Arquivos

Los Archivos Disney, un tesoro de la industria del cine

Dibujo inicial de uno de los fotogramas de ‘Dumbo’. / EFE

Un libro saca a la luz la tarea realizada por un bibliotecario para conservar los recuerdos asociados a la factoría de dibujos animados

Texto por Silvia García Herráez

En 1967 Dave Smith, un bibliotecario de California, empezó a recopilar información sobre las películas y la vida de Walt Disney. En 1970 Roy O. Disney (hermano de Walt) le contrató para crear los Archivos Disney, que, 50 años después, son un tesoro para la industria cinematográfica. Smith se unió a la compañía Disney el 22 de junio de 1970 (fecha oficial de la creación de los archivos) como su primer archivero. Su tarea inicial fue catalogar y documentar cada artículo que se encontraba en la oficina de Walt Disney en Burbnak, un espacio que no se había tocado desde la muerte del productor en diciembre de 1966.

El trabajo que realizó el archivero no solo permitió a la compañía recuperar algunos objetos que se dieron por perdidos, sino que también hizo posible recrear con fidelidad la oficina de Walt. Las fotos que el archivero tomó serían fundamentales para su restauración en 2015, dejándola tal cual se veía a su fallecimiento en 1966.

Smith, de cuya muerte se cumple un año y medio, desempeñó la labor de jefe archivero de Disney de 1970 a 2010. En 2007 fue nombrado ‘Disney Legend’, por la labor tan importante que realizó en todo este tiempo. Durante cinco décadas, los Archivos de Walt Disney han salvaguardado cuidadosamente los artículos más preciados de la historia de la compañía Disney. Desde guiones originales, accesorios, trajes y objetos de los rodajes hasta la correspondencia de Walt, dibujos, mapas de los parques temáticos, mercancías, millones de fotografías de archivo y multitud de efectos personales.

«Walt creó un tipo de espectáculo único con el que supo transmitir el carácter mágico y especial del mundo, y en ningún momento dejó de aprender, de cambiar y de aspirar a nuevos horizontes. Esta evolución es algo que siempre me ha fascinado de Walt Disney», explica John Lasseter en el libro ‘Los archivos de Walt Disney. Sus películas de animación 1921-1968’ (Taschen). Los Archivos se dividen en diferentes departamentos: investigación, colecciones, exposiciones, operaciones, biblioteca de fotos y laboratorio digital. La función de cada uno no solo es recopilar y conservar todos los aspectos de la historia de Disney, sino también hacer que ese material esté disponible para investigadores de todas las áreas de la compañía Disney, así como para historiadores, escritores y documentalistas.

Objetos con magia

Dan Lanigan, coleccionista de atrezo de cine, afirmaba a Efe en una entrevista que esos objetos históricos, «reliquias podríamos llamar, no solamente te ayudan a entender cómo se hicieron y cuál es la historia de cada película, sino que también te hacen sentir parte de ella». Por esa razón, decidió hacer ‘Prop Culture’ (Disney+), la serie documental que lleva al espectador al viaje de la búsqueda de objetos perdidos para devolverlos a los archivos de Walt Disney con su esplendor original.

«Esos objetos tienen una magia increíble. Cada vez que vemos alguno de ellos nuestra mente enseguida se teletransporta a esa película. Es como si esos accesorios tuvieran una conexión fuerte con nuestra mente, y eso me parece muy especial», señalaba el coleccionista. Hoy, desde Mickey Mouse -el primer personaje que alumbró la factoría Disney- hasta los más recientes, pasando por Blancanieves, Cenicienta, Pinocho o Peter Pan, tienen su hueco en la historia del cine no solo en la gran pantalla, sino también en sus Archivos.

Fonte: El Diario Vasco

Lançamento do livro “Arquivo que?”

Amanhã, (12), às 19h, acontece o lançamento do livro “Arquivo que?”, escrito pelo professor Charlley Luz.

O autor traz à tona uma antiga técnica arquivística há muito tempo abandonada.

Na live, será debatido o tema central do livro, com a participação de Humberto Innarelli e Vanderlei Batista dos Santos.

Acesse o link https://bit.ly/ArquivoQue para assistir.

Las recomendaciones generales para una reapertura segura de la actividad presencial en los archivos

El Grupo de Responsables de Archivos de las Comunidades y Ciudades Autónomas han elaborado el documento «Recomendaciones generales para una reapertura segura de la actividad presencial en los archivos». El objetivo de dicho documento es consensuar unas recomendaciones generales para llevar a cabo una reapertura segura de los archivos y posibilitar un marco general de referencia adaptable a cada archivo independientemente de su titularidad (pública o privada).

Bajo el título Recomendaciones generales para una reapertura segura de la actividad presencial en los archivos, este documento, adoptado el 12 de mayo de 2020, se ha gestado en dos reuniones virtuales (5 y 12 de mayo) impulsadas por la Subdirección General de Archivos y Gestión Documental de la Comunidad de Madrid que ha reunido a los responsables autonómicos de archivos de Asturias, Cantabria, Castilla y León, Castilla – La Mancha, Cataluña, Ceuta, Comunidad Valenciana, Extremadura, Galicia, La Rioja, Madrid, Murcia, Navarra y País Vasco, junto con los del Ministerio de Cultura y Deporte.

Mucho he hablado de las condiciones, medidas y recomendaciones para la reapertura de las bibliotecas, pero no hay que olvidar que los primeros del sector que tuvieron que reabrir sus puertas fueron los archivos. Estos lo hicieron, en mayor o menor medida, en la Fase 0 de desescalada según la Orden SND/388/2020.

Documento conjunto para consensuar la reapertura segura de los archivos

Tal y como comenta la noticia publicada dentro de la página web de los Archivos de la Comunidad de Madrid, las recomendaciones establecidas en el documento se organizan en dos direcciones que deberán tenerse en cuenta antes o después de la reapertura de la actividad presencial en el archivo.

Antes de la reapertura de la actividad presencial en el archivo, habría que tener en cuenta desde conocer la normativa vigente a raíz de la declaración del estado de alarma hasta realizar un manual con las medidas a adoptar en el archivo para que todo el personal archivero las conozca. También es interesante destacar la planificación de la reincorporación progresiva, el impulso y mantenimiento del teletrabajo, adoptar las medidas de seguridad recomendadas, hacer acopio de equipos de protección individual (EPIs) y de productos higiénicos, incluir los documentos en circulación en una cuarentena de 10 días, planificar sistemas de cita previa

Tras la apertura de la actividad presencial en el archivo, habría que tener en cuenta una serie de recomendaciones en relación con los servicios presenciales y trabajos internos. Como, por ejemplo, hacer solicitudes de consulta mediante cita previa, informar a los usuarios de las medidas extraordinarias, limitar el aforo y pedir que las personas vayan con mascarilla a los archivos, señalizar e informar, en la medida de lo posible difundir y realizar copias digitales de los documentos, expedir certificados y copias auténticas preferentemente por sede electrónica, mantener la cuarentena de 10 días de los documentos, aplazar la devolución de préstamos vigentes, suspender temporalmente las transferencias de documentación a los archivos, mantener la distancia de seguridad de 2 metros entre personas, suspender todas las actividades culturales…  

Fonte: Julian Marquina

Factores que afectan la preservación de los materiales tradicionales de bibliotecas y archivos (Primera parte)

Texto por Luis Crespo Arcá

LAS CAUSAS DE ALTERACIÓN/ DEGRADACIÓN

Las bibliotecas y archivos tienen como finalidad conservar los registros de las manifestaciones humanas y sus pensamientos y creaciones intelectuales. Algunos materiales son más relevantes que otros y, por ello, los recursos y esfuerzos para conservarlos necesariamente han de ser disímiles. Sin embargo, no podemos predecir de antemano cuáles son los más importantes por lo que debemos hacer un esfuerzo para preservar todos durante un período de tiempo razonable. Para ello nos valemos del uso de los materiales más apropiados que la ciencia de cada época nos permite conocer y usar. Posteriormente, cuando el tiempo haya pasado, seremos capaces de concentrar nuevos esfuerzos en la conservación en aquellos documentos que hayan cobrado especial relevancia.

A los conservadores -restauradores se nos suele preguntar cuáles serían las condiciones ideales de conservación de las colecciones de libros y/o documentos. En general, la preocupación es la misma en profesionales de bibliotecas y archivos que para los particulares especialmente concienciados y amantes de sus colecciones. Los factores con los que tenemos que tratar son formas de energía, algunas muy poderosas, otras de baja intensidad. De cualquier forma, todas son capaces de provocar daños físicos o reacciones químicas en los documentos. Las reacciones, en la mayoría de los casos, son indeseables y hacen decrecer la estabilidad de los fondos de archivos y bibliotecas.

Todos los materiales, incluso los más estables químicamente, son susceptibles de alguna forma de degradación. A largo plazo, el problema de su conservación se ciñe a un asunto de compromisos: por un lado, está la elección de materiales estables (y la capacidad económica real para adquirirlos) que tengan las propiedades adecuadas para conservar los documentos; por otra parte, está la creación de un medio ambiente que tienda a reducir los daños físicos, químicos y biológicos al mínimo durante el uso y almacenaje.

Los fondos y colecciones de archivos y bibliotecas se componen de multitud de documentos generados sobre los más variopintos materiales orgánicos e inorgánicos – papeles, telas, pieles, adhesivos, plásticos, metales, maderas… – que se deterioran con el paso del tiempo. Hay múltiples factores ambientales, por la acción de diferentes organismos vivos, por su uso, etc., que dañan y destruyen, parcial o totalmente, los documentos gráficos. Esta destrucción afecta, alterándolas, las funciones estéticas y/o documentales para las que fueron concebidos y creados. Es muy habitual que no haya una única fuente originaria de degradación siendo habitual encontrarse varios fenómenos interactuando entre sí.

El envejecimiento natural de todos los documentos es un proceso lento e inevitable. Aunque se pueden tomar medidas para retardar este envejecimiento natural proveyéndoles de un medio ambiente apropiado, es imposible de detener totalmente. El grado de deterioro depende tanto de la estabilidad química propia de la naturaleza del material como de la combinación de los factores externos que engloban su medio ambiente, la forma de almacenamiento y el manejo. Algunos materiales orgánicos, en igualdad de condiciones de medio ambiente, almacenamiento y manejo, se deterioran mucho más rápidamente que otros, debido a su composición química, que puede ser inherentemente inestable. Las sustancias orgánicas que componen los libros y documentos, por citar las más comunes, son papeles, pieles, tintas o adhesivos. Todas estas sustancias están formadas por complejos polímeros moleculares que padecen un proceso natural de envejecimiento: a medida que las cadenas moleculares se van degradando se van fragmentando y haciendo más cortas, es decir, se despolimerizan. Las manifestaciones visibles de tal fenómeno son, por ejemplo, aquellos libros cuyas pieles se vuelven polvo entre las manos, o los papeles de una revista antigua que, simplemente por la acción de ojear sus hojas, se desintegran entre los dedos.

General e idílicamente, se señala que, para conservar el mayor tiempo posible en las mejores condiciones posibles el Patrimonio Bibliográfico y Documental se deberían cumplir los siguientes requisitos:

  • Que el aire de la zona de depósito esté libre de agentes contaminantes. • En la zona del depósito, que la oscuridad sea total, o lo más próximo a ella. La luz (la radiación ultravioleta) genera tremendas reacciones degenerativas de carácter físico-químico. • Que el aire esté lo más limpio posible. Incluso filtrado si es posible, para eliminar los agentes contaminantes. • Una temperatura constante. Se suele sugerir un rango entre 18ºC y 22ºC. • Que la humedad relativa apenas varíe. Se suelen recomendar valores entre el 50% y 60%. • Sobre el asunto de la temperatura y la humedad, en realidad, lo mejor es que el ambiente mantenga unos valores estables, sin grandes fluctuaciones. Hay constancia de que hay documentos conservados en condiciones extremas cuyo estado físico/químico es excelente. A menudo los problemas surgen cuando se les fuerza, caso de una exposición temporal, a unas condiciones que deben acercarse a los ideales antes mencionados. Las variaciones del sitio de depósito habitual frente a los de las salas de exposiciones suelen tan rápidas que los materiales no tienen tiempo de adaptarse, provocando deformaciones, roturas, etc. • Vigilar para evitar la presencia de organismos vivos. (sí, seres humanos incluidos). • Una limpieza regular y sistemática. Esto evita la acumulación de polvo que arrastra partículas degenerativas, pero también ayuda a que los agentes biológicos no hallen ningún foco de alimentación. • Que el edificio se encuentre en una zona elevada. Esto evita, por ejemplo, posibles inundaciones debidas a una riada. Y ya puestos en lo ideal, que la estructura del edificio esté hecha a prueba de fuego. • Que se hayan diseñado protocolos y previstos sistemas de control para emergencias (algo tan simple como qué hacer cuando una rotura de una tubería nos empapa parte o todas las estanterías del depósito). • La ayuda del Todopoderoso. Especialmente importante (agnósticos inclusive).

CAUSAS DE ALTERACIÓN/ DEGRADACIÓN

A fin de hacer más comprensible la inmensidad de factores que son origen de la alteración, y potencial degradación, de los materiales que componen genéricamente el llamado Patrimonio Bibliográfico y Documental, cabe englobarlos en dos grandes grupos: las alteraciones debidas a causas naturales y las debidas a motivos de carácter accidental.

Las causas naturales están directamente relacionadas con la naturaleza y estructura de los propios objetos y con su medio ambiente. Estas causas son normales, habituales y de efectos a menudo imperceptibles, y aunque sean previsibles, no por ello son eludibles. Al ser daños que no se manifiestan de una forma espectacular, hay una cierta tendencia a no adoptar las debidas medidas correctoras con la esperanza ingenua (o absurda) de que el daño no se producirá o será insignificante. En realidad, son las más dañinas ya que tienen una naturaleza degenerativa acumulativa en las estructuras de los documentos. Cuando sus efectos son más visibles casi siempre es porque los objetos han entrado en procesos de deterioro irreversibles para su recuperación. Aunque los custodios poco o nada pueden hacer para modificar las naturalezas intrínsecas de los materiales documentales y bibliográficos, sí que pueden y deben concentrar sus esfuerzos en controlar los factores externos que los afectan y que aceleran sus procesos de envejecimiento.

Dentro de las causas naturales de degradación podemos distinguir, a su vez, dos grandes grupos: las causas internas o intrínsecas y las causas externas o extrínsecas.

Causas internas de degradación

Las causas internas de degradación son las más imperceptibles pues sus efectos no son, por lo general, apreciables en lapsos de tiempo breves. Surgen como parte inherente a la génesis del propio objeto documental. Entre estas cabe destacar las siguientes:

  • La baja calidad de las materias primas empleadas, sería el caso de pieles procedentes de animales enfermos o con taras o de los papeles cuyas fibras están formadas a partir de celulosa pobre procedente de especies arbóreas con altos índices de residuos madereros, especialmente la lignina y la hemicelulosa, a los que se les han aplicado tratamientos industriales inestables o por aprovechamiento de papeles ya utilizados. • La inestabilidad de los aditivos ocasionales tales como cargas, colorantes, productos de apresto o encolado, productos de blanqueo, de curtición, … • La manufactura defectuosa de los soportes. Aquí entrarían, por ejemplo, los errores humanos y técnicos en la curtición de la piel o en la elaboración del papel¸ los residuos metálicos procedentes del desgaste y/o oxidación de la maquinaria; el uso, durante los procesos de elaboración, de aguas no depuradas o de agentes químicos que intervienen en el procesado del producto final. • En lo que corresponde a las tintas, pigmentos, etc., que se usan para la génesis de los documentos gráficos, suelen ser fuente de problemas aquellos compuestos inestables que, al descomponerse, atacan el soporte. Típicas fuentes de problemas de conservación son desde la pérdida de las propiedades mecánicas del aglutinante hasta la alteración de los elementos metálicos u otros componentes químicos como los colorantes y mordientes.

Causas externas de degradación

Las causas externas de degradación tienen su origen tanto en las características físicas y químicas del medio ambiente en el que se suelen encontrar almacenados los diversos libros y documentos, como en los cambios debidos a modificaciones temporales de esas condiciones (incluidos los accidentes). Cuando hablamos de los factores ambientales nos referimos al conjunto de elementos físicos, químicos y biológicos que componen el espacio en el que vivimos y trabajamos. Estos elementos tienen efectos degenerativos que, generalmente, actúan de forma muy lenta y oculta, en los fondos. También es posible que surjan algunos que actúan con mayor celeridad, como es el caso de los incendios, riadas o la destrucción deliberada.

De forma general, las causas externas más significativas, por su acción y pertenencia inherente al medio en que están guardadas las colecciones/ fondos, son:

  • Factores atmosféricos que incluyen los productos derivados de la contaminación industrial, las partículas de polvo en suspensión, la suciedad, etc. Estos productos contienen gases degradantes que tienen componentes ácidos u oxidantes. También, dentro de estos factores podemos incluir productos naturales como el agua o las energías radiantes como la luz, el calor. • Otras fuentes de problemas, menos directas, pero no menos dañinas, son, por un lado, las de origen biológico. Dentro de este grupo podemos hacer una subdivisión: por un lado, están los agentes microbiológicos como hongos o las actinobacterias o actinomicetos; por otro lado, están los agentes macrobiológicos como los insectos, roedores, o el propio ser humano. • En más ocasiones de las deseables, hay que añadir las propias instalaciones donde se guardan las colecciones y fondos que no cumplen las condiciones básicas para asegurar su correcta conservación. • Finalmente nos encontramos con los motivos que tienen su origen en los accidentes. Estos se presentan bajo un mismo denominador: el factor sorpresa. Si no se hace el esfuerzo de estudiar y preparar, de forma preventiva, las oportunas medidas correctoras o paliativas ante estos fenómenos imprevistos, las posibilidades de daños ulteriores a los documentos gráficos aumentan exponencialmente. Dentro de los accidentes, los fenómenos o causas más destacadas son las inundaciones, los incendios, el vandalismo, el robo o hasta el derrumbe parcial o total del edificio (como podría ser debido a un terremoto o fallo en la estructura).

Fonte: Blog.Bne

Factores que afectan la preservación de los materiales tradicionales de bibliotecas y archivos (segunda parte)

Texto por Luis Crespo Arcá

EFECTOS DE LOS PRINCIPALES FACTORES DE DEGRADACIÓN

Los productos derivados de la contaminación industrial

El vapor de agua es un constituyente muy importante de la atmósfera y, en la conservación de documentos, es vital su influencia sobre las propiedades de los diversos materiales que los conforman. Junto con el vapor de agua, especialmente en las zonas industrializadas, el aire contiene unas sustancias que denominamos contaminantes. Suelen aparecer en concentraciones bajas en comparación con los elementos “normales” de la atmósfera; aún así, algunos de estos componentes extraños se presentan en concentraciones lo suficientemente grandes como para provocar serios problemas en los documentos. Las sustancias químicas que se consideran contaminantes y peligrosas para los documentos se dividen en partículas sólidas y gases. De entre ellos destacan, como más dañinos para las colecciones de museos, bibliotecas y archivos, el dióxido de azufre, los óxidos del nitrógeno y el ozono. Todas estas sustancias juegan un papel en el sistema, bastante complejo, de los agentes contaminantes atmosféricos que están dañando seriamente a los seres humanos, los animales, la vegetación y los objetos materiales.

Este fenómeno empezó a estudiarse e identificarse hace más de 200 años, cuando se identificaron los sulfuros de azufre, o aquellos agentes contaminantes derivados de la combustión del carbón que lo contienen, como un producto de la contaminación que degrada la atmósfera. Un aspecto importante son los contaminantes atmosféricos que lo hacen vía reacciones fotoquímicas. Estos se identificaron en la primera mitad del s. XX por los efectos de craquelado y ruptura que ocasionaban en los productos realizados con gomas, así como en las especies vegetales. Uno de los síntomas de la contaminación fotoquímica es la presencia de altas concentraciones de sustancias oxidantes en el aire.

Los problemas derivados de los contaminantes atmosféricos son importantes en los archivos y bibliotecas no tan sólo por los efectos fisiológicos que originan en los seres humanos que en ellos trabajan o que los visitan, sino por sus efectos de deterioro sobre los fondos y los grandes problemas y costes económicos que requiere la protección frente a los mismos. Incluso aunque algunos programas de prevención han reducido o eliminado satisfactoriamente la emisión de ciertos productos emitidos por chimeneas industriales y otras fuentes, la presencia en la atmósfera de partículas sólidas de hollín, carbonilla, etc., se encuentran en todo tipo de aires, removidos y transportados por el viento. Así, los bibliotecarios y archiveros deben estar siempre atentos a limpiar los fondos que cuidan empleando, por ejemplo, filtros para los sistemas de aire acondicionado o aspiradoras.

La mayoría de las partículas están bastante secas, lo cual explica por qué el viento las transporta tan fácilmente, pudiendo favorecer la abrasión de los documentos sobre los que se depositan. Estas partículas sólidas, si el ambiente al que llegan tiene un exceso de humedad, pueden manchar los materiales y hacer muy difícil su remoción de la superficie de los objetos. Si, además, son fuente de nutrientes para los hongos y las condiciones ambientales son húmedas, tal suciedad puede ser origen de crecimiento de colonias fúngicas o bacterias con sus consecuencias colaterales de manchas, decoloración y contaminación del papel y otros materiales.

La acción abrasiva del polvo y la suciedad sobre el papel y otros materiales de bibliotecas y archivos como las encuadernaciones también es un serio problema de deterioro. Si el polvo o la suciedad portan sustancias alcalinas o ácidas y las condiciones ambientales son de cierta humedad, también pueden alterar el pH del papel y de otros materiales provocando su deterioro. Parte del principal problema de deterioro de los fondos de los archivos y bibliotecas en la actualidad, y desde hace algunos cientos de años, tiene su origen en la presencia de compuestos ácidos en la atmósfera, especialmente del dióxido de azufre (calefacciones, emisiones de los automóviles, etc.) Un problema contemporáneo es la presencia de óxido de nitrógeno que en los aires contaminados de nuestras ciudades da lugar al ácido nítrico. Todo esto se añade a la acción de degradación del papel por reacciones de hidrólisis.

Hay estudios que demuestran que las atmósferas que contienen los niveles del dióxido de azufre habitualmente cotidianos en cualquiera de nuestras ciudades, pueden ocasionar que la resistencia al plegado del papel decrezca hasta un 15% en tan sólo diez días. Este compuesto, el dióxido de azufre, tras pasar por varios procesos en la atmósfera, se convierte en ácido sulfúrico, un ácido muy fuerte que “roba” agua al papel y el resto de materiales, debilitándolos tanto que los soportes se pueden llegar a deshacer completamente sin siquiera tocarlos. Se sabe que este problema es especialmente agudo en ciertos papeles modernos (sobre todo los elaborados desde la mitad del siglo XIX en adelante) pero también se han hecho estudios con papeles antiguos de excelente calidad que tampoco resisten la acción del dióxido de azufre y su acidez inducida.

Los estudios también indican que los papeles de los libros, por estar cerrados y tener su “propia” atmósfera, están mejor protegidos de una acción tan directa que aquellos documentos que se presentan sueltos (mapas, grabados, cartas, etc.) Sin embargo, es habitual encontrar libros que, al abrirlos, presentan en los márgenes adyacentes a los cortes (típicamente la parte superior) un tono mucho más oscuro del que tienen en el centro de las hojas: es el resultado de la acción de estos productos contaminantes que empiezan a actuar y degradar el papel. También se sabe que estos productos ácidos son capaces de ir migrando de una hoja a otra contaminando el conjunto.

Los amantes de las encuadernaciones habrán podido observar que algunas de las pieles de sus libros parecen deshacerse entre sus manos al roce. Este fenómeno viene también en gran medida de la mano de la acumulación de esos contaminantes ambientales a través del polvo en sus superficies, favoreciendo las reacciones químicas de degradación que los ácidos de azufre ejercen sobre la piel de las encuadernaciones. Muchas pieles antiguas son ácidas, ya sea por su manufactura, ya sea por la acción de los agentes contaminantes en el transcurrir de su tiempo vital. Es un fenómeno menos común en las pieles más modernas pues se hacen con otra curtición. Entre los profesionales de la conservación de libros se ha acuñado un término para definir este fenómeno degradante: la denominan “pudrición roja”. Esta descomposición es en un deterioro ácido debido probablemente a la acción del dióxido de azufre de la atmósfera, que cataliza sobre la superficie de la piel formando trióxido de azufre, el cual posteriormente se convierte en ácido sulfúrico. Esta forma de deterioro es muy dañina para la piel llegando a provocar su total destrucción. La piel se vuelve seca y porosa, cogiendo un color rojizo marrón, tendiendo a escamarse o convertirse en polvo. La piel, entonces, es muy fácil que se arañe, que las esquinas del libro se abran y rasguen fácilmente y aparezcan craquelados en las cubiertas y el lomo.

La energía radiante: La Luz

De todos los agentes físicos y químicos de deterioro, la luz solar – o aquellas fuentes lumínicas con alto contenido en radiación UV – es, probablemente, la que provoca los mayores estragos en el patrimonio cultural, especialmente de aquellos objetos que se encuentran expuestos de forma permanente a su acción sin el control adecuado: pensemos en el descoloramiento de tapices, pinturas, papeles pintados, etc.

Los materiales que se usan y custodian en interiores generalmente están protegidos de la nefasta acción de las radiaciones solares. No obstante, están sujetos a los daños que surgen de las emisiones de radiaciones que entran por las ventanas, claraboyas y puertas, también por las fuentes de iluminación artificial de las salas de investigación o de las de exposiciones. La explicación a la fuerza de destrucción de estas energías hay que buscarla en el hecho de que algunos elementos del espectro de la radiación electromagnética son capaces de provocar reacciones fotoquímicas en los materiales irradiados, ya sean por sí solas o en presencia de otros agentes tales como la humedad o el oxígeno.

En las reacciones fotoquímicas se ven implicadas dos leyes fundamentales. La primera establece que la luz debe ser absorbida por los átomos o moléculas que van a reaccionar; la segunda establece que una molécula de una sustancia reactiva puede ser activada por la absorción de energía. Los procesos de activación y reacción – y su manifestación como degradación – dependen no tanto de la cantidad total de energía en un haz de radiación sino de la intensidad de la radiación. Es importante significar que sus efectos son acumulativos, es decir, se siguen incrementando exponencialmente con cada exposición a una fuente de luz inadecuada.

Un experto, Nathan Stolow (“The Action of Environment on Museum Objects. Pt. II. Light.” Curator 9, December 1966. pp 298-306) ya resumió de forma clara y concisa los peligros de la luz para la integridad de los materiales documentales:

Los efectos degenerativos de la luz sobre los objetos de las colecciones de los museos dependen de la intensidad de la radiación; del tiempo de exposición; de las características del espectro de la radiación y de la capacidad intrínseca de los objetos para absorber y ser afectados por la energía radiante. Los factores externos también influencian el grado de deterioro – humedad, temperatura y gases activos de la atmósfera. Sabemos que no podemos considerar la luz como un daño particular; la temperatura y humedad altas y la presencia de oxígeno suele acelerar el proceso de deterioro. Esencialmente, debemos tener en cuenta: las características de la radiación, los materiales que se exponen y las condiciones de esa exposición.

Hasta que los laboratorios de investigación demuestren lo contrario, cualquier conservador de museos debe asumir que el nivel de daño fotoquímico se reducirá en proporción directa a la intensidad de la iluminación o del tiempo de exposición – no importa cuál sea la fuente de luz. También debe recordar la importancia del factor temperatura: un aumento de diez grados en la temperatura incrementa al doble la velocidad de las reacciones químicas. Si se priva de oxígeno a un objeto, también se ayuda a minimizar los cambios fotoquímicos en los que el oxígeno es necesario en la creación de los pasos intermedios que necesitan las reacciones fotoquímicas.

La luz es una forma de energía poderosísima que suele generar daños en la estructura física y química de los materiales. la intensidad y los largos tiempos de exposición pueden provocar decoloración, debilitamiento, blanqueamiento y coloración amarillenta del papel y otros materiales orgánicos.

El calor

Los conceptos de calor y temperatura se suelen confundir. La temperatura, o grado de calor que posee un cuerpo, está en función de la velocidad de movimiento de las moléculas de un cuerpo. El calor depende tanto de esa velocidad como del número de moléculas.

El calor es un factor medioambiental. Es difícil hallar en la naturaleza cualquier fenómeno del mundo material en el que no se vean implicados, de un modo u otro, el calor o el frío, pues la ausencia completa de calor implicaría la inexistencia de movimiento molecular. Un cuerpo posee calor porque sus moléculas están en movimiento. Para nuestro propósito de conservación, debemos pensar en términos de cuánto calor posee un objeto, en vez de si lo tiene o no. El calor y su correlativo, el frío, o la ausencia de calor, actúan como poderosos agentes de deterioro físico y químico por dos razones fundamentales. Primero, las propiedades físicas de casi todos los materiales se ven fuertemente influenciadas por los cambios en la temperatura y, segundo, las velocidades de reacción de casi todas las reacciones químicas se ven altamente influidas por la temperatura de los reactivos.

El calor se puede transmitir de tres formas: por convección, conducción y por radiación. Los tres afectan en la conservación de los materiales de archivos y bibliotecas. La convección se da por mover una sustancia caliente de un sitio a otro como pasa, por ejemplo, cuando se calienta un edificio con los sistemas de calefacción por aire cuando el aire caliente que emiten desplaza el aire frío La conducción es el proceso de transferir calor de una molécula a otra. Un fenómeno así se da cuando ponemos un libro sobre un radiador caliente. La energía radiante es el fenómeno de transmitir calor mediante una radiación a través del espacio por ondas. Cuando incide sobre un objeto provoca el movimiento de sus moléculas resultando en el calentamiento del objeto. Este fenómeno se da, por ejemplo, cuando se deja un libro expuesto al sol.

La Humedad y la Temperatura

El agua se da en todos los estados de la materia – sólida, líquida y gaseosa. También se presenta en muchas formas, ya sea, por ejemplo, como hielo, nieve, neblina, agua líquida, lluvia, o vapor de agua. En esta última fase está en estado gaseoso y se suele hablar de ella en términos de humedad. Para los archiveros y bibliotecarios esta es la forma más importante de las que se presenta el agua puesto que los documentos que custodian no se pueden proteger totalmente del vapor de agua a diferencia del resto de sus estados físicos. Las mediciones de la humedad incluyen la humedad absoluta y la relativa. La humedad absoluta es la masa de vapor de agua por unidad de volumen de aire natural. La humedad relativa expresa la razón entre el vapor de agua real que contiene un volumen de aire y el total que podría contener. Cuanto más caliente está el aire, más vapor de agua es capaz de contener. Cuando contiene tanto vapor de agua como es capaz a una temperatura dada, se dice que está saturado y ese es su punto de rocío.

El efecto de la humedad en los materiales de los fondos y colecciones de los archivos y bibliotecas es mucho más importante que su efecto sobre los trabajadores de dichos centros. No obstante, debido a que los niveles de temperatura y humedad se suelen establecer teniendo en mente tanto los materiales de los fondos como a las personas que allí estarán trabajando, conviene apuntar algo sobre el concepto del confort. El aire frío, con una humedad alta, provoca una sensación de frío mayor que el aire caliente y seco con la misma temperatura. Por otra parte, el aire caliente con una humedad relativa alta, hace tener una sensación de más calidez que la que realmente hay. Estos efectos se deben a la interacción entre las condiciones ambientales y la capacidad del cuerpo del ser humano para regular su temperatura interna por fenómenos de conducción. Por ello la sensación de comodidad o incomodidad dependen tanto de la temperatura como de la humedad.

Los materiales de los fondos deben permanecer en un equilibrio diario estable con la humedad adecuada a fin de conservar sus propiedades más deseables y asegurar su permanencia durante un largo lapso de tiempo. Estas condiciones no tienen que ser necesariamente iguales para todos los tipos de materiales que componen los fondos de los archivos y bibliotecas. Por este motivo se deben elegir las condiciones que incluyan a la mayoría de aquellos materiales necesitados de un rango similar de humedad.

Cuando se considera el tema de la humedad y la temperatura, en referencia a los posibles efectos dañinos del calor y el agua sobre los objetos (libros, manuscritos, etc.), es muy importante recordar que las condiciones de temperatura y humedad son las que determinan sus reacciones de deterioro. Los valores de temperatura y humedad de un objeto no siempre coinciden con las que se recogen haciendo mediciones del ambiente o de la atmósfera, excepto cuando estas mediciones se hacen de forma controlada y continua. Por ejemplo, si la temperatura de un libro es superior o inferior a la de la sala donde se vaya a consultar, la humedad relativa del aire que “envuelve” el libro diferirá de la humedad relativa de la propia sala. Es este un hecho trascendente para la seguridad de los materiales pues esas diferencias inapreciables son las que pueden ocasionar la aparición de, por ejemplo, hongos en las encuadernaciones.

Agentes biológicos

Los efectos biológicos no son una causa principal de deterioro de los materiales de archivos y bibliotecas en zonas urbanas en España salvo el caso de las zonas de clima subtropical, caso de las Islas Canarias. Sin embargo, no deben descuidarse los cuidados necesarios que eviten su posible aparición; por ello es imprescindible comprobar que, cuando entran documentos nuevos que añadir a los fondos ya existentes en un centro, no contengan infestaciones de ningún tipo de agentes microbiológicos (hongos, por ejemplo) o biológicos (termitas, por ejemplo). Todos los materiales deben ser tratados con alguno de los diversos medios existentes para destruir esos organismos antes de admitir los nuevos fondos en los edificios.

Los Hongos

Los hongos son los principales agentes microbiológicos de deterioro porque, a diferencia de las bacterias, son capaces de desarrollarse y sobrevivir en las más diversas condiciones ambientales, con ciertas dificultades de desarrollo en presencia de agua líquida, la cual sí favorece la presencia de bacterias. Los hongos son extraordinariamente numerosos y ubicuos en géneros y especies. Se pueden encontrar esporas de hongos casi en cualquier sitio, esperando tan sólo las condiciones idóneas de humedad, temperatura y, en ocasiones de luz, para vegetar, crecer y reproducirse. Se puede afirmar con rotundidad que cualquier archivo o biblioteca del mundo está repleta de, quizá, cientos de especies de hongos. Así, lo más importante para controlar su aparición estriba en mantener las condiciones de temperatura y humedad en niveles que no conduzcan a su desarrollo. Esto no significa que la limpieza sistemática para eliminar la suciedad y el polvo no ayuden a reducir el problema, pero sí que la limpieza es tan sólo una parte del problema.

El crecimiento de los hongos depende de una serie de factores ambientales como la temperatura, humedad relativa, presencia de luz, oxígeno y nutrientes. Ante la ausencia de ciertos valores de oxígeno contenido en el aire o ciertas temperaturas extremas pueden morir, no así las esporas que son muy resistentes. Sin embargo, estas pueden morir también si son sometidas a exposiciones continuadas entre temperaturas de congelación y temperatura ambiente. La actividad fúngica tiene asociados efectos físicos visibles como son el característico olor que encontramos, por ejemplo, en los sitios cerrados y húmedos, así como las manchas que dejan en los papeles, pieles y otros materiales como resultado de la acción de su metabolismo. Sin embargo, los daños invisibles son los más perjudiciales y tienen como resultado irreversible la ruptura de las cadenas poliméricas. Si se deja que estos microorganismos actúen descontroladamente debilitan en exceso los objetos, llegando incluso a su destrucción.

Para los custodios de libros es importante saber cuáles son los nutrientes de los hongos por varios motivos. Ciertos hongos consumirán celulosa y, por lo tanto, podrán hacer daños irreparables al papel. Otros hallan sus nutrientes en la piel, colas animales, almidones y otros adhesivos o incluso en los hilos de las encuadernaciones.

Los Insectos

Los insectos, con sus numerosos órdenes, familias, géneros y especies, también son otra fuente de peligro para los fondos documentales. Al igual que los microorganismos, no son un peligro principal para los fondos de los archivos y bibliotecas españolas que se hallan en centros urbanos. La limpieza, la observancia de presencia en cantidades anómalas y las inspecciones periódicas, son formas bastante fáciles de controlarlos y se pueden erradicar tanto con fumigaciones, aplicando insecticidas o, de forma más compleja, empleando campanas en las que se reduce el oxígeno del aire hasta unos valores que impiden su supervivencia en ninguna de sus fases vitales.

Sin embargo, no deben menospreciarse como peligro potencial pues aparecen con extrema facilidad si los hábitos de los trabajadores y/o investigadores no son los correctos. Dejar comida expuesta cerca de los documentos, tirar papeles de caramelos u otros dulces, etc., son focos de comida muy atractivos para los insectos que, una vez han aprovechado, sirven de conductores directos hacia la destrucción de los libros puesto que los insectos gustan de ciertos compuestos de pieles, almidones, papeles, etc.

Se pueden encontrar insectos que usan múltiples fuentes de nutrientes, y en las condiciones climáticas de lo más variadas, desde ambientes extremadamente secos a lo más calurosos y húmedos. Sin embargo, las temperaturas muy bajas suelen evitar su presencia.

Epílogo

La permanencia es el grado hasta el que el papel resiste las reacciones químicas que resultan de las impurezas que lleva en sí mismas por su manufactura o que provocan los agentes contaminantes del aire. La durabilidad es la capacidad de un papel de mantener sus propiedades físicas bajo un uso continuado. Cuando se quiere hacer un papel que va a recibir un fuerte uso y del que se espera que dure muy poco tiempo, este debe ser durable pero no necesariamente permanente. Los archiveros y bibliotecarios, como custodios y responsables de la transmisión para las generaciones venideras de los documentos, están naturalmente más interesados en la permanencia (expectativa de años de vida del objeto) del papel que en su durabilidad (cuántas veces se puede utilizar sin que se rompa).

Parece haber una clara relación entre el deterioro químico y físico que provocan en el papel la luz, el calor y la humedad. Estos tres factores se dan simultáneamente, en diferente medida, en todas las bibliotecas y archivos, ya sean las zonas de los depósitos o salas de lectura o investigación y se engloban bajo el término de “envejecimiento”. Los términos de estabilidad, permanencia y durabilidad del papel también están asociados a este concepto. Son muchas las propiedades del papel que se ven implicadas durante los procesos de envejecimiento. En cuanto a la permanencia, las principales mediciones hacen referencia al pH (acidez) y la capacidad de plegado (friabilidad), pero también se miden la reflectancia (color y brillo), resistencia al desgarro y estallido o a la tensión (fuerza). La exposición del papel a altas temperaturas, incluso durante breves períodos de tiempo, le provoca amarilleo y friabilidad (quebradizo). Si se expone a un calor moderado durante largos períodos parece ocasionarle un efecto lento de envejecimiento. Las bajas temperaturas se consideran propicias para preservar el papel.

Es bien cierto que estas generalidades son peligrosas puesto que las condiciones idóneas para un libro conservado entre los muros de la biblioteca de un monasterio en cualquier pueblo del norte de España durante siglos, a más que probable baja temperatura y alta humedad relativa constantes durante el año, no tienen nada que ver con las que necesita un libro conservado en cualquier archivo parroquial, por ejemplo, del interior del sur de España, con una temperatura media más alta y una humedad relativa más baja de lo recomendable. Está demostrado que el objetivo prioritario para conservar el patrimonio bibliográfico y documental es evitar las fluctuaciones rápidas de la temperatura y/o de la humedad relativa puesto que conllevan rápidas dilataciones y contracciones en los materiales (pieles, papeles, adhesivos, cartones, maderas, hilos, …) que afectan negativamente sus propiedades físicas. También es necesario ejercer tareas regulares de limpieza y limitar al máximo la exposición de los fondos/ colecciones a las fuentes de luz con emisiones UV a fin de ralentizar al máximo las velocidades de actuación de las reacciones químicas de los diferentes agentes ya comentados.

Fonte: Blog.Bne

Dia da Memória do Poder Judiciário estimula reflexão sobre democracia e cidadania

​​​Em abril, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou, em sessão plenária, a instituição do Dia da Memória do Poder Judiciário: 10 de maio passou a integrar o calendário da Justiça para celebrar um patrimônio cultural construído desde o Brasil Colônia e legado para as gerações presentes e futuras. O presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, foi o relator da proposta que deu origem à Resolução 316/2020. Segundo o ministro, “somos os guardiões de uma história que moldou e construiu nossas instituições judiciárias”.

A sugestão partiu do comitê do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário (Proname), que incentiva e apoia ações de preservação e divulgação da herança histórica da Justiça em todo o país. O objetivo é promover a conservação do acervo memorial dos tribunais, bem como homenagear as personalidades que marcaram a história da Justiça brasileira. Existem documentos, processos, objetos e imóveis, bibliotecas e museus que contam, por esse prisma, a história da sociedade e do Estado.

No Superior Tribunal de Justiça (STJ), uma unidade assume o papel de testemunhar a evolução histórico-jurídica do país. A Secretaria de Documentação (SED) faz jus à teoria clássica dos bens culturais, ao manter sob a sua responsabilidade a tríade museu, arquivo e biblioteca. Hoje, a SED é composta por três coordenadorias (Gestão Documental, Memória e Cultura, Biblioteca), voltadas especialmente para a proteção do patrimônio cultural da corte.

Por que 10 de maio?

A data faz referência ao alvará de 10 de maio de 1808, por meio do qual Dom João VI criou a Casa da Suplicação do Brasil. A iniciativa foi implementada dois meses após a família real se estabelecer no Rio de Janeiro, onde chegou em 7 de março daquele ano, após uma temporada em Salvador, fugindo da ameaça de invasão pelas tropas de Napoleão Bonaparte em Portugal.

A medida marca a independência da Justiça brasileira em relação à portuguesa. Com a criação da Casa da Suplicação do Brasil, os recursos de apelações e agravos passaram a ser julgados no Rio de Janeiro, e não mais em Lisboa. O alvará de D. João VI determinava que “a Relação desta cidade se denominará Casa da Suplicação do Brasil e será considerada como Superior Tribunal de Justiça para se findarem ali todos os pleitos em última instância”. Neste ano de 2020, nossa Justiça comemora 212 anos.

Pensando nisso, o CNJ preparou duas sessões especiais – a primeira foi conduzida na última quinta-feira (7), na sede do STF, e a outra será realizada na terça (12), no próprio conselho. Além disso, o CNJ criou um selo comemorativo e disponibilizou em seu site informações sobre a data, inclusive com matérias produzidas por outros órgãos da Justiça, que poderão participar pelo Portal de Comunicação Integrada do Poder Judiciário.

Gestão documental

O coordenador de Gestão Documental do STJ, Julio Cesar Souza, afirma que parte da memória institucional se encontra registrada em documentos de arquivo, pela capacidade que eles possuem de registrar os fatos, preservar e estender no tempo suas evidências. “São testemunhos importantes da evolução da instituição e de suas relações com a sociedade, e constituem importante fonte de pesquisa.”

Para atender ao pesquisador, não basta à instituição guardar documentos. Segundo o coordenador, eles precisam ser tratados, organizados e estar disponíveis. Nesse aspecto, a gestão documental é fundamental. Só ela, com a aplicação de técnicas e instrumentos específicos, pode garantir que documentos de valor histórico sejam separados daqueles sujeitos à eliminação.

Arquivo virtual

Um exemplo da importância desse tratamento ar​quivístico para a preservação da memória institucional é o Arquivo.Cidadão. Nesse ambiente virtual, estão disponíveis para consulta vários conjuntos documentais acumulados pelo STJ. São documentos recolhidos para a posteridade em razão do valor que possuem como prova ou fonte de informação para o tribunal e a sociedade.

Imagem aérea das obras da sede do STJ, projetada por Oscar Niemeyer e inaugurada em 22 de junho de 1995. O complexo de 140 mil metros quadrados comporta a circulação de 6 mil pessoas por dia.

​​Em 2019, mais de 49 mil pessoas visitaram o acervo virtual e puderam ter acesso a documentos como as fotos da construção da sede do tribunal ou processos que definiram entendimentos jurídicos sobre temas relevantes. São registros da evolução da corte e da sociedade, preservados a serviço da memória do país.
Na página do Arquivo.Cidadão, o usuário tem acesso ao boletim MomentoArquivo, que a cada mês relata um caso de repercussão julgado ao longo dos 30 anos de história do tribunal.

O portal do STJ também traz informações sobre o processo de sua criação na Constituinte de 1988, os antecedentes históricos e as transformações posteriores, até a era do processo eletrônico.

Museu

A memória do STJ tem um lugar cativo na sede do tribunal. Logo na entrada do Museu, o visitante se depara com vestes talares e um habeas corpus escrito em papel higiênico – lembrando que a Justiça é para todos.

Há um vídeo explicativo sobre o tribunal, móveis históricos e a galeria com a primeira composição da corte, proveniente do Tribunal Federal de Recursos (TFR) – cujos magistrados, servidores e recursos materiais foram incorporados ao STJ na instalação do novo tribunal, em 1989.

O Museu tem uma sala onde a história do extinto TFR se confunde com os primeiros passos do STJ. Os 42 anos da instituição que deu origem ao STJ são contados nessa exposição permanente do acervo do extinto tribunal.

Criado pela Constituição de 1946 e instalado em 1947 como segunda instância da Justiça Federal, o TFR é relembrado nessa mostra, que tem a finalidade de aproximar o Judiciário do cidadão, revelando a formação da cultura jurídica do país, com suas ideias e seus personagens.

A exposição permite uma viagem aos tempos em que a Justiça funcionava com procedimentos artesanais. Um exemplo dessa realidade tão distante do processo eletrônico é a mesa de madeira com estrutura em ferro na qual os volumes dos processos em papel eram remontados. Utilizada até 1992, a mobília traz as marcas das perfurações deixadas pela furadeira que abria caminho para os barbantes na costura feita com a ajuda de uma sovela – um tipo de agulha grossa.

O Museu do STJ, que também resgata a memória do extinto TFR, reúne móveis históricos, instrumentos de trabalho, processos, documentos diversos, vestimentas, fotos, condecorações e outras peças.

​Também compõe a mostra a mesa da sala de julgamentos da primeira sede do TFR. A exposição reúne, ainda, processos, documentos, vestimentas e fotografias que retratam como era a atividade judiciária do tribunal ancestral do STJ.
Patrimônio de todos

Para o chefe da Seção de Memória e Difusão Cultural do STJ, Evanildo Carvalho, “a memória é o principal ingrediente das construções identitárias, pois cria e fortalece nos indivíduos as ideias de pertencimento e, a partir disso, fundamenta os laços de reconhecimento e solidariedade no interior de uma comunidade, o que resulta na coesão social”. Segundo ele, reconhecer e trabalhar a memória como um valor “é o que alicerça e assegura a identidade da organização, sua conformação no espaço social”.

O espaço destinado à memória da instituição oferece ao público uma galeria de arte contemporânea, cujas exposições temporárias integram um calendário anual.

O tribunal mantém diversos programas educativos que promovem visitas de estudantes de todos os níveis e grupos de idosos ao museu e outras dependências.

O Museu do STJ fica disponível para visitação de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h. No momento, porém, em virtude da pandemia da Covid-19, a sede do STJ está fechada para o público.

O acervo do Museu do STJ pode ser conhecido também pela internet.

STJ 30 anos

Entre dezembro de 2018 e abril de 2019, o site do STJ publicou a série de reportagens 30 anos, 30 histórias​, em comemoração aos 30 anos de instalação do tribunal. Criada com a promulgação da Constituição, em 5 de outubro de 1988, a nova corte foi oficialmente instalada em 7 de abril de 1989.

A iniciativa da Secretaria de Comunicação Social teve o objetivo de resgatar a memória de três décadas de prestação jurisdicional por meio de 30 personagens que, de alguma forma, tiveram suas vidas afetadas pelos julgamentos ou contribuíram, muitas vezes de forma anônima, para a construção dessa história.

A série de reportagens deu origem a uma exposição multimídia, aberta em 2 de outubro de 2019 na sede do tribunal, e também a uma edição especial da revista digital Panorama STJ.

Biblioteca digital

Com quase 130 mil documentos, a Biblioteca Digital Jurídica (BDJur) é um dos maiores acervos digitais jurídicos da América Latina. Atualmente, usuários do Brasil e do exterior acessam a plataforma para visualizar – e baixar – itens como livros, artigos jurídicos, palestras, bibliografias, conteúdos doutrinários, obras de arte, textos da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam) e do extinto Tribunal Federal de Recursos (TFR), além de documentos produzidos pelo próprio STJ.

Criada em 2005, a BDJur foi a primeira biblioteca digital do Poder Judiciário inscrita sobre uma plataforma livre, permitindo acesso direto ao seu conteúdo por meio de ferramentas de busca. O repositório de material jurídico e administrativo é mantido pelo STJ. Além disso, estão disponíveis obras raras, artigos e palestras em vídeo de juristas renomados, trabalhos acadêmicos (de autoria dos ministros e servidores) e mais de 130 títulos de revistas jurídicas das principais editoras do país.

Fonte: STJ

TJAM divulga material histórico para celebrar o Dia da Memória do Poder Judiciário

O dia 10 de maio foi instituído pelo CNJ para homenagear e preservar a história do acervo documental dos tribunais brasileiros

Manaus – O Acervo Central do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) acaba de disponibilizar na internet um conjunto de documentos históricos reunidos sob o título ‘Africanos Livres no Judiciário Amazonense’ que, recentemente, ganhou o selo ‘Memórias do Mundo’ e passou a integrar o Registro Nacional do Programa Memória do Mundo (MoW), da Organização das Nações Unidades para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Para acessar os documentos ‘Africanos Livres no Judiciário Amazonense’ basta acessar www2.tjam.jus.br/arquivo.

O conjunto de documentos históricos que o TJAM acaba de disponibilizar ao público chama-se ‘Africanos Livres no Judiciário Amazonense’ (Foto: Divulgação)

A divulgação dos documentos é uma forma de celebrar o dia 10 de maio, instituído pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) como o Dia da Memória do Poder Judiciário. A data surgiu a partir de propostas durante reunião no Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), com a presença de profissionais de áreas, como arquivologia; biblioteconomia; museologia; história; além de juízes; desembargadores e ministros que integraram um movimento voltado para a memória do judiciário chamado Memojus.

“Os documentos estão totalmente restaurados e digitalizados e agora estão acessíveis para o público em geral na página do Tribunal de Justiça do Amazonas na internet. São documentos ricos que mostram um pouco da realidade vivida no início do processo de abolição da escravatura brasileira, por meio de processos que tramitaram no Tribunal do Júri nos anos de 1859, 1863, 1865 e 1866”, destacou o gerente do Arquivo Central, Pedro Neto.

O acervo tem valor tão representativo para a história brasileira que foi escolhido pelo Comitê Nacional do MoW (Memory of the World, na sigla em Inglês), sendo a primeira vez que uma instituição amazonense passou a figurar no registro nacional do MoW, criado em 2007 sob a chancela do Ministério da Cultura, como parte do projeto mundial lançado pela Unesco.

A iniciativa do Arquivo Central do TJAM foi uma das formas encontradas para celebrar a nova data. O 10 de maio foi escolhido pelo Conselho Nacional de Justiça, no último dia 14 de abril, para homenagear e preservar a história do acervo documental dos tribunais brasileiros. A nova data do calendário da Justiça celebra o patrimônio cultural construído desde o Brasil Colônia para as gerações presentes e futuras. O dia escolhido é o mesmo da criação, em 1808, da ‘Casa da Suplicação do Brasil’, primeira instituição superior criada no Judiciário brasileiro. Neste ano de 2020, portanto, completam-se 212 anos da Justiça do Brasil.

Os documentos estão totalmente restaurados e digitalizados (Foto: Divulgação)

A história brasileira registra que, com a chegada da Família Real Portuguesa ao Brasil, após a invasão do Reino pelas tropas de Napoleão, se tornou impossível enviar os agravos ordinários e as apelações para a ‘Casa da Suplicação de Lisboa’. O príncipe regente, D. João, decidiu, então, por alvará de 10 de maio de 1808, converter a ‘Relação do Rio de Janeiro’ em ‘Tribunal Superior de Última Instância’, para ‘Casa da Suplicação do Brasil”.

“Outro momento histórico que é importante lembrar é o dia 13 de maio. Nessa data, em 1888, a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea, um dispositivo legal que acabou com a escravidão no Brasil. Completaremos 128 anos dessa lei e já que temos limitações impostas pelo coronavírus, na atualidade, acreditamos que a divulgação desses documentos, por meio digital, é importante para não deixar a data passar em branco,” concluiu Pedro Neto.

Fonte: D24am

Fotografía de prensa: directrices para un tratamiento archivístico normalizado de los distintos niveles de organización de los fondos

Texto: Elena Alfaya

Introducción

Es mi objetivo proporcionar directrices técnicas para llevar a cabo un tratamiento archivístico normalizado de las unidades y agrupaciones documentales fotográficas de prensa que forman parte de sus centros de documentación y/o archivo fotográfico. Proporcionar un tratamiento archivístico normalizado a las fotografías favorecería la visibilidad, accesibilidad a los investigadores a los grandes fondos e inclusión en bases de datos y fototecas digitales y virtuales. Hoy en día contamos con sistemas de bases de datos que ayudan en este propósito pero si queremos dar visibilidad a las fotografías deben estar descritas siguiendo modelos internacionales para poder ser recuperadas fácilmente y desde cualquier lugar. Es así como conseguimos resultados óptimos.

Las fotografías deben tratarse siguiendo los principios generales y fundamentales de la Archivística pero esto no siempre es así. Muchas fotografías son tratadas siguiendo sistemas propios del archivo al que pertenecen o del banco de imágenes en el que se encuentran.

Hacemos una propuesta de tratamiento archivístico normalizado de las fotografías de prensa debido a que no encontramos criterios comunes ni unificados sino una variedad descriptiva muy heterogénea, poca información sobre fondos fotográficos que sea accesible a todos los investigadores, pocas colecciones fotográficas en línea, dificultad para la recuperación de fondos fotográficos, dispersión de los mismos y falta de enlaces entre fondos fotográficos dispersos. Esta falta de acceso a los fondos fotográficos está condicionada por la Ley de Propiedad intelectual relativa a autores fotográficos que extiende el plazo de protección a 70 años postmortem del fotógrafo. “Los derechos de explotación de la obra duran toda la vida del autor y setenta años después de su muerte o declaración de fallecimiento.” (BOE 14.04.2018. Artículo 26, Capítulo 1, Título III, p.15) Y sin embargo, los archivos deben proporcionar “acceso y difusión de la información y el conocimiento necesarios para fines educativos, científicos y de desarrollo” (IFLA, 2012)”. Las fotografías de prensa son documentos de archivo y forman parte de nuestro patrimonio cultural. Su organización y difusión garantiza la reconstrucción de nuestra historia.

Son los documentalistas gráficos quienes gestionan los archivos fotográficos y recuperan información de fondos propios y de bancos de imágenes comercializadas así como de fondos fotográficos de otros medios, archivos y colecciones. El proceso al que se someten a las fotografías de archivo es intelectual y ha de ser hecho por profesionales especializados que sepan cómo interrogar los documentos sea y qué tipos de usuarios pueden necesitar acceder y recuperar la información.

“A cidadania, em nosso entendimento, inclui o direito à memória”: Entrevista com Aldair Rodrigues, Diretor Adjunto do Arquivo Edgard Leuenroth

Texto: Edgard LeuenrothEntrevista com o Professor Dr. Aldair Rodrigues, Diretor Adjunto do Arquivo Edgard Leuenroth (AEL) da Universidade Estadual de Campinas/SP (UNICAMP), sobre o apoio do IBERARQUIVOS (Programa de Apoio ao Desenvolvimento dos Arquivos Ibero-Americanos) para realização do Projeto: “Existimos! Contra o silêncio e o esquecimento – pela preservação e difusão dos conjuntos documentais do AEL”.

(ARCHIVOZ): Prezado Professor Aldair, é um prazer entrevistá-lo. Antes de falarmos sobre o Projeto Existimos, gostaríamos que nos apresentasse o AEL, suas características e principais objetivos.

(Aldair Rodrigues): Fundado em 1974, a partir da aquisição do conjunto documental reunido por Edgard Leuenroth (1881-1968) – pensador anarquista, militante das causas operárias, linotipista, arquivista e jornalista por ofício e paixão – hoje o AEL constitui um dos maiores acervos sobre movimentos sociais do Brasil. São 120 conjuntos documentais organizados em 2.900 metros lineares. Desse universo, 60 mil itens são fotografias. A partir de 2013, o arquivo passou por um intenso processo de digitalização, com a criação do AEL Digit@l[i], o que lhe rendeu aproximadamente 60 TB (sessenta terabytes) em arquivos de imagens.

O acervo físico é constituído por 13 mil títulos de periódicos; 25 mil livros; 12 mil rolos de microfilmes; 60 mil fotografias; 7.000 folhetos; 2.200 cartazes; 1.086 discos; 1.140 postais; 1.442 fitas de áudio em cassete; 322 fitas de áudio em rolo, 873 fitas de vídeo; 624 partituras; 312 películas cinematográficas; 284 mapas; 39 plantas. Esse material permite uma ampla compreensão da formação do movimento operário e sindical no país. Aborda a repressão e resistência à ditadura militar, o processo de reabertura política, os movimentos artísticos diversos, como o Teatro Oficina, os movimentos sociais em geral e ainda os movimentos sociais recentes, a partir da década de 1980, com os fundos LGBT+[ii].

Fonte: Acesse a entrevista completa no site da Archivoz

INCONFIDÊNCIA MINEIRA: DIÁRIO E DOCUMENTOS DE TIRADENTES ONLINE

Feriado. O feriado nacional de 21 de abril é uma homenagem a Tiradentes e, para os mineiros, a data tem um significado ainda mais emblemático. Os ideais que iniciaram a busca por liberdade e autonomia frente à Coroa Portuguesa, resultando na execução de Tiradentes em 21 de abril de 1972, nasceram em Minas Gerais. E, para além de uma revolução social, a Inconfidência Mineira inspirou – e continua a inspirar – uma vasta produção artística.

A Inconfidência Mineira também é destaque em dois equipamentos culturais no Circuito Liberdade, o Arquivo Público Mineiro (APM) e a Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais. No primeiro espaço, que guarda registros antigos sobre a formação do Estado, o visitante – ou pesquisador – tem acesso a milhares de documentos do Poder Executivo Estadual e aos documentos privados de interesse público.

Nesse acervo arquivístico existe uma coleção dedicada à Inconfidência Mineira, com registros datados de 1742 a 1967.  No Sistema Integrado de Acesso (SIAAPM), estão disponíveis, on-line, documentos originais referentes à administração da Capitania, com registros dos inconfidentes antes mesmo de serem reconhecidos dessa forma. Um deles é o diário de despesas de Tiradentes, que pode ser acessado aqui, e descreve, entre outros itens, a quantia de 72 mil réis,valor que o alferes recebeu entre 1781 e 1872 do império português.

Ainda disponíveis para consulta estão os documentos a respeito dos desdobramentos das investigações dos inconfidentes, conhecidos como os Autos de Devassa da Inconfidência Mineira. Em um dos processos, há um auto derivado de uma queixa feita à administração da Capitania, pedindo a devolução de uma escrava que havia sido confiscada junto com os bens de Tiradentes, disponível aqui. A versão integral do processo foi publicada pela Imprensa Oficial durante as décadas de 1970 e 1980 e também está disponível para consulta neste link.

Já na Biblioteca Estadual, a conspiração ganha contornos poéticos. A obra “Poesia dos inconfidentes: poesia completa de Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga, e Alvarenga Peixoto” (Ed. Nova Aguilar, 1996) é um compilado sobre a produção literária de alguns inconfidentes, desde a criação do primeiro casal mítico da literatura, em Marília de Dirceu, ao tom satírico das Cartas Chilenas.

Em produções mais contemporâneas, destaque para “Romanceiro da Inconfidência” (Ed. Livros d Portugal, 1953), de Cecília Meireles, inspirado em uma visita que a autora fez a Ouro Preto. Há, ainda, opção para as crianças, com o livro “Joaquim José: a História de Tiradentes para Crianças” (Ed. Nova Fronteira, 1985), de Hélio Faria, que narra uma aventura lúdica sobre o período.

Devido às medidas de isolamento impostas para diminuir os impactos do Coronavírus, os equipamentos culturais da Secult estão fechados para visitação.

Fonte: Jornal da Cidade de BH

Arquivo Público lança conteúdo infantil para download durante isolamento em Alagoas

Arquivo Público lança conteúdo infantil para download durante isoamento em Alagoas — Foto: Divulgação
Arquivo Público lança conteúdo infantil para download durante isoamento em Alagoas — Foto: Divulgação

Para entreter e educar as crianças durante o período de isolamento social, o Arquivo Público de Alagoas (APA), está disponibilizando um material didático e atrativo para download de forma gratuita. A Iniciativa faz parte das atividades que compõe o “Suquinho de Memória”, parceria com o Programa Criança Alagoana (Cria), que desperta no público infantil o interesse pela cultura alagoana.

Clique aqui e acesse o conteúdo do Arquivo Público

Os conteúdos que estão disponíveis são: o Calendário Cultural 2020, desenhos para colorir e joguinhos temáticos da Iara e a Turma do Guerreirinho, que podem ser encontrados nas páginas oficiais e redes sociais do Arquivo Público de Alagoas, do Gabinete Civil e do Relu/Ufal.

A outra novidade que o APA traz, é o lançamento do mascote Moacirzinho, em homenagem ao historiador Moacir Medeiros de Sant’ana. O mascote está presente no Calendário Cultural 2020, com personagens mirins do folclore regional, que foram criados pelo grupo de estudos Representações do Lugar (Relu), da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), e com o apoio da Imprensa Oficial Graciliano Ramos.

Segundo a superintendente do Arquivo Público, Wilma Nóbrega, a criação desse material didático aproxima o público infanto-juvenil da educação patrimonial e do contexto histórico e cultural do estado.

O Moacirzinho é uma homenagem que o Gabinete Civil faz, por meio do APA, ao professor Moacir Sant’ana, o primeiro diretor do Arquivo Público de Alagoas, que é pesquisador, escritor, nomeado historiador por notório saber na área, e que deixou seu legado na preservação da história de Alagoas”, disse Wilma.

De acordo com professora de arquitetura, Adriana Capretz, que coordenou a publicação, os outros personagens que estão no calendário representam os folguedos e figuras importantes de Alagoas.

As escolhas dos nomes Branquinha e Theo para os mascotes coincidem com a escolha dos nomes dos meus filhos, Branca, que é um nome muito presente nos lugares de Alagoas, e Theo – em homenagem a Theo Brandão”, informou a professora.

Arquivo Pública disponibiliza conteúdo infantil durante isolamento social — Foto: Divulgação
Arquivo Público disponibiliza conteúdo infantil durante isolamento social — Foto: Divulgação

Conheça os outros personagens que representam um folguedo

  • Guerreirinho – Guerreiro

  • Branquinha – Branca que é um nome muito presente nos lugares de Alagoas (roupa de festa junina)

  • Theo – homenagem a Theo Brandão (veste roupa de festa junina)

  • Iara – rainha das águas doces e salgadas (veste roupa do Coco de Roda)

  • Raimundo – personagem do livro Terra dos Meninos Pelados, de Graciliano Ramos, (veste roupa de Coco de Roda)

  • Aurélio – homenagem a Aurélio Buarque de Holanda (Chegança, veste roupa de marujo )

  • Martinha – referência à rainha Marta do futebol (veste roupa do Toré)

  • Diana – personagem do pastoril, conciliadora do cordão vermelho e do azul (veste roupa de Pastoril)

  • Dandara – em homenagem à Dandara, esposa de Zumbi dos Palmares (com vestimenta do Baianal)

  • Nise – homenagem à Nise da Silveira (roupa do Samba de Matuto)

  • Jorginho – homenagem a Jorge de Lima (roupa de Reisado)

  • La Ursa – urso de carnaval que também é muito presente no folclore em Alagoas

  • Bumba – o boi também está muito presente na cultura de Alagoas, então foi criado o Boi, no caso ele se chama Bumba.

Fonte: G1 Alagoas

Fuga de archivos: por qué los papeles personales de los grandes autores latinoamericanos se encuentran en EE.UU.

Los manuscritos de escritores como Borges, García Márquez, Idea Vilariño y Carlos Fuentes, entre muchos otros, descansan en instituciones del país norteamericano. Infobae Cultura dialogó con especialistas para conocer las razones de un fenómeno amargo para las letras de la región

Texto por Osvaldo Aguirre

Los papeles privados y manuscritos de autores como Idea Vilariño, Gabo García Márquez, Jorge Luis Borges y Carlos Fuentes se encuentran en universidades estadounidenses

Los manuscritos de Jorge Luis Borges y Juan José Saer, la correspondencia, los diarios y los apuntes de Ricardo Piglia, los papeles y el diario de Alejandra Pizarnik, un cuaderno con poemas que Julio Cortázar escribió a los 12 años, las cartas, los cuadernos de notas y las fotografías personales de Juan Gelman, entre otros archivos de escritores argentinos, ofrecen un material extraordinariamente valioso para los estudios críticos, las reediciones de obras y la memoria literaria. Pero no se encuentran en el país, sino en distintas bibliotecas universitarias de los EEUU.

No se trata de una circunstancia exclusiva de la cultura argentina: las casi 2 mil cartas y los 40 álbumes de fotos de Gabriel García Márquez, los papeles de Idea Vilariño, la colección Jorge Edwards, la correspondencia y los manuscritos de Carlos Fuentes, las pinturas y dibujos de Severo Sarduy y los borradores y las notas de lectura de Enrique Lihn, entre muchas otras recopilaciones de escritores latinoamericanos, también están depositados en universidades norteamericanas, lejos de los investigadores de cada país.

“La Argentina no solo tiene una trágica historia en relación a los archivos sino que, como comunidad, tampoco poseemos una fuerte tradición en materia de conciencia documental. Algo de eso está cambiando, pero no ha habido aun una transformación en las políticas de archivo”, dice a Infobae Cultura Juan José Mendoza, autor de Los archivos, papeles para la Nación (Eduvim, 2019), un ensayo en torno al estatuto de las bibliotecas, los libros y los archivos en la era digital.

Firestone Library de la Universidad de Princeton (google strew)

El principal centro de documentación es la Firestone Library de la Universidad de Princeton. Si bien su fundación se remonta a 1948, la colección de literatura latinoamericana comenzó a formarse en 1974, con la adquisición de los papeles del escritor chileno José Donoso, uno de los protagonistas del boom de la literatura latinoamericana de los años 60. Actualmente posee más de setenta archivos de grandes escritores.

El Centro Harry Ransom, de la Universidad de Texas, en Austin, alberga otros tesoros de la literatura latinoamericana, como los archivos de García Márquez, por los que pagó más de 2 millones de dólares. Según la descripción institucional, los papeles del escritor colombiano incluyen borradores originales de obras publicadas e inéditas, material de investigación, libros de recortes, guiones, material impreso, diversos recuerdos y hasta registros electrónicos. Allí también se encuentran manuscritos, cuadernos y correspondencia de Jorge Luis Borges.

Los papeles de Borges se encuentran dispersos en varios archivos. “La colección más importante de manuscritos se encuentra en la Albert and Shirley Small Library de la Universidad de Virginia –dice Daniel Balderston, director del Borges Center-. Hay también manuscritos en la New York Public Library, en la Universidad de Pittsburgh (un cuaderno Avon con “una variedad de notas relacionadas con su obra literaria y reflexiones filosóficas”), en el Harry Ransom Center de la Universidad de Texas –donde Borges dio clases- y en la Universidad de Michigan”. El manuscrito del cuento El sur y otros dos textos están en la Fundación Martin Bodmer de Ginebra, uno más en la Biblioteca Nacional de Uruguay, otro en la Biblioteca Nacional de España –una versión de El Aleph, regalo de Borges a Estela Canto-, “uno o dos en Japón” y otro –del cuento La biblioteca de Babel- en Brasil, se exhibió fugazmente durante la muestra Borges, el mismo, otro (2016) en la Biblioteca Nacional Mariano Moreno.

Jorge Luis Borges en la Biblioteca Nacional Mariano Moreno de Argentina

Además, la Firestone Library guarda los documentos recopilados por James Irby, profesor en Princeton y traductor de cuentos de Borges, y el Archivo de Literatura Hispánica de la Biblioteca del Congreso de EEUU ofrece online el registro de una lectura de Borges de sus propios poemas, grabada en 1958 (además de audios con lecturas de Victoria Ocampo, Marta Lynch, César Aira, Griselda Gambaro, Ricardo Molinari, Julio Cortázar y Manuel Puig, entre otros).

Sin embargo, los archivos públicos de Borges serían mínimos en comparación con los que poseen coleccionistas privados “en cajas fuertes o a la venta por centenares de miles de dólares”, según escribió Daniel Balderston, autor de El método Borges (How Borges wrote, en su versión original en inglés), un estudio sobre los manuscritos del escritor que publicará este año Ampersand, en Buenos Aires. El empresario Alejandro Roemmers reveló que posee 6 mil libros y manuscritos que integrarán un futuro Museo Borges, según anunció el presidente Alberto Fernández el 4 de diciembre pasado. Una donación que no está aún exenta de una profunda polémica con respecto al origen de las piezas.

Centro Harry Ransom, de la Universidad de Texas, en Austin (google strew)

Política, se busca

En Los archivos, papeles para la Nación, Juan José Mendoza se interroga por el destino de bibliotecas particulares, colecciones y archivos a la muerte de sus formadores. ¿Dónde van las cosas cuando desaparecen?, se pregunta una y otra vez en el libro. “La respuesta sería: van a Princeton, van a Austin. En Argentina no hay instituciones donde legar. La Biblioteca Nacional y el Archivo General de la Nación no tienen fuerte tradición en esa materia y deberían estar a la cabeza de una nueva política de archivo para revertir esa carencia”, dice el investigador, que este año publicará Maneras de leer en los 70. El proyecto Literal, sobre la revista homónima.

A la muerte de los escritores, el destino de sus manuscritos puede contarse como una especie de novela de aventuras. Y como en Los papeles de Aspern, la novela corta de Henry James, los críticos y editores se ven obligados a tareas detectivescas a través del tiempo y del espacio con resultados inciertos. Los manuscritos, borradores e inéditos de Alejandra Pizarnik fueron así ordenados por Ana Becciú y Olga Orozco, quienes los guardaron en el estudio de un abogado; en 1977, Martha Moia, amiga de la poeta, los sacó del país en barco en dos sacos que repartió entre Becciú y Julio Cortázar; a la muerte de Cortázar, el material pasó a manos de Aurora Bernárdez, quien en 1999, de acuerdo con Myriam Pizarnik, hermana de Alejandra, los depositó en la Universidad de Princeton.

Albert and Shirley Small Library de la Universidad de Virginia (google strew)

Las filtraciones, el traspapelamiento de piezas, la circulación de copias y el simple olvido son también constitutivos de los archivos póstumos de escritores. Los papeles de Osvaldo Lamborghini quedaron en una especie de latencia durante más de treinta años, hasta que su hija Elvira Lamborghini los trajo de Barcelona a Buenos Aires y los depositó en el archivo de la Universidad Nacional de Tres de Febrero y posibilitó su edición en un libro; una parte del archivo Pizarnik continuó en poder de su hermana, que en 2018 lo entregó en donación a la Biblioteca Nacional Mariano Moreno.

El Departamento de Archivos de la Biblioteca Nacional –donde trabajó el escritor Leopoldo Brizuela– posee además otros documentos y colecciones, como el cuaderno de bitácora de Rayuela, obsequio de Cortázar a Ana María Barrenechea que ingresó en el año 2000 por gestión de Josefina Delgado, la colección de manuscritos literarios de Manuel Mujica Láinez y los fondos de Aníbal Ford, Alberto Girri, Juan José Manauta, César Tiempo y David Viñas, entre otros escritores. Este año, ante de la pandemia de coronavirus, estaba estipulada una muestra de los materiales de Alejandra Pizarnik, parte de su biblioteca, correcciones de textos y pruebas de imprenta y manuscritos.

El debate concierne a la relación de la literatura con los archivos, dice Juan José Mendoza, actualmente director del periódico trimestral Banco Central, dedicado a las pesquisas de rarezas bibliográficas y textos olvidados. “Hay escritores que trabajan con mayor conciencia documental que otros, y eso también sería una línea divisoria. Al margen del trabajo con el lenguaje, la relación con el mercado o el vínculo que puedan tener con la política, la relación con los archivos también es una forma de pensar la literatura”, agrega.

La comercialización o el legado de archivos de un escritor suele correr por parte de sus herederos o albaceas –y a veces queda envuelta en polémicas, como ocurre en Uruguay con los manuscritos y documentos de Idea Vilariño, pero también son decisiones que toman los propios escritores. “Ricardo Piglia conocía bien la historia dramática de los archivos en Argentina y llevó sus papeles a Princeton, donde había dado clases”, dice Mendoza, que enmarca esa decisión en la conciencia documental: “Otra respuesta a la pregunta sobre dónde van las cosas sería: a los libros que los escritores que construyen archivos de manuscritos finalmente publican”.

Un experto revisa los manuscritos de Gabriel García Márquez

Un caso testigo

Si se trata de conciencia documental, De la misma llama, la autobiografía que Darío Canton (Nueve de Julio, provincia de Buenos Aires, 1928) publicó en nueve tomos entre 2000 y 2017, puede arrogarse con pleno derecho ese título. Canton construye el relato de su historia como escritor a través de sus manuscritos, las diversas versiones de sus poemas, la correspondencia postal y electrónica que mantuvo, su historia de vida y la de sus familiares al punto de cubrir desde el siglo XVII hasta la actualidad, sus apuntes y lecturas y un caudal de imágenes y documentos no menos notable.

En 1963 Canton consultó los microfilms con cuadernos y apuntes de escritores que se guardaban en la Lockwood Memorial Library de la Universidad de Buffalo (actualmente cuenta con 150 archivos compuestos por manuscritos y publicaciones de poetas de lengua inglesa), un descubrimiento de gran influencia en su propio proyecto literario. Si bien tenía un importante acopio documental –cuyo emblema es la naranja que sirvió de observación para su libro Corrupción de la naranja (1968) y que aún conserva-, al emprender De la misma llama, aclara a Infobae Cultura, “no sólo me he valido de material existente, sino que he tenido una política muy activa de obtención de imágenes que ayudaran a entender el contexto”.

El modelo de trabajo se remonta a su propia novela familiar. “Mi familia materna era de guardar. Guardaban revistas y diarios viejos en un cuartito en Carmelo, Uruguay, al que yo de chico accedí. Guardaban también instrumentos musicales que ya no usaban, veladores rotos, sillas desvencijadas. En fin, había una gran pieza encima de un garage en donde estaban objetos que ya habían perdido vigencia, pero que aún así se conservaban”, recuerda Canton. Para la documentación en De la misma llama, contó con la colaboración del fotógrafo Oscar Balducci.

Luciana Di Milta está a cargo del ordenamiento, preservación y catalogación del archivo. “Los materiales no sólo son muy heterogéneos sino que también tienen un orden jerárquico que le da Canton aunque para los fines de la investigación todo material puede ser de utilidad –dice a Infobae Cultura-. Eso que él llama ‘tesoro’, los manuscritos de poesía, son manuscritos y pasadas a máquina de poesía escrita entre 1950 y la década del 90. En la década del 80, cuando escribe la serie autobiográfica, ordena sus manuscritos cronológicamente, les asigna un número y hace un inventario”.

Di Milta lleva 23 cajas de archivo y el trabajo continúa. “Los borradores y materiales que corresponden al trabajo de redacción de la serie De la misma llama constituyen una gran masa heteróclita –dice-. Algunos papeles estaban en la cocina, dentro de una valija de cuero a rayos del sol. Otros en un placar, mezclados con los papeles más insólitos que se te ocurran. Otros desparramados sobre las mesas o mezclados entre los libros. En esta zona del archivo hay manuscritos, dactiloscritos, documentos de todo tipo, fotografías, fotocopias, partituras, cuadernos escolares, recibos, algunos garabatos infantiles, papeles anotados por el diseñador Juan Andralis y si sigo pensando la enumeración no termina más”.

La norma y la excepción

Si bien está dedicado a las artes visuales, el Getty Research Institute también posee archivos de escritores latinoamericanos, en la ciudad de Los Ángeles. Las 62 cajas que contienen la correspondencia y los manuscritos del chileno Enrique Lihn y las 12 con los papeles del surrealista peruano César Moro (su correspondencia con Paul Eluard y Leonora Carrington, en particular) son uno de los principales tesoros de la institución, que también posee cuadernos, cartas y fotografías de Vicente Huidobro, el fundador del creacionismo, y 354 cartas recibidas por el crítico Julio Payró entre 1937 y 1971.

El catálogo de la biblioteca de la Universidad de Princeton cuenta, entre otros materiales, con las cartas de Jorge Amado, Enrique Fierro e Ida Vitale y los papeles de Reinaldo Arenas, Miguel Ángel Asturias, Guillermo Cabrera Infante, Juan Gustavo Cobo Borda, Eliseo Diego, Diamela Eltit, Lorenzo García Vega, Margo Glantz, Vicente Leñero, Augusto Monterroso, Sergio Ramírez, Emir Rodríguez Monegal, Mario Vargas Llosa e Idea Vilariño. La literatura latinoamericana en un solo lugar.

Manuscrito de Borges

La literatura argentina también está muy representada: además de los archivos de Pizarnik, Gelman, Saer y Piglia (73 cajas con papeles y 85384 archivos digitales), la Firestone Library posee la correspondencia de Alvaro Yunque y Bernardo Canal Feijoo (con cartas de Leopoldo Lugones y Victoria Ocampo), los papeles de Rodolfo Alonso, José Bianco, Julio Cortázar, Edgardo Cozarinsky, Manuel Mujica Láinez, María Rosa Oliver, Silvina Ocampo y Saúl Yurkievich, y una colección de “papeles elegidos” de Alberto Girri.

“La cultura es la norma y la literatura y los archivos son la excepción –dice Juan José Mendoza-. Los escritores y los investigadores tienen algo en común: son grandes lectores de archivos. Sin hacer un fetichismo de los manuscritos ni una adoración aurática de las primeras ediciones, edifican archivos porque saben que allí, en el encuentro con las fuentes primarias, respiran y resplandecen formas de leer distintas”.

La fuga de archivos de escritores hacia los EEUU no cierra la posibilidad de su consulta, pero la obstaculiza desde el momento en que los materiales dejan de estar en el país. “No tener acceso a esos papeles –advierte Mendoza- tiene mucha influencia con la recepción de la obra de esos escritores entre nosotros y en cómo van a ser leídos. Ahí tenemos un trabajo que hacer en relación con nuestros grandes escritores”.

Fonte: Infobae

O ARQUIVO NACIONAL E O VALOR LEGAL DO DOCUMENTO DIGITALIZADO

Para Neide de Sordi, presidente do AN, decreto recém editado preserva as boas práticas arquivísticas e a memória institucional da Administração Pública Federal

A invisibilidade dos arquivos femininos: entrevista com Luciana Heymann

De acordo com pesquisadora, “o menor número de arquivos de mulheres nas instituições de memória reflete a desigualdade de oportunidades que tem marcado a sociedade brasileira, responsável por reservar mais e melhores lugares para os homens”.

Cristiane d’Avila entrevista Luciana Quillet Heymann

Na apresentação do dossiê “Mulheres, arquivos e memórias”, publicado pela Revista do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB), em março de 2018, as organizadoras apontam para a invisibilidade feminina nos arquivos públicos, nacionais e internacionais. Para além da presença ou ausência de mulheres na historiografia, o texto de apresentação do dossiê indica algo importante: não há apenas lacunas em narrativas sobre mulheres, mas uma imensa ausência de fontes sobre ou produzidas por elas.

Os arquivos são instituições que expressam relações de poder. Silêncio e invisibilidade não são elementos neutros na construção de suas fontes e fundos. A partir deles podemos perceber questões como a negociação entre memória e esquecimento, o direito ao uso e à privacidade de dados pessoais e a luta por reconhecimento e prevalência de desejos e interesses. Em momento no qual vozes femininas são caladas, muitas vezes à força e violentamente, há que se ressaltar a importância dos processos de arquivamento de suas experiências como sujeitos históricos e o papel das instituições de memória.

Luciana Heymann (Fiocruz). Foto: Vinícius Pequeno, DAD/COC/Fiocruz.
Luciana Heymann (Fiocruz). Foto: Vinícius Pequeno, DAD/COC/Fiocruz.

Para se ter uma percepção do contexto aqui referido, dos 305 arquivos pessoais custodiados pelo Arquivo Nacional (AN), no Rio de Janeiro, apenas 26 são de mulheres. Na Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, dos 88 arquivos pessoais sob a guarda do Departamento de Arquivo e Documentação, apenas seis (6) são de sujeitos femininos – os nomes e um pequeno resumo de cada um estão ao final do artigo.

Para falar sobre o tema, entrevistei Luciana Quillet Heymann, historiadora, doutora em Sociologia e pesquisadora do Departamento de Arquivo e Documentação da Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz. Segundo explica a historiadora, “o menor número de arquivos de mulheres nas instituições de memória reflete a desigualdade de oportunidades que tem marcado a sociedade brasileira, responsável por reservar mais e melhores lugares para os homens”.

A que você atribui a baixa representatividades das mulheres nos arquivos?

Em primeiro lugar, creio que essa baixa representatividade espelha a presença minoritária das mulheres na vida pública. Essa presença vem aumentando, mas ainda está longe de uma situação paritária. Prova disso é que está para ser votado um projeto de Lei (PL 2.235/2019) que prevê a reserva de ao menos 30% das cadeiras de Deputado Federal, Deputado Estadual, Deputado Distrital e Vereador para mulheres. Não tenho dados sobre outros campos de atuação, mas o que se observa, em geral, é tanto uma menor presença feminina como mulheres em cargos de menor prestígio em relação aos ocupados por homens.

Como você avalia a situação das mulheres em arquivos de instituições de memória e científicas?

O menor número de arquivos de mulheres nas instituições de memória reflete a desigualdade de oportunidades que tem marcado a sociedade brasileira, responsável por reservar mais e melhores lugares para os homens (e aqui não estou me detendo na enorme desigualdade que atinge negros e negras, fazendo com que a representatividade das mulheres negras seja infinitamente menor do que a das mulheres brancas). Embora haja sinais de que essa situação está mudando, o número de mulheres em cargos políticos ou na liderança de grupos de pesquisa, ao menos nas ciências biomédicas, segue sendo bem menor, o que explica que homens sejam franca maioria como titulares de arquivos em instituições o Arquivo Nacional e a Casa de Oswaldo Cruz. Até as instituições voltadas para o campo literário, onde poderíamos imaginar uma situação mais paritária, a presença masculina é bem mais expressiva (basta consultar o Guia de Acervo do Arquivo Museu de Literatura Brasileira da Fundação Casa de Rui Barbosa).

Há outros fatores no âmbito dos arquivos que fomentam essa situação?

Essa baixa representatividade também espelha as políticas de aquisição de acervo nas instituições, que naturalmente priorizam titulares que tiveram atuação destacada nos seus respectivos campos de atuação. A desatenção com relação a essa situação, porém, colabora para a reprodução da invisibilidade das mulheres.  Se pensarmos que tais espaços estão inseridos nas dinâmicas de poder, produzindo hierarquias e definido condições de acesso às fontes históricas, fica claro que é preciso assumir uma postura crítica com relação à disparidade entre homens e mulheres nos acervos institucionais.

O que poderia ser feito para reverter esse quadro?

Vejo como caminho para reverter a baixa representatividade das mulheres em instituições arquivística uma política ativa de prospecção de arquivos de mulheres que possam ser incorporados. Devem ser arquivos compatíveis com a linha de acervo de cada instituição, já que é importante manter coerência na constituição dos acervos, mas privilegiar arquivos de mulheres é uma forma de ativismo diante da invisibilidade da atuação feminina em diferentes áreas da vida social. Trata-se de uma ação que, a médio prazo, resultará em acervos mais plurais e representativos e, por isso mesmo, mais atraentes para diferentes públicos. Isso sem falar na possibilidade de criar espaços de arquivamento voltados, especificamente, para arquivos de e sobre mulheres.

Pode sugerir uma ação?

Uma possibilidade seria investir na história arquivística dos arquivos de titulares homens, já que muitos foram reunidos, organizados e preservados por mulheres (esposas, filhas, secretárias). Há muitos casos que documentam esse “cuidado feminino”, responsável, muitas vezes, pela própria existência dos documentos. Jogar luz sobre essa atuação teria como resultado não apenas dar visibilidade a essas “guardiãs da memória”, mas denunciar a própria subalternidade feminina nos âmbitos privado e público.

Outra possibilidade seria desenvolver projetos que prospectassem, nos arquivos existentes, a presença de mulheres. Missivistas mulheres presentes nos arquivos pessoais de homens, mas também personagens femininas cuja atuação esteja documentada em arquivos institucionais.

Os arquivos da casa Oswaldo Cruz
Alda Lima Falcão (1925-)

Doação feita por Valéria Lima Falcão em 2013.

Nasceu em 27 de março de 1925, em Aracati (CE), filha de João Barbosa Lima e Raimunda Pereira Lima. Sua trajetória profissional, iniciada em 1939, aos 14 anos, esteve ligada a instituições da área da saúde pública. Primeiramente atuou no Serviço de Malária do Nordeste (1939-1942), depois no Serviço Nacional de Malária (1942-1956), e posteriormente no Instituto Nacional de Endemias Rurais (1956-1975), que a partir de 1976 passou a fazer parte da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Nessa instituição foi pesquisadora e chefe do Laboratório de Leishmanioses do Centro de Pesquisas René Rachou, como também curadora da Coleção de Flebotomíneos. Em 1958 fez o curso de especialização em entomologia médica da Faculdade de Higiene e Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Aposentou-se em 1994, mas permaneceu desenvolvendo seus trabalhos sobre sistemática de flebotomíneos. Em 2007 recebeu o título de pesquisadora emérita da Fiocruz.

Fonte: http://basearch.coc.fiocruz.br/index.php/alda-falcao

Dely Noronha de Bragança Magalhães Pinto (1942-)

Nasceu em 24 de novembro de 1942, no Rio de Janeiro, filha de Décio Noronha e Ottilia Noronha. No pré-vestibular para medicina, conheceu o professor Fritz de Lauro, médico aposentado e futuro padrinho de formatura do Curso de História Natural, e que teve grande influência em sua trajetória profissional. Foi nas aulas deste professor que desenvolveu seu interesse pela biologia. Em 1963 ingressou no Curso de História Natural da Faculdade Nacional de Filosofia, da Universidade do Brasil, concluindo-o em 1968. Ainda em 1963, iniciou seu trabalho como estagiária no Instituto Oswaldo Cruz (IOC), graças à influência de Domingos Arthur Machado Filho, que havia sido seu professor no científico. No IOC trabalhou inicialmente na Seção de Bacteriologia e, depois, na Coleção de Diptera, com Lauro Travassos. A contratação definitiva como pesquisadora do IOC se deu em 1983, quando por um breve período passou a se dedicar ao estudo dos moluscos. À época, foi responsável por amplas modificações nas instalações do Laboratório de Esquistossomose Experimental do Departamento de Helmintologia, como a implantação do sistema de água corrente para os aquários de moluscos. Em 1989 assumiu a curadoria da Coleção Helmintológica, cargo que ocupou até 2007, mesmo após a sua aposentadoria em 1996.

Fonte: http://basearch.coc.fiocruz.br/index.php/dely-noronha

Dyrce Lacombe de Almeida (1932-)

Doação feita pela própria pesquisadora em 2013.

Nasceu em 16 de março de 1932, no Rio de Janeiro, filha de Luís Lacombe e Maria Franco da Cunha. Em 1955 graduou-se em história natural pela Faculdade Nacional de Filosofia (FNFi) da Universidade do Brasil. Ainda estudante, trabalhou na faculdade como assistente de Olympio da Fonseca Filho e participou do curso de extensão universitária em zoologia ministrado por Newton Dias dos Santos, do Museu Nacional. Em 1952 fez o Curso de Entomologia Geral do IOC com Rudolf Barth. A partir desse momento, como bolsista da instituição, iniciou uma frutífera carreira de pesquisa junto ao pesquisador, trabalhando com anatomia e histologia de insetos, principalmente barbeiros. Aposentou-se em 1991, mas permaneceu no IOC desenvolvendo suas pesquisas sobre cracas, embiópteros e histologia de barbeiros.

Fonte: http://basearch.coc.fiocruz.br/index.php/dyrce-lacombe

Elizabeth Rachel Leeds (1942-)

Doação feita pela própria Elizabeth Rachel Leeds em 2007.
Nasceu em 30 de agosto de 1942, em Worcester (Massachusetts, Estados Unidos). Formada em ciência política pela Universidade de Boston, foi voluntária do Peace Corps Volunteers e colaboradora do antropólogo Anthony Leeds, com quem se casou em 1967, em suas pesquisas sobre favelas, iniciadas em 1965. Sua dissertação de mestrado foi defendida na Universidade do Texas e sua tese de doutorado, no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Além das favelas, pesquisou a imigração em Portugal, direitos humanos e políticas de segurança pública no Brasil. De 1989 a 1997 foi diretora executiva do Centro de Estudos Internacionais no MIT. É co-fundadora e presidente honorária do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, iniciado em 2005.

Fonte: http://basearch.coc.fiocruz.br/index.php/fundo-elizabeth-leeds

Hortênsia Hurpia de Hollanda  (1917-2011)

Doação feita por Virgínia Torres Schall em 2013.

Nasceu em 26 de maio de 1917, em Corumbá (MS), filha de Horácio Hurpia Filho e Olívia Bacchi Hurpia. Em 1941 formou-se em língua e literatura anglo-germânica pela Faculdade Nacional de Filosofia e, em 1949, concluiu o curso de nutrição pela Universidade do Brasil. Especializou-se em saúde pública e educação em saúde na Universidade do Chile em 1950. Dois anos depois obteve o título de mestre em saúde pública e educação na Universidade da Califórnia, em Berkeley, Estados Unidos. De 1949 a 1955 foi assistente técnica da Divisão de Educação Sanitária do Serviço Especial de Saúde Pública. A partir de 1954 atuou no Departamento Nacional de Endemias Rurais, onde formulou e coordenou, em caráter pioneiro, programas de educação em saúde, em perspectiva multiprofissional, integrando as áreas de epidemiologia, psicologia, educação, ciências sociais e clínica médica. Morreu em 5 de maio de 2011, em Votuporanga (SP).

Fonte: http://basearch.coc.fiocruz.br/index.php/hortensia-de-hollanda

Maria Cristina Fernandes de Mello (1950-)

Os documentos foram doados pela titular à COC /Fiocruz em 2011, por intermédio do arquiteto Renato Gama-Rosa, do Departamento de Patrimônio Histórico (DPH/COC).

Nasceu em 21 de setembro de 1950, em São Paulo. Graduou-se em 1974 pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em 1976 ingressou, por concurso público, na Universidade Federal Fluminense (UFF), como professora do curso de Teoria e História da Arquitetura. No mesmo ano ingressou na Universidade Gama Filho, onde permaneceu até 1979 como professora de Desenho. Cursou o doutorado em Restauração de Monumentos entre 1982 e 1988 na Scuela de Specializzacione da Universidade de Roma, tendo defendido a tese “Le torri del Padiglione Moresco nella Fondazione Oswaldo Cruz a Rio de Janeiro”. Em 1986 foi contratada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a convite de Sérgio Arouca, para projetar e coordenar a obra de restauração do Pavilhão do Relógio. Posteriormente, também coordenou as obras de restauração dos prédios que constituem o Núcleo Arquitetônico Histórico de Manguinhos. Em agosto de 1989 foi instituído o Departamento de Patrimônio Histórico da Casa de Oswaldo Cruz, do qual foi a primeira chefe. Em 1990 tornou-se servidora pública nesta instituição.

Fonte: http://basearch.coc.fiocruz.br/index.php/maria-cristina-de-mello

Sarah Hawker Costa (1949-)

Nasceu em 4 de junho de 1949, em Londres, filha de Albert Arthur Hawker e Rosamund Ann Maurenn Hawker. Sua formação acadêmica foi realizada na Inglaterra, onde obteve os títulos de bacharel em ciências pela Universidade de Surrey (1971), de mestre em demografia médica pela Universidade de Londres (1972) e de doutora em saúde pública pela Universidade de Oxford (1995), com a apresentação da tese “The determinants and consequences of induced abortion in Rio de Janeiro, Brazil”. Foi professora e pesquisadora titular do Departamento de Epidemiologia e Métodos Quantitativos da Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. Atuou também como assessora de programas na Fundação Ford no Brasil, na área de saúde reprodutiva.

Fonte: http://basearch.coc.fiocruz.br/index.php/fundo-sarah-hawker

Virginia Maria de Niemeyer Portocarrero (1927-)

A coleta dos documentos foi realizada entre 2008 e 2010, através de contato da titular com a equipe do DAD/COC e com a intermediação de Margarida Maria Rocha Bernardes. A assinatura do Termo de Doação ocorreu em 2010.

Nasceu em 23 de outubro de 1917, no Rio de Janeiro, filha de Tito Portocarrero e Dinah de Niemeyer Portocarrero. Formou-se bacharel em ciências e letras pelo Colégio Pedro II da avenida Marechal Floriano, no centro do Rio de Janeiro, e mais tarde realizou o Curso de Aperfeiçoamento e Arte Decorativa da Escola Politécnica Nacional de Engenharia, adquirindo formação de decoradora, professora de desenho e desenhista. Ao ler uma matéria no jornal “O Globo”, na qual o governo solicitava voluntários para a Segunda Guerra Mundial, inscreveu-se sem o conhecimento da família e foi selecionada. Ficou à disposição do Primeiro Escalão da Força Expedicionária Brasileira, cujo contingente total era de 25.334 cidadãos, sendo 67 enfermeiras. Em 7 de julho de 1944 seguiu para Nápoles, Itália, como integrante do 2º Grupo (General Diretor de Saúde Marques Porto). Após quase um ano de trabalho voluntário na guerra, regressou ao Brasil em 7 de julho de 1945. Em 1957, as enfermeiras “febianas” foram incorporadas ao Exército Brasileiro. Voltou ao serviço ativo do Exército como 2º tenente e passou a atuar como enfermeira na Policlínica Central do Exército. Passou para a reserva em 25 de setembro de 1962 como 1º tenente e foi promovida a capitão em 1963.

Fonte: http://basearch.coc.fiocruz.br/index.php/virginia-portocarrero

Referências bibliográficas

SIMIONI, A. P.; ELEUTÉRIO, M. DE L. Apresentação do Dossiê Mulheres, arquivos e memórias. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 71, p. 19-27, 12 dez. 2018.

VASSALLO, Jaqueline. “Mujeres y patrimônio cultural: el desafio de preservar lo que se invisibiliza”. In: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 71, p. 80-94, dez. 2018.

Cristiane d’Avila é jornalista, doutora em Letras pela PUC-Rio, Tecnologista em Saúde Pública da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), onde atua no Departamento de Arquivo e Documentação. Mestre em Comunicação Social e Especialista em Comunicação e Imagem pela PUC-Rio. É organizadora do livro “Cartas de João do Rio a João de Barros e Carlos Malheiro Dias”, publicado pela Funarte em 2013, e autora do livro “João do Rio a caminho da Atlântida”, publicado em 2015 com apoio da Faperj. Colabora mensalmente com o Café História com textos sobre História das Ciências e da Saúde.

Como citar este artigo

HEYMANN, Luciana Quillet. A invisibilidade dos arquivos femininos: entrevista com Luciana Quillet Heymann (Entrevista feita por Cristiane d’Avila). In: Café História – história feita com cliques. Publicado em 16 de março de 2020. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/entrevista-com-luciana-heymann/. ISSN: 2674-5917

Fonte: Café História

Arquivo Público de SP celebra 128 anos com agenda especial

Atividades acontecem nos dias 10 e 14 de março na sede do Arquivo Público, ao lado da estação do metrô Portuguesa-Tietê, na capital

Do Portal do Governo

Na próxima terça-feira (10), o Arquivo Público do Estado de São Paulo (APESP) completa 128 anos de existência e oferece uma programação diferenciada para comemorar o aniversário.

Na data em que é celebrada a criação da instituição, o APESP presta homenagem à memória de Marilena Leite Paes, referência da área arquivística brasileira, com o Seminário ‘Marilena Leite Paes: construtora da Arquivologia’. O evento acontece no auditório do Arquivo, a partir das 14h, com entrada gratuita.

O seminário terá a participação da Professora Ana Maria Camargo, do Departamento de História da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP) e Brenda Rocco, professora do Departamento de Arquivologia da UNIRIO. Informações e inscrições em http://www.arquivoestado.sp.gov.br/seminario_128anos_apesp/.

Já no sábado (14), o Arquivo Público abre excepcionalmente e oferece aos cidadãos alguns dos serviços normalmente disponíveis apenas nos dias de semana. O evento ‘Arquivo Aberto’ acontece das 9h às 17h.

Neste dia, estarão funcionando os setores de consulta ao acervo (Acervo Textual, Biblioteca e Hemeroteca, Cartográfico e Iconográfico), os atendimentos para pesquisa e emissão de certidões de imigração, um dos serviços mais buscados pelo público da instituição, além de consulta preliminar ao fundo DEOPS.

Haverá ainda visitas monitoradas agendadas aos setores do APESP como Conservação, Acervo Permanente e à exposição “Registros Arquivísticos da Função Saúde”. Palestras sobre “Como conservar documentos pessoais” e “Gestão Documental Descomplicada” com os técnicos do Arquivo também fazem parte da programação.

Todas as atividades acontecem na sede do Arquivo Público, na Rua Voluntários da Pátria, 596, em Santana, ao lado da estação do metrô Portuguesa-Tietê.

Fonte: SP Notícias

CE01/2020 – Soluções de acondicionamento para documentos de arquivo e acervo bibliográfico

Curso especial em 4 (quatro) módulos.

Vagas: 25 (vinte e cinco). Quórum mínimo para o curso ser realizado: 15 (quinze) alunos inscritos na Opção 1.

Local: Associação de Arquivistas de São Paulo (Av. Prof. Lineu Prestes, 338 – térreo, Sala N – Prédio do Departamento de História da USP, Butantã)

Docente: Fernanda Brito (Lattes: http://lattes.cnpq.br/5008305763502646)

O curso “Soluções de acondicionamento para documentos de arquivo e acervo bibliográfico” foi pensado tanto para o profissional que atua em arquivos, bibliotecas, centros de documentação, centros de memória, museus e em outras instituições de documentação, quanto para estudantes de graduação, pós-graduação, cursos técnicos de Arquivologia, Biblioteconomia, Museologia, Arquitetura, além de História, Ciências Sociais, Administração etc., e também para pessoas interessadas em realizar o acondicionamento de seus documentos e/ou livros produzidos em suportes, formatos e tamanhos diferentes. Está estruturado em 4 (quatro) módulos independentes, que poderão ser adquiridos em conjunto ou individualmente.

Mais informações e inscrições: ARQ-SP

Acompanhe o processamento do acervo da Associação dos Arquivistas Brasileiros no AN

Publicado por José Márcio Batista Range

O Arquivo Nacional está realizando o processamento técnico do acervo da Associação dos Arquivistas Brasileiros (AAB), a primeira entidade a reunir os profissionais de arquivos no país. Após sua extinção, em 2015, o acervo foi doado ao AN, que é responsável por preservar, descrever e dar acesso aos documentos e informações que o integram.

A AAB foi fundada, em 20 de outubro de 1971, como entidade civil de direito privado, sem fins lucrativos, de caráter técnico, científico, cultural, profissional e de pesquisa. Dentre as suas finalidades, destacavam-se: contribuir para o desenvolvimento e aperfeiçoamento dos profissionais de arquivo e da Arquivologia, cooperar com entidades públicas e privadas, nacionais e internacionais, em tudo o que se relacionasse a arquivos e à arquivologia, e promover a difusão do trabalho e do conhecimento arquivístico.

O fundo AAB, de caráter privado, é composto por: atas das assembleias da instituição; estatutos; fichas de sócios; correspondência; textos e projetos patrocinados e apoiados pela entidade no país; documentos produzidos por entidades congêneres e filiadas; além de documentos administrativos e financeiros relativos ao funcionamento da associação, realização e promoção de cursos, seminários, mesas redondas e do Congresso Brasileiro de Arquivologia. O acervo também inclui edições da revista Arquivo & Administração e dos boletins mensais, assim como placas e diplomas.

Os documentos iconográficos, especialmente as fotografias, registram eventos como cursos, congressos, assembleias, reuniões, inauguração da nova sede e cerimônias de posse de diretorias. Da mesma forma, os documentos sonoros estão relacionados a eventos promovidos pela AAB, como congressos e seminários.

Para acompanhar a disponibilização das informações sobre os documentos é só consultar o Sistema de Informações do Arquivo Nacional (Sian).

Colaboração: Coordenação de Documentos Audiovisuais e Cartográficos do AN.

Fonte: Arquivo Nacional

Um arquivo é uma referência

Texto por Maria Luísa Cabral

Todos os arquivos importam. Uns fundos serão preciosos, mas todos são importantes, não há documentos de segunda. Só os historiadores estarão, um dia, à altura de dizer quanto importam e mesmo essa opinião nunca é definitiva. Parafraseio Eco, e embora por razões diferentes da biblioteca, o arquivo também se converte numa aventura.

No rasto do Arquivo Municipal de Lisboa, vamos deixar para trás o problema das inundações nos depósitos; a questão dos bolores persistentes; o perigo da segurança demasiado frágil; das instalações indignas; a observação das canalizações aéreas de águas limpas e de esgotos; a descrição penosa das soluções domésticas entre metros de plástico e baldes. Fernando Medina deve estar cansado destas queixas, tantas foram que talvez até pense estarem resolvidas, mas, quiçá, não terá ainda escutado o pulsar do arquivo a partir dos próprios documentos, a alma do arquivo. Porque merecerá um arquivo a nossa atenção?

Os arquivos, como as bibliotecas, materializam a memória colectiva. Fazem-no cada instituição à sua maneira e os motivos porque os fundos de arquivo ou as colecções de biblioteca foram reunidos são distintos, as diferenças são enormes. A tónica para os arquivos consiste na recolha dos documentos que sustentam o poder enquanto nas bibliotecas a construção não assume essa responsabilidade. Pela própria natureza das coisas, a massa documental guardada nos arquivos é apenas uma parte da produzida. Grande responsabilidade a nossa, seus guardiães. Cada documento faz a ponte entre o passado e o futuro, a nossa participação hoje, embora absolutamente transitória, não é despicienda.

Conhecendo cada momento, esta fragilidade, talvez não seja conveniente entregar cada documento à sua sorte, contribuindo para a sua destruição. Escrevi em tempos e reproduzo: “o documento constitui uma prova palpável do que já não existe, do intangível. Esta memória do passado contribuiu desde sempre para justificar a criação dos arquivos e a sua protecção… os arquivos foram olhados e organizados como um instrumento para o exercício do poder político”. Em cada arquivo, os testemunhos (i.e. documentos) aí reunidos também são os elementos aptos a corporizar a memória colectiva.

Muito do trabalho do historiador e “do seu gosto pelo arquivo passa pelo gesto artesanal, lento e pouco rentável, de copiar os textos, bocado após bocado, sem transformar nem a forma, nem a ortografia, nem mesmo a pontuação. Sem grandes pensamentos, como se a mão, ao fazer este trabalho, permitisse ao espírito ser simultaneamente cúmplice e estranho ao tempo destes homens e mulheres que se vão revelando”. Traduzi livremente Farge – Le goût de l’archive ​– e podia continuar. Palavras poderosas que nos transportam ao cerne da questão. Dispor ou não dos documentos, preservá-los, dar esta indizível oportunidade a quem quer escrever a história. Os documentos são insubstituíveis, não se podem perder, não podem estar à mercê de oscilações térmicas, de águas limpas e sujas que podem irromper a cada instante.

Digitalizar a eito os documentos não resolve o problema. A digitalização como solução tecnológica é, certamente, um instrumento poderoso. Não negarei as suas vantagens. Este reconhecimento não faz de mim uma convertida. Pugnar de forma autista pelas soluções tecnológicas que afastam indesmentivelmente as pessoas das suas origens é negar (eliminar e mutilar) um lado humanista do trabalho da história, objectivo e rigoroso que não pode esquecer o lado humano e social da investigação histórica. Isto não é um exagero. Manusear os documentos, sentir tanto quanto possível como e quando foram preparados – seja um rol, um testamento, uma nota de viagem, uma lei ou uma sentença – é estabelecer uma ligação ao documento primeiro, depois ao tempo, a uma casa ou a uma personalidade. De repente, o documento torna-se numa verdadeira máquina do tempo e com ela recuamos para a época.

Não, com o digital não acontece o mesmo, está tudo higienizado, não há tacto nem cheiro. Tudo limpo, pronto a ser medido, contado, calculado. Grande ferramenta sem alma, o investigador fica longe e despido de qualquer sentimento. Não impondo uma fórmula fundamentalista, talvez possamos recorrer ao documento original e à sua cópia digitalizada retirando duma e doutra contribuições complementares.

Todos os arquivos importam. Uns fundos serão preciosos, mas todos são importantes, não há documentos de segunda. Só os historiadores estarão, um dia, à altura de dizer quanto importam e mesmo essa opinião nunca é definitiva. Mudam os intérpretes, mudam os contextos, mudam as perguntas. Só os documentos permanecem, mudos e (im)pacientes por mais uma análise ou um interrogatório. Parafraseio Eco, e embora por razões diferentes da biblioteca, o arquivo também se converte numa aventura.

Fonte: PÚBLICO

Gestão Doria desmantela acervos e bases cartográficas de planejamento urbano

Sem avaliação técnica e projeto específico, Executivo paulista fatiou entre quatro órgãos os acervos e bases de informações da Emplasa, extinta em outubro.

JOSÉ ALBERTO GONÇALVES PEREIRA
Segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020, 6h59.

A gestão do governador João Doria (PSDB) desmantelou o renomado acervo de informações técnicas integradas sobre planejamento urbano do estado de São Paulo, ao extinguir a Empresa Paulista de Planejamento Urbano (Emplasa), que teve suas atividades paralisadas a partir de 5 de outubro de 2019.

Desde meados de outubro, sistemas de informações cruciais para subsidiar órgãos do próprio governo estadual, como a Companhia de Desenvolvimento Urbano (CDHU), deixaram de ser atualizados, como o Sistema de Informações Metropolitanas (SIM), ou sumiram do site da Emplasa.

É o caso de um valioso conjunto de programas, produtos e sistemas de informações cartográficas e geoprocessadas que podiam ser acessados na aba “Cartografia”, removida do site da Emplasa em meados de outubro. A Associação dos Funcionários da Emplasa (AFE) estima em R$ 645 milhões o valor de mercado das centenas de mapas produzidos pela empresa nos últimos sete anos.

Oficialmente, os sistemas digitais de informações cartográficas foram repassados ao Instituto Geográfico e Cartográfico (IGC), que está disponibilizando ao público apenas os mapas físicos (em papel) produzidos pela Emplasa. No site do instituto, não há nenhuma informação sobre os sistemas de informações que sumiram do sítio da empresa. Segundo ex-funcionários da estatal, o IGC não possui capacidade técnica para gerenciar e atualizar os sistemas.

Além de terem subsidiado centenas de estudos da Emplasa, as informações cartográficas e geoprocessadas produzidas pela companhia apoiam os governos estadual e municipais na aplicação das legislações que regulam, por exemplo, o uso e ocupação do solo, as áreas de proteção aos mananciais (APM) e o zoneamento industrial, entre outras. Também servem como base espacial em diferentes sistemas do governo estadual.

Ao eliminar a aba “Cartografia” no site da Emplasa, o governo retirou do ar dois sistemas estratégicos de apoio à elaboração, à implementação, acompanhamento e à revisão de políticas públicas – o Sistema de Compartilhamento de Dados Geoespaciais (SCD) e o Mapeia São Paulo.
O SCD é composto pelas principais coleções de mapeamentos básicos e temáticos e fotografias aéreas de interesse dos usuários. Costumam ser utilizados como documento oficial, servindo de apoio a processos jurídicos e administrativos que envolvem o uso e a ocupação do solo e ao planejamento das ações de governo.

Já o projeto Mapeia São Paulo desenvolveu a primeira base cartográfica oficial completa e atualizada do estado na escala de 1:10.000, bem mais precisa do que a 1:50.000 utilizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) entre as décadas de 1960 e 1990. A iniciativa subsidia os processos de gestão do território no estado.

Transferência sem planejamento

A Emplasa também respondia pela guarda, atualização e disponibilização digital e física ao público de milhares de livros, relatórios técnicos, mapas, sistemas de informações técnicas relacionados ao planejamento urbano e plataformas digitais para apoiar a elaboração dos Planos de Desenvolvimento Urbano Integrado (PDUIs) das regiões metropolitanas.

Contudo, o governo paulista não elaborou um projeto técnico para orientar a transferência do conjunto de acervos e sistemas de informações gerenciados pela Emplasa para outros órgãos públicos. Tal projeto deveria contemplar uma avaliação técnica e financeira da transição, riscos e oportunidades no processo, análise da estrutura física, de recursos humanos e tecnológica das instituições indicadas para receber acervo e sistemas.

Também seria desejável que o projeto incluísse metas, prazos, cronograma e orçamento para uma transferência segura, eficiente e sem interrupções na atualização dos acervos e sistemas e sua disponibilização pública.

Os estudos, mapas e acompanhamento técnico da Emplasa foram fundamentais para o governo paulista realizar um conjunto relevante de obras de infraestrutura e habitacionais, assim como prevenir e atenuar seus impactos socioambientais adversos.

Entre inúmeros casos de sucesso, uma aplicação do conhecimento da Emplasa para solucionar problemas urbanos é o braço específico sobre habitação desenvolvido no Sistema de Informações Metropolitanas do Estado de São Paulo (SIM). Trata-se de uma ferramenta utilizada pela Companhia Habitacional de Desenvolvimento Urbano (CDHU) para monitorar a evolução dos assentamentos precários, orientando ações habitacionais do governo estadual e das prefeituras nas regiões metropolitanas.

Na área dos transportes, os estudos e sistemas de informações técnicas da Emplasa foram fundamentais na análise ambiental estratégica do Rodoanel. Realizada entre 1996 e 2000, “essa análise permitiu a definição do traçado, bem como o desenvolvimento de metodologia para o monitoramento da expansão e da ocupação urbana no entorno do Rodoanel Trechos Sul e Norte (2009-2018)”, lembra Pedro Sales de Melo Suarez, especialista em planejamento urbano e regional e ex-funcionário da Emplasa.

Fatiamento do acervo

O Centro de Documentação Técnica da Emplasa cuidava da Biblioteca Virtual, da Filmoteca, da memória técnica da Emplasa e do Gegran e do acervo bibliográfico. Ex-funcionários da companhia entendem que os acervos digital e físico deveriam permanecer integrados em um único local, facilitando sua atualização e consulta por órgãos públicos, consultorias e empresas, entidades da sociedade civil, pesquisadores e estudantes. A solução encontrada pelo governo paulista foi a pulverização dos acervos entre três instituições.

O site da Biblioteca Virtual da Emplasa continua no ar, embora sem atualização, e deverá em breve ser repassado para a gestão da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Regional (SDR), que não respondeu à reportagem se possui estrutura humana e técnica para assumir a atribuição. Em 2019, foram realizados na Biblioteca Virtual 152.607 downloads dos acervos técnicos da Emplasa e do Gegran por 15.177 usuários do Brasil e outros 29 países. Houve, ainda, 1,245 milhão de visualizações na Filmoteca entre janeiro de 2013 a julho de 2019.

Seguiram para o Arquivo Público do Estado 276 caixas, 48 pacotes e dez caixas de originais de mapas dos acervos técnicos da Emplasa e do Grupo Executivo da Grande São Paulo (Gegran), criado em 1967 e substituído em 1975 pela Emplasa. Os documentos já encontram-se disponíveis para consulta no Arquivo Público, mas permanecerão guardados nas caixas e pacotes.

Os dois acervos técnicos contêm 3.316 relatórios técnicos e 5 492 mapas, gerados por 455 projetos executados pela Emplasa entre 1975 e 2019 e 269 relatórios técnicos e 798 mapas gestados por 55 projetos realizados pelo Gegran, que publicou em 1970 o primeiro Plano Metropolitano de Desenvolvimento Integrado da Grande São Paulo (PMDI-GSP).

Outras 141 caixas de livros e 101 de revistas do acervo bibliográfico da Emplasa foram transferidas à biblioteca do Metrô paulistano. Neste caso, o acervo, focado no planejamento regional integrado, será disposto nas prateleiras da biblioteca, mas ainda não se sabe quando estará disponível pra consulta do público. As referências bibliográficas do acervo da Emplasa já foram migradas para o software da biblioteca do metrô.

O que diz o governo de SP

A reportagem procurou mais de uma vez a SDR e a Secretaria de Governo (SG) para esclarecer dúvidas sobre o destino dos acervos e sistemas de informações gerenciados e atualizados pela Emplasa. Por meio da assessoria de imprensa, a SDR enviou uma nota genérica como resposta às sete questões remetidas.

De acordo com a nota, a decisão de transferir os acervos e sistemas de informações para outros órgãos “foi tomada a partir de análise técnica e, no processo de liquidação da Emplasa, os serviços ainda ativos foram desligados em definitivo na antiga empresa e estão em processo de reativação pelos órgãos que os receberam. Cabe a cada órgão planejar a rotina e o critério de atualização dos serviços.” A reportagem solicitou à SDR o envio do documento contendo a análise técnica mencionada, mas não houve retorno.

Já a SG, que coordena o processo de extinção da Emplasa, não informou e-mail para envio de perguntas para a pasta, comandada pelo vice-governador, Rodrigo Garcia (DEM). A reportagem informou um número de telefone para contato, que não ocorreu. Também não foi possível enviar as questões pela página “Fale Conosco” da SG, que apresentou falha técnica..

Na nota, a SDR confirmou a interrupção do contrato da Emplasa com o Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fehidro), que liberou R$ 14,2 milhões em 2014 para financiar o mapeamento do uso e ocupação do solo da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). “O Fundo, que atua por projetos, tomará as medidas necessárias para garantir a continuidade do mesmo, se for o entendimento de sua governança tripartite (Estado, Municípios e Sociedade Civil)”, conclui a nota. Em tese, a Emplasa deveria pagar R$ 4 milhões de multa, devido à suspensão unilateral do contrato.

Na imagem acima, Unidade de Documentação e Informações Técnicas (UDT) da Empresa Paulista de Planejamento Urbano (Emplasa), que teve suas atividades paralisadas a partir de 5/out/2019. Foto: Emplasa/divulgação..

Fonte: Direto da Ciência

Pesquisadores da USP organizarão arquivos da Justiça Federal

Autos judiciais e outros documentos dos séculos 19 e 20 serão organizados e disponibilizados para consulta

Text por Erika Yamamoto

A parceria foi formalizada com a assinatura do acordo de cooperação entre a USP e o TRF3, realizada no dia 14 de janeiro, na sede do Tribunal Regional Federal da 3ª Região – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Um projeto envolvendo a USP e o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) organizará o acervo arquivístico da guarda permanente do TRF3, da Justiça Federal de Primeiro Grau de São Paulo e da Justiça Federal de Primeiro Grau do Mato Grosso do Sul. O objetivo é preparar esse acervo para a consulta de pesquisadores, acadêmicos, magistrados e da sociedade em geral.

São aproximadamente 200 mil processos, autos judiciais e outros tipos de documentos dos séculos 19 e 20 que passarão por tratamento, análise científica, catalogação, digitalização e disponibilização para consulta presencial ou on-line.

Para a realização das atividades, será criado o Laboratório de Pesquisa Filológica da Justiça Federal, que promoverá exposições, ações educativas, palestras, oficinas e cursos. Também está prevista a criação de Centros de Documentação e Memória da Justiça Federal.

O projeto será coordenado por pesquisadores do Grupo de Pesquisa de Edição de Textos em Português da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH).

“Normalmente, as pessoas associam o curso de Letras apenas ao magistério. Um ponto interessante desse projeto é que ele mostra um aspecto muito pouco conhecido do curso, que é aquele ligado à cultura material e à memória”, lembrou o vice-diretor da FFLCH, Paulo Martins.

Parceria

A presidente do TRF3, desembargadora Therezinha Astolphi Cazerta, ressaltou a relevância do trabalho conjunto a ser realizado pelo Tribunal, pela Justiça Federal de primeiro grau e pela Universidade.

“Esse projeto é de extrema importância porque resgata a história da Justiça Federal, que será tratada cientificamente, com uma abordagem totalmente diferente, a partir da colaboração da Universidade, tratando os documentos e os nossos processos com as técnicas mais modernas”, afirmou.

A desembargadora acrescentou que a parceria possibilitará a construção de avançados Centros de Documentação e Memória, para a preservação adequada de documentos da história da Justiça Federal e do Brasil.

A partir da esquerda, Phablo Fachin, Therezinha Astolphi Cazerta, Vahan Agopyan, Paulo Martins, Luciana Zanoni, Ana Carolina do Amaral, Vanessa Martins do Monte – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Para o reitor Vahan Agopyan, a parceria mostra que a Universidade está empenhada em se aproximar cada vez mais da sociedade. “Essa é uma excelente oportunidade para que o conhecimento gerado na USP seja aproveitado por outros setores da sociedade, com um objetivo concreto, que, neste caso, é o de preservar o acervo histórico do Tribunal”, afirmou Agopyan.

Memória

O projeto surgiu a partir do trabalho da aluna de mestrado Ana Carolina Estremadoiro Prudente do Amaral, do Grupo de Pesquisa de Edição de Textos em Português. Durante sua pesquisa, ela analisou aspectos filológicos de um documento do TRF3, datado de 1821, e percebeu a importância daquele acervo para estudos e pesquisas em áreas como Direito, História, Letras, Sociologia, Antropologia e Arquivística.

“A importância desse estudo reside no fato de que as duas ciências, Filologia e Direito, se encontram justamente na análise de processos judiciais, já que, ao considerarmos tais documentos como fontes históricas, tanto de São Paulo e do Brasil quanto do Judiciário como um todo, e dos agentes que participaram daquela estrutura administrativa e judiciária, podemos auferir o que está no além-texto, na forma, nos anseios e nas relações estabelecidas na sociedade daquele período. É, justamente, conhecermos o ontem para entendermos o que está acontecendo hoje, e preservar essa memória é algo indispensável para o nosso futuro”, explica Ana Carolina.

Também estavam presentes na cerimônia de assinatura do acordo de cooperação entre a USP e o TRF3 a diretora do Foro da Justiça Federal de Primeiro Grau em São Paulo, Luciana Ortiz Tavares Costa Zanoni; os pesquisadores do Grupo de Pesquisa de Textos em Português, Phablo Roberto Marchis Fachin e Vanessa Martins do Monte; juízes e servidores da Justiça Federal.

Fonte: Jornal da USP

Acervo de Augusto Boal vai para o Museu Lasar Segall, em São Paulo

Texto por Nelson Gobbi

Dez anos após a morte do dramaturgo, suas obras ganha novas montagens de publicações, enquanto grupos ligados ao Teatro Oprimido fazem Festival no Rio

A pedagoga e “curinga” Maiara Caravlho, no interior do Centro do Teatro do Oprimido, na Lapa

RIO — Autor de 40 peças e 22 livros, traduzido para mais de 20 idiomas e estudado em universidades de todo o mundo por conta do método do Teatro do Oprimido, Augusto Boal (1931-2009) acaba de ter seu acervo transferido para São Paulo. Antes mantido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde o dramaturgo se formou em Engenharia Química na década de 1950, o material chegou anteontem ao Museu Lasar Segall, onde será incorporado à Biblioteca Jenny Klabin Segall, especializada em artes do espetáculo.

Após quase ser deslocado para a Universidade de Nova York, em 2011, o acervo foi abrigado pela Faculdade de Letras da UFRJ um ano depois. Desde então, boa parte do material foi digitalizado, como o conteúdo em áudio e em VHS e sua correspondência, sobretudo durante o exílio, entre 1971 e 1986. Um conteúdo que pode ser acessado pelo site do Instituto Augusto Boal, criado em 2010 e presidido pela viúva do dramaturgo, a psicanalista Cecilia Thumim Boal.

O Teatro do Oprimido caminha com suas próprias pernas. O meu foco é o resto da obra do Boal, que foi ofuscada pelo sucesso do método — comenta Cecília. — Ele era um super escritor, com experiências que vão da música à política. O interesse por estes outros aspectos também vem crescendo.

Desenvolvido por Boal nos anos 1960, método do Teatro do Oprimido segue sendo estudado por acadêmicos de todo o mundo e aplicado na prática por centenas de coletivos, nos cinco continentes, dez anos após a morte do dramaturgo. No Rio, a sua permanência pode ser vista no Centro do Teatro do Oprimido, que ocupa desde 1997 um casarão na Lapa, e nos 10 grupos com os quais trabalha, a exemplo das Marias do Brasil, composto por trabalhadoras domésticas, ou o Panteras, que reúne pessoas LGBTs moradores de favelas. Todos os grupos estão em cartaz no Festo, o Festival Teatro do Oprimido, em cartaz até amanhã, no CTO e nas Bibliotecas Parques do Centro, Manguinhos e da Rocinha.

Coordenadora do CTO entre 1994 e 2008, e uma de suas mais antigas curingas — como são chamados os multiplicadores do método — Bárbara Santos vê um avanço do método do Teatro do Oprimido na última década, sobretudo no Leste Europeu.

Vemos este movimento em países como Polônia, República Tcheca e Rússia, além da Ásia e no mundo árabe — diz Bárbara, que vive na Alemanha desde 2009, e é autora de três livros sobre o tema. — No Brasil, ele também passou a ser mais estudado, enquanto em outros países já era uma disciplina nas universidades.

Tal interesse é comprovado também nas livrarias: este ano, a Editora 34, que detém os direitos de sua obra, publicou uma nova edição de “Teatro do Oprimido e outras poéticas políticas”, de 1974. No primeiro semestre de 2020 será a vez “Teatro legislativo” (1996) ser reeditado. Para 2021, está prevista a publicação de uma seleção de suas peças e, para 2022, uma reedição de “Jogos para atores e não atores” (1992).

Especulação imobiliária preocupa

A atualidade de seus textos também poderá ser vista no palco. No ano que vem, a companhia paulistana Coisas Nossas de Teatro vai montar “O corsário do rei”, com direção de Dagoberto Feliz. A peça de 1985 é inspirada na figura real do corsário René Duguay-Trouin, que tomou o Rio de Janeiro em 1711 e conseguiu um “resgate” do Império Português para não queimar a cidade.

Ao mesmo tempo em que a obra segue atual, a nossa realidade permite leituras semelhantes às da época. Não é preciso nenhum esforço para atualizar a trama – aponta Dagoberto.

No espaço do CTO, cedido pelo governo estadual até setembro de 2020, o que preocupa é a especulação imobiliária: em janeiro, o Instituto Palmares de Direitos Humanos (IPDH) foi despejado de um de um dos casarões vizinhos, no Corredor Cultural da Lapa. O trabalho junto aos grupos é mantido pelo patrocínio da Petrobras, em vigor até janeiro.

Somos um grupo cultural com atuação em responsabilidade social, o que conta para o patrocínio. Existe uma cultura condicionada aos editais, mas sempre buscamos outras soluções, como cursos e residências – conta o jornalista Alessandro Conceição, curinga e coordenador do CTO.

Fonte: Jornal O Globo

A ética dos arquivos

Editora UFMG lança livro sobre tensão entre o direito à privacidade e o direito de acesso à informação no uso de documentos públicos

O inciso X do artigo 5º da Constituição Brasileira é claro: “são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas.” Contudo, é de igual clareza o inciso XIV: “É assegurado a todos o acesso à informação.” A relação conflituosa entre esses dois direitos – o direito de acesso à informação e o direito à privacidade – está no cerne do livro Sem consentimento: a ética na divulgação de informações pessoais em arquivos públicos, que acaba de ser lançado no Brasil pela Editora UFMG.

Publicado originalmente em inglês, em 1992, o livro de Heather MacNeil, professora da Faculdade de Informação da Universidade de Toronto, no Canadá, tem, na tensão entre esses dois direitos fundamentais,  o ponto de partida para a sua investigação teórica, que se interessa particularmente pelo papel de guardião que o arquivista exerce – um papel de “arconte”, para citar o termo apresentado pelo professor da Faculdade de Letras Reinaldo Marques, no livro Arquivos literários: Teorias, histórias, desafios.

Os arquivistas, como especialistas dos arquivos, figuram como mediadores dessa informação, assumindo responsabilidades diante dos produtores de documentos, mas também se apresentando zelosos do direito à privacidade e dos direitos dos cidadãos ao acesso às informações”, escreve a historiadora Georgete Medleg Rodrigues, professora do curso de arquivologia da Universidade de Brasília (UNB), na introdução à versão em português do livro de Heather MacNeil.

Precário equilíbrio

MacNeil trata de temas como a vigilância governamental, a evolução das tecnologias de informação e comunicação, a internet e a captação privada de informações pessoais, as legislações estadunidense e canadense relativas aos arquivos, o “direito ao esquecimento”, as leis de acesso à informação e suas implicações para o direito à privacidade e o papel dos arquivos na defesa dos direitos humanos (transparência administrativa, responsabilidade democrática, preservação das memórias individual e coletiva etc.), entre outros assuntos.

Parte do preço que pagamos para ser parte da comunidade é o sacrifício de algum grau de privacidade.”

Para a autora, a tarefa de contrabalancear perspectivas contraditórias continua sendo um desafio para o arquivista, considerando o seu papel de custodiador público de documentos. “Os esforços dos arquivistas para desenvolver políticas e procedimentos que reflitam um equilíbrio apropriado entre a privacidade e os interesses de pesquisa têm sido impedidos por vários fatores, entre os quais, estão: a pletora de restrições legais e administrativas que silenciam ou são ambivalentes quanto à questão do acesso para propósitos de pesquisa, a complexidade tecnológica dos ambientes de guarda de documentos e, talvez o mais debilitante, a ausência geral de autoridade do arquivista (tanto autoimposta como determinada externamente) para tomar decisões relativas ao acesso no caso de se tratar de documentos contendo informações pessoais, especialmente informações pessoais sensíveis.”

Com esse desafio em vista, a autora apresenta, no último capítulo do livro, as suas propostas de gestão do acesso às informações pessoais em arquivos públicos. “Parte do preço que pagamos para ser parte da comunidade é o sacrifício de algum grau de privacidade”, escreve MacNeil. “O problema torna-se, então, o de contrabalancear os seguintes fatores: a reivindicação do indivíduo à privacidade, a pretensão do Estado em regular a conduta para o bem coletivo, a reivindicação de outros indivíduos para exercer seus direitos legítimos e a necessidade do próprio indivíduo de participar de comunidades mais amplas”, conclui a autora

Ewerton Martins Ribeiro

Fonte: UFMG

“O arquivo tem que se tornar imprescindível” diz Fernando Padula sobre os desafios na preservação de acervos documentais

 

A UNESCO no Brasil, em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, realizou no dia 21 de novembro o Encontro Patrimônio Documental de São Paulo. O evento tratou dos principais desafios para a preservação dos acervos documentais com a participação de representantes do Arquivo Público do Estado de São Paulo, da Biblioteca Nacional Digital, do Centro Cultural São Paulo, da Associação Brasileira de Preservação Audiovisual (ABPA), do Departamento de Cultura da Câmara do Comércio Árabe-Brasileira, da  TV Cultura, entre outros.

Esse é um passo fundamental na gestão dos arquivos históricos, tanto para preservação como para garantir o acesso da população a esse patrimônio. O evento contribui para avançarmos na troca de conhecimento e experiências”, destaca o coordenador de Comunicação e Informação da UNESCO no Brasil, Adauto Cândido Soares.

Fernando Padula, coordenador do Arquivo Público do Estado de São Paulo, acredita que a política de gestão documental é fundamental para preservar os arquivos, principalmente os natos digitais. “O arquivo tem que se tornar imprescindível para a administração pública”.

O coordenador da Biblioteca Nacional Digital, Joaquim Marçal, ressalta que a questão dos repositórios digitais são de extrema importância neste processo. Aponta como caminho o trabalho em redes e cita o projeto “Brasiliana” [Brasiliana Fotográfica e Brasiliana Iconográfica] desenvolvido em conjunto com o Instituto Moreira Salles, integrando outras instituições.

A imprensa, pela sua natureza fiscalizadora e informativa, é uma das grandes interessadas na utilização destes acervos, e tem a função de sensibilizar a sociedade e os poderes para a importância da preservação e ao acesso público a estes arquivos.

Fonte: Portal Imprensa

Palestra “Arquivo do Futuro: entorno digital de preservação”

Garantir o acesso e a seguridade das informações de todo e qualquer patrimônio cultural nos meios digitais é o princípio da preservação digital.

Pensando em conscientizar a sociedade da importância desses arquivos, a Unesco criou uma data itinerante sobre o tema, mobilizando o mundo inteiro.

Neste ano, o Dia Mundial da Preservação Digital acontece no dia 7 de novembro, e o professor da FESPSP, Charlley Luz, estará na Unifesp para falar sobre “Arquivo do futuro: entorno digital de preservação”. O evento começa às 9h e contará com outras apresentações relacionadas ao tema.

O evento tem entrada gratuita. Participe! O Antiteatro Unifesp fica na Rua Sena Madureira, 1500.

Arquivo público de Ouro Preto, criado em 1751, guarda relíquias do Brasil Colônia

Primeiro do tipo a ser instalado no país, espaço mantém acervo raro de registros administrativos que detalham crescimento da cidade mineiraTexto por Gustavo Werneck

Kátia Campos e Helenice de Oliveira, do Arquivo Público de Ouro Preto, destacam a relevância histórica da preservação do acervo(foto: FRED BOTTREL/EM/D.A PRESS)

Um sobrado colonial localizado bem diante da Igreja São Francisco de Assis, no Centro Histórico, guarda acervo pioneiro no Brasil e fundamental para a história da cidade que, em 2020, vai festejar 40 anos como Patrimônio da Humanidade. Com cerca de 2 mil livros, o Arquivo Histórico do Município de Ouro Preto reúne documentos de meados do século 18 aos dias atuais, com movimento crescente de interessados em pesquisas e consultas, conta a diretora do setor vinculado à Secretaria de Cultura e Patrimônio, Kátia Maria Nunes Campos.

Foi num livro de acórdãos (leis locais) da antiga Câmara, contendo manuscritos do século 18, que Kátia e sua equipe encontraram a “certidão de nascimento” da instituição dedicada exclusivamente à administração municipal: em 11 de agosto de 1751, os vereadores aprovaram a proposta “para organizar, manter e conservar a documentação produzida”, informa Kátia ao lado da coordenadora do setor, Helenice Afonso de Oliveira. A equipe se completa com a especialista em arquivologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Polyana Renata de Oliveira.

O secretário municipal de Cultura e Patrimônio, Zaqueu Astoni Moreira, planeja a modernização do arquivo, de forma especial a digitalização dos documentos. Para tanto, será feita a captação de recursos. Outra iniciativa se refere à climatização do acervo, para melhores condições dos livros, mapas, atas plantas e outros, além do desenvolvimento de programa de educação patrimonial, dando condições às escolas de conhecer parte da história e visitar a instituição muito mais antiga do que o Arquivo Nacional, de 1838, criado como Arquivo Público do Império.

O município, que em 2020 completará 40 anos do título de Patrimônio da Humanidade, captará recurso para digitalizar os documentos(foto: FRED BOTTREL/EM/D.A PRESS)

O Arquivo de Ouro Preto foi o primeiro do gênero, administração municipal, a ser criado formalmente no país por um instrumento governamental. Os vereadores aprovaram a proposta do procurador Manoel da Costa Coelho. Talvez o zelo dos primeiros tempos explique porque Ouro Preto seja a única cidade brasileira a poder acompanhar, dia a dia, ano a ano, todas as sessões já realizadas desde a primeira delas, em 1711”, explica Kátia, formada em história e mestre e doutora em demografia, pela Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG, com especialização em populações históricas e urbanismo colonial.

Detalhes sobre a cidade

Na sala envidraçada da chamada Casa de Gonzaga – referência a Tomas Antonio Gonzaga (1744-1810), que foi ouvidor de Vila Rica antes de se tornar inconfidente –, Kátia e Helenice mostram os documentos atraentes tanto pelas informações preciosas para pesquisadores como pela beleza plástica, com riqueza de detalhes, que não deixam ninguém indiferente.

Exemplos estão na planta topográfica de Vila Rica (1808), em tom sépia; no Plano de Melhoramentos da Cidade de Ouro Preto (1892), que traça a reurbanização de Vila Rica na tentativa de se manter como capital de Minas (em 1897, o “posto” foi ocupado por Belo Horizonte); e até a planta de esgoto sanitário, com estação de tratamento que ficava na localidade de Barra e da qual há resquícios.

No fim do século 19, a documentação colonial e do Primeiro Império (1822-1831) foi reunida para integrar o acervo de um arquivo histórico abrangendo toda Minas Gerais, mas, com a mudança da capital para BH, apenas poucos volumes ficaram em Ouro Preto.

Assim, o “corpo documental colonial da cidade” teve grande parte transferida para o Arquivo Público Mineiro (APM), em BH, vinculado à Secretaria de Estado da Cultura e Turismo. Entre a paisagem colonial, vista da janela do sobrado, e os documentos históricos sobre a mesa, Kátia destaca a série de tombos que atestam, passo a passo, o crescimento e a formação do casario e o traçado atual do Centro Histórico. “Dessa forma, é possível acompanhar todas as políticas urbanas e a evolução da região, desde uma simples abertura de rua à urbanização e desenho da Praça Tiradentes, ocorrida na década de 1740.”

Livro de Acórdãos traz manuscritos do século 18 e marca a ‘data de nascimento’ do órgão que preserva a história da evolução da cidade(foto: FRED BOTTREL/EM/D.A PRESS)

Sistema eleitoral do Império

Em oposição à lacuna deixada pela documentação do século 18, custodiada pelo APM, nosso acervo provincial do século 19 é um tesouro de informações na administração dos conceitos de modernidade e ciência, sendo notáveis as questões referentes a educação, industrialização, sanitarismo e saúde”, explica a diretora, enquanto Helenice, graduada em história pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), ressalta outra série importante e fartamente documentada referente ao sistema eleitoral e eleitores do período imperial.

“Talvez o zelo dos primeiros tempos explique porque Ouro Preto seja a única cidade brasileira a poder acompanhar todas as sessões já realizadas, desde a primeira delas, em 1711”

Kátia Maria Nunes Campos, diretora do arquivo

Por meio do acervo, o interessado vai saber que Ouro Preto foi cidade pioneira em vacinação, na criação de cavalos e oferta de touros selecionados, introdução de sementes melhoradas e rentáveis, abastecimento privado de água encanada, tratamento de esgoto (1860-1870), iluminação elétrica doméstica e pública (a partir da criação da Escola de Minas, em 1876), sendo parcialmente instalada na década de 1880 e urbanismo, com alteração de leis construtivas e de retificação de ruas.

Os documentos atestam a modernidade. “Em 1897, já se encontram referências de ligações telefônicas em uma minúscula rede restrita à cúpula governamental. O mundo do trabalho e serviços é revelado pelas séries fiscais que abrangem as atividades econômicas desde doutores aos mais simples vendedores de capim e linha, livres e escravos”, afirma Kátia.

40 anos de Patrimônio da Humanidade

No ano quem vem, Ouro Preto, na Região Central, vai comemorar os 40 anos do título de Patrimônio da Humanidade – foi a primeira cidade do país a receber a chancela, para um bem cultural, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e Cultura (Unesco) – e lembrar os 300 anos da Sedição de Vila Rica, que marca o nascimento de Minas Gerais, com a criação a Capitania de Minas e teve como expoente Filipe dos Santos (1680-1720). Lendas e fatos históricos povoam a história de Filipe dos Santos e em seu livro Ouro Preto – um novo olhar, o professor de história da arte Alex Bohrer explica os acontecimentos.

Ouro Preto lançará campanha de arrecadação de recurso para digitalizar o acervo do arquivo(foto: FRED BOTTREL/EM/D.A PRESS)

 

Em 1720, o governo português propôs a instalação de casas de fundição em Minas. Isso gerou descontentamento geral entre os mineradores. Logo começaram manifestações pelos arraiais da região. O ponto alto da revolta aconteceu na Praça da Matriz de Cachoeira do Campo, onde Filipe dos Santos, um dos líderes sediciosos, apregoava forte discurso contra o governo português. No adro da igreja foi preso e levado para Vila Rica, onde foi enforcado e esquartejado na presença do governador, o conde de Assumar.”

O autor explica que “ao contrário do que diz a história oficial, a tradição local conta que Filipe foi arrastado por cavalos pela Ladeira (atual Rua Padre Afonso de Lemos), onde foi esquartejado sem julgamento prévio. De qualquer forma, a praça principal de Cachoeira (local da prisão e onde ficou exposta uma parte do corpo do condenado) hoje leva o nome de Filipe dos Santos”. E mais: “O Conde de Assumar, após esse episódio, sugeriu ao Rei de Portugal a separação das Minas e São Paulo (que até então formavam uma só capitania). Era o nascimento de Minas Gerais.

Fonte: Estado de Minas

Arquivos eclesiásticos possuem valor histórico e merecem proteção

Foto: Divulgação TRT4

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) respondeu na 297ª Sessão Ordinária à Consulta 0002257-61.2019.2.00.0000, sobre determinações judiciais para alteração e retificação de registros dos sacramentos nos livros da Igreja Católica, como batismo, casamento e outros. O Plenário foi unânime sobre a necessidade de cumprimento das sentenças sem, no entanto, sujeitar os livros à descaracterização ou destruição material.

O relator, conselheiro Márcio Schiefler Fontes, destacou a premissa da obrigatoriedade de cumprimento das sentenças judiciais, em razão de mandamentos extraídos diretamente da Constituição da República. Por outro lado, a própria Constituição (art. 23, III e IV e art. 216) e as normas inferiores definem os documentos citados na consulta, sob a guarda da Igreja Católica, como patrimônio histórico e cultural brasileiro e impõem o dever de proteção dos livros, que foram mantidos durante séculos, quando o país sequer contava com cartórios de registros públicos.

Assim, os livros não podem estar sujeitos a descaracterização ou destruição material. Para conciliar as previsões constitucionais de proteção ao patrimônio histórico e cultural e a obrigatoriedade de obediência às decisões judiciais, o relator finalizou o voto com a conclusão de que a instituição religiosa obedeça às sentenças “mediante juntada, averbação e/ou anotação dos atos judiciais, de forma que fiquem preservados os documentos eclesiásticos em sua originalidade e inteireza, para fins de certificação posterior inclusive”.

Cidadania estrangeira

A consulta foi formulada em razão do aumento da quantidade de pedidos de alteração ou retificação dos registros sacramentais da Igreja Católica para obtenção de cidadanias estrangeiras por brasileiros. Em 2018, o Consulado Geral da Itália em São Paulo registrou quase 10 mil pedidos de reconhecimento de cidadania. O Consulado de Portugal, país com maior número de pedidos de reconhecimento, registrou mais de 12 mil, apenas naquele estado.

A conselheira Candice Galvão Jobim votou pelo não conhecimento da consulta por considerar que a matéria não é de competência do CNJ. Os demais conselheiros seguiram o voto do relator.

Fonte: Conselho Nacional de Justiça

El increíble archivo de más de 3 millones de discos que preserva vinilos históricos en la era digital

Es la colección de música pop más grande de Estados Unidos. Grandes estrellas de la música apadrinan el lugar ubicado en Tribeca.

Bob George, cofundador y director del Archivo de Música Contemporánea ubicado en Tribeca, Manhattan. Foto: AFP
Bob George, cofundador y director del Archivo de Música Contemporánea ubicado en Tribeca, Manhattan. Foto: AFP

La aguja cae y la oscura banda The Motifs resuena entre montañas de discos en un archivo húmedo que alberga la colección de música pop más grande de Estados Unidos. Esta biblioteca privada independiente, conocida como ARChive of Contemporary Music (Archivo de Música Contemporánea) en una calle del barrio Tribeca del bajo Manhattan, tiene más de tres millones de discos, la mayoría de vinilo y algunos CDS y casetes, sin mencionar la vasta colección de recuerdos.

“Estás constantemente descubriendo cosas que no conocerías”, dijo a la agencia de noticias AFP su confundador Bob George, desde su escondite detrás de las estanterías.

En una época dominada por el streaming y la efímera utilización de los medios digitales, lugares como ARChive pueden ser vitales para la preservación física de copias que pueden ser claves para escuchar esa música en el futuro.

Ni hablar si en algún momento de la historia, por algún motivo que ahora no podríamos identificar, Internet se cae a nivel global. ¿Podremos permitir que ese hipotético futuro se juegue ahí también la suerte de toda o buena parte de la música grabada?

La noticia durante el verano boreal de que unas 500.000 grabaciones de leyendas como Billie Holiday, Louis Armstrong, Joni Mitchell y Eric Clapton fueron destruidas en un incendio en Universal Studios en 2008 puso de manifiesto la importancia de salvaguardar las copias físicas.

“Estás constantemente descubriendo cosas que no conocerías”, dice Bob George, director del archivo. Foto: AFP

Algo del trabajo perdido incluye másters de grabaciones, que son la materia prima para reediciones y publicaciones póstumas.

Aunque nada puede reemplazar un máster perdido, George dijo que las disqueras han pedido de su archivo para escuchar versiones tan cercanas al original como sea posible. Dos discos de una reedición de la difunta superestrella nigeriana Fela Kuti, por ejemplo, fueron hechos de vinilos que pertenecen al ARChive.

“Tratar de mantener una colección intacta es verdaderamente importante”, dijo George, que inició el archivo en 1985.
En un momento, el archivo obtuvo 125.000 discos LP de rock clásico, unos 1.500 de ellos firmados por artistas incluido Jimi Hendrix, de una casa en Boston que fue declarada inhabitable después de que se descubrió que literalmente se estaba hundiendo por el peso de los vinilos.

Bob George en su oficina, con algunas tapas de vinilos emblemáticas. Foto. AFP

Contrariamente a la reputación esnob que suele atribuirse a coleccionistas y curadores, el ARChive recibe con los brazos abiertos todo lo que esté relacionado de manera esencial con la música pop, que se define como “no clásica”.

Este lugar depende de las donaciones, especialmente de músicos famosos, para pagar el alquiler cada vez mayor en uno de los códigos postales más caros del país.

Entre sus primeros partidarios se encontraban Laurie Anderson -a quien George presentó a quien sería su futuro esposo, Lou Reed- así como Nile Rodgers, conocido por éxitos como “Le Freak” de su banda de disco Chic, cuyas partituras originales están en el ARChive.

Los actuales integrantes del consejo directivo incluyen a Rodgers, Youssou N’Dour, Martin Scorsese y Paul Simon, mientras que Reed y David Bowie son miembros eméritos.

Actualmente, la gigantesca colección, que es mantenida por George y por voluntarios y pasantes que entran y salen, en especial se utiliza para la investigación por parte de la industria discográfica, así como de cineastas e investigadores.

El archivo también incluye pósters de músicos de todos los tiempos, entre ellos el anuncio de un show de Jimi Hendrix y Soft Machine. Foto. AFP

El Museo del Grammy, por ejemplo, una vez acudió a George porque necesitaba 3.000 sellos discográficos y portadas para los gráficos.

“Puedes venir con nosotros y decir necesito 3.000 cosas en dos semanas y hay una buena posibilidad de que las tengamos casi todas”, dijo.

Aunque George ve la preservación física como una labor vital, dijo que “todo es fugaz” ante la perspectiva del desastre.

El ARChive esta trabajando con el Internet Archive, una organización sin fines de lucro con sede en San Francisco, para empezar la digitalización, y mantener “tantas cosas en tantos lugares como sea posible”.

Unos 130.000 discos de 78 rpm, vinilos quebradizos hechos generalmente de resina, populares hasta mediados del siglo XX, han sido digitalizados hasta ahora, por ejemplo, y están disponibles para su transmisión gratuita en línea, dijo George.

“Las bibliotecas arden”, dijo y agregó: “Siendo realistas, dentro de 5.000 años todo esto será polvo. Hacés lo mejor que podés, sabés que la migración sucederá, que pasará a la siguiente etapa, que pasará a la siguiente forma de ser preservada, pero es impredecible”.

PS

Fonte: Clarín

Governo Bolsonaro autoriza a queima de documentos originais, por Charlley Luz

O PL 7920, também conhecido como “PL da Queima de Arquivo”, da mesma forma que a MP, autorizava a destruição de documentos originais após a digitalização, desconsiderando os riscos de fraudes do processo de digitalização, além de ser economicamente errada.

Governo Bolsonaro autoriza a queima de documentos originais

por Charlley Luz

A Medida Provisória (MP) 881, chamada de “MP da Liberdade Econômica” ou “Declaração de Direitos de Liberdade Econômica”, trouxe a desregulamentação de uma série de instrumentos que garantiam a segurança jurídica em diversas relações, como trabalhistas e econômicas. Mas uma importante regulamentação foi pouco comentada. A MP881 aprovada pela Câmara e Senado também decidiu sobre a digitalização de documentos, projeto de lei que tramitava sob o número 7920/17 e que foi desconsiderado pelo governo.

O PL 7920, também conhecido como “PL da Queima de Arquivo”, da mesma forma que a MP, autorizava a destruição de documentos originais após a digitalização, desconsiderando os riscos de fraudes do processo de digitalização, além de ser economicamente errada. Isto porque estimula a impressão de documentos, ao invés da criação de documentos que já nasçam no ambiente digital.

O GGN prepara uma série de vídeos sobre a interferência dos EUA na Lava Jato e a indústria do compliance. Quer se aliar a nós? Acesse: www.catarse.me/LavaJatoLadoB

No Art. 3 da MP aprovada, no inciso X, é autorizado arquivar qualquer documento por meio de microfilme ou por meio digital, conforme técnica e requisitos estabelecidos em regulamento, hipótese em que se equiparará a documento físico para todos os efeitos legais e para a comprovação de qualquer ato de direito público.

Com este artigo, a MP que tratava só de documentos empresariais abarcou também os documentos públicos. Além disso, deixa em aberto a forma de regulamentação, principalmente em relação à técnica e requisitos que estão abertos a todo tipo de interpretação.

Assim a MP define que, para documentos particulares, a segurança jurídica se dará por qualquer meio de comprovação da autoria e integridade. E mais, é válido para a confidencialidade de documentos em forma eletrônica, desde que escolhido de comum acordo pelas partes ou aceito pela pessoa a quem for oposto o documento.  Porém a lei não define o que ocorre se houver reclamação em relação ao documento. Ou seja, a lei cria a insegurança jurídica na prática.

Outro erro básico da MP 881 é em relação à certificação da digitalização, que afirma que empregar o uso da certificação no padrão da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil) terá garantia de integralidade, autenticidade e confidencialidade para documentos públicos e privados. A integridade não pode ser definida por um certificado, pois este diz respeito ao processo de scanner e não à produção do documento original. O mesmo ocorre com a autenticidade que só pode ser verificado com um original. O documento natodigital já conta com isto em seus metadados, mas o digitalizado não contém estas qualidades.

Para poder queimar os arquivos, foi necessário alterar uma série de leis já existentes, como forma de autorizar a eliminação de originais. Entre elas a Lei nº 12.682, de 9 de julho de 2012, que incorpora os documentos públicos ou privados, compostos por dados ou por imagens. Afirma, ainda que após a digitalização, constatada a integridade do documento digital nos termos estabelecidos no regulamento, o original poderá ser destruído, ressalvados os documentos de valor histórico, cuja preservação observará o disposto na legislação específica. Não existe hoje, na legislação brasileira, nada que defina o que é documento histórico.

Além disso, a MP tira do ministério da justiça (e do arquivo nacional) a prerrogativa de regulamentação. Esta passa ao ministério da Economia, por meio de ato do Secretário de Governo Digital da Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, que estabelecerá os documentos cuja reprodução conterá código de autenticação verificável.

Outro ponto que a MP fez, foi jogar no colo do mercado de tecnologia a definição de metodologias e técnicas, em detrimento às pesquisas científicas realizadas nas universidades. A lei afirma que é lícita a reprodução de documento digital em papel que contiver mecanismo de verificação de integridade, na maneira e com a técnica definidas pelo mercado. Assim, além de transferir uma boa área de lucro nas definições de produtos tecnológicos, a lei que veio para diminuir os custos de impressão incentivará a impressão em papel dos documentos digitalizados, agora em cópias infinitas visto que basta ter a assinatura eletrônica para ser considerado verdadeiro.

Por último, valerá apenas assinaturas eletrônicas pagas, não valem assinaturas definidas pelas instituições em seus sistemas próprios, visto que a lei diz que para documentos públicos será usada apenas certificação digital no padrão da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil).

Assim, o governo agora pode queimar documentos originais, pagar caro para digitalizar estes documentos e autenticar, pagar para imprimir de novo como previsto na MP881 e tudo regulado pelo mercado que vai definir preços e tecnologias com poder concedido por lei. Em época de Amazônia sendo queimada, o papel que vem das árvores volta a ser uma tecnologia de ponta do governo, que gastará muito mais com seu projeto esquizofrênico de digitalização.

*Charlley Luz é arquivologista, mestre em Ciência da Informação (ECA-USP) e coordenador dos cursos de pós-graduação em Gestão Arquivística, Gestão da Informação Digital e Gestão de Serviços da Informação na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP).

Fonte: Jornal GGN

IV Simpósio Arquivos & Educação

Local: Arquivo Nacional – Rio de Janeiro, RJ

Data: 16 de setembro de 2019, 10h – 18 de setembro de 2019, 18h

Participação: Grátis
Inscrições até 15/09/2019
Apresentação de Trabalho: Inscrições até 31/08/2019
Apresentação de Poster : Inscrições até 08/09/2019

IV Simpósio Arquivos & Educação

Arquivos e temporalidadespercepções do tempo nas práticas em educação e arquivos

Tais arquivos, quais temporalidades? Que engendramentos do tempo emergem nas práticas em educação e arquivos? Vivemos de forma naturalizada práticas educacionais em arquivos que se sustentam em concepções de tempo e de escrita da história herdadas do historicismo e de visões positivistas, etapistas, evolucionistas de percepção do tempo, erigidas desde o século XIX, enraizadas socialmente na escola, nas mídias e em outros espaços formais e não formais de produção de conhecimentos históricos. Queremos chamar a atenção para as possibilidades de outras sensibilidades relativas ao tempo abertas pela experiência nos arquivos, a contrapelo das produções hegemônicas. Convidamos educadores, arquivistas, professores, pesquisadores e profissionais que trabalham nos e com os arquivos à proposição de comunicações e à reflexão sobre as experiências dos sujeitos, em contextos de leitura e significação de documentos de arquivo, que valorizem sua apropriação singular dos registros documentais, na ressignificação do presente, em diálogo com tais registros.

Realização:
Arquivo Nacional / Ministério da Justiça
Grupo de Pesquisa Arquivos, Educação e Práticas de Memória: diálogos transversais

Cronograma:

08/09/2019  – Data limite para entrega do resumo de 200 (duzentas) a 300 (trezentas) palavras. (Ver Modelo / Template).

Enviar para o e-mail: arquivoeeducacao@gmail.com

31/10/2019 – Entrega do artigo  (Ver Modelo / Template)

Enviar para o e-mail: arquivoeeducacao@gmail.com

Modelo para Resumo e Artigo: https://drive.google.com/file/d/1HmefJ9MEUUpURRDXMIalFC9gyfJW_9eB/view?usp=sharing

Modelo para Poster: https://drive.google.com/file/d/1lEKyzK7XQxouy07iB8IaD5rmPbZNObYF/view?usp=sharing

Mais informações: https://www.sympla.com.br/iv-simposio-arquivos–educacao__592001?fbclid=IwAR0C6vG7YXPQUMOSoWklJE3lJegvpLFRtpjO6jMWwfMtO7HwJFhbHrE49C8

13º Encontro Nacional de Arquivos Municipais já disponível

Num momento em que se anunciam mudanças estruturais nas autarquias no âmbito da gestão da informação decorrentes dos desafios da desmaterialização, importa refletir sobre as novas formas de arquivo que impõem um acesso mediado pela tecnologia.

Neste contexto, assumem particular relevo os cuidados a ter para garantir o acesso continuado à informação de arquivo, sendo que as formas de representação da informação, a preservação digital e o projeto da nova Portaria de Gestão Documental, contribuirão de forma definitiva para esse propósito.

A Associação, através do seu Grupo de Trabalho de Arquivos Municipais e a Câmara Municipal de Cascais, vão organizar nos próximos dias 18 e 19 de outubro, em Cascais o 13º Encontro Nacional de Arquivos Municipais.

Esta nova edição que conta com especialistas nacionais e internacionais apresenta-se como uma oportunidade para refletir sobre as soluções que permitam às autarquias preparar-se para os desafios do novo paradigma dos seus arquivos.

Consulte o programa e inscreva-se já!

 

III Encontro “Arquivos pessoais: experiências, reflexões, perspectivas” – Chamada de Trabalhos

Estão abertas as submissões de trabalhos para o

III ENCONTRO 

“ARQUIVOS PESSOAIS: EXPERIÊNCIAS, REFLEXÕES, PERSPECTIVAS”

São Paulo, 5 e 6 de dezembro de 2019

 A Associação de Arquivistas de São Paulo convida a comunidade de profissionais, pesquisadores e estudantes a compartilhar suas iniciativas, apresentando estudos de caso, relatos de experiências e informes de pesquisa nos painéis de comunicações livres. Os trabalhos selecionados serão publicados em livro editado pela ARQ-SP. 

 

Submissões abertas até o dia 15 de setembro

 

Informações sobre o evento e diretrizes para os autores

www.arqsp.org.br

SOBRE O MITO DA NEUTRALIDADE EM BIBLIOTECAS, ARQUIVOS E MUSEUS

As instituições de memória precisam colocar em discussão as percepções internas e externas sobre sua neutralidade e nós precisamos chegar a uma conclusão sobre o que isto significa

MPDFT e MPMG deflagram operação “Páginas Históricas”

A Operação tem como objetivo recuperar documentos históricos que foram retirados do Arquivo Público Mineiro, em Belo Horizonte

Texto por Aline Rocha

Nesta quinta-feira (18) o Ministério Público do Minas Gerais (MPMG) recebeu o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) para deflagrar a operação “Páginas Históricas”.

A Operação tem como objetivo recuperar documentos históricos que foram retirados do Arquivo Público Mineiro, em Belo Horizonte. A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) e os Ministérios Públicos do Rio de Janeiro (MPRJ), do Rio Grande do Sul (MPRS) e Militar (MPM) também deram apoio à operação.

De acordo com as apurações feitas pelo MPMG, centenas de arquivos foram subtraídos, como decretos e editais do período imperial que foram vendidos, principalmente, por meio de leilões pela internet. Apenas em Brasília, dois documentos históricos foram apreendidos.

Mandados de apreensão foram cumpridos em Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Quatis (RJ), Pelotas (RS) e Campo Bom (RS), além do mandado de prisão do principal suspeito da prática do crime. Após análise dos documentos e, comprovada a autenticidade, eles serão devolvidos ao local de origem.

Com informações do MPDFT

Fonte: Jornal de Brasília

Unimar e Unesp promovem 3ª Semana Nacional de Arquivos

Da assessoria

O Centro de Documentação da Universidade de Marília (Unimar) em parceria com o Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista (Unesp) participou da 3ª Semana Nacional de Arquivos, abordando os processos arquivísticos e as ações desenvolvidas para a gestão de documentos e informações.

De acordo com a Pró-Reitora de Pesquisa, Pós-Graduação e Ação Comunitária, Fernanda Mesquita Serva, é um privilégio a Universidade poder promover conhecimento à comunidade através da Jornada. “É uma honra para a Universidade de Marília realizar importantes debates em parceria com a Unesp e qualificar os nossos colaboradores, acadêmicos e toda a comunidade”, celebra.

Segundo o Diretor da Unesp Marília, Marcelo Tavella Navega, a união das Instituições de Ensino engrandece o conhecimento e beneficia a comunidade. “Unir esforços contribui para o bem da ciência e para o desenvolvimento tecnológico. A Unimar e a Unesp são parceiras em vários momentos contribuindo no ensino, pesquisa e crescimento dos nossos acadêmicos”, ressalta.

Promovida pelo Arquivo Nacional e a Fundação Casa de Rui Barbosa, a jornada tem o objetivo de discutir a importância dos arquivos frente aos avanços tecnológicos. Este ano o tema foi “Desenhando Arquivos”. Para a arquivista do Centro de Documentação da Unimar, Danila Alencar, os registros são partes primordiais das instituições públicas e privadas e precisam ser compreendidos.

“Os acervos são reflexos das ações humanas, quer sejam administrativas, culturais e políticas. São eles que vão garantir a memória de um povo e incentivar à produção de conhecimento científico e cultural. A Semana é uma oportunidade de fortalecer vínculos institucionais e divulgar as ações desenvolvidas”, explica Danila.

A segurança dos arquivos com a tecnologia moderna foi um dos assuntos abordados pelos palestrantes. Para o docente da Unesp, José Augusto Chaves Guimarães, a tecnologia desafiou aos arquivistas a promoção de segurança. “A vulnerabilidade dos dados pessoais é um dos maiores desafios do arquivista, na atualidade, porque estão cada vez mais vulneráveis a todo monitoramento e a todo um uso indevido”, diz.

Complementando o debate, o docente da Unesp, Ricardo César Gonçalves Sant’Ana, citou sobre o ciclo da vida dos dados e a atuação do arquivista. Para ele, após o avanço da tecnologia ficou ainda mais essencial a atuação do profissional . “Atualmente não conseguimos mais ter contato direto com o conteúdo, as relações são mediadas por softwares, e é necessário disseminar a informação e aumentar a assimetria informacional para evitar problemas para as organizações”, enfatiza.

Finalizando o debate, a Chefe do Departamento de Ciência da Informação, Maria Leandra Bizello, ressaltou o quão importante é dar visibilidade aos arquivos. “Precisamos chamar a atenção da sociedade para estas questões e ver a real importância da documentação e da informação que não é para um para outro, e para todos”, finaliza.

Fonte: Jornal do Povo

Workshop GIDJ-SP/CRB-8: Repositório Arquivístico Digital Confiável: difusão e preservação da informação jurídica em espaços digitais

Clique na imagem para realizar a inscrição

Resumo:

Será apresentado um breve panorama dos principais desafios e  barreiras impostas para a preservação digital a longo prazo e a necessidade de implementação de repositórios digitais confiáveis para assegurar a manutenção dos atributos do documento arquivístico digital: identidade, integridade (autenticidade) e organicidade. Serão evidenciados as principais recomendações e estratégias de preservação digital a longo prazo, bem como a importância dos padrões de metadados para identificar, descrever e representar e preservar os atributos dos objetos digitais. E por fim serão estabelecidos as diretrizes para a implementação de repositórios digitais confiáveis para documentos arquivísticos com base nos padrões e normas utilizadas pela comunidade arquivística nacional e internacional a partir do modelo de referência OAIS (Open Archival Information System/(SAAI) Sistema Aberto para Arquivamento de Informação) – esquema conceitual para orientar estratégias em torno da preservação digital em longo prazo, além dos referenciais normativos (Resolução 43 Conarq; ABNT 15472; e-Arq Brasil; NOBRADE e ISO 16363. E para finalizar, será apresentado os requisitos técnico-funcionais das plataformas Dspace e ICA-AtoM, responsáveis pela difusão e acesso e o Archivematica para a preservação digital a longo prazo dos objetos digitais.


Mini Curriculum do Palestrante

Doutor em Ciência da Informação pela Universidade de São Paulo – ECA/USP. Mestre em Ciência da Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas – PUC e bacharel em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FaBCi-FESPSP. Consultor no segmento de Gestão Documental GED/ECM e Sócio da Soluarq – Soluções em Gestão da Informação.

IX Encontro de Arquivos Científicos

Chamada aberta para a submissão de trabalhos referentes a dados abertos da pesquisa científica e sua implicação para os sistemas de informação

  • Criado: Terça, 14 de Maio de 2019, 14h53
  • Acessos: 72

Estão abertas as inscrições à submissão de trabalhos para o IX Encontro de Arquivos Científicos, promovido pelo Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) e a Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), por meio dos seus respectivos Programas de Pós-Graduação em Preservação de Acervos de Ciência e Tecnologia (PPACT), e em Memória e Acervos. A iniciativa acontece 12 e 13 de setembro, e tem como tema Os arquivos como instrumento de acesso à ciência: perspectivas sobre dados de pesquisa, repositórios institucionais e acesso.

O encontro visa debater questões sobre dados abertos da pesquisa científica e sua implicação para os sistemas de informação, no que se refere à gestão, organização e preservação. Também serão abordadas questões que envolvam a utilização de bases de dados com informações sobre as pesquisas ou aquelas decorrentes de projetos de pesquisa, questões de acesso e consequências, e a atuação dos profissionais da informação e arquivistas.

Os trabalhos a serem submetidos devem estar de acordo com as temáticas Repositórios institucionais e documentos de pesquisa: desafios e perspectivas e Acesso Aberto e investigação científica: impactos para os arquivos e para os pesquisadores. Os projetos devem ser enviados para o e-mail: encontrodearquivoscientificos@gmail.com até o dia 23 de junho com a Ficha de Inscrição devidamente preenchidas e assinadas.

Para mais informações acesse o site do evento.

O Encontro de Arquivos Científicos é uma parceria entre o MAST e a FCRB que, desde 2003, promovem o debate entre profissionais no âmbito da preservação de documentos produzidos no âmbito da ciência e tecnologia. A iniciativa está em sua nona edição e já se consolidou como um espaço de discussão de ideias e disseminação de saberes no campo das atividades dos arquivos científicos, particularmente sua organização e disponibilização de suas informações ao público em geral.

O IX Encontro de Arquivos Científicos

Inscrição dos trabalhos: 14 de maio a 23 de junho
Dia: 12 e 13 de setembro
Horário: 10h às 17h
Local: Auditório da Fundação Casa de Rui Barbosa

Mais informações: http://mast.br/pt-br/ultimas-noticias/ix-encontro-de-arquivos-cientificos.html

PALEOGRAFIA INSTRUMENTAL

Data: 29 e 30 de maio de 2019, das 10:00 às 17:00

Local: Sede da Associação de Arquivistas de São Paulo – Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. Av. Prof. Lineu Prestes 338, Sala N, Térreo, Cidade Universitária, São Paulo-SP. Veja o mapa.

Docente: Sonia Troitiño é doutora em História Social pela USP. Possui graduação em História pela USP, formação em Patrimônio Cultural pela Fundación Duques de Sória/Ministério de Cultura de España e em Arquivística pela Fundación Sanchez-Albornoz/Universidad de Valladolid, Espanha. Professora do Departamento de Ciência da Informação (FFC/UNESP) nos cursos de Arquivologia e Biblioteconomia. Coordenadora do Centro de Documentação e Memória da UNESP – CEDEM e presidente da Comissão de Avaliação de Documentos e Acesso da Unesp – CADA. Atuou como diretora do Arquivo Permanente do Arquivo Público do Estado de São Paulo e coordenadora do Centro de Documentação Histórica e Universitária de Marília. Coordenou diversos projetos de transcrição paleográfica.

Objetivo: Capacitar o aluno à leitura de textos manuscritos antigos e edição de transcrições paleográficas.

Público-alvo: Historiadores, arquivistas, bibliotecários, documentalistas e interessados em geral.

Programa:

  1. Origem, conceito e objeto da paleografia.
  2. A análise paleográfica de documentos;
  3. Técnicas de leitura e transcrição de manuscritos.
  4. Os diferentes tipos de transcrição e normas. Convenções.
  5. Exercícios práticos de leitura e transcrição

 

Para fazer sua inscrição, acesse a loja virtual da ARQ-SP e selecione pelo código da atividade (OF03/19)

Mais informações: http://arqsp.org.br/of-03-19-paleografia-instrumental/

O legado do provocador Antônio Abujamra vira acervo cultural

A economia, a história e a política sob a ótica de Celso Furtado

USP recebe acervo de documentos, cartas, fotografias e originais que mostram a relevância da obra do economista e sua atualidade

Texto: Luiz Roberto Serrano e Roberto C. G. Castro

Arte: Moisés Dorado e Thais Helena dos Santos

A USP vai receber por doação o acervo do economista Celso Furtado (1920-2004), um dos maiores intelectuais brasileiros do século 20. Em entrevista ao Jornal da USP, a viúva de Furtado, a jornalista e tradutora Rosa Freire d’Aguiar, comenta que esse acervo revela a importância e a atualidade do pensamento de Furtado.

Formado por pelo menos 30 mil itens – entre documentos, fotografias e cartas –, o acervo conta boa parte da história, da economia e da política brasileira e mundial do século passado. Correspondências trocadas com personalidades como o antropólogo Darcy Ribeiro e o senador norte-americano Bob Kennedy, aulas ministradas na França e nos Estados Unidos e relatórios das épocas em que ocupou os cargos de ministro do Planejamento e da Cultura fazem parte da documentação preservada pelo economista ao longo da vida.

O acervo também traz curiosidades, como um recorte de jornal datado de dezembro de 1964, informando que alunos da Escola Politécnica da USP não puderam usar o auditório da Cidade Universitária para a colação de grau porque tinham escolhido Celso Furtado – já cassado pelo regime militar então em vigor – como paraninfo. Inconformados com a proibição, os alunos se recusaram a realizar a cerimônia e foram retirar seus diplomas na secretaria da escola. 

Atualmente guardado no apartamento de Rosa no Rio de Janeiro, o acervo de Celso Furtado será encaminhado para o Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP, onde será tratado e ficará à disposição dos pesquisadores. A data de transferência dos documentos ainda não está definida, pois depende da abertura de licitação para a contratação da empresa que fará esse serviço.

Carteira de funcionário do Departamento Administrativo do Serviço Público, nos anos 40 – Foto: Rosa Freire d’Aguiar

Nascido em Pombal, no sertão paraibano, Celso Furtado se tornou doutor em Economia pela Universidade de Paris, em 1948, com a tese “L’économie coloniale brésilienne”. De 1949 a 1958, integrou a Comissão Econômica para a América Latina (Cepal), órgão da Organização das Nações Unidas (ONU) sediado em Santiago, no Chile. Foi diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE) e, em 1959, assumiu a direção da recém-criada Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene).

Em 1962, Celso Furtado foi nomeado pelo então presidente João Goulart como primeiro titular do Ministério do Planejamento. Nessa função, elaborou o Plano Trienal de Desenvolvimento Econômico e Social. Com o golpe militar de 31 de março de 1964, o economista foi cassado com base no Ato Institucional Número 1 (AI-1), publicado em 9 de abril daquele ano, e partiu para o exílio, tornando-se professor da Universidade de Paris, cargo que ocupou por 20 anos.

Jornal dos Estados Unidos noticia encontro entre o presidente dos Estados Unidos, John Kennedy, e Celso Furtado, em 1961 – Foto: Rosa Freire d’Aguiar

Com a anistia política, em 1979, Furtado visitou o Brasil várias vezes e se filiou ao PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro). Em 1986, tornou-se ministro da Cultura do governo José Sarney e elaborou a primeira lei de incentivos fiscais à cultura no Brasil.

Na década de 1990, participou da Comissão Mundial para a Cultura e o Desenvolvimento e da Comissão Internacional de Bioética, ambas da ONU, foi eleito para a Academia Brasileira de Letras (ABL) e ganhou o Prêmio Jabuti com o ensaio O Capitalismo Global. Entre suas principais obras estão Formação Econômica do Brasil (1959) – traduzido em nove línguas –, Desenvolvimento e Subdesenvolvimento (1961) e O Mito do Desenvolvimento Econômico (1974).

Rosa Freire d’Aguiar conversou com o Jornal da USP no dia 11 de abril passado, uma quinta-feira, no saguão do Hotel Trip Higienópolis, em São Paulo, onde estava hospedada. A conversa teve a participação dos professores Alexandre de Freitas Barbosa e Paulo Teixeira Iumatti, ambos do IEB, e de Elisabete Marin Ribas, especialista em Organização de Arquivos, que integra a equipe técnica do Serviço de Arquivo do IEB.

 

Leia a seguir entrevista com a jornalista e tradutora Rosa Freire d’Aguiar

Reg. 131-19 Doação do acervo de Celso Furtado ao Instituto de Estudos Brasileiros (IEB). 2019/04/11 Foto Marcos Santos/USP Imagens

Jornal da USP – Em que consiste o acervo de Celso Furtado que a USP vai receber?

Rosa Freire d’Aguiar – Há uma variedade imensa de documentos, entre eles, milhares de cartas. Somente entre 1964 e 1984, são cerca de 10 mil cartas. A maioria é de correspondência recebida. A cada ano, ele recebia cerca de 400 cartas e escrevia outras tantas, das quais guardou, em cópia carbono, cerca de 80 a 100. Eu li todas elas, com muita atenção, fazendo anotações. Os correspondentes são os mais variados. É incrível como Celso, logo em seguida ao golpe militar, era uma pessoa conhecida internacionalmente. Por exemplo, poucos dias depois de ser cassado, em abril de 1964, ele recebeu telegramas de três universidades dos Estados Unidos – Harvard, Yale e Columbia –, convidando-o para ser professor lá.

JUSP – Como se pode dividir esse acervo?

Rosa – O acervo de Celso tem várias vertentes. Tem cartas referentes ao homem público que ele foi, à sua atuação internacional, à sua participação na ONU (Organização das Nações Unidas) como economista e como membro de comissões muito importantes, como a Comissão Internacional de Bioética, que foi pioneira ao tratar de temas como o genoma humano, por exemplo. Ele foi o único brasileiro a participar dessas comissões. É possível dividir o acervo também de acordo com as décadas.

JUSP – Quais os temas mais recorrentes em cada década?

Rosa – O conteúdo do acervo referente aos anos 40 inclui, por exemplo, recordações da guerra, textos jornalísticos, da época em que ele foi jornalista da Revista da Semana, no Rio de Janeiro, escritos de juventude, três ou quatro tentativas de romances, muitos textos inéditos. Sobre os anos 50 e 60, há muitas cartas e textos referentes principalmente à Sudene, da qual Celso foi o primeiro superintendente, e ao Ministério do Planejamento, que ele dirigiu de setembro de 1962 a meados de 1963.

JUSP – Sobre a Sudene, o que se pode pensar a partir dos textos do acervo?

Rosa – A Sudene foi o grande momento da vida de Celso como homem de ação. Ela representou a possibilidade de colocar em prática as teorias que ele desenvolveu nos quase dez anos em que atuou na Cepal. Ali a teoria passa à prática. Mas foi um trabalho interrompido pelo golpe militar de 1964 e a cassação.

JUSP – Como ele se referia à cassação?

Rosa – Ele nunca imaginou que seria cassado. Jamais. Foi uma coisa que calou muito fundo nele a vida inteira. Em condições normais, ele não costumava falar sobre isso, mas em momentos delicados, por exemplo, como depois de uma cirurgia, ainda um tanto abalado por uma anestesia, algumas vezes ele se referia à cassação de direitos.

JUSP – Antes da cassação, como ministro do Planejamento de João Goulart, em 1962, ele elaborou o Plano Trienal, um plano ao mesmo tempo monetarista e desenvolvimentista. Era um plano viável?

Rosa – Bem, posso falar o que Celso me falava. De fato, o plano era monetarista e desenvolvimentista. Mas nem tinha como ser diferente, tenho a impressão. No fundo, Celso percebeu com certa rapidez que o plano foi feito para ganhar o plebiscito sobre o regime de governo, em janeiro de 1963. Ganho o plebiscito, o plano não iria muito longe. Celso era um ministro técnico, não político, não lidava com as massas. Quem fazia isso era, por exemplo, o ministro do Trabalho, Almino Afonso, do PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) e ligado aos sindicatos. Uma das ideias de Celso era que não podia haver aumento da massa salarial. Mas os trabalhadores estavam pressionando. Houve um momento em que o Jango não teve como negar e precisou ceder ao Almino. Aí a coisa estourou e o plano começou a fazer água. Por isso Celso ficou com a impressão, não no momento, mas julgando retrospectivamente, de que o plano foi feito só para ganhar o plebiscito, tanto que em junho de 1963 ele já saiu do governo, com o ministro da Fazenda, San Tiago Dantas.

Alexandre de Freitas Barbosa – Talvez o Plano Trienal nunca tenha sido implementado. Ele foi elaborado pelo Ministério Extraordinário do Planejamento, chefiado por Celso Furtado. Para fazer esse plano, Furtado ficou três meses trancado no BNDE, utilizando todos os quadros técnicos. Quem implementou o plano foi o ministro da Fazenda, San Tiago Dantas. Acontece que uma das vigas do plano era a negociação de créditos com os Estados Unidos. O FMI (Fundo Monetário Internacional) gostou do plano, mas os assessores norte-americanos que faziam a negociação começaram a ser informados pelo embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Lincoln Gordon, que dizia: “Esse pessoal é comunista”. No livro Fantasia Desfeita, Furtado escreve que a sorte do plano estava sendo julgada quando o San Tiago Dantas negociava, em março de 1962, com o pessoal do FMI e do Banco Mundial. Ele não consegue os créditos. Ora, para conter a inflação, mantendo os investimentos em setores estratégicos, é preciso manter o fluxo de importações e isso só poderia ser feito se a dívida externa fosse refinanciada. O Brasil importava petróleo e trigo, com subsídios. As tarifas foram liberadas e os preços subiram. Houve um repique inflacionário que não estava previsto. Mas o Plano Trienal é um documento magistral. Ele tem a frente da estabilização, a frente dos investimentos, inclui a reforma administrativo, a reforma fiscal. Mas não havia contexto político para negociar esse plano. É talvez um plano que sequer tenha sido implementado.

JUSP – Com o golpe e a cassação, Celso Furtado vai para o exílio. O que o acervo traz sobre esse período?

Rosa – As cartas do período do exílio ainda estão em Paris. Precisam vir para cá. Lá tem várias pastas com cartas em inglês, francês e espanhol, e os originais dos livros que ele escreveu nesse período. Essa parte do acervo me parece muito importante porque falta muita pesquisa da vida de Celso durante o exílio. Vejo muitos professores se referindo à cassação, em 1964, à ida para o exílio, à volta em 1979 etc., mas sobre os anos entre 1964 e 1979 não falam nada.

JUSP – O que a pesquisa sobre esse período da vida de Celso Furtado vai revelar?

Rosa – Vai revelar que essa foi a fase mais produtiva da vida de Celso. Ele escreveu 11 livros nesse período. São os seus grandes livros. E foi nesse período que ele se transformou numa personalidade internacional. Outra coisa que eu descobri lendo os textos dessa época é que o exílio está longe de ser apenas uma circunstância na vida de Celso. Ali ele mudou de profissão – ele nunca tinha sido professor – e mudou de língua, ou seja, de universo mental. Ele já dominava as línguas em que foi professor: inglês, francês e espanhol. Mas uma coisa é dominá-las para o dia a dia, para ir ao restaurante. Outra é dar aula de teoria econômica para pós-graduados. Para as aulas na Sorbonne, por exemplo, ele não se resumia a escrever fichar. Preparava-as escrevendo 10, 20 páginas em francês, temendo, durante a aula, ver lhe fugir um termo específico da matéria teórica que ensinava. O mesmo quando foi professor em Yale, em Columbia, em Cambridge: páginas e páginas de notas de aulas em inglês. 

Alexandre de Freitas Barbosa – A ida ao exílio alterou completamente a trajetória intelectual e de vida de Celso Furtado. Num livro de 1962, A Pré-Revolução Brasileira, ele conclama o País para a revolução reformista que tem em vista. Depois, quando é retirado da cena política, ele se reinventa. Passa a ver o mundo se transformando e tenta fazer a mediação. Por que não deu certo aquilo de que ele participava? A partir daí Furtado se torna uma grande referência internacional, para além da América Latina. Ele dá aula na Sorbonne e em Yale e vai ser talvez o intelectual latino-americano mais demandado do mundo. Ele se torna o intelectual brasileiro mais lido no Brasil e no exterior. Ao mesmo tempo, existe uma grande discussão sobre a sua obra. Como diz o professor Chico de Oliveira, Furtado é um divisor de águas: a economia brasileira foi pensada até hoje contra e a favor de Celso Furtado. Ele estabeleceu os termos com que nós pensamos a economia brasileira até hoje.

JUSP – E sobre o período pós-exílio, o que mostra o acervo?

Rosa – A partir de 1979, os textos do acervo abordam principalmente a participação dele na vida política, na redemocratização, culminando no Ministério da Cultura. Quando a gente sai de Brasília, em 1988, documentos e cartas que estavam no Ministério da Cultura vão para casa. Felizmente, nessa época ele tinha uma secretária muito eficiente, que guardava tudo.

JUSP – Pode citar alguns itens específicos do acervo de Celso Furtado?

Rosa – Tem muita coisa. Tem cartas do senador Bob Kennedy, convite para Celso participar de conferências ao lado de Erich Fromm e Martin Luther King, pilhas de recortes de imprensa, curiosidades como uma primeira página do New York Times, de 1964, dizendo que “o banido Celso Furtado” ia lecionar nos Estados Unidos, cartas com intelectuais daqui do Brasil, como Darcy Ribeiro, Antonio Candido, Fernando Henrique, Helio Jaguaribe e Francisco Iglesias, e do exterior, como Albert Hirschman e Raul Prebisch. Algumas são muito divertidas, outras cheias de intrigas políticas de órgãos de “inteligência” brasileira, inventando todo tipo de mentiras sobre a vida de Celso. A mais inacreditável, de um departamento de Polícia Federal, é que ele teria um terreno no Chile que foi vendido para construir uma base soviética.

JUSP – E os diários de Celso Furtado?

Rosa – Celso não era um diarista fiel. Ele deixou uns 30 cadernos, mas nenhum deles vai até o final. O diário era, para ele, um desabafo. Há uns registros curiosos. Por exemplo, quando tinha 17 anos, ainda na Paraíba, ele escreve: “Hoje eu decidi que vou escrever um livro sobre a história da civilização brasileira”. Acabou escrevendo mesmo. O último caderno é de 2002, mas já a partir de 1991 a letra começa a ficar bem ruim, por causa dos problemas de saúde. Vou publicar os Diários pela Companhia das Letras, em setembro.

JUSP – O acervo tem muitos textos inéditos de Celso Furtado?

Rosa – Celso não era de deixar muita coisa sem publicar. Deve ter versões de textos que ele retomou. Mas, sim, tem textos inéditos, técnicos, relatórios.

Alexandre Barbosa – O que talvez seja mais rico é que todos os manuscritos estão rabiscados à mão, o que permite entender o processo de criação e de construção dos conceitos. Para um pesquisador, isso é fascinante.

Qual a importância da doação do acervo de Celso Furtado para a USP?

O acervo de Celso Furtado chega num movimento de ampliação temática que é abrangida pelas coleções do IEB, que começou em 2002, quando chegou o acervo de Caio Prado. Desde então, alguns outros acervos se somaram, como os de Milton Santos e de Manoel Correia de Andrade, um grande geógrafo brasileiro, que se dedicou a estudar o Nordeste. Esses acervos têm a dimensão da reflexão sobre a inserção do Brasil no mundo. Eles permitem uma reflexão abrangente sobre grandes questões do País. Essa é uma perspectiva muito importante, que é reforçada com a vinda dos documentos que pertenceram a Celso Furtado – Paulo Teixeira Iumatti

Para nós, que somos os técnicos que trabalhamos com os acervos, é sempre um privilégio quando recebemos um conjunto assim, porque não só vem completar um linha de pensamento e uma linha que podemos chamar de linha curatorial, mas também ampliar a importância dos arquivos pessoais na história, na economia, na literatura. Com a chegada do acervo de Celso Furtado, principalmente no momento delicado que estamos vivendo, temos a oportunidade de falar aos jovens pesquisadores que nos procuram que ele foi um grande homem, que mudou a história do brasil. Somos convidados a repensar muitas questões – Elisabete Marin Ribas 

Fonte: Jornal da USP

III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ARCHIVOS DIGITALES

Convocatoria

Entre los temas que podrán ser abordados desde una perspectiva multidisciplinaria se encuentran:

  1. Perspectivas de uso y aplicación de la inteligencia artificial en los procesos documentales de archivos sonoros y audiovisuales.
  2. Usos y aplicaciones del big data para grandes volúmenes de contenidos sonoros y audiovisuales.
  3. Inteligencia artificial y big data en las humanidades digitales, desde la perspectiva de los archivos digitales sonoros y audiovisuales.
  4. Brechas y desafíos de los archivos digitales ante la inteligencia artificial y el big data.
  5. Políticas públicas y directrices internacionales que involucran la inteligencia artificial y el big data en la preservación digital de colecciones sonoras y audiovisuales.
  6. La inteligencia artificial y el big data en el diseño y construcción de los archivos digitales para el futuro.

Modalidades de participación

Ponencias

Presentación de ponencias en las que se expongan avances de investigación o proyectos.

Tutoriales

Impartición de tutoriales de actualización profesional, que se realizará el 7 de noviembre de 2019. Cada tutorial tendrá 90 minutos para la exposición y 15 para preguntas y respuestas.

Pósters

Exposición de proyectos de investigación en la modalidad de posters. Cada póster se presentará de forma oral con una duración de dos minutos y después se incluirá en el área de exhibiciones del congreso.

Laboratorio Virtual

Exhibición de aplicaciones, soluciones o propuestas experimentales tecnológicas para el desarrollo de procesos documentales de preservación digital. El laboratorio virtual se realizará el 5 de noviembre de 2019.

Sesión científica y profesional

Presentación de mejores prácticas empleadas para la preservación de archivos sonoros y audiovisuales empleadas. Cada presentación tendrá una duración máxima de 10 minutos.

Fecha límite para la recepción propuestas: 31 de mayo de 2019

Las propuestas de trabajo deben enviarse conforme a las especificaciones para cada rubro en archivo de Word, como documento adjunto, a la dirección correo electrónico congresoarchi@gmail.com

Las propuestas serán evaluadas bajo la modalidad de doble ciego por un Comité Científico Internacional.

La notificación de aceptación se hará llegar al responsable del proyecto, vía correo electrónico entre el 24 y 28 de junio de 2019.

Fecha para la entrega del texto completo de las ponencias: 2 de septiembre de 2019

Especificaciones para la presentación de propuestas

Ponencias

  1. Título
  2. Nombre del autor
  3. Institución
  4. Datos de contacto (correo-e y teléfono)
  5. Resumen (máximo 300 palabras)
  6. Tema de la convocatoria en el que se inscribe la ponencia
  7. Currículo del ponente (en menos de 200 palabras)
  8. Foto del ponente en formato JPG a 300 dpi
  9. El texto completo de las ponencias aceptadas deberá ser enviado a más tardar el viernes 2 de septiembre de 2019, de acuerdo con las siguientes características:
  10. Texto de la ponencia (4,500 palabras como máximo, incluyendo imágenes y tablas).
  11. La estructura del texto debe considerar:
  •     Título de la ponencia
  •     Autor e institución
  •     Introducción
  •     Desarrollo
  •     Conclusiones
  •     Bibliografía

Tutoriales

  1. Nombre del tutorial
  2. Objetivo(s)
  3. Público al que está dirigido el tutorial
  4. Contenido
  5. Tema de la convocatoria en el que se inscribe el tutorial
  6. Nombre del instructor(a)
  7. Institución
  8. Datos de contacto (correo-e y teléfono)
  9. Currículo del ponente (en menos de 200 palabras)
  10. Foto del ponente en formato JPG a 300 dpi
  11. Requerimientos técnicos (equipo de cómputo, proyector, reproductor de audio, etc.)

Pósters

  1. Título
  2. Nombre del autor
  3. Institución
  4. Datos de contacto (correo-e y teléfono)
  5. Resumen (máximo 300 palabras)
  6. Tema de la convocatoria en el que se inscribe el poster
  7. Currículo del ponente (en menos de 200 palabras)
  8. Foto del ponente en formato JPG a 300 dpi
  9. Cada autor será responsable de imprimir sus posters de acuerdo con las indicaciones que se proporcionarán a las propuestas aceptadas.
  10. La estructura del póster debe considerar:
  •     Título
  •     Autor e institución
  •     Texto
  •     Formato GIF (300 dpi)

Proyectos para su exhibición en el Laboratorios Virtual

  1. Título de la propuesta
  2. Nombre del autor (es)
  3. Institución
  4. Datos de contacto (correo-e y teléfono)
  5. Resumen (máximo 300 palabras)
  6. Tema de la convocatoria en el que se inscribe
  7. Currículo del ponente (en menos de 200 palabras)
  8. Foto del ponente en formato JPG a 300 dpi
  9. Cada autor será responsable de instalar el equipo (s) necesarios para presentar aplicaciones, herramientas o desarrollos tecnológicos de acuerdo con las indicaciones que se proporcionarán a las propuestas aceptadas.

Mejores prácticas para su presentación en la sesión científica y profesional

  1. Título de la mejor práctica desarrollada
  2. Nombre del autor(es)
  3. Institución
  4. Datos de contacto (correo-e y teléfono)
  5. Resumen (máximo 300 palabras)
  6. Tema de la convocatoria en el que se inscribe
  7. Currículo del ponente (en menos de 200 palabras)
  8. Foto del ponente en formato JPG a 300 dpiFonte: http://difusion.iibi.unam.mx/

Documentos da ditadura militar são vestígios de um passado indigesto

 Maria L. Tucci Carneiro é historiadora e coordenadora do LEER – Laboratório de Estudos sobre Etnicidade, Racismo e Discriminação da USP

Maria Luiza Tucci Carneiro – Foto: Marcos Santos / USP imagens

A mais recente sugestão do presidente Jair Bolsonaro sobre as possibilidades dos quartéis “comemorarem” o 31 de março como data-símbolo de uma revolução – e não um golpe militar que emudeceu a democracia brasileira por duas décadas – expressa como alguns segmentos da sociedade brasileira interpretam o nosso passado recente. Nas palavras de Bolsonaro persistem a distorção dos fatos e o esquecimento voluntário com o objetivo de dar legitimidade aos militares da ditadura, “heróis fabricados” e apresentados como salvadores da nossa Pátria amada falsamente idolatrada. Passado indigesto que merece ser revisitado sim, mas sob o viés da memória do mundo, para que nunca mais aconteça, assim como os temas do Holocausto e do nazismo.

É fato comprovado que a Ditadura Militar foi um golpe político sustentado por militares que, apoiados por setores civis, romperam  a legalidade democrática inspirados no mito do complô comunista, velho conhecido do governo Vargas, nossa primeira experiência ditatorial de cunho nazi-fascista alinhada com as ideologias de extrema direita. Importante lembrar, para nunca esquecer, que entre 1964 e 1983 a sociedade brasileira viveu sob um amplo universo carcerário, vigiada e fotografada por todos os lados. Como historiadora tive a oportunidade de consultar os documentos do Fundo Deops/SP durante dez anos consecutivos, coordenando um projeto temático Fapesp em parceria com o Arquivo Público do Estado de São Paulo. A primeira sensação que tive é de que a sociedade brasileira foi, durante décadas, mapeada, invadida no seu cotidiano, estuprada. Fica evidente que a ditadura militar não foi tão branda como alguns querem fazer acreditar.

Os vários movimentos de resistência, dentre os quais o movimento estudantil, foram sufocados pela força bruta e pelos vários Atos Institucionais, dentre os quais  o AI5  cujo exercício calou vozes, prendeu milhares de militantes e baniu intelectuais, sendo, dezenas deles, docentes e alunos da Universidade de São Paulo. Em sequência, outros Atos favoreceram  a tortura e ocultaram o assassinato de centenas de ativistas acusados de “revanchismo”. Aliás, estes elementos são característicos da construção de uma lógica fascista que cria uma relação de sujeição da população ao Estado, impondo disciplina aos corpos ao mesmo tempo que faz uma “lavagem” das mentes. Foi assim que o fascismo e o nazismo – reconhecidos pela historiografia nacional e internacional como movimentos de direita – conquistaram milhares de adeptos com promessas de felicidade. Alimentados por mitos mobilizadores do imaginário coletivo, esses grupos extremistas ofereceram aos seus seguidores uma sociedade “limpa de judeus e de comunistas”. Resultado: mais de seis milhões de judeus foram assassinados, alem de milhares de ciganos, deficientes físicos e dissidentes políticos, dentre eles, as Testemunhas de Jeová.

Entendo que a data de 31 de março merece muitos e muitos minutos de silêncio, pelas almas dos presos e mortos desaparecidos que ainda carecem de lápides coletivas, in memoriam. Apesar do árduo processo de anistia oficializado com a Lei 6.683, de 28 de agosto de 1968, e das importantes atuações da Comissão de Mortos e Presos Desaparecidos, do Grupo Tortura Nunca Mais e da Comissão da Verdade, as tentativas de esquecimento e deturpação dos fatos históricos continuam vivas. Não devemos permitir que as nossas conquistas democráticas sejam jogadas no fundo do poço. Felizmente contamos com milhares de prontuários e dossiês do Fundo Deops/SP que, entre 1999-2004, foi sistematicamente inventariado por pesquisadores do PROIn- Projeto Integrado Arquivo do Estado/ Universidade de São Paulo, hoje em contínuo processo de digitalização pelo Arquivo do Estado de São Paulo. Processo lento e gradual que, certamente, permitirá a (re)escrita da repressão e da resistência no Brasil contemporâneo. Para isso, devemos aprender  a ler nas linhas e entrelinhas em busca de indícios e sinais que nos ajudem avaliar os mecanismos de repressão sustentados pelo Estado brasileiro desde 1924 a 1983.

O fato desta documentação policial registrar atos de violência física e psicológica em um tempo continuum demonstra que a gênese dessa mentalidade genocida antecede 1964. Uma herança que tem raízes profundas e cujos tentáculos nos remetem à ditadura Vargas (1937-1945) e, por que não, ao dia seguinte da proclamação da República, quando foi promulgado um primeiro decreto-lei de censura. Daí a documentação dos Fundos Deops nos remeter à imagem de um imenso labirinto com múltiplas entradas e dezenas de saídas, algumas ainda fechadas. Essa questão certamente não é página virada da história e nem razão para comemorações, pois ela ainda é fato, é historia em movimento. Isto sim deve constar dos livros didáticos e ser tema contínuo das nossas investigações.

Importante lembrar que a abertura democrática ganhou novo status com a Lei de Acesso à Informação, de 2011, que permitiu que as instituições públicas detentoras desses acervos (até então com restrições de acesso) liberassem para consulta pública documentos comprobatórios sobre indivíduos afetados pela violência do Estado nos anos da repressão. Avançamos ainda mais com o criação do Centro de Referência das Lutas Políticas no Brasil (1964-1985) – Memórias Reveladas, sob o título de Fundo da Rede de Informações e Contrainformações. Integram este imenso acervo os fundos de órgãos centrais do SisNI, sob a guarda do Arquivo Nacional e de órgãos estaduais e outras entidades, que, pela sua dimensão testemunhal, foram reconhecidos pelo Programa Memória do Mundo da Unesco como patrimônio documental. Portanto, exaltar qualquer ditadura significa um retrocesso no caminhar democrático da humanidade que, nem sempre, aprende com as lições do passado.

Fonte: https://jornal.usp.br

Revista ‘O eixo e a roda’ terá edição dedicada aos arquivos literários

Artigos podem ser submetidos até 1º de maio

Ambiente montado em homenagem ao escritor Fernando Sabino.
Sala com acervo do escritor Fernando Sabino no AEMFoca Lisboa /UFMG

A próxima edição do periódico O eixo e a roda: revista de Literatura Brasileira, da Faculdade de Letras, será dedicada aos 30 anos do Acervo de Escritores Mineiros (AEM). Artigos podem ser submetidos até 1º de maio.

Com a temática As vozes do arquivo literário: problemas, linguagens, aproximações, o número reunirá trabalhos sobre as possibilidades semânticas e epistemológicas da pesquisa arquivística no âmbito da literatura brasileira. Os artigos poderão versar sobre epistolografia, (auto)biografismo, crítica genética, arquivos literários, arquivologia, museologia, crítica textual e outras aproximações.

A revista, quadrimestral, é publicada desde 1982. Os organizadores desta edição são os professores Leandro Garcia e Elen de Medeiros, da Fale, Moema Rodrigues, do Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora, e Valéria Tocco, da Universidade de Pisa.

O volume será publicado no segundo semestre deste ano. Para mais informações, acesse o portal da revista.

Ambiente recriado

Instalado no terceiro andar da Biblioteca Central, o AEM busca recriar o ambiente de trabalho de diversos escritores de Minas Gerais. O espaço abriga coleções de livros, documentos e objetos dos autores. Veja mais no portal do Acervo.

Fonte: UFMG

Projeto da UFPE digitaliza cartas do Brasil Império e Colônia para acesso público

Foram analisadas e digitalizadas as 314 cartas manuscritas do primeiro volume de um total de oito. Foto: Divulgação.

Documentos do período de 1818 a 1840 da administração pública do final do período colonial e dos primeiros quarenta anos do Império estão disponíveis para o público em geral graças a projeto desenvolvido por professores e estudantes da Universidade Federal de Pernambuco. Preservar, ressignificar e prover acesso público ao patrimônio documental postal brasileiro foi o objetivo do projeto Legado da Memória Postal, realizado pelo grupo de pesquisa Imago e Humanidades Digitais em parceria com o Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano/PE. A proposta foi identificar e tratar documentos deste período que constituem o Fundo do Correio Geral, do Arquivo Público, com a finalidade de dispô-los numa plataforma digital de acesso ao público em geral. Nesta época, o Rio de Janeiro era a sede da Administração Geral dos Correios e era por meio desse órgão que o Império se comunicava com o restante do território brasileiro para tratar de assuntos como envio de tropas e suprimentos, negociação de terras, ordens eclesiásticas e compra e venda de escravos.

O processo de curadoria, entretanto, vai além da digitalização das cartas. “O objetivo foi também planejar, executar e avaliar, de forma constante, tanto o ciclo completo do objeto digital, neste caso as cartas digitalizadas, quanto atuar com uma equipe multidisciplinar na conservação dos documentos originais. Este grupo, atualmente, é composto profissionaisdas áreas de Biblioteconomia, Arquivologia, Museologia, Computação e Administração”, afirma Diego Salcedo, coordenador do grupo Imago e professor no Departamento de Ciência da Informação e no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, ambos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

O projeto também incluiu realização de duas oficinas de formação da equipe da pesquisa: Introdução à Paleografia, ministrado pelo historiador e paleógrafo Thiago Medeiros e Descrição de Documentos Arquivísticos e as Normas Vigentes no Brasil, ministrado pela professora Danielle Alves, do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Softwares facilitam a gestão dos documentos

Foram analisadas e digitalizadas as 314 cartas manuscritas do primeiro volume, de um total de oito. Para isso, o grupo utilizou dois softwares interligados que servem para a gestão e descrição de documentos arquivísticos e foram implementados pelo Arquivo Público em 2018. O ICA-AtoM é um aplicativo de código aberto baseado em padrões para a descrição arquivística num contexto multilíngue, para ambiente web de multiarquivos. Já o Archivematica é a interface de interação com o usuário. É um sistema gratuito de preservação digital de acesso aberto e que utiliza, por exemplo, o AtoM para gerenciar o conteúdo disponibilizado na web. “É um programa de código aberto que facilita o nosso trabalho por contar com parâmetros de descrição, todos eles baseado nas normas brasileiras e internacionais de descrição de documentos arquivísticos”, ressalta Salcedo.

O projeto pode ser acessado na página eletrônica (http://imagohd.me/memoriapostal) ou https://www.acervo.arquivopublico.pe.gov.br/index.php/correio-geral-volume-1

Fonte: Diario de Pernambuco

Volvo abre arquivo de 40 anos de pesquisa sobre acidentes

Fabricante sueco partilha online mais de 100 artigos de investigação sobre segurança rodoviária. A ideia é envolver mais gente no objectivo de reduzir ou eliminar mortes nas estradas.

O arquivo já se encontra online, disponível a qualquer pessoa. Está organizado por décadas, abarcando o período que vai de 1970 até 2018. O paper mais antigo é um relatório da marca, apresentado em 1973, numa conferência no Japão, sobre os progressos feitos no desenvolvimento e aplicação de um sistema de airbags, que tinha sido inventado nos EUA, cinco anos antes dessa conferência. A patente do primeiro sistema electromecânico de segurança, comum na indústria actual, seria pedida pelos inventores (Allen Breed e Geoffrey L. Mahon) em 1989.

Já o artigo mais recente disponível nesse arquivo é de Dezembro de 2018, sobre o uso de um tipo específico de dummy (boneco) em testes de segurança em caso de acidentes.

A abertura deste arquivo, diz a marca sueca, “está em linha com o compromisso de segurança que faz parte da filosofia da Volvo”. E surge no ano em que uma das principais invenções da segurança automóvel comemora 60 anos – o cinto de segurança de três pontos. A Volvo foi o primeiro fabricante a introduzir este sistema de retenção como equipamento de série em todos os carros, em 1959 (começou pelo mercado sueco).

Seis décadas depois, a empresa persegue uma meta ambiciosa – evitar que alguém morra nos carros da Volvo, uma promessa que consta do programa Volvo 2020 Safety Vision –, mas olha também para outras vertentes que, segundo o fabricante, têm sido descuradas. Um exemplo: as diferenças físicas entre homens e mulheres e as implicações que elas têm em termos de segurança dos condutores.

“Temos informação de dezenas de milhares de acidentes rodoviários recolhidos em ambiente real, que nos tem ajudado a melhorar os nossos automóveis tornando-os o mais seguros possível. Isto significa que estes são fabricados para proteger todas as pessoas, independentemente do seu género, altura ou peso, muito para além do “homem padrão” representado pelos crash test dummiestradicionais”, sublinha Lotta Jakobsson, responsável técnico sénior do Centro de Segurança deste fabricante.

Além da disponibilização deste arquivo, a empresa anunciou também duas novidades tecnológicas aplicadas à segurança, que vão chegar no próximo ano: o Volvo Care Key, que permite limitar a velocidade dos carros para o proprietário ou qualquer pessoa encarregada da condução; e um sistema de câmara e sensores que “vigiam” o condutor e permitem ao carro actuar sozinho sempre que que haja sinais de intoxicação, cansaço ou distracção por parte do condutor ou da condutora.

Fonte: PÚBLICO

Arquivo do Estado abre acervo da extinta Rede Ferroviária Federal para consulta

RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) – Após um trabalho de oito anos para organizar a documentação, o Arquivo Público do Estado abriu para consulta o acervo iconográfico da extinta RFFSA (Rede Ferroviária Federal S.A.).

São cerca de 26 mil ampliações fotográficas que integram a história paulista da antiga rede ferroviária. As imagens, que estavam em Jundiaí e num imóvel na rua Mauá, na capital, chegaram totalmente desorganizadas ao Arquivo, razão pela qual foi necessária quase uma década para serem liberadas.

Após a extinção da RFFSA, regulamentada em 2007, o acervo, que já estava totalmente espalhado, ficou praticamente abandonado até 2011. Até hoje há vagões e imóveis que pertenceram à rede sem destinação adequada, por exemplo.

Naquele ano, após ação que envolveu o MPF (Ministério Público Federal) e a inventariança da extinta RFFSA, foi assinado um termo de compromisso com o Arquivo para salvaguardar o acervo iconográfico. O acordo permite a guarda temporária por cem anos.

Agora catalogado, o acervo ajuda a contar a história da Rede Ferroviária em território paulista.

Entre o material identificado e aberto a consulta estão não só fotos da rede, mas também álbuns de companhias ferroviárias como Sorocabana, Paulista e Mogiana do final do século 19 e início do século passado –anteriores à existência da RFFSA, que só surgiria em 1957.

Há, também, material da SPR (São Paulo Railway), que é de 1867 e foi a primeira empresa ferroviária do estado. O subgrupo São Paulo Railway, aliás, é o maior do Arquivo, contendo 14.716 imagens de estações, obras e maquinário, entre outras.

O material pré-RFFSA, conforme Bruno Torres, executivo público que trabalhou na pesquisa e descrição do acervo, corresponde a cerca de 20% do total, enquanto o restante já é do período de existência da rede federal.

De acordo com ele, o material proveniente de Jundiaí apresentava alguma organização temática, mas precária, diferentemente do que estava guardado em São Paulo, desorganizado.

A partir disso [do acordo com o MPF] começamos o trabalho de tentar identificar parte do acervo, que estava acumulado, sem organização. Inicialmente trocamos as caixas de proteção e fizemos intervenção de higienização no que estava mais grave, que precisava de ação mais urgente”, afirmou.

Da bagunça em que estava, agora o acervo está separado por órgão produtor e de acordo com o tema desejado –só locomotivas ou só determinada companhia ferroviária, por exemplo. Para isso, foi necessário resgatar todo o histórico da rede ferroviária, pesquisar anuários e entender como era o organograma da empresa.

Há ainda um terceiro bloco, pequeno, integrado por documentos de empresas ferroviárias espalhadas pelo país, estrangeiras e de companhias em que não foi possível fazer a identificação.

MALHA PAULISTA

Embora seja uma rede federal, a RFFSA tem muita importância para a preservação da memória ferroviária paulista por ter absorvido, em 1998, todo o patrimônio da Fepasa (Ferrovia Paulista S.A.). Esta, por sua vez, surgiu em 1971 a partir de cinco companhias ferroviárias: Paulista, Mogiana, Sorocabana, Araraquara e São Paulo-Minas.

A documentação deveria ficar sob gestão do Arquivo Nacional, mas este concordou com a transferência do acervo para o órgão estadual.

Além das 26 mil fotografias, há também cerca de 86 mil negativos no acervo da RFFSA, que podem ser acessados por meio de agendamento com um dia de antecedência. O prazo é necessário para transferir o acervo da sala em que fica guardado, mais fria, para a sala de consulta.

O acervo pode ser consultado com agendamento pelo e-mail iconografico@arquivoestado.sp.gov.br.

Fonte: GaúchaZH

Arquidiocese lança inventário documental de igrejas históricas do Recife e de Olinda

O evento organizado pela arquidiocese será nesta sexta-feira (15) no Seminário Maior, localizado na Várzea, bairro da Zona Oeste da capital pernambucana

Acervo foi recolhido de 33 igrejas históricas do Recife e de Olinda para compor o Arquivo Dom José Lamartine / Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Acervo foi recolhido de 33 igrejas históricas do Recife e de Olinda para compor o Arquivo Dom José Lamartine Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Texto por Cleide Alves
As prateleiras do Arquivo Dom José Lamartine Soares da Arquidiocese de Olinda e Recife guardam relíquias. São livros de missas, casamentos, batizados e óbitos, inventários, bulas e breves papais, entre outros documentos produzidos por igrejas históricas e tombadas das duas cidades. O acervo é inédito e não se resume a correspondências entre padres e bispos. “É a história das nossas vidas registrada em folhas de papel”, declara a restauradora Débora Mendes.

Nos livros encadernados e nos papéis avulsos há informações sobre o cotidiano dos moradores (quem casou com quem, pedidos de separação feitos por mulheres vítimas de violência doméstica, doenças que matavam crianças e adultos); sobre as irmandades (regulamentos, atas, deveres e obrigações dos integrantes) e sobre as igrejas (construções, ampliações, reformas, substituições de material construtivo de altar, demolições, nome de entalhadores, pintores e artistas).

“São documentos administrativos das igrejas e das irmandades, dos séculos 17 ao 20, que permitem traçar o perfil sociológico e antropológico da população”, destaca Débora Mendes, coordenadora do Projeto de Preservação da Memória do Arquivo Dom Lamartine da Arquidiocese de Olinda e Recife. Um dos documentos relata a história de uma mulher, no século 19, que pedia a separação porque o marido queria filhos, ela não tinha vontade de ser mãe e o esposo ameaçava se jogar da janela da casa e se ela não cedesse.

O projeto, iniciado em 10 de maio de 2018 com apoio da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), termina na próxima sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019, com o lançamento do Inventário da Documentação das Igrejas de Olinda e Recife e exposição de peças do acervo. O evento é aberto ao público, às 10h, no Seminário Maior Arquidiocesano, onde fica o Arquivo Dom Lamartine, na Avenida Afonso Olindense, 1764, na Várzea, Zona Oeste do Recife.

Débora Mendes esclarece que o trabalho executado de maio a fevereiro não contempla a restauração do acervo, coletado em 22 igrejas do Recife e 11 templos católicos de Olinda em 2016 e 2017. “Fizemos a organização de todo o material para criar as condições necessárias à pesquisa”, explica. Os livros encadernados, impresso e manuscrito, foram higienizados página por página. As folhas avulsas estão acondicionadas em caixas polionda para proteger o documento.

Separados por igreja, o acervo da arquidiocese ganhou ficha técnica para análise (estado de conservação, tipo de papel, se é impresso ou manuscrito, situação da tinta) e identificação por título, assunto e ano. São 3.053 fichas. A Igreja de São José dos Manguinhos, nas Graças, Zona Norte do Recife, tem o maior número de catalogação, mas veio da Igreja de São Pedro dos Clérigos, em Santo Antônio, no Centro do Recife, o documento mais antigo do arquivo.

“É uma verba do testamento, de 1685, manuscrita em papel artesanal do século 17, com a destinação dos bens de uma pessoa”, diz Débora Mendes. A Igreja de São Pedro dos Clérigos tem a maior parte dos documentos vindos do Vaticano. Um deles é o breve expedido pelo Papa Pio VI, em 1776, autorizando missas privilegiadas para exorcismo no templo.

Classificação

A papelada resgatada se soma ao arquivo já existente na arquidiocese. Como estavam sem uso e guardados de forma inadequada nas igrejas, muitos se deterioram. Quase a metade do acervo recolhido em 2016 e 2017 encontra-se com estado de conservação ruim, 47%. Apenas 10% foram classificados em bom estado, 35% são regulares e 8% estão em situação péssima, sem condições de recuperação ou podem ser parcialmente restaurados. Alguns livros nem abrem mais.

Acácia Coutinho, coordenadora do Arquivo Dom Lamartine da arquidiocese, informa que o acervo está disponível para pessoas que tenham conhecimento em paleografia. As consultas devem ser previamente agendadas. Ela avisa que o Inventário da Documentação das Igrejas de Olinda e Recife não será vendido. A publicação é destinada a universidades, arquivos e bibliotecas. Posteriormente, será colocado no site da arquidiocese.

O resgate do acervo documental das igrejas é uma ação da Comissão Pastoral Arquidiocesana de Bens Culturais, coordenada pelo padre Rinaldo Pereira. Participaram do projeto os restauradores Célia Salsa, Wellington de Oliveira e Givaldo Bernardino e os historiadores Felipe Fernandes, Rafael Benevides e Diego Rodrigues.

Fonte: Jornal do Commercio

Ministério cria grupo para verificar condições de museus, bibliotecas e imóveis tombados

Prédio histórico do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, em chamas durante incêndio que destruiu em setembro de 2018 a maior parte de seu acervo — Foto: Ricardo Moraes/Reuters

Quase cinco meses após o incêndio que destruiu o Museu Nacional, o governo federal criou nesta segunda-feira (28), por ordem do ministro da Cidadania, Osmar Terra, um grupo de trabalho para esquadrinhar as condições de museus, bibliotecas e imóveis tombados da União. O legado da Olimpíada do Rio de 2016 também será auditado pelos técnicos do governo.

O secretário especial de Cultura, Henrique Pires, informou que o grupo terá seis meses para mapear eventuais riscos ao patrimônio cultural e apresentar um plano de ação que já contenha sugestões orçamentárias para solucionar situações críticas que venham a ser identificadas ao longo da inspeção. A intenção, segundo o ministério, é garantir o funcionamento e a manutenção desses imóveis.

“Os bens culturais tombados têm enorme valor simbólico e referencial para o Brasil. Qualquer destruição de patrimônio é uma perda irreparável, não somente pelo valor financeiro, mas, principalmente, pelo valor simbólico”, enfatizou o secretário.

Dono de um acervo com cerca de 20 milhões de itens, o Museu Nacional viu a maior parte dos fósseis, múmias, registros históricos e obras de arte mantidos em suas dependências virarem cinzas em um incêndio em setembro do ano passado, durante o governo Michel Temer.

As causas do incêndio ainda estão sendo investigadas, porém, especialistas apontaram após a tragédia que o prédio bicentenário estava em situação de penúria, com falta de manutenção e fiação elétrica exposta.

Apesar da importância histórica, o Museu Nacional foi afetado pela crise financeira da UFRJ e estava há pelo menos três anos funcionando com orçamento reduzido. A situação chegou ao ponto de o museu anunciar uma “vaquinha virtual” para arrecadar recursos junto ao público para reabrir a sala mais importante do acervo, onde ficava a instalação do dinossauro Dino Prata.

De acordo com o Ministério da Cidadania, o grupo de trabalho criado nesta segunda-feira será presidido pela Secretaria Executiva da pasta com coordenação técnica do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O Ministério da Cidadania é responsável pela administração direta de 30 museus federais. Além disso, a pasta gerencia dezenas de espaços culturais ligados à Fundação Nacional de Artes e ao Iphan, entre os quais a Biblioteca Nacional, do Rio de Janeiro.

Legado olímpico

Parque Olímpico do Rio foi palco dos jogos olímpicos de 2016 — Foto: Alexandre Macieira/Riotur

A assessoria do ministério afirmou que o Parque Olímpico da Barra da Tijuca e o Velódromo Olímpico, ambos no Rio, também serão alvo do Raio-X que será feito pelo grupo de trabalho.

Após o fim do evento internacional, o espaço que custou bilhões aos cofres públicos ficou em estado de abandono. Grande parte do legado olímpico continua sem uso.

De acordo com o Ministério da Cidadania, o governo pretende assegurar aos dois espaços que foram palco da Olimpíada de 2016 condições de segurança para que continuem funcionando com plena capacidade.

Fonte: G1

Arquivo para o Estado e o cidadão

Texto por Jaime Antunes* e Vitor da Fonseca**

Após o viaduto da Marginal Pinheiros ceder, em 15 de novembro passado, enquanto os engenheiros procuravam uma solução que evitasse sua queda ou demolição, alguns jornais anunciavam que o Governo do Estado de São Paulo procurava com afinco o projeto original. Buscava-se, assim, encontrar uma solução mais rápida e barata para o problema, dominando informações sobre sua construção, e evitando que longos e caros estudos tivessem que ser feitos.

Quando o projeto foi achado, doze dias depois do triste evento, para explicar o tempo perdido, afirmou-se que ele estava perdido “entre pilhas de documentos velhos guardados num depósito”. Lastimável – se ao invés de um depósito, ele estivesse num arquivo, a busca teria sido muito mais breve.

Arquivos não são depósitos de documentos velhos. São órgãos básicos para a garantia de uma eficiente e transparente administração, bem como condição do exercício dos direitos de cidadania pela população. Não só guardam, mas também tratam e dão acesso a projetos de engenharia, a registros civis, a processos judiciais, a processos administrativos e a documentos privados de instituições, pessoas e famílias. Servem ao Estado e à sociedade civil, e seus acervos compreendem não só documentos em papel, mas também fotografias, filmes, discos, documentos digitais, mapas e plantas, num intervalo de tempo que pode abarcar do período colonial até os dias atuais.

Reconhecer a importância dos arquivos e o valor do patrimônio informacional que eles custodiam é fundamental numa sociedade democrática. Não se trata só de valor histórico – é fundamental que se conheça o passado para compreender o presente e construir o futuro –, mas também da capacidade de o Estado exercer sua ação de forma mais eficiente (como no caso do Viaduto da Marginal Pinheiros), bem como dos cidadãos exercerem seus direitos, entre eles, o de acompanhar a gestão pública.

No caso do governo federal, sua principal instituição arquivística é o Arquivo Nacional, que completou 181 anos em 2 de janeiro de 2019. Após muitos anos de uma atuação limitada e tradicional, o Arquivo Nacional iniciou na década de 1980 um processo de modernização que teve como pontos altos a mudança de sua sede, na cidade do Rio de Janeiro, para as antigas instalações da Casa da Moeda, a lei de Arquivos, a instalação do Conselho Nacional de Arquivos, o ingresso de novos funcionários, a profissionalização dos servidores públicos federais na área e a presença constante em eventos internacionais, como participante e como difusor de experiência e conhecimento. Isso garantiu-lhe a liderança no processo de preservação e acesso ao patrimônio documental do país, antigo e atual. Além disso, teve fundamental papel na implementação da Lei de Acesso à Informação (lei n. 12.527, de 18 de novembro de 2011), possibilitando a transparência da ação governamental e a construção de uma democracia mais consciente e informada.

O trabalho de um arquivo nacional é um trabalho constante e demorado. Ele preserva o passado documental, para apoio à administração pública e para defesa dos direitos do cidadão, mas também tem de agir no presente, regulando a produção documental em curso nos órgãos, de modo a garantir que, muito tempo depois, esse acervo seja útil ao país e a seu povo. Um arquivo nacional, embora seja uma agência de governo, serve ao Estado, independentemente de quem o chefia, e à cidadania, para além dos indivíduos concretos da atualidade. Um arquivo nacional estimula os demais arquivos estaduais e municipais no mesmo caminho, e constrói com eles uma sociedade mais informada e mais consciente. Um arquivo nacional eficiente e com credibilidade nacional e internacional demora a ser construído, mas pode ser destruído muito rapidamente.

Por isso, a direção do Arquivo Nacional não pode ser vista como um cargo passível de ser transacionado por apoio político. Por ser uma instituição técnica sua direção precisa ser confiada a quem conheça a área, tenha reflexões sobre ela, trânsito com a comunidade de usuários, aptidão para gestão pública e conhecimento da estrutura e do funcionamento da máquina pública, além de perceber os documentos como evidências da história da nação, garantindo ao futuro a preservação e o acesso do que é produzido no presente. Importa também dotar a instituição dos recursos financeiros, materiais, tecnológicos e humanos necessários para enfrentar sua missão, e fortalecê-la em suas competências, ouvindo-a e não lhe dificultando o exercício do protagonismo que precisa ter. Sem tais condições, não só a ação do órgão será prejudicada, mas também sofrerão o Estado, a sociedade e o cidadão.

* Professor do Depto. de História da Uerj

** Professor do Depto. de Ciência da Informação da UFF

Fonte: Jornal do Brasil

USP recebe acervo do ator e diretor Gianfrancesco Guarnieri

Arquivo inclui documentos e manuscritos inéditos, que contam a história do teatro brasileiro no século 20

Texto por Claudia Costa

Acervo doado pela família de Gianfrancesco Guarnieri (detalhe) traz todo o material do escritório do ator e dramaturgo, que inclui sua produção – Foto: Jorge Maruta / USP Imagens

O Centro de Documentação Teatral (CDT) da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, destinado a conservar e preservar a memória teatral brasileira, acaba de receber a doação do arquivo de um dos mais importantes nomes das artes cênicas, o ator e dramaturgo ítalo-brasileiro Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006). Casado duas vezes, sua última esposa, a socióloga Vanya Sant’Anna – com quem teve três filhos, Cláudio (Cacau), Mariana (que também seguiram carreira teatral) e Fernando Henrique – morreu em junho de 2017, e por causa disso, a família decidiu doar o acervo de Guarnieri. O arquivo é composto da biblioteca do ator e conta também com documentos e manuscritos, alguns inéditos, além de fotos e objetos, que recuperam a história do teatro brasileiro e de sua vida pessoal.

O filho de Guarnieri, Cacau, foi quem procurou a USP para fazer a doação. Para ele, é um dever dos herdeiros manter vivo esse acervo. Inicialmente, o contato foi feito com o Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP, que indicou o Centro de Documentação Teatral, local especializado na guarda de acervos desse tipo. “Diferente do IEB, que pensa em arquivos pessoais de intelectuais, o Centro de Documentação Teatral reúne acervos pessoais e institucionais especialmente sobre teatro, incluindo todos os tipos de documentos e objetos”, informa a professora Elizabeth Azevedo, professora do Departamento de Artes Cênicas da ECA e coordenadora do CDT.

Programas de peças de Gianfrancesco Guarnieri e de outras obras teatrais a que ele assistiu fazem parte do acervo – Foto: Jorge Maruta/USP Imagens
Programas de peças de Gianfrancesco Guarnieri e de outras obras teatrais a que ele assistiu fazem parte do acervo – Foto: Jorge Maruta/USP Imagens
Programas de peças de Gianfrancesco Guarnieri e de outras obras teatrais a que ele assistiu fazem parte do acervo – Foto: Jorge Maruta/USP Imagens
Programas de peças de Gianfrancesco Guarnieri e de outras obras teatrais a que ele assistiu fazem parte do acervo – Foto: Jorge Maruta/USP Imagens
Programas de peças de Gianfrancesco Guarnieri e de outras que ele assistiu – Acervo de Gianfrancesco Guarnieri – Foto: Jorge Maruta / USP Imagens
Programas de peças de Gianfrancesco Guarnieri e de outras obras teatrais a que ele assistiu fazem parte do acervo – Foto: Jorge Maruta/USP Imagens
Fotografias feitas na Itália, em 1934, mostram Guarnieri criança: acervo ainda precisa da ajuda da família para identificação das imagens – Foto: Jorge Maruta/USP Imagens
Fotografias feitas na Itália, em 1934, mostram Guarnieri criança: acervo ainda precisa da ajuda da família para identificação das imagens – Foto: Jorge Maruta/USP Imagens
Fotografias feitas na Itália, em 1934, mostram Guarnieri criança: acervo ainda precisa da ajuda da família para identificação das imagens – Foto: Jorge Maruta/USP Imagens
Fotografias feitas na Itália, em 1934, mostram Guarnieri criança: acervo ainda precisa da ajuda da família para identificação das imagens – Foto: Jorge Maruta/USP Imagens
Fotografias feitas na Itália, em 1934, mostram Guarnieri criança: acervo ainda precisa da ajuda da família para identificação das imagens – Foto: Jorge Maruta/USP Imagens
Fotografias feitas na Itália, em 1934, mostram Guarnieri criança: acervo ainda precisa da ajuda da família para identificação das imagens – Foto: Jorge Maruta/USP Imagens
Fotografias feitas na Itália, em 1934, mostram Guarnieri criança: acervo ainda precisa da ajuda da família para identificação das imagens – Foto: Jorge Maruta/USP Imagens

Até agora, foram recebidas cerca de 25 caixas, que estavam guardadas na casa de Vanya e Guarnieri, na Serra da Cantareira, mas ainda se espera pela chegada de outros materiais, que estão sob a posse de familiares e que também ficarão sob a guarda do Centro de Documentação Teatral, como conta Elizabeth. Segundo ela, nesse primeiro lote está basicamente a produção de Guarnieri. “Era o escritório do Guarnieri”, ressalta Cacau, acrescentando que, para toda casa que ele mudasse, levava esse mesmo escritório. Cacau está fazendo a intermediação para o resgate do material que ainda está com a primeira mulher de Guarnieri, a jornalista Cecília Thompson, que cobre o período de 1964 e 1965, com as peças A Semente e Eles Não Usam Black-Tie, além da fase do Teatro de Arena. “É claro que pessoas que conviveram com meu pai, colegas de palco, de dramaturgia e de grupo, ainda podem contribuir com o acervo”, diz.

O arquivo está em um processo inicial, no qual os documentos passam por higienização e recuperação, além da desmetalização (todos os grampos e metais são retirados). “Um bolsista vai trabalhar exclusivamente nesse conjunto documental para agilizar a disponibilização para os pesquisadores”, afirma Elizabeth, referindo-se ao estudante Gabriel Fortunato, do curso de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. A professora acrescenta que mesmo nessa fase é possível consultar o acervo, “com todo o cuidado”, e que até o final do ano todos os documentos já deverão ter passado pelo processo de acondicionamento e disponibilização. O CDT ainda contou com o apoio do diretor da ECA, professor Eduardo Monteiro, ganhando mais salas.

Vida e obra

O Prêmio Molière recebido por Gianfrancesco Guarnieri em 1973 como melhor autor de peça nacional – Acervo de Gianfranceso Guarnieri

Gianfrancesco Guarnieri nasceu em 6 de agosto de 1934, em Milão, na Itália. Com dois anos de idade, veio para o Brasil com os pais, que fugiam do regime fascista de Benito Mussolini. Líder estudantil desde a adolescência, Guarnieri começou a fazer teatro amador com Oduvaldo Vianna Filho, o Vianinha, e um grupo de estudantes de São Paulo que, em 1955, criou o Teatro Paulista do Estudante (TPE), com orientação de Ruggero Jacobbi. A ata de criação do TPE, com as assinaturas, incluindo a de Guarnieri, está no acervo. No ano seguinte, o TPE uniu-se ao Teatro de Arena, fundado e dirigido por José Renato.

Guarnieri ficou conhecido em 1958, quando, em crise, o Teatro de Arena de São Paulo conseguiu novo fôlego com o sucesso do seu texto inédito Eles Não Usam Black-Tie, que foi transformado em filme, em 1981, dirigido por Leon Hirszman, e pelo qual recebeu o Leão de Ouro no Festival de Veneza. O artista multifacetado, dramaturgo, diretor e ator de teatro, cinema e televisão fez trabalhos memoráveis em cada meio em que atuou, acumulando diversos sucessos e prêmios. Em 2006, ano de sua morte, Guarnieri foi homenageado na 18ª edição do Prêmio Shell de Teatro de São Paulo por sua contribuição ao teatro brasileiro.

Leão de Ouro do Festival de Veneza, que Guarnieri recebeu pela versão cinematográfica de Eles Não Usam Black-Tie (1981), dirigida por Leon Hirszman – Foto: Jorge Maruta / USP Imagens

O Leão de Ouro e outros objetos valiosos, como o Prêmio Molière, que Guarnieri ganhou em 1973 como Melhor Autor de Peça Nacional, e a medalha de Ordem do Mérito Cultural, condecoração outorgada pelo Ministério da Cultura em reconhecimento às contribuições à cultura brasileira, também vieram nesse lote. Há ainda vários álbuns de fotos, incluindo imagens feitas na Itália que, segundo Elizabeth, precisam da ajuda da família para identificação. “São fotos dele ainda pequeno, e que dão um contorno humano ao artista”, diz Cacau.

“Ainda serão realizados vários trabalhos de pesquisa, mas, como professora de teatro brasileiro, dá para ver que há muito material inédito, como peças e poesias, e sei que dá para fazer, por exemplo, trabalhos de crítica genética, porque há várias versões de uma mesma peça”, afirma a coordenadora. Segundo Cacau, são vários manuscritos, peças com anotações no rodapé, correção de rubricas, além de prêmios, cartazes, recortes e programas. “Meu pai não guardava muita coisa e não tinha uma preocupação em organizar. Todo material que está no acervo é material de trabalho mesmo, e tem um valor histórico.”

Medalha de Ordem do Mérito Cultural, que Guarnieri recebeu do então presidente Fernando Henrique Cardoso por sua contribuição ao teatro – Acervo de Gianfrancesco Guarnieri – Foto: Jorge Maruta / USP Imagens

Segundo Elizabeth, faltam instituições que se dediquem à preservação da memória teatral e o CDT tem essa missão, que a USP já cumpre com outras áreas científicas, artísticas e culturais, visto o número de museus. “Esse teatro paulista, que dos anos 50 para cá se tornou muito mais relevante do que talvez ele tivesse sido até então, a partir do Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), da Escola de Arte Dramática (EAD) e, paralelamente, do Teatro de Arena, do Oficina e de outros que surgiram, tem pouco lugar para preservar sua memória e trajetória”, comenta. E conclui: “Nós temos um papel dentro desse espectro de entidades que ‘lutam’ para a preservação da memória do teatro, e isso é imprescindível para que se continue a fazer pesquisas, revisitar a história e produzir conhecimento”.

Elizabeth Azevedo, coordenadora do Centro de Documentação Teatral e docente do Departamento de Artes Cênicas da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP – Foto: Jorge Maruta/USP Imagens

O acervo de Gianfrancesco Guarnieri está no Centro de Documentação Teatral (Avenida Professor Lúcio Martins Rodrigues, Bloco B, Sala 13, Cidade Universitária, em São Paulo). Pesquisadores precisam agendar atendimento. Mais informações pelo telefone (11) 3091-8203, pelo e-mail: cdt@usp.br e no site do CDT.

Fonte: Jornal da USP

Arquivo Histórico Ultramarino é “um acervo comum a mais países” que Portugal

A diretora do Arquivo Histórico Ultramarino, Ana Canas, realçou que este é “um acervo comum a mais países” que Portugal, e defendeu a continuidade do “investimento na sua disponibilização” e numa “digitalização seletiva”.

O Arquivo Histórico Ultramarino (AHU), instalado no Palácio da Ega, em Lisboa, tem à sua guarda documentação relativa a todos os territórios ultramarinos, que estiveram sob administração portuguesa, desde finais do século XVI até 1975.

A documentação, cerca de 17 quilômetros de prateleiras, “é esmagadoramente de organismos da administração colonial portuguesa, centrada em Lisboa”.

Em entrevista à agência Lusa, Ana Canas, à frente do AHU desde junho de 2005, afirmou que, “no fundamental, a documentação dos organismos sediados nas anteriores colônias ficou lá”, ”nos países que se tornaram independentes de Portugal”, após a revolução de abril de 1974.

A responsável disse haver “muitos contatos bilaterais” entre o AHU e as diferentes instituições congêneres dos Estados independentes, e até com as autoridades desses países, com um “interesse pragmático”, quer seja sobre obras públicas, quer sobre recursos naturais, nomeadamente mineiros.

Ana Canas citou alguns casos, entre os quais a consulta que foi feita sobre um determinado edifício público em Maputo, cujas fundações inspiravam preocupações às autoridades moçambicanas, e que foi necessário consultar a documentação existente, “o que aliás se passou também relativamente à renovação de um edifício em Bissau”.

“Há também quem consulte o AHU para efeitos da sua aposentadoria”, referiu.

Quanto ao AHU, Ana Canas afirmou: “Há uma preocupação que é, sendo este acervo comum a mais países que não o nosso, de um investimento ainda maior, na sua disponibilização, na criação de instrumentos melhores de pesquisa e, nalguns casos, de base para todo o acervo do arquivo, e na digitalização seletiva [da documentação]”.

A responsável realçou que, mesmo sendo documentação da administração portuguesa, “diz respeito àqueles países, e muitas vezes com as várias comunidades dentro desses países”. Neste sentido, argumentou que “tem de haver uma resposta a qualquer solicitação, ou necessidade, que possa surgir”, por parte do AHU.

Ana Canas afastou qualquer possibilidade de as autoridades dos diferentes países, em que houve um domínio administrativo português, virem a reclamar qualquer espólio documental, apostando até numa base de dados acessível a todos, e citou como “exemplar” o projeto “Barão do rio Branco”, de resgate de documentação histórica manuscrita referente ao Brasil, com cerca de 300 mil documentos, que foi criado em 1995 no âmbito da Comissão Bilateral Luso-Brasileira de Salvaguarda e Divulgação do Patrimônio Documental.

Cabo Verde é um dos países que tem estado a trilhar um caminho idêntico, na sequência de um outro projeto nesta área, “África Atlântica”, em que participou também o Brasil.

O AHU inaugura, na quinta-feira, a exposição “Colonizando África: Relatórios das Obras Públicas em Angola e Moçambique (1875-1975)”, coordenada pela arquiteta Ana Vaz Milheiro, cujo discurso expositivo tem por objetivo “dar a conhecer o tipo de informação que há no AHU, e aquilo a que é possível aceder da forma que se entender, sem um direcionamento específico”.

Na exposição, “procurou-se valorizar o trabalho [do AHU], com mão de obra, utilizando fotografias que não foram ‘encenadas’”, rematou.

Fonte: JORNAL MUNDO LUSIADA

UNESCO inclui acervos de Paulo Freire, Nise da Silveira e Carlos Gomes em projeto global de conservação

 

Três acervos do Brasil foram aprovados para fazer parte do registro internacional do programa Memória do Mundo da UNESCO. São eles: o Arquivo Pessoal de Nise da Silveira, a Coleção Educador Paulo Freire e Antonio Carlos Gomes: compositor de dois mundos. Projeto da agência da ONU visa preservar e divulgar patrimônio documental de diferentes partes do mundo. Projeto de conservação e divulgação já conta com 427 coleções e documentos de todos os continentes.

Todas as submissões brasileiras foram aceitas. Isso deve ser um motivo de orgulho para o país. Agora, o Brasil tem dez acervos inscritos no registro internacional”, comemora Adauto Soares, coordenador do setor de Comunicação e Informação da UNESCO no Brasil. Entre os documentos brasileiros previamente inscritos no cadastro mundial, estão a Rede de Informação e Contrainformação do Regime Militar no Brasil e o Arquivo arquitetônico de Oscar Niemeyer.

A iniciativa Memória do Mundo se divide em três níveis — global, regional e nacional. Atualmente, o registro internacional conta com 427 documentos e coleções de todos os continentes.

A inclusão no projeto dos três acervos brasileiros foi decidida ao final de outubro, durante encontrou que reuniu em Paris, na sede da agência da ONU, os integrantes do comitê consultivo responsável pelo projeto Memória do Mundo. Outras 75 coleções de diferentes países foram incluídas no programa.

Conheça os acervos brasileiros selecionados:

Arquivo Pessoal de Nise da Silveira foi proposto pela Sociedade de Amigos do Museu do Inconsciente, no Rio de Janeiro, onde o acervo está disponível para visitação. A indicação garante a preservação dos ensinamentos da renomada psiquiatra brasileira que, por meio de cartas trocadas com Carl Jung, deu abertura para a entrada da psicologia jungiana na América Latina. Para saber mais sobre esse arquivo, assista ao vídeo produzido pela UNESCO no Brasil.

O título internacional vem dar ainda mais destaque ao arquivo de Nise da Silveira que já estava inscrito no Registro Nacional do Programa Memória do Mundo (MoW Brasil) desde 2014, assim como no Registro Regional da América Latina e do Caribe do Programa Memória do Mundo (MoW LAC), desde 2015.

Aquarela para cenário da ópera O Guarani, de Antonio Carlos Gomes. Imagem: Teatro alla Scala/Carlo Ferrario

acervo Antonio Carlos Gomes: compositor de dois mundos conta com vários documentos produzidos pelo famoso compositor de ópera brasileiro, o primeiro a ter suas obras apresentadas no Teatro alla Scala, na Itália. O Museo do Teatro italiano participou da proposta dessa submissão, ao lado de diversas instituições brasileiras, configurando uma inscrição binacional Brasil-Itália. As instituições brasileiras participantes da proposta são o Arquivo Nacional (AN); a Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); a Fundação Biblioteca Nacional (FBN); o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB); o Museu Carlos Gomes do Centro de Ciências, Letras e Artes (CCLA); o Museu Histórico Nacional (MHN); o Museu Imperial (MI); e o Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA).

O último acervo brasileiro incluído no registro internacional é a Coleção Educador Paulo Freire, proposta por Ana Maria Araújo Freire e pelo Instituto Paulo Freire. A coleção eterniza os pensamentos de Paulo Freire, um dos educadores de maior renome da história do Brasil. Criador da pedagogia crítica e nomeado Patrono da Educação Brasileira pela lei 12.612 de 13 de abril de 2012. O acervo se encontra disponível para visitação no Instituto Paulo Freire, em São Paulo. Os documentos já haviam sido inscritos no Registro Nacional do Programa Memória do Mundo (MoW Brasil), em 2014, e no Registro Regional da América Latina e do Caribe do Programa Memória do Mundo (MoW LAC), em 2015.

Clique aqui para saber mais sobre outros acervos brasileiros inscritos (em inglês) no Registro Internacional do Programa Memória do Mundo.

Fonte: Revista Prosa Verso e Arte

Arquivo sobre vítimas do Holocausto disponibilizado “online”

O espólio agora disponível na internet inclui cerca de 30 milhões de documentos sobre a perseguição nazi, o trabalho forçado e o destino dos sobreviventes.

Foto: DR/Richard Ehrlich for the US Holocaust Memorial Museum

Os responsáveis pelo arquivo alemão International Tracing Service (ITS)anunciaram esta segunda-feira a publicação online do seu inventário da época do Holocausto. Partes do espólio que foram sujeitas apenas a uma indexação preliminar também vão ser disponibilizadas. Descrições mais pormenorizadas serão acrescentadas gradualmente.

International Tracing Service foi criado pelos Estados Unidos e os aliados após o fim da II Guerra Mundial, com o objetivo de investigar o que aconteceu às vítimas do Holocausto. Informação sobre o período de detenção, trabalho forçado e assistência no pós-Guerra.

Em 2007, foi permitido o acesso de académicos e investigadores aos documentos, iniciando-se a transformação de arquivo para instituição de investigação.

O espólio do ITS foi inscrito em 2013 pela UNESCO na lista de património documental “Memória do Mundo”.

Fonte: TSF

Arquivos particulares e responsabilidade pública

Texto por Rita de Almeida Carvalho

Se, dada a sua extensão e importância, os arquivos de âmbito estatal estão mais expostos ao escrutínio público, os arquivos privados merecem também a nossa atenção.

A 15 de Setembro de 2014 o Jornal de Notícias divulgava que o Estado português tinha “mais de cinco mil quilómetros (como ir do Porto a Moscovo) de arquivos por organizar”. Nem tudo deve ser conservado, mas é necessário conhecer o valor informativo, a relevância enquanto prova factual e a importância histórica desta documentação para se determinar o seu destino final. A entidade responsável por definir os critérios de arquivo dos documentos produzidos pela administração pública, a Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB), tem dedicado parte substancial dos seus esforços a esta tarefa. Os arquivos privados também estão sujeitos às normas emanadas da DGLAB, que deve ainda apreciar as regras de acesso estabelecidas pelos seus proprietários para posterior homologação pela respectiva tutela governamental.

Dada a sua extensão e importância, os arquivos estatais estão muito expostos ao escrutínio público, porém alguns arquivos privados merecem a nossa particular atenção, nomeadamente, o Arquivo & Biblioteca da Fundação Mário Soares e o Arquivo Ephemera, biblioteca e arquivo de José Pacheco Pereira.

O arquivo da Fundação Mário Soares (FMS), que foi pioneiro na adopção de soluções de digitalização e disponibilização de documentos online, tem hoje à sua guarda uma quantidade impressionante de acervos de opositores ao Estado Novo e de dirigentes de Movimentos Nacionalistas Africanos e de Timor-Leste, inventariados e disponíveis ao público. Também se deve a este arquivo o projecto Casa Comum, uma plataforma agregadora de informação que é hoje o maior repositório digital de documentação em língua portuguesa.

Com a morte de Mário Soares em 2017, o futuro do arquivo tornou-se incerto e recentemente o jornal PÚBLICO noticiou que se pondera o seu desmantelamento, sendo provável que muitos dos fundos documentais venham a ser incorporados na Torre do Tombo ou sejam devolvidos aos proprietários, que os colocaram à guarda da FMS a troco do tratamento e da disponibilização pública das suas colecções. Estima-se que mais de 90% dos documentos do arquivo da fundação estejam nesta última situação, incluindo o arquivo pessoal de Mário Soares. Se os dirigentes da FMS optarem pelo desmembramento do arquivo, os responsáveis pela política nacional de arquivos devem contribuir para assegurar a sua integridade. Tal não quer dizer que a DGLAB deva incorporá-lo na Torre do Tombo, pois a vocação deste organismo é guardar documentos produzidos pelos organismos centrais do Estado. Mas há alternativas, como a sua integração na estrutura de arquivos da Câmara Municipal de Lisboa, mantendo-se o funcionamento nas actuais instalações.

Também o Ephemera, arquivo privado que reúne documentação para a história dos movimentos sociais, requer cuidados. Trata-se de uma colecção constituída por materiais herdados, adquiridos e doados, cujo conteúdo Pacheco Pereira tem vindo a divulgar através de diversas iniciativas de que se destaca a criação de um website, um programa de televisão e várias publicações. Porém, o acesso público a este arquivo não tem sido garantido nem mesmo a investigadores. Para prestar um serviço público não basta proclamar o ser cada vez “mais público” o acesso a estes “arquivos privados” nem mesmo utilizar como epígrafe no website a afirmação de Samuel Johnson — “the two offices of memory are collection and distribution“; é necessário que o serviço seja de facto público.

Outra questão que se coloca relativamente ao Ephemera é a de saber o que lhe irá suceder no futuro. Seria desejável que se evitasse algo semelhante ao que ocorre actualmente com o arquivo da FMS. Tal poderia ser acautelado se a colecção fosse integrada num arquivo verdadeiramente vocacionado para o serviço público, alinhado com os procedimentos definidos nacional e internacionalmente para o tratamento documental, que garantisse a sua consulta a todos os interessados, e com financiamento dedicado ao seu tratamento, estudo e disseminação. Para este efeito, talvez não fosse descabido apoiarmos Pacheco Pereira na constituição de um fundo.

Independentemente das soluções adoptadas, tanto o arquivo da Fundação Mário Soares como o de Pacheco Pereira são fundamentais para a compreensão da história contemporânea pelo que requerem a atenção imediata dos responsáveis políticos.

Fonte: Público

Fundação Energia e Saneamento disponibiliza nova série sobre SP em acervo online

Patrimônio público da cidade, o Shopping Light, no centro de São Paulo, foi construído na década de 1920, e é símbolo de um período em que a capital passou por grandes transformações. As mudanças urbanas foram diversas: novos traçados de ruas e avenidas, desaparecimento e surgimento de prédios, instalação de trilhos de bondes, iluminação elétrica etc.

Para quem busca descobrir sobre tais transformações, fotos e pinturas antigas são, geralmente, os recursos mais acessados. Agora, a Fundação Energia e Saneamento passa a oferecer, com acesso gratuito e de forma inédita, um novo material online aos pesquisadores de plantão: mais de mil documentos gráficos produzidos pela antiga companhia Light entre 1914 e 1949, e que registram obras e alterações na cidade, como a construção do Shopping Light.

O acervo digitalizado integra um dos maiores fundos documentais da instituição – em seu total, são 1,7 quilômetros de documentação textual. A série “Propriedades da Companhia” revela ao público uma grande variedade de fontes gráficas, como projetos de arquitetura e engenharia, entre eles desenhos técnicos, plantas baixas e cartografias que retratam o processo de urbanização da cidade pela construção de subestações de energia, obras subterrâneas, estações de bonde, oficinas e propriedades diversas espalhadas pela Capital – como a antiga Subestação Central Riachuelo, recentemente restaurada e transformada em um centro cultural, na Praça da Bandeira.


O projeto de disponibilização do acervo, conduzido pela equipe do Núcleo de Documentação e Pesquisa da Fundação, integra processos de organização, higienização (com técnicas de conservação e restauro que incluem, até mesmo, a costura de documentos), catalogação e inserção dos dados em plataforma online. Os trabalhos, ainda em andamento, resultarão, ao final, no cadastro online de 2.951 novos documentos digitalizados no site da Fundação.

A documentação digitalizada integra uma parte do acervo da instituição que possui grande demanda de pesquisa. São, em maioria, estudos acadêmicos nas áreas de Arquitetura, Engenharia e História.

Fundação Energia e Saneamento

“Avalio como de extrema relevância a preservação do acervo como patrimônio, e sua disponibilização como um meio de produção do conhecimento sobre a cidade, o indivíduo e dos seus bens culturais”, comenta o arquiteto Valter Lameirinha, que pesquisa a série “Propriedades da Companhia”. Graduando em História da Arte pela Unifesp, Lameirinha estuda as edificações das subestações de energia da Light na Capital que estão preservadas, passaram por processos de restauro, foram demolidas ou encontram-se em funcionamento. “O esforço em atualizar o acervo com os novos meios de tecnologia de informação e conservação – como digitalização do acervo, por exemplo – demonstra a preocupação na preservação desse patrimônio e a responsabilidade em sua tutela”, conclui.

No site, a série “Propriedades da Companhia” pode ser acessada, em sua totalidade, pelo campo “pesquisa”, com a inserção da palavra “propriedades da companhia”. Informações pelo e-mail pesquisa@energiaesaneamento.org.br

Seminário: Políticas públicas em arquivos de universidades

 

 

 

Em parceria com o Centro de Documentação e Memória (CEDEM), da Unesp, a Comissão de Avaliação de Documentos e Acesso (CADA) promove o seminário Políticas públicas em arquivos de universidades com o intuito de trocar experiências com outras instituições sobre ferramentas de planejamento para promover a difusão e o acesso aos arquivos. Nos últimos anos a CADA elaborou o plano de classificação e a tabela de temporalidade de documentos da Unesp: atividades-meio e atividades-fim.

Inscreva-se gratuitamente:  http://www.cedem.unesp.br/#!/evento1

PROGRAMAÇÃO

Manhã
9h – Recepção
9h30 – Abertura

10h – Mesa-redonda: Sistemas de arquivos e gestão de documentos: do papel ao digital.

Palestrantes:
Renato Tarciso Barbosa de Sousa (Faculdade de Ciência da Informação – UNB)
Janaína Andiara dos Santos (Sistema de Arquivos da Unicamp)
Bárbara Júlia Menezello Leitão (Arquivo Geral da USP)

Mediadora:
Maria Leandra Bizello (Docente da Faculdade de Filosofia e Ciências – Unesp)

12h30 – Intervalo para almoço

Tarde
14h
– Mesa-redonda – Acesso aos arquivos de universidades: Um debate sobre usuário e acervo.

Palestrantes:
Heloisa de Faria Cruz (Centro de Documentação e Informação Científica – PUC-SP)
Cecília Machado e Karina de Barros (Centro Histórico e Cultural do Mackenzie)

Mediadora:
Sonia Troitiño (Coordenadora do CEDEM – Unesp)

17h – Lançamento do livro Panorama da gestão documental na Unesp

Serviço:
Data e horário: 8/11/2018 – Quinta-feira – 9 horas
Local: CEDEM – Praça da Sé, 108 – 1º andar (metrô Sé);
Inscrições gratuitas: http://www.cedem.unesp.br/#!/evento1
Informações: (11) 3116–1701
Transmissão on-line https://video.unesp.br/cedem
E-mail: eventos.cedem@unesp.br   
www.cedem.unesp.br  / https://www.facebook.com/CedemUnespOficial
*Certificado de participação a ser retirado durante evento

Acervo de Paul Singer é doado ao Instituto de Estudos Brasileiros

Filhos do economista da USP doam o acervo completo, incluindo documentos, fotos e a biblioteca

Texto por Claudia Costa
O professor Paul Singer: “Com o passar do tempo, eu comecei a perceber que o importante em economia solidária é a palavra ‘solidária’” – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

O Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP vai receber o acervo do economista e professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP Paul Singer, falecido em abril deste ano. A biblioteca e a documentação pessoal, que somam cerca de 9 mil itens, segundo a assessoria do instituto, foram doadas por seus filhos, o cientista político André Singer, a jornalista Suzana Singer e a socióloga Helena Singer. Desde o início a escolha recaiu sobre o IEB. Como diz André Singer, “o instituto é uma das principais instituições de pesquisa, com excelência na estruturação de processamento e disponibilização do material para o público”.

O professor André Singer: “Meu pai tinha verdadeiro amor pela USP, e sentia como se ela fosse sua segunda casa” – Foto: Acervo André Singer

O processo de aprovação foi muito tranquilo, segundo o diretor em exercício do IEB, professor Paulo Teixeira Iumatti, também presidente da Comissão de Serviços de Apoio (CSA) do instituto, que atua no âmbito de incorporação de acervos. “Tanto a comissão no IEB como o Conselho Deliberativo do instituto aprovaram a vinda do acervo”, afirma. “Trata-se de um acervo que espelha a produção e a militância de um intelectual que possui um pensamento original, com projeção dentro e fora do País, tendo inaugurado uma vertente – a da economia solidária – que tem imensa repercussão no Brasil, a ponto de afetar o cotidiano de parte da população”, continua.

André Singer lembra que a USP foi uma casa para o professor e pesquisador. “Meu pai foi aluno da Faculdade de Economia, Administração da USP – que a partir de 1990 passou a se chamar Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade –, depois se tornou professor na mesma faculdade. Foi aposentado compulsoriamente após o AI-5 e, assim que foi possível, no final dos anos 70 e começo dos 80, com a anistia, ele voltou para a faculdade, se tornou titular e se aposentou nela. Podemos dizer que ele fez a vida profissional inteira na USP”, conta André Singer, que é professor do Departamento de Ciência Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP e colunista da Rádio USP. “Ele tinha verdadeiro amor pela USP, e sentia como se fosse sua segunda casa”, completa.

Segundo o diretor do IEB, professor Paulo Iumatti, ainda não há previsão para disponibilização do acervo, que deve ser catalogado seguindo padrões internacionais – Foto: Acervo Paulo Teixeira Iumatti

O legado de Paul Singer

Nascido na Áustria em 1932 e naturalizado brasileiro em 1954, Paul Singer é autor de uma extensa obra. Segundo levantamento realizado por Rosangela Pimentel, que foi sua secretária nos últimos anos, a lista é composta de 27 livros, 152 artigos em coletâneas, 193 artigos em revistas científicas, 659 artigos em jornais, 140 entrevistas e 76 textos em publicações estrangeiras, nas línguas alemã, espanhola, inglesa, francesa e italiana. Para o professor do IEB Alexandre de Freitas Barbosa – um dos maiores conhecedores da coleção de Paul Singer -, trata-se de um acervo riquíssimo, que contém obras sobre a questão do emprego, do desenvolvimento e da economia brasileira.

Há ainda muitos textos inéditos, entre cartas, relatórios de pesquisa, aulas e comunicações orais feitas pelo professor ao longo de décadas. “É um conjunto extenso de documentos. São cerca de cinco caixas, que contêm anotações e rascunhos de textos que não foram publicados. Há muitas referências à vida dele como professor e pesquisador, além de documentos sobre sua militância política”, diz André Singer. Marxista de formação, Paul Singer foi militante do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, época em que participou da chamada “greve dos 300 mil”, em 1953, quando ainda atuava como eletrotécnico, e um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT).

O professor Alexandre de Freitas Barbosa, do IEB: “Se tivéssemos que falar sobre o pensamento econômico e social da segunda metade do século 20, teríamos que reservar um capítulo para o professor Paul Singer” – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

“É o acervo de um intelectual militante, com uma profunda e sólida formação teórica. E que vai além dessa contribuição teórica que está nos seus livros sobre economia política, do trabalho e economia política de urbanização, de alguém que estava discutindo desenvolvimento econômico, tecnologia, impacto sobre emprego, organização das cidades e a questão populacional”, afirma o professor Alexandre Barbosa. Ele completa dizendo que, em Paul Singer, “a discussão teórica e a utopia militante como intelectual socialista se juntam para buscar na economia solidária e nos empreendimentos autogestionários uma saída para o desemprego, chegando até, algumas vezes, a pensar numa superação do sistema capitalista”.

O livro Militante por Uma Utopia, de Paul Singer – Foto: Divulgação / Editora Com-Arte (Clique na imagem para ampliar)

Nos anos do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), que fundou, em 1969, ao lado de vários outros pesquisadores e professores – período em que foi aposentado compulsoriamente da USP pela ditadura militar – “Paul Singer se firmou como um dos principais pensadores econômicos e sociais da América Latina”, afirma Barbosa.  “Quando surge o conceito de setor informal, ele já fala de setor autônomo. É um dos primeiros a trazer essa discussão sobre o problema do trabalho, em um texto clássico no Caderno Cebrap, de 1972”, relata.

Paul Singer atuou no Cebrap até 1988, antes de ser nomeado secretário municipal de Planejamento de São Paulo. Também fez parte do grupo que fundou a Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares na USP, em 1998, e, em 2003, assumiu a Secretaria Nacional de Economia Solidária (Senaes), que implementou, a partir de junho do mesmo ano, no âmbito do Ministério do Trabalho e Emprego, saindo em 2016 por causa da mudança de governo. “Talvez poucas pessoas saibam, mas ele provavelmente foi o servidor público – essa era a sua postura (ele exercia um cargo de confiança) – que mais ficou no governo Lula”, diz, afirmando que boa parte dessa política pública inovadora está no acervo.

Nos últimos 25 anos, Paul Singer se dedicou à economia solidária, na qual, segundo Barbosa, era referência latino-americana. “Com o passar do tempo, eu comecei a perceber que o importante em economia solidária é a palavra ‘solidária’. Ela dá uma qualidade da relação humana entre os companheiros, que é fundamental, que não dá para minimizar. A solidariedade entre nós, trabalhadores, é essencial. A cada um isoladamente e a todos”, disse o próprio Paul Singer em entrevista publicada no número 93 da revista Estudos Avançados, do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP.

Segundo André Singer, todos os trabalhos do professor referentes a esse período também estão no acervo. “Doamos o acervo completo”, informa, ressaltando que tanto o material inédito quanto aquele que diz respeito à biografia são importantes para a realização de pesquisas sobre sua obra e trajetória. Ele conta ainda que o acervo contém um material significativo em outras mídias, como áudios e filmes. Barbosa confirma: “São várias fitas em VHS e cassete, nas quais é possível recuperar sua trajetória e reflexão”. Ainda segundo Barbosa, “esse acervo abre possibilidades de um conjunto de pesquisas sobre facetas não conhecidas de sua obra”.

.Raridades do acervo

“Se tivéssemos que falar sobre o pensamento econômico e social da segunda metade do século 20, teríamos que reservar um capítulo para o professor Paul Singer”, afirma o professor Barbosa, ressalvando que ele é um dos poucos economistas capazes de falar para um grande público, citando como exemplo seu livro Aprender Economia. Barbosa ainda destaca dois itens do acervo: o livro Militante por uma Utopia (Editora Com-Arte), seu memorial de professor titular na FEA, e um exemplar da primeira edição de Das Kapital, de 1867, que Singer utilizou quando participou do Grupo do Capital ou Seminário Marx – como ficou conhecido o grupo de intelectuais que, a partir de 1958, se reunia quinzenalmente em São Paulo para ler a obra mais famosa de Karl Marx, formado por pensadores como Fernando Henrique Cardoso, Octavio Ianni, José Arthur Giannotti e Fernando Novais, entre outros.

Exemplar da primeira edição (1867) de Das Kapital, de Karl Marx, que pertencia a Paul Singer – Foto: Zentralbibliothek Zürich via Wikimedia Commons – CC (Clique na imagem para ampliar)

Segundo Iumatti, a data da vinda do acervo para a USP depende do andamento de alguns procedimentos administrativos e burocráticos, mas ele acredita que deve ocorrer em, no máximo, três meses. Porém, ainda não há uma previsão para a disponibilização para o público. “O processo de catalogação será feito de acordo com as normas da Universidade e do IEB, seguindo padrões internacionais. Uma grande vantagem no que se refere a esse acervo é que uma parte dele já está organizada e pré-catalogada”, informa, acrescentando que para a digitalização ainda será preciso fazer um projeto específico.

Incluídos na Biblioteca e no Arquivo do IEB, as obras de Paul Singer, bem como sua coleção de livros, ficarão disponíveis para consulta do público e poderão ser utilizadas nos cursos de extensão, graduação e pós-graduação, seminários e exposições realizadas pelo instituto. Segundo Barbosa, o acervo de Paul Singer vem se juntar a outros dois acervos de valor imensurável, o do historiador econômico Caio Prado Jr. e o do sociólogo e crítico literário Antonio Candido, também sob posse do IEB. “O acervo de Paul Singer é uma forma de essa utopia tão concreta da economia solidária continuar se enraizando na política brasileira. É uma maneira de ele estar vivo e entre nós”, conclui.

Fonte: Jornal da USP

Arquivos e museus desprotegidos guardam acervos raros nos estados

Problemas incluem goteiras, infiltrações e falta de prevenção contra incêndio

Texto por Fernanda Canofre , Paula Passos e João Pedro Pitombo

Edifício erguido no século 16 onde funciona o Arquivo Público da Bahia tem infiltrações; local armazena documentos de mais de 400 anos – Raul Spinassé/Folhapress

O incêndio que devastou o Museu Nacional, no Rio, no domingo (2), acendeu o sinal de alerta para a situação de museus, bibliotecas e arquivos públicos nos demais estados.

Com acervos valiosos, que incluem de obras de arte a documentos raros do período colonial do Brasil, estes equipamentos enfrentam problemas estruturais como goteiras e infiltrações, além da ausência de sistemas de prevenção contra incêndios.

Em Salvador, documentos do período colonial —o mais antigo é de 1552— fazem do Arquivo Público da Bahia um dos mais valiosos do mundo. Sua importância, contudo, é oposta aos investimentos de sucessivas gestões do governo da Bahia nas últimas décadas.

Funcionando em um antigo mosteiro erguido no século 16, o arquivo ficou três anos —entre 2011 e 2013— sem energia elétrica por causa do risco iminente de um curto-circuito.

Mesmo após uma reforma que recuperou o telhado e o forro, permanecem problemas como infiltrações e papéis armazenados em condições inadequadas.

“São documentos de 400 anos que estão à mercê de intempéries, pragas, calor e umidade excessivas”, afirma o historiador Urano Andrade, que costuma frequentar o arquivo diariamente.

O sistema de prevenção de incêndio, que seria instalado por meio de uma parceria do governo da Bahia com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), não saiu do papel.

O convênio expirou em 2015 e os recursos tiveram que ser devolvidos. Restou apenas uma placa comemorativa na parede do arquivo.

Presidente da Fundação Pedro Calmon, responsável pelo Arquivo, Zulu Araújo, diz que o estado já licitou uma nova reforma na qual irá investir R$ 3 milhões na recuperação da estrutura física do casarão.

A situação não é muito diferente no Arquivo Público Municipal, que funciona no subsolo da sede do órgão responsável pelas políticas de cultura em Salvador.

Numa sala estreita, com fios de eletricidades expostos no teto e nos corredores —parte deles emendados com fita isolante—, estão documentos raros como registros do comércio de escravos, registros de nascimento e leis aprovadas no período colonial.

A Prefeitura de Salvador diz que captou recursos federais para construção de um novo Arquivo Histórico Municipal e deve licitar a obra este ano.

Após incêndio, casarão no Parque Solar Boa Vista, onde viveu o poeta Castro Alves, está abandonado. Raul Spinassé/Folhapress/
Após incêndio, casarão no Parque Solar Boa Vista, onde viveu o poeta Castro Alves, está abandonado. Raul Spinassé/Folhapress/
Após incêndio, casarão no Parque Solar Boa Vista, onde viveu o poeta Castro Alves, está abandonado. Raul Spinassé/Folhapress/
Prédio do Arquivo Público do Estado da Bahia, construído no Século XVI, tem sofrido com a falta de investimentos públicos. Raul Spinassé/Folhapress/
Funcionário organiza documentos no Arquivo Público do Estado da Bahia. Raul Spinassé/Folhapress/
Arquivo Público do Estado da Bahia, prédio construído no Século XVI e transformado em arquivo público em 1890. Raul Spinassé/Folhapress/
Prédio construído no Século XVI foi transformado em arquivo público em 1890, e abriga o segundo maior arquivo colonial do mundo. Raul Spinassé/Folhapress/
Prédio construído no Século XVI foi transformado em arquivo público em 1890, e abriga o segundo maior arquivo colonial do mundo. Raul Spinassé/Folhapress/
Prédio construído no Século XVI e transformado em arquivo público em 1890, tem sofrido com a falta de investimentos públicos. Raul Spinassé/Folhapress/
Prédios históricos também enfrentam problemas semelhantes na capital baiana.

Em 2013, o Solar Boa Vista, casarão de mais de 300 anos que foi morada do poeta Castro Alves, foi destruído por um incêndio. Cinco anos anos depois, o prédio segue em ruínas e tem sido ocupado por moradores de rua e usuários de drogas. Dono do imóvel, o governo baiano promete recuperá-lo e instalar no local a Central Estadual de Laudos, órgão da secretaria de Saúde.

Em Pernambuco, museus em Recife e Olinda enfrentam problemas estruturais. No Recife, o Mamam (Museu de Arte Moderna Aloísio
Magalhães) passou por sua última requalificação elétrica em 2009 e enfrenta problemas de infiltração.

O equipamento cultural, que tem sua estrutura praticamente toda em madeira, possui sete salas de exposição e cerca de 1.100 obras de arte de nomes como João Câmara, Abelardo da Hora, Paulo Bruscky, Nelson Leirner e Francisco Brennand.

Em nota, a Secretaria de Cultura do Recife disse que o prédio passou por serviços de manutenção, instalação e reparos na rede elétrica em junho deste ano.

Em Olinda, o Museu de Arte Contemporânea (MAC), que tem um acervo de mais de 4.000 obras e uma biblioteca com cerca de 5.000 livros, está fechado desde 2016 por problemas estruturais —apenas uma das galerias está aberta ao público.

Além de problemas na estrutura, o museu também sofre com a insegurança da cidade. Em abril de 2017 ladrões entraram no espaço para roubar a pintura “Enterro”, de Cândido Portinari, que já havia sido furtada e recuperada em 2010.

De acordo com Fundarpe, órgão que cuida do patrimônio artístico de Pernambuco, há uma licitação em andamento para investir R$ 66,7 mil em reparos no museu.

No Rio Grande do Sul, o museu Júlio de Castilhos, um dos cinco mais antigos do Brasil, intercalou períodos entre portas fechadas e abertas nos últimos dois anos. Atualmente, nove salas estão disponíveis para visitação.

Além de enfrentar problemas com cupins, o museu não possui um plano de prevenção contra incêndio. Há um projeto para restauração em fase de análise, o que incluiria proteção contra incêndios, orçado em R$ 9 milhões.

Segundo a secretaria de cultura, a crise financeira do estado demandou uma “readequação nos postos de trabalho das empresas que prestam serviços aos museus”, mas a maioria das unidades está com visitação normal.

O único museu fechado é o Museu Arqueológico do Rio Grande do Sul, na cidade de Taquara. O local, fechado em 2008, foi alvo de ação civil pública do Ministério Público Federal, que ordenou melhorias na sua estrutura para a preservação do acervo.

Na avaliação da professora Zita Possamai, coordenadora da pós-graduação em Museologia da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), é preciso um plano de gerenciamento de riscos nos principais museus do país. “Há anos alertamos o que poderia acontecer com o Museu Nacional. Há descaso por parte do Estado e da sociedade.”

II Seminário Internacional Memórias, Narrativas e Arquivos: potencialidades para a formação docente e discente

Data: 11/09/2018 – 09:00 a 19:00

Período de inscrições: 21/08/2018 – 08:00 a 11/09/2018 – 09:00

Local: Salão Nobre (Prédio Principal, 1º andar, Bloco E)

Responsáveis:

Prof. Dr. Guilherme do Val Toledo Prado (FE/Unicamp), Profa. Dra. Adriana Carvalho Koyama (FE/Unicamp) , Profa. Dra. Marcia Regina Poli Bichara, Prof. Rafael Fonseca Cardoso

Realização:

Grupo de Pesquisas em Educação Continuada (GEPEC/FE-Unicamp), Departamento de Práticas Culturais (DEPRAC/FE-Unicamp), Mestrado Profissional em Educação Escolar (PPGE/FE-Unicamp), Faculdade de Educação da Unicamp

 

Área temática: Educação, Memória e Práticas Culturais 

Sobre o seminário

O Seminário reúne um grupo de professores e pesquisadores convidados para uma jornada de reflexões sobre práticas inovadoras de produção de conhecimentos históricos educacionais, nas quais o patrimônio documental é significado em diálogo com as experiências singulares dos sujeitos sociais, na educação formal e não formal. O Seminário vincula-se, de forma destacada, às pesquisas sobre memória e educação das sensibilidades, tanto na formação de professores, como na educação patrimonial e no ensino de Artes e de História. Sua colaboração para a reflexão sobre a formação de professores está na exposição das pesquisas e experiências relativas à temática que vêm sendo desenvolvidas pelos organizadores e por seus convidados, de forma interdisciplinar, enraizadas na experiência dos professores, seus sujeitos, e na ampliação dos diálogos interinstitucionais e sociais por elas suscitados.

 

Justificativa para o tema proposto

A temática apresentada no II Seminário Internacional Memórias, Narrativas e Arquivos: potencialidades para a formação docente e discente propõe reflexões em torno dos entrelaçamentos entre memórias sensíveis, arquivos e educação. Essa segunda edição do evento busca dar continuidade e ampliar os diálogos em torno do lugar das memórias e do patrimônio documental na educação, em suas relações com a formação docente e discente, evidenciando a experiência como parte fundamental da constituição pessoal e profissional dos sujeitos sociais. Tem como objetivo convidar à construção coletiva e colaborativa de práticas educacionais e docentes inventivas na relação com acervos documentais, práticas estas que possam potencializar o engendramento de saberes docentes mais autônomos, capazes, por sua vez, de fortalecer as crianças como sujeitos ativos na produção de conhecimentos.

Nas trilhas de M. C. B. Galzerani e dialogando com as contribuições teóricas e metodológicas de W. Benjamin, E. P. Thompson, L. Vigotski e M. Bakhtin, interrogamo-nos sobre as possibilidades de uma percepção ampliada de educação, não somente como prática formal, escolar, mas como educação das sensibilidades, a permear práticas não formais, e mesmo informais, cuja dinâmica fluida dá-se no interior das práticas culturais da modernidade tardia. Compreendemos, ainda, que a experiência de encontro com o passado é perpassada por nossas sensibilidades, e que é parte fundamental de nossa produção de conhecimento e de nossa leitura do mundo.

Vistas dessa perspectiva, no interior das reflexões histórico culturais, indagamos como nossas experiências de educação, em diálogo com o patrimônio documental, podem abrir-se para encontrar, em sua polifonia, possibilidades de criação de outros devires, outras imagens, outras palavras de uma outra escola, criada dialogicamente nos encontros entre diferentes sujeitos e tempos, tecidos socialmente.

 

PROGRAMAÇÃO

MANHÃ

Local: Sala de videoconferência da FE (Prédio principal, térreo)

Haverá retransmissão do evento para o Salão Nobre da FE (Prédio principal, 1º andar, bloco E)

9h – Abertura

Profa. Dra. Dirce Pacheco e Zan (Diretora da FE/Unicamp)

Prof. Dr. Guilherme do Val Toledo Prado (Coordenador do GEPEC/FE-Unicamp)

 

9h30 às 11h – Conferência “Memórias sensíveis e educação”

Profa. Dra. Silvia Finocchio (UBA e Flacso-Argentina)

 

11h às 12h30 – Mesa-redonda “Acervos documentais escolares e produção de conhecimentos históricos educacionais”

Profa. Dra. Jacqueline Morais (FFP/UERJ)

Profa. Dra. Inês Ferreira de Souza Bragança (FE/Unicamp)

Profa. Dra. Ivana Parrela (ECI/UFMG)

Mediação: Profa. Ms. Thais Otani Cipolini Zerbinatti

 

12h30 às 13h30 – Almoço

 

TARDE

Local: Salão Nobre da FE (Prédio principal, 1º andar, bloco E)

13h30 às 15h – Mesa-redonda “Documentos da docência: inventários de acervos pessoais na pesquisa em educação”

Profa. Dra. Adriana Varani (FE/Unicamp)

Profa. Dra. Maria Inês Petrucci Rosa (FE/Unicamp)

Prof. Dr. Guilherme do Val Toledo Prado (FE/Unicamp)

Mediação: Profa. Ms. Renata Siqueira Fraüendorf

 

15h às 16h30 – Mesa-redonda “Memórias sensíveis e acervos pessoais na reflexão docente”

Prof. Dr. Marcemino Bernardo Pereira (Secretaria Municipal de Educação de Campinas)

Profa. Patrícia Yumi Fujisawa (Secretaria Municipal de Educação de Louveira)

Profa. Mariana Soares Leme (Secretaria Municipal de Educação de Campinas)

Profa. Karla Lopes Beck (Secretaria Municipal de Educação de Campinas)

Mediação: Profa. Dra. Cristina Maria Campos

 

16h30 às 18h – Mesa-redonda “Experiências educacionais em diálogo com o acervo do Arquivo Nacional”

Prof. Ms. Claudia Teybiriçá (Arquivo Nacional RJ)

Prof. Ms. Victor Rysovas (Escola Comunitária de Campinas)

Profa. Dra. Adriana Carvalho Koyama (FE/Unicamp)

Mediação: Profa. Dra. Marcia Regina Poli Bichara

 

18h – Encerramento

Prof. Dr. Guilherme do Val Toledo Prado

Profa. Dra. Adriana Carvalho Koyama (FE/Unicamp)

Mais informações: https://www.fe.unicamp.br/eventos/agenda-de-eventos/ii-seminario-internacional-memorias-narrativas-e-arquivos-potencialidades

Anita Prestes profere palestra e inaugura mostra na UFSCar

Evento, que terá como foco a vida do pai dela, o político Luiz Carlos Prestes, será realizado dia 24 de setembro na Biblioteca Comunitária


Anita Prestes profere palestra e inaugura mostra na UFSCar (Foto: Borges)

No dia 24 de setembro, a Biblioteca Comunitária (BCo) da UFSCar receberá Anita Leocádia Prestes, filha de Luiz Carlos Prestes – militar e político brasileiro que comandou a revolucionária marcha Coluna Prestes entre os anos de 1925 e 1927 – e de Olga Benário Prestes, para a inauguração de uma linha do tempo retratando a trajetória do político e para a abertura da exposição “Linha do tempo de Luiz Carlos Prestes… Fragmentos”, com objetos que pertenceram a ele, cuja exibição pública é inédita. Os itens expostos são presentes recebidos por Prestes de familiares e amigos, em diversas épocas de sua vida. Já a linha do tempo destaca momentos marcantes da carreira do político. O evento tem início às 10 horas, nas dependências da BCo, localizada na área Norte do Campus São Carlos da UFSCar. A mostra estará disponível para visitação até 19 de outubro, no saguão da BCo, de segunda a sexta-feira, das 8 horas às 22 horas, e aos sábados, das 8 às 14 horas.

Também no dia 24, a partir das 14 horas, Anita Prestes vai proferir a palestra “Luiz Carlos Prestes, a Constituinte e a Constituição de 1988”. O intuito é debater a Constituição, que comemora 30 anos em 2018. A atividade também terá apresentação do professor Marcos Cesar de Oliveira Pinheiro, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), que abordará o tema “A relevância histórica de Luiz Carlos Prestes e seu legado político para as novas gerações”. As palestras terão transmissão online, com acesso neste link.

Em seguida, às 16 horas, acontece o lançamento de dois livros: “Luiz Carlos Prestes: um comunista brasileiro” e “Olga Benário Prestes: uma comunista nos arquivos da Gestapo”, ambos de autoria de Anita Prestes, que estará disponível para autógrafos. Haverá venda antecipada das obras na Livraria da EdUFSCar e durante o evento. As palestras e o lançamento serão no Teatro Florestan Fernandes, na área Norte do Campus. A participação é gratuita, sem necessidade de inscrição prévia e aberta ao público.

A iniciativa é uma realização do Departamento de Ação Cultural (DeAC) em parceria com o Departamento de Coleções de Obras Raras e Especiais (DeCORE), ambos da BCo, vinculada ao Sistema Integrado de Bibliotecas (SIBi) da UFSCar. Mais informações estão disponíveis no Portal da Biblioteca.

Doação do acervo de Prestes à UFSCar 
A exposição “Linha do tempo de Luiz Carlos Prestes… Fragmentos” e a linha do tempo que serão inauguradas são compostas por parte do material do acervo do político doado para a UFSCar. No último mês de março, chegaram à Universidade mais de 360 pacotes, com livros, documentos, correspondências, fotos, quadros, medalhas e outros objetos pessoais do militar. A intenção da BCo é montar um minimuseu com todas peças e disponibilizar os livros pertencentes a Prestes para a comunidade em geral. Detalhes sobre a doação do acervo estão em matéria publicada no Portal da UFSCar.

Sobre Anita Prestes 
Anita Leocádia Prestes nasceu em 1936, na prisão de mulheres de Barnimstrasse, em Berlim, na Alemanha nazista. É filha do militar e político brasileiro, Luiz Carlos Prestes, e Olga Benário Prestes, alemã. Afastada da mãe aos 14 meses de idade, antes de vir para o Brasil, em outubro de 1945, viveu exilada na França e no México com a avó paterna, Leocádia Prestes, e a tia Lygia. Autora de vários livros sobre a atuação política de Prestes e a história do comunismo no Brasil, é doutora em História Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF), professora do Programa de Pós-Graduação em História Comparada da Universidade Federal de Rio de Janeiro (UFRJ) e Presidente do Instituto Luiz Carlos Prestes.

MAC reabre Biblioteca com acervo de Walter Zanini e inaugura livraria

Acervo foi doado por família de Zanini, primeiro diretor do museu; livraria é especializada em obras sobre arquitetura e arte

(Da esq. p/ dir.) O reitor Vahan Agopyan; o diretor-presidente da Edusp, Lucas Antonio Moscato; o diretor do MAC, Carlos Roberto Ferreira Brandão; a esposa de Walter Zanini, Neusa Zanini; e a professora Cristina Freire – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

Uma cerimônia, realizada no dia 27 de agosto, marcou a reabertura da Biblioteca Lourival Gomes Machado e a inauguração de uma Livraria da Editora da USP (Edusp) no prédio do Museu de Arte Contemporânea (MAC), localizado no Parque do Ibirapuera, em São Paulo.

A Biblioteca reabre com uma novidade: a incorporação dos 12 mil exemplares doados pela família de Walter Zanini, primeiro diretor do MAC, falecido em 2013.

Zanini foi diretor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, historiador, crítico de arte e curador. Dirigiu o MAC de 1963 a 1978. Teve importante papel na criação do Departamento de Artes Plásticas da ECA e do Programa de Pós-Graduação em Artes, pioneiro no Brasil na concessão de títulos de mestre e doutor nessa área.

“A doação da Biblioteca de Walter Zanini torna o MAC ainda mais singular e importante como, um dia, seu primeiro diretor imaginou. Trata-se do legado que mostra a grandeza do historiador e intelectual brasileiro que Zanini foi”, afirmou a professora titular e curadora do museu, Cristina Freire, em seu discurso de abertura da cerimônia.

O reitor da USP, Vahan Agopyan, agradeceu a generosidade e o altruísmo da família Zanini em compartilhar a coleção. “Com a doação, duplicamos nosso acervo e passamos a oferecer aos usuários uma das mais importantes bibliotecas públicas de arte contemporânea do País”, destacou o reitor.

Foram incorporados à Biblioteca os 12 mil exemplares doados pela família de Walter Zanini – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

Outro importante espaço que passa a fazer parte do prédio do MAC é a nova livraria da Edusp, instalada no mezanino, em uma área de 80 metros quadrados. A livraria será a primeira da editora especializada em livros de artes e arquitetura. Também haverá um espaço dedicado para eventos de lançamento das obras editadas pela Edusp.

“Essa nova livraria reforça uma das principais missões da Universidade, que é a extensão cultural, e nos dá a oportunidade de apresentar ao público o catálogo qualificado de obras produzidas por nossa editora”, avaliou o diretor-presidente da Edusp, Lucas Antonio Moscato.

Para o diretor do museu, Carlos Roberto Ferreira Brandão, tanto a Biblioteca quanto a livraria da Edusp são importantes instrumentos para expandir a presença do MAC na cidade e fazem parte do projeto de ampliar as atrações do museu para o público.

Em abril deste ano, foi inaugurado o Restaurante Vista, localizado no último andar do prédio. O restaurante tem capacidade para 120 lugares e faz parte do complexo gastronômico do MAC, que já conta com uma cafeteria, o Vista Café, inaugurada em julho de 2017.

Essa é a primeira livraria da Edusp especializada em obras de arquitetura e artes – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

Fonte: Jornal da USP

Cultura: «O Arquivo e a Biblioteca Apostólica são uma garantia da vitalidade e do futuro da Igreja» – D. José Tolentino Mendonça (c/vídeo)

Novo responsável do Vaticano rejeitou secretismo em torno de um espaço que tem mais de dois mil investigadores creditados

Lisboa, 28 jul 2018 (Ecclesia) – D. José Tolentino Mendonça disse à Agência ECCLESIA que o “Arquivo e a Biblioteca Apostólica são uma garantia da vitalidade e do futuro da própria Igreja” e afirmou que quer dar “uma nova oportunidade àqueles textos”.

Foto Agência ECCLESIA/MC

Uma biblioteca é um lugar de cultura, de pensamento, de diálogos, de encontros, é uma fronteira da ciência, onde se guarda a memória mas também onde pulsa o desejo de futuro”, afirmou o novo bibliotecário e arquivista da Santa Sé.

Em entrevista à Agência ECCLESIA, D. José Tolentino Mendonça referiu que uma biblioteca “é um espólio que representa a memória dos homens” e ao mesmo tempo representa “uma força de futuro”,  semelhante à força das raízes que “não são o passado da árvore, mas a garantia da sua vitalidade”.

Para D. José Tolentino Mendonça, a reforma em curso na Igreja Católica, proposta pelo Papa Francisco, “assenta num mergulho, nas raízes”, que permite “analisar a história sem ficar preso àquilo que é o mais imediato ou o mais previsível”.

Uma reforma nunca parte do nada, mas coloca-se sempre numa tradição, em continuidade com uma força, um vigor que vem detrás”, sustentou.

O Papa Francisco nomeou, a 26 de junho, o sacerdote madeirense como arquivista do Arquivo Secreto do Vaticano e bibliotecário da Biblioteca Apostólica, elevando-o à dignidade de arcebispo.

Para o novo responsável no Vaticano, “uma biblioteca é a possibilidade de estabelecer novos nexos e de dar uma nova vida aos textos”.

Por um lado, penso que cabe ao bibliotecário zelar pela integralidade daquele tesouro e fazer tudo para que ele passe nas melhores condições às gerações futuras; ao mesmo tempo, colocá-lo a falar para o presente, dando uma nova oportunidade àqueles textos, permitindo novos encontros que sejam uma sementeira de diálogos, da construção da paz, que é no fundo aquilo que está por detrás da finalidade da cultura”, acrescentou.

D. José Tolentino Mendonça referiu também que o Arquivo e a Biblioteca do Vaticano não estão fechados, antes há “uma política de empréstimos e de presença que abre as portas do arquivo e da biblioteca ao mundo inteiro”, tendo “mais de dois mil investigadores creditados”.

É um arquivo que pertence à Igreja, mas claramente penso que é  necessário retirar essa parte ficcional de um arquivo que esconde segredos inacessíveis”, concluiu.

D. José Tolentino Mendonça é ordenado bispo este sábado, no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, e inicia funções como arquivista do Arquivo Secreto do Vaticano e bibliotecário da Biblioteca Apostólica no dia 1 de setembro.

entrevista a D. José Tolentino Mendonça pode ser lida integralmente no portal da Agência ECCLESIA e vai ser emitida no programa Ecclesia da Antena 1, este domingo às 06h00, e no programa 70×7, também este domingo, às 13h45.

Fonte: Eclesia

PROJETO PROMOVE DIFUSÃO DE 3 MIL DOCUMENTOS SOBRE A HISTÓRIA DA ENERGIA NO ESTADO

Em setembro, a Fundação Energia e Saneamento entrega um de seus mais importantes projetos em andamento: o de organização e digitalização de mais de 3 mil documentos textuais de seu acervo histórico. Os arquivos, de origem da Cesp – Companhia Energética de São Paulo, foram produzidos ao longo do século 20, importante período na história brasileira em que ocorreu a construção de grandes usinas hidrelétricas, com o aumento da demanda por eletricidade em virtude do crescimento populacional e industrialização do país. 

Companhia estatal criada em 1966 da fusão de 11 empresas, a Cesp e suas formadoras foram responsáveis pela construção das principais geradoras de energia do Estado de São Paulo, entre os anos 1950 e 1980. O projeto de difusão e digitalização da documentação textual do acervo da Fundação, a ser disponibilizada para acadêmicos e pesquisadores em banco online, compreende, entre outros, arquivos históricos sobre as hidrelétricas Ilha Solteira, Jupiá e Porto Primavera, principais usinas do Estado – juntas, elas correspondem por cerca de 50% da energia hidrelétrica gerada em São Paulo.

Organizados em 231 caixas e 93 pastas, totalizando 37 metros lineares de documentação, os arquivos reúnem material diverso como estudos, relatórios, correspondências e clippings de imprensa sobre as atividades da Cesp. Rica fonte de pesquisa para a história da energia, do trabalho, da tecnologia, do desenvolvimento urbano, transformação da paisagem, meio ambiente, entre outras, o acervo poderá fornecer subsídios a pesquisadores de várias áreas do conhecimento, como História, Geografia, Engenharia, Arquitetura e Sociologia.

Os trabalhos no material foram iniciados em janeiro de 2018 e, no momento, a equipe da Fundação atua nas etapas de higienização e catalogação, além da digitalização de uma seleção do acervo. A previsão é de que o projeto seja finalizado em setembro, com a disponibilização de todo o material para consulta, em catálogo, no acervo online da instituição. Interessados no projeto podem entrar em contato pelo e-mail pesquisa@energiaesaneamento.org.br.

A organização do material foi possibilitada por meio do projeto “Digitalização e difusão de documentação textual do Fundo CESP – Acervo Fundação Energia e Saneamento”, contemplado no PROAC Edital 16/2017, da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo.

Equipe da Fundação atua, no momento, na higienização, catalogação e digitalização de documentos sobre as usinas hidrelétricas e outros documentos de origem da Cesp
Higienização a seco está sendo realizada, entre outras, na documentação das Usinas Ilha Solteira e Jupiá, que formavam o “Complexo de Urubupungá”.

Fonte: Museu da Energia

3º Seminário Tecnologia e Cultura

O Centro de Memória e Informação da Fundação Casa de Rui Barbosa promove, nos dias 27 e 28 de agosto, o 3º Seminário Tecnologia e Cultura. O evento visa discutir as novas questões geradas pela utilização das tecnologias de informação e comunicação nas áreas de arquivos, bibliotecas e museus. 

A participação é gratuita porém é necessária a inscrição online para controle quantitativo de inscritos e emissão de certificado. Elas estarão abertas até o limite máximo da capacidade do auditório da Fundação Casa de Rui Barbosa.

Saiba mais sobre o evento pelo seu site

1º Encontro Diversidade em Arquivos

 

1º ENCONTRO NACIONAL DIVERSIDADE EM ARQUIVOS – ARQUIVOS E PODER, ARQUIVOLOGIA E POTÊNCIAS

INSCRIÇÕES: https://doity.com.br/diversidade-em-arquivos-2018

PERÍODO DE SUBMISSÃO DOS TRABALHOS: 14/6 a 3/9/2018

CHAMADA PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS

A Comissão Organizadora do 1º Encontro Nacional Diversidade em Arquivos, composta pelas professoras Fernanda da Costa Monteiro Araújo (UNIRIO) e Jacqueline Ribeiro Cabral (UFF), torna pública a chamada para submissão de trabalhos a serem apresentados no evento paralelo integrado ao VIII Congresso Nacional de Arquivologia na cidade de João Pessoa-PB, entre os dias 8 e 11 de outubro de 2018.

O objetivo do Encontro é discutir a importância das diversidades étnicas, regionais, culturais, religiosas, de gêneros e sexualidades, dentre outras, nos arquivos. Através do debate entre investigações científicas, experiências e iniciativas em torno da temática proposta, buscamos disseminar e incentivar questionamentos acerca das histórias, lutas e vivências dos mais variados grupos e sujeitos que fazem parte da sociedade brasileira.

A importância dos arquivos para a legitimação das pautas e reivindicações desses atores, bem como as reflexões acerca dos usos dos documentos arquivísticos no processo de construção de suas memórias e identidades são preocupações centrais nas pesquisas que desenvolvemos e que queremos conhecer por meio desse momento de diálogos e trocas.

A Arquivologia ainda se apresenta como um campo de estudo demasiadamente técnico, tímido em relação às diversidades e muitos outros aspectos direta ou indiretamente atravessados por diferentes abordagens em torno dos arquivos e seus documentos. Precisamos expandir os debates sobre essa e outras temáticas a fim de aproximar a disciplina das experiências e trajetórias sociais. Os arquivos ocupam uma posição de poder e, como tal, influenciam de diversas formas a construção e elaboração de modelos e ideias sobre determinados grupos e/ou sujeitos sociais.

Nesse sentido, convidamos toda a comunidade acadêmica, profissionais, estudantes e militantes interessadas e interessados na proposta a participar do 1º Encontro Nacional Diversidade em Arquivos nos enviando, até o dia 3 de setembro de 2018, uma comunicação a ser apresentada (oralmente) de acordo com os campos apresentados no site de inscrição do evento.

https://doity.com.br/diversidade-em-arquivos-2018

Biblioteca Comunitária da UFSCar promove exposição com objetos pertencentes a Luiz Carlos Prestes

Mostra é gratuita, aberta às pessoas interessadas e está disponível para visitação até o dia 9 de julho

Texto por Redação

Jogo de xadrez em marfim oferecido a Prestes em viagem à China – Crédito: BCo-UFSCar

O Departamento de Coleções de Obras Raras e Especiais (DeCORE) da Biblioteca Comunitária (BCo) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) promove a exposição “Luiz Carlos Prestes: Fragmentos… testemunhos presentes em sua linha do tempo”. A mostra reúne vários objetos pertencentes a Prestes, militar e político brasileiro que comandou a revolucionária marcha Coluna Prestes entre os anos de 1925 e 1927.

Os materiais expostos são presentes recebidos por Prestes de familiares e amigos, em diversas épocas de sua vida. Destacam-se a miniatura de gráfica clandestina dos comunistas nos anos de 1930 feita pelo artista José Mauro Hid da Silva de Oliveira, como forma de homenagem a Prestes; e um jogo de xadrez em marfim, chinês, oferecido ao militar em sua viagem à China, em 1959. As peças do jogo possuem características fisionômicas e culturais dos chineses.

A mostra é gratuita, aberta às pessoas interessadas e está disponível para visitação até o dia 9 de julho, de segunda a sexta-feira, das 8 às 17h45, no Piso 5 da BCo, localizada na área Norte do Campus São Carlos da UFSCar.

DOAÇÃO DO ACERVO DE PRESTES À UFSCar

A exposição “Luiz Carlos Prestes: Fragmentos… testemunhos presentes em sua linha do tempo” representa parte do material do acervo do político doado para a UFSCar. No mês de abril, chegaram na Universidade mais de 360 pacotes, com livros, documentos, correspondências, fotos, quadros, medalhas e outros objetos pessoais do militar.

Além da exposição em cartaz, a intenção da BCo é montar um minimuseu com as peças, bem como disponibilizar os livros pertencentes a Prestes para a comunidade em geral. Detalhes sobre a doação do acervo estão em matéria publicada no Portal da UFSCar, em https://bit.ly/2q4rFD2.

Fonte: São Carlos Agora

Novo guia mostra museus e acervos da USP

Publicação foi produzida pelo Centro de Preservação Cultural da Universidade

O histórico prédio do Museu Paulista da USP, no bairro do Ipiranga, em São Paulo – Foto: Francisco Emolo/Arquivo Jornal da USP

O Centro de Preservação Cultural (CPC) da USP acaba de produzir e disponibilizar na internet o Guia de Museus e Acervos da USP, que mostra o rico patrimônio cultural da Universidade. A obra traz informações sobre 45 unidades da USP, com seus acervos e espaços acessíveis ao grande público. Em agosto, o guia deverá ganhar uma versão impressa.

O guia possui dois objetivos, segundo a pesquisadora Cibele Monteiro, responsável pela seção de acervos e coleções do CPC: divulgar os museus e acervos da Universidade, tanto para a comunidade USP como para o público externo, e aumentar o interesse das pessoas por esse patrimônio. “Pensamos que seria importante a publicação de um guia para chamar a atenção da própria Universidade e, assim, podermos pensar na criação de políticas de preservação e de redes de especialistas para o desenvolvimento desses acervos, que são de todas as áreas da Universidade”, comenta Cibele.

Obras raras do acervo da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM) da USP – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Os acervos são muito diversificados. Há acervos formados antes mesmo da criação da Universidade, como é o caso do Museu Paulista. Outros são frutos de doação, como o da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM), ou formados por aquisição de acervos de intelectuais, como é o caso do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB). Mas também há os acervos produzidos por pesquisas feitas na Universidade. Por exemplo, o Arquivo Geral da USP recebeu recentemente o acervo, organizado em 2013, da Orquestra Sinfônica da USP (Osusp), que conta a história do grupo.

Acervos localizados fora da Cidade Universitária, em São Paulo, também são destacados no  Guia de Museus e Acervos da USP. Entre eles estão, por exemplo, a Tecidoteca da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), na zona leste paulistana, o Centro de Divulgação Científica e Cultural (CDCC), em São Carlos, o Museu Republicano de Itu e as Ruínas Engenho São Jorge dos Erasmos, em Santos.

A Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, localizada na Cidade Universitária, em São Paulo – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Guia de Museus e Acervos da USP é o segundo número da série de guias publicados pelo CPC. O primeiro, lançado em maio de 2018, foi o Guia dos Bens Tombados ou em Processo de Tombamento da USP, também disponível na internet.

Já em fase de planejamento, o terceiro guia da série terá como título Referências Culturais e Memória, que abordará o patrimônio imaterial e lugares de memória da USP. O quarto será sobre as obras escultóricas em espaços externos, que será feito em colaboração com a professora Fabiana Oliveira, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP.

O Centro de Preservação Cultural, criado em outubro de 2002, é um órgão da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP que substituiu a Comissão de Patrimônio Cultural, formada em 1986. Desde 2004, está sediado na Casa de Dona Yayá, imóvel tombado localizado no bairro da Bela Vista, na capital paulista.

Guia de Museus e Acervos da USP  está disponível neste endereço: http://biton.uspnet.usp.br/cpc/index.php/patrimonio-da-usp/acervos-e-colecoes/

Guia dos Bens Tombados ou em Processo de Tombamento da USP, primeiro volume da série de guias do CPC, pode ser acessado aqui

Fonte: Jornal da USP

‘Ocupação Antonio Candido’ mostra arquivos do acervo do intelectual pela primeira vez

Exposição no Itaú Cultural reúne cadernos, fotos e arquivos selecionados dos mais de 50 mil itens que o crítico deixou, incluindo o projeto do ‘Suplemento Literário de O Estado de S. Paulo’

O primeiro ato público de divulgação do acervo de Antonio Candido (1918-2017) ocorre nesta semana: a Ocupação Antonio Candido, no Itaú Cultural, vai mostrar documentos, fotos e materiais de vídeo e áudio do acervo do intelectual. Inspirada pelo texto O Direito à Literatura, de 1988, a exposição celebra o centenário do autor (24 de julho de 2018) e abre na quarta-feira, 23. Um colóquio internacional reúne autores para discutir aspectos da obra de Candido, até a sexta, 25 — veja a programação abaixo.

O acervo pessoal de Antonio Candido e Gilda de Mello e Souza foi doado ao Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (IEB-USP) no ano passado, e com apoio do Itaú Cultural está recebendo o processamento técnico necessário para ser aberto a pesquisadores e leitores. Com 126 cadernos de anotações de Candido (de um total de 45 mil itens textuais), 5 mil fotos, pelo menos 800 vinis e fitas cassetes, o acervo deve ficar disponível em 2019.

A biblioteca do autor – os 6,1 mil livros que ele selecionou e guardou até o fim da vida – será doada para a Unicamp.

Antonio Candido em retrato de Guilherme Maranhão

Entre os itens que serão expostos na Ocupação, estão alguns dos cadernos: por orientação da mãe, Candido fez anotações desde os 10 anos idade e manteve o hábito durante a vida de pesquisador. Notas referentes à produção de Os Parceiros do Rio Bonito (sua tese de doutorado em Ciências Sociais) e de Formação da Literatura Brasileira, por exemplo, compõe a exposição, além de fotos e arquivos de vídeo e áudio.

Os itens são todos do acervo. Candido deixou tudo extremamente organizado, segundo a designer e editora Laura Escorel, curadora da exposição e neta do autor – bem como com a instrução de doar os itens ao IEB. Os trabalhos eram separados por pastas, etiquetados: ele voltava aos materiais e chegava a revisar artigos da Folha da Manhã, por exemplo, da década de 1940. Ele também organizou e anotou a produção intelectual de Gilda (1919-2005), também do IEB agora.

Questionada sobre a importância desse acervo para a cultura brasileira, a professora emérita da USP Walnice Nogueira Galvão disse simplesmente: “Não há paralelo possível. É o acervo mais importante que existe.” Ela abre o colóquio da Ocupação na quarta, 23, às 19h.

Gilda de Mello e Souza e Antonio Candido Foto: Bob Wolfenson

O coordenador do núcleo de literatura do Itaú Cultural, Claudiney Ferreira, afirma que o trabalho no acervo é um trabalho para o futuro. “Imagine quantos assuntos para estudo existem aí dentro”, diz Ferreira, também curador da Ocupação. “São pelo menos 100 anos de trabalho. Haverá gente trabalhando nesse material que ainda nem nasceu.”

A exposição é dividida em sete núcleos que pretendem oferecer uma amostra da produção intelectual do autor (destacando os dois livros citados, mas também sua participação nas revistas Clima Argumento, o projeto do Suplemento Literário de O Estado de S. Paulo e célebres artigos seus para a Folha da Manhã, com uma revisão crítica posterior do autor), mas também dar forma ao seu reconhecido senso de generosidade com os alunos e sua dedicação à família. O lado militante político de Candido também é contemplado.

Ele era muito dedicado, muito disciplinado, nada era mais ou menos”, lembra Laura Escorel. “Ele ia até o último fio de cabelo de perfeição que pudesse alcançar. É bonito porque é um sinal de respeito com o próximo. Ele fazia isso ao preparar uma aula, nas relações com os alunos, com os leitores, com os colaboradores, com os discípulos, com os mestres…”

Professor de literatura uruguaia na Universidade Federal do Uruguai, Pablo Roccatambém participa do seminário. Ele explica que Candido ajudou a difundir a cultura brasileira no Uruguai depois de um curso de verão na universidade em Montevidéu, onde estabeleceu o contato com Ángel Rama (1926-1983), a quem Candido considerava “o maior crítico literário que a América Latina teve no meu tempo”.

Um livro com a correspondência entre os dois, Conversa Cortada, também será lançado na próxima semana, em coedição da Ouro Sobre Azul e da Edusp, com organização de Rocca. Ele teve contato com a obra de Candido por meio de um artigo de Rama. “Fui atrás dos livros do mestre e tive, ao longo dos tempos, a possibilidade de conhecê-lo, graças a meus estudos de doutorado na USP (e a generosidade do professor Jorge Schwartz), estudar sua obra, saber de sua sabedoria mas, em especial, de um ser humano excepcional”, diz.

Biblioteca selecionada de Antonio Candido, no apartamento onde ele vivia em São Paulo; os 6,1 mil livros foram doados para a Unicamp Foto: André Seiti

O escritor Antonio Prata é outro convidado do colóquio (ele divide uma mesa com Luiz Ruffato, na quinta, às 20h). Quando Prata nasceu, sua família morava na mesma vila que Candido no Itaim Bibi. Uma amizade se criou até que ele decidiu se tornar escritor. Seu primeiro livro, Cabras, de 1999, assinado com outros três autores, acabou tendo prefácio de ninguém menos que Antonio Candido. “Mandei o livro pela faxineira em comum, a Gorete, e de tanto ela pressionar ele acabou escrevendo o texto”, diz Prata, aos risos. 

A imagem dele já trazia um pouco do que ele era”, explica o cronista. “Ele era ‘O’ professor. Aquilo dava a dimensão de uma coisa muito distinta. Não era pomposo, não era arrogante, exibicionista. Depois, quando descobri a obra, os textos se encaixavam perfeitamente.”

Suplemento Literário de O Estado de S. Paulo’ tem espaço na mostra

Páginas do projeto original do Suplemento Literário de O Estado de S. Paulo, elaborado por Antonio Candido em 1956 por encomenda do jornal estarão expostas na Ocupação. Um fac-símile da primeira edição do Suplemento, que circulou em 6 de outubro de 1956, estará disponível para leitura, com um artigo de Candido.

Com instruções detalhadas sobre seções, nomes indicados e sobre as remunerações – que Candido considerava fundamental – seu projeto foi base do Suplemento, que existiu até 1974.

A professora emérita da USP Walnice Nogueira Galvão, colaboradora do Suplemento, atesta que Candido sempre teve a iniciativa “na mais alta conta”. 

Carta de Antonio Candido para Júlio de Mesquita Neto e Ruy Mesquita, apresentado o projeto do ‘Suplemento Literário de O Estado de S. Paulo’ Foto: Antonio Candido/Itaú Cultural

OCUPAÇÃO ANTONIO CANDIDO

Itaú Cultural. Av. Paulista, 149, São Paulo. De 23/5 a 12/8. De 3.ª a 6.ª, das 9h às 20h. Sáb., dom. e fer., das 11h às 20h. Grátis.

Programação do Colóquio Internacional

23 DE MAIO (QUARTA-FEIRA)

Às 19h

Obra e militância: a vida de um intelectual brasileiro

Walnice Nogueira Galvão fala sobre a obra e militância de Antonio Candido: um grande professor, bem como um grande orientador de teses e de carreiras. 

Walnice é professora emérita Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLECH-USP). Foi aluna e depois assistente de Antonio Candido nessa faculdade. Tem cerca de 40 livros publicados, especialmente sobre Guimarães Rosa, Euclides da Cunha, crítica literária e cultural.

24 DE MAIO (QUINTA-FEIRA)

Às 18h

Antonio Candido: a visão de dois brasilianistas

Šárka Grauová e Pablo Rocca fazem um paralelo sobre a obra de Antonio Candido e de hispano-americanos contemporâneos, como David Viñas, Ángel Rama e Rafael Gutiérrez Girardot.

 Šárka possui mestrado em Letras (Filologia Inglesa e Portuguesa) e doutorado em Literaturas Românicas pela Universidade Carolina de Praga. Em 1988 publicou a dissertação Laurence Sterne e Machado de Assis: Metamorfoses da Forma Livre. A sua tese, de 2012, é Tradução como Fato Cultural – Caso George Steiner. Atualmente é pesquisadora, docente e chefe do Departamento de Estudos Luso-Brasileiros do Instituto de Estudos Românicos da Faculdade de Letras da Universidade Carolina e presidente da Sociedade Checa de Língua Portuguesa. É tradutora de livros de literatura brasileira. Dirige a coleção Biblioteca Luso-Brasileira das editoras Torst e Triáda.

Rocca é professor titular de Literatura uruguaia na Universidade Federal do Uruguai, onde pesquisa sobre literatura do Rio da Prata e do Brasil. Vem publicando livros e artigos sobre sua especialidade desde 1991, entre eles a tese de doutorado, realizada na Universidade de São Paulo (USP) sobre Ángel Rama, Emir Rodríguez Monegal e o Brasil. Preparou, fez o prólogo e anotou a correspondência entre Candido e Rama.

Às 20h

A pessoa e a obra: a percepção de dois autores

Luiz Ruffato fala sobre a influência das leituras de Antonio Candido em sua visão de escritor. Antônio Prata revela como foi crescer tendo “o professor” e dona Gilda como vizinhos, em uma vila do Itaim. 

Ruffato é escritor. Seus livros ganharam os prêmios Machado de Assis, APCA, Jabuti e Casa de las Américas e estão publicados na Argentina, Colômbia, Cuba, México, Estados Unidos, Portugal, França, Itália, Alemanha, Finlândia e Macedônia. Em 2016 recebeu o Prêmio Internacional Hermann Hesse, na Alemanha.

Prata nasceu em São Paulo, em 1977. Tem 10 livros publicados. Escreve roteiros para televisão e cinema e mantém uma coluna no jornal Folha de S. Paulo aos domingos.

25 DE MAIO (SEXTA-FEIRA)

Às 18h

Antonio Candido em duas obras: O albatroz e o chinês e O direito à literatura

Marisa Lajolo comenta e debate aspectos da obra de Antonio Candido à luz de sua proposta de incluir a literatura entre os direitos humanos. Celso Lafer faz uma reflexão sobre O Albatroz e o Chinês, último livro organizado e publicado por Antonio Candido, e de que maneira se insere na sua trajetória de crítico literário e pensador da cultura.

Marisa tem mestrado e doutorado em Teoria Literária, pela USP. Professora titular (aposentada) da Unicamp. É, também, professora da Universidade Presbiterana Mackenzie.

Lafer é professor-emérito da USP e da Faculdade de Direito da mesma universidade. Presidiu a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), de 2007 a 2015. É membro da Academia Brasileira de Letras (ABL).

Às 20h

Aulas, seminários, conversas: a pedagogia de Antonio Candido

José Miguel Wisnik é ensaísta, músico e professor aposentado de Literatura Brasileira na USP. Fez mestrado e doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada, sob a orientação de Antonio Candido.

Texto por Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

Fonte: O Estado de S. Paulo

Esclarecimento do IEB sobre a biblioteca de Antonio Candido

O Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) emitiu uma nota sobre notícia publicada no jornal Folha de S. Paulo

Em cinquenta anos de carreira acadêmica, Antonio Candido deu contribuições inestimáveis para a cultura brasileira – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

É inverídica a informação que a USP recusou a biblioteca de Antonio Candido, publicada no Painel das Letras, no dia 7 de abril. Em dezembro do ano passado, o Conselho do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da Universidade aprovou, por unanimidade, a aquisição da referida biblioteca, conforme pareceremitido pelo órgão.

O laudo mencionado na nota foi feito por uma comissão especializada e se refere a um protocolo estabelecido pelo IEB para avaliação de oferta de acervos nas condições de venda ou doação. Ressalte-se que a decisão quanto à aquisição ou não de determinado acervo cabe ao Conselho do Instituto.

No que tange à biblioteca de Antonio Candido, passos prévios já tinham sido dados, com o apoio da Reitoria da USP, para que fosse encaminhado um pedido de auxílio à Fapesp, com o intuito de se captarem os recursos necessários para a efetivação da compra, no valor de R$ 500 mil. A oferta de venda, no entanto, foi retirada.

Importante destacar que, por outro lado, deu-se prosseguimento ao processo de doação dos arquivos — acervo fotográfico e documental — de Antonio Candido e da professora Gilda de Mello e Souza, os quais já se encontram no IEB, em processo de higienização e de organização, para que, em breve, sejam disponibilizados para consulta pública.

São Paulo, 9 de abril de 2018

Profa. Dra. Sandra Margarida Nitrini

Diretora do IEB-USP

Texto por Adriana Cruz

Fonte: Jornal da USP

Após não da USP,  biblioteca de Antonio Candido vai para a Unicamp

Grupo de empresários se organiza para comprar os livros e doá-los para a universidade

Inicialmente negociada para ir para a USP, a biblioteca de Antonio Candido vai para a Unicamp —são 7.000 volumes. Os livros seriam vendidos para a USP, mas um parecer da universidade disse que a aquisição geraria duplicatas em seu acervo e não estavam higienizados, o que gerou um desconforto com a família do intelectual.

Normalmente, uma higienização é feita depois de aquisições do tipo. A ideia era que a biblioteca ficasse no Instituto de Estudos Brasileiros, onde já estão seus papéis.

Assim, as filhas de Candido decidiram que a biblioteca iria para Campinas, como doação. Um grupo de empresários se organiza para comprar os livros e doá-los para a Unicamp, mas, mesmo que isso não dê certo, a família pretende doá-los da mesma forma.

Essas são as obras que o crítico literário manteve consigo até o fim, porque já havia doado a maior parte de seus livros em vida para diversas universidades. No conjunto, além de títulos com dedicatórias, há livros raros que ele havia herdado da família.

Ilustração de Nelson Cruz no livro infantil ‘Os Trabalhos da Mão’, de Alfredo Bosi, que a editora Positivo lança em breve – Divulgação

Cemitério de padres A Contexto publica, em maio, “O Pavilhão dos Padres”, de Guillaume Zeller. O livro conta a história de padres, monges e seminaristas católicos mortos no campo de concentração de Dachau, entre 1938 e 1945. Dos 2.579 religiosos enviados ao campo, 1.034 foram mortos.

Poesia e política A editora independente Luna Parque publicará, em breve, “O Inferno É Verde”, com dois poemas longos da francesa Leslie Kaplan. O livro fala de manifestações no subúrbio de Paris, relacionando-as a uma visita que a autora fez ao Brasil, e aborda a possibilidade de a poesia pensar os acontecimentos políticos. Tradução de Zéfere.


Poesia visual A Iluminuras lança em breve “Trio Pagão”, volume com poemas visuais de Sérgio Medeiros. O autor foi inspirado por sua convivência, há 30 anos em uma aldeia no Mato Grosso com o índio Jerônimo Tsawé, que preenchia cadernos com uma caligrafia imaginária.

Carta de amor Editado pela finada Cosac Naify, volta às livrarias a “Carta a D.”, escrita pelo escritor austro-francês André Gorz a Dorinne, a sua mulher, que sofria de uma doença incurável. No documento, que sai pela Companhia das Letras, ele lembra a trajetória intelectual e de militância dos dois. O casal se suicidou junto em 2007, e um bilhete encontrado na casa foi acrescentado ao livro.

Texto por Maurício Meireles

Painel das Letras

Coluna é editada pelo jornalista Maurício Meireles.

Fonte: Folha de S. Paulo

UFSCar recebe doação de acervo de Luiz Carlos Prestes

Instituição recebeu mais de 360 pacotes com livros, fotos, documentos, cartas e outros itens pessoais de Prestes

Lembrança do PCB pertencente a Preste
Crédito: DeCORE – BCo-UFSCar

No mês de março, a Biblioteca Comunitária (BCo) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) recebeu a doação de arquivos do acervo de Luiz Carlos Prestes, militar e político brasileiro que comandou a revolucionária marcha Coluna Prestes entre os anos de 1925 e 1927. Para tanto, no dia 19 de março, a BCo recebeu a visita de Anita Prestes, filha do militar com a militante comunista judia Olga Benário. Chegaram na Universidade mais de 360 pacotes, que contêm livros pertencentes a Prestes, bem como documentações e correspondências de amigos e familiares, fotos, quadros, medalhas e outros objetos pessoais do político.

O intuito é organizar o material e disponibilizá-lo na BCo para a consulta de pessoas interessadas. “Este é um acervo histórico muito rico para pesquisas, sobretudo para historiadores, sociólogos e outros pesquisadores que estudam a temática do comunismo. Teremos na UFSCar uma fonte riquíssima a ser explorada por esses pesquisadores”, ressalta Izabel da Mota Franco, bibliotecária do Departamento de Coleções de Obras Raras e Especiais (DeCORE) da BCo.

Franco conta que todos os objetos recebidos estão etiquetados e separados por períodos – pré-prisão, prisão e pós-prisão. “Neste primeiro momento, nós cuidaremos dos livros, para disponibilizá-los à consulta de todas as pessoas interessadas. Para isso, já iniciamos o processo de análise de cada obra, que possivelmente passarão por higienização e pequenos reparos. Além disso, as que necessitarem serão encaminhadas para restauro, seguido de catalogação no sistema da Biblioteca”, informa Franco. Segundo a bibliotecária, os livros pertencentes a Prestes devem estar disponíveis para consulta da população a partir do segundo semestre de 2018.

Em seguida, a equipe da BCo pretende disponibilizar os demais objetos de Prestes para a montagem de um minimuseu, iniciativa que deve atrair não só pesquisadores, mas também a comunidade local, para visitas. “O intuito é mostrar curiosidades de Prestes e, consequentemente, elementos e conteúdos que fazem parte da história brasileira, sobretudo à comunidade de São Carlos e região”, relata a bibliotecária. Os materiais pertencentes a Luiz Carlos Prestes estarão disponíveis no Piso 5 da BCo, localizada na área Norte do Campus São Carlos da UFSCar.

Mais informações sobre a doação do acervo para a Universidade podem ser conferidas em matéria produzida pela TV UFSCar, em https://bit.ly/2GwXwY2.

Sobre Luiz Carlos Prestes

Luiz Carlos Prestes foi um militar e político brasileiro, casado com a militante comunista judia alemã Olga Benário. Além de comandar a Coluna Prestes, foi líder do Partido Comunista Brasileiro (PCB) por mais de 50 anos. Em 1936, o político foi preso, juntamente com Olga, que estava grávida de Anita à época e acabou sendo entregue a agentes do governo nazista alemão. Prestes foi uma das figuras da América Latina mais perseguidas do século XX.

Fonte: ABC do ABC

Oficina – Controle de Vocabulário para Arquivos

LOCAL: Sala de Vídeo do Departamento de História da FFLCH-USP. R. Professor Lineu Prestes, 338, 2º andar, Cidade Universitária, São Paulo – SP.

DOCENTE: Johanna W. Smit. Professora sênior junto ao Departamento de Biblioteconomia e Documentação da ECA-USP. Foi diretora do Arquivo Geral da USP. É graduada em Biblioteconomia e Documentação pela USP (1970), mestre em Documentação pela École Pratique des Hautes Études (França, 1973) e doutora em Análise do Discurso pela Universidade de Paris-I (França, 1977). Tem experiência na área de Ciência da Informação, atuando principalmente nos seguintes temas: arquivologia, arquivo fotográfico, vocabulário controlado e organização da informação.

EMENTA: A introdução do controle de vocabulário nos arquivos é necessária, embora nem sempre identificada como tal. Partícipe dos procedimentos de padronização realizados nos arquivos, a questão do vocabulário passa a ter uma grande visibilidade quando o uso dos arquivos (correntes e permanentes) recebe especial atenção, quer a busca se dê presencialmente ou à distância, mediada pela tecnologia.

PROGRAMA:

Controle de vocabulário e vocabulário controlado

Por que controlar o vocabulário?

Onde introduzir o controle de vocabulário?

Principais questões-problema de controle: normalização gramatical, opções de grafia, alterações de topônimos e outros nomes próprios, questões de sinonímia, homonímia, quase-sinonímia e termos compostos

O recurso às notas de escopo e notas de uso

O sistema de remissivas

Controle de vocabulário e classificação

METODOLOGIA: Alternância entre apresentações teóricas, discussão de casos e exercícios práticos com a subsequente discussão pelo grupo.

Informações e inscrições: http://arqsp.org.br/of-0218-controle-de-vocabulario-para-arquivos/

 

Acervo de escritor de Cabo Verde é entregue à Biblioteca Nacional do país

Mesa diretora do evento

Cerca de dois mil livros do autor cabo-verdiano Luís Romano Madeira de Melo foram repatriados a Cabo Verde. O acervo foi transportado da cidade de Natal (RN) ao país pela Fragata “Independência”, da Marinha do Brasil. A cerimônia para a entrega dos livros aconteceu no dia 15 de fevereiro, a bordo da “Independência”, no porto de Praia, em Cabo Verde. O acervo foi entregue para a Biblioteca Nacional do país africano.

A cerimônia de devolução foi presidida pelo Ministro da Cultura e das Indústrias Criativas de Cabo Verde, Abraão Vicente, e contou com a presença do Embaixador do Brasil no país, José Carlos de Araújo Leitão; da curadora da Biblioteca nacional de Cabo Verde, Fátima Fernandes; e da Professora Doutora Simone Caputo Gomes.

De acordo com o ministro Abraão Vicente, o regresso da biblioteca de Luís Romano ao país é o cumprimento de uma missão e um “momento histórico” para a literatura, artes e cultura do arquipélago. “Luís Romano é um corpo enorme estendido entre as ilhas de Cabo Verde e Brasil”, afirmou o ministro. Na ocasião, a Marinha do Brasil (MB) foi condecorada com o 2.º Grau da Medalha de Mérito Cultural, e Luís Romano, a título póstumo, com o 1.º Grau da medalha. O Comandante da Fragata “Independência”, Capitão de Fragata Marcelo Lancelotti, foi o representante da MB na imposição.

O evento motivou a inclusão do Porto de Praia, em Cabo Verde, para a realização de escala logística da Fragata “Independência”, no deslocamento para a cidade de Beirute, para a realização da operação “Líbano XIII”, a partir de março de 2018.

O escritor

Luís Romano de Madeira Melo foi um poeta, romancista e folclorista cabo-verdiano, que viveu exilado muitos anos no Brasil, radicado na cidade de Natal (RN). Deixou uma vasta obra, com destaque para o romance “Famintos” (1962), seu livro mais conhecido e referência da literatura cabo-verdiana. O acervo foi deixado a cargo da Professora Doutora Simone Caputo Gomes, da Universidade de São Paulo, após o falecimento do escritor em Natal, onde estava exilado desde a década de 1960.

Entrega da medalha pelo Ministro da Cultura e Indústrias Criativas de Cabo Verde ao Comandante da Fragata “Independência”

Fonte: Marinha do Brasil

Passeio pelo acervo da família Bornheim, doado à Biblioteca da UCS, revela apreço por tesouros da Literatura da Filosofia

Coleção de 4 mil livros foi oferecida à Universidade pela poetisa e trovadora Gerda Bornheim em seu testamento. Muitos exemplares eram de seu irmão, o filósofo Gerd Bornheim

Em fase de catalogação, acervo deve ficar disponível para consulta local ainda neste semestre, no setor de Coleções e Obras Raras
Foto: Cláudia Velho / Divulgação

Andrei Andrade

No apartamento da Rua Marquês do Herval em que viveu até o fim dos seus dias, a professora, poeta e trovadora caxiense Amália Marie Gerda Bornheim, morta em setembro do ano passado, mantinha um acervo de mais de 4 mil livros, expostos em estantes que circundavam a sala onde gostava de se dedicar à leitura. Parte considerável dos exemplares pertenceu ao irmão, Gerd Alberto Bornheim (1929-2002), um dos mais reconhecidos filósofos brasileiros, nascido em Caxias do Sul. Sem herdeiros, Gerda registrou em testamento a intenção de doar a coleção à Biblioteca Central da Universidade de Caxias do Sul (UCS), onde desde novembro as obras aguardam pelo trâmite técnico para ficar à disposição da comunidade.

O passeio pelo acervo é uma perdição para quem gosta de mergulhar na intimidade das mentes mais fascinantes. Além das predileções por Jean-Paul Sartre e Martin Heidegger, filósofos cuja obra Gerd foi o introdutor nas universidades brasileiras, há romances de todas as épocas em diversos idiomas, como francês, italiano, espanhol e alemão (Gerd viveu em exílio na Europa entre 1970 e 1974), muitos nunca traduzidos para o português. Um passada de olhos pelas prateleiras também desperta a atenção para as obras completas de Machado de Assis e de Luís de Camões, uma vasta coleção de autores franceses e alemães, antigos compêndios de psicologia e muitas antologias poéticas.

Gerda Bornheim, em 2016, na sala em que mantinha sua biblioteca. Doação foi feita através do seu testamento, em novembro do ano passado
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Embora ainda precise ser feito um estudo sobre a eventual raridade de algumas obras, muitos exemplares chamam a atenção por serem edições bastante antigas, algumas datando da primeira década do século passado. Também é interessante perceber a atenção com que os irmãos liam cada livro – há páginas inteiras sublinhadas e rabiscadas – e o grande zelo com a conservação. A maioria dos exemplares mais antigos tem folhas de louro entre a capa e a primeira página, para espantar as traças. A coordenadora administrativa da biblioteca, Michele Baptista, ressalta que esse acervo, assim como outras coleções especiais, recebem tratamento especial visando a melhor conservação. 

É importante capacitarmos cada vez mais nossos bibliotecários para dar o devido tratamento a esse tipo de acervo, que é o primeiro que recebemos por testamento, mas não queremos que seja o único. É preciso saber reconhecer qual a importância de cada obra e qual a forma de higienização correta. Livros mais antigos, por exemplo, precisam estar na temperatura adequada, para facilitar a resistência do papel, e em ambiente limpo e com menor circulação de pessoas, para que não seja mexido e folheado o tempo todo. A pesquisa também só pode ser feita pelo usuário acompanhado de um funcionário – explica Michele.

Obra de William Shakespeare em edição alemã de 1921
Foto: Cláudia Velho / Divulgação

Por ora armazenados em prateleiras numa sala no térreo da biblioteca, os livros serão higienizados, tratados e catalogados pela equipe da biblioteca. Primeira coleção que a UCS recebe através de testamento, a expectativa é de que ainda no primeiro semestre o acervo passe a integrar o setor de Coleções Especiais e Obras Raras, que permite apenas a consulta local.

Dedicatórias e cartões-postais

Tanto Gerd quanto a irmã poetiza tinham o hábito de usar cartões-postais como marcadores de páginas. Parte do fascínio em descortinar o acervo está na possibilidade de encontrar pérolas que remetem a episódios da vida dos irmãos, como o cartão recebido por Gerd após ter sido afastado de suas atividades como professor na UFRGS, em 1968, cassado pelo regime militar. No postal, remetido de Heidelberg, na Alemanha, um ex-aluno chamado Valério pede desculpas pelo atraso (a carta é de 1969), mas lamenta o ocorrido:

Podes imaginar o quanto isso abateu a Vera e a mim, que nas tuas aulas aprendi a perguntar filosoficamente. Nesse momento obscuro para ti e para todos nós, manifestamos o nosso pesar e a nossa solidariedade”, diz um trecho da mensagem. 

Foto: Cláudia Velho / Divulgação

A passagens marcantes misturam-se dedicatórias singelas, como a que Gerd, com caligrafia exemplar aos 11 anos, oferece o romance Um Rio Imita o Reno (1939), de Vianna Moog, à mãe. Entre os livros que pertenceram à Gerda – que são a maior parte do acervo, já que boa parte da biblioteca do irmão foi doada à Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) – muitos têm dedicatórias de amigas também escritoras, que se referem à poetisa como colega da causa  literária. Também há exemplares ofertados pelas editoras à época do lançamento, tendo em Gerda Bornheim uma leitora especial, digna de receber o exemplar como cortesia. 

Rumo à digitalização

A Biblioteca Central da UCS deve passar por um projeto de digitalização do acervo de coleções e obras raras ainda este ano. Além de favorecer a pesquisa a estudantes de outras universidades, que poderiam pesquisar pelo site, sem precisar se deslocar até a universidade, o processo também ajuda na conservação dos exemplares.  Atualmente, o setor de coleções conta com mais de 30 mil títulos, entre livros, teses e periódicos.

Fonte: Pioneiro