Página inicial / Notícias / Antropólogo belga doa 2,4 mil livros à Unicamp: ‘A vida tem que continuar e os livros também’

Antropólogo belga doa 2,4 mil livros à Unicamp: ‘A vida tem que continuar e os livros também’

Entre os títulos doados pelo professor aposentado da Universidade Estadual de Campinas (SP) estão obras de antropologia, teologia, fotografia, artes visuais e etnologia.

O antropólogo e teólogo Etienne Samain, professor aposentado da Unicamp, em Campinas (SP), doou 2.400 livros à biblioteca do IFCH — Foto: Françoise Biernaux

O teólogo e antropólogo belga Etienne Samain doou 2,4 mil livros de sua coleção para a biblioteca do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp. Entre os títulos cedidos pelo professor aposentado da Universidade Estadual de Campinas (SP) estão obras de antropologia, teologia, fotografia, artes visuais e etnologia.

“A vida tem que continuar e os livros também. Esses livros se tornarão adultos e podem viajar, tenho confiança neles e que estão seguros junto a Unicamp e o IFCH”, diz Samain.

Os livros doados pelo belga se juntam a outros 250 mil títulos que fazem parte do acervo da Biblioteca ‘Octávio Ianni’. Constantemente a Unicamp recebe livros de pessoas físicas e jurídicas, principalmente as doações póstumas, feitas por familiares de ex-professores.

De acordo com a diretora técnica Valdinéia Sonia Petinari, a doação de Samain é a maior de uma coleção particular com o dono ainda vivo desde que assumiu o posto, há dois anos. E isso permitiu um diálogo com o doador e considerações sobre a coleção.

“As pessoas me chamam de generoso. Eu não sei se a generosidade pode ser definida como estar aberto a um futuro que não me pertence apenas, mas pertence a muitos outros”, afirma o antropólogo.

A doação de Samain é responsável por abrir uma catalogação de antropologia e imagem, já que até então, os livros eram separados por outras categorias, de acordo com a doutora em multimeios, Fabiana Bruno.

Fabiana teve as teses de doutorado e mestrado orientadas pelo professor Etienne. Ela conta que a biblioteca pessoal do antropólogo teve participação fundamental na sua formação acadêmica. “É uma biblioteca muito preciosa para antropologia visual e da imagem”, afirma.

“Tenho dado aula sobre o tema e nem todos os autores estavam disponíveis. A biblioteca do professor tem um enorme número de autores que trabalham essas relações, é uma enorme contribuição”, diz Fabiana.

Sem intenção de colecionar

Etienne Samain é natural da Bélgica e chegou ao Brasil em 1973. Em 1984 foi convidado para ingressar na Unicamp, onde foi coordenador do Programa de Pós-Graduação em Multimeios do Instituto de Artes até 2015.

O professor conta que a biblioteca pessoal foi adquirida ao longo da vida, de acordo com o campo de conhecimento e pesquisa em que ele e seus alunos estavam envolvidos no momento. Ele próprio apelida o acervo de “um arquivo vivo, uma memória” de sua trajetória acadêmica.

“Nunca tive nem o desejo nem o projeto de criar uma biblioteca, nunca. Ela surgiu com o tempo.”

A escolha pela biblioteca do IFCH se deu pela conclusão de que o instituto apresenta o melhor suporte de conservação e divulgação dentro da universidade, apesar de o professor dizer ter grande apreço pela biblioteca do Instituto de Artes. “Tiver que fazer uma escolha”, diz.

Fonte: G1 Campinas e Região

Sobre admin

Check Also

Procon-SP orienta consumidor sobre compras em sebos

Nota fiscal deve ser exigida sempre; para efetuar reclamação de vícios aparentes e de fácil …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *