Página inicial / Notícias / Bandidos arrombam Faculdade de Direito do Recife e roubam arquivos com documentos históricos

Bandidos arrombam Faculdade de Direito do Recife e roubam arquivos com documentos históricos

Por G1 PE

Bandidos roubam computadores da Faculdade de Direito do Recife

Bandidos arrombaram a Faculdade de Direito do Recife (FDR), no Centro da cidade, e roubaram computadores que guardavam documentos históricos e relíquias culturais de uma instituição de ensino de 192 anos. Nesta terça-feira (11), peritos da Polícia Federal estiveram no prédio e analisaram o local em busca de vestígios deixados pelos criminosos (veja vídeo acima).

Entre os materiais analisados pelos peritos estão impressões digitais. De acordo com funcionários da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), à qual a FDR faz parte, três computadores do arquivo da faculdade foram roubados.

Os bandidos subiram no telhado e entraram no prédio por janelas. A universidade não disse a que horas o crime ocorreu.

Os criminosos não levaram apenas computadores, mas parte de um trabalho de quatro anos, porque a equipe do arquivo da FDR está fazendo a digitalização de documentos e colocando tudo na internet, para acesso de toda a população, principalmente de estudantes.

Faculdade de Direito do Recife (FDR) fica no Centro da cidade — Foto: Reprodução/TV Globo

Faculdade de Direito do Recife (FDR) fica no Centro da cidade — Foto: Reprodução/TV Globo

A Faculdade de Direito do Recife é a segunda mais antiga do Brasil. Nela, estudaram personalidades como o abolicionista Joaquim Nabuco e os ex-governadores Agamenon Magalhães e Roberto Magalhães.

O coordenador do trabalho de arquivo, professor Humberto Carneiro, está em Roma, na Itália, e pela internet explicou a importância histórica do material roubado.

“O acervo da FDR é importante, porque foi constituído no século 19, quando a faculdade foi criada, a partir de 1827. Então, o acervo tem obras de professores e estudantes daquela época. Perdemos parte daquilo que seria devolvido à população como patrimônio cultural do Brasil e, especialmente, da sociedade pernambucana”, afirmou.

Segundo o assessor de comunicação da PF em Pernambuco, Giovani Santoro, o crime pode ser caracterizado como furto, com pensas que variam entre dois e quatro anos de prisão.

“Nós vamos ver se existem imagens do circuito interno de segurança que tenham captado o momento em que essas pessoas adentraram a sala e furtaram esses objetos. Vamos também ver se tem alguma impressão digital. Se conseguirmos identificar a pessoa, fica fácil solicitar os mandados de prisão temporária ou preventiva para poder capturar os bandidos” declarou.

Fonte: G1 Pernambuco

Sobre admin

Check Also

Livro no Brasil é caro?

Fonte: Band Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *