acesso remoto por meio de login no sistema Pergamum ou pelo link da página de recursos on-line do SBI.

Revista dos Tribunais

RT Online é uma base de dados de pesquisa jurídica da Editora Revista dos Tribunais/Thomson Reuters que reúne: doutrina, jurisprudência, legislação, súmulas, notícias e outros conteúdos da área de Direito. Acesso com o login e a senha utilizados nos sistemas da PUC-Campinas.

Revistas científicas editadas pelo Núcleo de Editoração da PUC-Campinas

Cadernos de Fé e Cultura, Estudos de Psicologia, Oculum Ensaios, Pós-Limiar, Reflexão, Revista de Ciências Médicas, Revista de Educação PUC-Campinas, Revista de Nutrição e Transinformação.

Serviços que podem ser solicitados on-line:

Solicitação de ficha catalográfica para trabalhos de conclusão de curso de Graduação e Pós-Graduação.

Via Catálogo Lvmen com login e senha.

Dúvidas e orientações:

Biblioteca Dom Airton José dos Santos – Campus I Unidade I:

Telefone: 3343-7098

E-mail: sbi.referencia1@puc-campinas.edu.br

Biblioteca Campus I Unidade 2 (CCHSA):

Telefone: 3343-7049

E-mail: sbi.referencia1unid2@puc-campinas.edu.br

Biblioteca do Campus II

Telefone: 3343-6860

E-mail: sbi.referencia2@puc-campinas.edu.br

Fonte: PUC-Campinas

7 plataformas de leitura online disponibilizadas pelo Mackenzie

Texto por Patrícia Leite

Se você é mackenzista e gosta de ler pelo celular, tablet ou até mesmo pelo computador, vai gostar dessa notícia: a biblioteca virtual da Universidade Presbiteriana Mackenzie possui um catálogo online composto por cinco plataformas de leitura. 

Conteúdos técnicos, documentos oficiais, produções científicas, além de livros de diversas áreas do conhecimento são alguns dos conteúdos oferecidos pelas plataformas, que podem ser acessadas a qualquer momento por alunos regularmente matriculados na instituição.

Para acessá-los, é necessário entrar com o usuário e senha do portal do aluno da instituição, o Terminal Informativo Acadêmico (TIA). 

Saiba mais sobre as 7 plataformas de leitura online disponibilizadas pela biblioteca virtual do Mackenzie:

A sistema gerencia acervos de documentos regulatórios, assim como normas e informações técnicas. É possível encontrar conteúdos como normas brasileiras, internacionais, resoluções da Agência Nacional de Energia Elétrica, além de diários oficiais e procedimentos do Ministério da Saúde.

A plataforma armazena, preserva e divulga a produção científica e intelectual, assim como documentos históricos, de interesse da universidade.

O conteúdo é distribuído nas páginas de cada centro acadêmico, com as suas respectivas produções.

O site Minha Biblioteca possui um acervo de livros nos formatos e-book nas áreas de DireitoFilosofiaHistóriaMedicinaEngenhariaAdministraçãoPsicologia e em outras 47 áreas do conhecimento. 

Além dos livros gratuitos, a plataforma também oferece um serviço de assinatura ou, ainda, da compra de livros ou capítulos de livros em sua loja virtual. 

A Minha Biblioteca possui recursos como leitura online, exibição noturna, realces, notas, busca de termos no livro e marcador de página.

A Biblioteca Virtual é bem semelhante a plataforma Minha Biblioteca, com livros disponibilizados no formato e-book. Possui um acervo com mais de oito mil livros em 26 áreas do conhecimento.

Para a leitura, é possível controlar o tamanho da fonte, espaçamento entre linhas, a iluminação, compartilhar citações e avaliar leituras. Também há marcadores, notas e modo noturno. 

A plataforma Fórum oferece periódicos com conteúdos voltados para o setor jurídico.

O site JSTOR é um sistema online norte-americano que reúne mais de 45 periódicos nas áreas de economia e finanças.

A Emerald Publishing reúne mais de  300 periódicos internacionais com conteúdos relacionados à educação, negócios, assistência médica e engenharias.

Fonte: Quero Bolsa

Bibliotecário: o conhecimento além dos livros

 MG 0015

Em 12 de março é comemorado o Dia do Bibliotecário. As funções desse profissional vão além de catalogar materiais e atender ao público. Elisângela Moura, bibliotecária-coordenadora do Setor de Referência da Biblioteca Central (BCE) da Universidade de Brasília (UnB) define-se como mediadora da informação.

“A captação dessas informações precede o conhecimento da comunidade que vai ser atendida e vai consumi-las posteriormente”, explicou Moura. Ela contou que o bibliotecário fornece conhecimento de forma organizada, além de apoiar as atividades em todas as áreas do conhecimento.

A orientação dos bibliotecários vai desde livros, revistas impressas, CDs e vinis, até materiais mais recentes como base de dados, repositórios e grandes acervos eletrônicos.

 MG 0081

A UnB é participante do Portal de Periódicos da CAPES, a maior biblioteca virtual do País, que pretende democratizar o acesso à informação científica e fortalecer os programas de pós-graduação no Brasil. Além disso, o Portal incentiva investimentos em excelência acadêmica nas instituições brasileiras de ensino e pesquisa.

A BCE/UnB possui um setor de referência, com balcão de atendimento e bibliotecários disponíveis em tempo integral, que orientam sobre o acervo e seu uso. Além disso, o Setor é responsável por oferecer capacitações aos usuários em geral, tanto da comunidade acadêmica quanto da externa.

Nos cursos, os participantes recebem informações que serão úteis ao longo do seu percurso acadêmico. Elisângela explicou que orientam “como pesquisar em bases de dados e qual a função dessas bases, além de organizar um trabalho técnico, científico e acadêmico pelas normas que a gente tem, como ABNT e APA, como divulgar esse conteúdo e registrar na internet”.

(Brasília – Redação CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES

Fonte: Fundação CAPES

Unicamp inaugura Biblioteca de Obras Raras

Bibliotecas: saiba onde encontrar diferentes tipos de livros em Presidente Prudente

Desfrute dos materiais periódicos, romances, infantis, teses, TCCs, além da estrutura de pesquisa e estudos oferecidas nos locais

Bibliotecas físicas e virtuais ampliam conhecimentos dos alunos Unifev

Instituição disponibiliza cerca de 100 mil títulos, entre livros e periódicos; exemplares são abertos à população para consultas e estudos in loco

Com um acervo de 100 mil livros e periódicos, os espaços físicos estão instalados no Campus Centro, na Cidade Universitária e no Espaço Unifev (Foto: Unifev)

Na vida acadêmica, ter acesso contínuo à informação e a novos conteúdos é fator fundamental para o desenvolvimento dos estudantes e fomentação da pesquisa científica. Para um aprendizado completo, os alunos da Unifev têm à sua disposição não só bibliotecas físicas, como também virtuais.

Com acervo de 100 mil livros e periódicos, os espaçoes físicos estão instalados no Campus Centro, na Cidade Universitária e no Espaço Unifev Saúde (anexo à Santa Casa de Votuporanga). Os empréstimos são feitos aos estudantes e colaboradores da Unifev e do Colégio Unifev, além de estarem disponíveis à população para estudos e consultas in loco.

Como forma de otimizar o tempo de pesquisa e facilitar o acesso à informação, a UNIFEV possui convênio com duas bibliotecas virtuais: a Pearson Education e a Saraiva Jur.

A Biblioteca Virtual Universitária (BVU) da Person, por exemplo, oferece mais de 4 mil títulos em sua plataforma, com obras que abordam diversas áreas do conhecimento, tais como Administração, Direito, Educação, Enfermagem, Gastronomia, Letras, Marketing e Medicina, entre outras. Já a Saraiva Jur á direcionada às áreas de doutrina, legislação e concursos, oferecendo livrios a profissionais e estudantes de Direito.

Para a Pró-Reitoria Acadêmica, Profa. Dra. Encarnação Manzano, os acervos bibliográficos, sejam eles tradicionais ou virtuais, são de fundamental importância para o cotidiano universitário, uma vez que influenciam a qualidade de educação ofertada pela Instituição.

“Entendemos que a vida acadêmica não se restringe às anotações e conteúdos trabalhados em sala. As bibliotecas devem ser uma continuidade das aulas, com um ambiente acolhedor e enriquecido de cultura. Por isso, a UNIFEV está sempre inovando e investindo nesse quesito”, completou.

Para realizar consultas online às obras e periódicos disponíveis, bem como obter mais informações sobre as bibliiotecas da Unifev, basta acessar o site: www.unifev.edu.br/bibliotecas

Fonte: A Cidade – O Jornal de Votuporanga

Inteligência artificial agiliza busca pela inovação em biblioteca

Na Faculdade de Odontologia da USP, projeto torna a biblioteca um ponto de partida para inovações nas diversas áreas do conhecimento

Biblioteca da Faculdade de Odontologia (FO-USP) onde vem sendo implementado o sistema CRAI – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Ao contrário de perderem importância, as bibliotecas ganham ainda mais com as novas tecnologias. Na Faculdade de Odontologia (FO) da USP, um projeto vem refinando as buscas por conhecimento por meio da utilização de um sistema de Inteligência Artificial (IA). Denominado Centro de Recursos de Aprendizagem e Investigação (CRAI), a iniciativa simplifica o caminho para se encontrar a inovação em qualquer área do conhecimento. Um software de IA, denominado provisoriamente como Minerador de Inovação, cruza informações e gera dados e relatórios sobre toda a produção científica catalogada numa determinada biblioteca. Um dos grandes diferenciais do Minerador é permitir a busca por termos da linguagem natural humana, e não só por palavras-chave, como é comum em sistemas de bibliotecas.

Moacyr Domingos Novelli: gerando mais conhecimento – Foto Marcos Santos/USP Imagens
O professor da FO Moacyr Novelli, que coordena o trabalho, diz que ele ainda não está de todo concluído, mas já pode ser utilizado. “Estamos desenvolvendo agora uma interface amigável que facilitará os processos de navegação da ferramenta”, informa o professor Celso Massatoshi Furukawa, da Escola Politécnica (Poli) da USP, que é parceiro do projeto CRAI. A coordenadora da Biblioteca da FO e doutora em Ciência da Informação Lúcia Maria Sebastiana Verônica Costa Ramos também integra a equipe de implementação.
Celso Massatoshi Furukawa, da Poli, que é parceiro do projeto CRAI – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

A busca pela inovação com o uso da IA se dá pela utilização de uma série de ferramentas e conceitos de bibliometria. Para viabilizar o funcionamento do CRAI, o professor Novelli e sua equipe indexaram 60.400 teses de doutorado de toda a USP. Só da FO foram 1.600. “As teses de doutorado espelham toda a vocação da Universidade. É o documento mais confiável em termos do que a USP vem produzindo”, descreve o professor.

No Sistema Integrado de Bibliotecas (SiBi) da USP existe um acervo eletrônico de mais de 11 milhões de títulos, com informações digitalizadas de um acervo físico composto de mais de 8 milhões de títulos. O objetivo foi desenvolver um aplicativo para processamento desses dados e construir novos conceitos e ideias a partir da tabulação cruzada dessas informações”, descreve Novelli.

De acordo com o professor, com o software de IA haverá uma mudança nas rotinas de uma biblioteca, que servirá não só como local de busca e de registro de informações, mas apresentará possibilidades de interações, dados e textos aos usuários, gerando sugestões de inovações.

Envelhecer sorrindo

Mas de que maneira, por meio de tantas informações que constituem um acervo imenso como o de uma biblioteca, será possível detectar algum tipo de inovação? Na prática, o novo software minerador de dados vai gerar, a partir de uma pesquisa, informações cruzadas que permitam visualizar as ocorrências entre termos de uma busca.

Exemplificando: se o usuário buscar por “capim mombaça” e “celular android”, o minerador de dados apresentará um gráfico das teses de doutorado que tratam dos dois temas. Aparentemente distintos, certamente haverá ligações entre os termos e serão apresentadas pesquisas de diversas áreas do conhecimento. “À medida que as ligações se mostrarem cada vez mais distantes ou isoladas, significa que estamos diante de possíveis inovações”, descreve Novelli.

Com base nos resultados até o momento obtidos, vem sendo realizada no CRAI a articulação das informações de um serviço de extensão destinado a pacientes da FO da USP, a ONG Envelhecer Sorrindo.

Equipe do CRAI. A partir da esquerda: Celso Furukawa, Moacyr Novelli, Lúcia Ramos e Robson Brandão – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

A iniciativa, que já existe há 20 anos, fornece atendimento multidisciplinar a idosos que necessitam de prótese total. O serviço vai desde atendimento odontológico, psicológico e fisioterápico até fonoaudiológico e nutricional. Segundo o professor Novelli, serão coletadas informações dos prontuários de pacientes, de imagens clínicas e de aparelhos protéticos. Esse material será articulado com os textos das teses da FO e de outras unidades da USP que tratem de temas correlatos. “Toda essas informações serão enviadas ao software de IA, que nos retornará dados que apontem para possíveis inovações”, descreve o coordenador.

Furukawa e Novelli já propuseram a implantação de um CRAI também na biblioteca Prof. Dr. Alfredo Gandolfo, que fica no prédio das Engenharias Mecânica, Mecatrônica e Naval, da Poli. Segundo Furukawa, a proposta é incluir serviços pedagógicos e recursos tecnológicos, com instrumentos e equipamentos que permitam aos alunos desenvolverem pesquisas próprias e explorar ideias inovadoras.

“A ideia é fazer da pesquisa científica um instrumento de formação e fomentar iniciativas inovadoras e empreendedoras dos alunos”, descreve o professor da Poli. Dentre diversas iniciativas propostas, está a criação de revistas estudantis para incentivar os alunos a publicarem os resultados de seus trabalhos e assim adquirir experiência na escrita de artigos técnico-científicos. “Na Poli já criamos a Mecatrone”, destaca Furukawa. A publicação eletrônica está hospedada no Portal de Revistas da USP desde 2015. A proposta é que o Minerador esteja disponível em todas as bibliotecas da USP quando estiver pronto, mesmo naquelas que ainda não utilizarem o sistema CRAI.

Fonte: Jornal da USP

Faculdade de Direito da USP terá projeto ousado para nova biblioteca

Floriano de Azevedo Marques destaca que o projeto será acompanhado por órgãos de preservação do patrimônio público histórico

A Faculdade de Direto da USP teve ratificado pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo o acordo entre o Ministério Público e o Grupo CCR, que contempla uma doação de R$ 17 milhões destinada à construção da nova biblioteca. “Essa é uma importante decisão [sobre os recursos] que vai permitir que a Faculdade de Direito da USP consiga avançar nas obras de construção do novo edifício da faculdade. Esse edifício é muito esperado e cobrado, creio que, com essa homologação, uma parte significativa do que é necessário já estará viabilizada”, comemora Floriano de Azevedo Marques, professor do Departamento de Direito do Estado e diretor da FD da USP.

Sendo um patrimônio cultural do Estado de São Paulo e do País, contando com o maior acervo de livros jurídicos do Brasil, há obras raras em meio a tantas outras preciosidades. São livros trazidos pela Família Real Portuguesa, com sinete da biblioteca de Portugal. O projeto foi concebido por um professor aposentado da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), Paulo Bruna, também responsável pelo projeto da biblioteca da FD da USP em Ribeirão Preto. “É um projeto maravilhoso, moderno, atual e compatível com a tradição e, ao mesmo tempo, com a modernidade que se quer em uma biblioteca.”

Permitindo a ampliação de áreas para estudos dos alunos da Faculdade de Direito, maior otimização de espaços e preservação de um acervo com centenas de milhares de livros, o projeto vai ser acompanhado por órgãos de preservação do patrimônio público histórico. O Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico) já está ciente da obra, além do próprio MP, que viabilizou o acordo para essa doação. “Estamos avançando para conseguir novas doações. A ideia é que a nova biblioteca seja construída totalmente com recursos fora da USP. Além de doações para a construção da obra física, firmamos parceria com a Google, que vai digitalizar todo acervo de disponibilidade pública, inclusive livros raros.”

“Serão dois anos [para a biblioteca ficar pronta], não só compreendendo o processo de aprovação do projeto, que já está avançado nos órgãos do município e de patrimônios, [mas também] a licitação da contratação de empresa da construção e a própria obra em si. O projeto do professor Paulo Bruna tem a vantagem de ser uma obra de execução rápida.”

Ouça a entrevista completa no player acima.

Fonte: Jornal da USP

Homologado acordo para construção de biblioteca na Faculdade de Direito da USP

A 11ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo homologou um acordo entre o Ministério Público e o Grupo CCR que garante o repasse de R$ 17 milhões para a construção da nova Biblioteca da Faculdade de Direito da USP.

Verba será destinada à construção de nova biblioteca na Faculdade de Direito da USP

O processo para que a doação fosse ratificada já durava 18 meses. Com a decisão, a USP poderá solicitar o dinheiro assim que o acórdão for publicado.

A verba dará andamento às obras do Prédio Claudio Lembo, que foi incorporado à instituição em 2006. Por conta de seu comprometimento estrutural, a construção foi interditada.

‘Ter uma biblioteca nova, com um volume significativo de obras para consulta, é extremamente expressivo para toda a comunidade”, afirma Floriano de Azevedo Marques, diretor da Faculdade de Direito da USP.

De acordo com o projeto, a biblioteca irá acolher 300 mil volumes, entre livros, periódicos e outras publicações. “Este novo espaço vem somar-se à tradicional Biblioteca Histórica, que será mantida com todo seu acervo de obras raras que está sendo todo digitalizado sem custos para a Faculdade, em uma parceria com a Google”, diz Marques.

Fonte: Consultor Jurídico

Nova biblioteca da USP será construída com verba de acordo entre empresa e Promotoria

TJ nega recurso do Governo de SP e mantém acordo que isenta Grupo CCR de processo em troca do pagamento de R$ 81,5 milhões

Patrícia Pasquini

São Paulo – Um acordo entre o Ministério Público e o Grupo CCR em um processo que apura caixa dois destinará R$ 17 milhões à construção de uma nova biblioteca na Faculdade de Direito da USP.

O documento foi firmado entre a Promotoria e o grupo, que atua no mercado de concessões de estradas, metrôs e aeroportos, em 2018, questionamento judicial.

Nesta terça-feira (4), a 11ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo julgou o caso e manteve o acordo, o que permite que o dinheiro seja usado.

Faculdade de Direito da USP, no centro de São Paulo Danilo Verpa/Danilo Verpa

Reforma na fachada da Faculdade de Direito da USP, bancada por alunos Danilo Verpa – 8.ago.2019/Folhapress

Corredor da Faculdade de Direito da USP, no largo São Francisco Davi Ribeiro/Folhapress

Átrito da Faculdade de Direito da USP Davi Ribeiro/Folhapress

Debate sobre os 30 anos no salão nobre da faculdade, em dezembro de 2018 Bruno Santos – 1.out.2018/Folhapress

Faixa da fachada da faculdade durante campanha eleitoral de 2018 Folhapress/Marina Estarque – out.2018

Segundo o advogado da concessionária, Sebastião Tojal, a Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo havia questionado a legalidade do acordo sob o argumento de que o Ministério Público não poderia tê-lo celebrado devido a ação judicial (Lei de Improbidade Administrativa, 8.429/1992).

“O fato é que este acordo foi firmado quando não havia ação judicial. A empresa compareceu espontaneamente ao Ministério Público”, afirma.

Outro questionamento apontava para a destinação do dinheiro à faculdade. A Procuradoria pleiteou que o valor fosse revertido aos cofres do estado por considerar que a doação à biblioteca não tinha relação com a reparação do dano pleo caixa dois.

“O que o tribunal fez hoje foi confirmar a legalidade do acordo, que vem sendo cumprido desde 2018”, explica Tojal.

A instituição poderá solicitar o levantamento do montante assim que publicado o acórdão.

Segundo o diretor da faculdade, Floriano Marques, R$ 17 milhões correspondem ao custo da obra atualmente. O projeto das novas instalações permanece em aprovação pela prefeitura.

“Como o prédio está no entorno de uma área tombada pelo patrimônio histórico, o projeto também deverá ser aprovado pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico)”, afirma Marques.

A nova biblioteca terá capacidade para um acervo com cerca de 300 mil livros.

No ano passado, a instituição firmou uma parceria com o Google para a digitalização das obras de domínio público sem ônus para a instituição. A previsão é que o processo de digitalização termine até o final de 2021.

CCR DEVERÁ PAGAR r$ 81,5 MILHÕES

Por ser concessionária de serviço público, a CCR é proibida por lei de fazer doações a partidos.

Para se livrar das penalidades impostas pela Lei de Improbidade Administrativa, o Grupo CCR firmou dois acordos com o Ministério Públido de São Paulo.

Propôs deletar os políticos que receberam dinheiro para campanha via caixa 2 e efetuar o pagamento de R$ 81,5 milhões, divididos da seguinte forma: R$ 60 milhões a título de multa e ressarcimento ao governo estadual, R$ 45 milhões ao Fundo Estadual de Interesses Difusos e Coletivos e ao Fundo Estadual de Perícias de Ações Civis Públicas, e R$ 17 milhões como doação à Faculdade de Direito da USP.

Procurado, o Tribunal de Justiça e o Ministério Público de São Paulo não se manifestaram sobre o processo contra a concessionária CCR, que corre em segredo de justiça. Pelo mesmo motivo, o advogado da empresa Sebastião Tojal não comentou as delações.

Fonte: Folha de S.Paulo

Projeto da UnB digitaliza trabalhos produzidos entre 1962 e 2006

O intuito é permitir que tanto a comunidade universitária quanto a população em geral tenha acesso às pesquisas realizadas por alunos de mestrado e doutorado

Caroline Cintra

Além de bibliotecários, o projeto conta com o apoio de bolsistas %u2014 alunos da UnB selecionados para receber bolsa remunerada(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Resgatar memórias e compartilhar conhecimento. Esses são os principais objetivos do novo projeto da Biblioteca Central da Universidade de Brasília (BCE-UnB), que pretende digitalizar todas as teses e dissertações defendidas desde a fundação da universidade, em 1962, até 2006, ano em que a entrega do trabalho digital tornou-se obrigatório. No período anterior, cerca de 15 mil trabalhos dos programas de pós-graduação foram apresentados. O intuito é permitir que tanto a comunidade universitária quanto a população em geral tenha acesso às pesquisas realizadas por alunos de mestrado e doutorado. Todo o material será disponibilizado gratuitamente em uma plataforma digital. (veja em Como acessar as teses e dissertações da UnB).

A diretoria da BCE separou um espaço com máquinas e scanners, que funciona como laboratório, para a realização do trabalho. Os equipamentos foram oferecidos pela administração da UnB, e o projeto ainda conta com recursos da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF), alcançados por meio da aprovação de um edital. “A biblioteca está atuando no mundo digital na divulgação desses conteúdos. A ideia é facilitar o acesso para as pessoas não precisarem vir pessoalmente e acessar tudo por um dispositivo de forma rápida, confortável e segura e, assim, terem mais conhecimento”, explica o diretor da BCE, professor Fernando César Lima Leite.
Todos os trabalhos terão versão com acessibilidade para pessoas com deficiência visual e auditiva. Até o momento, foram digitalizados materiais da Faculdade de Ciências da Computação. Estão em andamento as teses e dissertações da Faculdade de Comunicação e Faculdade de Engenharia. Ainda não há prazo para a finalização das digitalizações, mas a equipe está animada e esperançosa para que tudo seja divulgado o quanto antes. “O intuito é lançar a plataforma no início do semestre, em março, mas é bastante coisa. Vamos alimentando o site aos poucos. Temos digitalizado de nove a 10 trabalhos por dia, mas vai andar mais rápido, porque uma das máquinas que ganhamos digitaliza 90 páginas por minuto. Então, quanto mais rápido, melhor”, ressalta o professor.
Ele destaca que o projeto pretende beneficiar a comunidade como um todo. Além das teses e dissertações, há outro projeto de digitalização dos demais materiais reunidos na BCE, como partituras, obras raras e manuscritos medievais. “São pequenos tesouros reunidos no mundo físico e que as pessoas precisam ter conhecimento que existem. A ideia de digitalizar é colocar na internet para oferecer mais material para novas pesquisas”, diz Fernando.
A bibliotecária Sueli Assis é uma das integrantes da equipe que digitaliza os materiais. Ela conta que são analisados documento por documento para saber em qual máquina deve ser escaneado. “Parece ser um trabalho fácil, mas não é. Essa análise leva tempo. Depois, ainda editamos as folhas, tiramos a sujeira, os amassados, para que facilite a leitura no meio digital”.

Dedicação

Além de bibliotecários, o projeto conta com o apoio de bolsistas — alunos da UnB selecionados para receber bolsa remunerada. A estudante de museologia Ana Elvira Valadares, 20 anos, lembra que viu cartazes espalhados pela UnB com a proposta do projeto e se interessou. “Achei muito legal, porque é uma área em que quero atuar. Em ciência de informação, fiz alguns projetos com plataformas digitais novas que estão aplicando nos museus do país todo e vi nesse projeto uma boa oportunidade”, revela.
Ao todo, seis bolsistas foram escolhidos. Ana disse que não falta trabalho e que existe uma parceria entre todos. “Às vezes, um fica sem scanner e pede para o outro. Não falta coisa para fazer. O que me motiva todos os dias é saber que tem gente levando conhecimento para pessoas que não podem vir aqui. Por isso, tenho interesse em mexer com museologia digital”, conta a estudante.
Para o aluno de biblioteconomia Marcus Augusto Guedes, 19, a experiência também é uma oportunidade de mostrar a amplitude da UnB e os projetos realizados pela biblioteca. “Ela é tão grande. Isso que fazemos é apenas um pedaço do que a gente pode fazer para ajudar, ainda mais na área digital, que é o futuro. E nos dá uma base do que podemos fazer na profissão”, afirma.

Autorização

Apesar do trabalho gratificante para quem participa, durante o processo a equipe encontra algumas dificuldades, inclusive jurídicas. Para divulgar os trabalhos defendidos antes de 2006, é preciso a autorização do autor. “Precisa da assinatura de um termo. E, como faz muito tempo, precisamos que essa informação chegue a todos. Aqueles que defenderam antes desse ano devem entrar em contato conosco (veja em Como entrar em contato com a Biblioteca Central da UnB)”, informa a coordenadora da Gestão de Informação Digital (GID) da BCE, Patrícia Nunes.
Ela ressalta que muitos trabalhos não são divulgados na íntegra, porque parte das obras tem direito autoral. “Quem for ler vai saber que existe determinada informação ali, mas não vai ter acesso ao texto na íntegra. Isso acontece mais com os textos atuais. A gente dá essa opção de divulgar completamente ou parcialmente. Os mais antigos, acredito que serão divulgados completos”, diz Patrícia.

Como acessar as teses e dissertações defendidas na UnB

repositorio.unb.br
Como entrar em contato com a Biblioteca Central da UnB

Pelo e-mail projetodigitalizacaounb@bce.unb.br ou pelos telefone (61) 3107-2687
ou (61) 3107-2688

Biblioteca recebe a exposição fotográfica Visualidades do Patrimônio Industrial

A Biblioteca Octavio Ianni do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp inaugurou nesta terça-feira (10/12) a exposição fotográfica Visualidades do Patrimônio Industrial. A mostra faz parte da programação do I Encontro Nacional Arte e Patrimônio Industrial. A mostra fica em cartaz no hall da biblioteca até janeiro.

Organizada pela professora Cristina Meneguello e pela doutoranda Elisa Pomari, a exposição traz uma série de reproduções de fotografias registradas ao longo do século XX das plantas industriais das empresas ligadas ao Grupo Votorantim, registrando a arquitetura, maquinário e as pessoas, e fazem parte do acervo do projeto Memória Votorantim.

“Algumas dessas imagens foram produzidas para as fábricas do grupo, outras foram recolhidas quando as fábricas foram adquiridas, e algumas foram coletadas de funcionários. São imagens para catalógos industriais, feiras e eventos específicos”, explica a curadora Elisa Pomari. “São imagens que contam um pouco da fotografia industrial com aspectos diferentes, com fotografias de grandes artistas e de anônimos. Algumas fotografias apesar de estar observando temas industrias buscam uma forma poética, outras são mais protocolares. São registros do trabalho que buscam um outro olhar. É memória do trabalho, da industria e dos trabalhadores ao mesmo tempo”.

 

A fotografia é, simultaneamente, um objeto de memória que traz em sua dimensão material as marcas de sua produção, usos e circulação; um registro com intenção de documentação histórica; uma prática social e uma manifestação artística.

Em todos esses sentidos, a fotografia foi amplamente utilizada como forma de registro de atividades econômicas e do mundo do trabalho. A partir do momento em que as condições técnicas possibilitaram sua reprodutibilidade, as imagens fotográficas começaram a substituir as gravuras em diversas publicações como catálogos de exposições universais, boletins e relatórios de órgãos e agências governamentais ou industriais. Em álbuns comemorativos e catálogos, encomendados por industriais ou companhias, registraram a força de trabalho à frente dos edifícios industriais ou em simulações das etapas da produção com os operários e operárias performando poses ao lado de seus instrumentos de trabalho. Documentaram as paisagens industriais massivas em contraponto à pequenez do corpo do homem e os detalhes arquitetônicos e técnicos dos edifícios e suas máquinas, na mesma medida em que registraram momentos de lazer operário em clubes, recitais de fim de ano, jogos de futebol entre clubes de empresas. As fotografias do trabalho compõem um rico acervo, espalhado em arquivos públicos e privados, que abrem a perspectiva para novas e necessárias pesquisas.

As imagens desta pequena exposição são reproduções – gentilmente cedidas pelo Centro de Memória Votorantim – de fotografias pertencentes ao setor de guarda e preservação da documentação que remonta ao início das atividades da então empresa familiar na década de 1910. Este acervo iconográfico foi construído a partir da coleta, identificação e catalogação de fotografias encontradas nas diversas fábricas e empresas que hoje pertencem ao grupo, na documentação oficial de catálogos e fotografias encomendadas a estúdios e fotógrafos, assim como na doação de antigos funcionários e familiares. Dessa forma, como acontece frequentemente com documentação dessa natureza, as informações originais sobre o registro podem ser lacunares e, em alguns casos, perderam-se por completo. O acervo geral reúne a obra de fotógrafos amadores, funcionários que doaram seus registros e fotógrafos artífices, que trabalhavam em estúdios ou foram pontualmente contratados. Além deles, foram contratados para registrar aspectos da empresa importantes fotógrafos, como Hans Flieg, grande nome da fotografia industrial, arquitetônica e publicitária da segunda metade do século XX, e Theodor Preising, cujo trabalho circulou por publicações comerciais e oficiais na primeira metade do mesmo século.

Hans Günter Flieg (1923) veio da Alemanha para São Paulo ainda jovem, ao final dos anos de 1930, e tornou-se um dos fotógrafos de maior renome com imagens de publicidade e arquitetura, contratado por diversas empresas. Sua obra, hoje, integra o acervo do Instituto Moreira Salles. As imagens presentes na exposição fazem parte de um extenso registro fotográfico encomendado pela Companhia Brasileira de Alumínio, CBA, realizado nas décadas de 1960 e 1970.

Theodor Preising (1883-1962), também alemão radicado em são Paulo, dedicou-se ao registro das atividades econômicas do estado. Um dos fundadores do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, em 1937, Preising foi nomeado como fotógrafo do Departamento de Propaganda e Publicidade do Estado de São Paulo em 1938. Suas imagens sobre São Paulo tiveram significativa circulação, foram publicadas em jornais e revistas nacionais e internacionais além de terem sido expostas nos fotomurais do Departamento Nacional do Café, no Pavilhão do Brasil da Feira Mundial de Nova York (1930-1940).

Nas imagens escolhidas para a exposição “Visualidades do Patrimônio Industrial”, optamos por mesclar as imagens anônimas às célebres em busca de uma visualidade mais ampla do trabalho e suas manifestações. Nelas  é possível observar características tradicionais da fotografia que registra o trabalho e seus espaços, como a preocupação em mostrar as características técnicas das fábricas, tais como sua matriz energética e potência, modernidade e quantidade de maquinário, além da grandeza e logística de suas instalações; a exibição dos produtos em sua qualidade e variedade; e a eloquência da expressão numérica ou individualizada dos trabalhadores. Ao mesmo tempo, surgem registros menos tradicionais e um tanto quanto inesperados. Nessas fotografias somos surpreendidos pela informalidade nas poses de adultos e crianças, em meio ao cotidiano fabril; ou pelos ângulos inusitados nos quais os fotógrafos buscaram registros não ortodoxos ou poéticos em meio à monotonia e repetição das rotinas de trabalho, máquinas e mercadoria.

Cristina Meneguello e Elisa Pomari

Agradecimentos:

Essa exposição foi possível graças ao auxílio de Tânia Lima Ribeiro e Marcus Borgonove, do Memória Votorantim, São Paulo. Apoio: Programa de Pós-Graduação em História/ Área de Política, Memória e Cidade/ Linha Cultural Visual, História Intelectual e Patrimônios; PROEX; Secretaria de Eventos e Biblioteca do IFCH.

Fonte: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas – IFCH

El papel de las bibliotecas universitarias en la creación, archivo, curación y preservación de herramientas para las Humanidades Digitales

dh-04-1180x576

Kamposiori, C. [e-Book] The role of Research Libraries in the creation, archiving, curation, and preservation of tools for the Digital Humanities. London, RLUK Report, 2017.

Texto completo

El propósito de este informe es presentar y discutir los resultados del proyecto ‘Bibliotecas de investigación y herramientas de humanidades digitales’ emprendido por RLUK. El proyecto tuvo como objetivo explorar el papel que las bibliotecas tienen o pueden tener actualmente en la creación, archivo, conservación y preservación de herramientas para la investigación de Humanidades Digitales; es parte del objetivo de RLUK comprender el papel que desempeñan las bibliotecas de investigación en la investigación digital, identificar áreas específicas donde pueden agregar valor y facilitar el intercambio de las mejores prácticas existentes.

Por lo tanto, se realizó una encuesta en la que profesionales, en su mayoría de bibliotecas de investigación de la membresía de RLUK, participaron e informaron sobre la variedad de proyectos de Humanidades Digitales que respaldan y las diferentes formas en que se relacionan con el trabajo académico en el área. Discusiones adicionales con algunos de estos participantes no solo arrojaron más luz sobre las actividades de colaboración formadas en el contexto de varias iniciativas, como la producción y preservación de herramientas, sino también en los diferentes modelos de participación en la investigación en Humanidades Digitales. Sobre la base de los resultados, parece evidente que las bibliotecas tienen un importante papel en la creación, el archivo, preservación y conservación de herramientas para la investigación en Humanidades Digitales, principalmente como una actividad de colaboración entre los profesionales de la biblioteca y los investigadores en este campo.

Algunos de los principales problemas planteados en este informe son:

  • Se encontró que las bibliotecas de investigación colaboran activamente con los investigadores en la construcción de varias herramientas para la investigación y la enseñanza; sin embargo, su mantenimiento y preservación a largo plazo sigue siendo un desafío para la mayoría de las instituciones.
  • A través del análisis de diferentes casos de apoyo / participación en la investigación de Humanidades Digitales, se hizo evidente que no había un solo modelo para cada necesidad. Por lo general, las bibliotecas tienden a utilizar los recursos existentes de forma creativa, lo que les permite interactuar con los investigadores para cumplir con sus objetivos estratégicos.
  • El rol, las responsabilidades y el conjunto de habilidades de los bibliotecarios se han ampliado para responder eficazmente a los desafíos planteados.
  • A medida que las bibliotecas de investigación se conviertan cada vez más en socios activos en la investigación y enseñanza en Humanidades Digitales, el intercambio de conocimientos y las mejores prácticas garantizará que estas asociaciones sigan siendo beneficiosas para los objetivos de las instituciones.

Además se proporcionará información de antecedentes sobre investigaciones previas realizadas en el área, que incluye detalles sobre la metodología empleada en este proyecto. Posteriormente, se presentan y analizan los resultados de la encuesta y los estudios de casos. Finalmente, una discusión de los principales puntos derivados del análisis de datos y que concierne al rol de las bibliotecas de investigación en la investigación de Humanidades Digitales, incluyendo la creación, archivo, curación y preservación de herramientas

Fonte: Universo Abierto

La biblioteca universitaria orientada a la investigación: propuesta de un modelo de servicio centrado en el usuario desde la perspectiva del marketing

biblioteca3

González-Solar, L. [e-Book]  La biblioteca universitaria orientada a la investigación: propuesta de un modelo de servicio centrado en el usuario desde la perspectiva del marketing. Coruña, Universidad da Coruña, 2016

Texto completo

La tesis tiene como fin estudiar y valorar el papel de las bibliotecas universitarias en la consecución de la misión de la universidad respecto a la investigación. A este fin se analiza dicha función investigadora y su incidencia en los sistemas de evaluación competitiva, concretamente en los rankings. Se pone de relieve el cambio de paradigma en la gestión de las bibliotecas universitarias donde el eje de actuación se enfoca más a los servicios de apoyo a la investigación. Se caracterizan estos servicios bibliotecarios, contextualizando el estudio en la estrategia global de investigación de las universidades. Se investigan sobre dos grupos de universidades españolas desde un punto de vista estratégico y operativo. Se estudian los investigadores como el elemento clave en los servicios bibliotecarios de apoyo a la investigación, tanto desde la perspectiva informacional, incluyendo un estudio de gestión de identidad digital, como en su relación con la biblioteca, así como el papel de los bibliotecarios en este contexto. La tesis desarrolla un apartado práctico estudiando la realidad de la Universidade da Coruña, sus servicios, su Biblioteca y los rasgos característicos de sus investigadores. Se elabora una propuesta metodológica basada en los principios del marketing, siendo aplicable a otros contextos bibliotecarios, en la que se incide en la necesidad de una visión holística de los servicios a la investigación y se aplica la filosofía y la técnica del marketing tanto desde el punto de vista estratégico como operativo.

Fonte: Universo Abierto

CADASTRO DE BIBLIOTECAS PODE IMPACTAR NA AVALIAÇÃO DE UNIVERSIDADES

O objetivo do projeto é evitar o sub-registro atualmente existente em relação às bibliotecas universitárias no Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas

A ERA DAS BIBLIOTECAS NÃO ACABOU, PORQUE ELA SEQUER COMEÇOU

Nesse momento em que as bibliotecas são ameaçadas de censura e os seus investimentos estão estagnados, é preciso apostar num movimento crescente de reivindicação e de defesa da sua importância

XXII SEMANA do LIVRO e da BIBLIOTECA na DVBIBL – Escola Politécnica da USP

PROGRAMAÇÃO

De 22 a 24 de outubro

10h -16h – Feira da Barganha/Doação de Livros – Local: vão dos Anfiteatros Amarelo e Vermelho

Dia  22, terça feira

14h – Apresentação sobre a solução SciVal  por Thais E. Vick da Elsevier – Anfiteatro do Prédio de Engenharia Metalúrgica e de Materiais – Av.Prof. Mello Moraes 2463

Dia 23, quarta-feira

10h – Palestra sobre “Fontes de informação para Trabalhos Acadêmicos”  para os alunos do PAE – Programa de Aperfeiçoamento de Ensino – Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais – Av. Prof. Mello Moraes, 2463

Mais informações: https://www.poli.usp.br/evento/xxii-semana-do-livro-e-da-biblioteca-na-dvbibl-poli-usp-de-22-a-24-de-outubro?fbclid=IwAR2SsNxv6ASoqem3OqnPZDKgYS8UV-an0X5pc97M2P0kkA0dmmQjUbgQfMg

17ª Jornada sobre Biblioteca Digital Universitaria

Se encuentra abierta la inscripción, libre y gratuita, para la 17ª Jornada sobre la Biblioteca Digital Universitaria “Diversidad en los servicios, servicios para la diversidad”, que se realizará el 7 y 8 de noviembre, en la Facultad de Ciencias Sociales, de la Universidad de Buenos Aires.
Para los interesados en participar, se encuentra abierta la inscripción en línea, libre y gratuita, hasta el 3 de noviembre. Debe hacerse a través del sitio de Eventbrite:Bajo el lema “Diversidad en los servicios, servicios para la diversidad”, el 7 y 8 de noviembre de 2019, se llevarán a cabo una nueva edición de la Jornada sobre la Biblioteca Digital Universitaria. La misma, se realizará en la Facultad de Ciencias Sociales, de la Universidad de Buenos Aires (Santiago del Estero 1029 – Ciudad Autónoma de Buenos Aires).

https://www.eventbrite.com.ar/e/17a-jornada-sobre-la-biblioteca-digital-universitaria-registration-70535281927

A los participantes, se les entregarán certificados.

EJES TEMÁTICOS DE LA JORNADA:

* Los servicios electrónicos y sus proveedores: uso, justificación, pertinencia, relevancia
* La ciencia abierta y los datos abiertos
* Los derechos de autor y la propiedad intelectual en el mercado digital
* Las plataformas de educación a distancia y la BDU
* Ética en la publicación y el acceso a recursos
* Otras temáticas inclusivas que se relacionen con el lema

SOBRE LA SEDE:

La Facultad de Ciencias Sociales es una de las trece facultades de la Universidad de Buenos Aires. Fue creada el 25 de agosto de 1988 por resolución de la Asamblea Universitaria, integrando en una misma unidad académica a las carreras preexistentes de Ciencia Política, Ciencias de la Comunicación, Relaciones del Trabajo, Sociología y Trabajo Social. Dispone de 2 reconocidos institutos: el Instituto de Investigaciones Gino Germani y el Instituto de Estudios de América Latina y el Caribe.

Cuenta con una Biblioteca especializada en Ciencias Sociales, en general y particularmente en las áreas correspondientes a las carreras que se dictan en la Facultad. La colección dispone de una amplia cobertura de materiales bibliográficos superior a los 53.000 volúmenes monográficos, incluyendo obras de referencia (enciclopedias, diccionarios, diccionarios bilingües, índices, bases de datos, etc.), tesis, tesinas, etc., además de una importante colección de revistas científicas.

Web oficial de la Facultad de Ciencias Sociales: click aquí

UN POCO DE HISTORIA:

Por iniciativa de un grupo de Directores de Bibliotecas Universitarias Privadas de la Red AMICUS y Directores de Bibliotecas Universitarias Nacionales, motivados por el impacto que el entorno digital estaba produciendo en la universidad y compenetrados en el trabajo en colaboración, en el año 2003 años surgió la Primera Jornada sobre la Biblioteca Digital Universitaria.

A lo largo de estos años, las  universidades de diferentes puntos de Argentina fueron sedes de estas importantes Jornadas para el ámbito bibliotecario donde se trataron diversos aspectos como: La información digital: uso e impacto en la enseñanza y la investigación; Oportunidades y desafíos: formación de usuarios, metadatos y arquitectura de la Web; ¿Hacia dónde vamos?: avances y desarrollos recientes; La Web y las bibliotecas digitales en la universidad: acceso, interacción, visibilidad; El ciclo del conocimiento en el entorno académico; Los desafíos de la Web social; La biblioteca universitaria en la Web; Las redes sociales y las bibliotecas universitarias; Bibliotecas digitales: nuevos roles, nuevos espacios; Gestión del conocimiento en el entorno digital; La producción científica en la actividad universitaria; Integración de bibliotecas digitales universitarias: innovación y responsabilidad social; Proyectos, desarrollos, novedades, tendencias; Acceso a la información: uso e impacto; Reflexiones sobre la biblioteca académica y el contexto.

La organización de estos Encuentros es responsabilidad de la Comisión Organizadora Permanente, que, a su vez, es acompañada por representantes de la Sede Anfitriona, que es la que ofrece sus instalaciones y personal para la realización del evento. Un punto para destacar es la gratuidad de la JBDU, que se sustenta con la participación desinteresada de las instituciones anfitrionas, la colaboración de empresas y el trabajo de los integrantes de la Comisión.

Fonte: SOY BIBLIOTECARIO

10 consejos a ofrecer desde las bibliotecas para evitar el plagio en trabajos académicos y de investigación

Las bibliotecas están llenas de información para ser consultada, analizada y compartida… pero no para ser plagiada. Tristemente el plagio es una acción utilizada por algunas personas para otorgarse como propias informaciones, contenidos u obras que no lo son. Ya sabéis lo que esto puede suponer tanto para el autor original de una obra, el cual ha plasmado su conocimiento con esfuerzo y mucha dedicación, como para la persona que trata de adueñarse de algo que no le pertenece, hecho que con el tiempo termina dañando su reputación.

Las bibliotecas están llenas de información para ser consultada, analizada y compartida… pero no para ser plagiada

Según palabras publicadas en El País del que fuera rector de la Universidad de Lleida y presidente de la Crue Universidades EspañolasAntonio Fernández Díaz, «No hay peor corrupción en la universidad que el plagio. Más que el tema económico o cualquier otro, el plagio intelectual es la peor corrupción que puede haber en la universidad, porque quiebra la confianza de todo. Estamos para dar conocimiento nuevo de la realidad y que sea de calidad por el método científico. Cuando eso no se produce, no hay cosa que penalice más.»

El acceso a la información es un derecho fundamental de la sociedad… y que las bibliotecas ofrecen de manera libre y gratuita. Eso sí, que el acceso sea libre y gratuito no significa que se puedan copiar parcial o totalmente las obras que hay en ellas. Hay que recordar que las obras están protegidas por la propiedad intelectual de sus autores o titulares. Es por ello por lo que la labor informativa y formativa de las bibliotecas es fundamental para mostrar la importancia de las obras y contenidos originales en trabajos de investigación y académicos, así como para salvaguardar la protección del derecho de autor.

En la terminología jurídica, la expresión «derecho de autor» se utiliza para describir los derechos de los creadores sobre sus obras literarias y artísticas. Las obras que se prestan a la protección por derecho de autor van desde los libros, la música, la pintura, la escultura y las películas hasta los programas informáticos, las bases de datos, los anuncios publicitarios, los mapas y los dibujos técnicos.

Son muchas las bibliotecas, sobre todo las universitarias, que abordan el tema del plagio para informar a la comunidad académica. Por ejemplo, la Biblioteca de la Universidad de La Rioja hace un claro llamamiento a que no se plagie y se citen las fuentes, la Biblioteca de la Universidad de Extremadura ofrece información para evitar el plagio, la Biblioteca de la Universidad de Alcalá señala una serie de herramientas para evitar el plagio o la Biblioteca de la Universidad de Cantabria y la definición y sus consejos para evitar el plagio.

Plagiar es «Copiar en lo sustancial obras ajenas, dándolas como propias» (R.A.E.). Hay muchas modalidades de plagio y, por ejemplo, es plagio:

– Incluir frases, datos, imágenes de otros autores en un texto propio sin citar su origen.

– Resumir, adoptar o desarrollar una idea ajena sin citar su procedencia.

– Hacer pasar como propio un trabajo que ha sido escrito por otra persona.

– Presentar como si fuera nuevo un trabajo personal que ya hemos utilizado en otra ocasión.

– Copiar contenidos multimedia sin permiso y sin citar a los autores: música, vídeo, gráficos, etc.

Y es esto último (los consejos para evitar el plagio que nos ofrece la Biblioteca de la Universidad de Cantabria) lo que queremos compartir con todos vosotros para dar difusión, visibilidad e importancia al tema de evitar el plagio en los trabajos académicos y de investigación. En resumen, dichos consejos hablan de la importancia del aprendizaje y de la creación de conocimiento original, de las referencias bibliográficas y la citación de fuentes, así como del seguimiento de las reglas académicas en los trabajos.

10 consejos para evitar el plagio (Biblioteca de la Universidad de Cantabria)

  1. Un trabajo académico debe ser original porque sirve para dar cuenta de lo que tú has aprendido, descubierto o proyectado, en el marco de una asignatura o culminando una titulación.
  2. Un trabajo riguroso y solvente debe, además, estar documentado, es decir, ha de basarse en el conocimiento científico existente: teorías, ideas, conceptos, datos, normativa, estado del arte, etc.
  3. En tu trabajo puedes, por tanto, incorporar contenido de las fuentes de información ajenas en las que te basas, siempre que lo adviertas claramente, diferenciándolo del resto.
  4. La cantidad de información ajena que puedes incluir en tu trabajo depende de sus objetivos y metodología; consulta con quien te lo dirija; son distintos un estudio de revisión, un proyecto de ingeniería, etc.
  5. Hacer pasar por propias las ideas, frases o datos ajenos es plagio, viola las reglas académicas y el derecho de autor; cometer plagio te impide aprender, no te prepara como profesional y puede detectarse.
  6. Al consultar fuentes de información toma notas en un archivo intermedio para su análisis e identificación posteriores; no copies y pegues fragmentos directamente en tu trabajo.
  7. A menudo interesa recoger en el trabajo las ideas de una fuente de información; en este caso resúmelas con tus propias palabras, no con las que usa el autor, y cita la procedencia y autoría de las mismas.
  8. Si necesitas insertar en tu trabajo frases literales de una fuente de información, ponlas entre comillas, en cursiva o en un párrafo aparte sangrado, si es largo, y cita la procedencia y autoría.
  9. Para incluir en tu trabajo imágenes, gráficos o tablas con datos obtenidos de una fuente de información cita en el pie de la figura la procedencia y autoría: Fuente: …
  10. Para hacer todo esto oriéntate sobre las técnicas y estilos de citación bibliográfica; también puedes usar software bibliográfico. Consulta sobre estas cuestiones en la Biblioteca.
10 consejos para evitar el plagio

Imagen superior cortesía de Shutterstock

Fonte: ComunidadBTZ

USP avança em nova biblioteca a ser custeada com reparo por caixa 2

Faculdade de Direito da USP fez projeto para ocupar prédio de 14 andares em SP e espera verba de acordo entre Ministério Público e a CCR

Márcio Pinho, do R7

Prédio na Rua Riachuelo poderá ser acessado por passarela

Prédio na Rua Riachuelo poderá ser acessado por passarela

Divulgação/Paulo Bruna Arquitetos Associados

A Faculdade de Direito da USP projetou a construção de uma nova biblioteca em um prédio de 14 andares vizinho a sua sede. A construção é um desejo antigo e busca resolver um problema que se arrasta há anos, a falta de um espaço adequado para o acervo da faculdade, um dos maiores e mais relevantes do país com cerca de 500 mil volumes. Cerca de 200 mil exemplares irão para o novo prédio.

A biblioteca ficará no Edifício Cláudio Lembo, desapropriado em 2006 pela faculdade e que deveria ter recebido a área administrativa, mas está em condições precárias e foi embargado pela Prefeitura de São Paulo. O espaço pode ser acessado a partir da faculdade por meio de uma passarela que atravessa a Rua Riachuelo.

Ilustração da nova biblioteca

Ilustração da nova biblioteca

Divulgação/Paulo Bruna Arquitetos Associados

Um novo passo para tirar o projeto do papel foi dado no dia 5 de setembro, quando o governador João Doria declarou de utilidade pública uma área verde que deverá ser um espaço de convívio no novo complexo. A USP espera a conclusão da desapropriação para dar andamento à aprovação do projeto na prefeitura. A intenção é iniciar as obras em 2020.

A adaptação e instalação da nova biblioteca estão orçadas em cerca de R$ 33 milhões. Parte da verba – R$ 17 milhões – pode estar garantida por meio de um acordo fechado pelo Ministério Público de São Paulo e o grupo CCR. A empresa responsável por concessionárias de rodovias paulistas já começou a ressarcir os cofres públicos em mais de R$ 81 milhões em razão da prática de caixa dois em campanhas políticas. Pelo acordo com a Promotoria, parte da verba será destinada ao projeto da biblioteca. O dinheiro está sendo depoistado em juízo.

A gestão João Doria, porém, entrou na Justiça contra a homologação do acordo e e pode inviabilizar a doação. Segundo a Procuradoria Geral do Estado, a intenção é que a verba seja destinada aos cofres do governo. Em nota, a Procuradoria afirmou que “o governo estadual entende que a integralidade do valor do acordo feito pela CCR deve ser revertida para o tesouro do Estado, que então poderá decidir quanto à destinação dos recursos”.

Projeto

O projeto arquitetônico doado pelo escritório Paulo Bruna Arquitetos Associados foi inspirado em modernas bibliotecas como a da Universidade de Salamanca, na Espanha, e prevê uma grande reforma.

Serão criados espaços de leitura e estudos em grupo ao longo de sete andares, sendo um voltado a leitura de periódicos e conteúdo em tablets. Três níveis serão reservados ao acervo de livros. Os exemplares subirão às salas de leitura por meio de elevadores monta-cargas, o que permitirá maior controle e evitará furtos. Haverá ainda andares reservados à administração e um auditório.

Passarela liga Faculdade de Direito ao prédio onde será construída biblioteca

Passarela liga Faculdade de Direito ao prédio onde será construída biblioteca

Cecília Bastos/USP Imagens/Jornal da USP

Problema antigo

A nova biblioteca vai concentrar livros de áreas departamentais, como direito cível, criminal, etc, sendo parte para empréstimo e parte para consulta no local. Boa parte do acervo foi retirada em 2010 da sede da faculdade, o prédio histórico do Largo São Francisco, para que fossem abertas salas de aula. Eles foram levados a uma nova sede em um prédio na Rua Senador Feijó, o que gerou muitas críticas por parte dos estudantes que apontavam a falta de condições do espaço.

Projeto prevê salas de leitura e estudos

Projeto prevê salas de leitura e estudos

Divulgação/Paulo Bruna Arquitetos Associados

A crise foi amplamente noticiada pela imprensa, bem como imagens de obras encaixotadas atingidas por vazamentos. O edifício passou por reformas mas, ainda assim, não é considerado o espaço ideal para abrigar a biblioteca.

Segundo o diretor da faculdade, o professor Floriano de Azevedo Marques Neto, a mudança é “consensual” e esperada há anos.

O atual edifício, do começo do século passado, era um espaço de pequenos escritórios e não permite salas espaçosas próprias para uma biblioteca. A estrutura não é adequada para suportar o peso de uma biblioteca espalhada por vários andares. Além disso, seriam necessários 36 funcionários para tomar conta dos livros de todas as salas fossem ocupadas.

Marques Neto afirma que o projeto é importante não apenas para a comunidade acadêmica, mas para a população externa. Segundo ele, desde 2010, o público anual caiu de 100 mil para 15 mil.

“É a oportunidade de oferecer a toda a população acesso a principal biblioteca jurídica de São Paulo e aumentar a oferta de locais para estudo, não só para estudantes, mas também para visitantes. O projeto aponta para as bibliotecas do século 21, mais informatizadas”, diz Marques Neto.

Prédio que abriga acervo desde 2010

Prédio que abriga acervo desde 2010

Márcio Pinho/R7

Ainda sem saber o desfecho do imbroglio judicial sobre a verba da CCR, a administração da faculdade trabalha para adiantar o projeto. Um dos passos necessários será a aprovação do projeto nos órgãos de patrimônio histórico da cidade e do Estado de São Paulo. Isso porque o prédio histórico da faculdade é tombado, o que implica que intervenções no entorno também precisam ser autorizadas.

Acervo

A construção da nova biblioteca permitirá que o acervo histórico da faculdade fique no prédio do Largo São Francisco e seja melhor acomodado. Paralelamente, a faculdade organiza a digitalização dos exemplares.

A biblioteca foi criada em 1825 e é considerada a primeira pública de São Paulo. O acervo começou com doações dos vizinhos de prédio da faculdade na época. O Convento de São Francisco, por exemplo, doou suas coleções que datam de 1644.

A obra mais antiga em poder da faculdade é a versão original da Divina Comédia, de Dante Alighieri, de 1520. Trata-se de um exemplo de como o serviço não se restringe a um acervo dedicado somente às ciências jurídicas.

Fonte: R7 São Paulo

O novo conceito sobre as bibliotecas: 4.0

O novo conceito sobre as bibliotecas: 4.0

Os bibliotecários vêm se atualizando para acompanhar as tendências e tecnologias, afinal viver em uma era digital faz com que a busca por conhecimento seja constante. As ferramentas de trabalho mudaram, mas o conceito sobre as informações pode ser visto por diversos ângulos. A profissão está voltando à tona e tomando seu devido espaço no mercado.

Pensando em contribuir para fortalecer ainda mais esses profissionais a HUMUS está realizando o VIII Encontro de Bibliotecários Educacionais, que será realizado nos dias 23 e 24 de outubro de 2019, no Hotel Meliã Ibirapuera – São Paulo/SP. O evento contará com palestras de relevância para o mercado, como: Bibliotecas 4.0: Acervos virtuais e serviços em bibliotecas no futuro, por Cristiane Camizão; Como usar as redes sociais para atrair os estudantes para a biblioteca?, por Gabriela Pedrão; Workshop: Design Thinking para Bibliotecas, por Adriana Souza, entre outros assuntos imperdíveis.

As visitações as bibliotecas nas edições passadas foram um sucesso e se mantiveram. Acreditamos que as visitas inspiram e impulsionam, além das palestras com temas de extrema magnitude, você terá a oportunidade de consumar seus conhecimentos no dia seguinte, visitando uma biblioteca de excelência:  Biblioteca Telles, do Insper, conhecendo suas instalações e extraindo o melhor da gestão de Unidades da Informação (a visitação é limitada).

O CRB 8 apoia este evento e seus filiados possuem:

10% de desconto! Inscreva-se já!

Para mais informações e inscrições, acesse o site https://www.humus.com.br/enb

ou entre em contato: 11 5535.1397 | humus@humus.com.br

Biblioteca arrecada 382 livros para campanha “Cultura do bem: ler é divertido, escrever é apaixonante”

Livros paradidáticos foram doados para a Escola Estadual Professor Manassés Ephrain Pereira

A Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq/USP), por meio da Divisão de Biblioteca, arrecadou 382 livros paradidáticos, que foram encaminhados para a Escola Estadual Professor Manassés Ephrain Pereira. A entrega das obras ocorreu em 4 de setembro, na Biblioteca Central.

Os livros foram arrecadados durante a campanha “Cultura do Bem: Ler é divertido, escrever é apaixonante”, que se encerrou no dia 30 de agosto e foi realizada pelo colégio em parceria com a Esalq. A campanha teve como objetivo a arrecadação de livros paradidáticos, tendo em vista o desenvolvimento de habilidades e competências relacionadas à leitura, interpretação e produção de texto, estimulando o gosto dos alunos pela leitura e escrita e contribuindo na formação de princípios e valores para a construção da cidadania.

A entrega das obras contou com a presença da diretora Cláudia Roccia Zanão, coordenadora pedagógica Rosiene Lecione, professora Angela Sobreiro e alunas do colégio que está localizado no bairro Monte Líbano, em Piracicaba. Embora a ação tenha se concentrado no campus, teve a participação voluntária da comunidade externa, como o sebo Recanto dos Livros do Lar dos Velhinhos, que doou coleções completas de obras clássicas da literatura brasileira por meio da Sra. Madalena Tricanico, do Sr. João Umberto Nassif e da Sra. Vera Pereira Bueno Nassif.

Com informações da Divisão de Biblioteca da Esalq

Fonte: ESALQ/USP

Reparação de caixa dois ajudará em reforma de biblioteca histórica da USP

Acervo de livros raros da biblioteca da Faculdade de Direito/USP. Foto: Cecília Bastos/USP Imagem
À direita, prédio da Faculdade de Direito onde será instalada uma nova biblioteca. Local terá ligação direta com prédio histórico da faculdade, que está à esquerda – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Ministério Público Estadual indicou que empresa destinasse R$ 17 milhões para novo prédio da biblioteca da Faculdade de Direito, que abriga obras do século 16

Por: Hérika Dias

Um acordo entre o Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) e o grupo CCR, responsável por concessionárias de rodovias paulistas, poderá beneficiar a conservação do acervo histórico de livros da Faculdade de Direito (FD) da USP, na capital. O projeto de uma nova biblioteca receberá como doação R$ 17 milhões dos R$ 81,5 milhões que a empresa se comprometeu a pagar aos cofres públicos.

Segundo nota no site do MP, o valor se refere à reparação por doações irregulares em forma de caixa dois a campanhas de diversos partidos políticos, no período de 2009 a agosto de 2013.

Na primeira parcela, paga em março deste ano, o Estado recebeu R$ 33 milhões e o Fundo de Direitos Difusos e o Fundo de Perícias R$ 1,1 milhão cada. A segunda parcela repetirá esses valores e será paga em 2020, com correções.

Os R$ 17 milhões para a Faculdade de Direito já foram depositados em conta judicial, efetivando a doação, e o acordo foi homologado pelo juízo da 14ª Vara da Fazenda Pública. Mas, agora, aguarda-se a conclusão da fase de recurso, pois a Fazenda do Estado se opõe a que o dinheiro seja direcionado para a USP.

Floriano Marques Neto, diretor da Faculdade de Direito da USP – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

O acervo da Universidade é um patrimônio cultural do Estado e do País e aberto ao público. São cerca de 400 mil volumes. A obra mais antiga é a versão original da Divina Comédia, de Dante Alighieri, de 1520. Esse é um exemplo de como a biblioteca da FD não se restringe a um acervo dedicado somente às ciências jurídicas.

Sua origem explica a importância histórica. Ela foi a primeira biblioteca pública de São Paulo, criada em 1825. E seu acervo começou com doações dos vizinhos de prédio da faculdade: na época, o Convento de São Francisco doou suas coleções que datam de 1644. Para conhecer mais sobre o acervo, leia o texto ao lado:

MP acompanha a situação da biblioteca desde 2010

A “ajuda” do MP vem solucionar uma exigência que o próprio órgão estava fazendo à USP através de dois inquéritos civis: melhorar as condições de conservação e disponibilização do acervo histórico.

Desde 2010, a biblioteca da Faculdade de Direito remanejou grande parte do seu acervo que estava no prédio histórico para um outro edifício. A mudança foi ocasionada pela abertura de novas salas de aula. Só que o novo espaço não é adequado para receber uma biblioteca.

Há problemas para a conservação das obras e dificuldade de acesso para pessoas com limitação de mobilidade.

Parte do acervo da biblioteca da Faculdade de Direito de USP – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

É por isso que Marques Neto propôs ao MP que, em acordos como ocorreu com a CCR, houvesse a indicação de verbas para a biblioteca. “O Ministério Público do Estado de São Paulo está exercendo uma das suas competências: de coibir dano ao patrimônio e a condutas ilícitas, mas consagrando outra das suas funções, que é a proteção do patrimônio público e cultural”, destaca o diretor da FD.

Um lugar acessível para o acervo

O dinheiro destinado à Faculdade de Direito não cobre o valor total do projeto da nova biblioteca, que está orçado em R$ 30 milhões. “Toda a verba para a obra foi conseguida. Mas estamos negociando com outros doadores a parte de mobiliário, computadores e digitalização do acervo”, explica Floriano de Azevedo Marques Neto, diretor da FD.

O prédio que abrigará a nova biblioteca é próprio da faculdade, mas como ele é antigo, demanda uma grande reforma para ser utilizado. Segundo Marques Neto, o edifício está em condições precárias e embargado pela Prefeitura. “Ele tem um valor de construção elevado que não cabe no nosso orçamento [Faculdade de Direito] ou da Universidade, que tem passado por um grande esforço de contenção de despesas.”

O Edifício Cláudio Lembo, que abrigará a nova biblioteca, fica na Rua Riachuelo e terá ligação direta com a Faculdade de Direito. O projeto prevê seis salas de estudo, nove salas de leitura, auditório e área de café multiuso. No total, são 15 andares, cinco deles reservados para o acervo de acesso ao público e três para o acervo de uso restrito.

O projeto arquitetônico foi doado pelo escritório Paulo Bruna Arquitetos Associados. Toda a verba para a obra está garantida, segundo o professor Marques Neto. Agora, ele está negociando com doadores a viabilização da segunda parte da verba necessária para a reforma da biblioteca, que deve durar 24 meses, incluindo a implantação de mobiliário, rede de internet, computadores e digitalização do acervo.

Simulação mostra como ficará o novo prédio (em cinza) da biblioteca após a reforma do local – Foto: Paula Bruna Arquitetos Associados/Reprodução

“Tenho compromisso assumido perante a minha congregação de, pelo menos, digitalizar a parte do acervo de livros raros que, hoje, não é acessível ao público para livre consulta, mas estou buscando a digitalização de todo o acervo”, disse o diretor da FD.

Até agora, com o dinheiro destinado pelo MP e doadores, a faculdade conseguiu R$ 18 milhões, e ainda precisa de R$ 12 milhões. Os interessados em doar podem entrar em contato com a Faculdade de Direito pelo telefone (11) 3111-4000 ou e-mail fd@usp.br.

 

Esalq disponibilizará online e gratuitamente dissertações e teses defendidas desde 1966

Texto por Murillo Gomes, G1 Piracicaba e Região

Trabalhos produzidos na Esalq desde 1966 serão disponibilizadas online — Foto: Divulgação/Esalq
Trabalhos produzidos na Esalq desde 1966 serão disponibilizadas online — Foto: Divulgação/Esalq

A Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), de Piracicaba (SP), vai tornar pública digitalmente todas as teses e dissertações produzidas nos cursos de pós-graduação da universidade desde 1966 que não possuem impeditivos para serem publicadas. A iniciativa, de acordo com a chefe técnica de Divisão da Biblioteca da Esalq, Marcia Saad, é democratizar o conhecimento e levar para todo mundo as produções da universidade.

“O papel da biblioteca é o de disponibilizar aos seus usuários aquilo que os beneficie de todas as maneiras. Como nós entendemos que nosso usuário não é só o que está aqui, no campus, mas em todo o mundo, tudo aquilo que for possível e legal em relação aos direitos autorais, nós vamos usar”, explica Marcia.

5.079 teses e dissertações

No início dos anos 2000, a política do campus da Universidade de São Paulo (USP) de Piracicaba passou a ser de que todas as produções fossem disponibilizadas em dois formatos. O impresso, que seria encaminhado para a biblioteca, e o digital, para ficar nos arquivos da universidade. Hoje em dia já existem trabalhos que são entregues apenas no formato eletrônico.

Antes disso, porém, a Esalq recebia apenas projetos impressos. De 1966, ano em que ocorreu a primeira defesa em um curso de pós-graduação da universidade, até 2000, foram produzidas 5.079 teses e dissertações, que agora estarão disponíveis no site da universidade gratuitamente. A previsão, segundo Marcia, é que esse processo seja concluído até 2021.

Trabalhos poderão ser encontrados na biblioteca do campus ou de forma online — Foto: Divulgação/Esalq
Trabalhos poderão ser encontrados na biblioteca do campus ou de forma online — Foto: Divulgação/Esalq

Trabalho detalhista

O projeto começou de fato em 2018, e o longo prazo para ser concluído se justifica. Com a ideia de disponibilizar todas as teses e dissertações, surgiram também os desafios, como lidar com recursos limitados para a execução. Foi necessário, então, criar um projeto para organizar o processo e fazer com que todos os profissionais disponíveis ajudassem a executá-lo. Ao todo, 22 funcionários técnicos estão envolvidos, além de profissionais de outros setores.

Antes de um trabalho ser digitalizado, o técnico analisa todos os detalhes para que nada seja perdido. Detalhes esses que vão de carimbos, fotos e anexos até anotações a lápis incluídas pelo autor na obra original.

“Por uma iniciativa própria nossa, decidimos digitalizar essa parte retrospectiva, que não estava disponível em digital. Como hoje existe uma política de a universidade estar aberta aos seus conteúdos, sem precisar pagar, resolvemos fazer isso com relação a essas teses. É um trabalho detalhista”, explica a chefe técnica da biblioteca da Esalq.

Pouco mais de 2.000 desses trabalhos já foram digitalizados. Eles ainda passam pelo processo de edição, submissão e, enfim, são encaminhados para a equipe que os disponibiliza digitalmente. Cerca de 500 teses e dissertações anteriores aos anos 2000 e que tinham acesso restrito ao acervo da biblioteca em Piracicaba já estão disponíveis no site da USP.

“Colocar tudo que é conhecimento científico produzido na universidade em acesso aberto. Esse é o nosso objetivo”, conclui Marcia.

Como acessar

Todo o acervo de teses e dissertações digitais da USP está disponível no site da biblioteca digital da universidade. É possível buscar trabalhos pelo ano em que foram defendidos, a área de conhecimento, autor, nível de graduação, orientador ou unidades. O acesso é gratuito e pode ser feito por qualquer pessoa. Atualmente, já existem mais de 5 mil teses e dissertações da Esalq, somando as que foram produzidas já na era digital, disponíveis aos interessados.

Teses da Esalq estão disponíveis gratuitamente na biblioteca digital da USP — Foto: Gerhard Waller - ESALQ/DvComun
Teses da Esalq estão disponíveis gratuitamente na biblioteca digital da USP — Foto: Gerhard Waller – ESALQ/DvComun

Fonte: G1 Piracicaba e Região

Proposta condiciona avaliação de universidades ao cadastro de suas bibliotecas

O projeto de lei 3330/19 condiciona a avaliação da infraestrutura das instituições de ensino superior ao cadastro das bibliotecas institucionais junto ao órgão responsável pela gestão de cultura no governo federal.

Najara Araujo/Câmara dos Deputados
Lançamento da Frente. Dep. Mário Heringer (PDT - MG)
Heringer: objetivo é permitir que o usuário possa encontrar bibliotecas mais facilmente

O objetivo do projeto é evitar o subregistro atualmente existente em relação às bibliotecas universitárias no Sistema de Bibliotecas Públicas. Esse sistema, vinculado à Secretaria Nacional de Cultura, é um banco de dados virtual que oferece ao cidadão a possibilidade de consulta por nome da biblioteca, unidade da federação, município, área de especialidade da biblioteca ou tipo de biblioteca.

“O objetivo do Sistema é o de permitir ao usuário encontrar todas as bibliotecas existentes em uma determinada localidade, filtrando-as pelas categorias mencionadas. Ainda que seu nome indique tratar-se de um sistema exclusivo para bibliotecas públicas, seu objetivo muito mais amplo é o de prover ao País um verdadeiro inventário das bibliotecas existentes no território nacional”, explica o deputado Mário Heringer (PDT-MG), autor da proposta.

Tramitação
O projeto, que tramita conclusivamente, será analisado pelas comissões de Educação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Ana Chalub

Tendencias en las bibliotecas universitarias en 2019

wiscelmathclass

 

2019 Environmental Scan. Chicago: ACRL Research Planning and Review Committee March 2019

Texto completo

Cada dos años, el Comité de Planificación y Revisión de la Investigación de la ACRL publica un estudio del entorno de la educación superior, que incluye desarrollos con el potencial de tener un impacto continuo en las bibliotecas universitarias. El escaneo ambiental de 2019 ofrece una amplia revisión del panorama actual de la educación superior, con especial atención a la situación de las bibliotecas universitarias y de investigación. El documento se basa en informes anteriores de la ACRL, incluyendo los Top Trends in Academic Libraries, publicados cada dos meses de junio en C&RL News.

Muchos temas en este campo están en un estado de cambio permanente. El análisis de este año se centra en gran medida en los desarrollos del último dos años (2017 y 20018) en temas centrados principalmente en Estados Unidos, y se basan en las tendencias principales y eventos notables que pueden indicar cambios más importantes en el futuro.

Colecciones y Espacio

Los bibliotecarios universitarios continúan adaptando nuevas tecnologías, servicios y enfoques para apoyar el aprendizaje de los estudiantes. Las bibliotecas se enfrentan a una presión constante por el espacio a medida que el campus demanda bienes raíces y las bibliotecas tratan de ampliar los servicios que albergan. Los espacios de las bibliotecas siguen disminuyendo en el lugar al cambiar a formatos no materiales (e-books y e-journals); purgar; o mover los materiales impresos a almacenamiento fuera del lugar dedicado a biblioteca, todo lo cual puede dar cabida a nuevos servicios y espacios para el estudio. Las renovaciones del espacio son generalmente positivas, aunque en muchos casos los estudiantes y el profesorado pueden reaccionar negativamente a los cambios en el acceso a las colecciones de la biblioteca. Cuando los administradores de la biblioteca de la Universidad de Virginia buscaron reducir las estanterías principales de la biblioteca en aproximadamente un 50%, más de 500 profesores y los estudiantes firmaron una carta abierta protestando por los cambios planeados en la biblioteca. a renovación los planes serán presentados a la Asamblea General de Virginia en 2019 para su aprobación y financiación. Es es probable que muchas bibliotecas estén pendientes de la resolución de esta situación.

El ejemplo de la Universidad de Virginia pone de relieve la importancia de involucrar a las partes interesadas al considerar la renovación de las bibliotecas y la incorporación de nuevos servicios que puedan afectar el uso de las colecciones por parte de los estudiantes y los profesores. Los bibliotecarios están desarrollando y aplicando métodos disciplinarios diferenciados de deselección de libros en áreas monográficas intensivas. Estos métodos pueden ayudar a los bibliotecarios a ofrecer colecciones de alta calidad para estudiantes y profesores de humanidades. Además de mantenerse al tanto de los avances tecnológicos, las bibliotecas también deben tener en cuenta los recientes estudios que muestran que los estudiantes prefieren las obras impreas para ciertos tipos de investigación. Mantener una variedad de formatos para satisfacer las necesidades de los estudiantes y el profesorado. es probable que sigan siendo necesarias para apoyar el currículo y la investigación.

Los makerspaces son un servicio muy popular a las bibliotecas académicas. Un estudio reciente investigó la importancia de los laboratorios de fabricación en las bibliotecas universitarias, o espacios de innovación. Los datos recopilados de los directores de las bibliotecas revelaron que los principales objetivos y beneficios para el aprendizaje de los estudiantes son los siguientes: La razón para crear espacios de creación era “promover el aprendizaje y la alfabetización”, pero no se ocupaba de impactos sobre las colecciones y la investigación. Los desafíos acompañan el desarrollo de nuevos y costosos productos, servicios bibliotecarios no tradicionales, especialmente en términos de impacto en las prioridades presupuestarias de la biblioteca y cambios en el tipo de expertos que se necesitan para gestionar los espacios de los fabricantes y otros nuevos servicios digitales.

Además, los gestores de la biblioteca están considerando cómo las nuevas configuraciones del espacio de la biblioteca pueden beneficiar el ambiente de aprendizaje de los estudiantes. Considerando el espacio como un servicio. Los bibliotecarios deben tener en cuenta la demografía estudiantil y los diferentes estilos de aprendizaje, así como la necesidad de coordinar con el profesorado de la universidad, que también tiene interés en la forma en que se desarrollan los entornos estudiantiles y los servicios tecnológicos.

Alfabetización informacional

Los bibliotecarios continúan asociándose con los integrantes de los campus y respondiendo a los desarrollos curriculares y a los nuevos enfoques pedagógicos en el campus. Algunos ejemplos incluyen extensión e instrucción a programas de primer año, incorporando diferentes teorías de aprendizaje tales como el aprendizaje activo, y experimentando con técnicas de formación incluyendo el aprendizaje de servicio. Los bibliotecarios han estado trabajando para integrar los conceptos de umbral en la práctica. Una búsqueda en el La base de datos Library Literature and Information Science devuelve más de 40 artículos publicados desde el 1 de enero de 2009. La gran cantidad de publicaciones sobre este tema demuestra el compromiso de los bibliotecarios con la evolución del debate sobre la adquisición de conocimientos básicos de información y la difusión de sus conclusiones a la profesión en general. Algunos ejemplos incluyen técnicas prácticas para incorporar el Framework for Information Literacy for Higher Education de manera significativa

Tiempo para obtener un título y acceso a la universidad

Las universidades están encontrando nuevas formas de abordar el costo de la educación superior. Entre ellos se encuentran los programas acelerados, como los programas de maestría de quinto año (también llamados programas de maestría de cinco años, programas de doble titulación y programas de maestría acelerada). Estos programas generalmente sirven para varios propósitos: reducir el tiempo de obtención de un título de maestría, mantener a los estudiantes de maestría en la misma institución en la que completan su licenciatura, y brindar oportunidades de investigación a los estudiantes en etapas más tempranas de sus carreras universitarias. Los programas de grado se ofrecen en una variedad de disciplinas, desde las artes y el inglés, hasta los negocios y la educación. Estos programas pueden tener un impacto en la manera en que los bibliotecarios abordan la enseñanza y el aprendizaje al crear la necesidad de investigación más avanzadas en una etapa anterior de la carrera de pregrado y en la de aulas que pueden contener una mezcla de estudiantes graduados y no graduados.

Datos sobre el éxito de los estudiantes

Los colegios y universidades están trabajando para mejorar la retención de estudiantes y los servicios a través del análisis de datos masivos. Debido a que muchas instituciones de educación superior recopilan datos de los cursos de los estudiantes y otros tipos de participación, existe la oportunidad de utilizar esta información para beneficiar a los estudiantes. Un ambicioso ejemplo de cómo utilizar las bibliotecas que utilizan datos de los estudiantes es el estudio de The Greater Western Library Alliance, que utilizó los datos de los estudiantes de varias instituciones para evaluar el impacto de la enseñanza de conocimientos básicos sobre la información en el aprendizaje de los estudiantes.Un estudiante de las Bibliotecas de la Universidad de Florida Central realizó un seguimiento de los carnés de identidad de los estudiantes a través de cinco puntos de servicio. Aunque los datos tenían la intención de conectarse con un estudio más amplio del campus, la biblioteca pudo aprender sobre cómo los estudiantes usaban sus servicios, incluyendo que habitualmente sólo usaban uno de los cinco. Asesores académicos también están interesados en cómo se pueden aprovechar los datos y la tecnología para apoyar mejor a los estudiantes. Algunos han expresado su preocupación por el hecho de que los colegios y universidades deben seguir siendo transparentes en cuanto a la forma en que la información se recopila y utiliza. Será importante ver investigaciones adicionales reunidas en el área de los Big Data y el entorno de aprendizaje de los estudiantes, así como la forma en que esos avances afectan las colecciones y servicios de la biblioteca a medida que avanzamos.

Equidad, diversidad e inclusión

Durante varias décadas, las instituciones de enseñanza superior y las organizaciones profesionales, incluidas la American Library Association y la Association of College and Research Libraries, han reconocido y puesto en marcha iniciativas en los ámbitos de la equidad, la diversidad y la inclusión (EDI). Como conceptos, la equidad asegura oportunidades equitativas para las poblaciones históricamente subrepresentadas en el acceso a las oportunidades de educación y empleo; la diversidad abarca las características distintivas de cada individuo y reconoce y valora las diferencias en los atributos externos e internos; y la inclusión busca fomentar un ambiente de trabajo o de educación inclusivo en el que todas las personas estén representadas

Los eventos en las recientes reuniones de la ALA confirman que las declaraciones y los códigos de conducta son un punto de partida y no de llegada, y que en la biblioteconomía -en nuestras organizaciones profesionales y en nuestros lugares de trabajo- aún queda mucho por hacer para crear un entorno equitativo, diverso e inclusivo para nosotros mismos y para el público en general. nuestros usuarios de la biblioteca.

Neutralidad bibliotecaria y libertad de expresión en el campus

El concepto de neutralidad en las bibliotecas, y en particular la idea de que los bibliotecarios deben aspirar a proporcionar igual acceso a los materiales de todos los puntos de vista y tratar las consultas de todos los usuarios como si fueran iguales independientemente de la intolerancia que pueda expresarse, ha sido debatida durante bastante tiempo. Comentaristas de varias posiciones han considerado el tema desde la década de 1960.73 Sin embargo, el el debate sobre la neutralidad como valor de la biblioteca ha resurgido en las discusiones profesionales con un la nueva urgencia, debido en parte al actual clima político polarizado de los Estados Unidos y a la pronunciada visibilidad y resurgimiento de los grupos de odio. Cuestiones sobre si la neutralidad es un valor esencial para mantener la libertad intelectual, así como la imposibilidad de que la neutralidad sea una opción que se puede “elegir”.

Acceso Abierto

En el ámbito del acceso abierto, que evoluciona continuamente, los datos recientes ponen de relieve los diferentes enfoques entre académicos e instituciones de países europeos y de los Estados Unidos. De acuerdo con el datos sobre las publicaciones de acceso abierto de la Comisión Europea, el porcentaje de publicaciones verdes abiertas el acceso en los países de la Unión Europea (UE) oscila entre el 11,2% (Lituania) y el 28,1% (Bélgica) y el porcentaje de acceso abierto oro oscila entre el 7,4% (Francia) y el 20,2% (Letonia). Durante su estancia en EE.UU., el acceso abierto verde es del 29,1% (más alto que el país de la UE con el porcentaje más alto de acceso verde). OA y el acceso abierto en la ruta dorada es del 7,0%. 80 (más bajo que el país de la UE con el porcentaje más bajo).

Cancelaciones del Big Deal

Una vez vistas como una oportunidad para ahorrar costes, muchas bibliotecas creen ahora que los paquetes “Big Deal”, que agrupan una amplia gama de revistas de un editor en un solo contrato, conllevan aumentos de precios insostenibles y pueden incluir el pago de contenido de baja relevancia o calidad. Como tal, muchos están sopesando los posibles costos y oportunidades de cancelar sus suscripciones a Big Deal.

Infraestructura de propiedad comunitaria y repositorios institucionales

El 2 de agosto de 2017, Elsevier anunció la adquisición de bepress.92 Bepress- Berkeley Electronic Press- es el producto y proveedor de servicios más dominante en Norteamérica para repositorios institucionales. La adquisición posicionó a Elsevier como uno de los principales, si no el más importante, actor individual en el panorama de los repositorios institucionales. La onda expansiva en toda la comunidad bibliotecaria y cientos de instituciones que usan Digital Commons para apoyar su esfuerzo de acceso abierto en el campus despertó la noticia de que sus servicios e infraestructura de repositorio eran ahora propiedad de Elsevier.

Evaluación de la investigación y métricas

El panorama general de las mediciones y evaluaciones de la investigación ha permanecido en gran medida inalterado a lo largo de los años. en los últimos años. Sigue habiendo competencia entre las instituciones por los investigadores, los estudiantes y la financiación en particular, pero no exclusivamente. Las mejores universidades se centran cada vez más en los rankings. Dos de los sistemas de clasificación de universidades más conocidos se centran en un 40%. de los indicadores de resultados sobre la producción de la investigación (es decir, reputación, volumen y financiación) de de las instituciones y la influencia de la investigación (es decir, el número de citas) del profesorado. Este énfasis en las clasificaciones objetivas ha llevado a confiar en las métricas cuantitativas para evaluar a las instituciones y a sus investigadores.

Conclusión

La amplitud del panorama que afecta a las bibliotecas en la educación superior puede ser desalentadora, pero tiene un importante impacto sobre nuestros estudiantes, académicos y colegas. Cambios alrededor y dentro de las bibliotecas puede parecer lentos o radicaless dependiendo de la perspectiva de cada uno y nivel de conciencia. La demografía puede cambiar lentamente hasta que haya un punto de inflexión dramático. Las presiones para los diferentes usos de los espacios pueden aumentar con el tiempo, hasta que la financiación pueda ser asegurada pueden coger a los usuarios de sorpresa, si no han sido bien comunicados. Los cambios en el clima político pueden traer nuevas presiones a los campus y a las universidades. forzar duras discusiones que se han evitado durante muchos años. Y el lento ritmo de la diversidad hace que los esfuerzos sean un recordatorio para trabajar más intensivamente. Los acontecimientos en el tema del OA pueden parecer radicales pero en este tema se lleva años de campañas y trabajo duro. Es imperativo que los bibliotecarios seamos conscientes de los entornos más amplios de los estudiantes, la pedagogía y las políticas de la educación superior, las editoriales y los medios de comunicación investigación que les permitan participar en lugar de limitarse a responder.

Fonte: Universo Abierto

¿Las bibliotecas universitarias están siendo subutilizadas?

libri-1

Cohen, Dan. The Books of College Libraries Are Turning Into Wallpaper. The Atlantic, 2019

Texto completo

La narrativa que rodea a las bibliotecas en 2019 es en gran medida positiva. El uso de bibliotecas públicas entre los millennials, y los beneficios de las bibliotecas como espacios públicos han sido reconocidos por una gran cantidad de escritores y pensadores. Todo lo cual es una gran noticia para quienes apreciamos la existencia y el potencial de una buena biblioteca.

Pero en un nuevo artículo para The Atlantic , Dan Cohen, el vicerrector de Northeastern University, señala una importante excepción a esta tendencia positiva: las bibliotecas universitarias. “Las bibliotecas universitarias de todo el país, y de todo el mundo, están asistiendo a una disminución importante en el uso de los libros”, escribe Cohen.

Las estadísticas de circulación de la biblioteca de Yale supuso un hecho inquietante: había habido una disminución del 64 por ciento en el número de libros que sacaron los estudiantes de Bass Library durante la última década. Yale no es un caso aislado. La Universidad de Virginia, una de nuestras grandes universidades públicas y una institución que comparte abiertamente estadísticas detalladas de circulación de sus bibliotecas de los 20 años anteriores, es un buen caso de estudio. Los estudiantes universitarios de la UVA sacaron 238,000 libros durante el año escolar hace una década; el año pasado, ese número se había reducido a solo 60,000 . En general, en toda su red de bibliotecas, UVA circularon 525,000 libros durante el año escolar 2007–08, pero el año pasado solo hubo 188,000 préstamos, casi se sacaron 1,000 libros menos al día.

El declive en el uso de libros impresos en las universidades se relaciona con el tipo de libros que leemos con fines académicos en lugar de por puro placer, el aumento de libros electrónicos y artículos digitales, y el entorno cambiante de la investigación. Y va en contra de la experiencia de las bibliotecas públicas y las librerías, dónde el formato impreso sigue prosperando.

Cohen señala que estos cambios se deben en parte a un aumento de la investigación disponible en línea, así como al aumento de la popularidad en los espacios comunitarios en las bibliotecas universitarias. La evolución de cualquier tipo de instalación a menudo es causa de un análisis de la importancia que se concede al espacio; determinar lo que es importante para las bibliotecas universitarias en 2019, y cómo las bibliotecas de investigación difieren de las bibliotecas públicas, es una discusión que vale la pena tener en cuenta.

Al mismo tiempo que los libros permanecen cada vez más inactivos, los espacios de las bibliotecas siguen siendo más vibrantes (la Biblioteca Snell en Northeastern ahora recibe más de 2 millones de visitas al año) como zonas para un estudio más centrado en la colaboración dinámica, y como sitios de una gama cada vez más amplia de actividades y formas de creación y expresión de conocimiento, que incluyen, también mucho cosas más allá de la palabra impresa.

Fonte: Universo Abierto

Curso – Biblioteca Universitária: qualidade e avaliações do MEC 120 Horas (ATUALIZADO)

OBJETIVO

Capacitar os profissionais da área, através do entendimento de toda dinâmica reguladora de Ensino Superior do MEC e contextualização da Biblioteca Universitária nos processos de credenciamento e recredenciamento Institucional, processos de autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos

METODOLOGIA

Videoaula expositiva dos conteúdos. Leitura de textos, documentos e legislação. Discussão e trocas de experiências em fóruns.

PÚBLICO ALVO

Bibliotecários, estudantes de Biblioteconomia e demais profissionais interessados em aperfeiçoar os conhecimentos nos processos avaliativos do MEC.

Mais informações e inscrições: https://classcursos.com/cursos/biblioteca-universitaria-qualidade-e-avaliacoes-do-mec/?fbclid=IwAR06biWZXsSWqgTlF7VeZg1i2OXfAqwab2HCZmPeweXONXCRCR6fBGLiYbY

Concurso público reforça a importância do acesso à biblioteca de faculdade

Autor: Marli Popolin

A bibliografia exigida é cada vez maior e, nas vagas para nível superior, por exemplo, os livros técnicos são de difícil acesso a maioria dos concurseiros

Uma alternativa para acesso aos livros é oferecida pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo que, diferente de outras instituições de ensino superior, pratica uma política de portas abertas de sua biblioteca. Crédito: FECAP
Depois de um período de paralisação, os concursos públicos reabrem em diversos estados e munícipios, com oportunidades para profissionais de todos os níveis de escolaridade. Somente em maio, 164 concursos públicos estão com inscrições abertas.

Alguns deles podem ser comparados a um vestibular e os candidatos precisam estar muito bem preparados para a disputa. A bibliografia exigida é cada vez maior e, nas vagas para nível superior, por exemplo, os livros técnicos são de difícil acesso a maioria dos concurseiros.

Uma alternativa para acesso aos livros é oferecida pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo que, diferente de outras instituições de ensino superior, pratica uma política de portas abertas de sua biblioteca. Com isso, qualquer pessoa pode usufruir do seu acervo, que vai muito além das obras de Direito.

O concurseiro Vinícius Marinho Minhoto é um assíduo frequentador da biblioteca da Direito SBC. “Estou me preparando para passar em concurso da Procuradoria do Estado de São Paulo e na biblioteca da Faculdade tenho acesso a livros que dificilmente são encontrados em bibliotecas públicas e que também não estão disponíveis em meio digital. Para adquiri-los, precisaria desembolsar uma pequena fortuna”, explica Vinícius, que é Procurador do Município de Taboão da Serra.

POLÍTICA DE PORTAS ABERTAS
“Atendemos nossa comunidade acadêmica e os demais interessados que nos procuram diariamente, utilizando nossos serviços para estudarem. O espaço conta com um acervo de aproximadamente 65 mil itens, além de outros serviços diversificados, como bases de dados digitais, repositório institucional com produções acadêmicas da comunidade, portal de periódicos e demais fontes de pesquisa. Com isso, esperamos cumprir uma das missões da biblioteca que é transmitir conhecimento a toda comunidade”, explica o Chefe da Seção de Biblioteca, Documentação e Pesquisa, Dirceu Alves de Oliveira.

O acervo da biblioteca da Direito SBC inclui livros, periódicos (impressos e digitais) e obras raras. Somente em 2018, 66 mil atendimentos entre empréstimos e renovações. Para priorizar o atendimento, a biblioteca conta com equipe de três bibliotecários e seis oficiais administrativos, que orientam e, inclusive, indicam obras que correspondam diretamente ao tema buscado pelo usuário.

OBRAS ABRANGEM MUITAS ÁREAS DO CONHECIMENTO
Além das obras acadêmicas destinadas ao estudo do Direito, a biblioteca possui títulos sobre outras áreas do conhecimento como Economia, Política, Sociologia, Filosofia e também Literatura brasileira e internacional. É possível, ainda, ter acesso ao catálogo completo pelo site da instituição – http://aleph.direitosbc.br/F .

Fonte: ABCdoABC 

Laboratório em Presença Social

No dia 24 de maio, acontece na Biblioteca do Campus Sorocaba (B-So) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) o “Laboratório em presença social”, espaço para a superação das diferenças e a valorização da humanidade do tecido social coletivo. O intuito é permitir que as pessoas experimentem uma conexão profunda, para além das diferenças aparentes, cocriando a teia da vida a cada instante.

A vivência no Laboratório se relaciona com a disciplina Teoria Geral do Turismo I, ministrada pelo professor Cesar Ferragi, do Departamento de Geografia, Turismo e Humanidades (DGTH-So) e também coordenador da atividade. A iniciativa visa criar oportunidades para a prática da curiosidade e da criatividade, do respeito e do cuidado, permitindo e acolhendo a vulnerabilidade, o não saber, o não controle. A ação terá a presença da facilitadora Daniela Kolhy Ferraz, que irá propor movimentos intencionais para a cocriação de um sistema social sadio, com vistas a sensibilizar os participantes a respeito da importância de estarem atentos ao campo social.O encontro é gratuito e aberto às pessoas interessadas, mas as vagas são limitadas. As inscrições devem ser feitas entre os dias 16 e 23 de maio, por meio do preenchimento deste formulário online (http://twixar.me/ts1n). O “Laboratório em presença social” acontece das 9 às 13 horas, na Sala Multiuso 1 da B-So. Mais informações estão disponíveis no site da Biblioteca (www.bso.ufscar.br).

Fonte: JE ONLINE 

Faculdade de Direito restaura obra rara do século 17

Projeto de restauração e pesquisa histórica recuperou a “Opera Omnia” de Duns Escoto, datada de 1639

Texto por Claudia Costa

Além de ser restaurada, a edição da Opera Omnia, de Duns Escoto, datada de 1639, que faz parte do acervo da Faculdade de Direito da USP, foi submetida a processos químicos e físicos que comprovaram a procedência do papel e as técnicas de confecção dos 12 volumes da coleção – Foto: Divulgação/IF-USP

Possivelmente uma das únicas coleções completas do mundo, a Opera Omnia do filósofo e teólogo medieval João Duns Escoto (1265-1308), publicada em 1639 em 12 volumes, está sob a guarda da biblioteca da Faculdade de Direito da USP – o conjunto de livros da mesma edição encontrado no Canadá tem apenas cinco volumes, e outro, da biblioteca da Universidad Complutense de Madrid, seis. Antes em estado de conservação bastante comprometido – alguns volumes estavam infestados de micro-organismos e outros tinham muitas das folhas soltas –, a obra passou por um processo de recuperação, que incluiu uma pesquisa histórica sobre as técnicas adotadas em sua confecção.

Foram três anos desde a aprovação do projeto de reparação da obra, em 2016, até sua conclusão, em janeiro deste ano. Maria Lucia Beffa, chefe técnica da biblioteca da Faculdade de Direito da USP, explica que a política da biblioteca está baseada na mínima intervenção sobre as obras, ou seja, o restauro é feito apenas quando elas correm algum risco de perda, que era o caso da coleção de Duns Escoto. Segundo ela, na década de 30 foi criada uma sessão de encadernação na Faculdade de Direito que, muito provavelmente, fazia também restaurações com as técnicas da época. “Eu li nos relatórios que estavam restaurando os livros dentro das melhores técnicas, porém não dá para afirmar que esses livros não tenham sofrido intervenções anteriormente”, conta. Maria Lucia lembra que alguns dos 12 volumes apresentavam praticamente todas as folhas soltas, e outros nem dava para abrir. “O estado da obra, sua origem e valor histórico levaram à decisão por sua recuperação”, afirma.

Os volumes chegaram ao ateliê da restauradora Julita Azevedo, responsável pelo projeto de restauração da obra, com as páginas muito deterioradas – Foto: Juvenal Pereira

Segundo o professor José Carlos Estêvão, do Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, essa coleção do século 17 é a primeira edição da obra completa de Duns Escoto. Estevão conta que ela foi adquirida pouco antes da fundação da Faculdade de Direito, ocorrida em 1827, quando o então governo provincial comprou toda a biblioteca do Convento dos Franciscanos, com cerca de 5 mil volumes – um número expressivo para a época –, que formaram o núcleo inicial da biblioteca da faculdade. Entre as obras adquiridas estava a a coleção do pensador medieval.

O túmulo de Duns Escoto na Catedral de Köln, na Alemanha – Foto: Roberto C. G. Castro

É uma edição muito bonita, com excelentes ilustrações. Era absolutamente necessário restaurá-la porque continua sendo muito importante para os estudos de História da Filosofia Medieval”, afirma Estevão, que leciona essa disciplina. Há cerca de dez anos, segundo ele, os alunos usavam essa edição da biblioteca da Faculdade de Direito, mas atualmente, para preservá-la, utilizam uma edição fac-similar do acervo da Biblioteca Florestan Fernandes da FFLCH. O professor ainda informa que há uma nova edição completa das obras de Duns Scoto, contendo de 25 a 30 volumes, sob coordenação da Editora do Vaticano. Parte dessa nova coleção está disponível na biblioteca da FFLCH.

Duns Escoto é um filósofo e teólogo da tradição escolástica, que deve ter nascido por volta de 1265 (a data é incerta) e morreu em 1308, sendo beatificado em março de 1993 pelo papa João Paulo II. “Duns Escoto era um franciscano que se opunha, na época, frontalmente aos dominicanos, e isso quer dizer que ele formulou uma filosofia fortemente oposta à de Tomás de Aquino”, explica o professor. Cada um tem enfoques totalmente diferentes sobre a relação entre a razão e a fé. “São extraordinariamente respeitosos da racionalidade filosófica segundo as concepções aristotélicas, prevalecentes naquele momento, na Idade Média latina”, diz Estêvão.

Muito influenciado por Duns Escoto, Guilherme de Ockham, apesar de próximo das suas concepções, o criticou muito e construiu uma outra concepção filosófica bastante diversa e com uma importância histórica enorme”, continua o professor. No fim do século 14 e começo da Modernidade, pode-se dizer, segundo Estevão, que existe na escolástica medieval três filosofias: a de Tomás de Aquino, a de João Duns Escoto e a de Guilherme de Ockham. “Os três com concepções filosóficas que se afastam muito uma da outra, mas que são absolutamente determinantes para todo o desenvolvimento da filosofia posterior”, ressalta. Escoto tem também um impacto na filosofia contemporânea, diz o professor, citando o alemão Martin Heidegger e o francês Gilles Deleuze como dois grandes filósofos do século 20 que se dedicaram ao estudo de seu pensamento.

Processo de restauração

O projeto contemplava não só a recuperação da Opera Omnia de Duns Escoto, mas ia além, incluindo a pesquisa histórica sobre a manufatura dos livros. A conservadora e restauradora Julita Azevedo, responsável pelo trabalho, conta que, sabendo do valor histórico da obra, dividiu sua proposta – escolhida entre outros dois projetos – em dois eixos: a conservação e restauração dos livros e a pesquisa histórica sobre a manufatura dos volumes. A intenção era, principalmente, descobrir onde havia sido feito o papel usado no livro, quais eram as fibras desse papel e quais eram os elementos químicos das tintas usadas na impressão, visando a aprofundar o conhecimento referente às técnicas de confecção.

Primeiro, em seu ateliê, os volumes foram encaminhados para numeração das páginas e mapeamento dos cadernos, a fim de evitar problemas de ordenamento do material. Julita conta que, no material original, as folhas não foram numeradas (a sequência era marcada repetindo na página a última palavra da página anterior) e não havia capa – somente quase um século depois é que se fez a encadernação. Os livros foram então desmontados e higienizados folha por folha. Os bifólios (duas folhas unidas que, dobradas, vão formando o caderno) foram carcelados (a carcela é uma tira de papel japonês que é colada no centro do bifólio e serve para deixar o local mais resistente, pois é a área em que passa a linha da costura) e escaneados para recorte dos enxertos. Em seguida, foram restaurados com papel japonês, remontados e costurados seguindo a mesma técnica usada no passado, com cadarço de pergaminho, além do uso de uma cola neutra produzida pela própria Julita a partir de técnicas japonesas.

No ateliê da restauradora Julita Azevedo foi desenvolvido um novo processo de reconstituição do suporte através de uma máquina Scancut – Foto: Juvenal Pereira

Segundo Julita, a maior parte do tratamento foi realizada a seco. “Das mais de 5 mil folhas da coleção, apenas 2% foi submetida a um banho aquoso”, informa. A novidade, diz, está no desenvolvimento de um novo processo de reconstituição do suporte através da utilização de uma máquina Scancut. Muito utilizada em empresas de comunicação visual, essa máquina, de grandes dimensões, ganhou uma versão japonesa compacta para fins de produção artesanal, que serviu como um scanner que, além de copiar a imagem, depois de um trabalho no Photoshop, recortava o papel na forma exata para os enxertos da parte danificada das folhas. “O primeiro livro demorou seis meses para ficar pronto, e os demais levaram cerca de dois meses, agilizando o processo e com um resultado mais perfeito”, relata, lembrando que cada volume teve dificuldades peculiares para ser restaurado.

Dois volumes, que tinham maior nível de deterioração, foram enviados para o Centro de Tecnologia das Radiações (CTR) do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), a fim de serem submetidos à irradiação de cobalto para tratamento de desinfestação. Depois, foi feito um procedimento chamado análise de composição fibrosa, realizado no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). Três fragmentos do papel foram submetidos a uma avaliação segundo norma da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). As amostras foram desagregadas, colocadas sobre uma lâmina de microscópio e coloridas com reagente químico, permitindo a obtenção de fotomicrografias.

O resultado foi a comprovação da origem do papel, manufaturado com fibras provenientes do algodão, também conhecido como papel trappo. “Até o século 18, todos os papéis eram fabricados com restos de tecidos, como lençóis, cortinas e roupas. O material era enviado a moinhos e o papel era produzido a partir de fibras de algodão, linho ou cânhamo. Depois se desenvolveu o método para fabricação a partir da madeira”, explica Julita.

Outra série de estudos foi realizada no Instituto de Física da USP, para descobrir os elementos químicos presentes no papel e na tinta. Esses estudos ainda estão em fase de conclusão. Finalmente, através de uma pesquisa acerca da filigrana ou marca d’água contida em várias folhas dos livros, foi possível descobrir o moinho papeleiro onde o papel foi produzido. A obra é proveniente de um pólo de impressão do século 17, na cidade de Lyon, na França, pertencente a Laurent Durand. Descobriu-se ainda, na leitura dos volumes, que o editor foi Lucas Wadding, um franciscano e grande conhecedor da obra de João Duns Escoto, e, através de pesquisas, que o moinho de papel pertencia à família Lebé, localizado na cidade de Troyes, a cerca de 300 quilômetros de Lyon.

Quanto mais você conhece da obra, melhor você consegue restaurá-la”, afirma Julita, que ainda confeccionou uma caixa em linho para acomodar cada volume, com uma etiqueta em pergaminho escrita em nanquim. “Agora vai durar mais 400 anos”, brinca a restauradora. Para Maria Lucia Beffa, chefe técnica da Biblioteca da Faculdade de Direito, a análise de todos os elementos (papel, tinta, fibra e filigrana) comprova o seu valor histórico e ajuda a conhecer melhor a coleção, que está novamente disponível para consultas de pesquisadores e interessados na obra.

Os volumes, depois de prontos, foram acondicionados em caixas confeccionadas com linho e identificados com etiquetas escritas em nanquim – Foto: Juvenal Pereira

Fonte: Jornal da USP

Inquérito revela como os docentes estão pesquisando e o que mais valorizam nas bibliotecas

Seria interessante saber como os docentes estão lidando com a descoberta e o acesso a informações, o gerenciamento de dados, disseminação de pesquisas? O que pensam sobre recursos educacionais abertos, análise de aprendizado e modelos de comunicação acadêmica? Como estão lidando com as habilidades de pesquisa dos alunos e que valor dão à biblioteca?

Estas e outras questões foram alvo do Inquérito Ithaka S+R aos Professores dos EUA [a], finalizado agora em abril de 2019. Esta matéria é uma tradução livre desse estudo.

O Inquérito Ithaka S+R aos Professores dos EUA tem acompanhado as práticas de pesquisa, ensino e publicação dos membros do corpo docente do ensino superior dos Estados Unidos em uma base trienal desde 2000. O objetivo neste projeto é fornecer descobertas e análises acionáveis ​​para ajudar as faculdades e universidades também serviços de suporte relevantes, como bibliotecas acadêmicas, sociedades científicas e editoras acadêmicas, planejam o futuro.

O Ithaka S+R é parte da ITHAKA, uma organização sem fins lucrativos dos EUA cuja missão declarada é “ajudar a comunidade acadêmica a usar as tecnologias digitais para preservar o registro acadêmico e avançar na pesquisa e no ensino de maneiras sustentáveis”. Artstor, JSTOR e Pórtico também fazem parte da ITHAKA.

Neste sétimo ciclo trienal, pesquisamos uma amostra aleatória de professores nos Estados Unidos sobre tópicos de ciclos anteriores, incluindo descoberta e acesso a informações, gerenciamento de dados, disseminação de pesquisas, percepções das habilidades de pesquisa dos alunos e o valor da biblioteca. Também adicionamos novas perguntas sobre tópicos de interesse emergentes, incluindo recursos educacionais abertos, análise de aprendizado e modelos de comunicação acadêmica em desenvolvimento. Dados os níveis de resposta à pesquisa, os resultados podem ser analisados ​​por disciplina, tipo de instituição e outras características demográficas importantes. As principais conclusões abaixo destacam muitos dos resultados mais notáveis ​​da pesquisa do corpo docente de 2018 dos EUA.

Resumo executivo dos principais resultados

  • Os pontos de partida da descoberta estão mudando para o Google Acadêmico e outros mecanismos de pesquisa geraisEmbora bancos de dados acadêmicos específicos continuem sendo o ponto de partida mais frequente para pesquisas, os professores estão cada vez mais começando a explorar a literatura acadêmica com o Google Acadêmico e outros mecanismos de busca de propósito geral.
  • Os membros do corpo docente preferem cada vez mais gerenciar e preservar seus dados usando serviços de armazenamento baseados em nuvem. Desde o ciclo anterior da pesquisa, uma parcela maior do corpo docente relata o uso de serviços de armazenamento baseados em nuvem, como o Google Drive, o Dropbox e o Flickr, para organizar, gerenciar e preservar seus dados, mídia ou imagens de pesquisa. Os professores também relatam serviços de hospedagem de arquivos, como Box e Dropbox, como a fonte mais valiosa de suporte para gerenciar e preservar esses dados em comparação com outras fontes.
  • Enquanto o corpo docente está cada vez mais interessado em um modelo de publicação de acesso aberto, incentivos acadêmicos tradicionais continuam a motivar sua tomada de decisão. Aproximadamente dois terços dos entrevistados neste ciclo de pesquisa indicaram que ficariam felizes em ver o tradicional modelo de publicação baseado em assinatura substituído inteiramente por um sistema de acesso aberto, que representa uma parcela maior dos entrevistados em comparação com o ciclo de pesquisa anterior. No entanto, apenas quatro em dez professores indicam características de acesso aberto de revistas como altamente influentes nas decisões de publicação.
  • Há um interesse substancial no uso de recursos educacionais abertos para práticas instrucionais, particularmente de membros mais jovens do corpo docente. Cerca de seis entre dez entrevistados estão muito interessados ​​em usar recursos educacionais abertos (REA) e cerca de metade concordaram fortemente que gostariam de adotar novas abordagens instrucionais com REA.
  • Os professores são céticos sobre o valor do uso de ferramentas de análise de aprendizadoEmbora os professores que usaram ferramentas de análise de aprendizado tenham maior probabilidade de concordar que essas ferramentas podem ter um impacto substancial em suas práticas e resultados de ensino, os participantes da pesquisa não têm uma visão especialmente positiva dessas ferramentas.
  • O papel da biblioteca no arquivamento de materiais é cada vez mais importante. Enquanto os docentes sustentam que a função mais importante da biblioteca é como comprador dos recursos de que necessitam, eles estão descobrindo que a capacidade da biblioteca de servir como um repositório de recursos é cada vez mais importante.

Metodologia

O Ithaka S+R US Faculty Survey 2018 foi projetado para rastrear tendências críticas no ensino superior ao longo do tempo, ao mesmo tempo em que inclui novas perguntas para abordar tendências emergentes na área. Novas questões foram testadas antes da pesquisa ser realizada através de um processo de pré-testes e entrevistas cognitivas.

A população desta pesquisa é composta por professores de faculdades e universidades de quatro anos que oferecem um diploma de bacharelado ou superior. Este é o segundo ciclo da pesquisa que inclui professores de instituições médicas e, portanto, a primeira oportunidade de rastrear mudanças dentro desse subgrupo de respondentes. No ciclo de pesquisa de 2018, também adicionamos membros do corpo docente das áreas de idiomas estrangeiros e agricultura. Embora os respondentes médicos tenham sido incluídos em nossa análise disciplinar, esses docentes, juntamente com o corpo docente nos campos da língua estrangeira e da agricultura, são excluídos de nossa análise agregada para que as comparações agregadas apropriadas possam ser comparadas a todos os ciclos de pesquisa anteriores.

A pesquisa foi realizada no outono de 2018 para uma amostra de 150.941 membros do corpo docente. Recebemos um total de 10.919 respostas completas, para uma taxa de resposta geral de 7,2 por cento. Convites e mensagens lembretes foram implantados a partir de uma variedade de fontes, incluindo Ithaka S+R, uma série de sociedades acadêmicas parceiras e várias faculdades e universidades. Como as respostas variavam por disciplina, ponderamos os resultados agregados proporcionalmente para corresponder aos parâmetros da população.

Os conjuntos de dados dos ciclos de 2006, 2009, 2012 e 2015 da US Doctors Survey foram depositados no ICPSR para preservação e acesso de longo prazo. [1] O conjunto de dados de 2018 será depositado de maneira semelhante.

Descoberta & Acesso
Nos últimos seis ciclos do US Faculty Survey, testemunhamos um aumento geral na preferência e no uso de materiais e ferramentas eletrônicas no ensino superior e na comunicação acadêmica. À medida que os materiais e ferramentas eletrônicas continuam a evoluir, as práticas de pesquisa e ensino do corpo docente, bem como as atitudes do corpo docente em relação ao uso desses formatos eletrônicos, também estão mudando. A seção a seguir discute as descobertas e tendências observadas em relação à descoberta e acesso de recursos necessários para iniciar os processos de pesquisa, bem como os recursos usados ​​nas práticas de ensino, e as implicações sobre a mudança dos papéis dos materiais eletrônicos nesses contextos.

Descoberta da informação acadêmica
Os membros do corpo docente foram perguntados sobre onde começam sua exploração da literatura acadêmica para encontrar fontes relevantes para a sua área. No geral, é mais provável que os entrevistados pesquisem usando um banco de dados acadêmico específico, o Google Acadêmico, o site de sua biblioteca de faculdade ou universidade ou catálogo on-line, ou um mecanismo de pesquisa de finalidade geral (consulte a Figura 1).

Figura 1: Quando você explora a literatura acadêmica para encontrar novos artigos de periódicos e monografias relevantes para seus interesses de pesquisa, como você inicia seu processo com mais frequência? Porcentagem de entrevistados que indicaram que cada opção é o ponto de partida para sua exploração. 

Existem diferenças substanciais por disciplina em relação a onde os membros do corpo docente começam a descoberta de novos materiais. Embora o ponto de partida selecionado com mais frequência para os membros do corpo docente no agregado seja um banco de dados acadêmico específico, esse ponto de partida é mais freqüentemente utilizado por humanistas e membros do corpo docente do que cientistas sociais e cientistas (ver Figura 2). Por outro lado, cientistas sociais e cientistas são mais propensos do que seus pares em outras disciplinas a usar o Google Scholar para descobrir literatura relevante. Humanistas e cientistas sociais também estão mais propensos a começar suas pesquisas com o site ou catálogo de suas bibliotecas do que com colegas de outras disciplinas.

Figura 2: Quando você explora a literatura acadêmica para encontrar novos artigos de periódicos e monografias relevantes para seus interesses de pesquisa, como você inicia seu processo com mais frequência? Porcentagem de entrevistados que indicaram que cada opção é o ponto de partida para sua exploração.

Embora essas diferenças disciplinares observadas sejam consistentes com as descobertas anteriores, quando examinadas ao longo do tempo, o uso de bancos de dados acadêmicos específicos está declinando substancialmente (ver Figura 1). Comparativamente, há um aumento observado entre 2015 e 2018 no uso do Google Acadêmico e mecanismos de busca de propósito geral, com pouca ou nenhuma diferença no uso do site da biblioteca de um respondente ou catálogo online ou perguntando a um colega / bibliotecário.

A mudança para o Google Scholar de 2015 a 2018 foi impulsionada principalmente por cientistas e cientistas sociais (veja a Figura 3). Na pesquisa de 2018, 33% dos cientistas relataram iniciar com o Google Scholar em comparação com 23% em 2015. Por outro lado, os cientistas diminuíram consideravelmente o uso de bancos de dados acadêmicos específicos, embora permaneça como o ponto de partida mais frequente para a descoberta; Aproximadamente 47% dos cientistas indicaram bases de dados acadêmicas específicas como ponto de partida em 2015, em comparação com 33% no atual ciclo de pesquisa. Da mesma forma, em 2015, 26% dos cientistas sociais relataram usar o Google Scholar como ponto de partida, em comparação com 33% em 2018; 37% relataram começar com um banco de dados acadêmico específico em 2015, em comparação com 27% em 2018. Mudanças no comportamento dessa magnitude não foram observadas para humanistas e docentes de medicina.

Figura 3: Quando você explora a literatura acadêmica para encontrar novos artigos de periódicos e monografias relevantes para seus interesses de pesquisa, como você inicia seu processo com mais frequência? Porcentagem de entrevistados que indicaram que cada opção é o ponto de partida para sua exploração.


Os membros do corpo docente também foram solicitados a avaliar a importância de táticas específicas que usam para acompanhar os estudos atuais em seus respectivos campos. De acordo com as descobertas anteriores, os membros do corpo docente relatam comparecer a conferências e workshops, ler materiais sugeridos por outros acadêmicos e regularmente examinar novas edições de periódicos importantes como as táticas mais importantes (ver Figura 4).

Figura 4: Você pode empregar uma variedade de táticas diferentes para “acompanhar” a bolsa de estudos atual em seu campo regularmente. Por favor, use as escalas abaixo para avaliar de 10 a 1 quão importante cada um dos métodos a seguir é para manter-se atualizado com novas bolsas de estudo em seu campo. Percentual de entrevistados que indicaram que cada um desses métodos é altamente importante.

Existem diferenças notáveis ​​nas táticas usadas para acompanhar os estudos atuais por disciplina (veja a Figura 5). Humanistas e cientistas sociais indicam que os materiais de leitura sugeridos por outros estudiosos, seguindo o trabalho de acadêmicos-chave, lendo ou examinando resenhas de livros, e revisando catálogos ou anúncios de editoras acadêmicas são mais importantes que seus colegas cientistas ou médicos. Em contrapartida, os cientistas sociais e a faculdade de medicina estão mais propensos a examinar regularmente novos problemas e os alertas do índice (TOC) dos principais periódicos, além de ler os materiais sugeridos pelos mecanismos de busca personalizados.

Figura 5: Você pode empregar uma variedade de táticas diferentes para “acompanhar” a bolsa de estudos atual em seu campo regularmente. Por favor, use as escalas abaixo para avaliar de 10 a 1 quão importante cada um dos métodos a seguir é para manter-se atualizado com novas bolsas de estudo em seu campo. Percentual de entrevistados que indicaram que cada um desses métodos é altamente importante.


Neste ciclo de pesquisa, os professores também foram questionados sobre como usam as redes sociais – incluindo Academia.edu e ResearchGate – para acompanhar os estudos relevantes. Embora isso não seja frequentemente classificado como altamente importante, foi classificado como mais importante do que várias outras táticas, incluindo a revisão de catálogos ou anúncios de editores acadêmicos, a definição de alertas para palavras-chave específicas relevantes, autores, pesquisas salvas ou referências citadas e outros pesquisadores através de blogs ou mídias sociais.

Jovens acadêmicos classificaram participar de conferências e workshops, ler materiais sugeridos por outros estudiosos e seguir o trabalho de acadêmicos-chave como mais importantes do que os grupos mais velhos. Eles também atribuíram maior importância às redes sociais acadêmicas, assinando listas de e-mail relevantes disciplinares ou específicas de campo e seguindo outros pesquisadores por meio de blogs ou mídias sociais (veja a Figura 6).

Figura 6: Você pode empregar uma variedade de táticas diferentes para “acompanhar” a bolsa de estudos atual em seu campo regularmente. Por favor, use as escalas abaixo para avaliar de 10 a 1 quão importante cada um dos métodos a seguir é para manter-se atualizado com novas bolsas de estudo em seu campo. Percentual de entrevistados que indicaram que cada um desses métodos é altamente importante.

Transição do Formato de Monografia
Desde 2015, uma porcentagem crescente de docentes relata que as versões impressas e eletrônicas de monografias acadêmicas são importantes para suas pesquisas e ensino (veja a Figura 7). A importância desses materiais varia predominantemente de acordo com a disciplina e idade.

Figura 7: Por favor, use as escalas 10 a 1 para indicar quão bem cada afirmação descreve seu ponto de vista. Porcentagem de entrevistados que concordaram fortemente com as seguintes declarações.

Maiores compartilhamentos de humanistas indicaram que versões impressas de monografias acadêmicas desempenham um papel importante para seu ensino e pesquisa em comparação com seus colegas em outras disciplinas, e os humanistas também exibiram o maior aumento na importância percebida das versões impressas desde 2015 (ver Figura 8). Os cientistas são semelhantes à faculdade de medicina em suas respostas, com partes aproximadamente duplicadas de entrevistados indicando que as versões eletrônicas de monografias acadêmicas são muito importantes em comparação com aquelas que consideram as versões impressas da mesma forma. No entanto, ainda há um aumento observado na importância relatada para os tipos de formato impresso e eletrônico nesses subgrupos desde 2015.

Figura 8: Por favor, use as escalas de 10 a 1 para indicar quão bem cada afirmação descreve seu ponto de vista. Porcentagem de entrevistados que concordaram fortemente com as seguintes declarações.

Os entrevistados em grupos mais jovens são mais propensos a indicar que versões eletrônicas de monografias acadêmicas, em comparação com versões impressas, são importantes para suas práticas de pesquisa e ensino. Os professores com mais de 65 anos percebem que as versões impressas das monografias são mais importantes do que os recursos eletrônicos (veja a Figura 9).

No entanto, é menos provável que os docentes em grupos mais jovens concordem que as bibliotecas não serão necessárias em cinco anos para manter coleções de livros impressos (ver Figura 9). Uma vez que as maiores participações de professores mais jovens indicaram que valorizam versões eletrônicas, elas também podem ter maior probabilidade de reconhecer as limitações do formato eletrônico.

Figura 9: Por favor, use as escalas de 10 a 1 para indicar quão bem cada afirmação descreve seu ponto de vista. Porcentagem de entrevistados que concordaram fortemente com as seguintes declarações.

Os entrevistados também foram solicitados a avaliar se uma variedade de atividades era mais fácil de realizar usando uma versão impressa ou digital de uma monografia acadêmica. De acordo com os resultados da pesquisa de 2015, atividades de leitura longa, como a leitura de capa a capa em profundidade e a leitura de uma seção em profundidade, foram consideradas consideravelmente mais fáceis de serem realizadas usando um formato de impressão do que digital. Por outro lado, a exploração de referências e a busca por um tópico em particular foram classificadas consideravelmente mais fáceis de realizar usando um formato digital (veja a Figura 10).

Figura 10: Abaixo está uma lista de maneiras pelas quais você pode usar uma monografia acadêmica. Por favor, pense em fazer cada uma dessas coisas com uma monografia acadêmica em formato impresso ou em formato digital, e use as escalas abaixo para indicar o quanto é mais fácil ou mais difícil realizar cada atividade em formato impresso ou digital. Por favor, selecione uma resposta para cada item.

Ainda que tenha havido um aumento notável na parcela de entrevistados que indicou que essas atividades eram mais fáceis de imprimir entre 2012 e 2015, as percepções sobre a facilidade de uso das versões impressas permaneceram as mesmas ou levemente revertidas neste ciclo mais recente Figura 11). Consistente com os ciclos anteriores, os humanistas expressaram uma inclinação para versões impressas, já que uma parcela maior classificou cada atividade como substancialmente mais fácil de realizar usando versões impressas em comparação com seus pares em outras disciplinas. Além disso, as maiores participações dos entrevistados em coortes mais jovens indicaram que muitas dessas atividades eram mais fáceis de realizar usando versões digitais em versões impressas.

Figura 11: Abaixo está uma lista de maneiras pelas quais você pode usar uma monografia acadêmica. Por favor, pense em fazer cada uma dessas coisas com uma monografia acadêmica em formato impresso ou em formato digital, e use as escalas abaixo para indicar o quanto é mais fácil ou mais difícil realizar cada atividade em formato impresso ou digital. Porcentagem de entrevistados que indicaram que cada uma dessas atividades é muito ou mais fácil no formato impresso do que no digital.

Obtenção de acesso a materiais para pesquisa e ensino
Embora os membros do corpo docente usem cada vez mais mecanismos de pesquisa disponíveis gratuitamente, como o Google Acadêmico e outros mecanismos de busca para fins gerais (ver Figura 1), para descobrir e explorar literatura acadêmica relevante em seu campo, freqüentemente há desafios no acesso aos materiais desejados. Quando solicitados a avaliar a importância de fontes específicas usadas para acessar artigos de periódicos e monografias acadêmicas, os entrevistados indicaram que são mais propensos a usar as coleções ou assinaturas de bibliotecas de faculdades ou universidades, materiais que estão disponíveis online gratuitamente e suas próprias coleções ou assinaturas pessoais. .

Os professores continuam a procurar artigos de periódicos e monografias de maneiras semelhantes, como observado em ciclos anteriores. A importância da própria coleção de bibliotecas ou assinaturas, materiais disponíveis gratuitamente on-line e a própria coleção pessoal ou assinaturas permaneceram relativamente estáveis ​​desde 2015 (veja a Figura 12).

Figura 12: Quando você pensa sobre os artigos de revistas e monografias acadêmicas que usa rotineiramente – tanto para pesquisa quanto para ensino -, quão importantes são as fontes a seguir? Percentual de entrevistados que indicaram que cada um desses métodos é altamente importante.

Embora a importância dessas fontes não tenha mudado substancialmente desde 2015, observa-se uma diminuição no uso de coleções ou assinaturas de outras instituições. Essa diminuição foi particularmente impulsionada por cientistas sociais, cientistas e professores de medicina; 38% dos cientistas sociais, 34% dos cientistas e 22% da faculdade de medicina indicaram que as coleções ou assinaturas de outras instituições são muito importantes em 2018, comparado a 45% dos cientistas sociais, 41% dos cientistas e 32% dos médicos. corpo docente em 2015. As classificações dos humanistas dessas coleções e assinaturas não mudaram ao longo deste período de tempo, com 51% indicando essa fonte como altamente importante.

Em consonância com o ciclo de pesquisa de 2015, quando os membros do corpo docente não podem acessar imediatamente uma monografia acadêmica ou um artigo de periódico, é mais provável que procurem uma versão online disponível gratuitamente, utilizem serviços de entrega de documentos / ILL fornecidos por sua biblioteca ou desistam e procure um recurso diferente (veja a Figura 13).

Figura 13 : Quando você quer uma monografia acadêmica ou um artigo de periódico para o qual você não tem acesso imediato através das coleções físicas ou digitais de sua biblioteca de faculdade ou universidade, com que frequência você usa cada um dos métodos a seguir para buscar acesso a esse material? Percentual de entrevistados que indicaram que cada um desses métodos é usado com frequência ou ocasionalmente.

Práticas de pesquisa
Nesta seção, enfocamos as práticas de coleta, análise, gerenciamento e preservação de dados do corpo docente e como essas práticas evoluíram ao longo do tempo. Perguntas sobre práticas de pesquisa só foram exibidas para indivíduos que indicaram que a realização de pesquisa acadêmica está entre suas responsabilidades profissionais. No geral, 84% dos entrevistados receberam essas perguntas. Esta parte do corpo docente variou ligeiramente por tipo de instituição, com 85% do corpo docente de faculdades de bacharelado, 80% de faculdades e universidades de mestrado e 88% de universidades de doutorado. O corpo docente da linha de posse é mais propenso a conduzir pesquisas do que o corpo docente contingente; aproximadamente nove em dez professores de linha de conduta realizam pesquisas em comparação com aproximadamente metade do corpo docente contingente.

Análise de dados
Os membros do corpo docente que realizam pesquisas foram solicitados a avaliar a importância de uma variedade de atividades e metodologias para suas práticas de pesquisa. As atividades e metodologias mais importantes foram a análise de dados quantitativos e qualitativos gerados no decorrer da pesquisa, com 60% e 52% dos entrevistados indicando essas atividades como altamente importantes, respectivamente; Essas metodologias mais bem classificadas são consistentes com os resultados do ciclo de pesquisa anterior. A análise de dados quantitativos preexistentes (39%), usando modelos ou simulações (34%) e a análise de dados qualitativos preexistentes (33%) seguiram essas atividades em importância.

Em todas as disciplinas, cientistas, professores de medicina e cientistas sociais classificam a análise de dados quantitativos gerados no decorrer da pesquisa como a atividade mais importante para sua prática (ver Figura 14). Humanistas designam muito mais importância para dados qualitativos do que dados quantitativos. Esses resultados permaneceram consistentes com o ciclo de pesquisa de 2015.

Figura 14: Qual a importância da sua pesquisa em cada uma das seguintes atividades e metodologias de pesquisa digital hoje? Percentual de entrevistados que indicaram que cada uma dessas atividades e metodologias é altamente importante.

O corpo docente que indicou que recebeu financiamento externo de uma organização pública ou governamental (isto é, NSF, NIH, NEH, etc.) nos últimos cinco anos atribuiu uma importância consideravelmente maior à análise de dados quantitativos do que dados qualitativos gerados no curso da sua pesquisa (ver Figura 15). O corpo docente que recebeu financiamento externo também avalia a análise de dados quantitativos preexistentes não gerados no decorrer da pesquisa, o uso de modelos ou simulações, a redação de software ou código, e o SIG / mapeamento de dados muito mais alto do que os seus colegas sem financiamento externo.

Figura 15: Qual a importância da sua pesquisa em cada uma das seguintes atividades e metodologias de pesquisa digital hoje? Percentual de entrevistados que indicaram que cada uma dessas atividades e metodologias é altamente importante.

Os professores também foram solicitados a identificar os tipos de dados de pesquisa que estão construindo ou coletando para sua própria pesquisa. No geral, 68% responderam que estão coletando dados quantitativos, 66% estão coletando dados qualitativos e 26% estão coletando dados científicos. Humanistas e cientistas sociais são mais propensos a coletar ou criar dados qualitativos do que seus pares, enquanto os cientistas e professores de medicina têm maior probabilidade de gerar dados científicos e quantitativos (ver Figura 16).

Figura 16: Quais dos seguintes tipos de dados de pesquisa você cria ou coleciona para sua própria pesquisa? Porcentagem de entrevistados que indicaram acumular ou coletar cada tipo de dado.

Gestão de Dados e Preservação
Ao gerenciar, armazenar e preservar dados coletados no decorrer da pesquisa, o corpo docente tem preferência por manter os dados independentemente em seus próprios computadores e armazenar os dados usando softwares disponíveis comercial ou livremente.

Quando perguntados sobre quais métodos são usados ​​para organizar ou gerenciar dados de pesquisa durante o processo de pesquisa, a grande maioria dos professores respondeu que eles usavam seus próprios computadores com aproximadamente metade usando um serviço de armazenamento em nuvem (como o Google Drive, Dropbox, Flickr, etc). Muito poucos membros do corpo docente estão usando a biblioteca de sua instituição para preservar esses materiais em seu nome.

Embora a maioria dos entrevistados esteja organizando ou gerenciando dados de pesquisa em seus próprios computadores, o uso desse método diminuiu ligeiramente entre os docentes desde 2015 (veja a Figura 17). Da mesma forma, o uso de serviços de armazenamento em nuvem – que podem incluir contas pessoais e institucionais – aumentou notavelmente, indicando uma mudança no uso de serviços de armazenamento on-line baseados em nuvem para a organização, gerenciamento e preservação de dados de pesquisa do corpo docente.

Figura 17: Por favor, use as escalas 10 a 1 abaixo para indicar quão bem cada afirmação abaixo descreve seu ponto de vista. Percentual de entrevistados que concordaram fortemente com cada uma dessas declarações.


A utilização de serviços de armazenamento baseados em nuvem varia de acordo com a disciplina, com 50% de humanistas e 51% de cientistas sociais relatando o uso freqüente desse método de armazenamento em comparação com 44% dos cientistas e 37% da faculdade de medicina. Professores mais jovens são substancialmente mais propensos a usar serviços de armazenamento em nuvem; Aproximadamente seis entre dez professores com idades entre 22 e 44 anos frequentemente praticam essa prática, em comparação com menos de quatro em dez com 55 anos ou mais (ver Figura 18).

Figura 18: Por favor, use as escalas 10 a 1 abaixo para indicar quão bem cada afirmação abaixo descreve seu ponto de vista. Percentual de entrevistados que concordaram fortemente com cada uma dessas declarações.

Quando os professores foram questionados sobre as fontes de suporte que eles consideram mais valiosas para gerenciar ou preservar dados de pesquisa, mídia ou imagens, a maioria dos entrevistados indicou que os serviços e softwares on-line eram os mais valiosos para suas necessidades. A fonte de apoio que a maior parte do corpo docente achou útil foram os serviços de hospedagem de arquivos (por exemplo, Box, Dropbox), seguidos pelos softwares disponíveis gratuitamente e pela biblioteca da instituição (veja a Figura 19). O suporte fornecido pelos departamentos de suporte de AV / mídia, repositórios de dados de terceiros e repositórios disciplinares em outras instituições foi visto como relativamente menos útil. Essas descobertas reforçam ainda mais o valor que a faculdade atribui às ferramentas que permitem que elas mantenham seus próprios dados independentemente.

Existe um amplo consenso entre as disciplinas sobre a importância e o valor dos serviços de hospedagem de arquivos e de softwares disponíveis gratuitamente para apoiar o gerenciamento e a preservação de dados. Humanistas e cientistas sociais valorizam o apoio da biblioteca de sua faculdade ou universidade relativamente mais do que seus colegas, enquanto grandes grupos de cientistas sociais, cientistas e médicos avaliam outros serviços de sua instituição, como departamentos de TI, repositórios disciplinares ou departamentais e terceiros. Repartições de dados de terceiros (veja a Figura 19). As preferências para o gerenciamento de dados e o suporte à preservação variam muito entre os membros das diferentes coortes etárias. O corpo docente mais novo valoriza amplamente os serviços baseados na Web e o software disponível gratuitamente, consideravelmente mais do que seus colegas mais antigos (ver Figura 20).

Figura 19: Por favor, use a escala abaixo para avaliar de 10 para 1 quão valioso você encontraria cada uma das seguintes possíveis fontes de suporte para gerenciar ou preservar dados de pesquisa, mídia ou imagens. Percentual de entrevistados que indicaram cada uma dessas fontes é altamente valioso.

Figura 20: Por favor, use a escala abaixo para avaliar de 10 a 1 quão valioso você encontraria cada uma das seguintes possíveis fontes de suporte para gerenciar ou preservar dados de pesquisa, mídia ou imagens. Percentual de entrevistados que indicaram cada uma dessas fontes é altamente valioso.

Os professores também têm preferência por armazenar dados de pesquisa de forma independente após a conclusão de um projeto. Quando questionados sobre onde eles preservam esses dados, aproximadamente três quartos dos professores responderam que usam software / serviços disponíveis comercial ou livremente, em comparação com aproximadamente um terço que usa um repositório disponível em sua instituição ou em outro lugar. Essas práticas e preferências de preservação não mudaram substancialmente desde 2015, quando medimos esses comportamentos pela primeira vez.

As práticas de armazenamento de dados a longo prazo variam de acordo com a idade. Dos entrevistados na faixa etária de 22 a 34 anos, 80% indicaram que preservam seus dados usando software ou serviços disponíveis gratuitamente, seguidos de perto por 76% dos entrevistados entre 35 e 44 anos, enquanto 69% dos professores têm idades entre 55 e 64 anos e 67% de professores com idades entre 65 e mais velhos usam este método de preservação.

Além disso, a preservação de dados por meio de repositórios institucionais ou outros repositórios on-line varia de acordo com o tipo de instituição e a disciplina. Os entrevistados em universidades de doutorado têm maior probabilidade de preservar materiais usando um repositório do que seus colegas, com 32% dos docentes usando repositórios, em comparação com apenas 25% do corpo docente do Bacharelado e 22% do corpo docente do Mestrado. Por disciplina, os cientistas e a faculdade de medicina são mais propensos a preservar seus dados usando um repositório do que os humanistas ou cientistas sociais (veja a Figura 21). Os cientistas também são mais propensos do que seus colegas a ter um editor preservando seus dados em seu nome.

Figura 21: Se suas coleções ou conjuntos de dados de pesquisa forem preservados após a conclusão de seus projetos, quais métodos são usados ​​para preservá-los? Por favor, selecione cada método pelo qual eles são preservados ou indique que eles não são preservados. Percentual de entrevistados que indicaram que cada método é usado.

Perspectivas sobre fraude em pesquisa
Perguntas sobre as atitudes, possíveis preocupações e possíveis soluções para a falsificação, fabricação e fraude de dados foram recentemente adicionadas a este ciclo do US Faculdade de Pesquisa.

Os entrevistados parecem ter alguma preocupação com relação à fabricação de dados, falsificação e outros tipos de fraude de pesquisa, mas não necessariamente concordam que isso está se tornando cada vez mais predominante. Aproximadamente metade dos entrevistados discordou ou discordou fortemente de que eles não estão preocupados com essas questões, enquanto dois em cada dez concordaram ou concordaram fortemente que essas questões estão se tornando cada vez mais prevalentes (ver Figura 22). Os docentes estão bastante divididos sobre se há processos e protocolos suficientes atualmente em vigor para minimizar a fraude de pesquisa; aproximadamente dois terços dos entrevistados concordaram e discordaram que os processos e protocolos atuais são suficientes. Os professores concordam de maneira esmagadora que definir questões de pesquisa e um plano de análise antes de realizar pesquisas melhora a credibilidade dos resultados da pesquisa.

Figura 22: Por favor, leia as seguintes declarações e indique o grau em que você concorda ou discorda com cada uma delas. Porcentagem de entrevistados que concordaram / concordaram de alguma forma concordaram / não concordaram nem discordaram / discordaram um pouco ou discordaram fortemente / discordaram de cada declaração.


Cientistas sociais e humanistas estão relativamente menos preocupados com dados ou fraudes de pesquisa do que seus colegas cientistas e médicos, enquanto a faculdade de medicina está substancialmente mais preocupada com o fato de que a fraude de pesquisa está se tornando cada vez mais prevalente (ver Figura 23). O corpo docente mais novo está relativamente menos preocupado com possíveis fraudes de pesquisa e é menos provável que esses problemas se tornem mais prevalentes em comparação com professores mais velhos (veja a Figura 24).

Figura 23 : Por favor, leia as seguintes declarações e indique o grau em que você concorda ou discorda com cada uma delas. Percentual de entrevistados que concordaram / concordaram fortemente com cada declaração.


Figura 24: Por favor, leia as seguintes declarações e indique o grau em que você concorda ou discorda com cada uma delas. Percentual de entrevistados que concordaram / concordaram fortemente com cada declaração.


Além de avaliar a definição de questões de pesquisa e planos de análise antes de conduzir pesquisas, os docentes veem a organização e o depósito de conjuntos de dados de pesquisa como amplamente importantes, embora aproximadamente um em três não pense que o tempo que levaria para depositar dados é Vale a pena. Os cientistas foram mais propensos a concordar fortemente que esta é uma prática importante para os outros e que vale a pena o seu tempo para fazer isso (ver Figura 25).

Figura 25: Por favor, use as escalas 10 a 1 abaixo para indicar quão bem cada afirmação abaixo descreve seu ponto de vista. Percentual de entrevistados que concordaram fortemente com cada declaração.

Disseminação de Pesquisa
Esta seção explora os tipos de publicações que os docentes estão produzindo, as características desses produtos de pesquisa e os públicos que eles estão tentando alcançar, bem como pontos de vista sobre publicação de acesso aberto e incentivos para o avanço. Perguntas sobre esses tópicos de comunicação acadêmica foram exibidas apenas para os entrevistados que realizam pesquisas acadêmicas.

Formatos de Publicação e Características
Aproximadamente 90% dos entrevistados compartilharam com frequência ou ocasionalmente suas descobertas em periódicos revisados ​​por pares nos últimos cinco anos; Os membros do corpo docente também publicam frequentemente anais de conferências, monografias acadêmicas ou volumes editados publicados por um editor acadêmico e documentos de trabalho ou pré-impressões (veja a Figura 26). Essas descobertas são amplamente consistentes com as do ciclo de pesquisa de 2015, embora tenha havido um leve aumento do compartilhamento de descobertas em blogs ou nas redes sociais (ver Figura 26).

Figura 26: Você pode ter a oportunidade de compartilhar as descobertas de sua pesquisa acadêmica em vários formatos diferentes. Use as escalas abaixo para indicar com que frequência você compartilhou as descobertas de sua pesquisa acadêmica de cada uma das maneiras a seguir nos últimos cinco anos. Percentual de entrevistados que indicaram compartilhar suas descobertas com frequência ou ocasionalmente nesse formato.


Por disciplina, os pontos em que os professores compartilham suas descobertas acadêmicas também são consistentes com o ciclo de pesquisa de 2015. Os humanistas compartilham com mais frequência suas pesquisas em revistas científicas e monografias acadêmicas ou volumes editados, enquanto os cientistas são relativamente menos propensos a publicar monografias acadêmicas (ver Figura 27). Os cientistas também compartilham com mais frequência suas pesquisas em periódicos revisados ​​por pares e publicaram anais de conferências. Professores em cargos contingentes, comparados aos que ocupam cargos na linha de posse, compartilham com mais frequência suas descobertas de pesquisa em formatos acadêmicos não tradicionais, como em blogs ou mídias sociais, revistas não revisadas por pares e revistas especializadas e livros comerciais (veja a Figura 1). 28). Os que ocupam posições na linha de posse compartilham com mais frequência suas descobertas em periódicos revisados ​​por pares e monografias acadêmicas.

Figura 27: Você pode ter a oportunidade de compartilhar as descobertas de sua pesquisa acadêmica em vários formatos diferentes. Use as escalas abaixo para indicar com que frequência você compartilhou as descobertas de sua pesquisa acadêmica de cada uma das maneiras a seguir nos últimos cinco anos. Percentual de entrevistados que indicaram compartilhar suas descobertas com frequência ou ocasionalmente nesse formato.


Figura 28: Você pode ter a oportunidade de compartilhar as descobertas de sua pesquisa acadêmica em vários formatos diferentes. Use as escalas abaixo para indicar com que frequência você compartilhou as descobertas de sua pesquisa acadêmica de cada uma das maneiras a seguir nos últimos cinco anos. Percentual de entrevistados que indicaram compartilhar suas descobertas com frequência ou ocasionalmente nesse formato.


Os professores que indicaram em uma pergunta anterior que eles produzem cada um dos tipos de publicações e / ou produtos a seguir foram perguntados se e onde eles os hospedaram on-line ou os disponibilizaram gratuitamente. A maioria dos professores que compartilham livremente cada tipo de publicação ou produto o faz em vários lugares on-line (como em uma página pessoal), em comparação com o repositório de sua instituição ou um repositório disciplinar específico (como arXiv, SSRN, etc.) , com exceção de livros ou monografias acadêmicas. Os professores têm a mesma probabilidade de disponibilizar seus livros ou monografias acadêmicas dentro do repositório de sua própria instituição, em comparação com outros lugares on-line (veja a Figura 29).

Figura 29: As suas publicações e / ou produtos de pesquisa estão disponíveis gratuitamente online através do repositório da sua instituição, um repositório disciplinar (como arXiv, SSRN, etc.), ou disponível em outro lugar on-line (como sua página pessoal)? Para cada tipo de trabalho (s) acadêmico (s) listado (s) abaixo, selecione todas as fontes de hospedagem que se aplicam. Dos entrevistados que disponibilizam online cada um dos seguintes tipos de publicações e / ou produtos, o percentual que indicou que sua pesquisa está hospedada em cada um dos itens a seguir.

Considerando onde o corpo docente está predominantemente continuando a divulgar suas descobertas de pesquisa, talvez não surpreenda que as características dos periódicos acadêmicos que historicamente foram altamente valorizados continuem a ser vistas como tal e continuem a motivar o comportamento publicitário de acordo (ver Figura 30). Essas características mais valorizadas incluem a área de cobertura da revista alinhando-se intimamente à área de pesquisa imediata, os números atuais da revista circulam amplamente e são bem lidos por acadêmicos no campo, e a revista tem um alto fator de impacto ou excelente desempenho acadêmico. reputação.

A característica de menor valor pelo corpo docente é a capacidade de vincular o (s) conjunto (s) de dados ou fonte (s) primária (s) digital (ais) associada (s) a um artigo. Embora a maioria do corpo docente observe que é importante para os pesquisadores depositarem conjuntos de dados para futuros estudos de replicação, essa é uma consideração relativamente sem importância na determinação de um periódico para publicação.

Figura 30: Quando se trata de influenciar suas decisões sobre periódicos nos quais publicar um artigo seu, qual é a importância de cada uma das seguintes características de um periódico acadêmico? Percentual de entrevistados que indicaram que cada uma dessas características é altamente importante.

Além disso, os professores mais velhos estão mais preocupados com muitas outras características dos periódicos do que seus colegas mais jovens, incluindo um cronograma rápido de publicação, alta seletividade, proteção e salvaguarda de conteúdo a longo prazo e acessibilidade para leitores em nações em desenvolvimento (ver Figura 31). Os docentes mais antigos também estão mais preocupados com as características relacionadas ao acesso aberto, já que eles reconhecem mais valor do que o corpo docente mais jovem em um periódico, tornando seus artigos disponíveis gratuitamente na Internet, sem nenhum custo para o leitor.

Figura 31: Quando se trata de influenciar suas decisões sobre periódicos nos quais publicar um artigo seu, qual é a importância de cada uma das seguintes características de um periódico acadêmico? Percentual de entrevistados que indicaram que cada uma dessas características é altamente importante.

Incentivos e Influências Científicas
O corpo docente apresentou um notável aumento no interesse por um sistema de publicação de acesso aberto desde o último ciclo de pesquisa. Aproximadamente 64% dos entrevistados em 2018 indicaram que ficariam felizes em ver o tradicional modelo de publicação baseado em assinatura substituído inteiramente por um sistema de acesso aberto comparado a 57% em 2015.

O corpo docente mais jovem está mais interessado do que seus colegas mais velhos em substituir o sistema tradicional baseado em assinatura por um de acesso aberto (ver Figura 32). Isso talvez seja surpreendente, uma vez que professores mais antigos atribuem mais importância às características do acesso aberto ao decidir em quais periódicos publicar (ver Figura 31). Professores mais velhos também são mais propensos a entender os critérios usados ​​em avaliações de posse e promoção, e são menos propensos do que professores mais jovens a moldar seus resultados de pesquisa e opções de publicação para atender aos critérios de sucesso na posse e promoção (ver Figura 32). Isso sugere que os professores mais antigos, que muitas vezes são mais estabelecidos, publicados e / ou permanentes, podem tornar suas publicações e descobertas abertas porque os incentivos acadêmicos tradicionais não são tão relevantes para eles.

Figura 32: Por favor, use as escalas 10 a 1 abaixo para indicar quão bem cada afirmação abaixo descreve seu ponto de vista. Percentual de entrevistados que concordaram fortemente com cada uma dessas declarações.


Os membros do corpo docente geralmente acreditam que deve ser concedido menos reconhecimento para produtos de pesquisa que não sejam publicações acadêmicas tradicionais, como postagens em blogs ou microblogs; respostas ou comentários para versões on-line de artigos, postagens de blog e postagens de discussão; software ou código; e dados, imagens, mídia ou outros materiais de fonte primária. No entanto, cerca de um terço do corpo docente respondeu que as pré-impressões ou as impressões digitais devem ser reconhecidas com tanta importância quanto as publicações de pesquisa mais tradicionais. Isso é amplamente consistente com os resultados da pesquisa de 2015. Em geral, os docentes acreditam que as publicações acadêmicas tradicionais devem ter mais valor nas avaliações de posse, promoção, financiamento de pesquisa e nomeação contínua ou renovação de contrato.

Os professores também continuam contando com editores acadêmicos para a disseminação de seus produtos de pesquisa. Em consonância com o ciclo de pesquisa de 2015, cerca de 40% dos docentes discordam fortemente de que os editores acadêmicos tenham se tornado menos importantes para o processo de comunicação do conhecimento acadêmico devido à crescente capacidade de compartilhar o trabalho diretamente online (ver Figura 32). Além disso, aproximadamente 70% dos participantes concordaram fortemente que, se o modelo tradicional de publicação baseado em assinatura for substituído por um modelo de acesso aberto, eles ficariam felizes em ver os mesmos editores se envolverem; este foi um item recém-adicionado ao ciclo de pesquisa de 2018. Enquanto os docentes relatam cada vez mais que ficariam felizes em ter um sistema de publicação de acesso aberto para substituir o atual, baseado em assinatura,

Público Leitor de Publicação
Outro fator-chave que impulsiona a tomada de decisão sobre onde publicar os resultados é o público leitor. No geral, aproximadamente seis em dez professores responderam que possibilitar o público mais amplo possível é uma maneira importante de maximizar o impacto de suas pesquisas. Especificamente, o corpo docente espera que seu trabalho chegue a estudiosos dentro de sua subdisciplina ou campo de pesquisa, estudantes de pós-graduação e acadêmicos dentro de sua disciplina, mas fora de sua especial subdisciplina (ver Figura 33).

A maioria dos entrevistados afirmou que profissionais fora do meio acadêmico e formuladores de políticas em áreas relacionadas ao seu campo de pesquisa são um público importante para alcançar, com os cientistas sociais vendo essas audiências como mais importantes do que seus pares. Humanistas e cientistas sociais indicaram particularmente que o público em geral fora da comunidade profissional acadêmica e associada é um público importante a ser alcançado.

Embora o impacto da pesquisa fora das comunidades acadêmicas e profissionais seja relativamente menos importante do que aqueles dentro dessas comunidades, os formuladores de políticas, o público em geral e os acadêmicos em diferentes campos ainda são importantes para uma parte relativamente substancial do corpo docente.

Figura 33: Quão importante é para você que sua pesquisa alcance cada uma das possíveis audiências? Percentual de entrevistados que indicaram cada um desses itens como altamente importantes.


Além disso, aproximadamente um terço dos entrevistados concordou ou concordou fortemente que o impacto social, ou o benefício do trabalho acadêmico e produtos de pesquisa para a sociedade, deveria ser uma medida chave do desempenho da pesquisa para propostas de posse, promoção ou financiamento, sendo os cientistas sociais os mais indicados. acordo com este sentimento, seguido de perto pela faculdade de medicina (ver Figura 34). Isso se manteve bastante estável ao longo do tempo, com 31% de concordância em 2018, contra 28% em 2015.

Figura 34: Por favor, leia a seguinte declaração e diga-nos se você concorda fortemente com a afirmação, concorde, concorde um pouco, não concorde nem discorde, discorde um pouco, discorde ou discorde totalmente. O impacto social, ou o benefício do trabalho acadêmico e dos produtos de pesquisa para a sociedade, deve ser uma medida-chave do desempenho da pesquisa para propostas de posse, promoção ou financiamento.

Ensino e Aprendizagem
Os professores foram questionados sobre suas práticas e atitudes instrucionais, além de suas tendências de pesquisa. Neste ciclo de pesquisa, devido ao interesse emergente na comunidade de ensino superior, adicionamos várias questões examinando o desenvolvimento, o uso e as atitudes em relação aos recursos educacionais abertos (OER) e ferramentas de análise de aprendizado. Perguntas sobre esses tópicos foram exibidas apenas para professores que responderam que ensinam alunos de graduação ou pós-graduação; quase todos os entrevistados (99%) descreveram o ensino como parte de suas responsabilidades profissionais.

Percepções de habilidades de pesquisa
Consistente com o último ciclo de pesquisa, aproximadamente metade dos entrevistados percebe que seus alunos de graduação têm pouca habilidade em localizar e avaliar as informações. Cerca de dois terços dos entrevistados concordaram que melhorar as habilidades de pesquisa dos estudantes de graduação é uma meta importante para os cursos que eles ensinam, sendo mais provável do que os de outros tipos de instituições considerá-lo uma meta importante (ver Figura 35). Humanistas e cientistas sociais são mais propensos do que seus colegas cientistas ou professores de medicina a concordar que seus alunos de graduação não possuem essas habilidades, e também são mais propensos a ver seu papel na melhoria dessas habilidades como um objetivo importante (ver Figura 36).

Figura 35: Por favor, use as escalas 10 a 1 abaixo para indicar quão bem cada afirmação abaixo descreve seu ponto de vista. Percentual de entrevistados que concordaram fortemente com cada declaração.

Figura 36: Por favor, use as escalas 10 a 1 abaixo para indicar quão bem cada afirmação abaixo descreve seu ponto de vista. Percentual de entrevistados que concordaram fortemente com cada declaração.

Recursos Educacionais Abertos
Este ciclo de pesquisa foi o primeiro em que foram incluídas questões sobre o desenvolvimento, práticas e atitudes em torno dos REA. Recursos educacionais abertos foram definidos como materiais de ensino, aprendizagem e pesquisa usados ​​para fins educacionais que residem no domínio público ou foram liberados sob uma licença aberta, como o Creative Commons, que permite acesso, uso, adaptação e redistribuição sem custo por outros sem restrições ou restrições limitadas. Através dessas questões, pretendemos estabelecer dados de referência para informar o uso atual e a criação de REA, bem como como o uso e a criação podem ser melhor suportados no futuro.

Para entender as affordances relativas fornecidas aos membros do corpo docente na seleção de seus materiais de curso, primeiro perguntamos sobre seu papel na tomada dessas decisões. Aproximadamente oito em cada dez entrevistados indicaram que são os principais tomadores de decisão. Os humanistas e os cientistas sociais têm mais poder de decisão do que seus pares de cientistas ou docentes de medicina, e a faculdade de medicina tem muito menos probabilidade do que os de outras disciplinas de ser o principal tomador de decisões (veja a Figura 37).

Figura 37: Qual das seguintes afirmações descreve melhor sua função ao decidir quais livros didáticos e outros materiais do curso serão usados ​​nos cursos que você ministra? Porcentagem de respondentes que selecionaram cada item.

O corpo docente notou grande preocupação com os altos custos dos livros didáticos e materiais didáticos. Sete em cada dez entrevistados indicaram que reduzir o custo que os estudantes pagam por livros didáticos e outros materiais do curso é altamente importante; isso é amplamente consistente entre os tipos e disciplinas da instituição, embora os membros do corpo docente médico demonstrassem relativa menor preocupação. Aproximadamente 87% dos docentes frequentemente ou ocasionalmente dão preferência à atribuição de livros escolares de baixo ou nenhum custo, enquanto 59% dão preferência à atribuição de texto do curso ou materiais que estão disponíveis através da biblioteca.

Cerca de 57% dos entrevistados indicaram interesse em usar REA, enquanto 48% concordaram ou concordaram fortemente que gostariam de adotar novas pedagogias ou abordagens instrucionais para aproveitar as oportunidades oferecidas pelos REA. Aproximadamente um terço do corpo docente concordou ou concordou fortemente que está interessado em criar e publicar REA. No entanto, os docentes de medicina estão muito menos interessados ​​na adoção, uso e criação de REA do que em outras disciplinas (ver Figura 38).

Figura 38: Por favor, leia as seguintes declarações e indique o grau em que você concorda ou discorda com cada uma delas. Percentual de entrevistados que concordaram / concordaram fortemente com cada declaração.


As atitudes em relação à implementação de REA dentro de suas práticas de ensino variam predominantemente por faixa etária e título. O corpo docente mais novo demonstra muito mais entusiasmo em relação aos REA do que os professores mais antigos, e está interessado em adotá-los em suas pedagogias de ensino e em criá-los (ver Figura 39). Além disso, docentes em cargos de professor e professor associado são relativamente menos propensos a se interessar por criação e uso.

Figura 39: Por favor, leia as seguintes declarações e indique o grau em que você concorda ou discorda com cada uma delas. Percentual de entrevistados que concordaram / concordaram fortemente com cada declaração.

Proporcionar excelente treinamento e incentivos para o uso de REA são possíveis maneiras de aumentar seu uso e eficácia em práticas instrucionais. Apenas aproximadamente 14% dos entrevistados concordaram ou concordaram fortemente que sua instituição oferece excelente treinamento e suporte para o uso de REA e que sua instituição reconhece ou recompensa os professores por dedicarem tempo para integrar os REA em suas práticas de ensino.

Quando os membros do corpo docente foram perguntados se eles usaram ou criaram livros abertos, módulos de cursos abertos ou palestras em vídeo aberto em seus cursos, aproximadamente 32% usaram livros abertos, 24% usaram módulos de cursos abertos e 32% usaram palestras em vídeo aberto. Menos docentes criaram qualquer REA; 7% dos docentes criaram livros abertos, 14% criaram módulos de cursos abertos e 11% criaram palestras em vídeo aberto.

Existem algumas diferenças entre grupos etários na criação de livros didáticos abertos e módulos de cursos em particular, já que os grupos mais velhos têm maior probabilidade de criar os dois tipos de materiais do curso (veja a Figura 40). Enquanto o corpo docente mais jovem indicou um interesse relativamente maior na criação de REA do que o corpo docente mais antigo, pode ser necessário mais apoio ou orientação para ajudá-los a alcançar a criação desses recursos para as práticas de instrução deles e de outras pessoas.

Figura 40: Quais dos seguintes recursos educacionais abertos você criou e / ou usou em seus cursos? Por favor, verifique todos os que se aplicam. Porcentagem de respondentes que indicaram que criaram e / ou usaram cada um dos itens a seguir.

Aprendendo Ferramentas de Análise
O corpo docente também foi questionado sobre suas percepções em torno do uso de ferramentas de análise de aprendizado em suas práticas de instrução. As ferramentas de análise de aprendizado foram definidas como aquelas usadas para resumir e / ou analisar as atividades, o aprendizado ou o desempenho dos alunos por meio de um painel, e-mails de alerta antecipado ou outro método de entrega. Quando perguntados especificamente se usam ferramentas de análise de aprendizado, 39% indicaram ter, 51% não o fizeram e 11% não tinham certeza. Professores mais jovens são relativamente mais propensos a usar essas ferramentas do que os professores mais antigos, embora também tenham maior probabilidade de não ter certeza se usaram essas ferramentas (veja a Figura 41).

Figura 41: Você usa ferramentas de análise de aprendizado através de seu sistema de gerenciamento de cursos ou de outros sistemas de cursos? Porcentagem de entrevistados que indicaram ter, não têm ou não têm certeza se usaram ferramentas de análise de aprendizado.

Os professores que relataram não usar ou não tinham certeza de usar ferramentas de análise de aprendizado foram questionados sobre seu interesse em utilizá-los. Esse grupo não demonstra interesse generalizado em fazer mais com essas ferramentas; aproximadamente 17% concordaram ou concordaram fortemente que estariam interessados ​​em usá-los, apenas 14% concordaram ou concordaram fortemente que usá-los ajudaria a melhorar suas práticas de ensino, e 17% concordaram ou concordaram fortemente que essas ferramentas os ajudariam a intervir com os alunos quem pode estar lutando.

Esse ceticismo sobre a utilidade de ferramentas de análise de aprendizagem é predominantemente conduzido por humanistas e professores antigos. Os humanistas que não usaram ou não têm certeza se usaram ferramentas de análise de aprendizado têm muito menos probabilidade de demonstrar interesse em usá-los e têm muito menos probabilidade de concordar ou concordar que o uso de tais ferramentas melhoraria suas práticas de ensino. ou ajude-os a intervir com alunos em dificuldade (veja a Figura 42). Além disso, professores mais jovens que não usaram ou não têm certeza se usaram ferramentas de análise de aprendizado têm mais probabilidade do que seus colegas mais velhos de reportar interesse neles e concordam ou concordam fortemente que o uso de tais ferramentas melhoraria suas práticas de ensino (veja a Figura 43) .

Figura 42: Use as seguintes declarações e indique o grau em que você concorda ou discorda com cada uma delas. Dos entrevistados que não usam ou não têm certeza de usar ferramentas de análise de aprendizado, o percentual que concordou / concordou fortemente com cada afirmação.

Figura 43: Use as seguintes declarações e indique o grau com o qual você concorda ou discorda com cada uma delas. Dos entrevistados que não usam ou não têm certeza de usar ferramentas de análise de aprendizado, o percentual que concordou / concordou fortemente com cada afirmação.

As atitudes e ceticismo decorrentes daqueles que não usaram ou não têm certeza se eles usaram ferramentas de análise de aprendizagem diferem substancialmente com as percepções daqueles que têm, embora nenhum dos grupos tenha visões especialmente positivas dessas ferramentas. Do corpo docente que relatou usar análise de aprendizagem, 37% concordaram ou concordaram que o uso de ferramentas de análise de aprendizado ajuda a melhorar o ensino e 44% concordam ou concordam que o uso dessas ferramentas ajuda a intervir com alunos que estão sofrendo em seus cursos.

Uma parcela substancial de humanistas que usam ferramentas de análise de aprendizagem concorda ou concorda que o uso dessas ferramentas ajuda a intervir com alunos que podem estar com dificuldades, mas é menos provável do que o corpo docente de outras disciplinas concordar ou concordar que o uso dessas ferramentas ajuda a melhorar ensino (ver Figura 44). Além disso, aqueles que usaram essas ferramentas, docentes contingentes, especialmente professores adjuntos e instrutores, têm mais probabilidade de concordar ou concordar fortemente com o fato de que o uso dessas ferramentas ajuda a melhorar seu ensino e a intervir com alunos que podem estar com dificuldades ( veja a Figura 45).

Figura 44: Use as seguintes declarações e indique o grau com o qual você concorda ou discorda com cada uma delas. Dos entrevistados que usam ferramentas de análise de aprendizado, o percentual que concordou / concordou fortemente com cada afirmação.

Figura 45: Por favor, use as seguintes declarações e indique o grau em que você concorda ou discorda com cada uma delas. Dos entrevistados que usam ferramentas de análise de aprendizado, o percentual que concordou / concordou fortemente com cada afirmação.

Todos os entrevistados, independentemente do uso anterior de ferramentas de análise de aprendizagem, foram questionados sobre suas percepções de protocolos institucionais relevantes. Cerca de 16% dos entrevistados indicaram que o uso dessas ferramentas pela instituição pode limitar sua autonomia e 20% indicaram que estão preocupados com a extensão em que sua instituição pode confiar nos algoritmos dessas ferramentas. Aproximadamente um quarto do corpo docente concordou ou concordou fortemente que a instituição possui sistemas suficientes para impedir a violação dos dados dos alunos.

Os humanistas estão muito mais preocupados do que o corpo docente em outras disciplinas sobre até que ponto sua instituição pode confiar em algoritmos dentro de ferramentas de análise de aprendizado e que o uso de tais ferramentas pode limitar sua autonomia na escolha de ensinar (ver Figura 46). Eles também são menos propensos a concordar que a instituição possui protocolos suficientes para impedir a violação dos dados dos alunos.

Figura 46: Por favor, use as seguintes declarações e indique o grau em que você concorda ou discorda com cada uma delas. Percentual de entrevistados que concordaram / concordaram fortemente com cada declaração.

O Papel da Biblioteca
Uma das mais antigas áreas de interesse do US Faculty Survey é entender como o papel da biblioteca evoluiu e continua a evoluir ao longo do tempo. As perguntas sobre este tópico abordam como a biblioteca é valorizada e percebida pelo corpo docente, como o corpo docente está usando a biblioteca, percepções da importância das coleções e outras funções relacionadas ao serviço da biblioteca, bem como o apoio percebido da biblioteca aos alunos dentro da instituição.

Uma questão bem estabelecida para os entrevistados diz respeito à relevância continuada dos bibliotecários, da biblioteca e do seu orçamento. Desde 2012, houve pouca ou nenhuma mudança nas percepções em relação aos bibliotecários e ao orçamento da biblioteca (ver Figura 47). Apenas aproximadamente 22% dos entrevistados acreditam que o papel dos bibliotecários diminuiu devido ao acesso mais fácil ao conteúdo acadêmico eletrônico, e apenas 17% dos docentes concordam que, devido a esse aumento de acesso, o dinheiro deve ser redirecionado da biblioteca para outras necessidades de universidade ou faculdade. Os membros do corpo docente e cientistas médicos concordaram um pouco mais com essas percepções do que com seus colegas cientistas sociais ou humanistas, com os humanistas concordando menos (ver Figura 48).

Figura 47: Por favor, use as escalas 10 a 1 abaixo para indicar quão bem cada afirmação descreve seu ponto de vista. Percentual de entrevistados que concordaram fortemente com cada declaração.


Figura 48: Por favor, use as escalas 10 a 1 abaixo para indicar quão bem cada afirmação descreve seu ponto de vista. Percentual de entrevistados que concordaram fortemente com cada declaração.


Além disso, 83% dos docentes concordaram que o orçamento de sua biblioteca deve ser apoiado quando os preços dos periódicos acadêmicos aumentam para garantir acesso contínuo às coleções. Como este é um item recém-adicionado à pesquisa de 2018, as opiniões sobre os custos crescentes dos periódicos acadêmicos não podem ser rastreadas ao longo do tempo. Os cientistas concordaram relativamente menos com este item, com 78% concordando fortemente, em comparação com 85% dos cientistas sociais e 86% dos humanistas e da faculdade de medicina.

Suporte docente
Os professores foram perguntados se recebem apoio durante todo o processo de publicação de sua biblioteca, sociedade acadêmica, imprensa universitária ou outro provedor de serviços. Aproximadamente 40% dos docentes indicaram que recebem assistência com o gerenciamento de uma página da Web pública que relaciona links com resultados acadêmicos recentes e fornece outras informações profissionais e pessoais relevantes. Menos de 20% dos entrevistados relataram que recebem ajuda para entender e negociar contratos favoráveis, determinar onde publicar para maximizar o impacto e avaliar o impacto após a publicação. Professores de universidades de doutorado recebem um pouco mais de assistência com a gestão de uma página pública do que seus colegas em faculdades de bacharelado e instituições de mestrado. Essas descobertas mantiveram-se relativamente estáveis ​​em todos os ciclos de pesquisas anteriores.

Os professores foram então questionados sobre o valor que eles percebem sobre serviços específicos de apoio de sua biblioteca de faculdade ou universidade. Aproximadamente quatro em cada dez professores fazem ou acham que a biblioteca é valiosa para ajudá-los a gerenciar uma página pública que liga sua pesquisa e produção acadêmica a outras informações pessoais e profissionais. Cerca de um quarto dos entrevistados indicou que reconhece o valor na biblioteca, ajudando-os a determinar onde publicar para maximizar o impacto, compreender e negociar contratos de publicação favoráveis ​​e avaliar o impacto de seu trabalho após a publicação.

Os professores nos primeiros cinco anos de sua área encontram ajuda para determinar onde publicar para maximizar o impacto, bem como para entender ou negociar contratos favoráveis ​​de publicação, muito mais valiosos do que aqueles que estão em seu campo há seis anos ou mais (ver Figura 49). No entanto, os docentes estão descobrindo que esses recursos são um pouco menos valiosos no geral em 2018 do que no ciclo de pesquisa de 2015 (veja a Figura 50).

Figura 49: Qual é o valor do apoio da biblioteca da sua faculdade ou universidade para cada um dos seguintes aspectos do processo de publicação, ou quão valioso você acha que se suporte seria se fosse oferecido a você? Porcentagem de respondentes por anos em seu campo que indicaram esses itens como altamente valiosos.

Figura 50: Quão valioso você acredita que é o apoio da sua biblioteca de faculdade ou universidade para cada um dos seguintes aspectos do processo de publicação, ou quão valioso seria para você se esse suporte fosse oferecido a você? Percentual de entrevistados que indicaram esses itens como altamente valiosos.

Os professores também foram solicitados a avaliar a importância de várias funções da sua biblioteca universitária. Esta é uma questão de longa data no US Faculty Survey, que nos permite rastrear percepções da biblioteca ao longo do tempo. Um novo item foi adicionado ao ciclo de pesquisa de 2018 para incluir o papel da biblioteca no apoio aos estudantes de pós-graduação em seus processos de pesquisa, gerenciamento de dados e publicação. A seguir estão os sete itens apresentados aos entrevistados, incluindo um nome abreviado usado neste documento (mas não apresentado aos entrevistados na pesquisa) para referência:

  • Gateway: “A biblioteca serve como ponto de partida ou“ gateway ”para localizar informações para minha pesquisa”
  • Comprador: “A biblioteca paga pelos recursos de que preciso, de periódicos acadêmicos a livros e bancos de dados eletrônicos”
  • Arquivo: “A biblioteca serve como um repositório de recursos – em outras palavras – arquiva, preserva e controla os recursos”
  • Apoio de ensino: “A biblioteca apóia e facilita minhas atividades de ensino”
  • Suporte de pesquisa: “A biblioteca oferece suporte ativo que ajuda a aumentar a produtividade da minha pesquisa”
  • Suporte de Graduação: “A biblioteca ajuda os alunos de graduação a desenvolver habilidades de pesquisa, análise crítica e alfabetização informacional”
  • Suporte de pós-graduação: “A biblioteca apóia estudantes de pós-graduação na realização de pesquisas, gerenciamento de dados e publicação”

Semelhante a descobertas anteriores, a função mais importante da biblioteca de acordo com o corpo docente continua sendo a capacidade da biblioteca de pagar pelos recursos de que precisam, como periódicos acadêmicos, livros e bancos de dados eletrônicos. Essa função de comprador tem sido consistentemente relatada como a função mais importante da biblioteca desde 2003 (veja a Figura 51).

Figura 51: Quão importante é para você que sua biblioteca de faculdade ou universidade forneça cada uma das seguintes funções abaixo ou sirva na capacidade listada abaixo? Percentual de entrevistados que indicaram cada item como altamente importante.

Embora as respostas ao ciclo de pesquisa de 2018 permaneçam relativamente semelhantes a 2015, a diferença mais notável do último ciclo de pesquisa é o endosso do papel do arquivamento pelos respondentes. Aproximadamente 73% dos docentes indicaram o papel da biblioteca como um repositório de recursos como altamente importante em comparação com 67% do corpo docente em 2015.

O endosso da função de arquivamento aumentou dentro de cada disciplina desde 2015 (veja a Figura 52). No entanto, é mais provável que os humanistas, do que os professores de outras disciplinas, designem importância para esse papel.

Os humanistas também dão mais importância à maioria das funções listadas da biblioteca em comparação com seus colegas em outras disciplinas, embora humanistas e cientistas sociais indiquem o mesmo nível de importância para o papel de apoio aos graduados, e professores de todas as disciplinas indiquem o papel do comprador como altamente importante.

Figura 52: Quão importante é para você que sua biblioteca de faculdade ou universidade forneça cada uma das seguintes funções abaixo ou sirva na capacidade listada abaixo? Percentual de entrevistados que indicaram cada item como altamente importante.


Apoio Estudantil
Quando o corpo docente está projetando seus cursos de graduação, 32% informam um bibliotecário quando a lista de leitura do curso é distribuída aos alunos, e aproximadamente 20% mantêm contato com um bibliotecário antes de finalizar sua seleção de textos ou materiais do curso. É mais provável que os humanistas informem e mantenham contato com bibliotecários ao projetarem seus cursos de graduação do que em outras disciplinas. Esses resultados são consistentes com o ciclo de pesquisa anterior.

Embora o corpo docente, em geral, não dependa substancialmente da biblioteca na elaboração de seus cursos de graduação, muitos professores indicaram a importância do valor da biblioteca para o sucesso do aluno em sua faculdade ou universidade. Metade do corpo docente indicou bibliotecários e funcionários da biblioteca como altamente importantes para contribuir para o sucesso do aluno. Em geral, os membros do corpo docente se consideram muito importantes para contribuir para o sucesso do aluno, seguidos pelos colegas dos alunos (ou seja, outros alunos) e pelos orientadores acadêmicos (ver Figura 53). Aproximadamente 61% dos humanistas consideram os bibliotecários e funcionários da biblioteca altamente importantes, em comparação com 55% dos cientistas sociais, 37% dos cientistas e 38% dos docentes de medicina.

Figura 53: Qual é a importância ou a relevância de cada um dos seguintes fatores contribuir para o sucesso do aluno em sua faculdade ou universidade? Percentual de entrevistados que indicaram cada um dos seguintes como altamente importantes. 

Além disso, cerca de metade dos entrevistados continua indicando forte concordância desde 2015 de que os bibliotecários de suas bibliotecas universitárias contribuem significativamente para seus alunos ajudando-os a encontrar, acessar e usar recursos secundários e primários em seus cursos, bem como ajudando-os a desenvolver suas habilidades de pesquisa. Um novo item foi incluído neste ciclo de pesquisa para captar a percepção do corpo docente da contribuição da biblioteca para o desenvolvimento de habilidades em identificar a manipulação e a desinformação da mídia. Cerca de quatro em cada dez entrevistados concordaram que a biblioteca contribui significativamente para ajudar os alunos a desenvolver essas habilidades.

Diferenças disciplinares semelhantes foram observadas para esses aspectos da contribuição do bibliotecário percebido para o sucesso do aluno. Humanistas e cientistas sociais concordam mais fortemente que os bibliotecários contribuem significativamente para o aprendizado dos alunos e o desenvolvimento de habilidades de pesquisa dentro dos estudantes de suas faculdades ou universidades em comparação com seus colegas (ver Figura 54). Os professores das faculdades de Bacharelado também são mais propensos a concordar que os bibliotecários contribuem com o desenvolvimento de habilidades de pesquisa do que o corpo docente de instituições de mestrado e doutorado (ver Figura 55).

Figura 54: Por favor, use as escalas 10 a 1 abaixo para indicar quão bem cada afirmação abaixo descreve seu ponto de vista. Percentual de entrevistados que concordaram fortemente com cada declaração.


Figura 55: Por favor, use as escalas 10 a 1 abaixo para indicar quão bem cada afirmação abaixo descreve seu ponto de vista. Percentual de entrevistados que concordaram fortemente com cada declaração.

À medida que o acesso a informações acadêmicas e materiais on-line está aumentando, observamos mudanças distintas na função da biblioteca, nas práticas instrucionais do corpo docente e na tomada de decisões de publicação. Acompanhamos um aumento contínuo no uso de ferramentas on-line, não apenas para descobrir novas informações, mas também para gerenciar e preservar dados e materiais de pesquisa. Enquanto as bibliotecas combatem o aumento dos custos das assinaturas de revistas, o papel da biblioteca continua a ser altamente valorizado por sua provisão de recursos, mas é cada vez mais visto como importante por sua capacidade de guarda do conteúdo acadêmico. Os professores estão mais entusiasmados com o acesso aberto, embora seu comportamento continue a ser influenciado por incentivos acadêmicos tradicionais. E, como os estudantes continuam a ser desafiados pelos altos custos dos materiais do curso, os professores estão buscando soluções de baixo custo e sem custo.

Apêndice: Metodologia
Em conformidade com os ciclos anteriores da US Doctors Survey, nossa amostra de informações foi retirada de uma população do corpo docente dos EUA, coletadas e mantidas pelo MDR, um fornecedor de lista de nomes de marketing.

Nossa estratégia de amostragem para 2018 está estreitamente alinhada com a de ciclos anteriores da pesquisa. Selecionamos uma amostra de membros do corpo docente em faculdades e universidades de quatro anos da lista do MDR afiliada com as seguintes classificações Carnegie: Faculdades de Bacharelado – Artes e Ciências; Faculdades de Bacharelado – Diversos Campos; Faculdades e Universidades de Mestrado (programas menores); Faculdades e Universidades de Mestrado (programas médios); Faculdades e Universidades de Mestrado (programas maiores); Universidades de Doutorado / Profissionais; Universidades de Doutorado (alta atividade de pesquisa); Universidades de Pesquisa (atividade de pesquisa muito alta). Dentro dessas classificações de Carnegie, amostramos o mesmo intervalo de campos e disciplinas que a amostra de 2015. Como em 2015, também incluímos membros do corpo docente de medicina que foram amostrados de uma população separada; Essas faculdades eram de todos os departamentos de faculdades de medicina e não de departamentos de enfermagem, odontologia ou outros profissionais de saúde. No ciclo de pesquisa de 2018, também adicionamos membros do corpo docente das áreas de idiomas estrangeiros e agricultura. Os respondentes desses campos, bem como os dos campos médicos, foram excluídos dos resultados agregados apresentados neste relatório para permitir a comparabilidade com os ciclos anteriores. Um total de 365.606 membros do corpo docente não médicos e 74.696 membros do corpo docente de medicina preencheram esses critérios para a nossa população.

Em consonância com o ciclo de pesquisa de 2015, adaptamos um pouco o processo de amostragem para professores em 13 faculdades e universidades, dos cerca de 1.500 incluídos em nossa amostra. Essas instituições participaram de uma versão local do US Faculty Survey, juntamente com a administração da pesquisa nacional. Os entrevistados dessas instituições receberam o questionário nacional central e, em seguida, após a pesquisa nacional, os membros do corpo docente de algumas dessas instituições participantes locais receberam um conjunto de perguntas adicionais. Desta forma, as respostas ao questionário nacional não foram influenciadas pelos itens temáticos adicionais. Os membros do corpo docente dessas 13 instituições receberam convites por e-mail de um membro de sua própria comunidade universitária, e somente os membros do corpo docente que foram originalmente selecionados na amostra do MDR foram incluídos na análise nacional dos resultados. Nós permitimos isso incorporando metadados para quaisquer membros do corpo docente nas 13 instituições locais que teriam sido selecionados como parte da amostra da pesquisa nacional; Os membros do corpo docente que foram identificados na amostra da pesquisa local e nacional receberam apenas um conjunto de comunicações para a pesquisa por meio de sua instituição local, mas suas respostas foram mescladas no conjunto de dados contendo as respostas à pesquisa nacional.

Em junho de 2018, realizamos 12 entrevistas cognitivas detalhadas para garantir que o instrumento revisado para o ciclo de 2018 fosse entendido de forma clara e consistente entre os entrevistados. Os participantes nesta fase de pré-teste eram de uma variedade de campos diferentes, tipos de instituição e funções.

A pesquisa foi distribuída via e-mail para uma amostra de 150.941 membros do corpo docente selecionados aleatoriamente, de acordo com os parâmetros definidos detalhados acima. Os convites foram implantados em 3 de outubro e três mensagens de lembrete foram enviadas para aqueles que ainda não haviam concluído a pesquisa. Como nos ciclos anteriores da pesquisa, fizemos parcerias com sociedades acadêmicas selecionadas que serviram como signatárias para comunicações com membros do corpo docente em disciplinas correspondentes. Essas sociedades incluíam: a Academia Americana de Religião, a Associação Americana de Antropologia, o Conselho Americano de Ensino de Línguas Estrangeiras, a Associação Americana de Pesquisa Educacional, a American Historical Association, a American Musicological Society, a American Philosophical Association, a American Public Health. Associação, o Instituto Arqueológico da América, a College Art Association, a Geological Society of America, a Modern Language Association, o Conselho Nacional de Professores de Inglês, a Society for Classical Studies e a Society of Biblical Literature. Para todos os outros membros do corpo docente, foram enviadas mensagens de convite e lembrete de Catharine Bond Hill, Diretora Geral da Ithaka S + R, e Roger Schonfeld, Bibliotecas Ithaka S + R, Comunicação Científica e Diretor do Programa de Museus.

A pesquisa foi encerrada no dia 21 de dezembro. No total, recebemos 10.919 respostas completas para uma taxa de resposta global de 7,2%. Nossa análise abrange várias estratificações importantes, inclusive por disciplina, tipo de instituição, cargo / função e idade. As taxas de resposta no nível disciplinar variaram quando comparadas com a população de MDR devido, em grande parte, à eficácia do alcance e das comunicações através de nossos parceiros da sociedade acadêmica; a taxa de resposta média dos entrevistados nas disciplinas que receberam convites e lembretes desses parceiros foi de 10,2% (variando de 5,6% a 16,0%), enquanto a média sob o signatário Ithaka S + R foi de 5,5%

Como nos ciclos anteriores, continuamos a categorizar os participantes em agrupamentos disciplinares de humanidades, ciências sociais, ciências e medicina. A fim de comparar os resultados da pesquisa de 2018 com as iterações anteriores, formulamos as categorizações da mesma maneira e relatamos descobertas disciplinares no nível desses agrupamentos amplos. Com base em afiliações disciplinares e em nossas regras históricas de agrupamento, nossa amostra de respondentes foi dividida da seguinte maneira:

Estudos de Área: 140
Humanidades: 3.460
Ciências sociais: 3.697
Ciências: 2.954
Medicina: 398

Para ajustar as taxas de resposta desiguais por campo, ponderamos os resultados agregados de nossa amostra proporcionalmente para corresponder aos parâmetros da população. Essa abordagem é consistente com as técnicas de ajuste metodológico empregadas para os ciclos anteriores da pesquisa e afeta os resultados apenas em um grau muito marginal. Em consonância com os ciclos de pesquisa anteriores, excluímos os estudos de área das análises disciplinares neste relatório, devido à grande diferença nos níveis de resposta entre os membros do corpo docente e os membros do corpo docente afiliados às quatro outras categorias disciplinares amplas. No entanto, esses membros do corpo docente estão incluídos nos números de resposta agregados.

Neste relatório, também destacamos as respostas estratificadas de respondentes de diferentes tipos de instituições, cargos / funções e idade em que padrões claros e significativos se apresentam. Nossa amostra de respondentes para essas respostas estratificadas foi dividida da seguinte maneira:

Classificação Carnegie:

Universidades de doutorado: 5.767
Faculdades e universidades de mestrado: 3.326
Faculdades de bacharelado: 1.438

Faixa etária:

22 a 34: 746
35 a 44: 2.210
45 a 54: 2.661
55 a 64: 2.920
Mais de 65 anos: 2.005

Título / Função:

Professor: 3.903
Professor associado: 2.557
Professor assistente: 1.823
Professor Adjunto: 738
Conferencista: 661
Instrutor: 323

Tipos de pergunta
Neste relatório, as perguntas são apresentadas conforme apresentadas no próprio questionário. Muitas de nossas perguntas se enquadravam em três categorias de tipos de respostas: aquelas que pediam aos respondentes para classificar algo entre 1 e 10, aquelas que lhes pediam para avaliar o grau em que concordavam ou discordavam de algo, ou aquelas que perguntavam com que frequência algo entre as escolhas de “nunca”, “raramente”, “ocasionalmente” e “muitas vezes”.

Um tipo comum de pergunta apresentava uma declaração com palavras fortes, como “Porque o corpo docente tem fácil acesso ao conteúdo acadêmico on-line, o papel que os bibliotecários desempenham nessa instituição está se tornando muito menos importante” e pediu aos estudiosos que classifiquem de 1 a 10 como cada A declaração descreve seu ponto de vista, onde um 10 é “extremamente bem” e um igual a “não está nada bem”. Em nosso relatório aqui, agregamos respostas para simplificar a apresentação dos resultados; respostas de 8, 9 e 10 são agrupadas para análise e caracterizadas como “fortemente concordantes” com a afirmação; respostas de 1, 2 e 3 são agrupadas para análise e caracterizadas como “discordando fortemente” com a afirmação; e as respostas de 4, 5, 6 e 7 são agrupadas e caracterizadas como respostas relativamente neutras.

Outro tipo de questão colocou uma declaração na qual um respondente foi solicitado a avaliar seu grau real de concordância ou discordância na escala de sete pontos. Em nossos relatórios, combinamos níveis de concordância e discordância para simplificar ainda mais as descobertas: os entrevistados que indicaram “concordo totalmente” ou “concordo” estão agrupados juntos; as respostas para “um pouco de acordo”, “não concordam nem discordam” e “um pouco em desacordo” são agrupadas; e as respostas de “discordar” e “discordar totalmente” foram agrupadas.

Frequentemente também perguntamos aos estudiosos outras questões com 1-10 intervalos de respostas, como quando pedimos a eles que classificassem a importância de uma determinada função de biblioteca de “nada importante” para “extremamente importante”. Novamente, segmentamos as respostas como fortes respostas (1-3), respostas neutras (4-7) e respostas positivas fortes (8-10). Às vezes, fazemos perguntas semelhantes em uma escala de 1 a 6, onde é necessário acompanhar os achados ao longo do tempo e, nesses casos, segmentamos as respostas como fortemente negativas (1-2), neutras (3-4) e fortemente positivas (5 -6).

Além disso, várias questões perguntaram aos estudiosos com que frequência eles fazem algo, com opções de resposta de “nunca”, “raramente”, “ocasionalmente” e “frequentemente”. Normalmente, agrupamos as respostas de “frequentemente” e “ocasionalmente” juntas, para caracterizar coisas que são feitas com algum grau de regularidade.

Notas finais
Conjuntos de dados da série de pesquisas da Ithaka S + R podem ser encontrados emhttp://www.icpsr.umich.edu/icpsrweb/ICPSR/series/226/studies. O item “Pesquisa no Google Acadêmico” não foi incluído na Pesquisa do corpo docente de 2012. O corpo docente inclui os entrevistados que são professores, professores associados e professores assistentes. O corpo docente contingente inclui respondentes que são professores adjuntos, professores e instrutores.

Essas descobertas emulam diferenças disciplinares (veja a Figura 14). Aproximadamente 63% dos cientistas e 70% da faculdade de medicina receberam ou estão atualmente recebendo financiamento externo, em comparação com 16% dos humanistas e 26% dos cientistas sociais.

Embora tenhamos fornecido uma definição de recursos educacionais abertos aos entrevistados, as interpretações de recursos educacionais abertos variam muito; isso ficou evidente em nossos testes deste instrumento de pesquisa. Porcentagens somam mais de 100% devido a arredondamentos. Esta lista não é exaustiva para todos os indivíduos que podem contribuir para o sucesso do aluno. As instituições foram categorizadas com base na classificação de 2015.

Estudos de área incluem: estudos afro-americanos, estudos africanos, estudos americanos, estudos asiáticos, estudos indianos, estudos latino-americanos, estudos do Oriente Médio e estudos eslavos (incluindo a Rússia).

Humanidades inclui: história da arte, estudos clássicos, línguas estrangeiras, história (incluindo a história da ciência), direito, literatura, música, filosofia, religião e teatro e teatro.

As ciências sociais incluem: antropologia (inclui arqueologia), negócios e finanças, economia, educação (inclui ensino superior), geografia, ciência política, psicologia, políticas públicas (incluindo política de saúde), sociologia e estudos sobre mulheres.

Ciências inclui: estudos agrícolas, biologia (inclui botânica, ecologia, zoologia), química, engenharia, geologia, matemática (inclui estatísticas), física, ciências físicas / astronomia e saúde pública.

== Referência ==

[a] BLANKSTEIN, Melissa; WOLFF-EISENBERG, Christine. “Ithaka S+R US Faculty Survey 2018.” Ithaka S+R. Last Modified 12 April 2019. https://doi.org/10.18665/sr.311199

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons
Atribuição / NãoComercial 4.0 Internacional. Para ver uma cópia da licença, consulte http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/ .

Fonte: SIBiUSP

Biblioteca Universitária: qualidade e avaliações do MEC 120 Horas (ATUALIZADO)

Sobre o curso

Os princípios estabelecidos na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (1996), a Biblioteca Universitária – BU é inserida nos padrões de qualidade, como requisito no processo avaliativo do Ensino Superior do Ministério da Educação – MEC.

Neste contexto, os gestores e equipes destas Bibliotecas se deparam até hoje com a necessidade de entender e se preparar para receber as comissões de avaliação “in loco” INEP/MEC. Em muitos casos os resultados destas avaliações, irão garantir para a Instituição de Ensino Superior – IES, onde atuam, um resultado final positivo.

Um processo avaliativo desta natureza requer destes profissionais o conhecimento de toda dinâmica de regulação e avaliação das IES junto ao MEC, e também os quesitos e exigências de qualidade que serão avaliados na Biblioteca.

Curso atualizado, apresentado os novos Instrumentos de Avaliação do Ensino Superior, conforme as Portarias MEC ns.1382 e 1383 de 31.10.2017. 

Mais informações e inscrições: https://classcursos.com/cursos/biblioteca-universitaria-qualidade-e-avaliacoes-do-mec/

Livro sobre os 70 anos da Biblioteca de Ciências da Saúde é lançado no Porangabuçu

O livro Biblioteca de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Ceará: 70 anos foi oficialmente lançado, na tarde da última terça-feira (30), no Campus do Porangabuçu. O lançamento ocorreu no salão de leitura da biblioteca e reuniu bibliotecários, servidores técnico-administrativos, professores e autoridades universitárias.

A edição da obra foi realizada em parceria com o Memorial da UFC e a Imprensa Universitária, tendo sido produzida em conjunto com uma exposição fotográfica e um vídeo institucional no contexto dos 70 anos da Faculdade de Medicina, comemorados no ano passado. A publicação teve como organizadores Adeli Gomes Moreira, Rafael de Farias Vieira, Gislene Soares Guerra, Eliene Gomes Vieira Nascimento e Joaquim Melo de Albuquerque. A obra homenageia postumamente a primeira bibliotecária e diretora da BCS, Cleide Ancilon de Alencar Pereira (1934-2018), fundadora do Curso de Biblioteconomia da UFC e Professora Emérita da Instituição.

Veja outras imagens do evento no Flickr da UFC

MEMÓRIA – Na abertura do evento, a diretora da Biblioteca de Ciências da Saúde (BCS), Nicácia Lina do Carmo, agradeceu a presença de todos e assumiu o compromisso de levar adiante o trabalho desenvolvido pelas gestões anteriores. “Quero continuar construindo a história dessa unidade de informação, e também fazer jus à obra de todas as bibliotecárias e de todos os funcionários que contribuíram com esta biblioteca”, afirmou.

Representando os organizadores da publicação, a ex-diretora da BCS Eliene Nascimento destacou a relevância do livro para a memória institucional da Universidade. “A obra traz uma visão geral da evolução da estrutura física da biblioteca, os serviços prestados ao seu usuário, e, o mais importante, registra um pouco da história das pessoas que deixaram suas impressões e contribuições, que constituem viva fonte de inspiração para outros profissionais e pesquisadores”, explicou.

A tarde foi histórica e memorável para o diretor do Sistema de Bibliotecas da UFC, Jonatan Soares, pois foi ali onde começou a trabalhar como bibliotecário e servidor técnico-administrativo. Como ex-aluno de Cleide Ancilon, ele ressaltou a didática extraordinária e a generosidade da homenageada. “A biblioteca é um dos baluartes do Campus do Porangabuçu. Sem a biblioteca, o campus não teria chegado ao êxito de hoje, e ela esteve sempre na vanguarda. Lembro quando cheguei aqui, não tinha Internet ainda, mas esta biblioteca já estava conectada aos melhores mecanismos da época para ajudar a salvar vidas”, compartilhou.

ACESSO AO SABER – “Constatamos que a Faculdade de Medicina e a Biblioteca de Ciências da Saúde estão intimamente ligadas, nasceram juntas e se ampliaram pari passu“. Assim, a diretora da Faculdade de Medicina (FAMED) da UFC, Valéria Góes, fez uma retrospectiva, assinalando fatos históricos desde a década de 1940, a partir do sonho de um grupo de pioneiros em estabelecer o ensino médico no Estado do Ceará. A diretora da FAMED reconheceu a função estratégica da biblioteca em facilitar o acesso da comunidade de usuários ao conhecimento científico, em particular estudantes, professores e profissionais da saúde. “Mesmo com todas as limitações financeiras impostas às universidades públicas, a biblioteca se mantém atualizada e ligada às principais bases de dados mundiais. Ocupa um lugar de destaque no coração do campus, com seu papel mediador do processo de ensino-aprendizagem, fornecendo valioso suporte de informações, através do acervo, dos serviços e do corpo técnico altamente qualificado e dedicado”, avaliou a Profª Valéria.

Nesse sentido, concordou a diretora da Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem (FFOE) da UFC, Lidiany Karla Gerage, ao celebrar a história septuagenária da BCS. Em tempos de informação acelerada e de conteúdos digitais, para a diretora da FFOE, a biblioteca segue desempenhando uma importante missão de democratizar o acesso a livros e publicações especializadas no campo da saúde. “As bibliotecas das universidades possuem um caráter universal, como instâncias privilegiadas de preservação do saber. A biblioteca é o principal agente de construção sociocultural de um país, preservando a experiência dos livros, contando as nossas histórias. São lugares para as pessoas explorarem, interagirem, lerem e também apresentarem suas ideias”, ponderou a Profª Lidiany.

LEGADO – Ao final dos discursos, Arnóbio Machado Pereira agradeceu pelo tributo prestado à memória da homenageada. Bastante emocionado, definiu como “justa e merecida” a lembrança ao legado de Cleide Ancilon, expressando gratidão em nome de familiares e amigos. Além do livro, desde 2010 a sala de Obras Raras da BCS recebeu o nome de sua primeira bibliotecária e diretora. “Com a criação do Curso de Biblioteconomia, Cleide reuniu todo o conhecimento e sua experiência, e, como professora, participou da formação de várias gerações de bibliotecários no Ceará. Conquistou respeito e admiração de docentes, discentes e funcionários. Era uma profissional de excelência, e sua humildade e simplicidade faziam dela uma pessoa muito querida por todos aqueles que puderam conviver com ela”, declarou.

SAIBA MAIS – De 1948 a 1957, a Faculdade de Medicina funcionou em um prédio na Praça José de Alencar, no Centro de Fortaleza, hoje ocupado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). No final dos anos 1950, os cursos de saúde da recém-criada Universidade do Ceará foram transferidos para o Campus do Porangabuçu, e a biblioteca ocupou uma sala no então Instituto Evandro Chagas, atual Departamento de Patologia e Medicina Legal.

A sede da Biblioteca de Ciências da Saúde Prof. Jurandir Marães Picanço foi construída em 1970 e se localiza na Rua Alexandre Baraúna, nº 1019, no bairro Rodolfo Teófilo.

Leia também: O Jornal da UFC nº 89, de maio de 2018, publicou uma reportagem especial sobre os 70 anos da Faculdade de Medicina da UFC.

Fonte: Coordenadoria de Comunicação Social e Marketing Institucional da UFC – fone: (85) 3366 7331

Fonte: UFC Notícias

Este site disponibiliza livros do século XIX

Texto por Bruno Leal | Agência Café História

São mais de 100 livros didáticos publicados nos Estados Unidos nos anos 1800. Iniciativa é da Universidade de Pittsburgh. Coleção faz parte da Nietz Old Textbook Collection.

site da Universidade de Pittsburgh disponibiliza gratuitamente mais de 100 livros didáticos publicados nos Estados Unidos, no século XIX. Os livros estão em formato digital e fazem parte de uma coleção chamada Nietz Old Textbook Collection, fundada pelo professor da Universidade de Pittsburgh, John A. Nietz.

A coleção online também contém dois trabalhos produzidos pelo próprio Nietz. Nesses trabalhos, o professor examina livros escolares americanos históricos (em inglês os livros didáticos são chamados textbooks) no contexto da História da Educação.

Há livros de diversas disciplinas na coleção. Doze são de história, a maior parte sobre História dos Estados Unidos. Um deles é History of the United States: from their first settlement as colonies, to the close of the war with Great Britain in 1815 : to which are added questions, adapted to the use of schools, de Salma Hale.

Livros didáticos antigos podem ser objeto de estudo. Foto: Jason Wong no Unsplash.

Sobre o John A. Nietz

O fundador da coleção, o professor emérito John A. Nietz nasceu perto de Toledo, Ohio, em 1888. Graduou-se na Ohio University Norte em 1914, fez o mestrado na Universidade Estadual de Ohio, em 1919, e doutorou-se em Educação na Universidade de Chicago, em 1933. Durante sua estada na Universidade de Chicago, Nietz estudou com o famoso filósofo e teórico educacional John Dewey (1849-1912).

John Nietz passou grande parte de sua carreira na Universidade de Pittsburgh ensinando na Escola de Educação. Quando se aposentou em 1958, fundou a Coleção de Antigos Livros Didáticos de Nietz, doando sua biblioteca de 9.000 volumes de livros didáticos Ele adquiriu os livros quando pesquisava a história do ensino nos primeiros anos dos Estados Unidos. Durante sua carreira, Nietz dirigiu ou aconselhou mais de 30 dissertações e teses de mestrado baseadas na coleção. Dr. Nietz morreu em 1970.

Desde a sua criação, a coleção de livros didáticos de Nietz cresceu para mais de 16.000 volumes através de presentes e compras.

A coleção universitária

Para além de livros didáticos, a biblioteca da Universidade de Pittsburgh digitalizou mais de 100.000 itens exclusivos (mais de 1,5 milhão de imagens de página!), que fazem parte de diversas coleções exclusivas da universidade, o que inclui os Archives & Special Collections e o Center for American Music, além de vários membros do Pitt Faculty e instituições parceiras.

Livros didáticos no Brasil

No Brasil, os livros didáticos também gozam de grande importância e possuem uma longa história. Segundo a Associação Brasileira de Editores de Livros Didáticos, “Essa trajetória tem início em 1929, com a criação do Instituto Nacional do Livro (INL) que, de imediato, não sai do papel. Só em 1934, quando Gustavo Capanema torna-se ministro da Educação do governo do presidente Getúlio Vargas, o INL recebe suas primeiras atribuições: a edição de obras literárias para a formação cultural da população, a elaboração de uma enciclopédia e de um dicionário nacionais e a expansão do número de bibliotecas públicas”.

Em 1938, uma nova mudança. “O livro didático entra na pauta do governo. O Decreto-Lei nº 1.006/38 institui a Comissão Nacional do Livro Didático para tratar da produção, do controle e da circulação dessas obras. Passados 11 anos (1934/1945), quando Gustavo Capanema deixa o MEC, não estavam concluídos o dicionário nem a enciclopédia, mas as bibliotecas cresceram para além do Rio de Janeiro e de São Paulo, graças à oferta de acervo oferecido pelo Governo Federal”.

Como citar esta notícia

CARVALHO, Bruno Leal Pastor de. Este site disponibiliza livros escolares do século XIX (notícia). In: Café História – História feita com cliques. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/livros-didaticos-do-seculo-XIX. Publicado em: 17 abr. 2019.

Fonte: Café História

Mobiliza FECLESC: alunos protestam a ausência de bibliotecário com comemoração satírica

O protesto foi uma forma de chamar atenção para a situação de descaso em que se encontra a instituição. Foto:(RC)
Região Central: Alunos da Faculdade de Educação Ciências e Letras do sertão central, FECLESC realizaram na noite desta quinta-feira (04), um protesto que teve como objetivo denunciar ao Governo do Estado do Ceará a falta de Bibliotecário há exatos 365 dias na instituição. O ato foi realizado no Auditório Raquel de Queiroz, um espaço da própria universidade e contou com dezenas de alunos e professores.

Segundo a direção da faculdade, em 12 de setembro de 2018, foi aberto um processo para nomeação do novo candidato que tramitou vários meses na Secretaria do Estado e atualmente, o expediente está no gabinete do Governador do Estado há 131 dias para a assinatura do ato da nomeação.

O professor Luiz Oswaldo, Diretor da FECLESC, fez uso da palavra resgatando um pouco da história da Instituição: “ela foi feita assim: para construí-la a gente se juntava, fazia as campanhas, saia pedindo e construía. Para fazer funcionar, nos juntávamos, dávamos as mãos e saíamos lutando na tentativa de fazê-la funcionar.”

Luiz Oswaldo afirma que “quiseram acabar com a Universidade”, e por esse motivo, utilizaram o Slogan “FECLESC, o povo construiu. A quem interessa destruir?”. O não reconhecimento dos cursos e o corte de professores são exemplos de como foi verídico essa afirmação.

Bolo de comemoração do protesto. Foto:(RC)
O Diretor também pontua o descaso em que se encontra a estrutura do prédio e a necessidade de uma reforma do mesmo. Juntamente com os alunos, criou o Movimento “Mobiliza FECLESC” e a primeira proposta executada foi a “comemoração” simbólica e satírica de um ano sem bibliotecário, executada na noite de hoje (04).

 

Alunos e professores participantes do grupo “Mobiliza FECLESC” Foto:(RC)

Nas últimas semanas, foram realizados dentro da instituição diversos protestos e manifestações a respeito do corte do orçamento para a água potável do bebedouro dos alunos, que, devido ao corte de verbas foi retirada e substituída pela água da Cagece.

Fonte: revistacentral.com.br

ONU convida universidades brasileiras a participar de iniciativas de impacto acadêmico

O Departamento de Informação Pública das Nações Unidas convida universidades e demais instituições envolvidas no ensino superior e na produção de conhecimento do Brasil a ingressar na iniciativa Impacto Acadêmico (UN Academic Impact, UNAI).

Trata-se de uma associação com as Nações Unidas e da participação em uma rede de compartilhamento de conhecimento, pesquisa e soluções pautada em questões inter e multidisciplinares que dialoguem com os valores da ONU, como representados nos princípios da UNAI.

Evento de lançamento em Nova York da estratégia “Juventude 2030” da ONU, em setembro de 2018. No centro, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres. Foto: ONU

O Departamento de Informação Pública das Nações Unidas convida universidades e demais instituições envolvidas no ensino superior e na produção de conhecimento do Brasil a ingressar na iniciativa Impacto Acadêmico (UN Academic Impact, UNAI).

Trata-se de uma associação com as Nações Unidas e da participação em uma rede de compartilhamento de conhecimento, pesquisa e soluções pautada em questões inter e multidisciplinares que dialoguem com os valores da ONU, como representados nos princípios da UNAI.

A UNAI está voltada a instituições de ensino superior que sejam credenciadas pelo órgão governamental responsável pela supervisão do ensino no país. A participação na iniciativa também está aberta a instituições de pesquisa e think tanks que realizam pesquisas científicas e políticas e cujo trabalho é publicado em revistas especializadas ou outros fóruns revisados por especialistas.

A iniciativa não demanda pagamentos por parte das instituições que desejem se tornar membros, mas estas devem demonstrar seu apoio por meio da realização de eventos e atividades ou pela elaboração de publicações sobre ao menos um dos dez princípios da iniciativa. Só é requisitada uma atividade por ano para a manutenção do título de membro da iniciativa Impactco Acadêmico.

A associação através da UNAI não está disponível para simulações do Sistema ONU (ModelUN, MUN), ONGs ou organizações sem fins lucrativos — para esses casos, as partes interessadas deverão acessar o Education Outreach (no caso de simulações do Sistema ONU) e  DPI-NGO Relations (para Organizações Não Governamentais) para mais informações.

O Impacto Acadêmico tem por objetivo estimular a produção e a disseminação de conhecimento, por meio da construção de uma rede de cientistas, pesquisadores, alunos e professores que já estejam e/ou desejam se engajar com os dilemas e desafios enfrentados pelas Nações Unidas no seu dia a dia.

Nesse sentido, as instituições afiliadas se comprometem a produzir conhecimento, promover eventos, realizar atividades que dialoguem com os seguintes princípios:

  1. Erradicação da Pobreza: o compromisso de enfrentar os problemas da pobreza pela educação;
  2. Construção de Capacidades: o compromisso de construir capacidade nos sistemas de educação superior de todo o mundo;
  3. Educação para todas e todos: o compromisso de oferecer uma oportunidade educativa para todas as pessoas, independente de seu gênero, raça, religião ou etnia;
  4. Cidadania Global: o compromisso de encorajar a cidadania global através da educação;
  5. Acesso à Educação Superior: o compromisso de oferecer uma oportunidade para que cada indivíduo possa adquirir as habilidades e os conhecimentos necessários para alcançar a educação superior;
  6. Direitos Humanos: o compromisso com os direitos humanos, entre eles, a liberdade de pesquisa, de opinião e de expressão;
  7. Diálogo Intercultural: o compromisso de promover o diálogo, o entendimento intercultural e o desaparecimento da intolerância através da educação.
  8. Paz e Resolução de Conflitos: o compromisso de promover a paz e a resolução de conflitos pela educação;
  9. Sustentabilidade: o compromisso de promover a sustentabilidade pela educação;
  10. A Carta das Nações Unidas: O compromisso com os princípios fundamentais da Carta das Nações Unidas;

O trabalho dessas instituições é vital para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, pois elas servem como incubadoras de novas ideias, invenções e soluções para os muitos desafios globais que enfrentamos.

O Impacto Acadêmico das Nações Unidas fornece o elo integral com essas partes interessadas para assegurar que a comunidade internacional aproveite a energia e a inovação dos jovens e da comunidade de pesquisa a serviço da humanidade.

A inscrição para se tornar um membro desta iniciativa pode ser feita através deste link. O formulário online deve ser preenchido ou autorizado pelo reitor, presidente ou equivalente, da respectiva instituição. Caso as instituições interessadas precisem entrar em contato, podem fazê-lo através dos emails bernardo.corais@unic.org ou julia.ribeiro@unic.org.

O envio do formulário indica o endosso aos princípios da UNAI, bem como a disponibilidade para ter a instituição e o responsável identificados como participantes da iniciativa.

Fonte: Nações Unidas

Como é feita a preservação do acervo da biblioteca?

Na Unesp em Bauru, técnicas de restauração garantem boas condições a mais de 80 mil livros

por: TV Unesp

A Biblioteca da Unesp em Bauru conta com mais de 80 mil livros. Mas para que todos os exemplares continuem auxiliando na formação dos alunos, o cuidado com o acervo deve ser constante. Só no ano passado, mais de 200 itens tiveram que passar por algum tipo de reparo. Nossa equipe mostra para você como esse trabalho é realizado e por que é importante preservar esse rico acervo disponível a todos.

https://www.youtube.com/watch?v=SSzQjm31omo&t

7 bibliotecas universitárias que vão te dar vontade de estudar fora

Para quem estuda (ou pretende estudar) bastante, livros são uma excelente companhia. E, nesses casos, as bibliotecas se tornam ambientes muito agradáveis, graças aos seus corredores silenciosos, a organização cuidadosa de suas prateleiras e, é claro, os livros que elas abrigam. E algumas bibliotecas universitárias são tão lindas que, por si só, dão vontade de estudar nessas universidades.

Abaixo, selecionamos algumas delas. Todas são vinculadas de alguma maneira a uma universidade, e existem para servir como ambientes de estudo e reflexão para seus alunos. Ao mesmo tempo, são obras arquitetônicas que já valeriam a visita. Confira:

Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra

(Universidade de Coimbra/Reprodução)

Criada no século XVIII por ordem do rei Dom João V (de onde ela tira seu nome), a Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra já foi considerada pelo jornal inglês The Telegraph uma das mais espetaculares do mundo. E não é à toa: as salas da biblioteca são fartamente decoradas com ouro — boa parte dele de origem brasileira.

Ela tem cerca de 1250 metros de área útil e conserva cerca de 70 mil volumes de temas como direito, teologia e filosofia, dos séculos XII ao XIX. E para proteger essas obras das traças, usa um recurso bem peculiar: morcegos. Eles são soltos à noite para se alimentar dos insetos que comeriam as páginas. Naturalmente, a temperatura e umidade das três salas da biblioteca são controladas também.

Cada uma das salas é decorada com ouro sobre fundo de uma cor diferente. E no ponto mais visível do edifício encontra-se um retrato imenso de João V, responsável pela sua construção.

The Beinecke Rare Book and Manuscript Library da Universidade de Yale

 (Universidade de Yale/Reprodução)
 (Universidade de Yale/Reprodução)
 (Universidade de Yale/)

Como o nome indica, a Beinecke Rare Book and Manuscript Library é dedicada a manuscritos e livros raros. As obras precisam de condições especiais para conservação, e isso explica boa parte da arquitetura chamativa do edifício. Seu interior é composto por uma torre de vidro de seis andares, sustentada por pilares em seus quatro cantos.

Essa torre de vidro, por sua vez, fica dentro de uma “caixa maior” de granito e mármore (quem vê o edifício de fora só vê essa parte). O mármore tem mais de 3cm de espessura, mas mesmo assim deixa passar um pouco de luz solar em dias mais claros, gerando um brilho amarelado no interior do ambiente.

Em torno da torre de vidro há um mezanino com espaço para a exposições de obras raras, como uma cópia original da bíblia de Gutenberg. No total, a Beinecke tem espaço para mais de 180 mil livros em sua torre de vidro, e mais de um milhão em seu espaço no subsolo. Trata-se, de acordo com o site da biblioteca, de um dos maiores edifícios do mundo dedicado a livros raros.

The Library of Trinity College Dublin

 (Trinity College Dublin/)
 (Trinity College Dublin/Reprodução)
 (Trinity College Dublin/Reprodução)

A biblioteca do Trinity College Dublin é composta por diversos edifícios. O mais antigo deles, conhecido como “Old Library“, começou a ser construído em 1712 e levou 20 anos para ser terminado. Como as imagens permitem ver, o esforço valeu a pena. Atualmente, a “Old Library” não é apenas uma biblioteca renomada como também uma atração turística.

A principal sala desse edifício é chamada de “Long Room”. Não à toa: ela tem 65 metros de comprimento e abriga cerca de 200.000 livros, entre eles alguns dos tomos mais antigos do acervo. Em frente ás prateleiras, mirando o corredor central, estão bustos de mármore de grandes filósofos e pensadores ocidentais — 51 no total.

Além dos livros, a biblioteca também resguarda um manuscrito original da proclamação da independência da Irlanda e uma harpa de madeira de carvalho e salgueiro, com 29 cordas. Essa harpa é a que é usada como modelo para o brasão da Irlanda.

George Peabody Library da Johns Hopkins University

 (Johns Hopkins University/Reprodução)
(Johns Hopkins University/Reprodução)

George Peabody Library reflete bem o estilo do século XIX, quando foi construída graças à doação de um magnata da época — o próprio George Peabody. Ela deveria ser inaugurada em 2860, mas conflitos relacionados à Guerra Civil dos EUA atrasaram até 1866 a inauguração de suas primeiras alas.

No entanto, só em 1878 a construção da biblioteca seria encerrada, cumprindo seu objetivo de tornar-se uma “catedral de livros”. Ela foi parte do Instituto Peabody até 1967, quando sua propriedade foi transferida para o município de Baltimore. Em seguida, a Johns Hopkins University tornou-se sua administradora em 1982.

Dentro da George Peabody Library há mais de 300 mil livros, de todas as áreas. Algumas disciplinas com maior representação, no entanto, são religião, história da ciência, geografia, línguas e literaturas românicas (francês, espanhol, inglês, português, etc.) e história, literatura e biografias dos EUA.

Nakajima Library, da Akita International University

 (Akita International University/Reprodução)

Nakajima Library pode não ser a biblioteca mais volumosa ou imponente. No entanto, ela tem algo que nenhuma outra biblioteca dessa lista tem: fica aberta 24 horas por dia, 365 dias por ano. A ideia é justamente oferecer um ambiente em que é possível estudar a qualquer momento.

Ainda assim, em termos arquitetônicos ela também chama a atenção. Em particular, destaca-se o fato de que ela é construída inteira de madeira. E não de qualquer madeira, mas de cedro da própria região de Akita, onde ela se localiza. O projeto lembra um “coliseu de madeira”, feito para inspirar os estudantes a enfrentar desafios intelectuais como os antigos gladiadores.

Mesmo que você não fale japonês, a biblioteca vale uma visita, e não só pela arquitetura. Mais de 60% dos seus livros não são em japonês, e boa parte deles estão em inglês. A coleção internacional da Nakajima Library fez com que ela fosse uma das 14 bibliotecas do Japão a serem designadas como Biblioteca Depositária da ONU.

Klarchek Information Commons, da Loyola University of Chicago

(Loyola University of Chicago/Reprodução)
(Loyola University of Chicago/)

À beira do lago Michigan, o Klarchek Information Commons é um edifício de aço e vidro que oferece vistas espetaculares: de um lado, o campus de Lake Shore da Loyola University; do outro, a imensidão do lago Michigan.

O prédio foi projetado de acordo com a filosofia dos “três Cs” que norteia a universidade: Colaboração, Conectividade e Comunidade. Por isso, além de um grande acervo de livros, ele também oferece internet sem fio de alta velocidade para todos os visitantes, e dispõe de espaços de estudo ou de socialização. É por abrigar essas diversas práticas distintas que ele se chama “information commons” em vez de biblioteca.

Ele é, ao mesmo tempo, uma das três bibliotecas universitárias que compõem o acervo da Loyola university, que conta com mais de 900 mil livros — distribuídos entre os edifícios, é claro. A internet de alta velocidade, os espaços de estudo colaborativo e as vistas maravilhosas, no entanto, são exclusividade do Klarchek Information Commons.

Biblioteca de Filologia da Universidade Livre de Berlim

 (Universidade Livre de Berlim/Reprodução)
 (Universidade Livre de Berlim/Reprodução)
 (Universidade Livre de Berlim/Reprodução)

Projetado pelo renomado arquiteto Norman Foster, o edifício da Biblioteca de Filologia da Universidade Livre de Berlim é livremente inspirado na forma do cérebro humano. As ideias de “paredes” e “teto” se confundem, já que ele é todo envolto por uma espécie de redoma feita de placas de alumínio e vidro.

Essa construção e os materiais usados também tem outras vantagens. Elas permitem que a biblioteca aproveite imensamente a ventilação e iluminação naturais. As prateleiras curvas, cheias de bancadas para estudos também remetem às curvas do cérebro.

Em termos de livros, ela abriga 13 coleções que antes pertenciam a bibliotecas universitárias separadas da universidade, como Clássicos, Estudos Latino-americanos, Literatura Geral e Comparada e Filosofia, totalizando cerca de 800 mil volumes.

Fonte: Guia do Estudante

As bibliotecas e a memória do cinema

A matéria de Ieda Marcondes (*) sobre o risco de desaparecimento de filmes importantes como consequência do “salto tecnológico” para plataformas de streaming, publicada na Folha de São Paulo, chamou a atenção dos bibliotecários da ECA. Segundo Ieda, citando Jan-Christopher Horak, diretor do Arquivo de Filme e Televisão da Universidade da Califórnia, a atualização dos suportes sempre deixa para trás de 15 a 20% dos filmes em circulação. Ou seja, boa parte dos filmes que a gente alugava nas velhas videolocadoras não estarão disponíveis na Netflix e congêneres.

Isso ocorre porque nem todo filme tem suficiente apelo comercial para interessar a essas empresas, mesmo que seja um clássico imprescindível que todo estudioso do cinema deveria conhecer. Se for uma obra mais ou menos obscura, experimental ou “difícil”, pior ainda. Prova disso, continua Ieda em seu artigo, é a decisão da Warner de fechar o Filmstruck, serviço que mantinha obras de cineastas como John Ford, François Truffaut, Federico Fellini e Yasujiro Ozu.

Qual seria solução para isso? A mesma que já existe para livros antigos, esgotados, sem interesse comercial mas com muita relevância cultural: as bibliotecas. Bibliotecas costumam manter acervos de livros com essas características, conservá-los e até, quando a legislação e as condições práticas permitem, digitalizá-los.  Entretanto, ainda são relativamente poucas as bibliotecas brasileiras que têm coleções importantes de filmes, organizadas, catalogadas e acessíveis ao público. Diante do quadro atual em que a atuação das bibliotecas pode contribuir para manter acessíveis obras em risco de esquecimento, é importante que nossas bibliotecas passem a se dedicar mais ao desenvolvimento de acervos de filmes.

Rolos de filme no acervo da Biblioteca da ECA

Nesse aspecto, a Biblioteca da ECA se destaca. Nossa biblioteca sempre foi, desde sua criação, uma biblioteca de filmes. Nossa primeira grande missão na área foi a guarda, catalogação e conservação dos filmes produzidos pelos alunos do curso de cinema da ECA, hoje Audiovisual. Posteriormente, com a popularização dos suportes para distribuição doméstica de filmes, começamos a montar uma coleção voltada para as necessidades dos cursos da Escola que usam filmes em suas atividades de ensino e pesquisa. O acervo está todo catalogado e registrado na base de dados Filmes e vídeos – acessível pelo nosso site – e no banco de dados Dédalus (parcialmente). Chegamos a desenvolver uma metodologia específica para tratamento de nosso acervo de imagens em movimento, disponível para download no Portal de Livros Abertos da USP.

Nosso acervo contém filmes de todos os cineastas citados no artigo da Folha e muitos outros, alguns até bem pouco conhecidos pelo público não especializado. Temos, por exemplo: caixa com os filmes de John Ford, F. W. Murnau e Frank Borzage produzidos pela 20th Century Fox; edição comemorativa dos 100 anos de Manoel de Oliveira, contendo 21 filmes; filmes underground de Andy Warhol; filmes brasileiros da Programadora Brasil, coleção Cinema Brasileiro Contemporâneo, com filmes brasileiros recentes.

Recebemos, com alguma frequência, doações de filmes feitas pelos próprios diretores ou produtores, como foi o caso de Evaldo Mocarzel, que doou 23 filmes que dirigiu, e doações de escolas de cinema brasileiras e estrangeiras.

Nossa coleção de vídeos em VHS, que começamos a formar em 1987, é conservada com cuidado. O acervo em vídeo gerado na própria Escola foi, quase todo, copiado para DVD. Outras providências estão sendo tomadas para garantir a sobrevivência desses arquivos, mas os originais em vídeo, bem como os aparelhos para sua reprodução, ainda serão mantidos.

Recebemos, com bastante frequência, estudantes e pesquisadores interessados em assistir filmes que não localizaram em outras fontes, aí incluídas plataformas de streaming e site de torrents. Nosso velho e sofrido acervo de vídeos já ajudou muitos cinéfilos aflitos, mas também já tivemos, infelizmente, muitas demandas que não pudemos atender.

O avanço da tecnologia trouxe, aqui mesmo na ECA, efeitos inesperados. Enquanto a produção do curso de Audiovisual era em película cinematográfica em 16 ou 35 mm, as cópias eram enviadas à Biblioteca, que mantinha atualizado o catálogo desse acervo tão importante. Mesmo depois que, para garantir melhores condições de conservação, os filmes mais antigos foram depositados na Cinemateca Brasileira, as informações de catálogo continuaram disponíveis nas bases de dados mantidas pela Biblioteca da ECA. A partir do momento em que os filmes começaram a ser produzidos em suporte digital, o material deixou de ser enviado regularmente à Biblioteca. Temos em nossos catálogos produções do curso de Audiovisual apenas até o ano de 2013. Não conseguimos informar, como fazíamos antigamente, sobre a totalidade dos filmes produzidos pelo curso. Mas, as negociações para revolver esse problema estão avançadas e acreditamos que, em breve, o fluxo normal será retomado e voltaremos a catalogar os filmes de produção da ECA.

Enquanto isso, vejam a lista parcial de Trabalhos de Conclusão de Curso da ECA em forma de filme ou vídeo, incluindo produções dos cursos de Jornalismo e Artes Visuais.

(*) A matéria da Folha de São Paulo é acessível apenas para assinantes. A consulta é possível pelos computadores da Biblioteca, basta solicitar o acesso aos funcionários.

Fonte: Blog da Biblioteca da ECA

¿De qué manera la biblioteca y los bibliotecarios aportan valor a la investigación y la docencia en la universidad?

university-libraries

The University Librarian: Providing Value to the Research University. Otawa: CARL-ABRC, 2019

Texto completo

Las bibliotecas promueven la misión educativa y el apoyo a la investigación en la universidad, impulsando el éxito de los estudiantes y la contribución de la universidad a la erudición global y al avance del conocimiento. Y el bibliotecario aporta valor a la universidad, a su profesorado, a los estudiantes y a las partes interesadas.

Las bibliotecas universitarias apoyan y promueven las actividades  de investigación y la misión educativa de la universidad, impulsando el éxito de los estudiantes y la contribución de la universidad a la erudición global y al avance del conocimiento.

El director de la biblioteca de la universidad, es el encargado de dar forma a la visión y ofrece la capacidad de excelencia en la provisión de servicios de información, recursos e instalaciones para promover los objetivos estratégicos de la universidad.

De este modo, el bibliotecario universitario:

  • Posiciona el sistema de la biblioteca como un lugar de aprendizaje más allá del aula, asegurando el provisión de programas dinámicos para estudiantes y profesores; asiste a las tareas de instrucción e investigación ; proyecta y fomenta instalaciones inclusivas, centradas en el alumno para el estudio individual y en grupo; y favorece el uso de tecnologías para apoyar la creación, el acceso, la difusión, la preservación y el uso de la información. Al evolucionar y mejorar constantemente los servicios, las instalaciones y las tecnologías de las bibliotecas, el bibliotecario mejora la experiencia del estudiante y contribuye a la retención y el éxito de los estudiantes en la institución.
  • Asegura que los estudiantes, el profesorado y los investigadores tengan un acceso óptimo al mercado internacional de la información. Impulsa la riqueza de los recursos de información en consonancia con a la misión de la universidad. Fomenta la investigación y mejora la calidad de vida de las personas. Apoya el perfil de investigación y el posicionamiento de la universidad en los rankings.
  • Permite la preservación y el acceso a largo plazo a la producción intelectual de la universidad a través de relaciones de colaboración con todas las áreas que apoyan la los objetivos de la investigación, en particular con las oficinas de investigación y los vicerrectorados de investigación. Entendiendo la creciente importancia de la ciencia abierta y la intersección de la investigación con la investigación avanzada sobre gestión de datos de investigación (RDM). Así, el bibliotecario fomenta la la función de la biblioteca como un recurso de apoyo a la gestión de datos en todo el campus, y proporciona asesoramiento experto relacionado con los desafíos de la información digital y la gestión de datos.

Como miembro de la dirección académica y administrativa de la universidad, el bibliotecario se asegura de que la biblioteca sea un socio en la enseñanza y el aprendizaje, la investigación, el profesorado y el público en general, que favorece el reclutamiento y retención de estudiantes, la gestión de riesgos, el desarrollo del personal, la elaboración de los presupuestos, la recaudación de fondos y las relaciones con la comunidad, implicándose en la equidad, la diversidad y la inclusión de todos y cada uno de los miembros de la universidad.

Por lo general, los bibliotecarios universitarios disponen de nombramientos administrativos, generalmente a través de nombramientos de libre designación como profesionales bibliotecarios. Por lo que a menudo tienen responsabilidades más allá del sistema bibliotecario, lo que les permite contribuir a la estrategia digital universitaria, a la gestión de la edición universitaria, a la gestión de los derechos de autor, a los programas de gestión de registros, archivos, tecnología de la información y/o a los servicios de aprendizaje en línea. En general, disponen de conocimientos avanzados en estudios bibliotecarios y de información, que aportan valiosos conocimientos sobre el tema del dominio de la información en un mundo en rápida evolución, tales como la creación, producción, difusión, adopción de normas esenciales, la gestión, la preservación y la deselección de la información en la era digital.

Así el bibliotecario aporta valor a la universidad, al profesorado, a los estudiantes y a las partes interesadas (Stakeholder), ya que:

  • Capitaliza las oportunidades y los desafíos a los que se enfrenta la educación superior en un mundo digital cada vez más interdependiente ;
  • Contribuye a la creación de una red regional, nacional e internacional a la que se puede recurrir para promover las necesidades y objetivos del desarrollo local;
  • Aporta una visión innovadora y de futuro que anticipa, investiga y crea capacidad para las nuevas funciones de las bibliotecas y la aplicación de las nuevas tecnologías que permitirán avanzar en la investigación y el aprendizaje;
  • Establece una dirección estratégica y de liderazgo en la adopción de tecnologías emergentes;
  • Favorece la defensa persuasiva de los valores y normas profesionales a un amplio espectro de organizaciones externas;
  • Gestiona el liderazgo y la administración colaborativa de los recursos humanos, físicos y financieros de las bibliotecas;
  • Aporta una amplia capacidad de contribución profesional a la administración superior de la universidad y la habilidad de comunicarse exitosamente e influenciar a otros; y,
  • Participa en programas de investigación regionales, nacionales e internacionales. con organizaciones profesionales que aportan crédito a la universidad.

Fonte: Universo Abierto

Webinar gratuito “A biblioteca universitária e os novos instrumentos de avaliação (MEC/INEP) – Na prática!”

Na próxima sexta-feira, dia 22 de março, às 11h, a Elsevier promoverá o Webinar gratuito “A biblioteca universitária e os novos instrumentos de avaliação (MEC/INEP) – Na prática!”, apresentado por Mírian Rocha.

Inscreva-se agora mesmo e não perca essa oportunidade de se atualizar! Vagas limitadas. Acesse o site: bit.ly/WebinarMirianRocha

Dia do Bibliotecário será comemorado com palestra do médico Jamiro Wanderley

O Dia do Bibliotecário, 12 de março, será comemorado com palestra do médico e professor da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, Jamiro Wanderley. Ele falará sobre “Saúde e qualidade de vida no trabalho”. O evento ocorre às 14 horas no Auditório do Programa UniversIDADE e é promovido pelo Sistema de Bibliotecas e pela Biblioteca da Área de Engenharia e Arquitetura da Unicamp. Mais detalhes no link, telefone 19-3521-6470 ou e-mail robertat@unicamp.br

La Universidad de California boicotea las publicación de Elsevier por los costos de las revistas y en favor del acceso abierto

Texto por Julio Alonso Arévalo

UC terminates subscriptions with Elsevier in push for open access to publicly funded research. Office of Scholarly Communication
University of California, marzo 2019

Ver noticia

Después de meses de negociaciones sobre las tarifas de acceso abierto y las tarifas de suscripción, el Sistema de bibliotecas de la Universidad de California cancela su contrato de suscripción a las revistas de Elsevier. La cancelación, anunciada el jueves, la primera de este tipo en Estados Unidos, es un golpe para Elsevier, que se enfrenta a una presión cada vez mayor para cambiar su modelo de negocio basado principalmente en las suscripciones a revistas a cambio de un cuota anual.

La Universidad de California (UC) anunció que dejará de pagar las suscripciones a las revistas publicadas por Elsevier, el mayor editor científico del mundo, con sede en Ámsterdam. Las conversaciones para renovar un contrato colectivo se interrumpieron, dijo el responsable de colecciones de la universidad, porque Elsevier se negó a cerrar un acuerdo que proporcionaría una reducción en las cuotas de suscripción y haría que todos los artículos publicados por los autores de la UC fueran inmediatamente gratuitos para los lectores de todo el mundo. La UC publicó alrededor de 50.000 artículos el año pasado, y una parte sustancial, alrededor de 10.000, aparecieron en revistas de Elsevier.

La postura de la UC, tras 8 meses de negociaciones, podría tener un impacto significativo en la comunicación científica y la dirección del llamado movimiento de acceso abierto, en los Estados Unidos. El sistema integrado por 10 campus representa casi el 10% de toda la producción editorial de Estados Unidos y está entre las primeras instituciones estadounidenses, y de lejos la mayor, en boicotear a Elsevier por los los precios de las suscripciones. Muchos gestores y bibliotecarios de universidades estadounidenses y de otras partes del mundo se han quejado de las tarifas de suscripción excesivamente altas que cobran los editores comerciales.

La UC ha estado negociando a favor de un llamado acuerdo de lectura y publicación con la empresa, que compensaría el costo de la publicación en acceso abierto con el costo acceso al contenido de suscripción. Los principales negociadores del sistema sostienen que este tipo de acuerdo ayudaría a los editores a acelerar la publicación de acceso abierto y, finalmente, a eliminar las barreras de pago. Bajo tal acuerdo, toda la investigación de la UC publicada en las revistas de Elsevier estaría inmediatamente disponible al público. La universidad buscaba un contrato en el que pagara una cuota que cubriera tanto las suscripciones como los costos de procesamiento de artículos (APC) que se cobran por poner los documentos en acceso abierto. Elsevier hizo una oferta que combinaba los costes de acceso al contenidos de pago con la publicación de artículos de acceso abierto. Pero a cambio esta oferta incrementaba considerablemente los precios de suscripción, que la UC no estaba dispuesto a pagar.

Esta decisión aumenta la presión sobre las negociaciones adicionales a las que se enfrenta Elsevier y otros editores comerciales; como ya ocurrió con las universidades y laboratorios de Alemania y Suecia, ya que el año pasado, cientos de instituciones de Alemania y Suecia se negaron a firmar un acuerdo con Elsevier a menos que aceptaran cambiar radicalmente la forma en que cobra a las instituciones por acceder a la investigación y publicarla. Los defensores del acceso abierto en Europa y en otros lugares del mundo, sostienen que el libre acceso a los artículos científicos es esencial para acelerar el descubrimiento científico y está justificado dado que gran parte de la investigación publicada se financia con el dinero de los contribuyentes.

La UC tendrá que encontrar otras formas de acceder a las publicaciones de Elsevier, que incluye a algunas de las mejores del mundo. Por el momento, la UC ha dicho que sus bibliotecas están preparadas para proporcionar a los lectores “medios alternativos de acceso” sin costo alguno, al igual que lo hacen para cualquier otro contenido.

Fonte: Universo Abierto

4º Encontro de Bibliotecas de Ensino Superior

4º Encontro de Bibliotecas de Ensino Superior, na Universidade de Coimbra- PT, com o tema “Competências, Infraestruturas de Investigação, Redes de Cooperação” de forma a promover o debate dos desafios e o conhecimento das tendências mais recentes para as bibliotecas e serviços de informação e documentação de Instituições de Ensino Superior e de Investigação Propomo-nos perspetivar a exploração dos meios e ações que potenciem projetos relevantes nas Instituições de Ensino Superior nacionais, procurando gerar sinergias e oportunidades de colaboração e promovendo a valorização técnica e a definição de estratégias de ação na comunidade de ensino e investigação.

Fonte: 4º Encontro de Bibliotecas de Ensino Superior

A Biblioteca dá as boas-vindas aos alunos ingressantes na Universidade em 2019 e divulga as ações de acolhimento

As ações de acolhimento foram organizadas pelo Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU) e pela Biblioteca da Faculdade de Educação (ações locais)

Simone Lucas Gonçalves de Oliveira
Na próxima 3ª feira, 26 de fevereiro, das 10h às 18h, o SBU realiza, no saguão do Ciclo Básico II (PB), ações de acolhimento aos alunos que ingressam na Universidade em 2019. Além do SBU, vários outros órgãos da Universidade participam das atividades de integração dos novos estudantes, que se iniciaram no dia 20 de fevereiro com a recepção aos alunos indígenas.

A novidade deste ano é que a Calourada Unicamp está em consonância com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ODS/ONU).  As ações do SBU estão alinhadas ao 4º objetivo do ODS – Educação de qualidade. Funcionários do Sistema estarão no PB divulgando os serviços oferecidos pelas bibliotecas (catálogo online, busca integrada, etc.), esclarecendo dúvidas gerais, como cadastro nas bibliotecas, Rede Eduroam e orientando os alunos a baixarem o aplicativo SophiA Biblioteca. Haverá também distribuição de brindes e sorteio de livros oferecidos pela Editora da Unicamp, além de uma exposição de materiais acessíveis do Laboratório de Acessibilidade (LAB) da Unicamp, localizado no Prédio da Biblioteca Central Cesar Lattes (BCCL). A programação completa e outras informações podem ser consultadas na página do evento, em https://www.calourada.prg.unicamp.br/

A Biblioteca da Faculdade de Educação também preparou a mostra de livros “Acolher, Compreender e Incluir: divulgação da literatura indígena” que estará aberta para visitas no saguão da Biblioteca da FE/Unicamp durante o período da Calourada 2019. Em breve será iniciada a exibição de filmes no Programa Cine Biblioteca & Exposição com abordagem da temática da aula inaugural do Curso de Pedagogia “Formação de redes de ação e a trajetória de ativistas negros na história” a ser realizada em 04/04/2019 às 19h no salão nobre da Faculdade.

À disposição.

Cordialmente,

Biblioteca Prof. Joel Martins
Faculdade de Educação da Unicamp

Fonte: Faculdade de Educação da Unicamp

Las 6 etapas que detallan la importancia de las bibliotecas en el apoyo a la investigación

El proceso de investigación es una búsqueda que permite formular nuevos conocimientos a partir de fuentes anteriores, permitiendo la evolución y enriquecimiento de una disciplina. Y, como ya supondréis, las bibliotecas tienen un papel destacado en el apoyo y desarrollo de la investigación. Ahora bien, ¿cómo pueden las bibliotecas ayudar a profesores, académicos e investigadores para potenciar la investigación y el conocimiento?

Las bibliotecas tienen un papel destacado en el apoyo y desarrollo de la investigación

Tal y como señala Starr Hoffman (Jefa de Planificación y Evaluación de las Bibliotecas de la Universidad de Nevada) en el vídeo «Library Support for the Research Lifecycle» publicado en YouTube, todo proceso de investigación se divide en una serie de etapas, que pueden ser muy variadas, pero que en cierta medida quedarían aglutinadas en seis:

Según el siguiente gráfico, todas y cada una de las etapas de investigación deberían ser apoyadas por los servicios bibliotecarios para que esta obtenga el éxito deseado y una óptima consecución de los objetivos. De este modo, las etapas de toda investigación serían las siguientes:

Library Support for the Research Lifecycle

1. Revisión bibliográfica

Según la Universidad de Carolina de Norte, una revisión bibliográfica analiza la información publicada en un área temática en particular y, en ocasiones, la información en un área temática en particular dentro de un período de tiempo determinado. Puede ser solo un simple resumen de las fuentes, pero generalmente tiene un patrón organizativo y combina tanto el resumen como la síntesis, entendiendo síntesis como reorganización de la información (a diferencia del resumen que sería solo un acortamiento de la misma). De acuerdo con todo esto, la biblioteca podría ayudar en la:

  • Recopilación de información.
  • Búsqueda y consulta de información bibliográfica.
  • Gestión de citas o referencias.

2. Planificación de búsqueda

Para que la investigación tenga éxito es preciso que la búsqueda de información se haga siguiendo unas pautas y parámetros preferiblemente normalizados. El profesional de la información tendrá en cuenta siempre:

  • Datos iniciales. A partir de los cuales se desarrollará la búsqueda en cuestión.
  • Infraestructura y espacio. Muy importantes para el almacenaje de la información.
  • Plan de gestión de datos. Fundamental a la hora de la entrada de nueva información o para la recuperación de la ya existente.

3. Búsqueda activa

La Asociación para la Supervisión y el Desarrollo Curricular (ASCD) indica que este tipo de investigación es un proceso disciplinado de indagación por y para quienes toman la acción. La razón principal para participar en este tipo de investigación es ayudar al actor a mejorar y/o perfeccionar sus acciones. El especialista en información pone su granito de arena aportando al investigador:

  • Recopilación de información digital y especial.
  • Soporte digital.
  • Bases de datos y sistemas de localización.

4. Publicación y presentación

La publicación y presentación de los trabajos es el fin de toda investigación. Por ello, es imprescindible el asesoramiento de un especialista acerca de:

  • Dónde publicar.
  • Creación de contenidos.
  • Apoyo de los derechos de autor.

5. Compartir la información y conservación

Tal y como nos explica el servicio bibliotecario de la Universidad de Stanfordel intercambio de datos es a menudo una parte natural del proceso de investigación, sin embargo el financiador del proyecto puede requerir que comparta sus datos o los haga públicos. Antes de compartir sus datos debe considerar no solo los metadatos que deberá proporcionar junto con los datos para que se entiendan fácilmente, sino también los problemas de privacidad, propiedad intelectual, derechos de autor o licencias que deben abordarse con respecto al intercambio. Es fundamental tener en un estado óptimo por parte del personal bibliotecario el:

  • Repositorio institucional.
  • Servicio de metadatos.
  • Servicio de datos.

6. Conversación de investigación (Acceso)

El Conversation Research Institute (CRI) indica que investigar comunicándose es, simplemente, investigar conversaciones en línea (aquellas que se encuentran en las redes sociales o cualquier otro medio en línea que permita la discusión de usuario a usuario) con el propósito de descubrir información. El profesional de la información, en este caso, deberá tener en cuenta las siguientes acciones para llevar a cabo esta fase:

  • Acceso abierto.
  • Catalogación.
  • Medición de las citas bibliográficas.

Cualquiera de las fases representadas en este post requieren del trabajo bibliotecario. El investigador recopila y detalla la información que necesita y los bibliotecarios se centran en localizar la información necesaria. Para eso, utilizarán bases de datos que indexan la bibliografía publicada, bases de datos referenciales, tesis, servicio de préstamo interbibliotecario, fuentes de información a texto completo. Además, conocerá herramientas y ayudará en la interpretación en el análisis de citas bibliográficas, muy útiles para conocer qué información es la más relevante. También, los servicios bibliotecarios son un apoyo claro para el conocimiento de los derechos de autor y su salvaguarda, conocimiento de fuentes y herramientas donde publicar contenidos.

Imagen superior cortesía de Shutterstock

Fonte: ComunidadBTZ

Fotos expostas em São Carlos mostram locais do Apartheid

Mostra está em cartaz até 30 de março na Biblioteca do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP

Fotos mostram detalhes da opressão do Apartheid na África do Sul – Foto: Rodrigo Takayassu

Juiz do trabalho por vocação e fotógrafo por acaso. É assim que se define Rodrigo Takayassu, autor da exposição Locais do Apartheid sob o Olhar de um Estrangeiro. Ele viajou pela África do Sul e registrou fragmentos do apartheid que resultaram em uma coletânea de imagens e textos, que ficarão expostos na vitrine que se localiza no térreo da Biblioteca Achille Bassi, no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos (SP).

O Apartheid foi um regime de segregação racial que vigorou na África do Sul entre 1948 e 1994. Imposto pelo governo da minoria branca do país, ele preconizava a separação radical entre brancos e negros na sociedade sul-africana.

Gratuita, a exposição Locais do Apartheid sob o Olhar de um Estrangeiro ficará em cartaz de 31 de janeiro a 30 de março de 2019 e pode ser visitada em qualquer dia e horário. Entusiasta da arte fotográfica há dez anos, Takayassu atua como juiz do trabalho no Fórum Trabalhista de Ribeirão Preto, local em que as obras foram expostas no final do ano passado.

A exposição é promovida pelo Centro Cultural da Prefeitura do campus da USP de São Carlos, e faz parte da Oficina de Fotografia da 3ª edição dos Cursos de Férias. Conta com apoio do Grupo Coordenador das Atividades de Cultura e Extensão Universitária do Campus de São Carlos (GCACEx) e da Comissão de Cultura e Extensão Universitária do ICMC.

Cartaz de divulgação da exposição Locais do Apartheid sob o Olhar de um Estrangeiro – Foto: Reprodução

Fonte: Jornal da USP

Dispositivos legais a serem observados na aplicação da multa financeira em Bibliotecas Universitárias

Rafael Vieira de Gouveia

O texto a seguir integra o meu Trabalho de Conclusão de Curso sobre a aplicação de sanções em Bibliotecas Universitárias:Seja na tentativa de cumprir à risca com o que dispõe o regramento institucional, seja por desconhecimento da legislação brasileira, seja por falta de autonomia para agir de modo diferente, alguns bibliotecários acabam, ocasionalmente, aplicando a multa financeira por atraso de forma desarrazoada e desproporcional ao usuário, levando este último a buscar os seus direitos junto ao PROCON ou, até mesmo, no Poder Judiciário.Neste texto, busca-se demonstrar a necessidade, ratificada com a publicação da Resolução do Conselho Federal de Biblioteconomia (CFB) nº 207/2018, de se observar, no âmbito das bibliotecas, o que dispõe o ordenamento jurídico brasileiro sobre o contrato ali firmado, quando do empréstimo do material do acervo.[1] Para tanto, será analisado o que dispõe o Código Civil sobre: a cláusula penal (nome jurídico dado, dentre outros institutos, à multa) e o tratamento a ela conferido; o enriquecimento ilícito; o contrato de comodato (o qual se aplica no âmbito das bibliotecas, na efetivação do empréstimo domiciliar); e a boa-fé objetiva (dever anexo de qualquer relação contratual).

Conjugada às análises dos dispositivos legais, serão citadas jurisprudências (entendimentos firmados pelos Tribunais do Poder Judiciário) das suas aplicações no âmbito de conflitos envolvendo bibliotecas e seus usuários. Por fim, pretende-se concluir qual é a forma mais adequada para a aplicação da multa financeira de acordo com o que dispõe o ordenamento jurídico brasileiro, de forma a minimizar os conflitos entre a biblioteca e o seu usuário.

O art. 412 do Código Civil brasileiro (CC), no capítulo que versa sobre a cláusula penal, enuncia que “O valor da cominação imposta na cláusula penal não pode exceder o da obrigação principal.” Esse artigo expressamente diz que não se pode exigir o pagamento de um valor, a título de cláusula penal (multa), que supere o valor da obrigação principal.

Em outras palavras: se o usuário efetua o empréstimo de um livro que custa no mercado R$ 100,00, não pode o bibliotecário exigir dele, quando da devolução do material, após a data limite estipulada, um valor de multa maior do que o de R$ 100,00, sob pena de estar a instituição em que a biblioteca é vinculada se enriquecendo ilicitamente.

O art. 884 do CC define que enriquece de maneira ilícita “Aquele que, sem justa causa, se enriquecer à custa de outrem […]”, tal tipo de enriquecimento é repudiado pelo ordenamento jurídico brasileiro e, portanto, indefensável. No site JusBrasil, portal voltado para o compartilhamento de informações jurídicas, é possível encontrar algumas sentenças judiciais referentes a impasses envolvendo bibliotecas universitárias e usuários sobre a cobrança de multas abusivas. Em tais sentenças, os artigos supramencionados foram evocados em defesa dos usuários, conforme se observa a seguir:

[…] a ré foi aluna da instituição, e por conta dessa qualidade fez empréstimo de um livro junto à biblioteca em 13 de outubro de 2010, com previsão de entrega para o dia 20 do mesmo mês, o que não ocorreu. Postulou a condenação da ré na entrega da obra literária indicada na inicial, bem como no pagamento de multa incidente por dia de atraso no valor de R$ 2,00, no montante de R$ 1.090,00. O valor da multa não pode exceder o da obrigação principal, nos termos do artigo 412 do Código Civil. […] Diga-se que a obra intelectual em comento é bem fungível e de fácil aquisição no comércio, de valor médio, como visto, de R$ 47,61. […] a apelada [a instituição a qual a biblioteca é vinculada] queria que se desse vida a uma obrigação absolutamente desproporcional e por isso tal pretensão não poderia prevalecer […] Não poderia porque acarretaria o enriquecimento sem causa que não pode ser prestigiado, por implicar grave subversão à ordem social vigente e por causar aquele sentimento de repulsa, de intolerância que faz o cidadão descrer da Justiça e da Democracia. […] Assim sendo, no limite da insurgência recursal manifestada pela Defensoria Pública, a hipótese é de redução e limitação da multa para o valor de R$ 47,61, correspondente ao preço do livro indicado na inicial. (SÃO PAULO, 2017, p. 2 et seq., grifo nosso).

A sentença abaixo trata da limitação imposta pelo artigo 412 do CC no que se refere à cobrança de multa e diz ainda sobre a instituição poder cobrar do usuário a devolução do livro emprestado (ou o valor correspondente atual – se o usuário tiver perdido o livro) mais a multa limitada ao valor do livro:

A respeitável sentença reconheceu a obrigação da ré no tocante à devolução das obras, impondo-lhe o pagamento da quantia de R$. 92,91, acolhendo parcialmente o pedido de pagamento de multa em idêntico montante, nos termos do artigo 412 do Código Civil. A recorrente insiste no pagamento da multa pelo valor pleiteado, ou seja, de R$. 8.448,00. Sem razão, contudo. […] Na hipótese, os livros foram retirados pela demandada em junho de 2006 e, em maio de 2010, a apelante vem reclamar o cumprimento da obrigação quanto à devolução e, cumulativamente, o pagamento da multa. Se os livros não foram devolvidos, à apelante assiste apenas o direito de pleitear a sua devolução, mas a multa não pode, efetivamente, exceder o valor da obrigação principal. Se as obras foram orçadas em R$. 92,91, resta evidente que, sob tal título, é inexigível o pagamento da quantia superior. (SÃO PAULO, 2011, p. 2 et seq., grifo nosso).

Assim, para que a biblioteca possa requerer do usuário, de forma inquestionável, o pagamento de uma multa decorrente da sua demora em retornar o material para o acervo, deve a instituição agir com respeito à boa-fé objetiva. A boa-fé objetiva se trata de um princípio do direito, expresso em artigos tanto do CC quanto do CDC. O artigo 422 do CC diz que “Os contratantes são obrigados a guardar, assim na conclusão do contrato, como em sua execução, os princípios de probidade e boa-fé.” Já o inciso III do artigo 4º do CDC enuncia a boa-fé objetiva como a base nas relações entre consumidores e fornecedores.

Entende-se, portanto, que a boa-fé é um princípio reitor de qualquer relação contratual. No âmbito da biblioteca, nota-se ser evidente a existência de um contrato. Isso porque, quando o usuário empresta com a biblioteca, está contratando um serviço fornecido por ela, realizando o que é chamado no direito de contrato de comodato[2]. Logo, a prestação desse serviço implica no cumprimento de direitos e deveres postos em contrato, tanto por parte do usuário quanto por parte da biblioteca. Pautar as próprias ações na boa-fé objetiva significa agir sem a intenção de causar prejuízo a um terceiro. Nesse sentido, tão logo a biblioteca perceba que o usuário se encontra em situação de inadimplência, por lealdade contratual, precisa o bibliotecário notificar o usuário o quanto antes acerca da sua condição de inadimplente, reduzindo com isso o seu prejuízo ao mínimo possível.

Importante também no que toca à exigência do pagamento de uma multa financeira é a biblioteca se cercar de cuidados, registrando os empréstimos efetuados. Para o cumprimento dessa finalidade, é fundamental a confecção de documentos onde se possa verificar, de forma inequívoca, a assinatura do usuário, evitando assim a situação embaraçosa de ter que comprovar o empréstimo diante daquele usuário que, com segurança, nega tê-lo efetuado.

Comprovações produzidas unilateralmente, ou seja, por só uma parte, quando não realizadas por um agente público em uma instituição pública, não são aceitas pelo poder judiciário como comprovação hábil do empréstimo. Esse posicionamento pode ser verificado abaixo, em trecho de uma outra decisão judicial proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo:

A sentença julgou improcedentes os pedidos em razão de a autora não ter comprovado o fato constitutivo do seu direito, ou seja, não demonstrou o empréstimo do livro ao réu, ônus que a ela cabia. […] Com efeito, não se há que reformar a sentença de primeiro grau, pois os documentos que instruem a inicial não são suficientes para demonstrar o empréstimo, apesar de ter ficado comprovado que o réu frequentou curso superior na instituição de ensino autora. O documento de fls. 41 foi produzido unilateralmente e é apócrifo. Não há nele assinatura do réu, não podendo, assim, produzir prova contra ele, representando mera impressão de tela de computador, que, não sendo emitida por agente público, não possui o atributo de fé pública. Além disso, se fosse conferida eficácia probatória a tal documento, o réu seria obrigado a comprovar fato negativo, ou seja, que não alugou o livro, o que dificultaria sua defesa, violando o disposto no artigo 6º, inciso VIII, do CDC. (SÃO PAULO, 2014, p. 3 et seq., grifo nosso).

A partir do exposto na última citação, pode-se inferir três conclusões: 1) a faculdade não conseguiu demonstrar que a biblioteca emprestou o livro ao usuário e, por consequência, foi-lhe negado o direito de cobrar o suposto livro emprestado e qualquer multa por atraso na devolução deste; 2) o judiciário não obriga um usuário a provar que não emprestou o livro, pelo contrário, é da biblioteca a obrigação de provar que o usuário o fez; 3) tentar comprovar um empréstimo juntando aos autos de um processo uma cópia de tela do sistema da biblioteca, por exemplo, não será suficiente para convencer o juiz de que o usuário pegou emprestado, de fato, aquele material.

Portanto, fica claro que o que a biblioteca pode pleitear, quando o usuário atrasa a devolução do livro emprestado e é devidamente notificado desse atraso, é o retorno do mesmo ao acervo da instituição de ensino ou, caso o usuário o tenha perdido, a compra por ele de um novo livro para compensar da perda a biblioteca, e ainda um valor de multa, referente aos dias em que o usuário esteve em atraso com a devolução do livro, que não pode extrapolar o valor do livro orçado no mercado para aquisição.

E, por fim, o óbvio, mas não menos importante: a biblioteca, antes de cobrar a devolução do livro, precisa ter a certeza de que possui a comprovação de que o empréstimo foi realmente feito pelo usuário.

[1] Na Resolução do Conselho Federal de Biblioteconomia (CFB) nº 207/2018, publicada no Diário Oficial da União (DOU), na data de 09/11/2018, a qual aprova o Código de Ética e Deontologia do Bibliotecário brasileiro, lê-se no art. 6º, § 3º, alínea d, que o bibliotecário deve em relação aos usuários observar, dentre outras, a seguinte norma de conduta: “assumir responsabilidades pelas informações fornecidas, de acordo com os preceitos do Código Civil, do Código de Defesa do Consumidor e da Lei de Acesso à informação vigentes” (BRASIL, 2018, não paginado, grifo nosso).

[2] O artigo 579 do CC aponta que o comodato “é o empréstimo gratuito de coisas não fungíveis” ou seja: coisas que não podem ser substituidas por outras da mesma espécie. Como é o caso dos livros emprestados pela biblioteca. Por exemplo: um usuário que pega emprestado o livro “Senhora” de José de Alencar não pode devolver o livro “O Alienista” de Machado de Assis.

REFERÊNCIA

GOUVEIA, R. V. Dispositivos legais a serem observados na aplicação da multa financeira. In: A sanção por atraso em bibliotecas universitárias: um estudo de caso da Biblioteca Central da Universidade Federal Rural de Pernambuco (BC-UFRPE). Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biblioteconomia) – Universidade Salgado de Oliveira (polo Uberlândia), Uberlândia, 2018.

Fonte: Linkedin

Conheça alguns dos livros raros disponíveis na Biblioteca da FESPSP

Primeiro levantamento é referente ao conteúdo da área de Biblioteconomia. Durante os próximos dias divulgaremos dos outros cursos.

Você sabia que a biblioteca da FESPSP abriga alguns exemplares raros da literatura?
Entre os autores destacados do nosso acervo de Biblioteconomia estão Dewey, Edson Nery da Fonseca, Heloísa de Almeida Prado, Laura Russo e Rubens Borba de Moraes, patrono do nosso centro Acadêmico.
Caso você não seja nosso aluno, agende seu atendimento pelo e-mail biblioteca@fespsp.org.br ou pelo telefone 11 3123-7811.
Confira a lista completa:
Livros históricos da Biblioteconomia
ANDRADE, Almir de. Contribuição à história administrativa do Brasil: na república, até o ano de 1945. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1950. 242 p.
BIBLIOTHÉQUES livres et librairies: conferences faites a l’Ecole das hautes-études sociales sous le patronage de l’Association des bibliothécaires français avec le concours de l’Institut Internacional de Bibliographie et du cercle de la librairie. Paris: Rivière, 1912. 274 P. (2)
BISHOP, William Warner. The Backs of books: and other essays in librarianship. Baltimore: The Williams & Wilkins Campany, 1926. 338 p.
BUONOCORE, Domingo. Elementos de bibliotecología. 3. ed. Santa Fé, AR: Castellví, 1952. 583 p.
CALOT, Frantz; THOMAS, Georges. Guide pratique de bibliographie. Paris: Delegrave, 1936. 320 p.
CAMPOS, Vinicio Stein. Elementos de museologia: história dos museus. São Paulo: Secretaria da Cultura Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1973.
CATALOG rules: author and title entries. American edition. Chicago, Ill.: American Library Association Publishing Board, 1908. 88 p.
CLASSIFICATION: Library of congress social scienes. 2. ed. Washington: The Library of Congress, 1920. 597 p.
COMISSÃO BRASILEIRA DE CLASSIFICAÇÃO DECIMAL UNIVERSAL. Classificação Decimal Universal: 7 Belas Artes. Rio de Janeiro: IBBD, 1963. 255 p.
DEWEY, John; DUARTE, Eustáquio. Liberdade e cultura. Rio de Janeiro: Revista Branca, 1953. 197 p.
DEWEY, Melvil. Decimal Classification and relativ index. 14. ed. Nova Iorque: Forest Press, 1942. 1927 p.
FONSECA, Edson Nery da. A biblioteconomia brasileira no contexto mundial. Brasília: INL, 1979. 112 p.
FONSECA, Edson Nery da. Bibliotecas e bibliotecários da província. 1959. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1959. 76 p.
FONSECA, Edson Nery da. Ramiz Galvão: bibliotecário e bibliógrafo. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1963. 43 p.
LASSO DE LA VEGA Y JIMÉNEZ-PLACER, Javier. Tratado de biblioteconomia: organizacion técnica y cientifica de bibliotecas. 2. ed. Madrid: Mayfe, 1956. 637 p.
LENTINO, Noêmia. Classificação decimal: teórica, prática, comparada – exercícios e índices. São Paulo: Leia, 1959. 295 p. (Série de Biblioteconomia).
LITTON, Gaston. O livro e sua história. São Paulo: McGraw-Hill, 1975. 284 p. (Série de biblioteconomia).
MANN, Margaret. Introduction to cataloging and the classification of books. 2. ed. Chicago, US: American Library Association, 1943. 276 p.
MARTINS, Wilson. A palavra escrita. São Paulo: Anhembi, 1957. 549 p.
MORAES, Rubens Borba de. O bibliófilo aprendiz/ prosa de um velho colecionador para ser lida por quem gosta de livros, mas pode também servir de pequeno guia aos que desejam formar uma coleção de obras raras antigas ou modernas. 2. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1975. 187 p.
NORRIS, Dorothy May. A history of cataloguing and cataloguing methods 1100-1850: with an introductory survey of ancient times. Londres: Grafton, 1939. 246 p.
PIRANI, Emma Coen. Nuovo manuale del bibliotecario. Itália: S.T.E.M.Mucchi, 1979. 511 p.
PRADO, Heloísa de Almeida. Como se organiza uma biblioteca. 3. ed. São Paulo: Lep, 1961. 132 p.
RUSSO, Laura Garcia Moreno. A biblioteconomia brasileira 1915/1965. Rio de Janeiro: INL 357 p. (Coleção B2 Biblioteconomia; 05)
RUSSO, Laura Garcia Moreno. Bibliotecas especializadas em assuntos agropecuários. São Paulo: 1969. 70 p;

Fonte: FESPSP – Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

Exposição – Livros de Artista

O Instituto de Artes (IA) e a Diretoria de Coleções Especiais e Obras Raras da Biblioteca Central Cesar Lattes (BCCL-CEOR) realizam, até 15 e março, no piso térreo da BCCL, a exposição “Livros de Artista”. São 155 obras de artistas plásticos do IA e alunos de Graduação e da Pós-Graduação, produzidas em disciplinas ligadas a produção do material, como Desenho e Gravura, ministrada pela professora Luise Weiss. A coleção inclui ainda catálogos e álbuns do tema adquiridos pela professora ao longo dos anos. Saiba mais no linkLeia matéria publicada no Portal Unicamp.

Antropólogo belga doa 2,4 mil livros à Unicamp: ‘A vida tem que continuar e os livros também’

Entre os títulos doados pelo professor aposentado da Universidade Estadual de Campinas (SP) estão obras de antropologia, teologia, fotografia, artes visuais e etnologia.

O antropólogo e teólogo Etienne Samain, professor aposentado da Unicamp, em Campinas (SP), doou 2.400 livros à biblioteca do IFCH — Foto: Françoise Biernaux

O teólogo e antropólogo belga Etienne Samain doou 2,4 mil livros de sua coleção para a biblioteca do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp. Entre os títulos cedidos pelo professor aposentado da Universidade Estadual de Campinas (SP) estão obras de antropologia, teologia, fotografia, artes visuais e etnologia.

“A vida tem que continuar e os livros também. Esses livros se tornarão adultos e podem viajar, tenho confiança neles e que estão seguros junto a Unicamp e o IFCH”, diz Samain.

Os livros doados pelo belga se juntam a outros 250 mil títulos que fazem parte do acervo da Biblioteca ‘Octávio Ianni’. Constantemente a Unicamp recebe livros de pessoas físicas e jurídicas, principalmente as doações póstumas, feitas por familiares de ex-professores.

De acordo com a diretora técnica Valdinéia Sonia Petinari, a doação de Samain é a maior de uma coleção particular com o dono ainda vivo desde que assumiu o posto, há dois anos. E isso permitiu um diálogo com o doador e considerações sobre a coleção.

“As pessoas me chamam de generoso. Eu não sei se a generosidade pode ser definida como estar aberto a um futuro que não me pertence apenas, mas pertence a muitos outros”, afirma o antropólogo.

A doação de Samain é responsável por abrir uma catalogação de antropologia e imagem, já que até então, os livros eram separados por outras categorias, de acordo com a doutora em multimeios, Fabiana Bruno.

Fabiana teve as teses de doutorado e mestrado orientadas pelo professor Etienne. Ela conta que a biblioteca pessoal do antropólogo teve participação fundamental na sua formação acadêmica. “É uma biblioteca muito preciosa para antropologia visual e da imagem”, afirma.

“Tenho dado aula sobre o tema e nem todos os autores estavam disponíveis. A biblioteca do professor tem um enorme número de autores que trabalham essas relações, é uma enorme contribuição”, diz Fabiana.

Sem intenção de colecionar

Etienne Samain é natural da Bélgica e chegou ao Brasil em 1973. Em 1984 foi convidado para ingressar na Unicamp, onde foi coordenador do Programa de Pós-Graduação em Multimeios do Instituto de Artes até 2015.

O professor conta que a biblioteca pessoal foi adquirida ao longo da vida, de acordo com o campo de conhecimento e pesquisa em que ele e seus alunos estavam envolvidos no momento. Ele próprio apelida o acervo de “um arquivo vivo, uma memória” de sua trajetória acadêmica.

“Nunca tive nem o desejo nem o projeto de criar uma biblioteca, nunca. Ela surgiu com o tempo.”

A escolha pela biblioteca do IFCH se deu pela conclusão de que o instituto apresenta o melhor suporte de conservação e divulgação dentro da universidade, apesar de o professor dizer ter grande apreço pela biblioteca do Instituto de Artes. “Tiver que fazer uma escolha”, diz.

Fonte: G1 Campinas e Região

LADRÕES DE LIVROS RAROS VOLTAM A RONDAR BIBLIOTECAS DA UFRJ

A Biblioteca Pedro lmon do Forum de Ciência e Cultura da UFRJ na Praia Vermelha, Urca, local dos furtos Foto: FABIO MOTTA RAQUEL PORTUGAL E RODRIGO MÉXAS

Os desafios da era digital para as bibliotecas físicas: O caso Bodleiana em Oxford

A introdução das recentes tecnologias de comunicação nas unidades de informação trouxe impactos significativos para as bibliotecas, além de terem influenciado nas  novas formas de sociabilidade entre os bibliotecários e os seus leitores.

Essas tecnologias de informação e comunicação já são entendidas por alguns bibliotecários como elementos facilitadores na execução das tarefas quotidianas do seu trabalho. Por seu lado, os frequentadores tanto de bibliotecas físicas quanto virtuais vêm nas tecnologias de informação e comunicação um elemento imprescindível no processo de busca das informações e do conhecimento, tornando-os mais independentes nas suas leituras e investigações.

Anteriormente à era digital, as atividades dos bibliotecários estavam direcionadas principalmente em manter o acervo da biblioteca que era a única fonte de consulta. Já na era digital, os bibliotecários continuam centradas na preservação da informação, independente do suporte em que esteja disponível, mas utilizando as tecnologias para facilitarem a reprodução dessas informações numa múltipla variedade de formatos, originando um volume maior de dados e de acessos pelos leitores.

Em função da passagem à era digital, as bibliotecas se transformaram em centros dinâmicos de informação, em detrimento do modelo do passado quando a imagem das bibliotecas estava associada à ideia de um espaço que se assemelhava a um depósito de livros, onde os bibliotecários desempenhavam apenas o papel de guardiães.

Em vez disso, os bibliotecários passaram a estar centrados em atender melhor as necessidades dos leitores, mantendo-se constantemente atualizados e acompanhando a evolução das tecnologias. Dessa forma, proporcionam aos seus frequentadores serviços de qualidade, através de um acesso atualizado e democrático da informação, como comentaremos neste texto.

Para entendermos melhor como está acontecendo essa mudança de serviço e centralização de atividades, usaremos como estudo de caso a Biblioteca Bodleiana da Universidade de Oxford (Inglaterra), referência nesse tipo de adaptação.

 

frente da Biblioteca Bodleiana

A Biblioteca Bodleiana em Oxford

Para quem não está familiarizado, vale relembrar que a Biblioteca Bodleiana existe oficialmente há mais de 400 anos, sendo que sua coleção começou no século XIV com Thomas Cobham, bispo de Worcester. Após a biblioteca não receber manutenção da universidade e entrar em declínio, o diplomata inglês Thomas Bodley (que havia se casado com uma viúva rica) re-fundou o espaço a fim de que existisse uma biblioteca em Oxford, essa que é conhecida como “Bodleian Library” ou “Bodley’s Library”.

Hoje, a Biblioteca Bodleiana é uma das mais antigas da Europa, sendo que em termos de tamanho a sua coleção fica atrás apenas da Biblioteca Britânica (British Library) na Inglaterra, demonstrando seu respeito como biblioteca histórica e vasta coleção.

Para entendermos como a biblioteca mudou e se adaptou às novas tecnologias, é necessário entender que ela começou como um depósito legal dos livros disponíveis no Reino Unido, desde 1610, quando entrou em acordo com a Stationers’ Company (que monopolizava a indústria editorial), tornando-se na primeira biblioteca depósito.

Até 1753, as bibliotecas de Oxford, num primeiro momento, e depois de Cambridge desempenharam o papel de bibliotecas nacionais do Reino Unido; isso é, até a abertura do Museu Britânico (British Museum) que ainda hoje possui a Biblioteca Britânica. Em primeiro lugar, os livros tinham de passar por Stationary’s Hall, sendo que hoje em dia os publicadores podem ir lá entregar os livros de forma mais direta e em menos tempo.

 

Interior da Biblioteca Bodleiana

Principais desafios da era digital e respostas das bibliotecas históricas

A avaliar pela literatura sobre biblioteconomia, como Morigi e Souto (2005), as bibliotecas históricas tinham um caráter restritivo e estático, sendo os livros de difícil reprodução e mobilidade, o que fazia delas uma espécie de templo do conhecimento e dos bibliotecários os seus guardiães.

Esse paradigma de biblioteca se manteve até relativamente pouco tempo sendo que a introdução das novas tecnologias de informação e comunicação permitiu uma mudança mais rápida, no sentido de as bibliotecas históricas se transformarem em centros dinâmicos de informação. Esse novo paradigma de bibliotecas apresenta vantagens para os bibliotecários e para os seus frequentadores, como já mencionado sobre o maior volume de informação e conhecimento recebido e disponibilizado de forma mais cômoda e célere.

Os bibliotecários deixaram, assim, de serem guardiães dos espaços e do acervo para terem um papel mais proativo na recepção, organização e disseminação do conhecimento direcionado para o leitor, cada vez mais exigente e autônomo.

Nesse contexto, alguns dos principais desafios das bibliotecas históricas e dos bibliotecários da era digital são:

  • Como transformar uma biblioteca histórica numa biblioteca voltada para os leitores?
  • Como deixar de ser um depósito de livros e se tornar num centro dinâmico de informação e conhecimento?
  • Como lidar com as novas tecnologias e deixar os procedimentos tradicionais?
  • Como lidar com o maior volume de informação e de solicitações, que podem vir de pessoas locais ou de qualquer outra parte do mundo?
  • Como aferir a qualidade da informação a ser disponibilizada?
  • Como compreender melhor as necessidades dos usuários e atender às suas solicitações?
  • Como uma biblioteca histórica pode disponibilizar o seu conhecimento para fora da sua cidade ou região?

Sobre essas dúvidas, a  Biblioteca Bodleiana é um exemplo de adaptação à nova realidade. Apesar de ser uma biblioteca histórica, persiste nos dias de hoje como uma das melhores do mundo, tendo assimilado todas as inovações e introduzido no seu sistema bibliotecário com sucesso.

A Biblioteca Bodleiana respondeu aos desafios da era digital desenvolvendo os programas como: Legal Deposit Libraries Act of 2003,  electronic Legal Deposit e Search Oxford Libraries Online. Esses programas são centralizados e geridos pela Bodleian Digital Library Systems and Services e se traduzem numa série de serviços aos usuários, que anteriormente não existiam, como a consulta online e um acervo que fisicamente seria impossível de ter no edifício da biblioteca e em tão curto espaço de tempo, desde a sua publicação.

Isso aconteceu porque em 2003, com o Legal Deposit Libraries Act of 2003, a biblioteca se estabeleceu também como equivalente a um depósito legal eletrônico, não apenas um mero depósito de livros. Isso permitiu acesso a e-books, páginas web, CR-ROMs, itens em microfilm, entre outros documentos eletrônicos publicados no Reino Unido. Esse projeto, englobou todos os livros (incluindo revistas e jornais), folhas com pautas de música e mapas.

O novo formato foi disponibilizado à comunidade acadêmica, com a limitação de só poder ser acessado através de computadores que pertencessem à Biblioteca Bodleiana, que agora possui um arquivo catalogado e organizado para o seu uso. Chamaram-lhe de electronic Legal Deposit (eLD).

Outro serviço é o SOLO (Search Oxford Libraries Online), que se trata de um sistema bibliotecário com um catálogo online, permitindo pesquisar mais de 7 milhões de registos de livros e 13 milhões de registros de itens. Ele é o principal catálogo eletrônico das 40 bibliotecas que integram a Biblioteca Bodleiana, a Oxford University Research Archive que é um depósito eletrônico de artigos de investigação da autoria de membros de Oxford.

Como Oxford é um centro de investigação mundial, também sedia o Oxford University Research Archive (ORA), voltado para atender pesquisadores de material de pesquisa adequado e catalogado.

O ORA também tem trabalhos publicados pelos investigadores de Oxford, com artigos publicados em revistas acadêmicas, trabalhos de conferências (também conhecido como anais de eventos ou proceedings), relatórios, trabalhos de discussão, teses de doutoramento dos alunos de Oxford em formato digital, entre outros materiais.

Esse tipo de serviço permite um fácil acesso a itens raros com uma consulta simples na era digital, o que também permite uma maior visibilidade aos trabalhos acadêmicos. Consequentemente, esse aumento de visibilidade está atrelado a um aumento do conhecimento em geral e dos trabalhos de pesquisa, motivo para estarem desenvolvimento o ORA-Data, que é um arquivo para itens relacionados apenas com pesquisa.

“O DOI é fundamental para a pesquisa de materiais indexados e manutenção do periódico bem avaliado. Por isso cotei os custos de depósito do DOI e, no comparativo de preços e serviços, o Galoá foi quem ofereceu o melhor pacote.” – Prof. Dr. Anderson dos Reis (UFMT e revista Territórios & Fronteiras)

Como parte delectronic Legal Deposit (eLD) está ainda o projeto Legal Deposit Web Archive que se dedica exclusivamente à preservação de páginas web para que possam ser consultadas no futuro. No mesmo depósito há também uma seção específica para os e-books, chamada E-books at the University of Oxford.

Há algumas partes da biblioteca eletrônica que são mais restritas, sendo que apenas os membros da biblioteca têm acesso, ou seja, quem possui cartão de membro da mesma. Por exemplo, o Oxford Libraries Information Platform (OxLIP+), que é uma lista eletrônica de bases de dados organizadas por título e assunto, é restrita. Nessa plataforma, está incluído o projeto Oxford University e-journals que possibilita o acesso a todos os e-journals que a Universidade de Oxford assina.

Na mesma linha, existe o sistema OXAM voltado para estudantes da universidade desde 1999. Trata-se de uma espécie de catálogo eletrônico com todos os exames realizados na Universidade de Oxford desde esse ano para facilitar o acesso e estudos dos alunos.

Imagem de Kindle com dicionário inglês de Oxford

O futuro na visão e projetos da Bodleiana

Biblioteca Bodleiana tem um grande desenvolvimento em termos de suportes eletrônicos e também uma forte preocupação em preservar o conhecimento para gerações futuras. Para isso, realiza algumas iniciativas com o apoio de doações por parte de fundações internacionais, entre elas a Polonsky Foundation e a Wellcome Fund.

Nesse caso, gostaria de destacar o papel interessante da Polonsky Foundation, uma fundação hebraica que apoia um projeto de digitalização de obras da Biblioteca Bodleiana e do Vaticano que tenham temáticas das culturas hebraica ou grega, com foco em manuscritos, incunábulos e livros impressos que datem do século XV. Após o seu término, vão ficar disponíveis eletronicamente cerca de 1.5 milhões de folhas desses livros, num esforço para preservar, partilhar e disponibilizar conhecimento a uma escala mundial.

Existem, ainda, ações de formação para a potencialização da plataforma digital, majoritariamente, na área das humanidades, como por exemplo a iniciativa Digital Humanities, que é capaz de chamar pessoas de todo o mundo, desde alunos, diretores de projetos, até bibliotecários que reconhecem o espírito vanguardista da Biblioteca Bodleiana.

Nesses encontros, tentam-se obter conhecimentos e experiências para aplicar nos seus projetos. A iniciativa fomenta a troca de experiências e dissemina conhecimento, especialmente no campo eletrônico, ensinando desde o mais básico de como codificar textos até como criar bibliotecas digitais.

Ou seja, há um esforço para que para todas as exposições presentes na biblioteca estejam disponíveis para consulta eletrônica, sendo possível verificar que é um esforço bem-sucedido porque já existem cerca de 30 exposições disponíveis na página web, nomeadamente: Latin in Medieval Britain: Sources, Languages and Lexicography; Love and Devotion: from Persia and Beyond, Treasures of the Bodleian, entre outros.

Salienta-se que as mesmas têm imagens e descrições do que estamos a ver que se assemelham muito à estrutura de uma exposição fora de uma plataforma virtual, traduzindo o cuidado com o  desenvolvimento tecnológico nas atividades, já que há muita atenção nos detalhes e disponibilidade de conhecimento a ser preservado.

Entre tantas ações, a Biblioteca Bodleiana desenvolve ainda diversos blogues para manter os leitores e usuários desses sistemas informados sobre quais as mais recentes inovações ou aquisições do sistema, a exemplo o Polonsky Foundation Digitization Project.

Em função desses projetos que beneficiam do uso de tecnologia da era digital, a Biblioteca Bodleiana deixou de ser estática, passiva, receptora de leitores que procuravam os seus livros guardados na biblioteca, passando a ser uma biblioteca dinâmica, proativa e prestadora de serviços focados nas necessidades dos leitores, um dos desafios que a era digital colocava às bibliotecas históricas.

Antes dessas mudanças, muitas vezes diversos outros pesquisadores britânicos ou estrangeiros poderiam conhecer a Biblioteca Bodleiana, mas a distância podia dificultar a consulta da informação, o que foi contornado com a disponibilização online dos documentos por parte da biblioteca. Outro exemplo disso é o caso de documentos medievais, que, através do processo de digitalização, garantem acesso e preservação, além de conforto na consulta e acesso universal. Ou seja, a era digital permitiu à Biblioteca Bodleiana estar fisicamente em Oxford e virtualmente no mundo, evitando deslocações dos usuários.

Imagem de Kindle entre livros

Fechando os pontos: A tecnologia nas bibliotecas físicas

Percebe-se, assim, que uma biblioteca histórica, como o caso da Biblioteca Bodleiana, pode responder às necessidades da era digital, desenvolvendo programas de tratamento e disseminação da informação com recurso tecnológicos e conhecimento disponíveis no mercado.

Ao mesmo tempo que não perde o acervo físico, passa a ter um acervo digital disponível não apenas em Oxford, mas também em qualquer computador no mundo com os diversos programas mencionados

Voltando a algumas perguntas que propus, posso dizer sobre:

  • Quais os principais desafios impostos pela era digital às bibliotecas físicas?

Os principais desafios das bibliotecas digitais são a qualidade de serviços prestados, a pensar no usuário para responder ao grande volume de informação produzido no mundo, e não apenas na cidade ou região.

  • Qual a forma como os bibliotecários e as bibliotecas físicas tradicionais estão a responder a esses desafios?

As bibliotecas histórias incorporaram a tecnologia no seu sistema de funcionamento para focar no conforto e necessidades dos usuários ao disponibilizar a informação online. Isso também permite que as bibliotecas alcancem mercados maiores.

Quanto a trabalhos futuros, o desafio que permanece é de saber até que ponto as bibliotecas vão conseguir acompanhar o desenvolvimento tecnológico que continua a crescer a um ritmo impressionante, mantendo os padrões de qualidade de serviços e conteúdos. Nesse sentido, qual será o valor futuro das publicações em papel, face ao crescimento e desenvolvimento da era digital? Qual a importância da existência um espaço físico para as bibliotecas?

Pontos ainda abertos para serem acompanhados com atenção.

Nota: Gostaria de agradecer ao Prof. Dr. Nuno Rosmaninho, da Universidade de Aveiro, pela ajuda ao longo da escrita deste texto.

*Ana Leite, licenciada em Línguas e Estudos Editoriais pela Universidade de Aveiro. Diretora executiva da Ponteditora, editora científica para a língua portuguesa.

Referência

Morigi, V. e Souto, L. (2005). Entre o passado e o presente: As visões de biblioteca no mundo contemporâneo. Revista ACB,  v. 10, n. 2, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Fonte: Galoá Journal

FDUSP obtém recursos para nova biblioteca e reforma de salas de aula

A reunião da Congregação da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, na manhã desta quinta-feira (29/11), foi marcada por anúncios e aprovações importantes para a comunidade acadêmica. A primeira foi a informação de que a nova Biblioteca receberá verba para dar andamento às obras a serem realizadas no Prédio Claudio Lembo, que foi incorporado à instituição em 2006 e abriga diversas salas. “Ter uma biblioteca nova, com um volume significativo de obras para consulta, é extremamente expressivo para toda a comunidade”, comemorou o diretor da Faculdade do Largo de São Francisco, Floriano de Azevedo Marques, pouco antes de ir ao Ministé rio Público para assinatura de recebimento de verba a ser investido no novo espaço.

O dirigente lembrou que o caminho para obtenção dos recursos destinados à biblioteca teve início com um ofício, assinado por ele, que foi enviado aos promotores das Procuradorias do Patrimônio da Capital. O documento propunha que fossem destinadas para a instituição as verbas recuperadas pelo MP nos acordos realizados. “Os promotores José Carlos Blat, Silvio Marques, Walter Santin, Paulo Destro e Karina Mori encamparam o projeto e incluíram a doação desses R$ 17 milhões no acordo da CCR”, disse. A empresa estava envolvida em caixa dois para campanhas eleitorais.

O projeto do novo espaço adota como fontes de inspiração bibliotecas modernas de universidades de primeira linha, como a recém-inaugurada na Universidade de Salamanca e a da Faculdade de Medicina da USP. No local haverá 200 mil volumes, entre livros, periódicos e outras publicações. As salas de estudos e de leitura serão muito bem dispostas. Isso sem falar no auditório, bem como no conforto que se iniciará logo na entrada com uma boa recepção. “É preciso lembrar que este novo espaço vem somar-se à tradicional Biblioteca Histórica, que será mantida com todo seu acervo”, acrescentou.

Atos de reconhecimento

Durante a reunião, o colegiado também consentiu a aceitação de recebimento de doação do Instituto Brasileiro de Direito Público (IBDP) para a reforma da sala 4, que fica no segundo andar do Prédio Histórico. O espaço receberá o nome de Ada Pellegrini Grinover. Azevedo Marques ressaltou a relevância de os professores terem aprovado proposta do nome que foi feita por um grupo de professoras da FDUSP liderado pela docente Paula Forgioni, do Departamento de Direito Comercial. “Essa consagração é extremamente justa e pertinente, seja para destacar o que a professora Ada representou para a Faculdade e para o Direito Brasileiro, seja porque é a primeira sala como o nome de profess ora mulher nesse Prédio Histórico”, enfatizou. O diretor ressalta que todas as mulheres passam a ter representação ainda maior. Para além da condecoração, também foi aprovada a regulamentação do programa “Adote uma Sala” por meio do qual empresas e escritórios de advocacia poderão financiar a reforma das salas de aula comprometendo-se com a sua manutenção por cinco anos.

Fonte: Faculdade de Direito da USP – FDUSP

PF apreende na Paraíba livro raro do Padre Antônio Vieira furtado de biblioteca da UFRJ

Exemplar do livro 'Cartas do P. Antonio Vieyra da Companhia De Jesu', furtado da UFRJ, foi apreendido em Campina Grande — Foto: Polícia Federal na Paraíba/Divulgação
Exemplar do livro ‘Cartas do P. Antonio Vieyra da Companhia De Jesu’, furtado da UFRJ, foi apreendido em Campina Grande — Foto: Polícia Federal na Paraíba/Divulgação

Um livro raro que havia sido furtado da biblioteca Pedro Calmon, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), foi apreendido no bairro de Itararé, em Campina Grande, na manhã desta terça-feira (11). Ninguém foi preso.

A apreensão foi feita durante uma operação da Polícia Federal. As equipes cumpriram dois mandados de busca e apreensão e conseguiram localizar dois volumes do livro “Cartas do P. Antonio Vieyra da Companhia De Jesu”.

A obra foi furtada da biblioteca da UFRJ em 2016. O documento é datado da época do Brasil Colônia e reúne correspondências do português Padre Antônio Vieira, da Companhia de Jesus, divididas em dois volumes. O nome da operação, Cartas, é uma referência ao título do livro furtado.

Segundo as investigações da Polícia Federal, a obra estava sendo vendida por meio de leilão virtual com lance inicial de R$ 3.500.

Furtos de 303 livros raros

Polícia Federal abriu inquérito para investigar o furto de 303 livros raros da Biblioteca Pedro Calmon. A suspeita é de que os furtos aconteceram aos poucos, durante o ano de 2016, no que foi considerado o maior crime do tipo já registrado no país.

Fonte: G1 Paraíba

No reino das palavras, as boas-vindas são por fotografias

Exposição comemorativa na FSP apresenta funcionários lendo seus livros preferidos

Texto por Bruna Diseró

Logo na entrada da biblioteca da Faculdade de Saúde Pública, existem grandes painéis de vidro. Curiosamente, o que eles expõem não são textos selecionados de algum escritor, mas fotografias. Elas são a contribuição do espaço para a 21ª Semana do Livro e da Biblioteca, evento organizado anualmente dentro da Universidade.

Magaly Negrisoli, a fotógrafa responsável pela exposição intitulada “O que a Biblioteca lê?”, conta que as fotos são a extensão de um trabalho para seu curso de fotografia. “Estou aqui há 13 anos e respiro biblioteca. Pensei: Por que não fazer sobre o meu universo, que é a biblioteca?”.

Tímida, suas respostas são breves. Quando questionada sobre o que tem mais peso em sua vida, a fotografia ou as palavras, diz rapidamente que são as fotos. “Eu tenho muita dificuldade com palavras. A imagem apresenta o universo maior, mais colorido ou monocromático para mim”.

Enquanto pensava na importância da fotografia, Magaly acariciava seus brincos em forma de câmera profissional. “Antigamente tinha um desenho. A protagonista tinha um brinco de estrela e quando os colocava, falava ‘hora do show: energia’. Essa é a minha energia”.

O peso de uma exposição de fotos, diz Negrisoli, é o de chamar a atenção de quem pula os textos para ver as ilustrações. A dificuldade da amostra, que tem como modelos os funcionários da própria biblioteca, foi geral. “Ninguém gosta de modelar e eu não sou boa com direção de modelos. Eles terem topado, foi muito importante”.

Enquanto eram fotografados para essa matéria, um dos funcionários comentou: “Foi legal ter um nome, porque vários usuários falaram: ‘Agora, sabemos o nome de vocês. A gente tem um crachá, mas ninguém olha’”.

Fonte: Jornal do Campus

Biblioteca Central da Unicamp recebe sua primeira doação de Livros de Artista

Texto por Raquel do Carmo Santos

Maria Helena Segnorelli: desafio enorme e grande responsabilidade

A Diretoria de Coleções Especiais e Obras Raras (futura BORA) da Biblioteca Central César Lattes (BCCL) recebeu a sua primeira coleção de Livros de Artista que foram doados pelo Instituto de Artes (IA). São 155 obras de artistas plásticos do IA e alunos de Graduação e da Pós-Graduação, produzidas em disciplinas ligadas a produção do material, como Desenho e Gravura, ministrada pela professora Luise Weiss. A coleção inclui ainda catálogos e álbuns do tema adquiridos pela professora ao longo dos anos. Os Livros de Artista se diferenciam dos livros tradicionais por serem considerados uma obra de arte do autor. Pode ter formatos e tamanhos diversos, conter imagens ou textos e utilizar uma ou várias técnicas artísticas ao mesmo tempo como xilogravura, colagem, serigrafia, fotografia e, até mesmo, escultura.

“Para nós é um grande desafio para a gestão da coleção no ambiente da biblioteca de coleções especiais, tendo em vista as variações e peculiaridades encontradas nas obras. Isto torna complexo o processo de identificação, tratamento, difusão e preservação”, explica a diretora das Coleções Especiais e Obras Raras, Maria Helena Segnorelli. Ainda assim, a bibliotecária acredita que a coleção enriquecerá sobremaneira o acervo, bem como oferecerá possibilidades inéditas de pesquisa e criação ao público interessado. Ela acrescenta que já estão estudando, adequando e desenvolvendo técnicas para trabalhar com a coleção, contando com apoio da literatura e de profissionais da área de biblioteconomia e artes. “Em especial, estamos contando com a experiência da Biblioteca Central da Universidade Federal de Minas Gerais, que mantém o maior acervo de Livros de Artista do país”, comenta Maria Helena.  

Luise Weiss (à dir.), Maria Helena Segnorelli (ao centro) e Fabiana Grassano (à esq.): exposição contempla obras de artistas renomados

Parte da coleção recebida está exposta no térreo da BCCL até o dia 15 de março de 2019. A exposição foi montada de forma que o público poderá ter uma ideia exata do processo de trabalho desenvolvido pelo artista plástico. São nove vitrines que acomodam 53 publicações entre catálogos, álbuns e obras de artistas plásticos renomados, como Flávio Motta, Regina Silveira, Ligia Eluf, Alexandra Eckert, Edith Derdyk, Renina Katz e da própria Luise Weiss. A BCCL está aberta ao público das 7h30 às 22h45. Aos sábados e domingos, a Biblioteca é fechada.

Parceria – A doação dos livros foi possível a partir de uma parceria entre a Diretoria de Coleções Especiais da BCCL e o Instituto de Artes. A professora Luise foi quem viabilizou todo o processo, uma vez que o material estava acomodado em uma sala com espaço reduzido no IA. “Percebi que algumas publicações estavam se deteriorando”, comenta a professora. Assim, ela buscou na Universidade um local que pudesse acondicionar os livros de maneira adequada e implementar mecanismos de preservação de um material tão singular.

Professora Luise Weiss, do IA, ao lado de sua coleção em exposição no BCCL

Luise está animada com a possibilidade de tornar público o acesso à coleção. Ela não tem dúvidas que o material abrirá novas frentes de pesquisas, além de viabilizar exposições e fóruns de discussões. “O Livro de Artista é, atualmente, produção constante na arte contemporânea”, enfatiza. A expectativa é que a coleção seja ampliada e outros professores possam doar material próprio. A ideia é também buscar edições limitadas em feiras de livros e aquelas que são produções autônomas.

Pesquisa – A mestranda Fabiana Grassano foi quem lançou o primeiro olhar sobre essa coleção. Ela elaborou o primeiro inventário para oferecer dados à catalogação por se apresentarem como objetos muito frágeis. A partir das informações, foi produzido um catálogo para disponibilizar ao público em geral. A coleção é objeto de sua dissertação de mestrado, orientada pelo professor Edson do Prado Pfutzenreuter.  

Fabiana é graduada em Produção Editorial e há 20 anos atua como designer de livros. Seu primeiro contato com os Livros de Artista foi ao cursar a disciplina ministrada pela professora Luise Weiss, em meados de 2017. Decidiu, então, investir no tema por entender claramente a diferença das publicações. A característica principal, na avaliação da mestranda, seria a presença do artista em todo processo de produção. “Ele (o artista) faz parte do todo e a sua presença é fundamental em cada fase”, analisa.

Fonte: Unicamp

O ‘pranto mudo dos livros’ de Antonio Candido

Biblioteca com seis mil obras do crítico, ensaísta e fundador do IEL passa a ser oficialmente da Unicamp

Exposição em São Carlos celebra o Dia da Consciência Negra

Mostra fica em cartaz até 20 de novembro na Biblioteca da Escola de Engenharia de São Carlos

Cartaz de divulgação da mostra na Biblioteca da Escola de Engenharia de São Carlos – Imagem: adaptação de Ariel Silva

Em homenagem ao Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, comemorado anualmente no dia 20 de novembro, o Serviço de Biblioteca Prof. Dr. Sérgio Rodrigues Fontes (SVBIBL) da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP recebe a exposição Black Music Painting, do artista Ariel Silva.

Silva tem formação em Artes e Publicidade e Propaganda e uma experiência profissional de quase 20 anos. É vencedor de diversos prêmios nacionais e internacionais, como o 1º lugar no Salão Internacional de Humor de Limeira, e conquistou destaque em outros encontros do gênero, como uma menção honrosa no PortoCartoon – World Festival, realizado em Portugal. Conheça mais sobre o trabalho do autor visitando o perfil do Instagram.

A exposição retrata em óleo sobre tela dez caricaturas das maiores vozes da música negra. Segundo o artista, “nada melhor do que o Dia da Consciência Negra para lembrar grandes ícones que marcaram e marcam a história sonora mundial. Arte, música, paixão e intensidade são o que define essa mostra”.

A mostra pode ser visitada até o dia 20 de novembro, de segunda a sexta-feira, das 8 horas às 21h30. A Biblioteca da EESC está localizada na área 1 do campus da USP em São Carlos, situado na Avenida Trabalhador São-Carlense, 400.

Mais informações com o Serviço de Biblioteca Prof. Dr. Sérgio Rodrigues Fontes da EESC pelo telefone (16) 3373-9247 e pelo e-mail biblioteca@eesc.usp.br.

Assessoria de Comunicação da EESC

Fonte: Jornal da USP

Deficientes visuais podem ler e produzir textos em biblioteca da USP

Aberta a qualquer cidadão, Sala de Acessibilidade tem leitor autônomo, teclado em braile e outros equipamentos

O leitor autônomo efetua leitura em voz alta de qualquer documento escrito. A velocidade é regulável e a pessoa tem a opção de gravar o áudio – Foto: Divulgação / Biblioteca FEA

No começo de setembro, a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, em São Paulo, inaugurou em sua biblioteca uma Sala de Acessibilidade para pessoas com deficiência visual. Localizada no segundo piso, a sala oferece aos usuários diversos equipamentos para o acesso à leitura e produção textual e foi desenvolvida em parceria com o Programa USP Legal, ligado à Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da USP.

Em um país onde 23,9% da população – cerca de 45,6 milhões de pessoas – têm algum tipo de deficiência, a Universidade também precisa se posicionar para atender a essa demanda crescente, afirma Adriana Domingos Santos, vice-chefe da Biblioteca FEA. Ela explica que essa é uma conquista não só da faculdade como de todo ambiente acadêmico, já que poucos locais possuem tecnologia que contemple essa população, até mesmo na USP.

A sala é aberta para todo o público, contando com todo o acervo da FEA. O usuário também pode utilizar os equipamentos para qualquer livro que levar consigo, bem como para a escrita e o desenvolvimento de trabalhos. O ambiente é espaçoso e os funcionários da biblioteca estão treinados para ajudar os usuários que necessitem.

Entre os aparelhos, destaca-se o leitor autônomo e instantâneo para pessoas cegas, que efetua a leitura de qualquer documento escrito em voz alta para o usuário, com a velocidade regulável e a possibilidade de gravação. Há também um ampliador de caracteres clássico para pessoas com baixa visão, um teclado em braile, um teclado ampliado de fácil visualização e um software no computador capaz de ler os caracteres na tela para o usuário cego.

É possível realizar todos os comandos do computador pelo teclado em braile, disponível na biblioteca da FEA – Foto: Divulgação / Biblioteca FEA

 

Teclado ampliado para facilitar a visualização de pessoas com baixa visão – Foto: Divulgação / Biblioteca FEA

Biblioteca da FEA

Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 7h30 às 21h30
Telefone: (11) 3091-5998
Local: Av. Luciano Gualberto, 908 – Cidade Universitária – São Paulo-SP

Comunicação e Desenvolvimento FEA

Fonte: Jornal da USP

Biblioteca da EESC da USP também atende pelo WhatsApp

O novo canal é destinado a oferecer informações sobre os serviços e produtos da biblioteca do campus de São Carlos

WhatsApp

O Serviço de Biblioteca Prof. Dr. Sérgio Rodrigues Fontes (SVBIBL) da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP lança a nova forma de atendimento pelo WhatsApp como mais uma ferramenta de comunicação.

O novo canal é destinado a oferecer informações sobre os serviços e produtos da Biblioteca, assim como esclarecer dúvidas e questões dos usuários. O atendimento está disponível nos seguintes horários:

  • Período letivo: de segunda a sexta-feira, das 8 horas às 21h30;

  • Durante as férias escolares, Semana Santa e Semana da Pátria: de segunda a sexta-feira, das 8 às 18 horas. Para utilizar o serviço, adicione o número da Biblioteca aos seus contatos: (16) 99778-0629.

Outras informações e as normas de utilização estão disponíveis na página da Biblioteca

Mais informações:

Serviço de Biblioteca Prof. Dr. Sérgio Rodrigues Fontes da EESC 

Tels.: (16) 3373-9207 e 3373-8860 

E-mail: biblioteca@eesc.usp.br 

Fonte: ACidade ON – São Calos

Suspensão por atraso na devolução de livros é substituída por doação de plantas em biblioteca no AP

Por Carlos Alberto Jr

Doação de mudas é válida até o dia 11 de outubro — Foto: Pedro Ângelo
Doação de mudas é válida até o dia 11 de outubro — Foto: Pedro Ângelo

Pensando em criar uma alternativa para o “pagamento” das suspensões pela não devolução de livros na Biblioteca Central da Universidade Federal Amapá (Unifap), os cerca de 800 estudantes e professores inadimplentes poderão quitar as pendências com plantas ornamentais.

Além de oferecer uma forma criativa e inusitada para compensar as suspensões, o projeto “Suspensão Solidária” quer contribuir para um novo ambiente de vivência aos acadêmicos, que será criado na entrada da biblioteca.

“Sempre buscamos alternativas para o pagamento da multa aos estudantes. Já realizamos, por exemplo, campanhas para doações de brinquedos e alimentos. Pela primeira vez, a troca será para algo voltado ao ambiente acadêmico”, disse Maria do Carmo, da administração da biblioteca da Unifap.

Entre as sugestões de plantas feitas pela instituição estão: lantanas, lavadeiras e palmeiras areca. Quem não puder contribuir com os pedidos específicos, pode trocar as multas por terra, pedras e grama.

Cerca de 800 alunos e professores estão inadimplentes com a biblioteca da instituição — Foto: Unifap/Divulgação
Cerca de 800 alunos e professores estão inadimplentes com a biblioteca da instituição — Foto: Unifap/Divulgação

A Suspensão Solidária funciona da seguinte forma:

  • Usuários com até 15 dias de suspensão podem quitar débitos doando uma muda de lantana ou lavadeira
  • De 16 a 30 dias devem doar duas lantanas ou uma lavadeira ou uma de maior valor
  • De 31 a 45 dias devem doar três mudas de lantana/lavadeira ou uma de maior valor
  • Acima de 45 dias é preciso doar quatro mudas de lantana/lavadeira ou uma de maior valor

A arrecadação encerra dia 11 de outubro, sem prorrogação, informou a instituição. A proposta é que, após o fim da campanha, inicie o plantio e criação do espaço, previsto para ser inaugurado no dia 18 de outubro, com uma programação cultural que se estenderá durante todo o dia.

Para saber quais outras plantas podem ser doadas e tirar dúvidas, os alunos devem enviar e-mail para: bibliotecacentral@unifap.br ou telefonar para: (96) 3312-1772.

Área de vivência em frente à Biblioteca Central da Unifap será inaugurada no dia 18 de outubro — Foto: Unifap/Divulgação
Área de vivência em frente à Biblioteca Central da Unifap será inaugurada no dia 18 de outubro — Foto: Unifap/Divulgação

Fonte: G1 Amapá

Seminário “Bibliotecas e o suporte ao pesquisador” acontece na USP no dia 25 de outubro

O Sistema Integrado de Bibliotecas (SIBi) da USP convida para o Seminário “Bibliotecas e o suporte ao pesquisador: novas frentes e desafios” a realizar-se no dia 25 de outubro de 2018 na Universidade de São Paulo. O evento integra as atividades da XXI Semana do Livro e da Biblioteca e Semana Internacional do Acesso Aberto, que acontece de 22 a 26 de outubro de 2018. 

A globalização e a crescente complexidade da Ciência e das atividades de pesquisa têm exercido cada vez mais pressão sobre os pesquisadores e os grupos de pesquisa, no que se refere à produção científica, ao exercício das atividades acadêmicas e administrativas, bem como no acompanhamento e melhoria do desempenho tanto do pesquisador quanto da Universidade. Nesse cenário, observa-se a necessidade cada vez maior de apoio, tanto a docentes quanto a alunos de pós-graduação, graduação e grupos de pesquisa.

Por outro lado, em anos recentes, o papel das bibliotecas universitárias no suporte à pesquisa começou a se ampliar e diversificar. Hoje, o trabalho desenvolvido pelas bibliotecas inclui a prestação de serviços de pesquisa, apoio na utilização de ferramentas de busca e sistemas de descoberta, acesso a materiais, dados e recursos eletrônicos além do catálogo, assistência à pesquisa avançada em áreas temáticas, elaboração de guias e tutoriais, projetos e parcerias entre as bibliotecas e a comunidade de pesquisa. Análise bibliométrica da produção científica, identificação digital, atualização de perfis e currículos online, promoção de workshops e treinamentos sobre ferramentas de pesquisa, escrita, orientação sobre direitos autorais, prevenção de plágio e apoio à gestão de dados de pesquisa são algumas das novas frentes.

Nesse ambiente rico em interações tanto de pessoas quanto de conteúdos e ferramentas, sobressai a importância das bibliotecas no cumprimento da missão das universidades em relação à sociedade e no que diz respeito ao avanço da pesquisa e da ciência.

Objetivos do evento:

  • Discutir os diferentes aspectos que envolvem a pesquisa e as atividades do pesquisador na atualidade
  • Explorar o ecossistema da produção e comunicação científica e sua complexidade
  • Evidenciar o papel do bibliotecário e das bibliotecas no suporte à pesquisa e ao pesquisador

DATA; 25 de outubro de 2018
HORÁRIO; 13h30 – 17h30
LOCAL; Auditório da Escola de Educação Física e Esporte da USP
Avenida Professor Mello de Morais, 65, Butantã, São Paulo
05508-030 – São Paulo – SP
INSCRIÇÕEShttps://www.doity.com.br/sibiusp-semana-livro-biblioteca-2018

== Programação ==

13h30 – 14h | Recepção e Credenciamento

14h – 14h30 | Abertura
Maria Fazanelli Crestana – Sistema Integrado de Bibliotecas da USP

14h30 – 15h | A escrita científica e as necessidades dos autores brasileiros
Valtencir Zucolotto – Portal de Escrita Científica da USP São Carlos

15h – 15h30 |A pesquisa e seus desafios no Brasil e na USP 
Sylvio Roberto Accioly Canuto – Pró-Reitoria de Pesquisa da USP

15h30 – 15h45 | INTERVALO PARA CAFÉ

15h45 – 16h15 | Atividades de pesquisa na Graduação e o desenvolvimento profissional
Luiz Fernando Ferraz da Silva – Pró-Reitoria de Graduação da USP

16h15 – 16h45 | Pós-Graduação e pesquisa: programas e projetos
Representante – Pró-Reitoria de Pós-Graduação da USP

16h45 – 17h15 | As Bibliotecas e a gestão de dados abertos de pesquisa
Maria Eduarda dos Santos Puga – Coordenadoria da Rede de Bibliotecas da UNIFESP

17h15 – 17h30 | Encerramento
Maria Fazanelli Crestana – Sistema Integrado de Bibliotecas da USP

Organização e Promoção: Sistema Integrado de Bibliotecas da USP

ApoioDot.Lib

Fonte:  SIBiUSP

A primeira bibliotecária trans do Brasil é da UNESP

Por Ana Carolina Moraes
Ex-aluna do câmpus de Marília recebeu o título no começo de 2018; nesta entrevista, ela conta sobre sua trajetória na universidade

“O mais importante, pra mim, nisso tudo é poder mostrar pra sociedade que nós, trans, somos pessoas como outra qualquer e que merecemos respeito, dignidade e direitos”, nos confessou Alexia Vitória de Oliveira, bibliotecária no Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca – Cefet/RJ, campus Angra dos Reis.

Formada em 2006 no curso de Biblioteconomia pela UNESP Marília, ela nos contou sobre sua trajetória na UNESP. Foi mudando de ares, de estados, de hábitos que ela se transformou em quem é hoje: a primeira Bibliotecária Transexual do Brasil a ser reconhecida por um Conselho Regional de Biblioteconomia (CRB). O título veio através de uma nota emitida pelo CRB do Rio de Janeiro no início deste ano.

Paixão

“Sou uma verdadeira apaixonada pela UNESP”, declarou Alexia durante a entrevista. É mais do que perceptível o carinho e o entusiasmo que ela tem pelo período que estudou na universidade. Tanto que ela nos deu a permissão para conhecer – e contar – a história de um tempo em que ela era outra pessoa.

O primeiro contato com a possibilidade de estudar na UNESP veio de um amigo, que na época era estudante do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, de São José do Rio Preto. “[Ele] começou a me falar sobre a UNESP e que seria muito bom pra minha vida como um todo ter uma formação universitária”, relembra Alexia.

O incentivo valeu a pena. Ainda naquele ano ela prestou o vestibular para o curso de Rádio e TV, na UNESP Bauru. Não deu.

“No ano seguinte resolvi me preparar para valer e, às vésperas da inscrição, resolvi que não queria mais área de comunicação. Foi quando Biblioteconomia me chamou a atenção e Marília não ficava muito longe da casa de meus pais. Prestei o vestibular, passei e resolvi encarar essa nova etapa da vida”.

Entre atividades extraclasses, esportes, ser bolsista PIBIC/ CNPq e a vida social unespiana, Alexia conta que conseguiu conciliar tudo aos estudos: “me formei nos 4 anos de duração do curso”.

Apesar de ter feito a transição de gênero há pouco tempo, Alexia afirma que foi na UNESP que teve um contato maior com essa possibilidade. “Por conta da dinâmica do câmpus, quase me libertei, mas por causa de questões familiares e sociais, acabei não o fazendo”, relata. Ainda assim, a graduação – para ela – foi um momento mágico.

“É por causa dela [da UNESP] que tenho minha formação e atuação profissional… O que me marca muito são amigos que trago até hoje e que não são poucos, os eventos esportivos – especialmente Jogos InterUNESP e, claro, as festas, que foram muito importantes para poder descarregar o estresse dos estudos e fortalecer os laços sociais”, declara.

O último contato da Alexia com a UNESP foi para garantir mais uma vitória: em março de 2018 ela solicitou a retificação do diploma, depois ter o registro civil também retificado, via ação judicial. “Liguei na semana retrasada no Departamento de Graduação da UNESP Marília e fui informada que o processo ainda está na Reitoria, mas que até novembro [o diploma] deve estar pronto”.

Quebra de paradigmas

Desde que se formou, Alexia Vitória tem atuado na área de formação. O primeiro emprego foi em março de 2006, quase dois meses após a formatura. Depois disso, trabalhou na iniciativa privada até agosto de 2008, quando saiu a aprovação no primeiro curso público – Prefeitura de São Paulo, no CEU Caminho do Mar.

Em 2012, Alexia tomou posse no Instituto Federal do Mato Grosso do Sul, onde ficou até dezembro de 2014. “Foi uma mudança de ares bastante radical, que me fez bem”, relata sobre essa experiência. Logo em seguida, foi empossada como bibliotecária no Cefet/ RJ, onde continua trabalhando.

Transição

“Me reconheço no feminino desde que tenho memórias, desde os 3 anos de idade”, confirmou a bibliotecária. Mas a transição de gênero é recente na vida de Alexia Vitória.

“Aqui no Cefet Angra dei início à minha transição física de gênero e conto com acompanhamento psicológico e endocrinológico. Acho importante eu sempre mencionar esses acompanhamentos, pois a grande maioria se hormoniza por conta própria e não tem apoio psicológico”, destaca.

“Chamo essa comparação da ‘imagem como emblemática’, pois pega meu visual de maior negação para meu momento mais Barbiezinha”, comenta Alexia Vitória sobre a montagem com a sua transição. (Foto: Acervo pessoal)

Há três anos ela começou a terapia hormonal, já passou por procedimentos cirúrgicos e em junho deste ano, ela fez a readequação sexual. “Hoje eu não vejo problemas de estar em um espaço com outras meninas e trocar de roupa”, declarou em uma entrevista para o programa Profissão Repórter, que acompanhou seu processo cirúrgico.

Fora das estatísticas

Alexia é graduada, pós-graduada e está empregada na área de formação acadêmica. A realidade dela, no entanto, não é a mesma de outras mulheres trans. Segundo o dados da Associação Nacional de Travestis e Transexuais, 90% desta população não consegue encontrar um emprego formal. “Sou um ponto fora da curva”, disse a bibliotecária em entrevista para o Profissão Repórter. “Quando iniciei minha transição física de gênero, eu já era bibliotecária chefe”.

Perguntamos a ela sobre ações que podem tornar a UNESP mais inclusiva: “Adoção de banheiro neutro, pois é algo que atrapalha muito a vida de uma pessoa trans, especialmente mulheres. E campanhas contra transfobia e sanções a quem desrespeitar”, foram as sugestões.

Mas vale dizer que a UNESP já tem está se adaptando a esta realidade.

A UNESP foi a primeira entre as universidades públicas do estado de São Paulo a reconhecer o nome social para transgêneros. A norma foi aprovada em junho de 2017 e, além do nome social, ressalta a utilização da adequação de gênero.

A universidade também conta com Educando para a Diversidade, projeto que reúne uma série de ações para promover o debate sobre inclusão e diversidade no meio universitário, integrando atividades com a comunidade externa, como o programa homônimo produzido e divulgado pela TV UNESP.

Fonte: Portal Alumni UNESP

Acervo Delfim Netto guarda preciosidades em forma de livros

Iniciada nos anos 40, coleção se encontra hoje na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP

Por Leila Kiyomura

O Acervo Delfim Netto, instalado na biblioteca da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP: 88 mil volumes, a que o professor acrescenta mais obras a cada semana – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

É uma rotina que o leitor, pesquisador Antonio Delfim Netto, de 90 anos, faz questão de manter. Professor Emérito da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, ele envia, toda semana, os livros que acabou de ler para a biblioteca da FEA. Por enquanto, já doou 88 mil volumes, que integram o Acervo Delfim Netto daquela biblioteca. São livros de diversas áreas do conhecimento, que o leitor começou a comprar no início dos anos 1940 nas livrarias e sebos da cidade.

“A doação de sua biblioteca foi oficializada em 2011 e, segundo o professor, o gesto foi uma retribuição e gratidão por tudo que a Universidade de São Paulo lhe proporcionou ao longo de sua carreira”, conta a bibliotecária Sandra Maria La Farina, responsável pelo acervo. “A sua meta é que pesquisadores e estudantes tenham acesso aos seus livros, que são, na verdade, um vasto material de pesquisa. Sua expectativa é que o acervo entusiasme e incentive os novos alunos.”

Acervo conserva as obras completas dos gregos Platão e Aristóteles e do francês René Descartes, além de prateleiras repletas de livros de Karl Marx e seguidores – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

O professor dispôs 260 mil itens devidamente cadastrados no banco de dados de sua biblioteca, pois em seu sistema se cadastram capítulos de livros, artigos de compêndios, artigos de periódicos e outros materiais. No decorrer de três anos, o acervo foi devidamente separado, catalogado e indexado. “Os livros, folhetos, compêndios e separatas foram cadastrados no Banco de Dados Bibliográficos da USP, o Dedalus”, explica Sandra.
Depois de organizado com todos os requisitos técnicos e ambiente especialmente projetado, o Acervo Delfim Netto foi inaugurado em julho de 2014. Para surpresa de todos, a “biblioteca de trabalho e não de raridades”, como define o professor, reúne preciosidades. “Podemos citar a primeira edição da obra de John Maynard Keynes, The General Theory of Employment, Interest and Money, de 1936, e a primeira edição de An Inquiry into the Nature and Causes of Wealth of Nations, de Adam Smith, em três volumes, de 1776”, afirma a bibliotecária.

A sala de Delfim Netto, transferida para a biblioteca da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

Sandra abre as estantes deslizantes do acervo para apresentar as prateleiras com os 36 volumes originais da Encyclopédie ou Dictionnaire Raisonné des Sciences, des Arts et des Métiers, a célebre Enciclopédia editada no século 18 por Denis Diderot e Jean D’Alembert, com artigos escritos por 130 colaboradores, como Voltaire, Rousseau e Montesquieu.

O enfoque principal é a ciência econômica e disciplinas correlatas ao pensamento econômico, como matemática, filosofia, sociologia, história, geografia, ciências atuariais, psicologia, direito, religião, entre outras.

Interessante também é a 11ª edição da Encyclopaedia Britannica, lançada em 1910 e 1911, com seus 32 volumes. “O enfoque principal é a ciência econômica e disciplinas correlatas ao pensamento econômico, como matemática, filosofia, sociologia, história, geografia, ciências atuariais, psicologia, direito, religião, entre outras”, conta Sandra. “Há também uma grande parte do acervo dedicada às ciências naturais, com obras de física, química e biologia. Além disso, o acervo é rico em enciclopédias, obras de literatura e artes e dicionários de diferentes línguas e assuntos.”

Livros de todas as áreas do conhecimento compõem o Acervo Delfim Netto – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

Entre visitantes assíduos da biblioteca estão os estudantes de Filosofia. O acervo tem obras completas dos gregos Platão e Aristóteles e também do francês René Descartes. Também os pesquisadores e estudantes de Letras e Literatura se deleitam com uma das primeiras edições de Os Lusíadas, de Luís Vaz de Camões, e da Divina Comédia, de Dante Alighieri. “Há livros da história da formação do Brasil, com mapas, ilustrações e registros”, continua a bibliotecária, deslizando as estantes e apresentando as prateleiras repletas de livros. “Tem um acervo muito extenso sobre o marxismo e suas vertentes. Há coleções de obras completas de Karl Marx, São Tomás de Aquino, Darwin e Voltaire. E o mais curioso: o leitor pode observar edições diferentes do mesmo livro, refletindo o espírito do professor de bom colecionador.”

Sandra destaca também a coleção de compêndios. “Um compêndio é uma coletânea de artigos organizada pelo próprio professor. Quando Delfim lê um artigo e este lhe interessa, ele solicita à sua equipe que providencie as referências daquele estudo, que serão anexadas e encadernadas junto ao artigo que deu origem à coletânea. Por fim, os muitos escritos do professor Delfim, ao longo de sua carreira, também completam o acervo.”

Ninguém pode ter ilusões, o desenvolvimento não é um processo tranquilo, calmo, no qual cada um de nós vai manter a sua posição. O desenvolvimento é um processo doloroso, difícil, trabalhoso.

Junto com a sua biblioteca, Delfim Netto doou também todo o mobiliário. Há um espaço que reproduz a sua sala, com a grande escrivaninha de imbuia, com um tampo revestido em couro, porém já gasto de tantos livros que foram lidos sobre ele. Há ainda cadeiras estofadas, um mobiliário todo torneado e uma pequena máquina de escrever portátil, branca, da marca Odessa.

Detalhe da mesa de trabalho de Delfim Netto – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

Pelas paredes estão todos os seus diplomas, obtidos ao longo da vida, bem emoldurados. Um ambiente povoado de lembranças do estudante que iniciou sua biblioteca aos 14 anos de idade. “O professor Delfim conta que trabalhava como office-boy na Gessy Lever e, por influência do médico Ayrton Alves Aguiar, que conhecera na empresa, começou a se interessar pelos livros. Os dois discutiam a coleção Espírito Moderno, organizada por Monteiro Lobato e Godofredo Rangel. A partir daí, o professor se tornou um frequentador assíduo de sebos e livrarias no Brasil e no mundo”, narra a bibliotecária Sandra. “Inicialmente, a biblioteca ocupou um quarto da casa onde morava com sua mãe, no bairro da Aclimação, em São Paulo. Depois ocupou o apartamento que habitou nos Jardins, também em São Paulo. No fim dos anos 80, a biblioteca, já contando com uma imensa quantidade de volumes, teve de ser transferida para um sítio em Cotia, pois o peso dos livros ameaçava comprometer as estruturas do edifício. Nesse terceiro endereço, a biblioteca ficou até o processo de mudança para a USP.”

Nessa sala com os diplomas, há estantes com mais livros. Sandra tira da prateleira uma edição de arte que salta aos olhos: Alice’s Adventures in Wonderland, de Lewis Carrol. As ilustrações são do mestre do Surrealismo, o catalão Salvador Dalí. A história é reproduzida em aquarelas. Um trabalho de extrema delicadeza. A edição foi publicada em 1969 pela New York’s Maecenas Press-Random House.

Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

A consulta ao Acervo Delfim Netto é restrita à sala de leitura, não sendo permitido o livre acesso às estantes. Os livros também não são emprestados. A reprodução só pode ser feita por meio fotográfico, sem utilização de flash, ou por meio de digitalização na própria sala, mediante autorização do bibliotecário responsável. Não é permitida a reprodução integral das obras, de acordo com a legislação de direitos autorais vigente.

Logo na entrada da biblioteca da FEA, há um painel reproduzindo a biblioteca original do paulistano Antonio Delfim Netto. O visitante é acolhido por uma frase que ele escreveu em 1972, especialmente válida para os estudantes de hoje:

Ninguém pode ter ilusões. O desenvolvimento não é um processo tranquilo, calmo, no qual cada um de nós vai manter a sua posição. O desenvolvimento é um processo doloroso, difícil, trabalhoso. Cada um vai ter as suas posições sociais mudadas, porque o mundo à nossa volta está mudando. Quem correr vai ficar onde está, quem parar vai ser atropelado. Esta é a noção clara de desenvolvimento. Não existe outra.

Mais informações sobre o Acervo Delfim Netto podem ser obtidas no endereço https://www.fea.usp.br/biblioteca/acervo-delfim-netto.

Fonte: Jornal da USP

Coleção do professor Eduardo Peñuela enriquece acervo da USP

Parte dos 3 mil itens da coleção já está disponível na Biblioteca da Escola de Comunicações e Artes (ECA)

Por Letícia Tanaka
O Códice Vaticano, um dos valiosos itens do acervo do professor Eduardo Peñuela Cañizal, hoje depositado na Biblioteca da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

“Maravilhosa.” É assim que a bibliotecária Silvana Leite, da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, descreve a coleção do professor Eduardo Peñuela Cañizal (1933-2014). O docente, um dos fundadores da escola, guardou durante sua vida cerca de 3 mil itens, entre livros, filmes, gravuras, fotografias e revistas. No ano passado, a família do professor doou essa coleção para a Biblioteca da ECA, e agora os itens estão sendo catalogados. Alguns já se encontram disponíveis para consulta e empréstimo.

Livros sobre cinema, arte, filosofia e história estão entre os itens doados à ECA pela família do professor Eduardo Peñuela – Foto: Marcos Santos / USP Imagens
Livro sobre cinema, uma das especialidades de Peñuela – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

A maior parte do acervo é composta de livros e filmes, alguns raros e de edições limitadas. A catalogação do material começou este ano e contou com a ajuda do professor Mateus Araújo Silva, do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão da ECA. Silva selecionou 468 livros e folhetos que considerou os mais importantes.

O professor Eduardo Peñuela Cañizal (1933-2014), um dos pioneiros da ECA – Foto: Divulgação / ECA

Peñuela também era professor do curso de Audiovisual da ECA. Por isso, a maioria dos itens da sua coleção está relacionada à arte. Mas livros sobre filosofia e história também estão no acervo. “É um enriquecimento muito grande para a biblioteca”, comenta Silvana. Isso se deve ao fato de que 70% do material selecionado é novidade para as prateleiras da faculdade. Alguns dos livros são raros e considerados por si mesmos como obras de arte.

Uma das raridades da coleção de Peñuela, por exemplo, é o Códice Mexicanus I, um manuscrito pictórico que retrata a origem do mundo e dos reis mixtecos, um povo ameríndio pré-colonial. Os desenhos foram reproduzidos em uma cartilha e o livro que acompanha as imagens traduz e explica o significado de cada desenho. A peça original se encontra na Biblioteca Nacional de Viena e a reprodução do livro foi limitada.

O mesmo ocorre com Reliquias Coloniales, outro livro raro da coleção do professor. Com tiragem de apenas 2 mil exemplares, numa única edição, o livro mostra como era a vida colonial das capitanias espanholas na Bolívia e traz desenhos dos projetos de urbanização nesses locais. Há também uma edição do limitado Arte de Pájaros, livro de poemas de Pablo Neruda com a temática de pássaros. Neruda convidou diversos de seus amigos artistas para ilustrar a obra, tornando o livro uma obra de arte poética e visual.

Apreciador dos movimentos artísticos mexicanos do século XX, Peñuela também possuía vários livros sobre Frida Khalo e Diego Rivera, duas referências artísticas mundiais. Além disso, o acervo do professor inclui uma vasta coleção de livros e filmes do cineasta espanhol Luis Buñuel. O professor era pioneiro nos estudos sobre o diretor surrealista, que exerceu forte influência sobre outros diretores, entre eles Pedro Almodóvar.

Eduardo Peñuela Cañizal veio para o Brasil ainda menino, fugindo com sua família da ditadura de Francisco Franco na Espanha. Formou-se na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP e ficou conhecido como um dos maiores especialistas do País nas áreas de teoria do cinema e poética das manifestações não verbais. Ajudou a fundar a ECA, ao lado de outros professores da escola, da qual foi diretor entre 1993 e 1996. O professor faleceu em 2014, ainda no exercício da profissão.

Fonte: Jornal da USP

BIBLIOTECA OFERECE ESPAÇO PARA EXPOSIÇÕES E INTEGRAÇÃO CULTURAL

Por Bruna Arimathea

A Biblioteca FEAUSP também tem lugar para a arte na cena universitária. O espaço para exposições, no hall de entrada, é uma oportunidade de trazer cultura e um ambiente diferente para a rotina do feano. Com destaque na entrada, o saguão da biblioteca se transforma em museu e permite aos alunos e funcionários um vislumbre artístico dentro da faculdade.

As vitrines estão disponibilizadas para exposições desde 2014, quando foram encerradas as reformas do local, e já receberam quatro exibições até o momento, incluindo as atuais peças expostas. A iniciativa é de disponibilizar o espaço, mas, sem curadoria própria, a biblioteca fica aberta a sugestões e acervos para apresentar em seu hall de entrada.

Margarida Maria de Sousa, responsável pela Biblioteca da Faculdade, afirmou que a instituição não tem como fazer, por ela mesma, as exposições, mas que existem planos. “Nós desejamos fazer uma exposição da biblioteca, com temática diferenciada, talvez reunir as obras mais  especiais do acervo do Delfim Netto”.

A chefe técnica também contou que há grande interesse em receber obras externas à FEA e que é possível notar a diferença no ambiente de estudos da faculdade. “O espaço foi dimensionado desde o começo do projeto da biblioteca. Foram concebidas vitrines com o objetivo de expor livros ou quadros. Gostaríamos que as pessoas se interessassem mais por esse espaço. Eu vejo as pessoas paradas olhando, falando que é bonito. Muda o ambiente da biblioteca, alegra um pouco”.

Atualmente, duas exposições estão abertas à visitação pública. Partes da coleção de Diva Pinho e Rosana Lombardi podem ser vistas até o dia 21 de setembro. O conjunto “Diva – Conexão Japão” é apresentado pela ocasião da inauguração do auditório Funcadi ocorrida em agosto.

A exposição “Arte Livre”, de Rosana Lombardi (foto), pintora e esposa do professor Ariovaldo dos Santos, do departamento de Contabilidade e Atuária, traz diversas obras da coleção pessoal da artista, e teve sua abertura no dia 5 de setembro, com a presença do organizador, professor Gilmar Masiero, do diretor da FEA, Fábio Frezatti além de amigos e professores que foram prestigiar Rosana.

Frezatti fez questão de agradecer a artista pelas obras disponibilizadas e ressaltou a importância da ação para a biblioteca da FEA. “Nós estamos em um ambiente em que as pessoas podem olhar para a gente no sentido monetário, de dinheiro, e a sensibilidade, a expressão, fazem parte da vida. Essa contribuição é muito bacana, porque as pessoas percebem o interesse da FEA, dos colegas e professores, e começam a entender um pouquinho como pode ser forte, importante e motivado por isso”.

Para Rosana Lombardi, é gratificante poder expor em um ambiente tão diverso, como a FEA. “É uma experiência incrível. Adorei o carinho, a lembrança do meu nome. Sou muito simples quanto àquilo que eu faço, porque aqui tem muito amor. Eu agradeço meus amigos, os professores, estou muito feliz”.

As exposições podem ser visitadas de segunda a sexta, das 7h30 às 21h30, na Biblioteca FEAUSP.

Fotos: Bruna Arimathea

Fonte: FEA USP

XVI International Conference on University Libraries

Contribution of the library to the success in the plans of the institutions of higher education and research

October, 24th to 26th, 2018 / Premises: Auditorio “Alfonso Caso”, UNAM

In the horizon of the Sustainable Development Goals of the United Nations (UN), as well as in the Global Vision proposed by the International Federation of Library Associations and Institutions (IFLA), new opportunities arise for libraries to contribute with institutions and society to face the challenges of future.

Objective

To analyze and explore the actions that the university library must carry out to become a strategic element in the achievement of the activities and actions that the institutions propose for innovation and excellence in their responsibilities of teaching, research and dissemination of culture.

Organizing Committee

  • Elsa M. Ramírez Leyva
  • Julieta Margáin de Ochoa
  • Federico Turnbull Muñoz
  • Julio Zetter Leal

The event is organized by the Universidad Nacional Autónoma de México through the Dirección General de Bibliotecas.

Website: http://cibu.dgb.unam.mx/index.php/en/

Biblioteca da ECA cria manual de normalização para trabalhos acadêmicos

A Biblioteca da ECA acaba de lançar o Manual de Normalização complementar às Diretrizes USP para elaboração de Dissertações e Teses. O trabalho é de autoria dos bibliotecários Lilian Viana, Marina Macambyra e Welber Lustosa.

Marina Macambyra explica que, há alguns anos, os alunos passaram a procurar o serviço da Biblioteca para tirar dúvidas em relação a questões de normalização de documentos específicos. “As normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e as Diretrizes USP têm muitas orientações e exemplos de referências e de citações, mas têm poucos exemplos e poucas explicações a respeito de filmes, vídeos do Youtube, músicas, partituras”, afirma Marina. Documentos com que o aluno da ECA trabalha frequentemente.

Pensando nisso, além de criar um manual que contempla as referências e citações que não estão claras nas norma ABNT e nas Diretrizes USP, a Biblioteca também produziu um treinamento presencial para normalização.

“A gente fez uma apresentação para ser usada no treinamento presencial e, se a pessoa quiser, pode ver a apresentação que está disponível no site e depois tirar dúvidas com a gente, marcando uma hora”, explica a bibliotecária.

O Manual de Normalização da Biblioteca da ECA: complementar às Diretrizes USP (ABNT) apresenta sugestões para citar vídeos do Youtube, tweets, páginas do Facebook, séries, partituras, entre outros materiais, além de respostas para algumas dúvidas frequentes.

Fonte: ECA/USP

Livreto eletrônico detalha reorganização do espaço de biblioteca

Trabalho no câmpus Botucatu durou 5 meses e foi apresentado em encontro de bibliotecários

Por ACI Unesp

A história da reorganização do espaço físico da biblioteca do câmpus de Botucatu da Unesp virou o livreto eletrônico “Biblioteca no País das Mudanças”, em que os cinco meses de trabalho para a mudança do layout do espaço são resumidos de forma lúdica para que a comunidade entenda os conceitos que deram base ao trabalho. 

Norteada pela nova diretriz de tornar a biblioteca um espaço aconchegante que promova o desenvolvimento do ensino, da aprendizagem, da investigação e da criatividade, a mudança do layout fez uma seleção criteriosa das publicações, trocou estantes e, ao final, abriu espaços para 50 novas mesas de estudo, além de tatame com almofadas e pufes para descanso dos estudantes.

A avaliação do acervo e a reorganização do espaço físico foram as primeiras iniciativas de uma série de ações necessárias para que a biblioteca do câmpus Botucatu fosse adequada ao novo conceito que está norteando as mudanças nesses espaços físicos da Unesp.

O trabalho realizado em Botucatu e a forma como ele foi relatado à comunidade da Unesp, por meio de um livreto eletrônico ilustrado, foram apresentados no 2º Encontro de Bibliotecários da Região Central do Estado de São Paulo (Enbiesp), realizado em maio em São Carlos.

A publicação foi produzido pela Divisão Técnica de Biblioteca e Documentação do câmpus de Botucatu, sob a direção de Sulamita Selma Clemente Colnago, e está disponível na internet.

Fonte: Unesp

Unicamp recebe biblioteca de Antonio Candido

Acervo se soma a 1.367.813 itens do Sistema de Bibliotecas da Unicamp, instância fundamental nas atividades de ensino, pesquisa e extensão

A biblioteca do professor, ensaísta e crítico literário Antonio Candido de Mello e Sousa, composta por aproximadamente seis mil livros, acaba de ser doada pela família do intelectual à Unicamp. A transferência do acervo, que já está de posse da Universidade, foi oficializada por meio de carta assinada no último dia 10 de julho pelas três filhas de Antonio Candido, Ana Luisa Escorel, Laura de Mello e Souza e Marina de Mello e Souza. Depois de analisados e catalogados, os volumes serão incorporados às Coleções Especiais e Obras Raras da Biblioteca Central Cesar Lattes (BC-CL).

Os livros que integram a biblioteca doada à Unicamp abrangem diferentes áreas do conhecimento, entre as quais literatura, história, sociologia, antropologia e geografia. Entre os volumes estão também itens raros, como as primeiras edições de obras de Oswald de Andrade e Mário de Andrade, sendo que muitos exemplares contêm dedicatórias desses autores. Há, ainda, títulos de Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, Graciliano Ramos, Guimarães Rosa, Gilberto Freyre, Alvaro Lins, Sérgio Buarque de Holanda, Clarice Lispector e Lygia Fagundes Teles.

Ademais, o acervo é constituído por uma importante Proustiana, compreendendo um número considerável de edições da obra de Marcel Proust, bem como de estudos sobre o escritor francês. “Trata-se do conjunto de livros que Antonio Candido manteve consigo até morrer, uma vez que ao longo da vida doou quantidades significativas de títulos para diferentes bibliotecas, inclusive da Unicamp. Os livros ora oferecidos em doação são os que escolheu manter perto de si, bem como os mais valiosos”, afirmam as filhas do intelectual em carta enviada ao reitor Marcelo Knobel.

Foto: Scarpa
Maria Helena Segnorelli, diretora da Biblioteca de Coleções Especiais e Obras Raras da BC-CL, e as caixas do acervo de Antonio Candido

A coordenadora-geral da Universidade, professora Teresa Atvars, considera uma grande honra receber a biblioteca de Antonio Candido. “Ele ajudou a construir a Unicamp, fundando o Instituto de Estudos da Linguagem (IEL). Além disso, deixou um enorme legado em suas áreas de atuação e participou ativamente da vida brasileira, sobretudo na defesa da democracia”, pontua a dirigente. De acordo com a coordenadora associada da BC-CL, Valéria dos Santos Gouveia Martins, “os volumes serão inicialmente analisados, catalogados e tratados tecnicamente, para depois serem incorporados às Coleções Especiais e Obras Raras e ficarem disponíveis para consulta”, explica.

A escolha da Universidade para receber a biblioteca de Antonio Candido é um reconhecimento à importância da instituição e também ao Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU). O SBU, que está vinculado à Coordenadoria Geral da Universidade (CGU), é composto por 29 bibliotecas, sendo uma central, uma de área (Engenharias) e 27 localizadas nas faculdades, institutos e centros e núcleos de pesquisa. Mais que armazenar livros, esse sistema constitui um valioso conjunto de fontes de informação, disponíveis em diversos suportes, que incluem bases de dados, catálogos de bibliotecas, repositórios institucionais, patentes, teses, periódicos científicos etc.

Os números relacionados ao SBU impressionam pelo tamanho e são reveladores do indispensável suporte que o sistema oferece às atividades de ensino, pesquisa e extensão. Segundo os últimos dados consolidados, o acervo possui 1.367.813 itens. Entre eles, 42.311 periódicos eletrônicos, 484 bases de dados e 273.674 e-books. Em 2017, o orçamento do SBU foi de R$ 12,9 milhões. “É fundamental para a Unicamp contar com um complexo de bibliotecas que atenda de modo adequado às necessidades de natureza acadêmica dos alunos de graduação e pós-graduação, assim como as áreas de pesquisa e inovação”, entende a coordenadora-geral. Segundo a professora Teresa Atvars, o SBU é considerado historicamente, por todas as gestões, como estratégico para as atividades da Universidade.

Foto: Scarpa
A coordenadora-geral da Universidade, professora Teresa Atvars: “É fundamental para a Unicamp contar com um complexo de bibliotecas que atenda de modo adequado às necessidades de natureza acadêmica dos alunos de graduação e pós-graduação, assim como as áreas de pesquisa e inovação”

Valéria Martins observa que o SBU mantém contatos e colaborações com as melhores bibliotecas do exterior. “Nossas atividades têm padrão internacional. Estamos sempre atuando no sentido de atualizar nossos acervos e serviços. Além disso, os profissionais vinculados ao sistema participam periodicamente de cursos e congressos. A cada experiência desse gênero, nós promovemos um encontro no qual compartilhamos os conhecimentos adquiridos com toda a equipe”, relata.

Paralelamente a essas atividades, o SBU desenvolve ações específicas com cada um dos seus públicos. No caso dos estudantes de graduação, por exemplo, existe uma preocupação de transmitir a esse segmento boas práticas de pesquisa. “Temos atuado no sentido de esclarecer os alunos sobre o que é plágio e como fazer as citações em seus trabalhos acadêmicos. Utilizamos o software Turnitin, que verifica a originalidade dos textos, apontando para as semelhanças entre o texto apresentado e os documentos contidos na base de dados do sistema e páginas da internet. Também pretendemos oferecer em breve aos estudantes de graduação, seguindo as diretrizes do nosso planejamento estratégico, uma oficina para orientá-los a utilizar os nossos recursos informacionais da melhor forma possível”, adianta a coordenadora associada do SBU.

Em relação à pesquisa, prossegue Valéria Martins, o sistema consolidou uma importante parceria com a Pró-Reitoria de Pesquisa (PRP), no sentido de qualificar ainda mais o repositório de produção científica da Unicamp e a gestão dos dados de pesquisa. “Um ponto que temos destacado para os nossos docentes e pesquisadores é a importância do uso do ORciD [Open Researcher and Contributor ID], uma ferramenta digital de identificação que permite ao usuário armazenar e gerir informações relativas à sua produção junto às entidades científicas”, diz. Espera-se que todos os docentes e pesquisadores da Unicamp adotem, em breve, esta “identidade”.

Foto: Scarpa
A coordenadora associada do SBU, Valéria Martins: “Nossas atividades têm padrão internacional. Estamos sempre atuando no sentido de atualizar nossos acervos e serviços”

No âmbito da extensão, o SBU tem participado ativamente ao longo dos últimos anos de importantes programas da Universidade, como o Ciência e Arte nas Férias, destinado a estudantes do primeiro e segundo ano do Ensino Médio de escolas públicas de Campinas, Valinhos, Vinhedo e Jaguariúna, Limeira e Piracicaba; e o UniversIDADE, criado para oferecer às pessoas acima dos 50 anos, integrantes ou não da comunidade universitária, um conjunto de atividades capaz de mantê-las ativas física e mentalmente.
Novo momento

A professora Teresa Atvars destaca a importância de o sistema de bibliotecas estar se modernizando constantemente e em contato com os seus públicos. “À medida que a tecnologia evolui, nós também temos que evoluir. O modelo de ‘biblioteca’ da época em que eu ingressei na Unicamp, para fazer pós-graduação, não existe mais. Ela deixou de ser apenas um edifício que ‘abriga’ livros e fonte de consultas. Hoje, graças aos recursos na área da Tecnologia da Informação e Comunicação, a biblioteca não abre e não fecha mais. Uma tese defendida, um livro, um manuscrito e uma obra podem ser consultados via internet, a qualquer hora do dia ou da noite, de segunda-feira a domingo. Ao mesmo tempo, temos usuários que querem ou necessitam comparecer fisicamente às nossas unidades. Isso nos obriga a estarmos preparados para atender adequadamente tanto online quanto o usuário presencial”, exemplifica.

Ao mesmo tempo, acrescenta a coordenadora-geral, há uma demanda crescente por parte dos usuários do SBU por espaços compartilhados, ambientes nos quais possam ocorrer estudos e discussões de maneira coletiva. “Estamos caminhado para esse modelo, a exemplo do que estão fazendo algumas bibliotecas no exterior”, garante Valéria Martins. Segundo ela, o SBU está analisando a criação de um Espaço Maker, local que estimula o conceito de “fabricação digital”. Nele, os usuários colocam a mão na massa para dar, de forma colaborativa, concretude a diferentes projetos.

Fotos: Scarpa
A primeira edição de Macunaíma, com dedicatória de Mário de Andrade, é um dos livros raros da biblioteca do professor Antonio Candido

Indispensável assinalar ainda, conforme a professora Teresa Atvars, a importância das coleções físicas, dado que elas têm um forte componente de natureza histórica, aspecto importante para qualquer área do conhecimento. “Trata-se de um patrimônio que precisa ser preservado. A biblioteca do professor Antonio Candido vem se somar a várias outras. O equilíbrio entre a biblioteca moderna e a tradicional é que oferece uma enorme riqueza de possibilidades à nossa produção acadêmica”, analisa a docente.
Acessibilidade

Um componente de destaque no trabalho do SBU é o seu Laboratório de Acessibilidade (LAB), pioneiro no Brasil. Criado em 2002 com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), o objetivo do LAB é proporcionar aos usuários com necessidades especiais um ambiente adequado à realização de seus estudos e pesquisas, com maior autonomia e independência. O espaço está situado no primeiro andar da BC-CL. O funcionamento é de segunda à sexta-feira, das 9h às 17h.

Segundo a professora Teresa Atvars, uma coisa é ter uma biblioteca capacitada para atender a pessoas sem qualquer necessidade especial. Outra é dispor de um espaço perfeitamente montado para atender também aos usuários com deficiência. “Nós dispomos de recursos que permitem que um cego, por exemplo, possa acessar o conhecimento. Ainda não atingimos o ponto ideal, mas a Unicamp é uma das poucas universidades brasileiras na qual um deficiente visual pode assistir a uma aula superando parte de suas dificuldades. É estratégico continuarmos buscando as melhores formas de apoiar as pessoas com deficiência”, declara a coordenadora-geral.

Veja mais:

Fonte: Jornal da Unicamp

USP inicia modernização de bibliotecas por Ribeirão Preto

Campus terá uma biblioteca moderna e com conceito de atendimento às tecnologias do mundo atual

Por Rose Talamone

Biblioteca Central da USP, em Ribeirão Preto, que passará por reforma de modernização – Foto: João Neves – PUSP-RP

Vinicius Hugo Taglione Lopes, aluno do curso de Administração, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP), é frequentador e monitor da Biblioteca Central do campus da USP, em Ribeirão Preto.

Vinicius Lopes, aluno FEA-RP – Foto: Rosemeire Talamone/USP Imagens

Para Lopes, a biblioteca deve ter um conceito aberto e ser um agente de integração entre os alunos do campus e ser efetivamente um espaço comunitário, o que o estudante não vê hoje. Ele afirma que a Biblioteca Central é um espaço pouco utilizado pelos alunos do campus. “Talvez meus colegas não vejam um propósito para estarem aqui”, conclui.

É justamente para atender essa nova demanda da comunidade, de espaços de integração, que a Biblioteca Central começa a passar por uma ampla reforma a partir do mês de agosto. Segundo Marisa de Castro Pereira, chefe da Divisão de Apoio Transitório da Prefeitura do Campus da USP, em Ribeirão Preto, o espaço vai ganhar um conceito moderno, passar de espaço de acervo para de acesso.

Marisa lembra que durante o período de obras, as unidades de ensino vão disponibilizar salas de estudo para os alunos, com a presença de funcionários da Biblioteca Central. Já os empréstimos de livros poderão ser feitos pelo e-mail bcrp@usp.br.

Novo layout com sala de convívio na Biblioteca Central da USP, em Ribeirão Preto, com Edusp ao fundo – Foto: imagem cedida pela DVEF

Moderno e tradicional num mesmo prédio

A biblioteca terá dois ambientes distintos: um moderno, no andar térreo, que vai ganhar um ambiente de integração mais atrativo, e um tradicional, no andar superior, com todo o acervo já existente e de interesse das unidades de ensino.

No espaço de integração do andar térreo, estarão as salas de estudo individuais e espaços com empréstimos de ferramentas de tecnologias de informação e comunicação, como tablets, notebooks, fones de ouvido, telões para filmes, televisores, entre outros. No mesmo local, haverá uma sala para aulas de xadrez, além da instalação da livraria da Editora da USP (Edusp), cafeteria e uma copa para utilização dos alunos. O espaço também ganhará mais sanitários.

Novo layout do setor de empréstimos de tecnologias da informação – Foto: imagem cedida pela DVEF

 

Layout do anfiteatro da Biblioteca Central USP, em Ribeirão Preto – Foto: imagem cedida DVEF

No ambiente tradicional, junto ao acervo, estará a equipe técnica para assistência aos usuários na localização do material, pesquisas bibliográficas, normalização de trabalhos científicos (monografias, dissertações, teses, artigos e periódicos), consultas e empréstimos. A biblioteca também contará com gerador para os casos de queda de energia.

Novo layout do ambiente tradicional da Biblioteca Central, andar superior – Foto: imagem cedida pela DVEF

Marisa diz que, historicamente, as bibliotecas sempre tiveram caráter restritivo e estático, consideradas um templo e o bibliotecário seu guardião. Com o decorrer do tempo, esse conceito foi se modificando e no presente, com a introdução das tecnologias de informação e comunicação, as bibliotecas tornaram-se uma unidade de informação e os bibliotecários, profissionais de informação. “O leitor tornou-se um usuário por buscar não somente livros, mas vídeos, mídias e reproduções sonoras, por exemplo.  Nesse sentido surge um novo conceito de biblioteca”, afirma.

Lopes comemora as notícias, especialmente a integração com a tecnologia, e espera que os softwares utilizados pela Universidade também sejam integrados, com base de dados mais competentes e maior flexibilidade. O estudante acredita que dá para melhorar o atual espaço, deixando-o mais apropriado ao estilo atual de estudar.

Projeto é piloto para as bibliotecas da USP

A reforma da Biblioteca Central, em Ribeirão Preto, faz parte do projeto da Universidade de modernizar suas bibliotecas. Segundo o prefeito do campus local, professor Américo Sakamoto, a identificação dessa nova realidade exige da USP uma redefinição do papel e também da imagem de suas bibliotecas para incorporação de conceitos modernos, a exemplo de algumas já existentes no País e no mundo. “O campus da USP, em Ribeirão Preto, foi escolhido para inaugurar o projeto-piloto de modernização das bibliotecas da Universidade”, informa.

Américo Sakamoto, prefeito do campus da USP, em Ribeirão Preto – Foto: Gabriel Soares/USP Imagens

Heitor Santos Reis, aluno da Informática Biomédica, curso interunidades que reúne Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCLRP) e Faculdade de Medicina (FMRP), está utilizando a Biblioteca Central em busca de recursos computacionais e vê com alegria a nova proposta, principalmente, por ser um espaço mais de vivência, mais amplo, não tão concentrado, assim como já funciona nas Faculdades de Direito (FDRP) e de FEA-RP. “Com essas mudanças, com certeza haverá mais demanda, o pessoal vai preferir ficar por aqui inclusive nos finais de semana.”

Heitor Reis, do curso de Informática Biomédica – Foto: Rosemeire Talamone/USP Imagens

Reis acredita que a nova proposta também pode ser um espaço para a disseminação de informações sobre o uso de softwares livres. “Seria interessante para a comunidade saber que não existe só softwares pagos”.

O aluno lembra que pode ocorrer uma maior interação com outros acervos interessantes no campus, como a midiateca do Departamento de Física da FFCLRP, só com filmes sobre ficção científica, e com as atividades do CineCult, por exemplo. “Nesse sentido, pode melhorar até a divulgação das atividades culturais do campus.”

Ainda com relação à comunidade acadêmica, Sakamoto enfatiza que a ideia é, principalmente, criar um espaço de maior integração, até com a possibilidade de atendimento 24 horas. “Serão gastos cerca de R$ 2 milhões e a reforma, que será por etapas, deverá estar concluída em junho do próximo ano.”

Complexo de atividades integrativas

Espaço de eventos do IEA – Foto: Daniella Giazzi Roveri

Com a reforma e mudança de conceito da Biblioteca Central, a USP cria em Ribeirão Preto um complexo de atividades integrativas para a comunidade. Um conjunto de prédios próximos um ao outro vai possibilitar diversas atividades de extensão e cultura.

Ao lado do prédio da biblioteca está o teatro do campus, recentemente reformado; próximo aos dois, está a sede do Instituto de Estudos Avançados (IEA), com espaço para eventos e exposições. Não muito distante, está a Seção de Atividades Culturais, com extensa programação, que vai desde exposição, passando por oficinas, cursos etc, e o Centro de Educação Física e Esportes (Cefer), com diversas modalidades de atividades esportivas para as comunidades interna e externa.

Fonte: Jornal da USP

Recomendaciones sobre redes sociales para bibliotecas públicas y universitarias (ALA)

social-media

Social Media Guidelines for Public and Academic Libraries, ALA, 2018

Texto completo

Las bibliotecas participan en los medios sociales por muchas razones, pero principalmente para comunicar información sobre servicios y recursos bibliotecarios, y para comprometerse con sus comunidades. Este documento proporciona un marco de políticas e implementación para las bibliotecas públicas y universitarias que participan en el uso de las redes sociales. La siguiente información se proporciona únicamente como una guía para crear una política de redes sociales y no pretende ser una lista exhaustiva de requisitos o asesoramiento legal.

Las redes sociales ofrecen una oportunidad para que las bibliotecas se relacionen con los usuarios y hagan contribuciones significativas al conocimiento compartido. Este sólido compromiso cívico conduce a una ciudadanía informada y a una sociedad saludable, al tiempo que demuestra el gran valor de que para los individuos y la sociedad tienen las bibliotecas.

Las bibliotecas no tienen ninguna obligación legal de participar en los medios de comunicación social, ni están obligadas a albergar conversaciones públicas. Una biblioteca podría optar, por ejemplo, por participar únicamente en la comunicación unidireccional, es decir, hacer anuncios y no responder a preguntas o comentarios. Pero una vez que una biblioteca pública o universitaria es financiada con fondos públicos invita a la conversación; por lo tanto, se puede considerar que ha establecido un foro público.

El Comité de Libertad Intelectual de ALA recomienda que las bibliotecas participen en los medios de comunicación social después de revisar detenidamente las directrices que aquí se presentan, y que adopten una política de medios de comunicación social contando con un asesor jurídico que refleje la intención y la capacidad de su institución.

Para evitar que la plataforma de una biblioteca sea secuestrada por contenido no relacionado con la misión de la biblioteca (incluyendo publicidad comercial o simplemente irrelevante), las bibliotecas deben elaborar cuidadosa y estrechamente sus declaraciones públicas de propósito y comportamiento aceptable como vinculadas a la misión de la biblioteca. Así, la biblioteca debe hacer pública su política de redes sociales en su sitio web y vincularla con la política de las redes sociales siempre que sea posible.

Recomendaciones

Siguiendo las mejores prácticas, la política de medios sociales de una biblioteca debe considerar los siguientes temas. Existe una variedad de niveles posibles de participación comunitaria disponibles para las bibliotecas, aunque no todos los puntos que se enumeran a continuación se aplican a todas las bibliotecas, y las omisiones y adiciones se pueden hacer en base a las necesidades individuales de la biblioteca en particular:

  1. La biblioteca publica información relacionada con sus servicios y operaciones para sus usuarios y no busca ni responde a comentarios.
  2. La biblioteca publica información y realiza llamadas ocasionales para obtener respuestas a encuestas o comentarios. La biblioteca se reserva el derecho de cerrar los comentarios a una hora predeterminada y no en respuesta a los comentarios recibidos.
  3. La biblioteca invita a la gente a publicar o comentar ocasionalmente sobre varios temas.
  4. La biblioteca se compromete con su comunidad en asuntos relacionados con los recursos y servicios de la biblioteca.
  5. La biblioteca sirve como un foro para la discusión de muchos temas relacionados con sus colecciones, programas y espacios.

Las declaraciones también pueden referirse al propósito más amplio de la biblioteca y su órgano rector, como “La misión de nuestra biblioteca es promover el valor y la importancia de los servicios, programas, espacios y colecciones de la biblioteca, y de las bibliotecas en general“.

Audiencia

Por otra parte, la biblioteca debe identificar a su público objetivo. Una biblioteca universitaria puede limitar su audiencia a los profesores, estudiantes, personal, administradores y ex-alumnos de la universidad. Aunque también puede ampliar este espectro para incluir a comunidades especializadas fuera de la universidad, como los investigadores e interesados en una disciplina en particular, o incluso al público en general. Las bibliotecas públicas pueden identificar a su público como aquellas personas que residen dentro de su área de servicio oficial.

Responsabilidades

Todo el personal de la biblioteca responsable de las contribuciones a las plataformas de medios sociales de la biblioteca debe ser capacitado para ello, no sólo en las mejores prácticas para las plataformas de medios sociales individuales, sino también en la misión, los valores y las posiciones de la biblioteca y su órgano rector o institución matriz.

Una cuenta en medios sociales es la imagen digital de la biblioteca y debe mantener el mismo nivel de servicio al cliente proporcionado en la biblioteca física. Con el fin de proporcionar una guía para el personal y proteger a la biblioteca cuando interactúa con los usuarios en línea, la biblioteca debe delinear el comportamiento y las responsabilidades apropiadas del personal en su política de medios sociales. Por lo que todo el personal debe aplicar estas directrices de manera coherente.

Los colaboradores del personal encargados de los medios sociales deben utilizar un tono coherente con la estrategia de comunicación y marketing de su organización, ya sea publicando contenido original o comunicándose directamente con un usuario. El contenido de los medios sociales debe ser escrito desde el punto de vista del “nosotros”, que representa a la biblioteca como un todo y no como un miembro individual del personal.

Como responsables de la imagen de la biblioteca en línea , los miembros del personal deben mantener su carácter profesional en todo momento y deben abstenerse de expresar sus opiniones personales al publicar en nombre de la biblioteca.

El personal de la biblioteca debe proteger la privacidad y confidencialidad del usuario siempre que sea posible. Las plataformas de medios sociales no deben utilizarse para recopilar información sobre los usuarios de la biblioteca. La información compartida por los usuarios en los medios sociales de la biblioteca no debe ser conservada por la biblioteca ni utilizada para otros fines. Las políticas de medios sociales de la biblioteca también deben referir a los usuarios a las políticas de privacidad de la plataforma de medios sociales e informar claramente a los usuarios cuándo los mensajes estén disponibles públicamente. El personal debe estar formado y ser consciente de las prácticas básicas de ciberseguridad. Para obtener información adicional, los bibliotecarios y el personal de las bibliotecas deben consultar el documento “Preguntas y respuestas sobre ética y medios sociales” del Comité de Ética Profesional.

Reconsideración

Las políticas de los medios sociales deben proporcionar recursos para que los individuos puedan expresar quejas o preocupaciones sobre el contenido publicado en los medios sociales de la biblioteca. De este modo se establece un marco objetivo y uniforme para todos los interesados, protegiendo al mismo tiempo la libertad creativa y las competencias necesarias para lograr la participación de las comunidades bibliotecarias. El procedimiento para manejar las quejas y para reconsiderar el contenido de los medios sociales debe estar claramente enunciado en la declaración de política y ser aplicable a todos. La política debería hacer hincapié en que no se eliminará ningún comentario sin seguir el procedimiento aprobado y en que ningún contenido debería eliminarse bajo la autoridad de un solo funcionario o administrador.

Comportamiento aceptable

Las bibliotecas deben establecer claramente su política de comportamiento en los medios sociales en todas sus plataformas de medios sociales y mostrar esa política de manera prominente en sus sitios web. Al igual que el código de conducta/uso que los usuarios deben cumplir cuando visitan la biblioteca, una política de medios sociales define claramente el comportamiento aceptable e inaceptable, así como las medidas que tomará el personal de la biblioteca en caso de que el usuario no se adhiera a las pautas de la política.

Comportamiento inaceptable que puede resultar en la eliminación de un comentario o el bloqueo temporal de un usuario podría incluir contenidos relacionado con violaciones de derechos de autor, obscenidad, pornografía infantil, comentarios difamatorios o calumniosos, o amenazas inminentes o verdaderas contra la biblioteca, el personal de la biblioteca u otros usuarios. Como una mejor práctica, las políticas deben establecer que este tipo de discurso no es permisible para excluir a la biblioteca de cualquier responsabilidad potencial como facilitador de la discusión pública. Sin embargo, las bibliotecas deben ser conscientes de que la aplicación de tales políticas para prohibir los malos usos puede resultar difícil, ya que el personal de la biblioteca se encontraría en la posición de determinar si un contenido en particular es ofensivo o inadecuado.

Al elaborar sus políticas de medios sociales, las bibliotecas deben ser conscientes de que la eliminación de mensajes que no se ajustan lo estipulado, por ejemplo, sobre la base de que son controvertidos, constituyen una blasfemia o pueden ser ofensivos para otros usuarios, podría exponer a la biblioteca a litigios, ya que los tribunales han encontrado que esas categorías de expresión están protegidas por ley y que términos como “controvertido” y “ofensivo” son subjetivos.

Una biblioteca puede instar a sus usuarios a adherirse a las políticas de uso aceptable establecidas de la plataforma anfitriona y a participar en el discurso civil, pero como entidad gubernamental sujeta a las restricciones de la Primera Enmienda (a diferencia de la entidad privada que puede ser la plataforma anfitriona), la biblioteca tendrá la obligación de regular sus medios sociales de acuerdo con la ley de la Primera Enmienda y no puede restringir la expresión sobre la base de que la entidad privada podría hacerlo. Los tribunales probablemente encontrarían que la biblioteca u otra entidad gubernamental no podría eludir sus obligaciones bajo la Primera Enmienda utilizando una plataforma privada.

Consecuencias

Las bibliotecas deben indicar claramente las consecuencias de los contenidos que no se ajustan a la política de medios sociales de la biblioteca, que debe redactarse en consulta con un asesor jurídico. Las mejores prácticas incluyen el desarrollo de un procedimiento mediante el cual las bibliotecas notifiquen a los usuarios de por qué están siendo bloqueados, proporcionen un proceso de apelación dentro de la biblioteca para que el usuario impugne la remoción y determinen un período de tiempo aceptable para que el usuario proceda a través de un procedimiento de restablecimiento.

El contenido de los medios sociales de una biblioteca pública o de una biblioteca académica financiada con fondos públicos puede estar sujeto a una solicitud de registros abiertos o de la Ley de Libertad de Información. Todos los mensajes de los usuarios que se eliminen por cualquier motivo deben conservarse de forma segura de acuerdo al calendario de retención establecido por su organización. La política sobre el tiempo que una biblioteca retiene estos comentarios en los medios sociales debe estar claramente establecida en su política de medios sociales y debe ser revisada por un asesor legal.

Los administradores de las bibliotecas deben comunicar claramente sus políticas de medios sociales y sus obligaciones legales a sus proveedores.

Descargo de responsabilidad

Las bibliotecas deben declarar que los comentarios expresados en cualquier plataforma de medios sociales no reflejan los puntos de vista o posiciones de la biblioteca, sus funcionarios o sus empleados. Los usuarios de medios sociales deben ejercer su propio juicio sobre la calidad y exactitud de cualquier información presentada a través de los medios sociales.

Privacidad

El personal de la biblioteca debe hacer un esfuerzo de buena fe para entender las prácticas de privacidad de las plataformas de medios sociales que utilizan y las implicaciones para la privacidad de los usuarios. Si la biblioteca no puede garantizar la privacidad, debe indicarlo explícitamente en su política, por ejemplo: “La biblioteca puede ocasionalmente referirse a comentarios públicos hechos en medios sociales. Sin embargo, no recopilará, venderá ni transferirá a sabiendas a terceros ninguna información personal identificable relacionada con el compromiso de los medios sociales con la biblioteca. Por favor, tenga en cuenta que la plataforma tiene sus propias políticas de privacidad, que se pueden encontrar aquí [enlace] y deben ser revisadas cuidadosamente”. Las bibliotecas pueden aprovechar las herramientas que ofrecen las aplicaciones de medios sociales para administrar contenido obsoleto o publicaciones que no cumplen con la política de medios sociales de la biblioteca.

Algunos estados o instituciones pueden tener políticas de retención de registros que requieren la protección y el mantenimiento de algunos datos. Estos deben ser revisados con un asesor legal.

Conclusión

El Comité de Libertad Intelectual recomienda que las bibliotecas participen en los medios de comunicación social después de revisar detenidamente las directrices que aquí se presentan, y que adopten una política de medios de comunicación social en consulta con un asesor jurídico que refleje la intención y la capacidad de su institución.

Fonte: Universo Abierto

Unesp Notícias | Conheça os serviços oferecidos pela Biblioteca da Unesp em Bauru

Conheça os serviços oferecidos pela Biblioteca da Unesp em Bauru As bibliotecas da Unesp são bem mais do que locais para empréstimo de livros. Hoje, elas são espaços de convivência e oferecem uma série de serviços à comunidade. Nossa equipe foi até a biblioteca da Unesp e apresenta a você alguns desses serviços.

Fonte: TV Unesp

Desenhos são expostos na FOB/USP

Artista plástico Júnior de Sá exibe criações desenvolvidas com lápis e tinta nanquim, entre outras técnicas, em saguão da biblioteca da unidade

“Dança da serpente” e “Equilíbrio” também integram mostra

“Ensaios”: é o nome da mostra que está aberta à visitação no saguão de entrada da Biblioteca da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) da Universidade de São Paulo (USP) com trabalhos do artista plástico Júnior de Sá.

São 19 desenhos em lápis, tinta nanquim e carvão sobre papel e arte digital em impressão offset. 

Júnior de Sá está no quarto ano do curso de graduação em Artes Visuais da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (Faac) na Unesp de Bauru. “Escolhi o título como uma referência ao meu próprio processo criativo”, conta, via assessoria de imprensa. “O desenho surge na forma de reflexão sobre determinado assunto ou experiência pessoal. Procuro separar a produção pessoal da profissional, então trabalho com o digital, e o papel se torna algo mais intimista”.

A realização da exposição é do projeto Atelier & Arte da Seção de Eventos Culturais da Prefeitura do Campus USP de Bauru (PUSP-B). 

SERVIÇO

Exposição”Ensaios” com trabalhos de Júnior de Sá: até 13/7, de segunda a sexta-feira, das 8h às 22h, e aos sábados das 9h às 12h, na Biblioteca da FOB/USP – alameda Octávio Pinheiro Brisolla, 9-75,  Vila Universitária.

Fonte: JCNET

Colaboradoras da UNIFEV participam de curso sobre leitor digital para cegos

Sistema DAISY é o mais moderno em leitura, capaz de transformar diversos conteúdos acessíveis às pessoas com deficiência visual

A supervisora das bibliotecas UNIFEV, Rosângela Constâncio Borges, e as colaboradoras Marcia Faria Cavalcante, Marta Tertuliano e Valéria Pequeno dos Santos, participaram, recentemente, da oficina A leitura inclusiva e o livro digital acessível DAISY, promovida pela Fundação Dorina Nowill para Cegos, com o apoio do Centro de Reabilitação Visual de São José do Rio Preto e o patrocínio do Programa de Ação Cultural (PROAC) da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo.

O evento teve o objetivo de discutir a leitura inclusiva no mundo digital e as novas tecnologias que possibilitam às pessoas com deficiência visual maior acesso aos livros, à informação e à cultura.

De acordo Rosângela, o DAISY (Digital Accessible Information System) é uma solução em CD que permite à pessoa cega ou com visão subnormal realizar estudos e pesquisas de forma rápida e estruturada. O leitor torna o conteúdo do texto visível em vários níveis de ampliação e, simultaneamente, audível em voz sintetizada.

O sistema foi adotado pelo Ministério da Educação (MEC) como um dos formatos de livros do Plano Nacional do Livro Didático, por ser o que há de mais moderno em acessibilidade de leitura.

A UNIFEV já possui o Sistema Dosvox, que é um software baseado no uso intensivo de síntese de voz, desenvolvido pelo Instituto Tércio Paciti – antigo Núcleo de Computação Eletrônica (NCE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Sua finalidade é facilitar o acesso de deficientes visuais a microcomputadores.

Nos quesitos acessibilidade e inclusão, as bibliotecas da Instituição estão preparadas para receber pessoas com deficiência física e com dificuldade de locomoção. Para as que são portadoras de deficiência auditiva, ainda é disponibilizado o atendimento em Libras (Linguagem Brasileira de Sinais). A responsável, que também é portadora de baixa audição, é a colaboradora Marta.

A colaboradora Valéria, que possui a Síndrome de Usher (doença genética que causa surdez e cegueira periférica) relatou que a capacitação foi excelente e que o DAYSE realmente acolhe o deficiente visual.  “A doença limita parcialmente a minha visão, razão pela qual vivo bem no mundo dos que enxergam sem grandes dificuldades. Por isso, participar de projetos que permitem envolver um maior número de pessoas, não apenas no intuito de incluir, mas de tornar o ambiente e o atendimento natural, motiva-me tanto. Nosso objetivo é que toda a comunidade se sinta realmente em casa quando estiverem nas bibliotecas da UNIFEV”, afirmou.

Segundo a supervisora, em breve, o atendimento será ampliado para pessoas com espectro autista, o que torna o Centro Universitário de Votuporanga ainda mais próximo da comunidade.

Fonte: Folha Regional

Ações das bibliotecas para a Agenda 2030 da ONU são a ênfase da nova edição da Revista da Biblioteca Universitária

Está disponível on-line o novo número da revista “Bibliotecas Universitárias: pesquisas, experiências e perspectivas”, que tem como destaque o papel das bibliotecas na efetivação da Agenda 2030 da ONU, um pacto internacional em prol da valorização da dignidade humana e do desenvolvimento sustentável.

Nessa edição da revista, estão presentes artigos sobre o papel das bibliotecas no desenvolvimento de competências informacionais, sobre a cultura informacional e digital dos alunos residentes na moradia estudantil da UFMG e reflexões acerca da segurança da informação.

Além disso, estão disponibilizados relatos de experiência, entrevistas e resumos de pesquisas de doutorado e mestrado recentemente desenvolvidas por servidores do Sistema de Bibliotecas da UFMG.

Na seção de entrevistas, Wellington Marçal de Carvalho fala sobre sua trajetória acadêmica e atuação como gestor da Biblioteca Universitária da UFMG na gestão 2014-2018.  E Julio Díaz Jatuf, professor de Biblioteconomia e Ciência da Informação da Universidade de Buenos Aires, apresenta o conceito de biblioteconomia social e suas interfaces com a Agenda 2030 da ONU, com destaque para o acesso aberto à informação.

Clique aqui para conferir o conteúdo da revista na íntegra.

Fonte: Sistemas de Bibliotecas UFMG

Biblioteca de Guará inaugura espaço com recursos tecnológicos

Novo ambiente deve estimular o trabalho em grupo e a aprendizagem ativa

A Biblioteca da Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá inaugurou, no dia 11 de maio, o Espaço Interativo Multiuso para Aprendizagem. A expectativa é que a nova área oferece recursos tecnológicos e interativos de forma a dar suporte e estimular o trabalho em grupo, a aprendizagem ativa e o desenvolvimento de competências em pesquisa e docência para seus usuários

No espaço é possível criar e editar vídeo, áudio e imagem em alta definição. O novo setor da biblioteca está equipado com: tela branca para projeção, lousa digital, computador, caixas de som, datashow, Smart TV e mesas totalmente flexíveis que possibilitam a montagem da sala em diversos formatos. O aluno Eduardo Rohde Eras fez uma demonstração dos equipamentos e suas possibilidades de uso.

O evento contou com a presença dos professores Mauro Hugo Mathias e Edson Cocchieri Botelho, diretor e vice-diretor do campus, respectivamente, além do professor Otávio José de Oliveira e da professora Ana Cristina Figueiredo Loureiro, coordenadores do projeto. Estiveram presentes também professores, servidores e alunos.

Fonte: UNESP

Exposição fotográfica em São Carlos exibe a diversidade da África

“Apresentando África, um Continente com 54 países” fica em cartaz até 30 de maio no campus da USP

Fotos em exposição foram feitas por estudantes de universidades de São Carlos oriundos da África – Foto: Eli Rodrigues de Moraes

Até esta quarta-feira, dia 30 de maio, é possível visitar a exposição fotográfica Apresentando África, um Continente com 54 Países, na Biblioteca da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP. A mostra faz parte da 14ª Semana Acadêmica Cultural Africana de São Carlos e é organizada em parceria com a Comunidade Acadêmica Africana de São Carlos (Caascar).

A exposição traz fotografias dos membros da Caascar, que em sua maioria são estudantes da USP, da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar) e do Centro Universitário Central Paulista (Unicep) oriundos do continente africano. A exposição também traz informações sobre os países de origem desses estudantes, mostrando um pouco da diversidade desse vasto continente.

Fotografias em exposição trazem um pouco da cultura africana para o Brasil – Foto: Eli Rodrigues de Moraes

A Semana Acadêmica Cultural Africana de São Carlos é um projeto que vem sendo realizado em São Carlos desde 2005, alusivo ao dia 25 de maio, em que se comemora o Dia da África. O intuito do evento não é apenas comemorar o valor histórico da data, mas também compartilhar com o público a riqueza cultural africana.

Essa data foi escolhida por ser o dia no qual, em 1963, em Addis Abeba, na Etiópia, reuniram-se alguns líderes africanos para traçar estratégias sobre o processo de descolonização do continente. Entre eles, estiveram presentes políticos como Julius Nyerere e Kwame N´Krhumah.

A Semana Acadêmica Cultural Africana de São Carlos é realizada desde 2005 e tem como objetivo divulgar a variada cultura africana no Brasil – Foto: Eli Rodrigues de Moraes

A exposição pode ser visitada até esta quarta-feira, dia 30, das 8h às 18h. A Biblioteca da EESC está localizada na área 1 do campus da USP em São Carlos, situada na Avenida Trabalhador São-Carlense, 400.

Mais informações pelos telefones (16) 3373-9247 e 3373-9207 e pelo e-mail biblioteca@eesc.usp.br.

Assessoria de Comunicação da EESC

Fonte: Jornal da USP

Biblioteca Central da Unicamp traz exposição com 17 livros censurados durante a ditadura militar

A Diretoria de Coleções Especiais e Obras Raras da Biblioteca Central “Cesar Lattes” (CEOR/BCCL), da Unicamp, apresenta até 31 de julho uma exposição com 17 livros que foram vetados durante a ditadura militar no Brasil (1964 a 1985). O material pode ser visto de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 22h45, no térreo da BCCL.

Na época dos livros expostos, além da tortura, a censura foi um dos mecanismos usados para calar vozes dissonantes do discurso oficial, prática que se intensificou após a instauração do Ato Institucional Nº 5 (AI-5) em 1968. No setor livreiro, o Decreto-Lei Nº 1.077 de 1970 estendeu a censura prévia aos livros. De acordo com o documento, a censura se restringia a temas como sexo, moralidade pública e bons costumes. No entanto, o regime de exceção permitiu também a censura política. A simples posse de um livro considerado subversivo era usada como prova na acusação de pessoas, igualmente tachadas de subversivas.

Eram censuradas obras que abordassem denúncias de torturas, críticas à própria censura, opressão feminina, que “ferissem a moral e os bons costumes”, enfim, que tratassem de algum tema considerado tabu ou que não agradasse ao censor ou aos apoiadores do regime. Jornais, músicas e outros meios artísticos e de comunicação também eram alvos constantes da ditadura militar.

O material da mostra montada na Unicamp faz parte de coleções especiais do acervo da CEOR como, por exemplo, a do historiador e crítico literário Sérgio Buarque de Holanda. Entre os liv