Página inicial / Biblioteconomia / Bibliotecas / Arquitetura do leste europeu: o simbolismo das bibliotecas modernistas soviéticas

Arquitetura do leste europeu: o simbolismo das bibliotecas modernistas soviéticas

Texto por Lucía de la Torre

Este artigo faz parte da série colaborativa “Arquitetura do Leste Europeu: 50 Edifícios que Definiram uma Era”, desenvolvida em parceria entre o The Calvert Journal e o ArchDaily. Celebrando alguns dos principais ícones da arquitetura do leste europeu, publicaremos periodicamente uma lista com cinco projetos construídos no então Bloco de Leste.

Biblioteca Nacional de Kosovo / Andrija Mutnjaković

Pristina, Kosovo

1982

National Library of Kosovo. © Marco Fieber under a CC license

A Biblioteca Nacional de Kosovo é tão icônica quanto controversa. Projetado pelo arquiteto croata Andrija Mutnjaković em 1982, formalmente, o edifício da biblioteca é composto por massivos volumes de concreto aparente, coroados por um total de 99 cúpulas brancas de diversos tamanhos. Adicione a este já excêntrico conjunto uma envoltória em treliça metálica e pronto: eis à jóia da arquitetura de um país com uma história tão diversa quanto. Enquanto alguns críticos e historiadores afirmam que Mutnjaković buscou inspiração nas formas da arquitetura bizantina e islâmica, o que se sabe é que as autoridades sérvias não ficaram nem um pouco contentes com o resultado formal do projeto, pois popularmente, acredita-se que as cúpulas brancas são uma menção ao qeleshe ou plis, um chapéu que faz parte do traje tradicional dos albaneses.

Logo após sua inauguração em 1986, a Biblioteca Nacional de Kosovo cumpriu inicialmente outras funções — principalmente durante a turbulenta Guerra dos Balcãs. No início do conflito, a biblioteca operou como um abrigo de refugiados croatas e bósnios, sendo mais tarde foi ocupada pelo exército sérvio, que utilizou suas instalações como alojamento e quartel general, período durante o qual, muitos livros históricos de relevância nacional foram destruídos. Hoje, a biblioteca opera normalmente, aberta e acessível à todos os moradores e visitantes de Pristina, acolhendo uma coleção de mais de 2 milhões de volumes.

Acesse a matéria completa publicada no Archdaily e conheça as bibliotecas nacionais da Ucrânia, Estônia, Bielorrússia, e da biblioteca pública Alvar Aalto.

Sobre admin

Check Also

Projeto de leitura para pessoas acima de 60 anos está com inscrições abertas em Itapetininga

Segundo a prefeitura, a iniciativa é totalmente digital e segura. Acervo virtual possui mais de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *