Página inicial / Biblioteconomia / Bibliotecas / Bibliotecas Públicas / Biblioteca em Jacareí ganha mural de Guataçara Monteiro baseado na lenda da Cobra Grande

Biblioteca em Jacareí ganha mural de Guataçara Monteiro baseado na lenda da Cobra Grande

Projeto tem apoio da Suzano por meio da Lei de Incentivo à Cultura, em parceria com a Fundação Cultural de Jacarehy. (Foto: Divulgação)

A Biblioteca Municipal Macedo Soares, em Jacareí, ganhará uma atração especial em breve: o artista plástico Guataçara Monteiro está finalizando o mural de azulejos que remete à lenda da Cobra Grande, em projeto apoiado pela Suzano por meio da LIC (Lei de Incentivo à Cultura) de Jacareí.

A obra será inaugurada no dia 26 de novembro e chama a atenção pelo tamanho. São 10 m² (2 x 5m) e 250 azulejos (com 20 x 20 cm cada), nos quais aparecem referências a riquezas do patrimônio cultural material e imaterial do município que ajudam a ilustrar a lenda da cobra gigantesca que diziam viver nas águas do Rio Paraíba.

“O público de Jacareí vai se reconhecer muito no mural, com os símbolos relacionados à história e cultura local. Não vou falar todos, mas posso dizer que o MAV (Museu de Antropologia do Vale do Paraíba), a igreja, o bolinho caipira e o café, que fez parte da história da região, estão representados. O restante, será surpresa”, afirma Guataçara.

O artista utilizou pigmento mineral e óleo para pintar os azulejos. A fixação do pigmento se dá a partir da queima em alta temperatura – são três no total –, para conseguir atingir o nível de detalhamento característico das obras do artista.

“Meu pai, que era contador de histórias, tinha como principal tema, lá na Amazônia, as serpentes gigantes. Essas lendas me seguem há bastante tempo, e gosto de pesquisá-las. A escolha da biblioteca é por ser um lugar de multiplicação da cultura. A obra ficará em uma sala bem especial, de leitura, num local de passagem para as crianças que participam do projeto de contação de histórias”, conta.

Radicado no Vale do Paraíba há 16 anos, ele celebrou o fato de poder homenagear a cidade que o acolheu. “Estou muito feliz em colaborar um pouquinho com a formação cultural do cidadão jacareiense. Morei aqui por sete anos, após ganhar uma bolsa de estudos e vir do Pará. Tenho um carinho e respeito enorme por essa cidade, que promoveu em mim profundas transformações. Ter uma obra minha fixada por dezenas e, quiçá, centenas de anos, é um grande privilégio”, diz Guataçara, que no ano passado também contou com apoio da Suzano no projeto “Trilhas de um Sonhador”, com exposição e lançamento de livro sobre suas obras.

“O mural de azulejos é uma grande homenagem à cultura e ao povo de Jacareí, reunindo símbolos e valorizando a memória da cidade, com destaque par a arquitetura, arte e gastronomia locais. Nada melhor do que ficar instalada na biblioteca, um ponto tradicional de difusão de saberes e tradições”, afirma o consultor de Desenvolvimento Sustentável da Suzano, Adriano Martins.

A Lenda

Antigamente, diziam que uma enorme serpente vivia no fundo das águas do rio Paraíba. Ela era tão grande que viam sua cabeça em Jacareí e seu corpo só terminava em Guararema. O apetite dela era compatível com seu tamanho: todos os dias sumia um pescador ou animais criados nas redondezas. Nem as árvores eram poupadas.

Assustada, a população de Jacareí temia que a Cobra Grande engolisse a Igreja Matriz, dedicada à padroeira da cidade, Nossa Senhora da Conceição, e resolveu organizar uma procissão para acalmar a fera. Durante o evento, um devoto lançou uma imagem da padroeira nas águas do rio. Após o ato de fé, a Cobra Grande desapareceu, talvez pelo canto da santa, que a hipnotizou e expulsou rio abaixo. Há ainda quem acredite que a víbora fugiu para o leito do rio, mas pode acordar a qualquer momento.

Quanto à imagem milagrosa, dizem ter sido encontrada tempos depois no Paraíba por pescadores de Guaratinguetá, que foram abençoados com peixes em abundância. Ela seria a da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida.

 Fonte: PortalR3

Sobre admin

Check Also

Livros além das grades: por que focar nas Bibliotecas Prisionais?

Entrevista com Lisa Krolak, do “Instituto para a Aprendizagem ao Longo da Vida” da UNESCO …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *