Página inicial / Leitura / A importância da leitura em tempos de isolamento

A importância da leitura em tempos de isolamento

Além de ser uma forma de explorar o mundo sem sair de casa, ler também alivia o estresse e nos deixa mais feliz. Confira algumas histórias inspiradoras

Texto por Sistema Fecomércio

A psicóloga do Sesc Fortaleza, Telma Fernandes, explica que, diante do atual momento, muitos estão desenvolvendo um nível alto de estresse. Para a profissional, uma das sugestões para as pessoas lidarem melhor com a situação é ler. — Foto: Pixabay

A rápida propagação do Novo Coronavírus (COVID-19) levou o mundo inteiro a adotar medidas preventivas de isolamento social. Nesse período, é fundamental ficar em casa para conter o avanço da doença, assim como enfrentar os riscos para quem trabalha em serviços essenciais, o que tem gerado impactos na vida das pessoas. A mudança da rotina de casa, dos filhos e do trabalho, as incertezas sobre o presente e o futuro, o bombardeio de informações, o medo, enfim, são apenas alguns dilemas enfrentados pela maioria da população neste período de pandemia e isolamento social.

Além dos cuidados essenciais com higienização e alimentação, o atual momento exige uma atenção especial para nós mesmos, uma vez que a falta de conhecimento e de uma solução imediata gera um aumento de ansiedade, insegurança, estresse, tristeza e outros sentimentos. Só para se ter uma ideia, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou algumas ações com o objetivo de amenizar os impactos negativos da pandemia, como escrever e, principalmente, ler. Neste momento, os livros têm sido ótimos companheiros de quarentena.

“A leitura é a minha grande paixão, logo, nesse momento, mais do que nunca, reconheço o poder que o livro tem, pois abre portas à reflexão, é um suporte de autoconhecimento. Não tenho dúvidas de que ler, neste momento, é o que eu mais tenho feito para viver melhor o isolamento”, relata Ivana Chaves, assistente de biblioteca do BiblioSesc.

Para ela, os livros são poderosos aliados para a nossa saúde mental e felicidade, mesmo em tempos de pandemia, uma vez que o hábito da leitura ajuda a avaliar novas perspectivas ou respostas, o que funciona inclusive como um alívio, pois nos permite desbravar os desafios enfrentados pelos personagens nas narrativas. “Outro ponto consolador é o fato de que a leitura faz com que o leitor perceba que ele não está sozinho na vivência de suas adversidades”, pontua.

Ivana Chaves não é a única que encontra nos livros um conforto neste momento de incertezas e desafios. O universitário Quintino Barbosa, de Sobral, também está aproveitando a quarentena para colocar a leitura em dia. “Minha relação com a leitura é, com certeza, um casamento estável, de amor e compromisso. Nesse período, tenho mergulhado ainda mais no mundo da literatura e da arte como um tudo”, declara. Desde o início do isolamento, ele já leu “O Cortiço”, de Aluísio Azevedo, “Tieta do Agreste”, de Jorge Amado, dentre outros clássicos, além de livros de contos e poesia. “Para mim, é uma rica fonte de divertimento e conhecimento“, destaca.

Literatura faz bem à saúde

A psicóloga do Sesc Fortaleza, Telma Fernandes, explica que, diante do atual momento, muitos estão desenvolvendo um nível alto de estresse. Para a profissional, uma das sugestões para as pessoas lidarem melhor com a situação é ler. Relaxamento muscular, meditação, ativação da memória e promoção da empatia são apenas alguns dos benefícios de uma boa leitura. “A dica é escolher livros com temas e assuntos que você se identifica, que prenda a sua atenção e faça você mergulhar no contexto, transformando-se, assim, em mais um personagem da história”, afirma.

A outra sugestão para aliviar a tensão é escrever. Conforme ressalta a psicóloga, adotar uma rotina de anotações diárias sobre nossas emoções alivia os sentimentos, ajuda a processar as angústias e organiza os pensamentos. “As anotações podem ser feitas em poucas linhas. Relate, busque formas de entender, aceitar e trabalhar suas emoções”, orienta.

É o que Quintino costuma fazer, mas, no seu caso, seus relatos vêm em forma de contos e poesias. “Escrever é uma das atividades que mais gosto de fazer, é minha sina realmente. Ler, escrever, ouvir música, desenhar, pensar, enfim tudo isso me ajuda a me manter tranquilo e entretido”, ressalta.

A arte de se aproximar

O BiblioSesc é a unidade móvel de biblioteca do Sesc que oferece à comunidade de Fortaleza, bem como da região Metropolitana, o livre acesso às estantes, através de um cadastro gratuito feito com um documento de identificação e um comprovante de endereço. A ideia é possibilitar o empréstimo de livros e revistas gratuitamente, pelo prazo de catorze dias, mesmo prazo em que as visitas ocorrem, ou seja, de catorze em catorze dias.

No entanto, por conta da pandemia, as visitas do BiblioSesc foram suspensas temporariamente, mas isso não significa que boas iniciativas não estejam chegando aos ávidos leitores. O vínculo, explica Ivana Chaves, segue por meio do WhatsApp, ferramenta que tem sido uma ponte para o envio de sugestões de livros, cursos online, bem como arquivos de obras virtuais disponibilizadas gratuitamente, links de lives literárias, dicas de vídeos e curiosidades sobre o universo da leitura.

“Foi a alternativa que encontramos para amenizar o impacto do isolamento em nossas vidas, além de ajudar a superar a saudade que sentimos dos nossos encontros. Os grupos que criamos são espaços de trocas literárias, que ajudam a fidelizar nosso contato com os leitores e amenizar a ansiedade deles”, afirma.

E é assim, mantendo a leitura em dia, que pessoas como Quintino e Ivana seguem na esperança por dias melhores. Como a bibliotecária costuma dizer, precisa-se, mais do que nunca, semear livros para nos aproximar, da vida e dos outros, chegar perto, estar junto, mesmo durante o isolamento social. “E quando tudo isso passar, e você avistar um belo caminhão, com aplicações adesivas nos tons azul, branco e amarelo, já sabe do seu semear. Portanto, em breve, todos vão poder nos procurar para colocar o papo e as reservas em dia. O abraço está garantido, além de livros à mão cheia, claro”, conclui Ivana Chaves, saudosa, mas cheia de esperança em dias melhores.

Fonte: G1

Sobre admin

Check Also

Atualização dos dados de 2019 Bibliotecas SisEB – Prorrogação de prazo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *