Página inicial / Notícias / Biblioteca de Manguinhos completa 120 anos buscando novas estratégias em prol do conhecimento

Biblioteca de Manguinhos completa 120 anos buscando novas estratégias em prol do conhecimento

Texto por Assessoria de Comunicação do Icict/Fiocruz

Fachada do prédio atual da biblioteca (Foto: Raul Santana/Banco de Imagens Fiocruz)

A biblioteca mais antiga da Fundação Oswaldo Cruz nasceu quase que concomitantemente à própria instituição: os primeiros livros chegaram ao espaço da antiga Fazenda Manguinhos em agosto de 1900. Nos 120 anos seguintes, a Biblioteca de Manguinhos cresceu e tornou-se referência como acervo em ciências biomédicas. Passou por inúmeros desafios e transformações – como, por exemplo, as mudanças nas formas de divulgação científica. Ou o impacto das tecnologias digitais. E, agora, a epidemia do novo coronavírus.

Hoje, ocupa grande parte do Pavilhão Haity Moussatché, no campus central da Fiocruz, onde também funciona o Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict), responsável por sua coordenação. Ao mesmo tempo, sua Seção de Obras Raras prossegue instalada no Castelo Mourisco, resguardando milhares de volumes que ajudam a contar a história da saúde e da ciência no Brasil. A biblioteca completa seus 120 anos de vida em meio à pandemia, o que fez com que seu espaço físico tenha permanecido fechado ao público nos últimos meses. Apesar disso, não parou de funcionar. Sua equipe prossegue fazendo atendimentos online. Orientando usuários: pesquisadores, estudantes, cientistas. Oferecendo treinamentos a distância. E, claro, preservando seus acervos. Além disso, tem buscado formas de garantir o acesso à ciência em tempos de crise sanitária.

A história e os desafios da biblioteca mais antiga da Fiocruz foram lembradas no seminário online Biblioteca de Manguinhos – 120 anos: o papel da biblioteca especializada na comunicação e divulgação científica, realizado no dia 7 de agosto. Na abertura, a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, anunciou em primeira mão que a insituição receberá financiamento para a digitalização de seu acervo raro e especial. “Os pesquisadores desde o início do século passado sabiam que o conhecimento não podia se restringir aos laboratórios. A memória e o acesso são fundamentais. Por isso apresentamos um projeto e o Ministério da Saúde irá apoiar a digitalização do acervo de obras raras. Um trabalho que será fundamental para que possamos cada vez mais oferecer condições de consulta aos pesquisadores e à população, não só do Brasil, mas de todo o mundo”, comemorou.

Desafios

Também participaram a vice-presidente de Educação, Informação e Comunicação da Fiocruz, Cristiani Machado, e o diretor do Icict, Rodrigo Murtinho. Nas palavras da vice-presidente, a maior riqueza da biblioteca está na integração entre seu acervo e sua equipe de profissionais. “São várias áreas dentro do campo da saúde, biologia, psicologia, medicina tropical, entre outras, servindo a pesquisadores e docentes de todo o país. Há grande preocupação [da equipe] com a conservação cuidadosa do acervo e com a ampliação do acesso”, observa. Já Murtinho ressaltou que o dia de celebração acontece em um momento complexo para o país. “Estamos diante do maior desafio sanitário da nossa geração, e a Fiocruz vem batalhando dia a dia, apoiando a sociedade no enfrentamento à pandemia. A Biblioteca de Maguinhos tem, desde os tempos de Oswaldo Cruz, uma trajetória marcada pelo desenvolvimento tecnológico e pelo domínio das tecnologias de informação e comunicação, sempre dando grande importância à produção, à comunicação e à divulgação do conhecimento. Nesses 120 anos, ela vem se reinventando, adaptando-se às diferentes fases e desafios, com um trabalho dedicado que envolve a construção das bibliotecas virtuais em saúde, a alimentação cotidiana do repositório Arca, a montagem e o apoio às estratégias de busca para pesquisadores e estudantes, além do desafio de construir uma Ciência Aberta”, declarou.

Detalhe do salão de leitura do Setor de Obras Raras A. Overmeer (Foto: arquivo/Banco de Imagens Fiocruz)

“É uma história que se inicia junto com a da própria instituição. Ouso dizer que somos um dos primeiros embriões da Fiocruz. A biblioteca, aliás, não surgiu como uma estrutura arquitetônica, com livros organizados nas estantes, como é tradicional”, narrou Igor Falce, coordenador da biblioteca. “Nossa história começa quando os primeiros livros foram trazidos da Europa, em 1900, e armazenados ainda em barracões. Nossa memória está na própria gênese e constituição do patrimônio bibliográfico da Fiocruz. Isso se reflete no desenvolvimento científico da instituição. A Biblioteca de Manguinhos sempre foi muito valiosa como fonte de informação para os pesquisadores. E por trás de tudo isso, estão profissionais que se dedicaram e se dedicam a esse trabalho de promover o acesso à informação.” Igor moderou o debateao lado da bibliotecária Tarcila Peruzzo, da Seção de Obras Raras. O evento online teve a participação de Rita de Cássia do Vale Caribé, professora da Universidade de Brasília, que falou sobre o conceito de comunicação científica e o papel das bibliotecas especializadas.

Diante da pandemia, a biblioteca não está fazendo atendimentos presenciais. “Tivemos que nos reinventar e nos adaptar. Peço a vocês, que nos ouvem, que sigam nossos perfis nas redes sociais. Temos buscado aproveitar as potencialidades dessas formas de comunicação, desenvolvendo o atendimento virtual e remoto. Também disponibilizamos recentemente treinamentos online em base científica, abertos ao público, e tivemos uma grande procura”, acrescentou Igor, citando os perfis no Facebook e no Instagram.

Atualmente, a Biblioteca de Manguinhos reúne um acervo de cerca de 1 milhão de volumes, incluindo 7.725 títulos de periódicos científicos da área biomédica, dos quais 887 títulos são correntes, 156 mil volumes de monografias, entre livros científicos, dissertações e teses, anais de congressos etc. Possui ainda acesso às principais bases de dados na área de Ciências da Saúde, uma videoteca com cerca de 1.425 títulos e obras raras, estas com cerca de 70 mil volumes. Aos 120 anos, alia o olhar para o futuro e o passado, aliando a utilização das mais avançadas tecnologias e a democratização do acesso ao usuário com as condições necessárias de preservação e divulgação do acervo das obras raras da Fiocruz.

Fonte: Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz)

Sobre admin

Check Also

Bibliotecárias negras brasileira e colombiana produzem livro sobre epistemologias latino-americanas no campo biblioteconômico-informacional

Texto por Priscila Fevrier Qual a incidência de estudos de mulheres negras em Biblioteconomia e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *