Página inicial / Mercado Editorial / Editoras / A (falta de) diversidade no mercado editorial brasileiro

A (falta de) diversidade no mercado editorial brasileiro

Texto por Talita Facchini 

O Podcast do PublishNews conversou com Vagner Amaro, editor da Malê, sobre a presença de autores e editores negros no mercado editorial brasileiro e em eventos literários e sobre importância dos livros abordarem a cultura afro-brasileira

No dia 25 de maio, o afro-americano George Floyd morreu nos EUA depois que o policial Derek Chauvin, se ajoelhou sobre seu pescoço por sete minutos enquanto ele estava deitado de bruços. Esse triste episódio desencadeou inúmeras manifestações em diversos países e levantou mais uma vez a questão do racismo, assunto que nunca deveria ter saído de pauta.

Trazendo o tema para o mercado editorial, em 2014, dos livros publicados apenas 2,5% dos autores não eram brancos. Dos personagens retratados nos romances apenas 6,9% eram negros e só 4,5% eram protagonistas. Neste mesmo ano, segundo o IBGE os negros representavam 54% da população brasileira. Uma fotografia da força de trabalho da indústria do livro pode ser bem parecida com esta: a maioria dos trabalhadores de editoras e livrarias é composta por pessoas brancas. Para conversar sobre o assunto, o podcast desta semana ouviu Vagner Amaro, fundador da editora Malê.

Inaugurada em 2016, a Malê busca dar visibilidade a autores africanos e afro-brasileiros e desde então, algumas coisas mudaram no cenário editorial brasileiro. “A Malê surge em 2016, em um momento que outras vozes também estavam se colocando em relação a essa desigualdade tão grande no mercado editorial, então é o trabalho da Malê, junto com o trabalho de outras pequenas editoras que foram surgindo”, contou Vagner. “Em um certo momento, um grupo de intelectuais negros resolveu intensificar esse debate em relação a desigualdade e eu acho que de fato surgiu efeito”, definiu.

Para Vagner, um dos grandes problemas do que ele definiu como um “sistema literário da autoria negra” é que os livros não circulavam. “Eles não estavam nas livrarias, não estavam sendo distribuídos, eles não participavam dessas reuniões de compras e não eram inscritos nos prêmios”, explicou, algo que mudou com o trabalho das editoras como a Malê nos últimos anos.

Sobre a falta de diversidade no mercado de trabalho, Amaro tocou num ponto importante. “Se a gente for pensar na quantidade de editores negros atuantes no Brasil, é um número muito reduzido, não chega a 10 editores”, alertou. “E esses editores que empreenderam as empresas onde trabalham, ou seja, eles não foram absorvidos pelo mercado”, algo que segundo ele só comprova essa desigualdade. “As pessoas que estão pensando o mercado editorial não são negras”, concluiu.

A inclusão dos autores negros nos eventos literários também foi tema da conversa. Amaro lembrou da importância que a Flip de 2017 teve para a Malê e para os autores negros e falou o que tanto mudou nos últimos anos nas feiras literárias com relação a presença de autores negros e de editoras que publicam autores negros. “O que eu comecei a observar, muito atento em relação a isso, é como se o evento, a Flip, tivesse comunicado algo que os curadores entenderam que era essencial e passaram colocar isso nas suas programações”, lembrou.

A conversa com Amaro rendeu: a importância dos livros infantis abordarem a cultura africana e afro-brasileira, os problemas estruturais do mercado, e outros temas relacionados foram discutidos a fundo.

E o que as editoras podem fazer para mudar o mercado, além de somente se posicionar nas redes sociais? “Contratem pessoas negras”, resumiu Amaro. “Contratem pessoas negras, investiguem, pesquisem sua equipe e contratem pessoas negras. Quem é que avalia originais dessa editora? Tem alguma pessoa negra ai? Contrate uma pessoa para essa equipe. Quantos editores existem nessa equipe? Tem alguma pessoa negra? Contrate uma pessoa. As livrarias: na sua equipe de gerentes da sua rede de livrarias, quantos negros são gerentes? Contrate negros para serem gerentes das livrarias. No corpo da CBL, quantos membros fazem parte? Contratem negros para isso. Quantos negros fazem parte do time que pensa a Bienal de São Paulo? Contrate negros”, finalizou.

O Podcast do PublishNews é um oferecimento da Metabooks, a mais completa e moderna plataforma de metadados para o mercado editorial brasileiro, da UmLivro, novo modelo de negócios para o mercado editorial: mais livros e mais vendas, e da Auti Books, dê ouvidos a sua imaginação, escute Audiobooks. Você também pode ouvir o programa pelo Spotify, iTunes, Google Podcasts, Overcast e YouTube.

Indicações

Pequeno manual antirracista (Companhia das Letras) – Djamila Ribeiro

Queer eye – Netflix

Pose – Netflix

Grupo de literatura contemporâneo

Portal Literafro UFMG

Biografia Carolina Maria de Jesus (Malê)

Hollywood – Netflix

Bucala David Nunes – Netflix

Eu não sou seu negro – Globosat

O quarto de Giovanni (Companhia das Letras) – James Baldwin

Fonte: PublishNews

Sobre admin

Check Also

Obras literárias ganham novos formatos para pessoas com deficiência

Ao todo, 13 obras estão disponíveis online e gratuitamente; veja A Secretaria de Estado dos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *